Blog do Eliomar

Categorias para Política

Petrobras Investimentos da estatal creacem 217% nos últimos oito anos

“Nos últimos 16 anos, a principal empresa estatal brasileira aplicou R$ 453,3 bilhões na exploração, produção, refino, transporte e comercialização de petróleo e gás natural. Entre 1995 e 2002, durante a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, foram investidos R$ 109 bilhões, já descontada a inflação acumulada no período. Entre 2003 e 2010, quando mais empresas foram incorporadas ao grupo, a gigante brasileira de petróleo investiu R$ 344,5 bilhões; crescimento de 217% em relação ao governo FHC.

Apenas no ano passado, as 32 empresas que integram o grupo Petrobras investiram R$ 74,8 bilhões no setor petrolífero. A cifra representa 89% dos R$ 84,2 bilhões desembolsados pelas 78 empresas estatais com programação de investimentos para 2010. Os valores foram corrigidos pelo IGP-DI, da Fundação Getúlio Vargas, índice utilizado por órgãos como Secretaria do Tesouro Nacional para atualizar receitas e despesas. Caso sejam atualizados pelo IPCA, os valores dos investimentos da empresa somam R$ 434,8 bilhões em 16 anos (veja tabela).

Para se ter ideia do aporte de recursos da empresa, basta observar os investimentos da União, que alcançaram R$ 45 bilhões no ano passado, mesmo com as aplicações do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Significa que apenas as empresas que integram o grupo Petrobras investiram quase o dobro de recursos em 2010 se comparado com os desembolsos do Executivo, Legislativo e Judiciário. De acordo com o Programa de Dispêndios Globais, a Petrobras pretende investir cerca de R$ 91,3 bilhões neste ano.

Para 2010, a previsão inicial do Grupo era investir R$ 87,3 bilhões; maior marca dos últimos 16 anos. A Petrobras anunciou, também no ano passado, investimentos de R$ 249,8 bilhões em projetos até 2014 e mais R$ 462 bilhões após 2014. Os investimentos fazem parte do Plano de Negócios da Companhia, que envolve 645 projetos, sendo um terço deles previstos no chamado PAC 2. Ao todo, nos dois períodos, a meta da estatal é aplicar R$ 711,8 bilhões.

Esforço para investir mais

Segundo informações da estatal, em consulta realizada em 2010, o crescimento no montante investido nos últimos anos reflete uma tendência natural, mas um esforço para intensificar as aplicações no setor petrolífero. O acréscimo, segundo a estatal, foi provocado por três fatores. O primeiro deles é atribuído à fase de desenvolvimento da produção dos campos de exploração que foram descobertos na década de 90. Nos últimos anos, no entanto, a orientação deu-se no sentido de ampliar a construção de plataformas, colocando sistemas de produção subterrânea em ação.

Houve também investimento pesado nas 11 refinarias da Petrobras. Isso porque, como as refinarias foram construídas até a década de 90, quando o Brasil importava em grande quantidade petróleo leve, de baixa densidade, não suportavam o processamento de petróleo pesado, descoberto em grande volume no país após a década de 90. Desta forma, as refinarias foram modernizadas e adaptadas, a fim de que a produção e a qualidade da comercialização fossem ampliadas.

Por último, de acordo com a estatal, também contribuiu para a ampliação dos investimentos da empresa a construção de gasodutos para aproveitar a produção de gás natural, como o Gasoduto da Integração Sudeste-Nordeste, que teve a última etapa concluída em março deste ano.”

(Site Contas Abertas)

Cuidado, jornalista: criticar pode dar cadeia

143 1

“Pra entrar no clima, só abrindo com pontos de exclamação. Treze, pra afastar assombração. O velho Aurélio aqui ao lado, deliciosamente jurássico em suas amareladas páginas de papel, esclarece:

exclamação. Ato de exclamar; voz, grito ou brado de prazer, alegria, raiva, tristeza, dor”

Tirando o prazer e a alegria, tudo a ver. Vontade de gritar. De tristeza, dor, raiva e, principalmente, de espanto. A história é uma aula de Brasil.

Você acha que é ofensa alguém dizer de uma autoridade pública, eleita pelo voto, que ela “paga o preço por seu despreparo”? Ou que anda “empazinada de ansiolíticos e com vida em boa parte reclusa”? E se, sem citar nomes, o sujeito fala que o “sumo pontífice e sacerdotisa da Seita Songamonguista do Reino Azul-turquesa” devem “ajustar seus rituais”? Ofensa?

A juíza Welma Maria Ferreira de Menezes, do Juizado Especial Criminal de Mossoró (Rio Grande do Norte), entendeu que as três afirmações eram ofensivas, sim. E, por causa delas, condenou a cadeia, em três processos diferentes, o blogueiro Carlos Santos, 47 anos de idade e 26 de atuação profissional como jornalista. As punições foram iguais: um mês e dez dias de detenção, em cada uma das ações penais, com permissão para cumprir a pena fazendo doações (no valor de R$ 2.040,00 por processo) a entidades filantrópicas.

Com cerca de 250 mil habitantes e uma das mais prósperas cidades do Nordeste, Mossoró é o segundo município do estado – só perde para Natal – em população e força econômica. Esta, derivada em especial do petróleo, da extração de sal, da produção de frutas, do comércio e do turismo.

Uma cidade situada a meia distância (entre 260 e 270 km) da capital potiguar e Fortaleza e que se orgulha de ter importantes edificações históricas e uma indústria de comunicação expressiva: quatro jornais locais, dez emissoras de rádio e duas de TV aberta.

Uma cidade que… vai que é tua, Brasil… é administrada há 63 anos pela mesma família. Desde 1948, portanto. A família Rosado, a mesma da prefeita Fátima Rosado (DEM) e do seu irmão e chefe de gabinete, Gustavo Rosado (PV).

E também da deputada federal Sandra Rosado (PSB), que lidera a oposição a Fátima. E, ainda, da governadora e ex-senadora Rosalba Ciarlini (DEM), que se elegeu prefeita em 2000 disputando contra a Fátima, mas a ela se aliou nas duas eleições seguintes (2004 e 2008), e a quem Carlos Santos exime de responsabilidade em relação ao calvário que enfrenta.

O chefe de gabinete, Fátima e seu marido, o médico e deputado estadual Leonardo Nogueira (DEM), elegeram Carlos Santos como alvo de nove interpelações e 27 ações judiciais (cíveis e criminais). Uma foi arquivada, as outras 26 estão em andamento.

Somente no dia 23 de abril do ano passado o trio deu entrada em 11 processos contra o jornalista blogueiro. Que é um fenômeno da internet local.

Embora precária, quase heroicamente, Carlos consegue sobreviver com a publicidade que seu blog amealha. E o faz por causa da boa audiência, superior à de qualquer portal mantido na internet pelos tradicionais grupos de comunicação de Mossoró.” 

(Congresso em Foco)

O "monstrinho verde" criado pelo governador

173 2

Eis artigo do publicitário e poeta Ricardo Alcântara. Intitulado “O alto custo da omissão”, aborda o caso do projeto de lei já aprovado pela Assembleia Legislativa que flexibilizou as licenças ambientais no Estado. Confira:

A montanha foi a Maomé: se a “frente popular” que apoia o governo na Assembleia Legislativa fechou os olhos para os danos que viriam com a nova lei de concessão de licenças ambientais, O Ministério Público Federal não.
 
O caso já foi encaminhado ao Procurador geral da República para uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a aplicação do “monstrinho” – um abre alas para toda sorte de abusos em prejuízo do meio ambiente.
 
Fora do (nunca antes tão amplo) círculo do poder, o entendimento é consensual: a lei aprovada pela obsequiosa bancada da “frente popular” se sobrepõe à legislação federal que trata de concessão para licença ambiental.
 
O que Cid Gomes fez se passar por um “licenciamento simplificado” é, de fato, licenciamento nenhum, pois se dá por autodeclaração do executor, sem o necessário ato de verificação e controle dos órgãos responsáveis.
 
É alvar: nenhum artifício deveria superar a imposição legal de observação prévia das condições ambientais em que se pretende realizar a obra. Afinal, que prefeitura declararia a si mesma impossibilitada de cumprir as normas? 
 
Mas vá dizer isso lá aos deputados governistas e ouvirá: “esqueça, aquelas bravatas eram coisas de oposição”. Não. O apoio político não deveria ir além da identidade partidária. Isso aí tem outro nome. Eles sabem qual.
 
Ricardo Alcântara,

Publicitário e poeta. 

Pedido de informações sobre viagem de Cid em jatinho da Grendene na pauta da Assembleia

177 3

A Assembleia Legislativa promete, a partir das 11 horas desa quinta-feira, embates entre a situação e o opositor Heitor Férrer (PDT). É que vai entrar em votação requerimento do pedetista pedindo informações do governador Cid Gomes (PSB) sobre o porquê dele usar jatinho do Grupo Grendene em período de férias nos EUA.

Heitor considera o fato “grave”, enquanto o governador já avisou que não tem o que responder para parlamentar nenhum sobre sua privacidade.

A Grendene foi uma das doadoras da campanha pró-reeleição de Cid Gomes. Doou R$ 1 milhão, mas Cid destaca amizade antiga com o controlador da empresa, Alexandre Grendene, que tem indústrias em sobral (Zona Norte), terra do governador.

VAMOS NÓS – Não é por nada, não. Mas como o governador gosta de jatinho.

Salário Mínimo – Quem traiu quem na votação?

Eudes Xavier (PT) votou contra o Governo.

“Apenas 15 deputados dos partidos governistas descumpriram a orientação do Palácio do Planalto e votaram a favor da emenda do DEM que fixava o salário mínimo em R$ 560. Nessa votação, a mais importante realizada ontem, a oposição faturou os votos de nove parlamentares do PDT, três do PP, dois do PT e um do PTB.

Na rejeição dos R$ 560, o governo contou com todos os votos das bancadas do PMDB, PSB, PR, PMN, PRB, PSC e PCdoB. O valor proposto inicialmente pelas centrais sindicais e depois encampado pelo DEM, R$ 15 a menos daquele apresentado pelo governo como limite máximo que ele estava disposto a aceitar, foi rejeitado por 361 deputados e aprovado por 120. Outros 11 se abstiveram de votar. No total, 492 parlamentares participaram da votação.

É um resultado excepcional para o governo Dilma. Primeiro, pelos números acima reproduzidos, que falam por si. Segundo, pela importância do tema. Em razão da origem sindical do principal partido governista, o PT, poucas coisas podem ser tão desgastantes para a base quanto votar contra aumentos para um piso salarial reconhecidamente baixo. Um sinal de céu de brigadeiro para o governo, ao menos neste início de mandato, nas próximas votações de grande impacto.
 
Terceiro, porque o governo, já favorecido pelas circunstâncias, se mostrou bem mais competente que a oposição na articulação política. Orientou claramente seus liderados (tinham que ser os R$ 545 e nenhum centavo a mais), envolveu ministros e líderes no convencimento das bancadas (todas ansiosas pela definição dos inúmeros cargos de segundo escalão ainda à espera de nomeações), e apresentou um discurso que oferecia a política de recuperação real implementada nos últimos anos (que elevou o salário mínimo de menos de US$ 90 para os mais de US$ 300 atuais) como garantia de que, passado o aperto fiscal, novos ganhos hão de vir até o final do governo Dilma. A lei aprovada já assegura a correção pela inflação mais o índice de crescimento da economia de dois anos antes.

Dado esse contexto, era nenhuma a chance de vitória da oposição. Mas PSDB e DEM facilitaram a vida do governo ao cometer um erro de encaminhamento. Em vez de colocarem em votação a emenda original acordada pelo PV, PPS e PDT com as centrais sindicais (pelo mínimo de R$ 560, mas com antecipação de R$ 15 que seriam descontados no aumento do ano que vem), tiraram essa proposta de pauta, substituindo-a pela do DEM, favorável ao aumento imediato para R$ 560 (sem antecipação). O resultado foi que a maioria dos deputados do PV se absteve na votação da emenda, que conseguiu os votos de somente um terço dos pedetistas – estes, já sob intensa pressão palaciana.
 
Para piorar, tanto o DEM quanto o PSDB enfrentaram defecções em suas bancadas. Na votação dos R$ 600 propostos pelo PSDB, a oposição ficou sem o apoio do PV, de dois deputados tucanos (Manoel Salviano, do Ceará, e Berinho Bantim, de Roraima) e de sete parlamentares do DEM: os mineiros Jairo Ataíde e Vitor Penido, que se abstiveram; e ainda Lael Varella (MG), Mandeta (MS), Marcos Montes (MG), Paulo Cesar Quartiero (RR) e Paulo Magalhães (BA), que votaram contra. Na votação dos R$ 560, a maioria do PV se absteve e seis deputados de partidos oposicionistas votaram junto com o governo: Antônio Roberto (PV-MG), Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), Fábio Ramalho (PV-MG), Jairo Ataide  (DEM-MG), Manoel Salviano  (PSDB-CE) e Vitor Penido  (DEM-MG).
 
Já o governo viu sair de suas hostes sete votos favoráveis aos R$ 600. Eles vieram dos seguintes deputados: Francisco Floriano (PR-RJ), Jair Bolsonaro (PP-RJ), Luiz Argôlo (PP-BA), Oziel Oliveira (PDT-BA), Sérgio Moraes (PTB-RS), Tiririca (PR-SP) e Zoinho (PR-RJ).”

Clique aqui para ver os nomes dos deputados da base que votaram contra o governo
Veja a lista completa de votação da emenda de aumento para R$ 560

(Congresso em Foco)

DETALHE – O deputado federal Eudes Xavier foi o único da bancada federal cearense a votar matéria contra o Governo. Ele disse que não poderia manchar a sua história nem a história do pT, que sempre defendeu os interesses da classe trabalhadora. Eudes foi presidente da Central Única dos Trabalhadores. Agora, é esperar para ver se ele será mesmo tratado como “dissidente” como prometeu a tropa de choque dilmista.

Assembleia Legislativa lança Frente Parlamentar em Defesa da Defensoria

236 3

Será lançada nesta quinta-feira, a partir das 9 horas, a Frente Parlamentar em Defesa da Defensoria Pública do Estado. O ato ocorrerá no plenário do legislativo estadual, ocasião em qeu haverá mobilização dos defensores públicos em favor da valorização da categoria. A Frente terá como presidente o deputado Lula Morais (PCdoB).

O presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado (ADPEC), Fábio Ivo, participará do ato que, entre algumas reivindicações quer o reconhecimento da autonomia administrativa e funcional da Instituição, a nomeação de novos defensores, a reestruturação da carreira e a adequação constitucional remuneratória no patamar das demais carreiras jurídicas.

QUADRO

A Frente trbalhará no esforço de reduzir a carência de defensores nas Comarcas. Dos 184 municípios cearenses, apenas 61 possuem comarca com defensor público.

Liberação de emendas de parlamentares cresce 441% antes da votação do mínimo

121 1

“Nos primeiros 11 dias de fevereiro, às vésperas da votação do valor do novo salário mínimo, o governo pagou R$ 653,7 milhões de gastos autorizados ou ampliados por meio de emendas parlamentares. O ritmo de liberação de verbas públicas nesse período aumentou 441% em relação a janeiro.

Os gastos referem-se a contas pendentes de pagamento do ano passado (os chamados restos a pagar) e equivalem a 7% do saldo deixado até o último dia de governo Luiz Inácio Lula da Silva das despesas que foram objeto de emendas parlamentares.

Entre os agraciados com direito a voto na definição do novo salário mínimo, destaca-se o deputado Paulinho Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical. Ele teve R$ 2 milhões liberados para ações de orientação profissional e intermediação de mão de obra em São Paulo. Apesar de integrar a base governista, Paulinho não defendeu o valor do mínimo de R$ 545, fixado pelo governo.”

 (Estadão)

Câmara aprova mínimo de R$ 545,00

188 3

Depois de sete horas, a Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira, em votação simbólica, a proposta do governo federal de elevar o salário mínimo para R$ 545 neste ano. O relatório de Vicentinho (PT-SP) foi aprovado pela metade mais um dos parlamentares.

O resultado deu a primeira vitória na Casa para a presidente Dilma Rousseff.

A proposta do governo para reajuste do mínimo até 2015 tem como base para os reajustes o índice da inflação mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) dos dois anos anteriores.

(Com TV Câmara)

DETALHE -Ainda há destaques sendo votados que podem alterar o valor do mínimo. Governistas não apostam em mudança.

Empresário confirma que deu carona em seu jatinho para Cid Gomes

165 1

“O empresário Alexandre Grendene, dono da indústria de calçados Gredene, confirmou nesta quarta-feira que o governador do Ceará Cid Gomes (PSB) viajou de férias para Miami, nos Estados Unidos, em seu jato particular no mês passado.

Ele disse que havia vaga e deu carona ao governador e sua mulher, Maria Célia Habib Moura. Ainda com a barba que deixou crescer durante as férias, Cid disse que não tem satisfação a dar sobre sua privacidade durante das férias, entre 19 e 29 de janeiro desse ano.

Com três fábricas no Ceará, a maior delas em Sobral, terra de Cid, a Grendene recebe incentivos fiscais do governo estadual e contibuiu com as duas campanhas eleitorais de Cid para o governo (2006 e 2010).”

(Globo Online)

Agripino Maia é o novo presidente do DEM

“Integrantes do DEM chegaram a um acordo no início da noite de hoje (16) e indicaram o senador Agripino Maia (RN) como o próximo presidente do partido. Após reunião da cúpula do partido em Brasília ficou decidido que haverá apenas uma chapa com o nome de Maia no dia da convenção do partido, prevista para o próximo dia 15 de março.

A vitória do senador é creditada ao grupo do atual presidente Rodrigo Maia (RJ) que ficará com a maioria dos cargos na Executiva do partido. Rodrigo também deve assumir um cargo de “realce” ainda a ser definido.

Desde o final do ano passado, o grupo de Rodrigo disputava a indicação da presidência com o grupo do presidente de honra Jorge Bornhausen aliado do prefeito de São Paulo Gilberto Kassab.

O ex-senador Marco Maciel (PE) assumirá o comando do Conselho Político do partido. E o deputado Marcos Montes (MG) a Secretaria Geral.

A presidência da Fundação continuará nas mãos do ex-deputado José Carlos Aleluia (BA), do grupo de Rodrigo.

“Ganhamos e não tripudiamos com ninguém. Mas não dava para conviver com a tese de que está no partido mas quer fundar outro”, disse ao blog o deputado Ronaldo Caiado (GO).

Segundo ele, o partido buscará uma aproximação com as entidades de classe para ganhar uma visão menos elitista e mais popular.

“Nossa atuação será mais junto à população e menos congressual. Temos que tirar o partido do 26 andar [do Congresso, sede do partido], do [restaurante] Piantella e ir para as ruas”.

(Blog do Noblat)

Cid lança Ciro para o Senado em 2014. E pode?

386 7

O governador Cid Gomes (PSB) afirmou, nesta quarta-feira, que vai trabalhar para eleger o seu irmão, Ciro Gomes (PSB), para o Senado em 2014. A declaração foi feita no twitcam, um serviço de voz e vídeo, disponível no microblog twitter. Questionado por um dos internautas se seria candidato a prefeito em 2016 – dois anos após a previsão de conclusão do mandato de governador, Cid desconversou e afirmou que pretende ajudar a eleger um sucessor e apoioar Ciro para o Senado.

Ligado às novas tecnologias, o governador esteve por cerca de 1 hora e meia – das 16 às 17h30min no twitcam – respondendo e comentando questões enviadas pelo público. A maioria dos pontos escolhidos pelo governdor disse respeito aos feitos da própria gestão, em várias áreas. Candidato à Presidência da República duas vezes – em 1998 e 2002, pelo PPS – Ciro foi rifado da corrida eleitoral no ano passado pelo próprio partido. Recentemente, concluiu mandato de deputado federal.

PRIVACIDADE

Cid Gomes disse, nesta tarde de quarta-feira, que sobre sua privacidade não vai dar informação “para deputado nenhum”. Essa foi sua reação ao ser indagado sobre requerimento do pedetista Heitor Férrer que, baseado matéria da revista Veja, quer saber da viagem do governador, em ritmo de férias, usando jatinho do empresário Alexandre Grendene. Segundo a reportagem, a Grendene doou R$ 1 milhão para a campanha de reeleiçaõ de Cid.

O governador garantiu que financiou suas férias e que, quando em atividade como governador, o governo financiou. “Eu não vou fazer comentário do tempo em que eu estava de férias”, avisou.

DETALHE – Sobre Cid lanaçr Ciro para o Senado, há uma súmula vinculante do STF, nº 18  que proibe o cônjunge mesmo divorciado candidatar-se ao cargo do ex-marido ainda quando ese se afaste seis meses antes da eleição. O rigor na interpretação da inelegibilidade entre parentes até o segundo grau poderá impedir a candidatura do irmão do governador ao Senado mesmo no caso de Cid se afastar do cargo. Essa informação é do jurista Djalma Pinto e foi dada ao Blog. A súmula diz: A DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE OU DO VÍNCULO CONJUGAL, NO CURSO DO MANDATO, NÃO AFASTA A INELEGIBILIDADE PREVISTA NO § 7º DO ARTIGO 14 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

DETALHE 2 (ATUALIZAÇÃO – 20h16min)- O jurista Djlaa Pinto informou para o Blog que, após pesquisa, constatou: o TSE tem posicionamento reconhecendo a elegibilidade para o cargo de senador do irmão de governador, que renuncia ao mandato até seis meses antes da eleição para o Senado. Ou seja, se Cid assim se comportar, Ciro poderá ser candidato sem problema.

(Foto -Paulo MOska)

Vereador Carlos Mesquita mobiliza torcida prometendo dar ao Ferroviário 2º turno

213 2

Eis que apareceu nesta quarta-feira um “salvador” prometendo tirar o time do Ferroviário do buraco em que se encontra – a lanterna do campeoanto e com a meta de fazer o clube ganhar o segundo turno do certame estadual. O ex-presidente Carlos Mesquita, vereador do PMDB, anunciou, dentro do programa Trem Bala, da rádio O POVO/CBN, que, a partir de agora, ajudará a diretoria coral e mobilizará esforços nesse sentido.

Carlos Mesquita adiantou que vai bater à porta dos torcedores de peso e que, da Câmara Municipal de Fortaleza, já está conseguindo o apoio de 12 dos 41 vereadores que são “ferrim”. O trabalho é pagar as contas do clube e organizar tudo para ganhar o turno, disse Mesquita. Ele deu um recado para quem pensar que entrou nessa de olho em sua reeleição em 2012.

“Nós não estamos em ano de eleição e minha intenção é ajudar o meu Ferroviário. Quem pensar que eu tô fazendo isso com interesse político, que se lasque”, disparou o peemedebista. Ele informou ainda que vai procurar o deputado Lucilvio Grão (PMDN), também torcedora coral para que reforce essa mobilização.

Réu do Mensalão presidirá CCJ da Câmara

145 1

O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), réu no processo do mensalão que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), será o presidente neste ano da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. Essa é a principal comissão temática da Câmara. A decisão foi anunciada na tarde desta quarta-feira pelo líder do PT, Paulo Teixeira (PT-SP). João Paulo derrotou o deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), ex-dirigente nacional petista. Ficou certo que Berzoini aceitou presidir a CCJ no próximo ano.

A bancada do PT na Câmara acabou adotando método semelhante aos dos petistas do Senado, que dividiram o mandato de dois anos na Mesa Diretora da Casa entre Marta Suplicy (SP) e José Pimentel (CE) , pois não conseguiram um consenso em torno de um único nome.

No caso da Câmara, o mandato de presidente da CCJ é mesmo de um ano e Berzoini aceitou ocupar a comissão no próximo ano, já que, por ter eleito a maior bancada, o PT continua com direito à primeira escolha nas comissões temáticas.

“Não teve vitória ou derrota. Berzoini poderia ir para a Comissão de Finanças e Tributação, mas optou pelo gesto que adensa a bancada”, disse João Paulo.

(Com Globo Online)

Lula prometeu encerrar "quarentena" em março

132 1

“O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu, nesta quarta-feira, à imprensa carioca que voltará a falar de política só depois de 8 de março, quando termina o período que chamou de “quarentena”. “Primeiro eu tenho que desencarnar”, disse Lula. Por causa do tempo de silêncio estabelecido, o ex-presidente não quis fazer comentários sobre o novo salário mínimo.

No hotel Copacabana Palace, zona sul do Rio de Janeiro, Lula se reuniu com economistas da Fundação Getulio Vargas (FGV) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), além da economista Maria da Conceição Tavares, pela qual o ex-presidente demonstrou consideração. “Eu tenho um apreço muito grande pela Maria da Conceição. Não pude vê-la quando era presidente e agora tenho disponibilidade”. Lula referiu-se também ao compositor Chico Buarque de Hollanda, que, segundo ele, foi “um grande amigo, esteve junto em todos os momentos, nas horas boas e nas difíceis”.

Hoje à noite, o ex-presidente jantará com o governador Sergio Cabral. Lula não confirmou se irá ao Rio de Janeiro para assistir ao desfile das escolas de samba no Carnaval neste ano. “Eu tenho vontade de vir para o Carnaval. Mas vai depender das circunstâncias”, disse. Uma das circunstâncias seria a evolução do estado de saúde do ex-vice-presidente José Alencar, que recebeu a visita de Lula, nesta terça-feira, em São Paulo. Lula disse ter consciência de que a situação de Alencar é grave. “A gente está torcendo. Sou um cristão e tenho muita fé”, disse ele em relação à possibilidade de recuperação do amigo.”

(Portal Terra)

Governo Dilma cancela mais de 2.500 anistias concedidas por FHC e Lula

124 1

“O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, cancelou a condição de anistiado político de 2.530 cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) cujos processos foram aprovados no final do governo Fernando Henrique Cardoso e nos primeiros anos da gestão de Luiz Inácio Lula da Silva.

A portaria, também assinada pelo advogado-geral da União substituto, Fernando Faria, determina a revisão das reparações econômicas pagas a esses cabos.

Os militares recebiam, até então, prestação mensal com direito também a retroativos, que são os atrasados acumulados em milhões de reais.

As anistias foram concedidas com base numa portaria, a 1.104, de 1964, que limita o tempo de permanência do militar na força. Os cabos alegaram, porém, que foram afastados por perseguição política a Comissão de Anistia entendeu que se trava de um ato de exceção.

A decisão publicada no Diário Oficial desta quarta-feira prevê a criação de um Grupo de Trabalho Interministerial que fará a revisão de cada uma dessas anistias. Esse grupo, com nove pessoas, será composto por representantes do Ministério da Justiça e da Controladoria Geral da União (CGU).”

(Globo Online)

Pura maldade

241 6

Pois é, o fortalezense pode estar sofrendo com buracos – culpa da Prefeitura ou Cagece, mas não perde o jeito moleque. Esse logo aí está sendo espalhado pela internet. Deve ser coisa da tal da elite.

Maldade, gente!

Queda de Mubarak – Prenúncio do fim do Imperialismo?

Com o título “Os ventos da democracia ameaçam o Império do Norte”, eis artigo do jornalista Messias Pontes para esta quarta-feira do Blog. Ele aborda a queda de Murabarak, do Egito, e perspectivas da queda do imperialismo naquela banda do mundo. 

Foram 18 dias o tempo suficiente para o povo egípcio botar pra correr o todo poderoso ditador Hosny Mubarak, principal aliado do imperialismo norte-americano no mundo árabe. Os ventos que sopraram com a violência necessária para varrer a sujeira no Egito, acumulada há 30 anos, tinham passado pela Tunísia e apeado do poder o também ditador corrupto Bem Ali, também há três décadas infernizando a vida do povo.

E esses ventos não pararam na Praça Tahrir (Libertação), epicentro do furacão libertário egípcio. Eles se deslocam com a mesma velocidade rumo a todo o Oriente Médio, devendo estacionar uns dias em Sanaa, capital do Iêmen, devendo seguir seu rumo após a queda do ditador Ali Abdallah Saleh, há 32 anos no poder. O próximo destino deve ser a Argélia.

Esses mesmos ventos passaram há uma década por aqui no subcontinente sul-americano, afastando do poder políticos conservadores, corruptos, neoliberais e capachos do imperialismo: Venezuela, Brasil, Argentina, Bolívia, Equador, Paraguai, Uruguai. Eles devem retornar para completar a limpeza na Colômbia que continua uma imundície só.

Os acontecimentos destes dois primeiros meses de 2011 ficarão na história não só do mundo árabe, mas de todo o planeta. Eles significam uma fragorosa e histórica derrota do imperialismo ianque e do sionismo de Tel Aviv. É um caminho sem retorno e que prossegue célere.

Quando o povo quer, ninguém segura. É como água de morro abaixo e fogo de morro acima que ninguém controla. Historicamente está provado que quando os de baixos não agüentam mais a opressão dos de cima, e quando estes não conseguem mais se manter como antes, o caminho é a libertação.

 De nada adiantou toda a repressão: as mais de 300 mortes de civis, milhares de prisões, inclusive de jornalistas egípcios e estrangeiros – entre eles dois brasileiros que foram mandados de volta para cá -, a proibição da Internet e da telefonia celular, e de todo tipo de ameaça.

A queda de Hosni Mubarak, principal aliado do imperialismo e do sionismo na região, tem deixado insones os dirigentes ianques e israelenses. Isto porque é o Egito quem fornece a metade do gás consumido por Israel e tem sido conivente com os crimes praticados contra os palestinos. Não há indicativo de que o fornecimento de gás seja suspenso, porém os crimes contra os palestinos não terão mais a complacência de antes.

A luta do povo por melhores condições de vida, por saúde e educação públicas de qualidade, contra o descontrole dos preços, contra o desemprego que atinge a esmagadora maioria dos jovens, e sobretudo o combate à corrupção que grassa há mais de três décadas, tende a se consolidar.

As coisas já começaram a mudar, embora ainda há muito o que fazer. O poder ainda está nas mãos dos militares, contudo estes já não agem como antes. Os governos ditatoriais, corruptos e teocráticos da região já estão com a barba de molho e buscam oferecer algumas mudanças cosméticas para se garantir por mais tempo no poder. Mas sabem que os ventos da democracia os atingirá também.

Pode ser o começo do fim do imperialismo e do sionismo. E do início de uma nova era.

* Messias Pontes

Jornalista.

Temer: PMDB vota unido pelo mínimo de R$ 545,00

163 1

“O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), afirmou hoje (16) que o seu partido vai votar unido a favor da proposta de reajuste do salário mínimo para R$ 545. Segundo ele, o número de votos de peemedebistas favoráveis à matéria pode até surpreender. “O partido está fechado, é provável que se ultrapassem mais de 60 votos do PMDB. Vai ser até uma surpresa”, previu.

Temer ainda afirmou que não acredita que haja uma fragmentação da base governista na votação na Câmara, marcada para hoje à tarde. “Pode ter até um ou outro voto contrário, mas isso não fragmenta. Tenho a convicção de que a maioria vai votar nos R$ 545”. O vice-presidente voltou a destacar que, com base em cálculos do governo, não é possível conceder um aumento maior do que os R$ 545 propostos pelo Executivo nem mesmo chegar aos R$ 560 como querem as centrais sindicais e alguns partidos de oposição.

“Pelos cálculos, a cada R$ 1 de aumento, são quase R$ 300 milhões a mais nas despesas da Previdência Social”, destacou. Os parlamentares do partido estão reunidos para acertar os últimos detalhes da votação.

(Agência Brasil)