Blog do Eliomar

Categorias para Internacional

Secretário-geral da ONU elogia programas Fome Zero e Bolsa Família

“O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse, em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, durante o III Fórum da Aliança de Civilizações, que os programas Fome Zero e Bolsa Família fizeram “uma grande diferença” para o Brasil. Depois de saudar os jornalistas em português, Ban disse que o país obteve progressos sobre a erradicação da extrema pobreza e da fome, um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio da ONU, e citou a importância dos dois programas sociais nesse sentido.

Ban evitou se posicionar sobre uma possível entrada do Brasil no Conselho de Segurança da ONU como membro permanente, mas defendeu sua reforma e disse “tentar criar uma atmosfera favorável para a decisão correta”. O secretário também falou sobre a relevância do Brasil em operações de manutenção da paz em diferentes partes do mundo. “Mais de 2,4 mil militares e policiais brasileiros servem em oito operações de paz pelo mundo, incluindo no Haiti”, disse, antes de ressaltar a liderança regional brasileira entre os países do sul.

Ele falou ainda sobre a importância do país em questões ambientais, já que abriga alguns dos principais ecossistemas do mundo. “Não há solução possível sobre as mudanças climáticas que não inclua o Brasil”.Para finalizar o discurso, em tom de brincadeira, citou outro tema de relevância internacional no qual o Brasil se destaca: a Copa do Mundo. Ban desejou boa sorte à seleção brasileira.”

(Portal Terra)

VAMOS NÓS – Como está mesmo hoje o “Fome Zero”. Quanto ao Bolsa Família, eis bom motivo para a tucanada ficar com aquela dor de cotovelo.

Visto americano passará a ter validade de 10 anos

“A partir desta sexta-feira (28), os vistos concedidos para viagens aos Estados Unidos passarão a ter validade de 10 anos. A regra vale também para americanos que queiram viajar ao Brasil. Antes da mudança, a validade máxima dos vistos era de cinco anos.

Além de esticar o prazo de validade, Brasil e Estados Unidos decidiram eliminar a cobrança de uma taxa extra que era exigida para a retirada de vistos específicos para viagens de negócios, de estudantes e de intercâmbio para professores visitantes em ambos os países. Essas categorias, contudo, vão continuar pagando a taxa básica para a retirada do documento.

O acordo entre os dois países que possibilitou a ampliação do visto foi aprovado pelo Senado em fevereiro deste ano. O projeto já havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados em dezembro do ano passado.

O custo para a concessão e ou renovação do visto é de R$ 38 (para agendamento da entrevista) e de US$ 131 (convertidos em real de acordo com a cotação da moeda no dia de pagamento da taxa) para a obtenção de fato da autorização de entrada no país. Outras informações podem ser obtidas no site da embaixada dos Estados Unidos, por meio do endereço eletrônico da embaixada.

(JC Online)

Cearense vai escalar a mais alta montanha da América do Norte

O montanhista cearense Rosier Alexandre viajará neste sábado para o Alaska, onde enfrentará a mais alta montanha da América do Norte e a mais fria: McKinley, com seus 6.194m de altitude. A expedição, os preparativos, o planejamento e a apresentação com fotos do monte McKinley vão ser o tema da palestra de Rosier nesta sexta-feira, às 19 horas, no auditório da FIEC.

Nesta expedição, Rosier terá comunicação por celular via satélite e a cada dois dias estará repassando relatos que serão publicados no site www.rosier.com.br.

Boa sorte!

Coreia do Norte rompe com Coreia do Sul

“Numa manobra de retaliação às punições impostas por Seul por conta do ataque a um navio de guerra sul-coreano em março, a Coreia do Norte anunciou ontem o corte de relações e de toda a comunicação com a vizinha Coreia do Sul.

Pyongyang determinou ainda a expulsão de agentes sul-coreanos do parque industrial de Kaesong, e ameaçou com uma resposta militar caso os limites de suas águas e espaço aéreo sejam violados. O anúncio marca uma nova escalada de tensão na península, mesmo que muitos ainda duvidem que os dois países se arriscariam a entrar em guerra.

“O Comitê para a Reunificação Pacífica da Coreia declara formalmente que, de agora em diante, colocará em prática medidas para congelar as relações entre as Coreias, anular totalmente o acordo de não agressão entre o Norte e o Sul e suspender completamente a cooperação entre as Coreias”, informou a agência de notícias coreana KCNA, acrescentando que a comunicação entre os países também seria cortada.

A notícia sobre o rompimento ocorreu no momento em que a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, se preparava para seguir de Pequim para Seul, onde ela apoiará o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, nas pressões sobre a Coreia do Norte.

A visita de cinco dias de Hillary à China para diálogos sobre a economia foi amplamente ofuscada pela crise na Península Coreana, ao mesmo tempo em que Pequim apela por calma diante das crescentes pressões de Washington e Seul.

Ainda na China, Hillary disse que Washington e Pequim trabalhariam juntos para dar uma resposta “efetiva e apropriada” ao afundamento do navio de guerra. A secretária afirmou que ambos os lados deveriam examinar a questão com tempo, sugerindo ser improvável uma ação rápida no Conselho de Segurança:

— (A China) compartilha conosco a meta de uma Península Coreana sem armas nucleares e um período de considerações cuidadosas a fim de determinar a melhor forma de lidar com a Coreia do Norte.

Em Washington, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Philip Crowley, disse que a decisão da Coreia do Norte era “bizarra”.

— A Coreia do Sul é uma das economias mais dinâmicas. A Coreia do Norte é uma economia cambaleante, como eles próprios reconhecem — afirmou Crowley. — A Coreia do Norte não é capaz de cuidar de seus cidadãos — emendou.”

(O Globo)

Marina: Irã quer fazer bomba atômica

“A pré-candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, criticou nesta terça-feira (25), depois de participar da sabatina da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a posição da diplomacia brasileira de apoiar o projeto nuclear iraniano. Marina disse enxergar com preocupação a relação do Brasil com o regime iraniano e afirmou que o presidente Mahamoud Ahmadinejad “quer fazer a bomba atômica”.

“Claro que todos vemos com preocupação (a relação do Brasil com Irã). Temos que ter muito cuidado para não dar audiência a um governante que não respeita direitos humanos, que tem presos políticos, nega o holocausto , uma série de questões que são inaceitáveis. O Brasil é a única democracia ocidental que está dando audiência para o Ahmadinejad”, afirmou Marina.

“Se, de fato, tiver uma posição do Irã de quebrar o paradigma histórico de que eles querem construir a bomba atômica, será bom. Agora, temos que ficar bastante atento, porque, na prática, o que eles querem, no meu entendimento, é fazer a bomba atômica. E estão tomando medidas protelatórias para ganhar tempo. E, obviamente, o Brasil, tendo uma cultura de paz, não pode compactuar com esse tipo de coisa”, complementou Marina.”

(Portal G1)

Serra compara presidente do Irã a Hitler e Stalin

“O pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, classificou o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, como “ditador”. Para o tucano, o iraniano faz parte do “grupo de ditadores da década de 30, como Hitler e Stalin”.

Declaração foi dada durante entrevista coletiva após sabatina com empresários na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Mesmo criticando o presidente iraniano, Serra disse que não duvida das “boas intenções” do governo brasileiro ao intermediar acordo nuclear do Irã. Ele afirmou, porém, que “desconfia” do governo iraniano para o cumprimento do acordo. “Não creio que haja má intenção, mas torço para dar certo”.

No mesmo evento, mais cedo, a pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, defendeu a atuação do governo brasileiro na questão nuclear iraniana, afirmando não acreditar na política de sanções.”
(Folha Online) 

Fiec leva missão empresarial para a Colômbia

A Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN),organiza uma missão empresarial brasileira que participará, em julho próximo, em Medellin (Colômbia), da Colombiamoda 2010. O objetivo é a prospecção de tendências para empresas do complexo indumentário, em especial nos setores de confecções, calçados, couro e acessório de moda do Estado.   

Medellin concentra grande número de indústrias têxteis e de confecção e é considerada um dos principais polos de moda, confecção e alta costura do continente. A Colombiamoda, em sua 21ª edição, ocorrerá de 27 a 29 de julho e caracteriza-se como a principal fashion week da Colômbia. Em 2009, a feira recebeu um público de 8.500 visitantes, 450 expositores, 1.400 compradores internacionais e 860 marcas.”

Obama recusa convite de Lula para vir ao Brasil

presidente dos EUA, Barack Obama, recusou convite do presidente Lula para vir ao Brasil antes do pleito de 3 de outubro, informa reportagem de Kennedy Alencar, publicada nesta terça-feira pela Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

O Planalto gostaria de usar a viagem em favor da candidatura da ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff (PT).

Segundo a Folha apurou, Lula atribui a recusa a dois fatores: divergências na política externa entre Brasília e Washington e uma suposta interferência dos Clinton para que Obama não fizesse uma visita que pudesse virar ato eleitoral pelo PT.

Para diplomacia dos EUA, vinda às vésperas de importante decisão eleitoral seria incomum no âmbito diplomático.”

(Folha Online)

Vice-governador divulga conferência sobre clima na Argentina

O vice-governador Francisco Pinheiro embarca, nesta terça-feira, para Argentina. Ali, vai divulgar a II Conferência Internacional  sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas (ICID 2010), que ocorrerá em Fortaleza no mês de agosto, no Centro de Convenções.

Com Pinheiro, seguirão o secretário de Ciência e Tecnologia, Renê  Barreira, o presidente da Funceme, Eduardo Sávio, e o assessor do Ministério do Meio Ambiente, José Roberto de Lima.

Durante a visita, Pinheiro irá à Província de Mendoza para discutir oportunidades de cooperação na área de combate à desertificação. Ele também levará o grupo para uma visita ao Instituto Argentino de Investigación de las Zonas Aridas.

Lula vai à festa do Bicentenário da Argentina

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um dos chefes de Estado convidados para participar da principal cerimônia, um jantar no Salão Branco da Casa Rosada, sede do governo argentino, em comemoração ao Bicentenário da República Argentina. As festividades foram abertas na última sexta-feira pela presidente Cristina Kirshner. Os presidentes Evo Morales, da Bolívia; Fernando Lugo; do Paraguai;  José Mujica, do Uruguai; e Sebastián Piñera, do Chile, já confirmaram presença no jantar.

De acordo com o secretário-geral da Presidência argentina, Oscar Parrilli, o jantar será “um ato institucional” com a presença de convidados dos partidos da situação e da oposição, empresários, cientistas, intelectuais, jornalistas, trabalhadores, reitores de universidades, esportistas, artistas e representantes de diversos cultos religiosos.”

(Com Agências)

Primeiro Comandante das Forças de Paz da ONU no Haiti dará palestra em Fortaleza

O general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, que foi o primeiro comandante das Forças de Paz da ONU no Haiti, estará em Fortaleza na próxima segunda-feira. Aqui, no auditório da Federação das Indústrias do Estado (Fiec), ele dará palestra, a partir das 9 horas, sobre sua experiência naquele País da América Central.

O encontro é uma promoção do Tribunal Regional Eleitoral, que quer ouvir o general sobre seu trabalho, mas também ouvi-lo sobre eleições em países como o Haiti, em situação de muita dificuldade.

Brasil será sede de encontro internacional sobre Trabalho Infantil

“O Brasil deve sediar a próxima edição da Conferência Global sobre o Trabalho Infantil, em 2013. As duas primeiras foram realizadas na Holanda – a mais recente terminou na última semana. A mudança de sede é um reconhecimento das ações brasileiras no combate à exploração de mão de obra de crianças, de acordo com a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Márcia Lopes.

A ideia é realizar o encontro a tempo de avaliar as medidas que estão sendo tomadas pelos países para erradicar as piores formas de trabalho infantil até 2016, quando vence o compromisso assumido com a Organização Internacional do Trabalho (OIT). “O Brasil é reconhecido por ações nessa área, seguindo todas as convenções da OIT”, destacou Márcia Lopes hoje (20) em entrevista ao programa Bom Dia, Ministro.

Segundo a ministra, o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) está sendo integrado a outras ações na área social, como o Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf), para aumentar o monitoramento. O maior desafio do governo na área, segundo Márcia Lopes, está no chamado trabalho infantil invisível. “Ainda há muitas crianças no trabalho doméstico, no campo, na prostituição. E às vezes esses campos são invisíveis.”

 (Agência Brasil)

Grupo do Ceará participa do Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade

O Ceará participa com delegação, no Rio de Janeiro, do III Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade, que vai ser encerrado nesta sexta-feira. O encontro ocorre no Viva Rio e congrega grupos de vários países que debate os desafios relacionados à sustentabilidade econômica, social, ambiental e cultural como essenciais na agenda política dos governos, empresas e do planeta.

Entre os conferencistas, a gualtemalteca Rigoberta Menchú, Prêmio Nobel da Paz (1992), o fundador do Grameen Bank, o banco dos pobres, Muhammad Yunus, Prêmio Nobel da Paz (2006), e o brasileiro Leonardo Boff. No programa também, shows com o rapper MV Bill.

No grupo dos cearenses, o radialista Jonas Melo – e sua mulher, que ali divulga a ação da imprensa no Interior.

(Foto – Paulo Moska)

FHC questiona "gol" de Lula no acordo acertado com o Irã

“O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) relativizou hoje a atuação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no fechamento do acordo sobre a questão nuclear com o Irã. Questionado se o Brasil havia feito um “gol” para a solução do impasse, FHC respondeu: “Precisa ver o juiz apitar que deu o gol mesmo, ou se houve impedimento. Eu não sei.” Em entrevista à rádio CBN, na manhã de hoje, a pré-candidata Dilma Rousseff (PT) disse que Lula “marca um gol no Oriente Médio” ao fechar o acordo com o Irã.

FHC relutou em comentar o assunto e só falou após insistência dos jornalistas. “Eu não posso falar do Irã, porque cheguei há pouco do México. Não li nada”, justificou, após participar de almoço com ex-presidentes da Espanha, do Uruguai e do Chile na Bolsa de Valores, no centro da capital paulista.

O acordo nuclear foi firmado hoje entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Mahmoud Ahmadinejad, do Irã, além do primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan. O presidente iraniano aceitou trocar 1.200 quilos de urânio por material nuclear (enriquecido a 20%) equivalente para seu reator de pesquisas médicas. O processo deverá se dar em território turco.”

(Com Agências)

Lula é aguardado em Madrid

“Depois de negociar o acordo sobre o urânio do Irã nesta manhã, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarcada na tarde de hoje (17) em Madri, capital espanhola, para os debates da 6ª Cúpula União Europeia, Mercosul e Caribe. Lula deve participar ainda hoje de uma série de discussões sobre a retomada das negociações para o fim dos obstáculos aos acordos comerciais entre países europeus e os que integram o Mercosul.

Os países membros do bloco sul-americano apresentaram propostas de abertura no setor industrial e aguardam que os europeus indiquem compensações na área agrícola. Do lado brasileiro, há expectativa para a possibilidade de alcançar um acordo de livre comércio de forma equilibrada, dizem os negociadores.

As exportações do Mercosul para a União Europeia atingiram, em média, US$ 55 bilhões, no período de 2006 a 2008 – ou seja 20% das vendas para o mundo. Os países da União Europeia são os principais investidores diretos na região do Mercosul.

Durante a cúpula, mais dois assuntos devem predominar nos debates: a crise econômica que atingiu a Grécia e, em menor escala, Portugal e Espanha; e a situação de Honduras. Para a maioria dos sul-americanos, o país deve ser mantido suspenso da Organização dos Estados Americanos (OEA) até que o presidente Porfirio “Pepe” Lobo adote algumas medidas consideradas fundamentais.

Para Lula e a maioria dos participantes do encontro, o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, e seus aliados têm direito à anistia, assim como os que promoveram o golpe de Estado, em 28 de junho de 2009.”

(Agência Brasil)

Lula – Acordo Brasil, Irá e Turquia é vitória da diplomacia

“O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje (17) que o acordo fechado entre Brasil, Irã e Turquia para troca de material nuclear foi uma “vitória da diplomacia”. Lula participou da negociação como o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, e o primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, em Teerã. O acordo prevê que o Irã envie à Turquia 1.200 kg de urânio de baixo enriquecimento (3,5%). Em troca, receberá o material enriquecido a 20% para ser usado em pesquisas médicas em Teerã, depois de até um ano. Nesse período, haverá supervisão de inspetores turcos e iranianos.

“Foi uma resposta de que é possível, com diálogo, a gente construir a paz, construir o desenvolvimento”, disse Lula no programa de rádio Café com o Presidente, gravado de Teerã logo após o fechamento do acordo. O governo brasileiro acredita que o acordo criará confiança na comunidade internacional e pode evitar que o Irã seja submetido a sanções por causa de seu programa nuclear.

Lula disse que o Brasil sempre acreditou na possibilidade de acordo e que a negociação prova que é possível fazer política internacional baseada da confiança. “Há um milhão de razões para a gente ter argumento para construir a paz e não há nenhuma razão para a gente construir a guerra. O Brasil acreditou que era possível fazer o acordo. Mas o que é importante é que nós estabelecemos uma relação de confiança. E não é possível fazer política sem ter uma relação de confiança”, avaliou.”

(Folha Online)