Blog do Eliomar

Categorias para Internacional

Duro golpe à imprensa argentina se vira contra Cristina Kirchner

“Numa nova investida contra os meios de comunicação do país, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, apresenta nesta terça-feira um relatório de 400 páginas, revelando supostos vínculos entre os principais jornais e a ditadura (1976-1983), para compra da Papel Prensa.

A divulgação do documento provocou reações de entidades de imprensa, da oposição e dos principais jornais do país, que manifestaram preocupação com a liberdade de expressão argentina. De acordo com a denúncia do governo, cuja bandeira tem sido a defesa de direitos humanos, trata-se de mais um crime do regime militar.

Tanto os políticos da oposição, quanto os jornais “La Nación” e “Clarín”, garantem que é mais uma manobra do Estado para controlar a imprensa.

Durante o fim de semana, os diários publicaram editoriais denunciando as manobras do governo para coibir a mídia, comparando a política de Cristina com a do venezuelano Hugo Chávez.

Na segunda, os jornais receberam apoio da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) e da Associação Internacional de Radiodifusão (AIR), que manifestaram preocupação com as “ameaças à liberdade de expressão na Argentina”.

(O Globo)

Irã já conta com primeiro avião não tripulado

54 1

“Autoridades do Irã apresentaram neste domingo o primeiro avião militar não tripulado fabricado no país, segundo informações oficiais do governo iraniano. O veículo é capaz de bombardear alvos e voar longas distâncias em alta velocidade. O presidente Mahmoud Ahmadinejad (na foto acima) apresentou o novo avião, chamado de Karrar, o ‘embaixador da morte’, em cerimônia de comemoração ao Dia da Indústria da Defesa iraniana.

Na apresentação, o ministro da defesa do país, o general Ahmad Vahidi, afirmou que, em breve, o Irã deve anunciar um novo projeto de ‘grande importância’.

– Nossa capacidade de defesa chegou a um ponto em que não precisamos mais da ajuda de outros países – afirmou ao Vahidi Iranian Students News Agency, completando que estão preparados a reagir a qualquer ataque externo. Em fevereiro, o Irã inaugurou a produção de dois tipos de avião com capacidade de reconhecimento e bombardeamento, noticiou a agência Fars.

O país já produz tanques, mísseis, e aviões de combate desde 1992, de acordo com a Press TV. Em março de 2009, oficiais americanos afirmaram que derrubaram no Iraque um avião iraniano sem tripulação. Os veículos sem pilotos são o símbolo da guerra moderna. Para oficiais americanos, aviões e tanques com controle remoto diminuem riscos e permitem que as tropas espionem os inimigos.”

(Globo.com)

Montanhista cearense fala sobre Expedição McKinley

O consultor organizacional e montanhista Rosier Alexandre fará palestra aberta ao público nesta segunda-feira, a partir das 19 horas, no auditório da Federçaão das Indústrias do Ceará (Fiec). Na ocasião, ele apresentará fotos e vídeo contendo os momentos mais marcantes da expedição que fez a McKinley, a montanha mais fria da Terra e a mais alta da América do Norte. incluindo algumas tempestades de vento e neve.

Na oportunidade Rosier apresentará detalhes sobre a Expedição McKinley (6.194m), a montanha mais fria da Terra e a mais alta da América do Norte.

Após a palestra, Rosier estará expondo todos os equipamentos utilizados na expedição. Rosier fez essa expedição contando com apoio do Distribuidor Cummins Diesel do Nordeste (www.dcdn.com.br), EIM – Instalações Industriais (www.eim.ind.br), Fiec e SESI www.sfiec.org.br).

Pivô de escândalo na Áustria investe no litoral do Ceará

Localizada a 120 quilômetros de Fortaleza, a praia de Parajuru, distrito de Beberibe, encanta pelas belezas naturais e o jeito peculiar de seu povo, a maioria pequenos comerciantes e pescadores. Há alguns anos, essa condição tem atraído turistas nacionais e estrangeiros que se misturam com os moradores sem maiores tensões. A relação de proximidade, porém, tem gerado, nos últimos anos, um clima de animosidade entre nativos e representantes de um grupo empresarial austríaco chamado Estrela do Mar.

Comandado por Gisela Wisniewski e seu primo Peter Hochegger (foto), o Estrela do Mar chegou a região em 2004. Desde então tem investido pesado na compra de terrenos e construção de empreendimentos turísticos que têm desagradado a famílias nativas. No início de agosto a relação entre o Estrela do Mar e a comunidade de Parajuru foi abalada mais ainda com a informação veiculada por jornais da Áustria de que Peter Hochegger seria o pivô de um escândalo financeiro envolvendo o governo austríaco e parte do dinheiro teria sido investido em Parajuru.

O caso Buwog-Affare, como ficou conhecido o escândalo, foi em 2004 e envolve a obtenção de informações privilegiadas em uma concorrência governamental. Peter era consultor da empresa Immofinanz, que ganhou a disputa, recebendo como comissão o valor de 10 milhões de euros (R$ 22,5 milhões). Na última quarta-feira, Peter aceitou falar ao O POVO, na pousada Paraíso do Sol, em Parajuru, que faz parte dos empreendimentos da Estrela do Mar. Na primeira conversa com a imprensa depois do escândalo, ele admitiu que parte dos recursos da trama financeira foi investido em em negócios na praia de Parajuru.

POVO – O que o senhor está fazendo no Brasil?

Peter Hochegger – Gisela (Wisniewski) é minha prima. E ela sempre me falava sobre Parajuru. Que era bonito aqui, me falava sobre as coisas que fazia, tinha aqui a escola, né? E ela achou que era importante para mim vir para cá. Em 2006, meu pai morreu e a Gisela sugeriu que eu trouxesse minha mãe durante o período de inverno na Áustria. Vim com minha mãe em 2006. Ficamos na casa de Gisela e minha mãe gostou muito. Gisela disse que quando quisesse vir poderia ficar na casa dela. Mas minha mãe queria sua própria casa.

OP – Em que tipos de atividades o senhor atua?

Peter – Atuo no ramo de consultoria e também sou sócio em algumas empresas no segmento de alimentação, eólica e uma de veículos a eletricidade.

OP – O senhor tem alguma ligação com política na Áustria?

Peter – No meu ramo de atividade eu trabalhei com pessoas da política, mas não diretamente com partidos.

OP – O senhor não chegou a ter mandato parlamentar?

Peter – Não.

OP – Qual a sua ligação com o escândalo Buwog-Affäre?

Peter – A empresa envolvida, a Immofinanz, era minha cliente há muito tempo e eu ajudei a essa empresa em um negócio, dizendo qual era o melhor preço que eles podiam pagar para ganhar uma concorrência do governo. A Immofinanz queria comprar esse negócio e nós lhe dissemos qual era o melhor preço. Só que tinha dois problemas nesse caso. O meu sócio (Walter Heischbergger) era amigo do ministro das Finanças da Áustria (Karl-Heinz Grasser). E por isso ganhou informações privilegiadas para vencer a concorrência. Quando o caso estourou, eu confessei que tínhamos passado a informação, mas meu sócio negou que tivesse repassado as informações privilegiadas.

OP – Mas o que era propriamente esse negócio?

Peter – Eram imóveis em consórcio que o estado quis vender. E duas empresas desse consórcio queriam comprar. Eu recebi a informação privilegiada sobre o melhor preço para comprar esses imóveis através de meu sócio. Ele me deu a informação de quanto a outra empresa iria pagar e nós repassamos para a nossa cliente esse valor, para que eles dessem uma oferta maior. Essa informação privilegiada era de que a outra empresa (Creditanstalt Real Estate – Caib) só podia chegar até determinado valor. Depois o meu sócio disse que nunca deu essa informação.

OP – Quem passou a informação privilegiada foi o ministro das Finanças?

Peter – O meu sócio nunca me falou sobre quem lhe passou a informação.

OP – Como se descobriu a fraude e se gerou o escândalo?

Peter – Com o tempo as ações da Immofinanz começaram a cair e as pessoas a desconfiar que havia alguma coisa errada com a empresa. Era na verdade um outro escândalo da empresa, mas que não tinha nada a ver com o que eu estava envolvido. Depois a Immofinanz foi submetida a uma investigação pelo Ministério Público e encontraram uma conta de aproximadamente 10 milhões de euros (R$ 22,5 milhões) de provisão que foram para minha empresa como comissão. Mas desse valor eu ganhei 20% e meu sócio os 80%.

OP – Mas isso é ilegal?

Peter – A comissão não é ilegal. A questão é que eu não paguei a taxa de imposto dessa comissão. O problema todo é esse.

OP – Mas por que não foi pago?

Peter – Esse dinheiro eu transferi para contas que mantenho em Chipre e não paguei as taxas em Viena.

OP – Paraíso fiscal?

Peter – Não, não. Eu já tinha uma empresa lá, porque se paga menos imposto.

OP – Qual a sua situação hoje na Áustria?

Peter – Eu expliquei tudo ao Ministério das Finanças, expliquei tudo, paguei uma parte do valor e tenho até setembro para pagar o resto.

OP – Como está a situação legal de Heischberger, seu sócio?

Peter – Ele está solto, mas está tendo que ressarcir o governo também.

OP – Veículos de comunicação na Áustria divulgaram que parte desse dinheiro foi usado pelo senhor para investimento no Brasil. Isso procede?

Peter – Uma parte fiz investimento aqui, no Ceará.

OP – Por exemplo?

Peter – Na casa que construi aqui. Tenho 20% de participação no hotel Paraíso do Sol e comprei terrenos.

OP – Hoje o senhor lida com o quê?

Peter – Eu sou proprietário de uma S/A e dono de várias empresas em sete países.

OP – Quais?

Peter – Bulgária, Holanda, Romênia, República Tcheca, Hungria, Brasil e Áustria.

OP – O Buwog-Affäre foi um escândalo de grande repercussão na Europa. A que o senhor credita isso?

Peter – O escândalo tornou-se grande porque se deu muito próximo da esfera política. Porque surgiu suspeita da participação do ministro das Finanças e as pessoas se aproveitam.

OP – E até hoje o senhor não sabe quem passou a informação privilegiada para o seu sócio.

Peter – Apesar de termos trabalhado juntos uns dez anos, nunca perguntei. O Heischbergger também trabalhou na política e achei que eram contatos dele.

OP – Na época do escândalo como o senhor enfrentou o caso?

Peter – Eu abri todas minhas contas ao Ministério Público, estou pagando todos os impostos e quando estiver tudo resolvido eu pretendo dar uma entrevista lá (na Áustraia) falando alguma coisa.

OP – Essa é a primeira entrevista que o senhor dá sobre o caso à imprensa?

Peter – Primeira vez. Mas tudo que eu falei para você, as pessoas já sabem na Áustria.

OP – O que o senhor pretende dizer ainda aos austríacos?

Peter – Eu vou ver.

OP – Tem alguma coisa que eles não sabem?

Peter – Não (risos).

OP – O senhor pretende investir em mais alguma coisa no Ceará?

Peter – Estou estudando alguma coisa em energia eólica.

OP – O Ceará é melhor para investir ou passear?

Peter – Os dois.

(Entrevista a Luis Henrique Campos, do O POVO)

Cid troca debate por jantar de encerramento da ICID+18

58 2

O governador Cid Gomes (PSB) receberá para jantar, nesta noite de quinta-feira, na Residência Oficial, pesquisadores e convidados especiais que participaram da II Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento de Regiões Semiáridas (ICID+18). Com ele, estará o presidente do congresso, Antõnio Rocha Magalhães, e o vice-governador Francisco Pinheiro, presidente do capítulo científico do evento que está se encerrando nesta sexta-feira.

Com tal compromisso, fica portanto afastada a possibilidade de Cid Gomes participar do debate entre os postulantes ao Governo do Estado que a TV Jangadeiro promoverá, a partir das 22h20min, nesta noite em seus estúdios, segundo assessores.

Brasil adota medida contra suborno transnacional

“A partir de agora, a concessão de crédito à exportação pelas agências brasileiras de fomento – como o BNDES e o Banco do Brasil, por exemplo – está condicionada à assinatura, pela empresa interessada, de uma declaração anticorrupção, na qual se compromete a não praticar suborno no exterior, sob pena de perder o acesso à linha de financiamento.

A chamada Declaração de Compromisso do Exportador contra a Corrupção, em especial o pagamento de propina a funcionários públicos estrangeiros, consta de resolução do Conselho de Ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex) publicada nesta quarta-feira (18) no Diário Oficial da União. Ela foi assinada pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Miguel Jorge, na condição de presidente da Camex.

A elaboração do documento foi proposta pela Controladoria-Geral da União (CGU) como forma de o governo brasileiro atender a recomendação formulada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em março deste ano, quando o Brasil foi avaliado acerca da implementação da convenção da OCDE contra a corrupção de funcionários públicos estrangeiros em transações comerciais internacionais.”

(Site da CGU)

Colômbia suspende acordo militar com os EUA

“A Corte Constitucional da Colômbia suspendeu nesta quarta-feira, a vigência de um acordo militar firmado com os Estados Unidos e o devolveu à presidência para que ele seja aprovado no Congresso.

Em outubro de 2009, Bogotá e Washington firmaram um polêmico acordo que permitia o acesso de militares americanos a sete bases colombianos por dez anos para realizar operações contra o narcotráfico e o terrorismo. O trato enfureceu vários governos de esquerda da região.

“A Corte Constitucional da República da Colômbia, administrando justiça em nome do povo e por mandato da Constituição, decidi remeter ao presidente o denominado acordo complementar para a cooperação e assistência técnica em defesa e segurança entre os governos da Colômbia e dos EUA”, afirmou a decisão.

Para o tribunal, o acordo não pode entrar em vigência até que o trâmite de aprovação parlamentar seja concluído.

Os Estados Unidos é o principal aliado da Colômbia na luta contra o narcotráfico e os grupos armados ilegais vinculados com essa atividade e desde o ano 2000 enviou a Bogotá mais de US$ 6 bilhões. 

A Colômbia, maior produtor mundial de cocaína, ignorou a recomendação de um alto tribunal antes de firmar o acordo. A corte sugeriu que o convênio fosse submetido à aprovação do Congresso e a um controle de legalidade da Corte Constitucional.”

(Reuters)

OEA oferece apoio para estudos no Exterior

A OEA está oferecendo apoio para estudantes interessados em fazer cursos de graduação, pós-graduação e de curta duração no Exterior. Há oportunidades de estudos em países de língua inglesa, espanhola e francesa. Estão abertas as inscrições para novos cursos a distância.

Os candidatos têm 13 opções: “Planificação e Rendição de Contas por Resultados e Tabuleiros de Controle”, “Elaboração de Indicadores de Produtos, Resultados, Efeitos e Impactos”, “Elaboração de Planos Estratégicos de Unidades de Gestão”, “Indicadores da Qualidade Ambiental”, “Indicadores ORH (Gestão de Organizações e Recursos Humanos) em Âmbitos Públicos”, “Elaboração de Contratos de Gestão por Resultados” “Ética Pública, Transparência e Anticorrupção”, “Experimento Universitário em Informática Educativa (Programa Modular Tecnologias para a Educação e o Conhecimento”, “Ética Pública, Transparência e Anticorrupção”, “Curso de Economia em Telecomunicações” “Professor para o século XXI”, “Redes Lan e Corporativas”, “Redes e Tecnologias de Banda Larga” e “Introdução ao Marco Tecnológico Atual das Novas Tecnologias”.

A divulgação é feita pela assessoria de imprensa da Universidade Estadual do Ceará e mais informações podem ser obtidas no site: http://www.educoas.org/

China ultrapassa Japao e é a 2º maior economia do mundo

“Depois de três décadas de crescimento espetacular, a China passou o Japão, tornando-se a segunda maior economia do mundo, atrás dos Estados Unidos, segundo dados divulgados nesta segunda-feira.

O marco já era esperado há algum tempo. Tóquio anunciou que a economia japonesa teve expansão de 0,4% no segundo trimestre, ficando em US$ 1,28 trilhão, pouco abaixo do US$ 1,33 trilhão registrado pela China no mesmo período.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos ficou em torno de US$ 14 trilhões em 2009. O crescimento do Japão ficou abaixo do estimado pelo mercado.

Segundo especialistas, o fato de desbancar o Japão — depois de ter passado Alemanha, França e Reino Unido — reforça o poder do crescimento chinês e as previsões de que a China ultrapasse os EUA, tornando-se a maior economia do mundo em 2030.

– Isso tem um significado muito forte – disse Nicholas R. Lardy, economista do Instituto Peterson para Economia Internacional, em Washington. – Confirma o que vem acontecendo há uma década: que a China vem eclipsando o Japão na área econômica. Para todos na região da China, o país agora é o maior parceiro comercial, em lugar de EUA e Japão – finalizou.”

(Globo.com)

Juliana e Larissa faturam o penta no mundial de vôlei de praia

491 1

“Juliana e Larissa viveram um dia histórico em Kristiansand, na Noruega. Neste sábado, a dupla brasileira subiu ao lugar mais alto do pódio da etapa norueguesa e conquistou o pentacampeonato do Circuito Mundial de Vôlei de Praia, com quatro etapas de antecipação. A vitória que selou o título foi sobre a dupla chinesa Zue/Zhang Xi por 2 sets a 0 (21/19 e 21/20), em 43 minutos.

Com a conquista, Juliana e Larissa somaram 6.660 pontos no ranking mundial, não podendo mais ser alcançadas pelas rivais compatriotas Maria Elisa e Talita. O primeiro lugar na Noruega também deu às brasileiras a soberania absoluta de títulos do Circuito Mundial. Agora, Juliana/Larissa tem 36 medalhas de ouro conquistadas, enquanto as norte-americanas Walsh e May, 35. Este foi o sétimo triunfo de Juliana/Larissa na temporada de 2010 do Circuito Mundial. Além de duas etapas na Noruega, as brasileiras venceram as etapas do Brasil, da Coreia do Sul, da Suíça, da Polônia e da Áustria.

Com o pentacampeonato, Juliana e Larissa se igualam à dupla Ricardo/Emanuel em número de títulos do Circuito Mundial. Na história da competição, as brasileiras só perdem para Adriana Behar e Shelda, que foram hexacampeãs.

O primeiro título do Circuito Mundial de Juliana e Larissa foi obtido em 2005. Nos dois anos seguintes, a parceria brasileira continuou dominando a competição e foi novamente campeã. Em 2008, devido a uma lesão no joelho de Juliana, a dupla não conseguiu manter a boa sequência. No entanto as brasileiras voltaram a ser campeãs em 2009 e, agora, em 2010.

O primeiro desafio de Juliana/Larissa neste sábado foi um confronto brasileiro, contra as irmãs Maria Clara e Carol, que foram derrotadas por 2 sets a 0 (21/15 e 24/22). Na disputa pela medalha de bronze, as brasileiras venceram as norte-americanas Kessy e Ross de virada, por 2 a 1, com parciais de 13/21, 21/19 e 15/08.”

 (Lancepress/Foto – Arquivo)

Alerta de tsunami no Pacífico

“Um alerta de tsunami foi emitido nesta terça-feira (10) após um terremoto de magnitude 7,5 graus atingir águas ao sul de Vanuatu, no Pacífico Sul. Não há dados sobre vítimas ou danos materiais. O aviso foi emitido pelo Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico, que afirma que a leitura do nível do mar indica que foi gerado um maremoto e uma primeira onda de 23 centímetros, que já chegou à capital, Port-Vila.

O terremoto aconteceu às 16h23 locais (2h23 em Brasília), a 39 km ao noroeste de Port-Vila, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês). O epicentro foi registrado a 35 km de profundidade.

Vanuatu não está no “Anel de Fogo do Pacífico”, mas habitualmente tem atividade sísmica, pois fica perto de vulcões submarinos. Há um mês, outro tremor, de magnitude 7,2, obrigou a declarar um alerta de tsunami que acabou sendo cancelado pelas autoridades.”

(EFE e Reuters)

Grupo do Parlasul participará da conferência internacional sobre clima

O senador Inácio Arruda (PCdoB) encontra-se em Montevidéu (Uruguai) onde participa, nesta segunda-feira, de mais uma reunião do Parlamento do Mercosul. Entre os objetivos, vai articular a participação de uma delegação do Parlasul na II Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas – ICID 2010, que ocorrerá no período  de 16 a 20 deste mês, no Centro de Conveções, em Fortaleza.

O ICID 2010 envolverá mais de 90 Países da África, Ásia e América Latina e cerca de dois mil participantes. O objetivo do encontro, com a presidência de Antõnio Rocha Magalhães, e coordenação do vice-governador Francisco Pinheiro, é consolidar e sintetizar dados e estudos sobre mudanças climáticas e identificar ações para promoção do desenvolvimento seguro e sustentável nas regiões semiáridas.

Chávez lamenta fim do mandato de Lula e diz torcer pela vitória de Dilma

53 2

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, lamentou nesta sexta-feira o fim do mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deixa o cargo em 31 de dezembro, mas disse esperar a vitória eleitoral da petista Dilma Rousseff, sem mencionar o nome da candidata.

“Temos a esperança de que entregue a Presidência já sabemos a quem, não vou dizer o nome, porque não quero que me acusem de ingerência” em assuntos internos do Brasil, disse Chávez na presença de Lula no Palácio de Miraflores, sede do governo venezuelano. Previamente a essa reunião, o governante venezuelano já havia deixado clara sua predileção por Dilma, mas também sem citar o nome dela.

“Lamento que (Lula) saia da Presidência, mas sei que será substituído pela pessoa que queremos”, disse Chávez. “Não quero interferir nos assuntos internos, mas tenho meu coração”. Lula visitou Caracas para a reunião trimestral entre Brasil e Venezuela, antes de viajar a Bogotá para comparecer amanhã à posse do novo presidente colombiano, Juan Manuel Santos. Durante o encontro entre Lula e Chávez, foram assinados 27 acordos de cooperação em áreas como agricultura, finanças públicas, projetos sociais, relações fronteiriças e tecnologia.”

(EFE)

Em Caracas, Lula tenta reatar diálogo de Chávez com a Colômbia

“O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reúne hoje (6) em Caracas com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, em uma tentativa de convencer o país a retomar o diálogo com a Colômbia. O objetivo é que os dois países possam atuar com o Brasil no controle da segurança na fronteira. As informações são da BBC Brasil.

De Caracas, Lula viaja para Bogotá, onde acompanha a cerimônia de posse do novo presidente colombiano, Juan Manuel Santos, além de reiterar o pedido para a abertura de um diálogo com a Venezuela.

O governo brasileiro interpretou como um sinal positivo o silêncio de Santos durante a crise diplomática que resultou na ruptura de relações entre Colômbia e Venezuela.

Além do diálogo entre os países, o Brasil defende o monitoramento conjunto da fronteira entre Colômbia e Venezuela – de 2,1 mil quilômetros de extensão – para coibir a entrada e a saída de grupos armados que reiteradamente são o pivô de conflitos entre os dois países.

A visita de Lula à Venezuela marca o décimo encontro trimestral dos presidentes desde 2007 e o último antes das eleições legislativas na Venezuela e presidenciais no Brasil.”

(Agência Brasil)

Justiça dos EUA desbloqueia US$ 500 milhões do Opportunity

“A Justiça dos Estados Unidos decidiu desbloquear cerca de US$ 500 milhões (R$ 877 milhões) do grupo Opportunity, de Daniel Dantas, que estavam congelados naquele país desde o começo do ano passado.
Uma corte americana diz que os valores só podem ser bloqueados quando houver uma decisão definitiva da Justiça brasileira. Dantas, porém, não poderá movimentar os recursos. O juiz Marcelo Cavali, substituto da 6ª Vara Federal, onde corre o processo sobre o Opportunity, decidiu ontem que o banqueiro e seus sócios não podem movimentar os valores. Se mexerem, estão sujeitos a uma multa diária de R$ 1 milhão e, eventualmente, prisão preventiva. O procurador da República Silvio de Oliveira pediu ao juiz para que os recursos continuem congelados porque entende que qualquer movimentação nos EUA significaria novos atos de lavagem de dinheiro. O juiz concordou.

O processo sobre o Opportunity, alvo da Operação Satiagraha, não tem sentença nem em primeira instância no Brasil. Ele começou em julho de 2008, mas está parado desde setembro do ano passado no Tribunal Regional Federal da 3ª Região. Duas varas da Justiça federal (a 2ª e a 6ª) reivindicam o processo, mas o TRF ainda não decidiu qual delas ficará com o caso. O Judiciário brasileiro foi alvo de críticas do Gafi, órgão internacional de combate a lavagem de dinheiro, porque não produz sentenças definitivas sobre crimes financeiros. Desde 1998, o país tem só 11 sentenças definitivas sobre lavagem, segundo o Gafi.”

(Folha)

FMI destaca economia robusta do Brasil

“O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou comunicado no qual elogia o “quadro robusto de políticas do Brasil”, depois das consultas anuais com autoridades econômicas do país, encerradas em 14 de julho. O Fundo atribui à política governamental o crédito pela recuperação econômica rápida, depois da recessão do ano passado.

“Esse desempenho notável se baseou no quadro robusto de políticas das autoridades, baseado em responsabilidade fiscal, flexibilidade do câmbio e uma meta de inflação com credibilidade”, diz o comunicado. O FMI elogia a “reação política oportuna” à crise financeira global e encoraja os esforços atuais para desfazer as medidas de estímulo fiscal e reduzir a “rigidez dos gastos”, de modo a conseguir um superávit primário mais alto. Superávit primário é a economia que o governo faz para o pagamento de juros da dívida pública.

O relatório também destaca o vigor do setor financeiro no Brasil e diz que os bancos controlados pelo governo “desempenharam um papel crítico ao prevenir uma perda potencialmente grande de produção”, quando os bancos privados reduziram a concessão de crédito. Contudo, o documento adverte contra os “gastos quase fiscais” relacionados ao crédito público.

O FMI diz ainda que manter as expectativas de inflação em xeque deve continuar a ser a prioridade do Banco Central do Brasil e recomenda cautela diante de mais acumulação de reservas cambiais, de modo a equilibrar os riscos de apreciação cambial com os custos elevados de esterilização dos fluxos de capital relacionados às altas taxas de juro locais.

O Fundo reconhece que o real “parece sobrevalorizado” e a possível necessidade de controles “temporários” sobre os fluxos de capital, para aliviar a pressão sobre a moeda. Mas acrescenta que ajustes fiscais são necessários para tratar do problema no longo prazo.

O documento também endossa a estratégia de desenvolvimento para o longo prazo do Brasil e destaca a necessidade de mais investimentos, tanto públicos como privados, especialmente em infraestrutura, para melhorar a competitividade e o potencial de crescimento do país.”

(Agência Estado)