Blog do Eliomar

Categorias para Política

A Lava Jato chegou ao PSDB

Com o título ” A Lava Jato chegou ao PSDB”, eis artigo do jornalista Elio Gaspari, que pode ser conferido no O POVO desta quarta-feira. Depois da Olimpíada, diz o jornalista, começará a maratona da memória e da contabilidade da OAS e da Odebrecht. Confira:

A revelação de que em 2010 a Odebrecht botou R$ 23 milhões (sem nota fiscal) na caixa da campanha presidencial de José Serra levou a Lava-Jato para a porta do PSDB. Há pelo menos dois meses sabia-se que isso aconteceria, assim como se sabe que a OAS repetirá a dose. Nos dois casos, as denúncias só ficarão de pé se vierem acompanhadas de demonstrativos das movimentações financeiras. Vinte e três milhões não eram um trocado. Equivaliam a dez vezes o que a empreiteira declarou oficialmente e a 20% do custo total da campanha estimado pela tesouraria do PSDB semanas antes do pleito.

A colaboração dos empreiteiros poderá trazer de volta ao cenário um personagem que assombrou o tucanato durante a campanha de 2010. É Paulo Vieira de Souza, um ex-diretor da Dersa, a estatal paulista de rodovias. Engenheiro respeitado, era um destacado negociador de contratos com empreiteiras.

Ele também era conhecido como “Paulo Preto” e foi “cripticamente” mencionado por Dilma Roussef durante um debate da campanha. No serpentário tucano, acusavam-no de ter sumido com R$ 4 milhões do partido. Em três ocasiões, a bancada do PSDB evitou que ele depusesse a uma comissão da Assembleia sobre os custos de obras rodoviárias. Vieira de Souza chegou a se queixar dos tucanos “ingratos” e “incompetentes”, pois não se deixa “um líder ferido na estrada a troco de nada”. A chaga cicatrizou, mas será reaberta se algum executivo de empreiteira mencionar o seu nome na colaboração.

O PSDB governa São Paulo desde 1995 e Geraldo Alckmin é o cidadão que esteve por mais tempo na cadeira de Prudente de Moraes, Campos Salles e Rodrigues Alves. Essa longevidade, mesmo derivando de eleições competitivas, dá ao tucanato uma aura de República Velha, com o inevitável cansaço dos materiais.

Desde 2008, quando a Siemens alemã demitiu o presidente de sua filial brasileira “por grave contravenção das diretrizes” da empresa, as administrações tucanas são perseguidas por denúncias de irregularidades na contratação de serviços e equipamentos em obras de transporte público.

A Siemens colaborou com o Ministério Público quando a expressão “delação premiada” ainda era pouco conhecida e fez isso a partir de uma reviravolta na política de sua matriz. Nada a ver com as implicâncias locais, inclusive porque a denúncia veio da uma reportagem do “The Wall Street Journal”. Procuradores suíços remeteram ao Brasil documentos que comprovavam o pagamento de propinas, e um dos fornecedores de equipamentos, a francesa Alstom, tornou-se sinônimo da própria encrenca.

Ela compartilhava os consórcios de obras de linhas do metrô de São Paulo com as empreiteiras Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa, Andrade Gueierrez e Queiroz Galvão. Segundo o Ministério Público da Suíça, entre 1998 e 2001, a Alstom aspergiu US$ 34 milhões na burocracia paulista sob a forma de contratos fictícios de consultoria.

À primeira vista, esses malfeitos seriam semelhantes, em ponto menor, às petrorroubalheiras petistas. O que diferencia as duas investigações é o resultado. Em menos dois anos, a Operação Lava-Jato já condenou 57 réus a 680 anos de prisão. A investigação paulista completou oito anos, sem maiores resultados.

*Elio Gaspari,

Jornalista.

 

PEC do gasto público passa na CCJ e vai a plenário

daniloforte

Recebida das próprias mãos do presidente em exercício Michel Temer, os cuidados da principal pauta do governo – a PEC do teto do gasto público – ficaram a cargo do deputado cearense Danilo Forte (PSB).

Na semana passada, Forte apresentou parecer favorável à PEC na Comissão de Constituição e Justiça e da Cidadania da Câmara. Ontem, depois de sete horas e intenso debate, a PEC foi aprovada na CCJ por 33 a 18. A aprovação agradou Temer. Agora seguirá ao plenário.

Segundo Danilo, este é o primeiro passo para reorganizar a economia e retomar o crescimento com responsabilidade.

(Foto – Divulgação)

Dilma vai divulgar carta à Nação denunciando golpe

dilma

“Agora ré no processo de impeachment, a presidente afastada Dilma Rousseff decidiu radicalizar os termos da carta que pretende divulgar à Nação antes da votação definitiva sobre o seu afastamento, marcada para o final deste mês no Senado. Vai usar o termo “golpe” e denunciar o boicote que sofreu dos deputados e senadores, principalmente do PMDB, e do presidente interino Michel Temer quando ainda era chefe do poder Executivo.

Na versão inicial da carta, apresentada a alguns aliados no último domingo (7), Dilma tinha retirado o termo “golpe” e tentar conquistar os seis votos de que precisa para tentar formar um grupo com 28 aliados e, consequentemente, barrar o impeachment. Mas, após a manifestação de alguns senadores em discursos durante a penúltima votação do processo, concluída na madrugada desta quarta-feira (10), Dilma decidiu recolocar o termo que tem utilizado em entrevistas a jornais estrangeiros e durante as manifestações de que participou em apoio ao seu governo.

O discurso que fez Dilma radicalizar nos termos da carta foi o do senador Cristovam Buarque (PPS-DF), seu ex-aliado e ex-ministro da Educação no primeiro governo do ex-presidente Lula. Segundo aliados da presidente afastada, Dilma ficou irritada principalmente com os termos utilizados por Cristovam, que acusou o governo petista de trair a própria inteligência.

O texto final da manifestação da petista vai ser submetido a uma comissão formada por cinco senadores de vários partidos, todos eles contrários ao impeachment. Dilma convocou para a empreitada os senadores José Pimentel (CE), Acir Gurgaz (PDT-RO), Roberto Requião (PMDB- PR), Armando Monteiro (PTB-PE) e Kátia Abreu (PMDB-TO) – estes dois últimos nomes, respectivamente, seus ex-ministros do Desenvolvimento e da Agricultura. Esse grupo votou contra o impeachment e vai se encontrar com a presidente afastada, na tarde desta quarta-feira (10), no Palácio do Alvorada, residência oficial da Presidência da República ainda ocupada pela petista.”

*Do Site Congresso em Foco aqui.

Henrique Meirelles – Ajuste passa pela renegociação das dívidas dos Estados

Meirelles

“O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (10) – através de nota – que aprovação do Projeto de Lei Complementar 257/16, que trata da renegociação das dívidas dos estados e do Distrito Federal com a União, “é o primeiro passo concreto do ajuste estrutural das despesas públicas brasileiras em décadas”.

A nota destaca, ainda, que o próximo projeto de ajuste a entrar em pauta na Câmara dos Deputados é o que define teto para as despesas federais. Segundo o ministro, “os governadores têm todos os instrumentos legais para garantir o teto das despesas dos estados, condição necessária para o enquadramento de cada estado nos termos da renegociação.”

(Agência Brasil)

Lava Jato – MPF denuncia 11 por desvio de verbas

“O Ministério Público Federal (MPF) denunciou hoje (10) 11 pessoas à 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro por crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Eles são acusados pelo MPF de usar empresas de fachada para emitir notas fiscais frias a grandes construtoras, como a Andrade Gutierrez, durante as obras dos estádios da Copa do Mundo de 2014, da Ferrovia Norte-Sul e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Um dos denunciados pelo MPF, Samir Assad foi preso nesta manhã por agentes da Polícia Federal, como parte da Operação Irmandade, comandada pelos procuradores da Força-Tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro. Ele é acusado de 223 crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, além de organização criminosa. Os agentes da Operação Irmandade cumprem ainda um mandado de busca e apreensão, em São Paulo. A Operação Irmandade é um desdobramento da Operação Pripyat, em que foi investigado desvio milionário nas obras de Angra 3 da Eletronuclear.

Os dois são acusados de chefiar o núcleo financeiro operacional dessas empresas de fachada responsáveis pelo repasse das verbas indevidas para a Andrade Gutierrez.

Denunciados

Outros denunciados hoje foram Marcelo Abbud, que já havia sido preso junto com Adir Assad, e Mauro Abbud. De acordo com o MPF, as empresas Legend Engenheiros Associados, SP Terraplenagem, JSM Engenharia e Terraplenagem e Alpha Taxi Aéreo Ltda usaram recibos falsos para abastecer o caixa 2 da Andrade Gutierrez em mais de R$ 176 milhões.

Também foram denunciados Sandra Branco Malagó, Sonia Malagó e Raul Tadeu Figueroa, acusados de ajudar na lavagem de dinheiro, assinando contratos e recibos falsos pelas empresas de fachada. Os ex-executivos da Andrade Gutierrez Rogério Nora de Sá, Clóvis Renato Numa Peixoto Primo, Flávio David Barra e Gustavo Ribeiro de Andrade Botelho também foram denunciados.

Na denúncia oferecida à Justiça, o MPF esclarece que a Andrade Gutierrez está colaborando com as investigações e já apresentou provas da materialidade dos crimes.”

(Agência Brasil)

Eleições em Parambu – Uma batina disputa Prefeitura

C

Sob bênçãos do governador Camilo Santana (PT).

Mais um padre vai disputar prefeitura. Dessa vez é em Parambu. O padre Márcio Claudi postulará pelo PDT, Ele já  ganhou permissão do bispo, de Crateús, dom Ailton Menegussi.

Ao se licenciar das funções eclesiais e deixar a paróquia, Padre Marcio já passou a residir em um novo endereço na cidade, onde já trabalha a parte burocrática da campanha. Ele terá como candidato a vice o advogado Marcos Torquato, do mesmo partido.

Padre Marcio disputara contra Raimundo Filho e Junior Noronha, candidatos a prefeito e vice, respectivamente, pelo Partido Solidariedade.

(Com Portal do Helvécio Martins)

Prisão de Protógenes Queiroz é revogada

protogeness

Depois de ser considerado foragido da Justiça, o ex-delegado e ex-deputado Protógenes Queiroz teve sua prisão revogada pela 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região. A decisão foi tomada na última segunda-feira (8/8), no julgamento do pedido de Habeas Corpus impetrado pelo advogado Adib Abdouni, que defende o ex-delegado. Protógenes foi condenado em 2010, por vazar informações sigilosas da satiagraha.

Em maio, a juíza Andrea Silva Sarney Costa Moruzzi, da 1ª Vara Criminal Federal de São Paulo, havia emitido mandado de prisão, pedindo também a inclusão dele na lista vermelha da Interpol, por causa de sua condenação por violação do sigilo funcional e fraude processual na operação satiagraha.

A sentença que condenou Protógenes, assinada em 2010 pelo juiz Ali Mazloum, transitou em julgado no ano passado. O Supremo Tribunal Federal manteve parte da decisão que o considerou responsável por vazar informações sigilosas para concorrentes do banqueiro Daniel Dantas — por ele investigado — e para a imprensa.

O ex-delegado foi condenado a 3 anos e 4 meses de prisão em novembro de 2010, mas a pena foi substituída por restrições de direitos. No entanto, o ex-delegado e sua defesa faltaram às audiências marcadas para informar como ele deverá cumprir penas restritivas de direito e não prestaram explicações à Justiça sobre o motivo.

Diante das reiteradas faltas, o próprio Ministério Público Federal havia pedido o adiamento de audiências, pois a Justiça não conseguiu intimar pessoalmente o sentenciado, solicitando que a execução penal seguisse em andamento caso ele faltasse novamente. Foi o que aconteceu, uma vez que Protógenes foi também intimado por edital, mas ainda assim não compareceu.

Com a concessão do Habeas Corpus nessa segunda-feira, Protógenes deverá ser intimado na Suíça, onde está morando, por meio de carta rogatória, a participar da audiência que irá determinar em qual instituição filantrópica daquele país ele terá de prestar serviços.

(Site Consultor Jurídico)

Eunício cobra de Temer faculdades para o Interior cearense

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=gARmA9EikUI[/youtube]

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, em meio às articulações que levaram Dilma Roussef a virar ré no processo de impeachment, aproveitou encontro com Michel Temer para cobrar alguns pleitos.

Entre esses, uma faculdade de Medicina para Quixadá e outras cidades do interior cearense. Também tratou sobre uma faculdade de veterinária, de caráter federal.

Eunício aproveitou, em vídeo que divulgou em seu facebook, para lamentar que o governador Camilo Santana não esteja colaborando com a implantação dessas faculdades, especialmente uma em sua terra natal, Lavras da Mangabeira.

Impeachment – Eduardo Cardozo diz que resultado já era esperado

175 1

cardozoz

“O ex-ministro da Advocacia-Geral da União e advogado da presidenta fastada Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, disse hoje ( 10) que era esperado o resultado que julgou procedente a denúncia contra a presidenta afastada Dilma Rousseff por crime de responsabilidade. Os senadores aprovaram o parecer do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) por 59 votos contra 21.

“O placar já era relativamente esperado, um voto a mais, um voto a menos, mas era mais ou menos essa faixa”, disse Cardozo ao final da sessão se referindo à expectativa do governo do presidente interino Michel Temer de contar com 60 votos favoráveis.

Com a decisão pela aprovação do parecer do relator, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), Dilma virá ré no processo de impeachment por crime de responsabilidade. Anastasia falou a jornalistas que estava com a sensação do dever cumprido. “Saio com a sensação de dever cumprido, demonstrando a meu juízo, no relatório, que os crimes ocorreram e assim entendeu a grande maioria do Senado”, disse o tucano.

Anastasia rebateu Cardozo, que disse que o relatório tinha sido elaborado com paixão partidária e que construiu “provas que não existiram”. “É a função natural do advogado, arrumar argumentos para defender a sua tese e nós estamos muito tranquilos com a robustez do relatório”, disse.

O julgamento final de Dilma deve ocorrer no final do mês. Cardozo disse, porém que considera que “muita água ainda pode passar embaixo da ponte” “A grande questão agora vai se colocar para o julgamento final, onde serão necessários os dois terços [dos senadores] e a margem de dois terços ainda continua estreita”, avaliou.”

(Agência Brasil)

 

Camilo busca investimentos na Holanda para a ZPE e Porto do Pecém

unnamed (2)

Nesta quarta-feira, o governador Camilo Santana (PT) assistirá a uma exposição do diretor internacional do Porto de Roterdã, na Holanda, René van der Plas, sobre propostas de investimentos. Camilo está nesse país europeu conhecendo a infraestrutura do Porto de Roterdã e, principalmente, buscando investidores para a ZPE e o Complexo Industrial e Portuário do Pecém.

Os contatos do governador, que está acompanhado do presidente da Cearaportos, Danilo Serpa, e do secretário estadual de Infraestrutura, André Facó, vai até quinta-eira. O retorno de Camilo está previsto para sexta-feira. O governo estadual expõe seu portfólio em matéria de nichos de negócios e concessões de equipamentos públicos.

Essa viagem do governador a Holanda faz parte de um convênio firmado entre o Ceará e o Porto de Roterdã.

(Foto – Divulgação)

Sefaz estuda devolução de ICMS para 490 taxistas

Mauro-Filho-OP-Scanners

Da Coluna Vertical, do O POVO desta quarta-feira:

O secretário da Fazenda, Mauro Filho, iniciou o levantamento para a devolução do ICMS dos 490 taxistas contemplados no processo licitatório de vagas novas da Prefeitura de Fortaleza em 2014.

A expectativa é que, quando o governador Camilo Santana (PT) retornar da visita ao Porto de Roterdã (Holanda), o que ocorre nesta sexta-feira, Mauro se reúna com o chefe do executivo estadual até a próxima semana e acerte detalhes acerca de uma reivindicação mais do que aguardada pelo Sinditaxi Ceará.

Se Camilo aprovar tudo, uma mensagem assegurando a medida será encaminhada para votação na Assembleia Legislativa.

 

Domingos Neto é relator de projeto que cria o sistema “Carona Legal”

deputado-federal-domingos-neto-01-20111209-size-598

Nesta quarta-feira, em sua reunião marcada para as 10 horas, a Comissão de Viação e Transporte da Câmara dos Deputados, apreciará projeto de lei que cria um sistema de Transporte Solidário, em âmbito nacional. O projeto quer reduzir o número de carros particulares em circulação nas cidades, diminuindo as emissões de monóxido de carbono (CO) e de gás carbônico (CO2), limitando o aumento do efeito estufa, contribuindo com o meio ambiente. De iniciativa da Comissão de Legislação Participativa, o projeto de lei tem como relator o deputado Domingos Neto (PSD) que ofereceu parecer favorável com substitutivo.

Denominado “Carona Legal”, o projeto restringe a iniciativa a veículos cuja lotação máxima seja de sete pessoas, incluindo o condutor. Com isso, explica Domingos Neto, não haverá conflito com o sistema de transporte coletivo, destacando que a iniciativa não deve ser vista apenas como uma questão de trânsito, mas de mobilidade urbana ao promover o uso racional do automóvel particular.

Domingos Neto apresentou substitutivo que altera os arts. 24 e 75 do Código de Trânsito Brasileiro, para incluir a implantação do Sistema entre as competências dos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios e prever o apoio a eventos educativos e campanhas publicitárias, visando à divulgação do transporte solidário, entre as ações da Semana Nacional de Trânsito.

A gestão do Sistema de Transporte Solidário será realizada por órgão gestor, definido em regulamentação, que entre outras competências deverá prover a segurança dos usuários e partícipes do Sistema de Transporte Solidário, em parceria com os órgãos e entidades competentes das áreas de mobilidade urbana e de trânsito, a fim de evitar o uso indevido do Sistema. O Sistema é completamente gratuito, com o objetivo de sensibilizar a sociedade quanto à necessidade de diminuir o número de veículos nas ruas e estimular atividades de promoção e apoio ao transporte solidário e conscientizar a população sobre sua importância, Domingos Neto afirma que o órgão gestor poderá firmar parcerias com entidades da sociedade civil organizada sem fins lucrativos.

Prefeito de cidade filipina determina expulsão de todos os muçulmanos

Os muçulmanos que vivem nas Filipinas manifestaram preocupação com a decisão do prefeito Amadeo Gregorio Perez, da cidade de Urdaneta, na província de Pangasinan, de forçar milhares de pessoas a abandonar o assentamento.

O Manila Times informou que o prefeito culpou os muçulmanos pelo tráfico de drogas na região e determinou a todos que professam a fé islâmica que deixem a área em três semanas.

O prefeito afirmou que a maioria dos crimes na área, principalmente os assassinatos, roubos e estupros, está ligada a traficantes de drogas. Ele alegou que 84% dos cinco mil muçulmanos que residem na área estão envolvidos com o tráfico de drogas. Muitos são empregados na autarquia local.

A economia de Urdaneta é fortemente dependente das empresas dirigidas por muçulmanos. O prefeito declarou, no entanto, que a expulsão de toda a comunidade religiosa, incluindo famílias com mulheres e crianças, é essencial “para parar a proliferação de drogas ilegais”.

O governador da Região Autônoma Muçulmana de Mindanao, Mujiv Hataman, disse que “gostaria de acreditar que isso não é verdade, porque não é mais que discriminação”. Ele observou que as provas apresentadas ao prefeito são um absurdo e que expulsar toda a comunidade muçulmana da área não vai acabar com o crime.

De acordo com a Associação Muçulmana de Urdaneta, vários grupos muçulmanos já deixaram a cidade em busca de um lugar mais acolhedor para viver.

(Agência Brasil)

Tasso diz que votação da aprovação do relatório do impeachment deve se repetir no julgamento final

tasso senador

Para o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), a grande importância da aprovação do relatório do impeachment, ocorrida na madrugada desta quarta-feira (10), por 59 votos e 21, é a sinalização do quorum (votação), que deve “se repetir daqui a 15, 20 dias”.

Tasso destacou que o relatório de Anastasia (PMDB-MG) é completo, mas que a oposição não vai contra o conteúdo, mas, sim, da autoria do relatório, por se tratar de um partido opositor ao PT. O senador comentou que o PT tem uma maneira perversa de se defender e coloca os interesses do partido acima do país.

(com a Rádio Senado)

Para oposição, Dilma terá mais votos; para governistas, impeachment é inevitável

O senador Humberto Costa (PT-PE) disse nesta quarta-feira (10) acreditar ser possível à presidente afastada Dilma Rousseff conseguir os votos suficientes para evitar o seu impeachment na votação final do Senado. Segundo o senador, alguns parlamentares estariam optando votar a favor do impedimento por não se expor a “pressões” neste momento, mas que acenam com a possibilidade de mudança de posicionamento.

Na madrugada, por 59 votos a 21, o Senado julgou procedente a denúncia contra Dilma, de acordo com o parecer do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG). Para evitar o impeachment, a petista precisa arregimentar o voto de, pelo menos, 27 senadores, pois Renan Calheiros, presidente da Casa, disse que não vai votar.

Já o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) disse que o resultado dessa quarta-feira mostra que o plenário já se decidiu pelo impeachment de Dilma. “Essa votação representa a cristalização de uma situação política absolutamente consolidada e irreversível pelo afastamento definitivo da presidente Dilma. Essa convicção já está firmada no Senado”.

(Agência Brasil)

59 a 21 – Senado aprova parecer pela continuidade do processo contra Dilma Rousseff

foto impeachment senado 160810

O Plenário do Senado aprovou na madrugada desta quarta-feira (10) o parecer do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), pela continuidade do processo contra a presidente afastada Dilma Rousseff por crimes de responsabilidade. Por 59 votos a 21, os senadores optaram por levar Dilma a julgamento, o que deve acontecer ainda no final do mês. A presidente da República pode, assim, perder definitivamente o mandato.

Após a análise de três destaques para votação em separado, encerra-se a fase de pronúncia, segunda etapa do impeachment, e foi a conclusão de uma sessão que durou quase 15 horas. Ela foi presidida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Foram 47 discursos de senadores, que se somaram às manifestações dos advogados da acusação, Miguel Reale Júnior, e da defesa, José Eduardo Cardozo.

A partir de agora a acusação e a defesa terão 48 horas para entregar ao Senado seus libelos. Depois disso, Lewandowski marcará a data para o julgamento final.

(Agência Senado)

José Pimentel: “O futuro registrará quem escolheu a democracia e o lixo da história”

222 1

foto josé pimentel senador

“O senador José Pimentel (PT) manifestou, nesta terça-feira (9/8), seu voto contrário ao julgamento da presidenta da República afastada, Dilma Rousseff, por crime de responsabilidade. Pimentel afirmou que “o futuro registrará os que escolheram entre a democracia e o lixo da história”. E completou: “Eu escolho estar do lado correto. Por isso, meu voto é não ao impedimento”.

O pronunciamento ocorreu durante sessão de votação do parecer da Comissão Especial do Impeachment, que recomendou o julgamento da presidente afastada.

Pimentel alertou os demais senadores sobre o impacto histórico da decisão de derrubar uma presidenta eleita democraticamente por mais de 54 milhões de brasileiros e brasileiras. “Aqueles que o fizerem, não tenho dúvidas, estarão destinando suas biografias ao lixo da história”, disse.

O senador também apontou o real objetivo da articulação para garantir o impeachment da presidenta Dilma. ”Querem realizar o maior retrocesso nos direitos e garantias sociais, um verdadeiro ataque ao legado de Getúlio Vargas, Ulisses Guimarães e Lula”. E Pimentel questionou seus pares. “Pergunto se é desse lado da história que a maioria quer ficar. Afinal, estamos aqui de passagem, mas a história é permanente”, afirmou.

Segundo Pimentel, os principais prejuízos serão causados aos aposentados, ao Sistema Único de Saúde, às universidades e à educação básica. Para ele, o impedimento da presidenta Dilma também visa a promoção de privatizações em todas as áreas, entrega da exploração do petróleo às multinacionais e muitas outras ações já anunciadas pelo governo do presidente interino Michel Temer.

(Com Agências)

Planalto trabalha com a previsão de 60 votos a favor do julgamento de Dilma pelo Senado

timerr

“O Palácio do Planalto trabalha com a expectativa de que 60 senadores irão votar a favor de que a presidenta afastada Dilma Roussef seja julgada pelo Senado no processo de impeachment. Desde o início da manhã,  senadores debatem sobre o processo na chamada fase de pronúncia, que irá definir se a presidenta afastada Dilma Rousseff irá a julgamento por crime de responsabilidade.

Por meio de assessores e de ministros do núcleo político, o presidente interino Michel Temer acompanha os debates no Senado. Temer manteve a agenda de compromissos nesta terça-feira (9).

Ontem (8), o presidente interino recebeu o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o senador Romero Jucá (PMDB-RR), para discutir o assunto. Durante a conversa, no Palácio do Jaburu, ouviu a previsão de que em torno de 60 senadores devem concordar com o parecer do relator Antonio Anastasia (PSDB-MG), que defende o julgamento de Dilma.

Temer está sendo informado sobre as discussões no plenário do Senado e, de acordo com assessores, não tem feito telefonemas aos parlamentares. Em agenda não prevista, o presidente interino recebeu a senadora Lúcia Vânia (PSB-GO) hoje no gabinete. Pela manhã, Temer participou do lançamento do programa de revitalização do Rio São Francisco, que teve a participação do presidente do Senado, Renan Calheiros. Após o evento, Temer se encontrou rapidamente com Padilha e o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, para se atualizar sobre as discussões no Senado.

Quem esteve com Michel Temer notou que a televisão ficou desligada durante a manhã, quando o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que comanda a sessão, discutia questões de ordem levantadas pelos senadores. Dois assessores da articulação política do governo acompanham a sessão para repassar as informações ao gabinete presidencial. Desde o início da tarde, parlamentares favoráveis ao impeachment estão abrindo mão da palavra com o objetivo de agilizar e concluir a sessão ainda hoje. ”

(Agência Brasil)