Blog do Eliomar

Categorias para Política

Projeto de Roberto Pessoa quer anular decreto de Temer que prejudica brasileiros da área rural

223 1

O deputado federal Roberto Pessoa (PSDB) deu entrada num projeto de decreto legislativo (PDL) propondo a anulação de medida tomada pelo ex-presidente Michel Temer que, de acordo com o tucano, causa prejuízos para os que vivem na zona rural do País.

Temer cortou os descontos da conta de energia elétrica das pessoas que moram nessa área, afetando não somente quem vive do agronegócio, como também o homem do campo, que explora a agricultura familiar.

“É um enorme prejuízo para quem reside no interior”, lamenta o deputado que, na prática, quer a anulação ou  revogação dessa medida de Temer.

Se o projeto de decreto legislativo for aprovado, só no Ceará serão mais de 2,2 milhões de pessoas beneficiadas, que são os moradores de áreas rurais, adianta Pessoa.

DETALHE – O PDL vai ser despachado pela mesa diretora da Câmara e deve tramitar nas comissões permanentes.

(Foto – Divulgação)

Ministro diz que universidades públicas não serão privatizadas

O ministro da Educação, Ricardo Vélez, garantiu hoje (13), pelo Twitter, que as universidades públicas não serão privatizadas. “As Universidades Públicas são patrimônio da Nação. Não serão privatizadas. Mas serão geridas com total transparência, a fim de que os brasileiros saibam, tintim por tintim, como é utilizado o suado dinheiro que sustenta essas instituições. Menos Brasília e mais Brasil!”, escreveu no Twiter.

A privatização vinha sendo apontada como solução para a crise financeira pela qual passam essas instituições de ensino, mas o Ministério da Educação (MEC) ainda não havia se pronunciado oficialmente sobre a questão.

De acordo com o Censo da Educação Superior, o país tem hoje 2.448 instituições de ensino superior. Dessas, 296 são públicas e 63 são universidades federais, ligadas diretamente ao MEC. As públicas concentram mais de 2 milhões de matrículas, 24,7% do total dos universitários do país.

Pelo Plano Nacional de Educação (PNE), a lei que estipula metas para melhorar a qualidade da educação brasileira até 2024, o Brasil deve incluir um terço, ou seja, 33% da população de 18 a 24 anos no ensino superior até o fim da vigência da lei. Atualmente, essa porcentagem é cerca de 23%, considerando também os que já se formaram.

Já a taxa bruta de matrícula, ou seja, total de estudantes matriculados, independentemente da idade, deve ser equivalente a metade da população total de 18 a 24 anos. Essa porcentagem é cerca de 35%.

(Agência Brasil)

Os 39 anos do PT – “O maior partido de esquerda da América Latina”

Com o título “39 anos de luta pelo Brasil”, eis artigo de Jaques Wagner, senador e ex-governador pelo PT da Bahia Em artigo, veiculado também no O POVO, ele aborda o aniversário do “maior partido de esquerda da América Latina”. Confira:

O maior partido de esquerda da América Latina e um dos maiores do mundo acaba de completar 39 anos. Nascido nas ruas, o Partido dos Trabalhadores se aproxima da quarta década de existência com muito a comemorar e também muitos desafios pela frente.

A história do PT se confunde com a história recente do Brasil. Suas principais lideranças estiveram na linha de frente da luta contra a ditadura e pela construção da democracia. Aos poucos e com esforço de milhares de militantes em todo o País, ampliamos nossa inserção na sociedade e passamos a representar os sonhos de justiça e igualdade de milhões de pessoas.

Após governar uma série de cidades e estados, em 2002 o PT venceu as eleições no Brasil sob o signo da mudança. E mudamos muita coisa. Invertemos prioridades, colocando como eixo central o conceito de que o País só seria justo se fosse para todos. As pessoas pobres foram inseridas no Orçamento e as políticas de inclusão deixaram de ser migalhas para meia dúzia. Ganharam escala e transversalidade, chegando a milhões de famílias beneficiadas pelos empregos gerados, salário valorizado, programas de transferência de renda, democratização do acesso ao ensino técnico e superior, dentre outros avanços.

Mas a política é feita de ondas e agora estamos vivendo uma onda conservadora. É o momento da elite intolerante, que nunca suportou ver pobres com direitos. São os que querem pagar pouco para quem trabalha e assim ter mais dinheiro para gastar lá fora. São os que, na falta de argumentos, preferem destilar ódio contra quem se posiciona diferente. Ódio que é próprio daqueles que não pensam.

Neste cenário conturbado, devemos priorizar a atuação em duas frentes: a defesa da democracia e de Lula. Não conheço na história do Brasil um presidente que tenha pacificado mais as relações do que Lula, alvo de uma perseguição judicial repudiada por juristas e intelectuais do mundo inteiro, que reconhecem a sua importância e a injustiça. Quando atacam Lula, querem na verdade atacar a nossa história construída junto com o povo.

Por isso, reagimos com veemência e indignação. Seguiremos nossa luta em defesa de Lula e do PT. Com um debate franco, com a necessária renovação geracional e com a defesa intransigente da diversidade, que é nossa riqueza, e com unidade, que é a nossa fortaleza.

*Jaques Wagner

-Ex-governador e senador pelo PT da Bahia.

(Foto – Agência Brasil)

Vereador Renan Colares é reconduzido à presidência da Comissão de Orçamento

O vereador Renan Colares (PDT) foi reconduzido, nesta quarta-feira, à presidência da Comissão de Orçamento, Fiscalização e Administração Pública da Câmara de Fortaleza, após eleição e decisão unânime dos demais membros.

Renan também é membro da Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa e da Comissão Especial instalada para apreciar o Código das Cidades e o Plano Diretor de Fortaleza.

Agora, é arregaçar mangas e, por estar na comissão do Código da Cidade, ajudar a fomentar o debate sobre o tema prioritário para esta cidade.

(Foto – Divulgação)

Secretaria de Socorro França conta com mais de R$ 500 milhões para ações contra a pobreza

275 1

Ficou com Socorro França, a titular da recém-criada Secretaria de Promoção Social, Justiça, Mulheres e Direitos Humanos (ufa!), o Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Fecop), que pertencia à extinta Secretaria do Trabalho e Desenolvimento Social.

De acordo com a secretária, o orçamento para este ano é superior a R$ 500 milhões e vai ser investido em programas sociais, de vários setores.

“A ordem é enfrentarmos a pobreza extrema no Estado”, diz Socorro França.

(Foto – Divulgação)

Fernando Haddad terá encontro com Camilo

Fernando Haddad, candidato derrotado a presidente da República, terá agenda só mesmo em Fortaleza, na próxima sexta-feira, dentro do início da caravana que comandará em giro pelo Brasil.

Ele participará de um ato, às 18 horas, pró-Lula Livre, no Hotel Oásis Atlântico, com a militância petista. Ali, participará de um debate intitulado “O Brasil que saiu das urnas”. Terá ainda encontro com a direção e parlamentares petistas.

Haddad vai também conversar com o governador Camilo Santana, no Palácio da Abolição, levado pelo deputado federal José Nobre Guimarães.

Bom lembrar: Haddad ficou em segundo na disputa presidencial, perdendo para Ciro Gomes (PDT).

(Foto – Divulgação)

Heitor Freire cobra verbas para recuperação de barragens no Ceará

 

O ministro Gustavo Canuto e Heitor Freire.

Valeu o protesto dos moradores do entorno da barragem do açude Lima-Campos, em Icó, que chegaram a bloquear rodovia na área, nessa terça-feira, cobrando recuperação do equipamento.

O deputado federal Heitor Freire (PSL) bateu à porta do ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, na manhã desta quarta-feira, e cobrou apoio financeiro pare resolve não só Lima Campos, mas todas as barragens do Ceará que apresentam problemas estruturais graves.

O ministro garantiu a liberação de recursos para o Dnocs. Os valores não foram divulgados, mas, de acordo com Heitor Freire, virá verba nos próximos dias para a recuperação das barragens de Banabuiú e Lima Campos.

(Foto – Divulgação)

Vice-presidente diz que reforma da Previdência abrirá caminho para o equilíbrio fiscal

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, reiterou hoje (13) que as reformas da Previdência e tributária são fundamentais na recuperação do equilíbrio fiscal e redução da dívida pública. Mourão participou do Seminário de Abertura do Ano de 2019, que debate os rumos da economia e as perspectivas sobre a retomada de investimentos no país.

“Ela [a dívida pública] é um peso na geração que vem depois de nós, rompe o pacto de gerações, que já está rompido com o sistema previdenciário, onde os mais jovens trabalham para que os mais velhos tenham aposentadoria”, disse o vice-presidente.

Segundo Mourão, deve ser realizada uma campanha de esclarecimento para a população compreender os pontos propostos na reforma e como incidirão na vida de cada um. De acordo com ele, as mudanças devem atingir a todos os trabalhadores.

O texto-base da reforma da Previdência foi concluído pela equipe de governo e agora aguarda a análise do presidente Jair Bolsonaro, ainda internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Segundo o secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, que esteve ontem (12) reunido com o ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília, o presidente dará a palavra final sobre o projeto que será enviado à Câmara dos Deputados.

Segurança

O vice-presidente ressaltou ainda a preocupação do governo federal com a segurança pública. “Estamos no limiar de virar um país capturado por narcoquadrilhas. Temos que enfrentar isso. É a grande tarefa do ministro [Sérgio] Moro”, disse Mourão, defendendo reformas no sistema prisional e na legislação penal e o reaparelhamento, reorganização e capacitação das forças policiais.

Para enfrentar a violência, o vice-presidente defendeu atenção especial para as questões sociais e de infraestrutura básica, em especial para as periferias “onde as populações são esquecidas pelo Estado”. “Elas têm que passar a entender que estão dentro do Estado, que não são excluídas.”

Segundo Mourão, será promovido um “debate de alto nível em todas as questões que precisam de reformas e repaginação das leis”. “O presidente Bolsonaro colocou como primeira tarefa mudar a forma de fazer política, a política do toma lá, dá cá. Rompeu com isso na constituição dos ministérios, onde procurou escolher os nomes mais capacitados, independente da origem”, disse. “Busca-se inaugurar uma nova maneira de relacionamento com Congresso, onde a política seja praticada em torno de ideias.”

Além do vice-presidente, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, deve participar do encerramento do evento, assim como os ministros Osmar Terra (Cidadania) e Ricardo Salles, (Meio Ambiente).

(Agência Brasil)

A Reforma da Previdência pelo método de Goebbels

92 1

Com o título “A Reforma da Previdência pelo método de Goebbels”, eis artigo de Uribam Xavier, professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal. Ele faz alguns questionamentos acerca do assunto e da pouca publicização dessa reforma fundamental para o País. Confira:

Joseph Goebbels, ministro da propagando nazista, dizia que uma mentira repetida por várias vezes tornava-se verdade. O governo de Bolsonaro, em relação a aprovação da reforma da previdência, passou a afirmar, por meio de Paulo Guedes e de seus apoiadores, que vai gastar uma dinheirama para divulgar e esclarecer a população sobre os benefícios e as maravilhas que a reforma da previdência vai trazer para nosso país, geralmente quando o governo fala do país ela fala dos agentes do mercado. A proposta ninguém conhece, mas o governo afirma que vai acabar com privilégios. Bem, se é algo de bom, se o governo é democrático, se o governo respeita a Constituição, se não é algo pelo método de Goebbels, então:

1.º – Por que a proposta não é tornada pública, enviada para cada eleitor, distribuída com os possíveis afetados dando lhes prazos para discussão e apresentação de emendas e sugestões?

2.ª Se a proposta é para acabar com privilégios, então, vão entrar na reforma os militares, os parlamentares, os membros de todo judiciário? Se eles não entram, quem são os privilegiados da atual modelo de previdência? Quais privilégios eles desfrutam?

3.º – Por que o governo não informa à população quem são os devedores e inadimplentes com a previdência? Qual o valor dessa dívida? Por que essas pessoas e empresas não são cobradas? Qual a dívida do próprio Estado/governo com a previdência?

4.º – Se o governo quer fazer gasto com propaganda para divulgar sua proposta massivamente e torna-la conhecida e gerar um convencimento de seus propósitos e quer fazer essa propaganda com recursos públicos, por que não convidar os que pensam diferentes, que tem dados diferentes e outras propostas para ter os mesmos recursos e condições de apresentarem, também, os seus argumentos?

Será democrática uma voz única, falando da sua própria proposta e desqualificando os argumentos contrários, sem os usos dos mesmos recursos?

Quem não conhece a proposta, quem quer seriamente pensar o melhor para o país e não para o mercado, não pode achar que estamos diante de um governo e de um parlamento comprometido com os interesses da população. Todavia, os meios e as formas anunciadas pelo governo para fazer a reforma da previdência seguem a cartilha e o modelo de Goebbels.

*Uribam Xavier,

Professor do departamento de Ciências Sociais da UFC.

Herdeiro do falecido Welington Landim será líder da bancada do PDT na Assembleia

179 1

Cid e Guilherme – Hora de renovação.

Guilherme Landim, parlamentar de primeiro mandato, deve ser anunciado nesta quinta-feira, durante a primeira reunião da executiva estadual do PDT, o líder da bancada na Assembleia Legislativa.

Sob bênçãos do senador Cid Gomes e do presidente regional da legenda, o deputado federal André Figueiredo.

Guilherme foi prefeito de Brejo Santo e é herdeiro de Welington Landim, parlamentar falecido que presidiu o Poder Legislativo e que deixou saudades entre aqueles que lutam por causas da região Nordestina.

(Foto -Facebook)

Projeto de Kajuru quer fim da reeleição no Executivo e no Legislativo

100 2

O primeiro projeto de lei que o senador Jorge Kajuru (PSB-GO) irá apresentar versará sobre o fim da reeleição. A informação foi dada por ele à Coluna Radar, da Veja Online.

Ele propõe um mandato de cinco anos no Executivo e no Legislativo, excetuando-se o Senado, onde eleitos teriam nove anos de Casa.

“Vai ser uma bomba”, diz o jornalista, sem dar maiores detalhes.

(Foto – Reprodução de TV)

Leônidas Cristino quer abolir barragens de montante para evitar acidentes

70 1

O deputado federal Leônidas Cristino (PDT), propôs, na Câmara, que seja abolida no país a modalidade de barragens de rejeitos de mineração construídas a montante, em que a parede é alteada lançando material inservível pelo lado de dentro. “Uma forma de não pactuar com futuras tragédias é banir no País essa tecnologia, interromper as estruturas que estão em operação e proibir que novas venham a ser construídas. Essa posição é consenso nos órgãos técnicos do sistema Crea-Confea, Universidades e na Academia Cearense de Engenharia”, disse ele.

Esta tecnologia, usada para represar rejeitos de mineração em regiões densamente povoadas e de grande patrimônio ambiental, segundo Leônidas Cristino, é obsoleta e assassina. São estruturas mais baratas, com reduzido controle geotécnico, que causaram 19 mortes em Mariana no arrombamento da barragem Fundão, e centenas de mortos e desaparecidos em Brumadinho com o rompimento da barragem 1 da mina Córrego do Feijão, ambas da Vale, em Minas Gerais.

Leônidas Cristino observou que os riscos de repetição da catástrofe de Mariana em outras barragens similares foram amplamente alertados por diversas entidades, especialistas e moradores dessas regiões e profusamente amplificados pela imprensa. “A calamidade em Brumadinho não pode ser definida como mero desastre acidental, uma fatalidade imprevisível. Centenas de outras comunidades ainda convivem com o mesmo perigo igualmente advertido”, afirmou.

“Diante da magnitude da tragédia que comove o País é uma ofensa a manutenção do discurso de flexibilização da legislação ambiental, trabalhista e de direitos humanos”, disse Leônidas Cristino. O deputado argumenta que as centenas de mortos em Minas Gerais são a prova incontestável da instabilidade dessas barragens com alteamento a montante. Para ele, é inadmissível que, em nome do lucro, se continue banalizando a natureza e vida humana.

Conforme o deputado, o acidente obriga o País a cuidar com toda seriedade também das barragens de armazenamento de água, fundamentais na região semiárida, sobretudo no Nordeste onde o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) mantém 325 açudes. A Lei 12.334/2010, que criou o Plano de Segurança de Barragens, atribui ao DNOCS a responsabilidade de manter essas barragens.

Até então não se dava atenção para a recuperação de açudes, muitos deles com décadas de uso. O Relatório de Segurança de Barragens 2017, publicado pela Agência Nacional de Águas (ANA), aponta 45 barragens no País com algum comprometimento estrutural importante.

Dnocs e descaso|

Na avaliação de Leônidas, a falta de atenção e prioridade do governo federal para com esse setor beira ao descaso. Em 2018, a Lei Orçamentária Anual (LOA) destinou R$ 38,4 milhões para as Ações de Reabilitação de Barragens e de Outras Infraestruturas Hídricas e Recuperação e Adequação de Infraestruturas Hídricas. Para 2019 esse valor caiu para R$ 24,6 milhões, uma redução de 35,9%.

O Dnocs, assinala o deputado, é uma instituição de 103 anos de grandes e vitais realizações para o semiárido brasileiro. Mas foi desprestigiado, ameaçado de extinção por sucessivos governos e encontra-se deliberadamente decadente, enfraquecido pela falta de apoio oficial e a ausência de renovação dos seus quadros – constata. O órgão tem executado um orçamento minguante, com seguidos cortes orçamentários para a execução da sua missão institucional.

A prevenção de risco e a segurança de infraestruturas hídricas estão na ordem do dia e devem ser objeto de ação o ano todo. Cidades inteiras surgiram na esteira da construção de açudes no Nordeste e abrigam populações que não podem ficar vulneráveis a acidentes e sujeitas a tragédias anunciadas. O deputado também cobrou cuidado permanente com a infraestrutura urbana, rodoviária e ferroviária com a manutenção das obras d’arte (pontilhões, pontes, túneis e viadutos), sobretudo aquelas mais antigas.

(Foto – Agência Câmara)

Petrobras está revendo todos os patrocínios, confirma Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro informou, pelo Twitter, que os patrocínios concedidos pela Petrobras estão sendo revistos.

“Para maior transparência e melhor empregabilidade do dinheiro público, informamos que todos os patrocínios da Petrobras estão sob revisão, objetivando enfoque principal dos recursos para a educação infantil e manutenção do empregado à Orquestra Petrobras”, escreveu o presidente.

Bolsonaro permanece internado no Hospital Israelita Albert Einstein, na capital paulista, mas pode receber alta ainda esta semana. Para hoje (13), não estão previstos compromissos oficiais em sua agenda. As visitas continuam restritas.

Segundo último boletim médico, de ontem à noite, o presidente mantém boa evolução clínica, está afebril, sem dor abdominal e com o quadro pulmonar em resolução.

Ele permanece uma dieta leve e com suplemento nutricional. Bolsonaro está internado desde o dia 27 de janeiro, para a retirada a bolsa de colostomia e reconstrução do trânsito intestinal.

(Agência Brasil)

Editorial do O POVO – Fundo eleitora: candidatas “laranjas”

Com o título “Fundo eleitoral: candidatas “laranja”, eis o Editorial do O POVO desta quarta-feira:

A possibilidade de ter havido candidaturas “laranjas” de mulheres, nas eleições de 2018, unicamente para captar os 30% do fundo destinado pela Justiça Eleitoral para a cota de candidaturas femininas é o novo escândalo político na praça. Os jornais O POVO e Folha de S. Paulo revelaram a existência de duas supostas fraudes dessa natureza. Uma no Ceará, protagonizada por uma candidata a deputada estadual lançada pelo Partido Republicano da Ordem Social (Pros) e, outra, em Pernambuco, pelo Partido Social Liberal (PSL), o mesmo do presidente Jair Bolsonaro. Ambas receberam sufrágios apenas simbólicos e apresentaram despesas não devidamente justificadas. Outro envolvido de peso, é o atual ministro do Turismo e deputado federal, acusado de ter patrocinado várias candidatas laranjas em Minas Gerais.

Garantir a lisura do processo eleitoral é uma luta incessante em qualquer democracia. Sobretudo, em países de instituições fluidas, em virtude de surtos cíclicos autoritários e de exceção, sujeitos a recorrentes recomeços e “reformas”. Há modos incontáveis de perturbar esse processo, que vão da fraude pura, seletivismos e financiamentos espúrios, dentre outros. Uma legislação malfeita, instituições eventualmente “partidarizadas” e formas de propagandas ilegais e ilegítimas – se existentes – podem inegavelmente fraudar a vontade do eleitor. Nem mesmo a tecnologia escapa, como ocorreu com a onda de fake news por WhatsApp, supostamente financiada, nas últimas eleições gerais, no Brasil.

No caso das supostas fraudes que encabeçam este comentário, duas referem-se a candidatas sem nenhuma liderança, popularidade ou carisma detectáveis. A candidata do Pros cearense recebeu R$ 274 mil e colheu 47 votos. Já a candidata do PSL pernambucano recebeu R$ 400 mil e teve 274 votos. A Folha de S. Paulo descobriu que o ministro do Turismo, e deputado federal mais votado em Minas, patrocinou um esquema de candidaturas “laranjas” que direcionou verbas do PSL para empresas ligadas ao seu gabinete na Câmara dos Deputados. Mesmo recebendo recursos volumosos do fundo eleitoral do PSL nacional, as candidatas “laranjas” não tiveram nem 2.000 votos, juntos. Enfim, tudo indica que se continuou com a farra com o dinheiro público. O fato é que o Ministério Público Federal (MPF) anunciou que vai instaurar procedimento para investigar o caso envolvendo o Pros no Ceará. E a Polícia Federal (PF) intimou a candidata pernambucana, supostamente usada como laranja pelo PSL, a prestar depoimento.

Denunciar os responsáveis, puni-los e corrigir falhas que deem ensejo a esses tipos de trapaças comprometedoras do sistema de representação é obrigação de qualquer sociedade desejosa de uma democracia verdadeira e não de um simulacro.

(Editorial do O POVO)

A UFC, a Secitece e um embrião do ITA

Da Coluna Eliomar de Lima, no O POVO desta quarta-feira (13):

Com apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), a Universidade Federal do Ceará deverá implantar um curso de Engenharia Aeronáutica. A informação é do titular da Secitece, Inácio Arruda, adiantando que o projeto já está no MEC aguardando a liberação.

“Estamos aguardando a liberação, até porque a UFC formou massa crítica nas áreas da navegabilidade e segurança de voo, além de ter know-how na área da Engenharia, uma das mais respeitadas no País”, acentua o secretário.

Ele destacou que a Instituição conta ainda com três mestrados apoiados pela pasta e que reforçam a certeza de que esse curso virá ainda neste ano.

Para Inácio, o curso chega como uma espécie de ITA (Instituto de Tecnologia da Aeronáutica) no Estado.

Para o diretor do Centro de Tecnologia da UFC, Almir Holanda, falta só um detalhe: apoio da bancada cearense para a conquista de recursos suplementares.

(Foto – Agência Senado)

MPF vai instaurar procedimento para apurar suposta “laranja”

A procuradora regional eleitoral substituta, Lívia Maria de Sousa, instaurará procedimento de investigação da candidatura de Débora Ribeiro (Pros) a deputada estadual em 2018. A ação se baseia em denúncia do O POVO desta terça, que apontou sinais de que a candidata serviu de “laranja” para burlar lei que exige presença feminina em chapas eleitorais.

Conforme a reportagem mostrou, a candidata recebeu repasse de R$ 274 mil do Partido Republicano da Ordem Social (Pros) mesmo sem qualquer experiência política ou eleitoral. Apesar do expressivo repasse, distribuído em pagamentos de até R$ 5 mil para dezenas de pessoas, a candidata teve apenas 47 votos, em campanha com sinais de simulação.

Nas redes sociais, não há qualquer menção à candidata ou seu número nas urnas, 90.088, nem registros de atos da “aditivada” campanha, que recebeu mais recursos até do que o candidato do Pros ao Senado, Luís Eduardo Girão. Entre os beneficiários de pagamentos da campanha, estão uma irmã e servidores de gabinete do deputado federal Vaidon Oliveira (Pros).

Os indícios serão objeto de investigação do Ministério Público Federal no Ceará (MPF-CE). Caso semelhante foi revelado pela Folha de S. Paulo na última semana, quando reportagem denunciou que o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro (PSL), lançou em Pernambuco uma candidata “laranja” que recebeu R$ 400 mil do partido, mas obteve apenas 274 votos.

No caso pernambucano, a suspeita é que o PSL tenha usado a candidatura para burlar dispositivo da lei eleitoral que obriga 30% dos candidatos de cada partido a serem mulheres. A mesma proporção deve ser respeitada ainda no repasse do fundo eleitoral, bancado por dinheiro público. No caso cearense, todo o recurso da campanha investigada veio do fundo.

A suspeita é que candidaturas do tipo apenas “fingem” serem candidatas, sem intenção real de disputar por votos ou de se elegerem. Nesse tipo de caso, não há mobilização intensa de ruas, organização nas redes ou grandes atos de campanha. Na prática, as candidaturas teriam apenas servido para “cumprir” a meta de 30% de candidaturas e repasses dos fundos públicos.

A norma obrigando o percentual de 30% de candidatas foi estabelecida pela lei nº 12.034, aprovada em 2009. Na época, a intenção era combater a concentração de candidaturas masculinas e estimular a participação feminina do processo político. Anos depois, a lei ainda segue descumprida ou alvo de “artifícios” de partidos para atingir a meta mínima.

Ao longo do dia de ontem, foram feitas diversas ligações aos telefones de Vaidon Oliveira, sua assessoria e outras lideranças do Pros. Nenhuma das chamadas, no entanto, foi atendida. Também foram enviadas mensagens ao deputado pelo WhatsApp, que não foram respondidas mesmo com o parlamentar estando online no aplicativo no mesmo momento.

(O POVO – Repórter Carlos Mazza)

Parambu vai ganhar um posto do Detran

O deputado estadual Audic Mota (PSB) recebeu da Superintendência Estadual do Detran a confirmação de que o órgão já vai instalar um posto de serviços no município de Parambu (406 km de Fortaleza).

O posto era uma reivindicação antiga da população e que fora encaminhada pelo parlamentar, em junho de 2017, por meio de requerimento.

À época, o diretor Regional do Detran em Tauá, Herbert Feitosa, esteve em Parambu, quando visitou imóveis que pudessem vir a abrigar instalações para atendimento ao público.

(Foto – ALCE)

 

Toffoli recebe deputados para tratar de ação que criminaliza homofobia

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, recebeu hoje (12) parlamentares da bancada evangélica e do PT para tratar do julgamento da ação proposta pelo PPS para criminalizar a homofobia. O caso será julgado nesta quarta-feira (13) pela Corte.

Toffoli recebeu em audiência o deputado Pastor Marco Feliciano (Pode-SP) e demais integrantes da Base Parlamentar Evangélica no Congresso, além das deputadas federais do PT Maria do Rosário (RS) e Erika Kokay (DF).

Segundo os parlamentares, o ministro confirmou o início do julgamento para amanhã.

Nesta quarta-feira, o STF deve julgar ação na qual o PPS quer criminalizar a homofobia, que é caracterizada pelo preconceito contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais). O processo tramita na Corte desde 2013 e será relatado pelo ministro Celso de Mello. O crime de homofobia não está tipificado na legislação penal brasileira.

Na sessão, os ministros devem definir se o Supremo pode criar regras temporárias para punir agressores do público LGBT, até que a matéria seja aprovada no Congresso Nacional.

No entendimento do PPS, o público LGBT deve ser incluído no conceito de “raça social” e os agressores, punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um e cinco anos de reclusão, conforme a conduta.

Levantamento recente, divulgado pelo Grupo Gay da Bahia, mostrou que, em 2017, foi registrado o maior número de mortes relacionadas à homofobia desde que o monitoramento anual começou a ser feito pela entidade, há 38 anos. Naquele ano, 445 lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs) foram mortos por homofobia.

(Agência Brasil)

Câmara Municipal debate a suplementação da carga horária dos profissionais da saúde

A Câmara Municipal de Fortaleza realizou na tarde desta terça-feira (12) uma audiência pública que discutiu a incorporação da suplementação da carga horária dos honorários dos prestadores não médicos de Fortaleza.

“Esses profissionais concursados trabalham com a carga horária de 20 horas, 30 horas, e por lei municipal podem suplementar para 30 horas ou 40 horas. Os profissionais que têm essa suplementação lutam pela incorporação, pois recebem o excedente como hora extra. Os valores não são contabilizados para a aposentadoria, nem para o décimo terceiro e nem férias”, observou o vereador Márcio Cruz (PSD), propositor do requerimento.

Médico e ex-diretor do Gonzaguinha de Messejana. o vereador Dr. Eron (PP) destacou a Lei nº 9.438, que garante a incorporação aos profissionais da saúde.

“Quando fui diretor do Gonzaguinha de Messejana, eu, como médico, fui abordado por vários profissionais: enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos… profissionais com a suplementação da carga horária prevista em lei, mas que não têm incorporação”, disse Dr. Eron.

(Fotos: Divulgação)

Vereador cobra explicações da Cagece sobre reajuste da conta da água

161 1

O vereador Gardel Rolim (PPL), através do requerimento nº 348/2019, está pedindo à Cagece todo o detalhamento acerca da composição do reajuste da tarifa de serviços prestados para o ano de 2019. Para ele, é fundamental transparência no momento em que a companhia anuncia um reajuste de quase 16% nas contas de água e esgoto dos cearenses.

Gardel ocupou a tribuna da Câmara Municipal nesta terça-feira (12) e afirmou ser necessário entender como a companhia chegou à composição desse reajuste, uma vez que todos os indicadores de inflação e reajuste salarial de Fortaleza e do Brasil, referentes a 2018, girou em torno de 4%.

“Depois de termos o detalhamento e sabermos a composição dessa conta, aí sim, vamos procurar entender e, se for justo, vamos compreender e até mesmo explicar ao cidadão fortalezense que nos questionou. Enquanto não tivermos esses números detalhados, nós vamos atrás. Se a Cagece não nos responder, procuraremos a direção e vamos até onde for necessário para entender e cobrar explicações”, reforçou o vereador.

(Foto – CMFor)