Blog do Eliomar

Categorias para Política

Roberto Cláudio já se articula para eleger a nova mesa diretora da Câmara Municipal

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta quinta-feira:

Nesta sexta-feira, o prefeito Roberto Cláudio deverá concluir uma série de reuniões que vem travando e que diz respeito a matérias do interesse da gestão mas, também, a sucessão da mesa diretora da Câmara Municipal. Ele optou em ouvir as bancadas aliadas e, a partir da próxima segunda-feira, abrirá conversas com a bancada do PDT. Além de prefeito, RC é também o presidente municipal do partido e avalia que ouvir cada um dos companheiros sobre a sucessão da mesa é fundamental para aparar possíveis arestas.

O vereador Antonio Henrique, que era titular da SER III, reassumiu e informou que sonha em estar na futura mesa. Gardel Rolim (PPL) não esconde desejo de integrar a cúpula, enquanto Elpídio Nogueira (PDT), que reassumiu cadeira de vereador, após temporada na Secretaria do Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, diz abertamente que quer presidir a Câmara.

De qualquer forma, o prefeito quer passar a régua e fechar a conta antes do dia 3 de dezembro, data do pleito da mesa e, assim, curtir uma santa ceia de Natal farta. E sem abacaxis.

(Foto – Aurélio Alves)

Roberto Cláudio visita nesta quinta-feira as obras do Frotinha do Antônio Bezerra

O prefeito Roberto Cláudio visita na manhã desta quinta-feira (18), a partir das 8h30min, as obras do Centro Cirúrgico do Frotinha do Antônio Bezerra. A intervenção faz parte de um pacote de obras que vem sendo realizado, desde janeiro do ano passado, nas unidades hospitalares da cidade, na área de urgência e emergência, a exemplo do Frotinha da Parangaba, do Hospital Nossa Senhora da Conceição – no Conjunto Ceará, e do Hospital da Mulher, além da construção do Instituto Dr. José Frota 2.

Roberto Cláudio já entregou 16 novos leitos, além da requalificação de espaços existentes do Frotinha de Antônio Bezerra e mais 12 novos leitos no Frotinha de Messejana. Na semana passada, outros 59 novos leitos foram entregues no primeiro andar do IJF 2.

(Foto: Arquivo)

Camocim enfrenta greve de garis

Com a paralisação dos garis, motivada por falta de pagamento, as ruas da cidade de Camocim (Litoral Oeste) estão concentrando inúmeras rampas de lixo. Pontos, como este da foto acima, geram fedentina. Fica ao lado da Praça Pinto Martins, no Mercado Público Municipal.

A Prefeitura não disponibilizou os repasses de pagamento da empresa Ecogold, gerando atraso salarial e prejudicando os trabalhadores que decidiram cruzar os braços até que o problema seja resolvido.

A última informação dá conta de que a gestão já estaria trabalhando para quitar o débito com a empresa e consequentemente com os garis.

(Com Revista Camocim – Carlos Jardel)

Agentes de saúde – Eunício articula derrubada de veto de Temer

“Esse foi um compromisso assumido e que me deixa muito feliz em honrar. Esses profissionais são fundamentais para a melhoria da saúde básica daqueles que mais precisam”, disse o presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), nesta quarta-feira (17), após a articulação que derrubou o veto do presidente Michel Temer que impedia o aumento do piso salarial dos agentes comunitários de saúde e de combate às endemias.

Com a derrubada do veto, a remuneração mínima da categoria será de R$ 1.250 em 2019, R$ 1.400 em 2020, e R$ 1.550 em 2021. A partir de 2022, o piso será reajustado, anualmente, pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). O valor atual é de R$ 1.014.

“Quero fazer um agradecimento muito justo ao senador Eunício Oliveira, que cumpriu a palavra como homem público”, ressaltou a presidente da Confederação Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde e dos Agentes de Combate às Endemias, Ilda Angélica.

Mais cedo, Eunício recebeu o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), para a assinatura do contrato de financiamento entre o Estado e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no valor de R$ 260 milhões, para o Programa de Modernização da Gestão Fiscal do Estado do Ceará – PROFISCO II/CE. Participaram da solenidade o deputado estadual reeleito Danniel Oliveira (MDB) e o chefe do
Gabinete do Governador, Élcio Batista.

(Foto: Divulgação)

Carta Magna – Mauro Benevides recebe homenagem em Brasília

O ex-senador cearense Mauro Benevides foi homenageado nesta quarta-feira (17), em Brasília, pelo Conselho Federal da OAB, em comemoração aos 30 anos da Carta Magna. O então vice-presidente da Assembleia Nacional Constituinte recebeu a homenagem das mãos do presidente da OAB, Cláudio Lamachia. A Assembleia Nacional Constituinte foi instalada no Congresso Nacional, com a finalidade de elaborar uma Constituição democrática para o Brasil, após 21 anos de regime militar.

Mauro Benevides foi presidente do Senado, deputado federal por quatro mandatos, vereador de Fortaleza e quatro vezes deputado estadual, tendo presidido a Assembleia Legislativa do Ceará durante o Golpe de 1964.

(Foto: Divulgação)

Fernanda Pessoa apresenta projeto pedindo inclusão de braile em placas de prédios públicos

Um projeto de indicação de autoria da deputada estadual Fernanda Pessoa (PSDB), que pede ao Estado a inclusão da escrita em braille nas placas de identificação das Instituições Públicas do Ceará, entrou em tramitação nas comissões técnicas da Assembleia Legislativa.

A parlamentar diz que quer com a iniciativa “assegurar o direito à informação das pessoas com deficiência visual e contribuir para autonomia e mobilidade do deficiente visual.” Apesar do amparo legal já disponível, foi verificado que as pessoas têm dificuldade de locomoção nos espaços públicos devido a ausência de informação em Braille.

Dados do Censo de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelaram que no Brasil existem mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual e no Ceará, mais de 24 mil pessoas. A leitura em braille representa um dos métodos de comunicação mais apropriado para os deficientes visuais.

Cid Gomes chutou o pau do circo petista?

190 2

Com o título “Cid Gomes chutou o pai do circo petista”, eis o que diz o jornalista Bernardo Mello Franco, em seu espaço no O Globo desta quarta-feira. Confira:

Quem tem os irmãos Gomes como aliados não precisa de adversários. Na semana passada, Ciro esnobou um convite para coordenar o comitê petista no segundo turno. Declarou “apoio crítico”, fez as malas e se mandou para a Europa. Na segunda-feira, Cid subiu num palanque da campanha de Fernando Haddad. Esculhambou a plateia, atacou o PT e afirmou que o partido vai “perder feio”.

Cid disse verdades que os petistas teimam em não admitir. A sigla deveria ter humildade, pedir desculpas e reconhecer que fez “muita besteira”. A cobrança está correta, o problema foi o resto. Ao proclamar que Haddad será derrotado, o senador eleito deu um presente inesperado a Jair Bolsonaro. Ontem à noite, o capitão exibiu o discurso em seu programa eleitoral na TV.

O irmão de Ciro chutou o pau do circo no momento em que os petistas lutavam para manter o ânimo. A campanha já estava abatida com a desvantagem nas pesquisas. Agora terá que explicar por que nem os aliados acreditam mais numa virada.

O chefe da oligarquia de Sobral terminou o primeiro turno com 13 milhões de votos. Poderia seguir o exemplo de Leonel Brizola e liderar uma transferência maciça para Haddad. Preferiu imitar Marina Silva e sair de férias até a próxima eleição.

Ciro passou meses chamando o candidato do PSL de “fascista”. Chegou a declarar que uma vitória de Bolsonaro representaria a “destruição da nação brasileira”. Se ele acredita nas próprias palavras, não poderia lavar as mãos e correr para o aeroporto.

A fuga dos Gomes implodiu o projeto de uma “frente democrática” a favor de Haddad. O PT pensou que conseguiria repetir a eleição da França em 2002, quando o ultranacionalista Jean-Marie Le Pen surpreendeu ao chegar ao segundo turno. Lá, os socialistas deixaram a rivalidade de lado e apoiaram o conservador Jacques Chirac para evitar uma vitória da extrema direita.

Por aqui, tucanos e pedetistas estão optando pelo muro. A omissão pode custar caro no futuro.

*Bernardo Mello Franco,

Jornalista do O Globo.

Eleição na Câmara Municipal – Elpídio Nogueira e Gardel Rolim ganham força na disputa pela presidência

O troca-troca de cadeiras na Câmara Municipal acontece nesta quarta-feira. É o que o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), já está trabalhando a formação da nova mesa diretora da Casa, com eleição prevista para dezembro. RC quer tudo acertado antes do Natal.

O vereador Antonio Henrique (PDT), por exemplo, reassume cadeira na Câmara, abrindo vaga na Secretaria Regional III para o suplente Carlos Mesquita (Pros).

O vereador Dr. Eron ocupará a Secretaria do Desenvolvimento Social e Direitos Humanos no lugar de Elpídio Nogueira (PDT), que retorna à Câmara com grandes possibilidades de ser o ungido para o comando do legislativo municipal. Ele tomará posse no cargo às 15 horas desta quarta-feira.

Na outra ponta, quem articula é o vereador Gardel Rolim (PPL), que pode acabar vice-presidente, segundo informações de bastidores do Paço Municipal.

Bom lembrar: Elpídio já abriu por duas vezes da disputa, em nome do consenso e para não causar atritos na base do prefeito.

(Foto – CMFor)

Os Correios fecham 41 agências no País. No Ceará, nem “Padre Cícero” escapou

Os Correios fecharam ontem, 16, 41 agências de 15 estados do País. No Ceará, a Agência Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, encerrou suas atividades. Conforme assessoria de imprensa local da estatal, a cidade conta com outras três agências – sendo duas franqueadas e uma própria. Os funcionários que trabalham nas unidades fechadas serão realocados.

De acordo com a estatal, as unidades desativadas estavam em imóveis alugados, localizadas muito próximas a outras e não geravam lucros.

Atualmente, os Correios têm pouco mais de 6,3 mil agências próprias em todo o país, além de 4,3 mil comunitárias, 1 mil franqueadas e 127 permissionárias.

Segundo a empresa, o encerramento das atividades dessas agências faz parte do processo de “remodelagem da rede de atendimento”.

(Agência Brasil)

PAC: como retomar as obras?

Com o título “PAC: como retomar as obras?”, eis o Editorial do O POVO desta quarta-feira:

Seja qual for o resultado destas eleições, o vencedor se deparará com a realidade da paralisação das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). São quase três mil empreendimentos à espera de uma definição. A diferença de enfoques de visão sobre as raízes do problema não impede a percepção de que a retomada das obras pode ser uma maneira de pôr a economia em movimento e gerar uma quantidade considerável de empregos.

De acordo com o Ministério do Planejamento, existem R$ 132 bilhões em investimentos parados só na carteira do PAC. Em número detalhados, seriam 2.914 empreendimentos com problemas. Só as obras paradas devido a problemas técnicos, como falhas na elaboração de projetos, somam 1.359, no valor total de R$ 25,5 bilhões. Na maior parte, são creches e pré-escolas cujas licitações foram questionadas nos tribunais. E por sua natureza atraem a atenção das comunidades locais visto trazerem implicações práticas para o cotidiano dos cidadãos, por serem equipamentos capazes de liberar pais e mães dos cuidados com seus filhos em idade pré-escolar e poderem trabalhar e garantir o pão de cada dia. O próprio setor produtivo sabe o quanto a mão de obra rende quando está livre desse tipo de empecilho. Assim, não é apenas uma questão de bem-estar social, mas está interligada ao próprio fluir da economia.

Ativar esse tipo de obra catalisa a construção civil, que é, como se sabe, o segmento de maior absorção de mão de obra e não requer grandes esforços para começar a produzir resultados. Isso tem sido aplicado eficazmente no mundo inteiro, como um dos instrumentos mais dotados de dinamismo quando posto em movimento. Basta ver o papel histórico que esse segmento desempenhou durante o governo Roosevelt, nos Estados Unidos para retirar o país da Grande Depressão, nos anos 30.

Não há como deixar de ver com bons olhos, o interesse demonstrado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, para desentravar essa questão das obras paralisadas, no âmbito legal. E isso começa com o levantamento desse quadro, como foi pedido por ele ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ou seja, não é apenas o Executivo que deve se mexer à procura de uma solução para os problemas à sua volta. Nesse caso, a proatividade das demais instâncias não deixa de ser bem-vinda.

Com essas condições, abre-se caminho para que parcerias com o setor privado para enfrentar esse problema da paralisação das obras do PAC possa ser resolvido da melhor maneira.

(Editorial do O POVO)

*Confira mais sobre o assunto aqui.

Senado aprova MP que permite renegociação de dívidas da agricultura familiar

O Plenário do Senado aprovou, nessa terça-feira (16), a Medida Provisória (MP) 842/2018, que concede descontos para a liquidação de operações de crédito rural; principalmente, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Com prazo de validade que venceria no próximo dia 5, a MP 842/2018 já havia sido aprovada tanto pela comissão mista do Congresso Nacional responsável pela matéria – da qual o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) foi relator – como também pelo Plenário da Câmara dos Deputados. Em ambas as votações, prevaleceu o relatório de Bezerra Coelho.

“Só no Nordeste, que enfrenta as maiores adversidades climáticas e de infraestrutura, esta medida provisória ajudará mais de 1 milhão de agricultores familiares”, destaca o senador. De acordo com o projeto de lei de conversão aprovado, fica autorizada, até 31 de dezembro de 2019, a concessão de rebates para a liquidação de operações de crédito rural referentes a uma ou mais operações do mesmo mutuário contratadas até 31 de dezembro de 2011.

A medida vale para dívidas até R$ 200 mil e é direcionada a empreendimentos localizados na área de abrangência das superintendências de desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e da Amazônia (Sudam), com descontos que podem chegar a 95%.

Às demais regiões, o rebate será de 60% para as operações contratadas no âmbito do Pronaf até 31 de dezembro de 2006. Em relação àquelas contratadas entre 1º de janeiro de 2007 e 31 de dezembro de 2011, o desconto será de 30%.

O relatório também define que o prazo de prescrição das dívidas de crédito rural (inscrição na dívida ativa) fica suspenso até 31 de dezembro de 2019. Segundo cálculos da Consultoria do Senado, o impacto financeiro da medida será de aproximadamente R$ 2 bilhões.

(Agência Senado)

Projeto que abre venda de seis distribuidoras da Eletrobras é rejeitado pelo Senado

O Senado rejeitou nessa terça-feira (16) o projeto que facilitava a venda de seis distribuidoras da Eletrobras. Por 34 votos a 18, os senadores derrubaram a matéria, que havia sido encaminhada ao Congresso pelo governo federal e tramitava em regime de urgência. A votação foi marcada por embate entre representantes de estados do Norte, que seriam atingidos pela medida, e líderes do governo. Com a rejeição, a matéria deixa de tramitar no Congresso Nacional.

Das seis distribuidoras incluídas na proposta, o governo já realizou o leilão de quatro: Companhia Energética do Piauí (Cepisa), leiloada em julho; Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron) e Boa Vista Energia, que atende a Roraima, em agosto. As outras duas são a Amazonas Distribuidora de Energia, cujo leilão tinha sido adiado para a semana que vem, e a Companhia Energética de Alagoas, onde uma decisão judicial suspendeu a privatização.

Na opinião do senador Eduardo Braga (MDB-AM), a rejeição do projeto abre uma “insegurança jurídica”. inclusive para as distribuidoras de energia que já foram privatizadas. “Foi a decisão mais acertada. Eu creio que [com a rejeição do projeto] muito provavelmente não haverá a concretude da assinatura dos contratos, e isso dará a oportunidade ao futuro governo, que será escolhido, decidir [quais serão as políticas para o setor]”, disse, após a votação.

Durante as discussões, os três senadores do Amazonas foram à tribuna falar contra o projeto, argumentando que a energia ficaria mais cara para os consumidores. Segundo Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), o projeto vai facilitar a privatização da Amazonas Energia, o que deverá prejudicar investimentos do grupo vencedor do leilão em municípios do interior do estado. Ela disse que a intenção do governo é vender a distribuidora por apenas R$ 50 mil.

“O próprio Programa Luz para Todos sofrerá uma grave ameaça caso seja efetivada a privatização da Amazonas Energia. O programa não é apenas a construção, não é apenas levar a energia, é manter o programa, que é pago pelos moradores que vivem nas comunidades isoladas. Então, quem é? Qual a empresa que vai querer e vai manter esse programa efetivamente se não lhe dá lucro nenhum e se as pessoas vivem tão isoladas que não terão posteriormente a quem recorrer e a quem reclamar?”, questionou.

Eduardo Braga propôs que a matéria fosse votada apenas após o segundo turno das eleições presidenciais, período em que a população terá decidido “qual o projeto de país que quer para o futuro”. De acordo com Braga, 4 milhões de pessoas que vivem no estado serão prejudicadas. Já o senador Omar Aziz (PSD-AM) afirmou que não se pode falar em “desenvolvimento da economia e criação de oportunidades” para os amazonenses se não tiver “energia barata, com qualidade e eficiente”.

Na opinião de Jorge Viana (PT-AC), a aprovação da proposta traria prejuízos mais “graves” ao estado de Roraima, que não é interligado ao sistema elétrico nacional e onde a energia distribuída vem de fora do país.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), repetiu enfaticamente que os contratos de leilão impedem o repasse de qualquer aumento para os consumidores. Segundo o senador, o déficit atual da Amazonas Energia é fruto de “má gestão” e seria assumido em partes, caso houvesse a privatização, pela própria Eletrobras. Bezerra também criticou os oradores que disseram que o projeto poderia acabar com o Luz para Todos, pois a contribuição que financia o programa continuará existindo.

“Não é verdade que o PLC vai acabar com a energia subsidiada do Norte. Não é verdade! O PLC inclusive prevê que a energia continuará sendo subsidiada, através da conta da CCC, até a primeira revisão tarifária, que será analisada pela Aneel. Se tem uma coisa de que nós nos orgulhamos é que o setor de energia elétrica é um dos mais bem regulamentados. Portanto, é inverdade dizer que o governo está acabando com o subsídio da energia para o Norte do país”, argumentou.

O Ministério de Minas e Energia ainda não se manifestou sobre a decisão, pois o ministro Moreira Franco está em viagem a Portugal.

Entenda

Além da privatização das distribuidoras, o projeto tratava da repactuação para o pagamento dos débitos do risco hidrológico (GSF, na sigla em inglês), resultante do aumento do déficit de geração das usinas hidrelétricas.

O texto tratava ainda do aumento do prazo para que a União pague às distribuidoras gastos com combustíveis, sem reconhecimento tarifário, incorridos pelas distribuidoras que atendem aos sistemas isolados.

“Com esse projeto, permite-se que geradores com custo menor possam gerar energia, impedindo o acionamento das térmicas, que têm custo mais alto. Portanto, a votação do PLC é em benefício do consumidor brasileiro, e não o contrário, como aqui foi tentado desconstruir, distorcer, para poder sensibilizar alguns parlamentares”, afirmou Fernando Bezerra, durante o debate.

(Agência Brasil)

PF indicia Temer e mais dez no inquérito dos Portos

Em relatório conclusivo apresentado nesta terça-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Polícia Federal indiciou o presidente Michel Temer e outras dez pessoas pelos crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Todos são investigados no inquérito que apura se empresas pagaram propina em troca de um decreto sobre portos – que ampliou de 25 para 35 anos as concessões do setor, prorrogáveis por até 70 anos – assinado pelo presidente.

Os indiciamentos são contra Temer, o ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, os empresários Antônio Celso Grecco, Ricardo Mesquita e Gonçalo Torrealba, além do coronel João Baptista Lima Filho, amigo pessoal de Temer, e da esposa do militar, Maria Rita Fratezi, do sócio do coronel, Carlos Alberto Costa, e do filho dele, Carlos Alberto Costa Filho, do contador Almir Martins Ferreira e da filha de Temer, Maristela de Toledo Temer Lulia.

Além dos indiciamentos, os investigadores solicitaram que os bens deles sejam bloqueados. A Polícia Federal também pediu a prisão preventiva do coronel Lima e de sua mulher, de Carlos Alberto Costa e do contador. Por ordem do ministro Luís Roberto Barroso, relator do inquérito dos portos no STF, todos os quatro estão proibidos de deixar o país.

Segundo a Polícia Federal, as investigações envolveram provas como colaborações premiadas, depoimentos, informações bancárias, fiscais, telemáticas e extratos de telefone, laudos periciais e informações do Tribunal de Contas da União (TCU). Os investigadores apuraram ainda o pagamento de propinas em espécie, propinas camufladas como doações eleitorais, pagamentos de despesas pessoais por interpostas pessoas e empresas, além da atuação de companhias de fachada e contratos fictícios de prestação de serviços.

(Veja Online)

Reforma da Previdência – Temer espera aprovar a matéria ainda neste ano

O presidente Michel Temer disse ter havido uma “trama” para impedi-lo de completar as reformas pretendidas por seu governo, mas que isso não tira sua esperança de aprovar, ainda em 2018, a reforma da Previdência, bem como algumas medidas de simplificação tributária. Durante palestra ministrada hoje (16) na Associação Comercial do Paraná, Temer manifestou-se contrário à convocação de uma Assembleia Constituinte – possibilidade aventada e já descartada por integrantes das equipes dos dois candidatos que concorrem à Presidência da República.

“Faltaram [para meu governo] as reformas da Previdência e a tributária. São duas reformas que eu completaria se não fosse uma trama montada lá atrás para me impedir de levar a reforma da Previdência. Naquele período, tínhamos os votos contados para aprovar a da Previdência, mas houve uma trama que impediu exatamente por conta dos privilégios”, disse o presidente.

Segundo ele, a reforma da Previdência está “formatada e pronta” para ser votada pelo Congresso Nacional. “Teremos dois meses e pouco para realizá-la, mas isso dependerá da vontade do presidente a ser eleito. Quem sabe consigamos fazê-la ainda neste ano”, disse o presidente. “E quem sabe consigamos fazer ainda este ano uma simplificação tributária, além de realizar a reforma previdenciária. Seria um fecho, como costumo dizer, de um governo reformista, que trouxe o país para o século 21. Reconheço que não será fácil, mas seria uma coisa extraordinária”, acrescentou.

Em meio a elogios ao atual texto constitucional, Temer teceu críticas a manifestações e programas eleitorais que defendam a instauração de uma assembleia constituinte no país. Para ele, a ideia de uma nova Constituição representaria uma “ruptura do Estado”. “De tempos em tempos aqui no Brasil temos um sentimento cívico perverso. Nós achamos que precisamos constituir um novo Estado por estarmos em crise. Como se a criação de um novo Estado fosse capaz de fazer de um céu cinzento um céu azul”, disse Temer.

Segundo ele, a atual Constituição é eficiente e garante os mais diversos tipos de direitos. “Quando dizem querer uma nova Constituição, eu pergunto, para quê? Vá na [atual] Constituição que você já encontra tudo. Temos direito do trabalhador, direitos sociais, teses liberais. Para dar segurança jurídica, você precisa ter estabilidade social. Mas para ter estabilidade social você precisa ter estabilidade jurídica. Precisa saber que tem uma normatividade que é aplicada e que garante a estabilidade social e, no particular, a segurança e a estabilidade dos contratos firmados”.

O presidente falou também sobre algumas manifestações contrárias a seu governo. Segundo ele, tais manifestações são positivas e fazem parte do espírito democrático do país. “Depois dos quatro ou cinco meses inaugurais não tivemos problemas no país. Não tinha movimento de rua. Tinha, claro, de vez em quando, cinco, seis, dez ou quarenta [pessoas] que se reúnem e dizem ‘Fora Temer’. Mas isso faz parte da democracia. Ouço aquilo e digo que coisa boa, tem gente se manifestando”.

“Se bem que agora tem um ‘Fica Temer’ correndo pela rede”, acrescentou em referência às manifestações de internautas insatisfeitos com os candidatos que concorrem no segundo turno das eleições presidenciais.

(Agência Brasil)

Câmara Municipal debaterá revitalização da Lagoa de Porangabussu

Nesta quarta-feira, às 10h30min, a Câmara Municipal de Fortaleza promoverá o projeto “Tribuna Livre” sobre
revitalização da Lagoa do Porangabussu. A iniciativa é do vereador Paulo Martins e contará com a fala do médico e presidente do Instituto de Ciências Médicas (ICM), Dr. Cabeto.

A requalificação da região da Lagoa do Porangabussu faz parte de um projeto que visa, em 15 anos, transformar essa banda da Capital em um polo de ensino e pesquisa em saúde e assistência à população, configurando-se no primeiro Distrito de Inovação em Saúde do
Brasil.

A proposta é uma parceria entre Governo do Estado, Prefeitura de Fortaleza, Universidade Federal do Ceará, Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), ICM e Maternidade-Escola Assis Chateaubriand.

DETALHE – A Tribuna Livre é um espaço cedido pelo legislativo municipal aos cidadãos e entidades que desejam se pronunciar oficialmente acerca de um tema de interesse da comunidade.

Mauro Benevides ganha homenagem nestes 30 anos da Carta Magna

O ex-senador Mauro Benevides, 88, será homenageado nesta quarta-feira, em Brasília, pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, pelos 30 anos da Assembleia Nacional Constituinte, a qual integrou como vice-presidente.

O ex-deputado Ulisses Guimarães era o presidente.

Mauro Benevides comentou para o Blog, em vídeo, a homenagem que está recebendo.

Nova Mesa Diretora da Assembleia é o prato do dia em almoço de parlamentares

217 2

Ciro, Camilo e José Sarto (PDT), que quer presidir a Assembleia Legislativa.

Deputados estaduais eleitos fazem hoje, no Rasco Steakhouse, um almoço de confraternização para a nova legislatura na Assembleia Legislativa. Mais do que uma cordialidade corriqueira, o evento do meio-dia em um restaurante na Beira Mar dá força às discussões para a sucessão do comando da Casa que dá suporte ao governador reeleito Camilo Santana (PT).

Caras velhas e novas do parlamento estadual surgem como possíveis candidatos à cadeira ocupada hoje pelo deputado Zezinho Albuquerque (PDT).

Defendendo a unidade partidária e do projeto que “vem dando certo”, o deputado José Sarto (PDT) já fala como candidato e defende a “oxigenação” da cadeira de presidente ocupada há três mandatos por Zezinho.

“(É preciso) Ampliar a participação da Casa com movimentos sociais e integrar com a academia. Puxar a academia para dentro da Assembleia, chamar os movimentos sociais e discutir os temas polêmicos com eles. Seria uma maneira de fazer uma gestão para além do cimento e do aço”, defendeu o parlamentar do PDT.

O que está cristalizado nos bastidores é que um nome do PDT que tem o maior número de parlamentares eleitos assuma o comando da Casa. Quem também tem o nome ventilado é o atual primeiro vice-presidente da AL, deputado Tin Gomes (PDT).

Apesar de argumentar que é “cedo” para a Casa tratar do assunto, o ex-vice-prefeito de Fortaleza não esconde o desejo de chefiar a Assembleia. “Ter o nome lembrado é muito bom, inclusive pelos colegas. Qualquer deputado deseja presidir a Casa”, admitiu.

Concluindo o terceiro mandato consecutivo na presidência do parlamento estadual, o deputado Zezinho Albuquerque (PDT) é outro pedetista que não esconde o desejo de continuar no posto mais cobiçado entre os deputados estaduais. “Está muito cedo para falar sobre esse assunto. Isso é uma decisão que vai vir do diálogo com o partido e com os deputados”, disse ao O POVO.

O deputado Sérgio Aguiar (PDT), que disputou a presidência na eleição interna passada, também está no páreo. É natural que o PDT indique o novo presidente já que é a maior legenda da Assembleia após eleger 14 parlamentares, lembra o deputado Elmano de Freitas (PT).

Quem surge como potenciais nomes são Salmito Filho e Queiroz Filho, ambos do PDT. Nos bastidores há resistência de que um dos dois repita o êxito de Roberto Cláudio e fure a fila de parlamentares mais “velhos” para presidir a Casa. “Não teria chance para isso porque já existem bons nomes dentro dos antigos”, defende um deputado da base do governador.

Por outro lado, não há movimento de restrição para os novatos sonharem com as candidaturas. “Eu acho que qualquer deputado eleito tem chance, mas é claro que tem deputado que já está há mais tempo, que tem relações políticas, de convivência e que as pessoas têm confiança”, lembrou Elmano.

(O POVO – Repórter Wagner Mendes/Foto – Arquivo)

Gleisi Hoffmann cai nas mãos de Cármen Lúcia

391 1

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, deve se preparar para o pior.

Segundo informa a Veja Online, a ministra Cármen Lúcia (STF) herdou do ministro Dias Toffoli, hoje presidente do Supremo, a relatoria do inquérito que investiga o desvio de R$ 100 milhões do Ministério do Planejamento durante a gestão Paulo Bernardo, marido da petista.

Para a Polícia Federal, Paulo Bernardo e Gleisi embolsaram uma parte desse dinheiro.

Não há um petista no mundo que prefira estar mãos de Cármen do que nas de Toffoli.

(Foto – Agência PT)

Cid Gomes cobra que PT assuma mea culpa no surgimento de Bolsonaro

607 1

Ao sugerir que o Ceará sirva de exemplo para o Brasil, diante de uma virada de Haddad sobre Bolsonaro, na disputa ao Palácio do Planalto, o senador eleito pelo PDT do Ceará, Cid Gomes, cobrou uma mea culpa do PT, que deveria assumir as “muitas besteiras” que o partido fez no País.

O senador eleito chamou alguns petistas presentes de “babaca” e disse que o PT já perdeu a eleição. Apesar da crítica, Cid disse que votará em Haddad. “Se votei no Eunício, por que não votaria em Haddad?”, ressaltou.

Em discurso posterior, o governador reeleito Camilo Santana (PT) alegou que toda família possui divergências.