Blog do Eliomar

Categorias para Internacional

Dilma avisa: quer transformar a Bolívia no “coração energético da América do Sul”

997503-02022016-dsc_5053

“Após se encontrar com o presidente da Bolívia, Evo Morales, a presidenta Dilma Rousseff disse que o Brasil concorda com a meta de transformar o país vizinho em “coração energético da América do Sul”. Segundo a presidenta, o governo tem acompanhado com “muito interesse os esforços” que a Bolívia vem fazendo para ampliar sua “bem-sucedida exploração de gás natural”.

Dilma e o presidente boliviano almoçam neste momento no Itamaraty. Ao oferecer um brinde a Evo Morales, a presidenta destacou que ele tem sido um “símbolo” na América Latina da “capacidade dos povos de se representarem de forma independente”. O Brasil deseja que a Bolívia desenvolva seu potencial de produção e exportação de energia elétrica, afirmou Dilma.

Depois de se reunirem no Palácio do Planalto, Dilma e Morales dirigiram-se ao Palácio do Itamaraty, onde ocorreria o almoço. Enquanto aguardavam a chegada de Evo, o vice-presidente Michel Temer acompanhou e conversou com Dilma, junto com o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira.

Quando o presidente da Bolívia desceu do carro, em frente à Esplanada dos Ministérios, e se encaminhou para o tapete vermelho do Itamaraty, um pequeno grupo fez um protesto contra ele. Em um tom de voz que dava para ser ouvido de dentro do prédio, um dos quatro manifestantes gritava palavras de ordem como “Sai do Brasil, traficante”.

Ao retribuir o brinde à presidenta, Morales não mencionou o ocorrido. Ele agradeceu o apoio de Dilma, e disse que conta com o apoio brasileiro na redução da pobreza por meio de políticas sociais e de transferência de tecnologia. “Nesses momentos, nunca me senti abandonado nem por [ex-presidente Luiz Inácio] Lula [da Silva], nem por Dilma, nem pelo povo brasileiro”, afirmou.”

(Agência Brasil)

 

Mais de 10 mil crianças migrantes desapareceram na Europa em dezembro

Mais de 10 mil crianças migrantes não acompanhadas desapareceram na Europa entre 18 e 24 de dezembro passado, estima a Europol, agência de polícia europeia, que teme que muitas delas sejam exploradas, inclusive sexualmente, pelo crime organizado.

De acordo com Brian Donald, diretor da Europol citado pelo The Observer, os números divulgados referem-se a crianças de quem se perdeu a movimentação após o registro pelas autoridades europeias. Cerca de metade delas desapareceu na Itália.

Das 10 mil desaparecidas, nem todas “serão exploradas para fins criminais”, afirmou. Algumas dessas crianças migrantes teriam se reunido com integrantes de sua família, “só que não sabemos onde estão, o que fazem ou com quem”, acrescentou.

Cerca de 1 milhão de migrantes – 27% crianças – chegaram à Europa no ano passado, na pior crise migratória na região desde a 2ª Guerra Mundial, estima a Europol. “Nem todas elas estão sozinhas, mas acreditamos que uma parte” entre na Europa sem companhia, explicou.

De acordo com Brian Donald, há uma “infraestrutura criminal” pan-europeia sofisticada, que tem como alvo os migrantes com fins diversos.

(Agência Brasil)

Ceará deveria olhar modelo de segurança pública de São Paulo

102 1

Da Coluna Fábio Campos, no O POVO deste domingo (31):

Não é de bom tom o Governo do Ceará se mobilizar para questionar os dados da ONG mexicana cujo relatório coloca Fortaleza entre as mais violentas do mundo. É simplesmente uma perda de tempo.

Sob qualquer aspecto e seja qual for a metodologia adotada para montar o índice de homicídios, Fortaleza (pelo menos até 2015) estará sempre entre as cidades mais violentas do mundo. Não é de hoje. Desde 2012 que é assim. Aqui se mata a rodo e sob qualquer pretexto. O noticiário nem consegue mais dar conta dos casos.

O melhor que o Governo faz é seguir adiante e aprofundar a sua política que vem obtendo resultado. É aconselhável também olhar para o modelo de São Paulo, o único com resultados exemplares no Brasil.

Itália defende livre circulação de pessoas pela Europa

O primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, disse nesse sábado (30) que seu país não deixará que alguns europeus “destruam” o Tratado de Schengen, que define a livre circulação de pessoas pela Europa. “Afirmamos com grande determinação que quem quer destruir Schengen quer destruir a Europa. E nós, italianos, não permitiremos. Estamos aqui para dizer que a Europa não pode ser um velho debate técnico, mas deve voltar a ser um grande sonho”, ressaltou.

Segundo o líder político, há países que não entendem mais os valores dos fundadores do continente. Ele disse, ainda, que é preciso “voltar para as raízes” visando conseguir superar as dificuldades atuais enfrentadas pelas nações, como o terrorismo e a crise imigratória.

“A Europa corre o risco de cair quando perde o sentido de sua verdadeira vocação e vira, simplesmente, um amontoado de egoísmos. A Europa não tem um futuro já escrito. O ideal europeu não pode ser arrastado para polêmicas e disputas internas que fazem crescer o populismo e a demagogia”, finalizou.

(Agência Brasil)

Obama visitará mesquita nos EUA

“O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou hoje (30) que vai visitar uma mesquita perto de Baltimore, na próxima quarta-feira, num gesto pela tolerância e pela liberdade religiosa.

Será a primeira visita dele a uma mesquita em solo americano e ela ocorrerá quando os muçulmanos norte-americanos temem uma onda anti-islâmica, em parte por causa dos recentes comentários do candidato republicano Donald Trump às eleições presidenciais deste ano.

“O presidente vai viajar para Maryland onde visitará a mesquita da Associação Islâmica de Baltimore, reconhecerá a contribuição dos americanos muçulmanos para o país e sublinhará a importância da liberdade religiosa”, afirmou a Casa Branca em comunicado.

Na sequência dos atentados de Paris e de San Bernardino (Califórnia), Donald Trump sugeriu que se devia impedir a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos, “até se perceber” o que estava ocorrendo.”

(Agência Lusa)

Prefeitura de Fortaleza participa de evento da ONU em Bogotá

2901CD0201

Em Bogotá (Colômbia), a secretária de Assuntos Internacionais e Estratégicos de Fortaleza, Patrícia Macedo, confere um seminário sobre Cidades Inclusivas.

O evento é preparatório à Conferência da ONU sobre Moradias, que ocorrerá em outubro, em Quito, no Equador.

Patrícia vai expor em painel sobre avanços de Fortaleza no campo da mobilidade voltada para a inclusão.

Chanceler venezuelana visitará o Brasil em meio a impasse político

“A ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodríguez, visita o Brasil nesta sexta-feira (29), para se reunir com o chanceler brasileiro, Mauro Vieira. O encontro ocorre no momento em que o país vizinho passa por instabilidade política após as últimas eleições que deram maioria à oposição no Parlamento. Na semana passada, o Parlamento venezuelano rejeitou decreto do presidente Nicolás Maduro que permitiria ao governo utilizar recursos orçamentários e atuar de forma mais intervencionista nas empresas.

Oficialmente, está previsto que Mauro Vieira e Delcy Rodríguez discutam temas bilaterais como cooperação fronteiriça, comércio e investimentos.Por isso, o ministro da Economia venezuelano, Luís Salas, também estará presente. De modo reservado, porém, os chanceleres devem abordar a crise política da Venezuela. Recentemente, o governo brasileiro tem se manifestado de forma mais enfática quanto à questão. Após a eleição da aliança opositora, o Itamaraty divulgou nota em que pede respeito ao pleito e diz confiar que a “vontade soberana” dos venezuelanos será respeitada.

Ontem (27), ao participar em Quito, no Equador, de reunião com chanceleres da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), o ministro Mauro Vieira mencionou a institucionalidade democrática e defendeu que os problemas da região devem ser solucionados internamente, de modo a respeitar a soberania dos países. “A tradição da solução pacífica de controvérsias por meio do diálogo e do direito internacional deve ser reforçada no âmbito da Unasul e é preciso valorizar as soluções encontradas na nossa própria região. No entanto, é também importante evitar escaladas retóricas que possam desvirtuar essa tradição”, afirmou.

De acordo com o ministério das Relações Exteriores, o Brasil tem buscado “consistentemente” contribuir para promover o “diálogo político” e a institucionalidade democrática da Venezuela.”

(Agência Brasil)

Fed mantém taxas de juros

O Federal Reserve (Fed) norte-americano decidiu nesta quarta-feira (27) manter inalteradas as taxas de juros de referência, entre os 0,25% e os 0,50%.

Em comunicado, após reunião de dois dias do comitê de política monetária, o Fed argumenta a decisão com o fato de o crescimento econômico se ter mantido “moderado” nos Estados Unidos e considerando que a inflação vai continuar baixa “no curto prazo”.

A Fed espera que “a inflação se mantenha baixa no curto prazo, em parte devido às maiores descidas dos preços da energia”, antecipando que este indicador permaneça ainda distante do objetivo de médio prazo, de 2%.

(Agência Brasil)

Professor da UFC tem artigo destacado em publicação internacional

pofess

“Uma investigação desenvolvida em escala global sobre diversidade na polinização para a produção agrícola de alimentos – que contou a participação do professor Breno Freitas, do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal do Ceará – foi destaque na mais recente edição da revista Science, um dos periódicos científicos de maior renome em todo o mundo.

Publicado na última sexta-feira (22), o artigo “Mutually beneficial pollinator diversity and crop yield outcomes in small and large farms” (Resultados mutuamente benéficos para a diversidade de polinizadores e produção agrícola em pequenas e grandes fazendas, em tradução livre) analisa a relação entre a diversidade de animais polinizadores e o nível de produção em unidades agrícolas de pequeno e grande porte, destacando, assim, a importância das abelhas para a segurança alimentar mundial.

Financiado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), através do projeto mundial sobre polinização, o trabalho analisou 344 propriedades na África, Ásia e América Latina. No Brasil, seis redes de produção foram acompanhadas, sendo uma delas a do caju, que ficou sob a coordenação do professaor Breno Freitas. Através de um protocolo de estudo que possibilitou a comparação de dados das mais díspares realidades, os pesquisadores chegaram a um déficit de produção de alimentos diretamente conectado às quedas na polinização. “Há uma diferença entre as propriedades que produzem mais e as que produzem menos. Essa diferença é de 53%. Desse número, 24% são o déficit de polinização”, explica o professor.”

SERVIÇO

* Acesse o artigo: http://goo.gl/2gN3fx

(Site da UFC)

Dilma Rousseff reforça tese da cooperação econômica na Amérioca Latina

“A presidenta Dilma Rousseff reafirmou a necessidade de intensificar a cooperação econômica e comercial entre os países da América Latina e do Caribe, para que possam “superar mais rapidamente os desafios impostos pela crise [econômica]”. Ela fez a declaração em Quito, ontem (26) à noite, após reunião com o presidente do Equador, Rafael Correa.

A presidenta embarcou nesta quarta-feira para o Equador, onde participa hoje (27) da 4ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

“Analisamos o complexo quadro econômico internacional e a sua incidência preocupante sobre nossos países e sobre toda a região, em especial o impacto da queda do preço das commodities do petróleo, dos minérios, dos grãos e a desaceleração da economia chinesa que hoje transita de um padrão baseado em investimento e infraestrutura para outro, baseado no consumo e em serviços”, disse Dilma.

Segundo a presidenta, Brasil e Equador concordaram em estreitar ainda mais o relacionamento para que as relações bilaterais possam funcionar “como uma ponte para essa travessia” que os países estão enfrentando.

Dilma citou projetos da parceria entre o Brasil e o Equador. “A Hidrelétrica de Manduriacu e o projeto de irrigação Daule Vinces dão testemunho de nosso comprometimento com a promoção de uma cooperação intensa com o Equador”.

Ela também destacou o Eixo Multimodal Manta-Manaus. “Esse projeto, de Manta-Manaus, é um projeto estratégico nessa região. Trata-se da integração de toda a região amazônica da América do Sul e aproximando as regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil, tanto aproximando o Equador do Atlântico quanto o Brasil do Pacífico”, acrescentou.

A presidenta embarca hoje à tarde de volta para o Brasil e amanhã participa de reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, formado por ministros de estado e representantes da sociedade civil, empresariado e centrais sindicais.”

(Agência Brasil)

John Kerry diz que Coreia do Norte é ameça para o mundo

“A Coreia do Norte, com o seu armamento nuclear, representa uma “ameaça explícita, uma ameaça declarada para o mundo”, afirmou hoje (27) o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, em Pequim, após um encontro com o secretário chinês.

Ao comentar a realização do quarto teste nuclear, anunciado pelo governo chinês, Kerry afirmou que “os Estados Unidos farão o que for necessário para proteger o país, os amigos e aliados no mundo”.

(Agência Lusa)

Atentado mata 11 pessoas em cidade síria

“Pelo menos 11 pessoas morreram hoje (26) em um atentado no bairro de Al Zahra, de maioria alauita, a que pertence o presidente sírio, Bashar Al Assad, na cidade de Homs, no centro da Síria, informaram veículos de comunicação oficiais e ativistas. Segundo a agência de notícias estatal Sana, houve uma “explosão terrorista” contra um posto de segurança na Rua Al Nil, em Al Zahra, onde 11 pessoas morreram, incluindo civis e integrantes das forças de segurança.

A organização não governamental (ONG) Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) informou que foram duas as explosões: a primeira causada por um suicida com um cinto de explosivos e a segunda por um carro-bomba. A ONG reduziu o número de vítimas, mas não divulgou números.

Esta não é a primeira vez que Al Zahra é alvo de ataque como esse: em dezembro passado, 32 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em um duplo atentado no bairro de Homs. Há quase cinco anos a Síria enfrenta um conflito que já causou a morte de mais de 260 mil pessoas, segundo o observatório.”

(Agência Lusa)

Bolsa de Xangai fechou em queda

“A Bolsa de Xangai, principal praça financeira da China, fechou hoje (26) em queda de mais de 6%, para 2.783,55 pontos, no dia em que o Banco Central chinês injetou 62 bilhões de euros no sistema financeiro.

Desde o início do ano, o Índice Composite de Xangai desvalorizou cerca de 25% e vale hoje quase metade do pico de 5.166,35 pontos atingido no verão passado, após uma valorização de 150% em 12 meses.

Shenzhen, a segunda praça financeira do país, caiu 6,13%, para 1.732,60 pontos.

O ChiNext, o índice chinês dedicado às pequenas e médias empresas locais e inspirado no norte-americano Nasdaq, também fechou em queda acentuada: recuou 7,3%, para 3.007,74 pontos.”

(Agência Lusa)

Portugueses escolhem novo presidente neste domingo

Mais de 9,7 milhões de eleitores portugueses devem comparecer neste domingo (24) às urnas para eleger o presidente que irá substituir Cavaco Silva. Dez candidatos concorrem ao cargo, um recorde na história das eleições do país.

Se um dos candidatos obtiver mais de 50% dos votos será eleito em primeiro turno. Caso contrário, os eleitores voltam às urnas para o segundo turno entre os dois candidatos mais votados no dia 14 de fevereiro.

Os dez candidatos aparecem na cédula de votação na seguinte ordem: Henrique Neto, António Sampaio da Nóvoa, Cândido Ferreira, Edgar Silva, Jorge Sequeira, Vitorino Silva (Tino de Rans), Marisa Matias, Maria de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa e Paulo Morais.

Em 2011, Cavaco Silva foi reconduzido ao cargo de chefe de Estado no primeiro turno, com 53,14% dos votos.

(Agência Brasil)

Mais dois suspeitos de atentados em Paris são detidos em Bruxelas

Dois homens foram detidos na comunidade de Molenbeek, em Bruxelas (Bélgica), nos últimos dois dias, no âmbito das operações policiais que investigam os ataques de 13 de novembro em Paris, anunciou nesta quinta-feira (21) a procuradoria belga.

Segundo a imprensa local, os detidos Zakaria J., de nacionalidade belga e nascido em 1986, e Mustafa E., marroquino nascido em 1981, devem se apresentar hoje a um juiz de instrução, que decidirá sobre a prisão preventiva.

Um comunicado da procuradoria informou que nem armas, nem explosivos foram encontrados nessas operações.

As investigações na Bélgica têm desmantelado parte da rede que ajudou Salah Abdeslam, suspeito de participar dos ataques de Paris.

O suspeito teria regressado a Bruxelas depois dos ataques, encontrando-se ainda desaparecido.

Além de três locais que teriam servido para planejar os ataques, as forças belgas identificaram dez pessoas, das quais nove estão detidas.

Os atentados em Paris mataram 130 pessoas.

(Agência Brasil)

Bolsas de Valores da Ásia fecham no vermelho mais uma vez

Mais uma vez, as bolsas asiáticas apresentaram quedas expressivas nesta quinta-feira (21). Os motivos para a retração de hoje ainda estão ligados às dúvidas sobre a força da economia da China – que teve o pior desempenho em 25 anos – e a forte queda no preço do barril de petróleo.

A Bolsa de Tóquio teve queda de 2,43%, em Xangai a retração foi de 3,22% e Hong Kong caiu 1,39%. O que mais chamou a atenção foi que, pela primeira vez desde 1998, o principal índice da Bolsa de Hong Kong caiu abaixo do valor do patrimônio líquido (“net asset”). Analistas dizem que esse é um sinal claro de que o dinheiro está saindo da praça financeira conhecida como uma das economia mais abertas do mundo.

“Nos mercados, a situação de momento é de muita instabilidade e há muita preocupação”, disse um analista de Tóquio à agência especializada Bloomberg.

(Agência Brasil)

Bolsas europeias caem influenciadas por preço do petróleo

As bolsas europeias voltaram a cair nesta quarta-feira (20), influenciadas pelo valor do petróleo, negociado a US$ 28, e os investidores receosos com a instabilidade das bolsas asiáticas.

Por volta de 8h30 em Lisboa, o Eurostoxx 50, o índice que representa as principais empresas da zona euro, caia 3,17%, com 2.989,52 pontos. O índice PSI 20 seguia igualmente negativo, com desvalorização de 2,42%.

As principais praças europeias apresentavam perdas: 1,96% em Londres e 3,27% em Paris.

As bolsas asiáticas terminaram a sessão de hoje com novas perdas, com destaque para o Japão. O Nikkei, principal índice da bolsa de Tóquio, fechou hoje a sessão com queda de 3,71%. O segundo indicador, o Topix, retrocedeu 51,44 pontos (3,70%), até aos 1338,97 pontos

O preço do barril de petróleo Brent, para entrega em março, abriu em baixa no mercado de futuros de Londres, valendo US$ 28,19, queda 1,9%.

(Agência Brasil)

FMI estima queda da economia brasileira de 3,5% este ano

O Fundo Monetário Internacional (FMI) piorou a projeção de queda da economia brasileira este ano. A estimativa para a retração do Produto Interno Bruto (PIB) passou de 1% para 3,5%. Para o FMI, será o segundo ano consecutivo de queda da economia. Em 2015, o fundo projeta que houve retração de 3,8%.

Em 2017, a expectativa é de estabilidade, com estimativa de crescimento zero para o PIB. Em outubro do ano passado, o FMI projetava crescimento de 2,3%, em 2017.

A retração do Brasil puxou o resultado negativo para a economia da América Latina. A expectativa para os países da região é de retração de 0,3% este ano. Para 2017, a previsão é de crescimento de 1,6%.

No relatório Perspectiva Econômica Global, o Fundo Monetário Internacional diz que no Brasil a recessão é causada pela incerteza política, em meio às contínuas repercussões das investigações da Operação Lava Jato. O FMI acrescenta que as investigações na Petrobras estão sendo mais profundas e prolongadas do que se esperava.

Para o fundo, a economia global deve crescer 3,4% este ano e 3,6% no próximo, dois décimos a menos do que o previsto em outubro.

Na atualização feita ao relatório, o FMI justifica a revisão para baixo do crescimento mundial tanto em 2016 quanto em 2017 principalmente com o desempenho econômico dos mercados emergentes e das economias em desenvolvimento, como o Brasil.

(Agência Brasil)

Refugiadas sofrem exploração e violência sexual, diz Anistia Internacional

O intenso fluxo de pessoas que fogem de guerras, perseguições e da pobreza em busca de refúgio na Europa criou uma crise política e humanitária. E as mulheres que fazem essa perigosa e cansativa jornada para alcançar o território da União Europeia sofrem ainda mais, segundo relatório da organização não governamental Anistia Internacional, publicado nesta segunda-feira (18).

A entidade aponta que governos e as agências de ajuda humanitária não estão garantindo nem os direitos básicos às refugiadas que saem da Síria e do Iraque.

Segundo o estudo, mulheres e meninas são vítimas de violência, ataques, exploração e assédio sexual em todas as etapas da jornada da Turquia até a Grécia e, depois, cruzando os Bálcãs. O destino delas, assim como da maioria dos que buscam asilo na Europa, é a Alemanha.

Nas 40 entrevistas feitas pela Anistia Internacional, todas as mulheres disseram se sentir inseguras e ameaçadas, inclusive em campos de recepção e registro de refugiados em solo europeu. “Muitas disseram que em quase todos os países pelos quais passaram, viveram abusos físicos e exploração financeira, foram assediadas e pressionadas a ter relações sexuais com traficantes de pessoas, agentes de segurança e outros refugiados”, detalha o relatório.

Para a Anistia Internacional, o combate às situações degradantes exemplificadas no relatório passa pela criação, pelos governos europeus, de rotas legais para que as pessoas possam migrar de forma segura, sem exploração.

(Agência Brasil)

Preço do barril de petróleo na Ásia cai para o valor mais baixo desde 2003

O preço do barril de petróleo Brent na Ásia caiu nesta segunda-feira (18) para um valor abaixo dos US$ 28, o que não acontecia desde 2003.

O barril Brent no mercado asiático caiu até os US$ 27,67 durante alguns momentos, voltando a subir para um valor superior a US$ 28.

A queda do preço ocorreu nesse fim de semana, depois de terem sido suspensas as sanções internacionais ao Irã, que pode voltar a exportar petróleo. Há o temor de um excesso de oferta.

Na sexta-feira (15), quando fecharam os mercados da Ásia, o preço do barril Brent era US$ 28,51.

Na Europa, o barril Brent para entrega em março fechou a sexta-feira, no mercado de futuros de Londres, em baixa de 6,7%, para US$ 28,94.

Foi a primeira vez desde 2004 que o valor do preço do barril no encerramento da sessão de Londres ficou abaixo dos US$ 30.

A razão apontada foi o receio de que a volta do petróleo iraniano ao mercado agrave a situação causada por uma oferta já excessiva, que tem derrubado os preços há um ano e meio.

Prejudicial para os países exportadores, a queda de preço, no entanto, beneficia consumidores, países importantes e empresas muito dependentes de combustíveis, como as transportadoras aéreas.

(Agência Brasil)