Blog do Eliomar

Categorias para Política

Site diz que vaias disparadas contra Dilma mostram deselegância da elite. Será?

129 5

O site 247 – Brasília afirma que as vaias disparadas pela torcida contra Dilma Rousseff, por ocasião da abertura da Copa das Confederações, no estádio Mané Garrincha, revelam apenas a deselegância da elite. Confira:

Nos próximos dias, grandes jornais e seus colunistas explorarão o tema ao máximo, para tentar provar que estão certos em suas críticas contra o governo Dilma; no entanto, o público presente no Mané Garrincha não era exatamente um retrato do povo brasileiro; ali, havia pessoas que se dispuseram a pagar R$ 280 pela entrada e outros tantos que receberam convites de patrocinadores e parceiros da festa; vaia começou contra Joseph Blatter, da Fifa, e depois atingiu a presidente por tabela, menos como retrato de alguma indignação social e mais como expressão de irreverência e até de falta de educação.

Mas quem estava realmente no Mané Garrincha? Não exatamente um retrato do povo brasileiro. Ali havia dois tipos de torcedores. Os que se dispuseram a pagar R$ 280 por uma entrada e aqueles que foram convidados por patrocinadores ou parceiros da festa, que adquiriram ingressos junto à Fifa e os distribuíram a convidados vip. Em ambos os casos, representantes da elite.

Não exatamente o povo que se incomoda com a chamada inflação dos alimentos ou a alta de vinte centavos nas passagens de ônibus.

A despeito da vaia, quem foi o Mané Garrincha também se deu conta de que, pela primeira vez, o Brasil dispõe de equipamentos esportivos comparáveis aos do invejado Primeiro Mundo. A arena de Brasília nada deve aos melhores estádios do mundo – e, em muitos aspectos, os supera. O trabalho dos voluntários, que demonstraram extrema cortesia, foi também exemplar.

Quem foi ao estádio também pôde presenciar o renascimento da seleção brasileira e saiu com a certeza de que, aos poucos, o técnico Luiz Felipe Scolari, o Felipão, faz brotar um time que tem tudo para ser vencedor.
oi o retrato da irreverência, da deselegância e até da falta de educação de boa parte da elite brasileira.

Paciência. Brasília deu a primeira demonstração de que, em 2014, o Brasil realizará uma das melhores Copas do Mundo de todos os tempos. E com uma equipe à altura.

Pessoal da Usina de Asfalto cruza os braços

A Guarda Municipal de Fortaleza estreou cinco viaturas novinhas, nesta manhã de segunda-feira, durante paralisação dos servidores a Usina de Asfalto. O contingente está de plantão na sede da usina, justificando ter recebido denúncia de que o prédio, situado no bairro Passaré, poderia ser invadido.

O pessoal da usina nega o fato e diz estar paralisando como forma de protesto. Há temor de esvaziamento do órgão, hoje tomada por terceirizações. O protesto também é em razão da falta de condições de trabalho. No fim da tarde desta segunda-feira, haverá assembleia geral para saber se a paralisação continuará ou não.

usinna

(Foto – Iane Parente)

Cid terá agenda de Copa e Educação

cidmercadante

Cid e Mercadante e a hora do PAIC.

Nem só de Copa das Confederações viverá, nesta semana, o governador Cid Gomes (PSB). Além do jogo Brasil X México, quarta-feira, na Arena Castelão, dois atos foram agendados por Cid.

Na quinta-feira, o governador entregará 60 carros para municípios que se destacaram na campanha “Selo Unicef – Município Aprovado”, do Unicef.

Na sexta-feira, Cid Gomes divulgará resultados do Programa Alfabetização na Idade Certa (PAIC), com a presença do ministro Aloízio Mercadante (Educação). Sairá o ranking das gestões que investiram em educação e que ganharão aumento na cota de repasse do ICMS.

Eunício está preparado para disputar o Governo em 2014, diz vice-prefeito

132 1

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=Pb7DtKEAeS8[/youtube

O vice-prefeito de Fortaleza, Gaudêncio Lucena, seguiu nesta madrugada de segunda-feira para Brasília. Na agenda dele, encontro com o presidente regional do PMDB, senador Eunício Oliveira, para traçar agenda de mais quatro encontros do partido no Interior, com encerramento da série em Fortaleza.

Gaudêncio Lucena garantiu que Eunício Oliveira é o nome do partido para disputar o Governo em 2014. “Eunício está à disposição”, afirmou o vice-prefeito de Fortaleza, destacando que o senador peemedebista está preparado para sair candidato.

O vice-prefeito aproveitou para fazer um rápido balanço sobre a gestão do prefeito Roberto Cláudio.

Prefeito de Milhã atropela e mata agricultor

“O prefeito de Milhã (a 301,1 km de Fortaleza), Otacílio José Pinheiro Macedo, atropelou e matou, na manhã de ontem, um agricultor na estrada que liga a sede do município ao distrito de Carnaubinha.

A vítima, identificada pela polícia como Cícero Eudásio de Brito (32 anos), seguiria com sua moto pela contramão quando o veículo foi ao encontro do carro de Otacílio, que prestou atendimento à vítima, levando-a ao hospital do município. O prefeito foi liberado após se apresentar à delegacia de Senador Pompeu.

Câmara rejeita regra para aumento do salário mínimo

A Comissão de Finanças e Tributação rejeitou o Projeto de Lei 6776/06, do ex-deputado Renildo Calheiros, que institui regras para o reajuste periódico do salário mínimo. A proposta já tinha sido rejeitada na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público. Como foi considera incompatível com as normas financeiras e orçamentárias, em parecer terminativo, será arquivada, a não ser que haja recurso contra a decisão.

O texto determina que o salário mínimo será reajustado anualmente pela variação nominal do Produto Interno Bruto (PIB) apurado no ano anterior ou pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), caso esse índice seja superior à variação do PIB. Além disso, o reajuste será acrescido do índice de aumento da produtividade média do trabalho total, se positivo, verificado também no ano anterior.

O relator, deputado José Guimarães (PT-CE), recomendou a rejeição do projeto. Ele ponderou que já está em vigor uma lei (Lei 12.382/11) que estabelece diretrizes para os reajustes até 2015. Essa lei determina que os reajustes para preservação do poder aquisitivo do salário mínimo corresponderão pela variação do INPC, enquanto o aumento em termos reais corresponderá à variação do PIB.

Guimarães aponta ainda que, se forem aplicados os critérios do projeto, o salário mínimo para 2013 seria de R$ 895 em vez dos R$ 678 atuais. Essa diferença de R$ 217 acarretaria um impacto de R$ 67 bilhões nas contas públicas em 2013. Esse impacto, segundo ele, não foi estimado pelo projeto, como obriga a Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/00) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

(Agência Câmara de Notícias)

Novo presidente do Irã quer retomar diálogo com os EUA

“Único clérigo entre os seis candidatos que disputaram a Presidência do Irã neste fim de semana, Hassan Rohani, de 64 anos, foi declarado vencedor ao obter mais de 18 milhões de votos logo no primeiro turno. Experiente, já ocupou postos importantes e pretende dar vazão a propostas reformistas, entre elas a retomada do diálogo com os Estados Unidos, considerado o maior inimigo da República Islâmica.

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, ainda terá de confirmar o resultado das eleições no próximo dia 3 de agosto. Em seguida, o presidente eleito deverá ser empossado no Parlamento. O resultado surpreendeu os analistas, que esperavam a definição do pleito em eventual segundo turno. Um dos favoritos na corrida presidencial, o prefeito de Teerã, Mohammad Baqer Qalibaf, ficou em segundo lugar. A participação da população foi estimada em 72%. Cerca de 50 milhões de iranianos estavam aptos a votar.

A expectativa é que Rohani, que já criticou abertamente o atual presidente Mahmoud Ahmadinejad, tente colocar em prática sua agenda de reformas, embora no país o presidente não estabeleça as políticas mais importantes, como o programa nuclear, as relações com o Ocidente ou as ações militares – áreas sob o comando de clérigos chefiados pelo aiatolá.”

(Agência Brasil e BBC Brasil)

A força dos acontecimentos

140 4

Da coluna Fábio Campos, no O POVO deste domingo (16):

Milhares de pessoas nas ruas de Fortaleza movidas por uma única pauta: a insegurança pública. Sem UNE, sem CUT, sem a esquerda e sem os gabinetes de políticos, o movimento abrigou milhares de adesões espontâneas. Um ato civil, pacífico e ordeiro. A mais pura manifestação da cidadania cobrando o que lhe é de direito.

Nascido do incômodo de muitos, o ato germinou e cresceu divorciado da política tradicional. O movimento não tinha pais (porém, tinha mães). Tal característica deixou a esquerda desnorteada e a direita irresoluta. Ou vice-versa, como queiram.

Abrigo de nove entre dez partidos políticos, o poder trocou os pés pelas mãos, balbuciou algumas palavras desconexas e cambaleou em sua chocante incapacidade de oferecer as respostas que os manifestantes tanto pedem.

É evidente que sobrou também para a imprensa. Mal acostumadas com as primaveras, que são sempre tão parcas nos trópicos, parte das redações de nosso Ceará não soube o que fazer. Muitos de nossos jornalistas costumam retorcer a boca para o que não vem da política tradicional da esquerda militante.

Parte de nossa imprensa só ouviu, lá longe, os cães latirem, mas não perceberam a caravana da cidadania a passar célere e indignada, com suas mãos espalmadas pintadas do vermelho de sangue. Deram de ombros. No que diz respeito ao papel da imprensa, a pior das opções.

Assim como a nossa política, parte da imprensa não sabe lidar com o que surge espontaneamente na sociedade. Não havia sindicatos, não havia associações, não havia entidade de classe. Não havia financiamento público. A mobilização era exclusiva da cidadania privada a favor dos que os americanos do norte se acostumaram a denominar de “direitos civis”.

Direitos civis, direitos coletivos e direitos individuais. Não era um “Fora Sicrano” ou “Fora Beltrano”, palavras de ordem clássicas de quase todas as mobilizações organizadas no Brasil. Foi um ato que teve o Hino Nacional como trilha sonora.

Foi um ato em que as pessoas estavam preocupadas em colocar o copinho plástico de água em seu devido lugar: no lixo. Um ato movido pela gentileza. Sim, gentileza, coisa raríssima em nosso cotidiano tramado pela violência simbólica e objetiva.

Mas, voltando à imprensa, qual o seu papel em relação a movimentos como o da mão espalmada? Simples: cobrir. Abrir espaços em suas páginas para expor ao distinto público o que está acontecendo. Render-se às contingências da pauta oficial não é o caminho. Lamentavelmente, houve quem escolhesse tal opção.

A partir de um momento em que a articulação ganha corpo e representatividade no âmbito da sociedade, abriga-se dentro da lei e representa anseios justos, cabe à imprensa oferecer visibilidade aos acontecimentos e, se for o caso, até conceder apoio editorial.

Cabe à imprensa se engajar em causas pela cidadania, pelos direitos civis, individuais e coletivos. Ao longo da história da imprensa, tem sido esse comportamento a motivação maior de sua existência.

O pior dos mundos se dá quando, na ânsia de agradar ao poder que controla o tesouro, promove-se uma cobertura que rebaixa os acontecimentos, que os trata como algo banal, buscando sugar a força dos acontecimentos.

Deputado dilmista diz que volta da inflação ajudará candidatos de oposição em 2014

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=ubOY4byGj9w[/youtube]

Quem pensa que a coisa anda fácil na base de apoio da presidente Dilma Rousseff (PT), pode tirar o cavalinho da chuva. Além de queda na popularidade, Dilma ainda foi vaiada na abertura da Copa das Confederações, nesse sábado, no estádio Mané Garrincha.

O deputado federal Genecias Noronha (PMDB), alado da presidente, reclamou para o Blog que Dilma não cumpriu as promessas sobre ações contra a seca. Diz ainda que ela caiu na popularidade por causa da inflação e abriu flanco para que candidatos de oposição possam crescer no páreo presidencial,

Cid Gomes terá audiência com a presidente da Petrobras nesta 2ª feira

O governador Cid Gomes confirmou que embarcará nesta segunda-feira para o Rio de Janeiro. Na agenda dele, audiência com a presidente da Petrobras, Graça Foster. O assunto é a busca de parceiro internacional que travará, mais uma vez, a partir de julho, na Coreia do Sul. Isso para que o sonho mais do que acalentando há décadas pelo cearense possa sair do papel: a refinaria premium II.

Bom lembrar que esse negócio da refinaria é coisa da época do Governo Virgílio Távora. De lá para cá, só serviu para eleger muita gente.

Dilma agenda viagem para o Japão

103 1

Dilma-cafe-presidenta

“A presidente Dilma Rousseff vai ao Japão no dia 27 acompanhada de uma comitiva de 30 grandes empresários brasileiros coordenada pela Confederação Nacional da Indústria. Na pauta dos encontros a abertura de mercado na terceira maior economia do Mundo para papel e celulose, minério de ferro e produtos do agronegócio, além da atração de investimentos.

Nos últimos dez anos o Brasil ficou de fora dos acordos de preferências comerciais assinados pelo Japão com 15 países. Os japoneses estão negociando acordos idênticos com outros 11 países e o Brasil quer entrar nesta lista de olho no mercado asiático.”

(ÉPOCA – Leonel Rocha)

Governo teve o bom-senso de reconhecer a legitimidade do movimento “Fortaleza Apavorada”

109 1

Da coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (16):

Em Fortaleza, apesar da tentativa prévia de apavoramento dos possíveis candidatos a participar da manifestação de protesto contra a violência, o governo teve o bom-senso de reconhecer a legitimidade do ato promovido pelo movimento “Fortaleza apavorada”. E tudo transcorreu pacificamente. Ainda falta muita estrada para se aprender a conviver com a diversidade de pontos de vista e de interesses dentro do regime democrático brasileiro. Até mesmo quando há excessos da parte de manifestantes estes podem ser diluídos pela elasticidade da democracia.

Para tanto, é preciso que as autoridades, de fato, tenham convicções democráticas e apostem na superioridade da democracia, abrindo-se para o diálogo e não se deixando envolver pelas provocações, o que é algo ainda muito incipiente na cultura política brasileira, entranhadamente autoritária.

Senado abre debates à participação popular

111 1

senado debates

Os cidadãos terão a oportunidade de participar nesta segunda-feira (17) de duas audiências públicas no Senado. Uma na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), com a finalidade de debater a possibilidade de redução da maioridade penal, e outra, na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), para discutir a regulamentação da emenda constitucional que garantiu mais direitos aos trabalhadores domésticos.

O Senado disponibilizará canais de comunicação para facilitar a interatividade.

A audiência pública da CDH será realizada, na sala 2 da ala Nilo Coelho, a partir das 9h e será transmitida ao vivo pelo portal e-Cidadania e pela TV Senado. O público pode participar com perguntas ou comentários diretamente aos senadores e convidados pelo link http://bit.ly/PECdasdomesticas. A interação também é possível pelo Facebook, pelo Twitter e pelo serviço telefônico Alô Senado (0800-612211).

No caso do debate da CCJ, que começa às 15h, a transmissão se dará igualmente ao vivo pelo portal e-Cidadania e pelo canal 2 da TV Senado na internet, já que nesse horário a emissora estará transmitindo a sessão plenária. Os cidadãos poderão igualmente participar pelo Facebook, pelo Twitter e pelo Alô Senado (0800-612211). Além disso, a audiência será transmitida, por meio de videoconferência, para todas as assembleias legislativas, e também por videostreaming, através do portal do Interlegis.

O link para específico para acesso ao debate da maioridade penal é http://bit.ly/audienciaRMP3 .

(Agência Senado)

Revista Veja diz que Abin espionava Eduardo Campos

116 2

Com chamada de primeira página, a revista Veja desta semana traz uma bomba: quatro agentes da ABIN – o serviço de espionagem do Governo Federal – foram presos sob a acusação de espionar os passos e vasculhar a vida do governador Eduardo Campos.

O caso agora abordado pela revista VEJA é o mesmo noticiado pelo Estado de S.Paulo em março, em que o jornal obtevedocumento sigiloso confirmando que o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) mobilizou a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para monitorar portuários e sindicatos contrários à Medida Provisória 595, conhecida como MP dos Portos. Identificado como “Ordem de Missão 022/82105”, de 13 de março de 2013, o ofício encaminhado a superintendências da Abin em 15 Estados litorâneos traz em destaque o alvo dos agentes: “Mobilização de Portuários”. O GSI confirma a autenticidade do documento.

A “missão” da Abin, informa o documento, é identificar ações grevistas como reação à medida provisória que altera o funcionamento dos portos. O alvo central são sindicalistas ligados à Força Sindical. A central sindical se uniu às críticas feitas pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), contra a MP dos Portos. Campos é possível candidato à Presidência em 2014.

Reportagem do Estado mostrou que a Abin vigiava os passos dos portuários de Suape, em Pernambuco. Na ocasião, o general Elito, após reunião com a presidente Dilma Rousseff, divulgou nota dizendo ser “mentirosa a afirmação de que o GSI/Abin tenha montado qualquer operação para monitorar o movimento sindical no Porto de Suape ou em qualquer outra instituição do País”.

A ordem contida no ofício 022/82105, porém, é clara sobre o monitoramento de sindicatos que atuam em portos. “Dirigentes sindicais ligados à Força Sindical pretendem promover paralisação nacional de 24 horas no dia 19 mar. 2013”, alerta o documento sigiloso.

 

Elevação de idade de dependentes no Imposto de Renda pode ser votada na CAE

79 1

A Comissão de Assuntos Econômicos pode votar na terça-feira (18), em decisão terminativa, o PLS 145/2008, que eleva a idade dos dependentes para fins de Imposto de Renda da Pessoa Física. O projeto, que já tem parecer favorável da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), recebeu voto favorável do relator, senador Benedito de Lira (PP-AL).

O projeto, do ex-senador Neuto de Conto, altera o artigo 35 da Lei 9.250/1995, a fim de que filho, filha, enteada, enteado, irmão, neto, bisneto e menor pobre dependente do contribuinte tenham aumentada a idade limite de dependência para 28 anos, no lugar dos atuais 21 anos. Caso estejam cursando ensino superior ou escola técnica de segundo grau, a condição poderá estender-se até os 32 anos de idade.

(Agência Senado)

País em ebulição. Imagine na Copa

Da coluna Política, no O POVO deste sábado (15), pelo jornalista Érico Firmo:

São movimentos diferentes, com perfis muito distintos, reivindicações diversas e mesmo naturezas contrastantes. De todo modo, em conjunto, o Brasil vive hoje um dos períodos de maior efervescência social e política desde a redemocratização. Houve movimentos maiores, mas o que chama atenção é a coincidência – ou não – de manifestações tão plurais, díspares, até, e capilarizadas. Se não é possível observar como fenômeno homogêneo, não seria equívoco menor considerar que uma coisa nada tem a ver com a outra.

O País está em ebulição: protestos contra aumento das tarifas de ônibus em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre (RS). Em Brasília, manifestação por moradias populares fechou o entorno do estádio Mané Garrincha, onde haverá hoje a abertura da Copa das Confederações. Com direito a barricadas e queima de pneus. O movimento anuncia que haverá atos do tipo em 12 capitais na próxima semana. Também na capital federal, índios protestam há semanas contra conflitos por terras. As manifestações são tão ecléticas que até proprietários rurais foram às ruas. No Rio Grande do Sul, em Santa Catarina, em Minas Gerais e em Roraima, produtores bloquearam rodovias contra justamente a demarcação de terras indígenas. Em Fortaleza e em Recife (PE), motoristas de ônibus fazem paralisações e afetam o eixo estratégico da mobilidade para o evento da Fifa. Além disso, a capital cearense viveu, na quinta-feira, a expressiva manifestação do “Fortaleza Apavorada”.

Em 8 de fevereiro do ano passado, a coluna já apontava que, quanto mais perto das competições da Fifa, maiores seriam as possibilidades de protestos. É assim agora e será muito mais até a Copa do Mundo. Não há nada de novo. Na África do Sul, em 2010, houve greve de seguranças na própria competição. Na Alemanha, em 2006, foram os médicos que paralisaram as atividades.

O Brasil vive momento de visibilidade mundial quase sem precedentes. Seria previsível e quase inevitável que houvesse tal eclosão. Surpreendente é o absoluto despreparo observado, principalmente em São Paulo, das autoridades para lidar com a situação. Não se limita a truculência, violência, desrespeito: as cenas na Avenida Paulista expõem monumental burrice política dos governantes.

A pesquisa e o alerta para o Governo Dilma

Em artigo no O POVO deste sábado (15), o editor-adjunto do Núcleo de Conjuntura do O POVO, Luiz Henrique Campos, avalia os números da popularidade da presidente Dilma Rousseff. Confira:

As recentes pesquisas tratando sobre a popularidade do Governo Dilma Rousseff podem não sugerir de imediato risco à reeleição da atual presidente em 2014. Os números a colocam em ampla vantagem sobre os principais adversários, além de ter na base social menos favorecida do país imensa margem de apoio que lhe garante folga considerável.

Essa, porém, não deveria ser a preocupação dos que estão à frente dos destinos do Brasil. Os resultados dos indicadores apresentados, mereceriam, sim, ser vistos como alerta sobre os rumos a que se está dando aos destinos do País. Não resta dúvida de que, entre todos, a economia é o parâmetro maior para se medir o grau de satisfação da sociedade para com os governos. No caso brasileiro, se tivemos nos últimos anos certos avanços ao se colocar na cena do consumo classes sociais até há pouco totalmente excluídas, vê-se agora que esse modelo não pode se sustentar indefinidamente, sem que seja dado o salto necessário a inserir o País no trilho do desenvolvimento sustentável.

Nesse aspecto, se conseguimos superar a agenda da estabilidade, estamos ainda distantes de avançarmos no aspecto da competitividade das empresas. O Brasil, infelizmente, ainda patina em áreas fundamentais com vistas a atingir níveis razoáveis de competitividade, que são a melhora da educação funcional, a redução dos gargalos em termos de infraestrutura e a diminuição da burocracia estatal.

Falta-nos, por exemplo, estímulo ao risco de inovar. E, sem isso, jamais vamos superar o atraso no qual nos encontramos em comparação com países mais desenvolvidos. No Brasil, ao contrário, tem-se dificuldade tanto para fechar como para abrir uma empresa. Sem contar a insegurança jurídica que rodeia a quem pensa em empreender, estimulando, na verdade, a informalidade.

O governo deveria, sim, se preocupar em acabar com esses gargalos, que têm reflexo direto no futuro. Ao que parece, o governo atual quer se garantir para sempre apostando exclusivamente no consumo das classes menos favorecidas. A queda da popularidade mostrou, todavia, que bastou o risco da volta da inflação para o humor da opinião pública azedar, indicando o quanto é frágil essa opção.

Após ação contra deputado Osmar Baquit, MP recebe críticas

124 2

O Ministério Público Estadual foi alvo de duras críticas de parlamentares cearenses nesta semana. O afastamento de 22 gestores da Prefeitura de Quixadá no último dia 5, em decorrência da Operação Miragem, deflagrada pelo MPE e Polícia Civil, gerou reação. O deputado federal Danilo Forte (PMDB) foi à tribuna para defender a gestão do prefeito de Quixadá, João da Sapataria (PRB), e criticou a ação do MP, que ele classificou como “estardalhaço”. Na Assembleia Legislativa, o MPE virou alvo após denúncia contra o deputado estadual Osmar Baquit (PSD) por suposto envolvimento em ataques a emissoras de rádio, também em Quixadá.

Em relação ao prefeito, segundo Forte, o pedido de afastamento se deu “sem acusação formal, por medida cautelar”. Para ele, isso desestabiliza administrações e descontinua a prestação de serviços públicos. “Inverteu-se o paradigma. Agora todos são culpados até prova em contrário”.

O peemedebista dotou discurso semelhante ao de defesa da PEC 37, que busca tirar do Ministério Público o poder de investigação criminal. “Sou a favor de que as investigações sejam feitas pelos agentes competentes, qualificados para tal. Não podem juntar as duas ações. Quem investiga não pode fazer parte da ação judicial”.

O promotor de Justiça de Quixadá, André Clark, afirmou que o deputado desconhece as provas analisadas pelo MPE, que geraram a ação de pedido de afastamento. Segundo ele, já foi constatada fraude no caráter competitivo de licitações, o que está sendo investigado agora é se há outras irregularidades ou envolvidos.

Denúncia da PGJ

Na Assembleia, foi o deputado Perboyre Diógenes (PMDB) quem saiu em defesa de Baquit. O deputado do PSD foi denunciado, na última quarta, por suposta participação em ataques a emissoras de rádio. A denúncia partiu da Procuradoria Geral de Justiça e será julgada pelo Tribunal de Justiça (TJCE).

Na avaliação de Perboyre, houve exagero e “irresponsabilidade” do MP. Em seu pronunciamento, Diógenes se afirmou a favor da PEC 37 e disse que o MPE invadiu a competência das polícias Civil e Federal e que só participa de ações para “aparecer na televisão”.

O POVO tentou contato com Osmar Baquit, mas ele não atendeu às ligações. A reportagem tentou obter mais informações sobre a denúncia contra Osmar Baquit, mas a assessoria de comunicação da PGJ afirmou que não tinha informação sobre a denúncia. Já a assessoria de comunicação do TJCE informou que só teria como buscar informações sobre o caso se tivesse o número do processo.

(O POVO)