Blog do Eliomar

Categorias para Internacional

Inflação da Venezuela atingiu 68,5% em 2014

A inflação na Venezuela atingiu 68,5% em 2014, revelou neste sábado (14) o Banco Central do país depois de informar que o índice de dezembro ficou em 5,3%, próximo dos 5,7% registrados em abril e maio.

Com mais de um mês de atraso, os dados de dezembro foram divulgados apontando a inflação de 2014 em 68,5%, acima dos 56% de 2013.

Nos últimos meses, o aumento nos preços está associado a uma escassez de produtos nos pontos de venda a varejo, num país dependente das importações e cuja entrada de dólares, necessários ao comércio externo, tem caído devido à baixa do preço do petróleo.

A Venezuela é o quinto exportador mundial de petróleo e recebe mais de 90% das suas divisas da venda do produto.

(Agência Brasil)

Itália deverá extraditar Pizzolato, diz deputada ítalo-brasileira

O governo italiano deverá extraditar o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 12 anos e sete meses de prisão no julgamento da Ação Penal 470, o chamado mensalão. A informação é da deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, que se encontrou nessa sexta-feira (13) com o ministro da Justiça da Itália, Andrea Orlando, Segundo ela, a sinalização da extradição foi dada pelo ministro.

“Ele me falou que não vê motivos para negar a extradição e que deve seguir a orientação da Justiça italiana”, disse Renata, que representa a América do Sul na Câmara dos Deputados da Itália, após sair de encontro com o ministro. Henrique Pizzolato fugiu do Brasil em 2013 e foi preso no ano passado, com passaporte falso, na cidade italiana de Maranello, na Itália.

No ano passado a corte da cidade de Bolonha, Itália, havia negado a extradição do ex-diretor do Banco do Brasil, mas, na quinta-feira (12), a Corte de Cassação de Roma decidiu pela extradição ao acatar recurso do governo brasileiro e do Ministério Público da Itália contra a decisão da Corte de Bolonha.

(Agência Brasil)

Papa Francisco começa a apresentar projetos de reforma da Igreja Católica

Papa-Francisco-ciencia

O Papa Francisco começa a apresentar hoje (12) os projetos de reforma da Igreja Católica aos cardeais de todo o mundo, reunidos em um consistório (reunião de cardeais para dar assistência ao papa nas suas decisões). O patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, tomará posse, juntamente com 20 novos cardeais, 15 deles eleitores. De segunda (9) a quarta-feira, o conselho de nove cardeais reuniu-se com o papa Francisco para examinar a reforma de todas as administrações do Vaticano, que só será conhecida no próximo ano.

“As resistências [à mudança] são agora evidentes, mas é um bom sinal quando as coisas são discutidas abertamente e sem segredos (…) seria anormal que não existissem pontos divergentes”, declarou o papa em dezembro ao jornal argentino La Nacion.

A cerimônia de posse dos novos cardeais ocorrerá na Basílica de São Pedro, no Vaticano, na manhã de sábado (14), quando os cardeais farão a profissão de fé e o juramento de fidelidade e obediência ao papa, seguindo-se a entrega a cada um dos três símbolos do cardinalato: o barrete, o anel e a bula de nomeação.”

(Agência Brasil)

Justiça italiana autoriza extradição de Pizzolato

“A Corte de Cassação de Roma autorizou nesta quinta-feira (12) a extradição do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato. Ele foi condenado, pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 12 anos e sete meses de prisão, no Brasil, por lavagem de dinheiro e peculato na Ação Penal 470, o processo do mensalão, mas fugiu para o país europeu há um ano e cinco meses com um passaporte falso.

Agora, caberá ao ministro da Justiça, Andrea Orlando, decidir se acata ou não a medida. Assim que o ministério for notificado oficialmente, o país terá 20 dias para tomar a decisão.

Segundo os juízes que analisaram o caso, existem no Brasil todas as condições para garantir a segurança de Pizzolato em um presídio. O argumento da falta de respeito aos direitos humanos nas prisões brasileiras foi usado pela defesa para pedir que o ex-diretor continuasse a morar na Itália.

A reversão da decisão do Tribunal de Bolonha foi uma vitória do governo brasileiro. A Justiça italiana havia negado, em outubro, o pedido de extradição de Henrique Pizzolato.

A Interpol já foi acionada e desenvolve operação para prender Pizzolato que está, oficialmente, na cidade de Formiginia.”

(Agência Ansa)

Caso Pizzolato – Justiça italiana inicia novo julgamento

“A Itália começou a decidir nesta quarta-feira (11) se vai extraditar o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato de volta para o Brasil. Pizzolato foi condenado, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a 12 anos e sete meses de prisão, no Brasil, por lavagem de dinheiro e peculato na Ação Penal 470, o processo do mensalão, mas fugiu para o país europeu há um ano e cinco meses com um passaporte falso. Pizzolato não compareceu à audiência na Corte de Cassação e apenas seus defensores foram ao local. O resultado do julgamento pode sair até esta quinta-feira (12).

A Justiça italiana já havia negado, em outubro, o pedido de extradição de Henrique Pizzolato. A defesa do ex-diretor tenta a permanência dele na Itália alegando que as prisões brasileiras não têm condições seguras e ressalta a condição de cidadão italiano do condenado.

Quando o Brasil recorreu da decisão da Justiça italiana de não extraditar Pizzolato, a Advocacia-Geral da União informou que o ex-diretor cumprirá pena no Complexo Penitenciário da Papuda, onde outros condenados no mesmo processo cumpriram pena.”

(Agência Ansa)

Uma visão otimista da relação EUA/Cuba e do que pode sobrar para o Brasil

52 1

Com o título “Somos todos americanos”, eis artigo do secretário estadual da Justiça e Cidadania e advogado Hélio Leitão. Ele analisa a reaproximação dos EUA com Cuba e destaca o governo petista, que financiou porto em Havana. Confira:

internet não era ainda uma das principais fontes de informação diária quando, há 53 anos, Estados Unidos e Cuba deram início ao embargo econômico que marcou a história das Américas. Era o ano de 1962 quando os dois países cortaram relações e, com isso, estabeleceram uma série de restrições mútuas. Imaginem, então, o espanto quando, em uma tarde de um dia comum de dezembro de 2014, a notícia tomou conta dos portais de notícias de todo o mundo. Os presidentes dos dois países – Barack Hussein Obama e Raúl Castro –anunciavam a retomada das relações diplomáticas.

É bem verdade que o embargo permanece. O fim do bloqueio oficial ainda será discutido no congresso norte-americano. Mas um primeiro e importante passo para virar a página deste capítulo da Guerra Fria de que tratam os livros de história foi finalmente dado. Na verdade, as ações concretas nessa retomada de relações ainda são tímidas, mas tornam inevitável o debate sobre o tema.

Em seu discurso durante o anúncio, Barack Obama reconheceu que é preciso soltar as “amarras do passado”. Foi um importante reconhecimento de que a política de ruptura não trouxe os resultados esperados. Obama mesmo afirmou que a política “rígida” adotada pelos Estados Unidos não conseguiu ter o impacto esperado sobre Cuba. Afinal, todas as restrições a que os Estados Unidos submeteram a ilha não serviram para derrubar o regime dos irmãos Castro.

De seu lado, Raúl Castro observou que é preciso abrir o diálogo. E se mostrou disposto a tratar de democracia, direitos humanos e soberania nacional.

E o Brasil? Passada a eleição presidencial, quando a então candidata – hoje presidente – Dilma Rousseff foi duramente atacada por “usar dinheiro público para financiar a ditadura comunista”, em função do financiamento do BNDES no Porto de Mariel, construído na ilha, o anúncio mostrou que nossa política econômica internacional viu para além do horizonte do imediato. A localização geográfica de Cuba coloca o país em posição estratégica para o Brasil e suas negociações internacionais.

Para o resto mundo, os demais desdobramentos não devem surgir imediatamente. Ainda há muito caminho pela frente. Ano que vem, um novo presidente assume a Casa Branca e uma nova política internacional pode se desenhar. Mas ao dizer, em espanhol, a Raúl Castro que “somos todos americanos”, Obama lembrou – especialmente aos norte-americanos – que a América não se restringe aquele país.

* Hélio Leitão

opiniao@opovo.com.br
Secretário da Justiça e Cidadania.

Termina prazo de adesão à ação coletiva nos Estados Unidos contra Petrobras

Termina nesta sexta-feira (6) o prazo de adesão de investidores interessados em participar, nos Estados Unidos, da class action – ação popular coletiva de perdas financeiras contra a Petrobras. O advogado André de Almeida, coautor da ação com o escritório americano Wolf Popper, disse hoje,  em nota, que “a Petrobras terá momento processual adequado para se defender das alegações associadas à má governança corporativa e suspeitas de fraudes”.

A assessoria de imprensa do escritório Almeida Advogados informou que a expectativa é que a ação corra no prazo de até dois anos, na Corte Sul do Distrito de Nova York, onde o juiz da causa, Judge Rakoff, deverá unir todos os pleitos formulados, iniciando, então, a fase judicial do processo.

Podem participar da class action quaisquer investidores, brasileiros ou estrangeiros, que tenham adquirido ações da Petrobras nos Estados Unidos, conhecidas como ADRs (sigla, em inglês, de American Depositary Receiptes).

Na petição que será entregue ainda hoje à Justiça norte-americana constam casos de aposentados brasileiros que perderam, respectivamente, US$ 1,5 milhão e US$ 638 mil. De acordo com a nota divulgada por André de Almeida, esses investidores “não são tubarões de mercado, grandes e suspeitos bancos ou aparelhados fundos de pensão. São real people (pessoas de verdade), que perderam real money (dinheiro de verdade)”.

A ideia é mostrar à Justiça dos Estados Unidos que a má governança corporativa da Petrobras afetou toda a sociedade na qual está inserida, e que os fatos deflagrados pela Operação Lava Jato, iniciada em março do ano passado, prejudicaram os investidores da empresa.

(Agência Brasil)

Dólar passa de R$ 2,74 e atinge o maior valor em 10 anos

dolar

“Em um dia de bastante turbulência nos mercados internacionais, a moeda norte-americana encostou em R$ 2,75 e fechou no maior valor em dez anos. O dólar comercial subiu 1,78% (R$ 0,048) e encerrou a sessão vendido a R$ 2,742. A cotação é a mais alta desde 17 de março de 2005, quando tinha fechado em R$ 2,752.

A moeda registrou alta durante todo o dia, mas a cotação acelerou-se a partir das 11h, depois que a renúncia da presidenta da Petrobras, Graça Foster, e de cinco diretores da empresa foi oficialmente confirmada. Na máxima do dia, por volta das 16h, o dólar foi vendido a R$ 2,748.

Também contribuiu para a alta da moeda a divulgação de que a economia norte-americana gerou mais empregos em dezembro do que o inicialmente informado. No último mês de 2014, os Estados Unidos criaram 253 mil postos de trabalho, contra 12 mil inicialmente informados.

Uma recuperação mais forte da atividade nos Estados Unidos abre caminho para que o Federal Reserve (Fed), Banco Central norte-americano, aumente os juros da maior economia do planeta. Juros mais altos nos Estados Unidos reduzem o fluxo de recursos para países emergentes, como o Brasil, pressionando o dólar para cima.

(Com Agência Lusa)

Parque do Cocó – Um dado técnico

Posto_policial_no_Parque_do_coco_em_Fortaleza (1)

Do jornalista e radialista Paulo Limaverde, recebemos a seguinte nota:

Caro Eliomar de Lima,

A titulo de curiosidade e para fomentar o debate, eis um dado interessante que conferimos em pesquisas sobre parques ecológicos:

O Parque do Cocó, com 1.155 hectares na sua atual conformação, é três vezes maior que o Central Park (340 hectares), quatro vezes maior que o Hyde Park (250 hectares) e sete vezes maior do que o Ibirapuera (158 hectares).

Em Fortaleza, a proporção parque x população é bem superior ao que existe em cidades do porte de Nova York (EUA), Londres (Inglaterra) e São Paulo.

VAMOS NÓS–  Que bom que o fortalezense, apesar das pelejas políticas, consegue brigar por seu espaço verde.

BID vai apoiar ações de abastecimento de água no Brasil

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) deverá oferecer apoio técnico a questões relacionadas ao abastecimento de água, promovendo intercâmbio de experiências junto a países que passaram por situações de seca similares à que o Brasil vem enfrentando. O assunto foi tratado nessa segunda-feira (2) em reunião entre o presidente do BID, Luis Alberto Moreno, e a presidenta Dilma Rousseff.

Moreno e Dilma também discutiram o apoio do BID ao setor privado no Brasil. “No BID, reconhecemos a importância do setor privado como instrumento para o crescimento da região. O processo de reforma que estamos adiantando busca fortalecer nossa capacidade de atender ao setor e a fomentar o desenvolvimento sustentável”, disse Moreno.

Sobre as operações no país com o setor público, o banco deve seguir ampliando a atuação em operações com estados e municípios, em áreas como educação, infraestrutura, sustentabilidade urbana, desenvolvimento social e segurança cidadã. Em 2014, o BID aprovou US$ 2,2 bilhões em empréstimos no Brasil, que é o principal país na carteira de projetos do banco, com aproximadamente 25% de participação nos investimentos realizados na América Latina e Caribe.

Em visita oficial ao Brasil, Moreno manteve reuniões também com os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa; da Fazenda, Joaquim Levy; e das Relações Exteriores, Mauro Vieira.

(Agência Brasil)

Dilma divulga nota em homenagem às vítimas do holocausto

“O governo brasileiro prestou homenagens aos 6 milhões de judeus mortos em campos de extermínio neste Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. A presidenta Dilma Rousseff condenou todas as formas de intolerância, discriminação, perseguição e violência por motivos de origem étnica ou crença religiosa. A data relembra o dia em que foi libertado, há 70 anos, o campo de extermínio dos nazistas na Polônia. Em nota à imprensa, Dilma disse que “relembrar os horrores do Holocausto é necessário para que eles jamais se repitam” e nunca sejam esquecidos.

O Ministério das Relações Exteriores também divulgou nota homenageando os “brasileiros que salvaram vidas humanas naquele triste momento da história, como Luiz Martins de Souza Dantas e Aracy de Carvalho Guimarães Rosa”.

“O povo brasileiro é uma mistura de pessoas e raças das mais diferentes origens. Um povo que se orgulha de viver harmoniosamente e que, a cada dia, busca fortalecer o respeito à diversidade, à tolerância e à solidariedade”, escreveu Dilma Rousseff.

“Em momento de manifestações crescentes de antissemitismo, islamofobia, xenofobia e demais formas de intolerância em diversas partes do mundo, o compromisso de cada país, individualmente, e o contínuo aprimoramento dos instrumentos de proteção dos direitos humanos são fundamentais para assegurar o fim de todas as formas de discriminação”, disse também o Itamaraty.”

(Agência Brasil)

Fidel Castro desconfia da reaproximação EUA-Cuba, mas não recusa solução pacífica

CUBA-FIDEL CASTRO-FILES

“O ex-presidente cubano Fidel Castro afirmou “não ter confiança nos Estados Unidos”, em uma mensagem dirigida aos estudantes da Universidade de Havana, transmitida pela televisão estatal, apesar de apoiar “solução pacífica” e “negociada”.

“Não confio na política dos Estados Unidos nem troquei qualquer palavra com eles. Isso não significa – longe disso – a recusa de uma solução pacífica para os conflitos”, ressaltou o líder cubano, em carta lida pelo presidente da Federação Estudantil Universitária, Randy Perdomo.

Essa é a primeira vez que Fidel Castro se pronuncia publicamente sobre a aproximação diplomática, considerada histórica, entre Cuba e Estados Unidos, com relações suspensas há mais de meio século, anunciada no dia 17 de dezembro pelos presidentes norte-americano e cubano, Barack Obama e Raúl Castro. Fidel não aparece em público há mais de um ano. A mensagem, divulgada ontem (26), foi publicada poucos dias depois da conclusão da primeira rodada de contatos oficiais entre Havana e Washington, realizada em Cuba, entre os dias 21 e 22.

O líder da Revolução Cubana, de 88 anos, que passou o poder ao seu irmão, Raúl, em 2006, por motivos de saúde, expressou apoio às políticas do seu sucessor. “O presidente de Cuba deu passos relevantes à luz das suas prerrogativas e das competências que lhe são concedidas pela Assembleia Nacional [Parlamento] e pelo Partido Comunista de Cuba”, informa na mensagem.

“Defender a paz é dever de todos. Qualquer solução pacífica e negociada para os problemas entre os Estados Unidos e os povos – ou qualquer povo da América Latina – que não implique o uso da força deverá ser tratada de acordo com os princípios e normas internacionais”, acrescentou. A mensagem do ex-presidente cubano foi lida em cerimônia realizada nessa segunda-feira na aula magna da universidade da capital, às vésperas da celebração do 162º aniversário de nascimento do líder da independência cubana, José Martí.”

(Agência Lusa)

Cristina Kirchner dissolve Secretaria de Inteligência

“A presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou nessa segunda-feira (26) a dissolução da Secretaria de Inteligência e o envio, ao Congresso, de projeto de lei que cria uma agência federal para substituí-la. Ela aproveitou o anúncio da medida, em cadeia nacional de televisão, para rebater insinuações de que seu governo estaria por trás da morte do promotor Alberto Nisman.

Nisman morreu, com um tiro na cabeça, no último dia 18. O promotor tinha acabado de denunciar um suposto complô da presidenta com o governo iraniano, para acobertar os responsáveis pelo atentado de 1994 contra o Centro Comunitário Judaico Amia, que matou 85 pessoas.

Nisman era o promotor encarregado das investigações do atentado ao Amia, considerado o pior ataque terrorista da história argentina. Ele culpou o Irã de ter planejado a explosão, que teria sido executada pelo grupo xiita libanês Hezbollah, e pediu a captura de oito pessoas – a maioria, altos funcionários do governo iraniano.

O Irã sempre negou as acusações e rejeitou os pedidos da Justiça argentina de tomar o depoimento dos suspeitos de terem planejado o atentado. A situação mudou em 2013, quando Cristina Kirchner anunciou a assinatura de um memorando de entendimento entre os dois governos, criando uma Comissão da Verdade para investigar o atentado ao Amia.”

(Agência Lusa)

Redução da pobreza na América Latina está estagnada, aponta Cepal

A pobreza atingiu 167 milhões de pessoas na América Latina em 2014, o equivalente a 28% da população latino-americana. Destes, 71 milhões, ou 12% dos habitantes da região, estão na extrema pobreza, de acordo com estimativas do Panorama Social da América Latina 2014, divulgadas nesta segunda-feira (26) pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

O relatório mostra que a situação da pobreza na região vem se mantendo estável desde 2012, quando afetou 28,1% da população. Em 2013, o índice também foi 28,1%. Já a extrema pobreza na América Latina aumentou de 11,7%, em 2013, para 12%, em 2014. Segundo a secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena, a alta dos preços dos alimentos e a desaceleração econômica da região são alguns dos fatores para essa estagnação. “A pobreza persiste sendo um fenômeno estrutural e, desde 2012, a redução da pobreza estancou-se.”

Para Alicia, a recuperação da crise financeira internacional “não parece ter sido aproveitada suficientemente para o fortalecimento de políticas de proteção social que diminuam a vulnerabilidade diante dos ciclos econômicos.” Segundo ela, em um cenário de possível redução dos recursos fiscais disponíveis na região, são necessários mais esforços para assegurar as políticas sociais.

No Brasil, de acordo com o organismo regional, a pobreza caiu de 18,6% da população, em 2012, para 18%, em 2013. Já a extrema pobreza aumentou: de 5,4% para 5,9%. Segundo o diretor do escritório da Cepal no Brasil, Carlos Mussi, dos cerca de 34 milhões de brasileiros que estão na pobreza, 11 milhões estão em situação de extrema pobreza.

“O aumento dos preços dos alimentos tem impacto forte na indigência no Brasil e na América Latina. Ainda que o mercado de trabalho brasileiro tenha seu dinamismo, este vem diminuindo”, disse Mussi.

(Agência Brasil)

Camilo receberá Embaixador da Alemanha

O governador Camilo Santana (Pros) receberá, em audiência, a partir das 9 horas desta segunda-feira, o embaixador da Alemanha, Dirk Brengelmann. A visita é de cortesia. Com o governador, estará também o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio.

Depois desse compromisso, Camilo seguirá para o ato de inauguração do Campus do FCE de Itapipoca, onde se encontrará com o ministro da Educação, Cid Gomes;

Às 17 horas desta segunda-feira, o governador conferirá a solenidade de entrega da Medalha do Mérito da Justiça Eleitoral do Ceará ao desembargador aposentados
Ademar Mendes Bezerra. Isso, no auditório da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec).

Cearense disputa nesta noite o título Miss Universo

foto melissa gurgel

A cearense Melissa Gurgel, 20, é uma das 15 finalistas que disputam na noite deste domingo (25), em Miami, nos Estados Unidos, o título de Miss Universo. O concurso terá transmissão ao vivo, a partir das 23 horas (horário de Brasília), pelos canais da Band e TNT.

Estudante de Design de Moda e torcedora do Ceará Sporting, Melissa Gurgel Miss Brasil em setembro último, no Centro de Eventos, em Fortaleza.