Blog do Eliomar

Categorias para Política

Cinco minutos de comemoração

Editorial do O POVO deste domingo (10) avalia o desempenho do Ceará em pesquisa sobre a educação formal oferecida a crianças e jovens. Confira:

Mais um estudo, desta vez produzido pelo Centro de Liderança Pública – que pesquisa o Índice de Oportunidades da Educação Brasileira (Ioeb) – vem confirmar o bom desempenho do Ceará na melhoria da educação formal oferecida às suas crianças e jovens. Em um índice que varia de zero a 10, o Ceará fica em sexto lugar entres os estados, com 4,9 pontos. O Estado também está acima da média nacional, com 4,7.

Além disso, sete cidades cearenses estão entre as 10 com melhores índices do País, todas elas do interior do Estado: Sobral (6,2), Frecheirinha (6,0), Nova Olinda (5,9), Brejo Santo (5,9), Coreaú (5,7), Reriutaba (5,7) e Novo Oriente (5,7). Das outras três cidades, duas estão no interior de São Paulo e uma no interior do Rio Grandes do Sul.

O Ioeb afere a qualidade da educação básica – da educação infantil ao ensino médio – nas redes públicas e privadas, caracterizando-se por ser um estudo abrangente, que leva em conta o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e outros fatores que influenciam o aprendizado, como escolaridade dos professores, horas aula/dia, experiência dos diretores e taxa de atendimento na educação infantil.

Os avanços no Ceará se devem, entre outros motivos, ao Programa de Alfabetização na Idade Certa (Paic) e também à persistência de vários governos em darem continuidade aos programas educacionais de seus antecessores. O caso paradigmático é Sobral, com uma política que vem sendo aplicada há 20 anos, sustentada na valorização do aluno e do professor.

Porém, levando-se em conta que, em uma escala que vai até 10, a média brasileira está em 4,7 e a cearense em 4,9 observa-se que há muito o que caminhar em termos educacionais. Isso não deve ser impeditivo para que se comemorem os bons números obtidos pelo Ceará.

No entanto, a celebração deve se dar ao modo recomendado pela professora Izolda Cela, vice-governadora do Ceará. Ela costuma contar que, quando era secretária da Educação e apareciam os bons resultados das políticas implantadas, a sua equipe ficava eufórica, cabendo a ela fazer um chamado à realidade. De forma bem-humorada, autorizava “cinco minutos de comemoração”, lembrando aos auxiliares a magnitude da tarefa que havia à frente. Mãos à obra, então.

Governo lançará programa Cartão Mais Infância

Nesta segunda-feira, às 9 horas, no Centro de Eventos, o governador Camilo Santana e a primeira-dama do Ceará, Onélia Santana, lançarão o Cartão Mais Infância. Trata-se de um benefício de transferência de renda voltado para famílias cearenses com crianças de 0 a 5 anos e 11 meses que se encontram em situação de extrema vulnerabilidade social.

A iniciativa integra o Programa Mais Infância Ceará e os beneficiados serão contemplados com uma transferência de renda. Terão ainda prioridades nos encaminhamentos de políticas públicas ligadas à assistência, trabalho, educação e saúde.

O Mais Infância Ceará, lançado em agosto de 2015 e idealizado pela primeira-dama Onélia Santana, é responsável por articular ações no Estado para a infância. O programa já realizou diversas ações com foco no desenvolvimento infantil, contemplados nos pilares Tempo de Aprender, Tempo de Brincar e Tempo de Crescer.

(Foto – Divulgação)

Alckmin é a favor – PSDB decide esta semana se fecha questão sobre reforma da Previdência

O novo presidente nacional do PSDB e governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, eleito nesse sábado (9) na convenção do partido, vai convocar uma reunião da Executiva Nacional e da bancada tucana na Câmara na próxima semana para definir o posicionamento do partido na votação da reforma da Previdência. Alckmin disse ser favorável ao fechamento de questão a favor da proposta do governo, mas adotou um tom cauteloso ao se referir à posição do partido.

“Pessoalmente, sou favorável à reforma da Previdência. Já a fiz, em 2011, em São Paulo. A minha posição pessoal é pelo fechamento de questão, mas essa não é uma decisão só da executiva do partido. É também da bancada. Acho que o caminho agora é o caminho do convencimento”, disse Alckmin, que foi escolhido novo presidente do PDSB por 470 votos a favor, três contrários e uma abstenção.

Quando um partido fecha questão sobre uma votação, os parlamentares que não acompanham a decisão da executiva podem sofrer penalidades, como suspensão de atividades partidárias ou até mesmo expulsão da legenda.

(Agência Brasil)

Camilo une estilo à caneta como ninguém

Da Coluna Fábio Campos, no O POVO deste domingo (10):

O jeito Camilo de ser parece ter encontrado na política do Ceará o campo fértil para florescer. O estilo conciliador, afável e cordial do governador vem sendo usado como uma de suas mais eficientes armas para tirar opositores de seu caminho. “Tirar” talvez nem seja a palavra mais adequada para a situação.

Camilo Santana não quer apenas potenciais opositores desarmados. Seu objetivo é sempre os atrair para seu palanque, aumentando sua soma política. Chegar-se-á ao ponto em que o que resta de oposição será tão pequeno que não vai lhe oferecer resistência. É evidente que a camaradagem só funciona porque Camilo detém o poder sobre a máquina.

É o governador que distribui verbas e que tem a primazia de assinar acordos, convênios, orçamentos e repasses. Quando se junta esse fator ao bom mocismo e habilidade do chefe do Governo, assiste-se, por exemplo, ao ocorrido na Assembleia.

O Poder Legislativo era uma Casa que, no começo do mandato de Camilo, possuía entre 14 e 16 oposicionistas. Hoje restam apenas quatro parlamentares com apenas meia disposição para se opor ao governador. Claro que tudo isso fica mais atraente se quem distribui as migalhas no caminho para os gatinhos manhosos o seguirem é um político que se comporta como suprapartidário, não valoriza paixões políticas, não altera a voz e ainda carrega a fama de bom moço.

Dias atrás ouvi o seguinte de um deputado federal: “Ora, quem quer fazer oposição ao Camilo? ”. O nobre parlamentar disse isso ao ser perguntado por qual motivo seu partido, que deveria ser de oposição, está com os dentes bem fincados nas tetas estatais.

Temer viaja para Argentina com expectativa de concluir acordo com União Europeia

Começa neste domingo (10), em Buenos Aires, na Argentina, a 11ª Reunião Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC) e a grande expectativa para o encontro, que terá a participação do presidente Michel Temer, é a conclusão do acordo de comércio entre Mercosul e União Europeia. No entanto, os pontos mais sensíveis das negociações entre os blocos, a carne e o etanol, devem ficar de fora do acordo.

A sessão de abertura do encontro da OMC está marcada para as 16h pelo horário local (17h no horário de Brasília). Antes, está previsto um encontro entre representantes do Mercosul para tratar das propostas apresentadas pela União Europeia. Após a sessão de abertura, representantes dos dois blocos sentarão à mesa para acertar as bases do acordo.

(Agência Brasil)

General que criticou Temer é afastado

O general Antonio Hamilton Martins Mourão foi afastado da chefia da Secretaria de Economia e Finanças do Exército. A informação é do OGlobo. Em palestra dada na quinta-feira no Clube do Exército, em Brasília, Mourão afirmou que Temer vai conduzindo seu mandato aos trancos e barrancos, se equilibrando graças a um balcão de negócios. Por ser presidente da República, Temer é superior hierárquico de Mourão. O general já havia pedido intervenção militar anteriormente.

Na palestra, Mourão também demonstrou simpatia pela candidatura a presidente do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Ele é o mesmo general que, em setembro, já tinha citado a possibilidade de o Exército o “impor” uma solução para crise política brasileira.

“Esses cenários foram colocados há pouco aí pela imprensa. Não há duvida que atualmente nós estamos vivendo a famosa ‘Sarneyzação’. Nosso atual presidente, ele vai aos trancos e barrancos, buscando se equilibrar, e, mediante um balcão de negócios, chegar ao final do seu mandato”, disse Mourão durante o evento.

Na palestra, intitulada “Uma visão daquilo que nos cerca”, o general destacou que falaria a opinião dele. Disse que irá para a reserva em 31 de março de 2018. Coincidência ou não, a data é a mesma do golpe militar de 1964. Também não descartou a possibilidade de disputar algum cargo eletivo futuramente. Além de apoiar Bolsonaro, disse acreditar que a Justiça vai barrar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2018. Em setembro, o general apontou a possibilidade uma intervenção militar, não sendo repreendido pelos seus superiores na época.

“Ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso — disse Mourão em setembro. Na última quinta-feira, indagado durante a palestra se defende a intervenção militar, Mourão desceu um pouco o tom:

“Se o caos for instalado…O que chamamos de caos? Não mais o ordenamento correto. E se as forças institucionais entenderem que deve ser feito um elemento moderado e pacificador, agindo dentro da legalidade. Tempos atrás fui incompreendido – disse Mourão, concluindo: “Estamos, Exército, Marinha e Aeronáutica, atentos para cumprir a missão. O caos é o momento. Ou anteciparmos ao caos e não esperar que tudo se afunde. Por enquanto, nós consideramos que as instituições têm que buscar fazer a sua parte.”

Reforma da Previdência começa a ser debatida na Câmara dia 14 próximo, diz Rodrigo Maia

Começa na próxima quinta-feira, dia 14, o debate sobre a proposta da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. A informação é do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), após sair de encontro, neste sábado, no Palácio Alvorada, com o presidente Michel Temer.

De acordo com Maia, com o início dos debates há expectativa de que a matéria seja votada na semana seguinte, antes do Natal.

O encontro contou ainda com as presenças do relator da PEC da Reforma da Previdência, Arthur Maia, do líder do governo Aguinaldo Ribeiro, além do deputado Carlos Marun e Antonio Imbassahy.  Marun (PMDB) deve mesmo entrar no lugar do tucano Imbassay na Secretaria de Governo.

Paraipaba recebe brinquedopraça

A primeira-dama do Estado, Onélia Santana, e o secretário Josbertini Clementino, titular da Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social do Ceará (STDS), entregaram, neste fim de semana, em Paraipaba, a 25ª brinquedopraça do Programa Mais Infância Ceará.

“A criança vem sendo prioridade do nosso Governo que está investindo nos nossos cearensezinhos para que estejam inseridos na sociedade e tenham um futuro mais digno” afirmou Josbertini.

A brinquedopraça em Paraipaba foi instalada na Praça Monte Alverne, na sede do município, que recebeu ainda rampas e piso tátil. Várias lideranças da cidade compareceram na solenidade de entrega, entre elas, a vereadora Priscila Meireles (PDT).

Até o momento, o Governo do Ceará já realizou a entrega de vinte e quatro brinquedopraças nos municípios de Araripe, Banabuiú, Baturité, Caririaçu, Coreaú, Crato, Granjeiro, Ibiapina, Ibicuitinga, Ipueiras, Irauçuba, Itaitinga, Itatira, Jaguaribe, Jardim, Juazeiro do Norte, Jucás, Missão Velha, Nova Russas, Quixadá, Tamboril, Tarrafas e duas em Redenção.

(Governo do Ceará / Foto: Divulgação)

Iraque anuncia final da guerra contra Estado Islâmico em seu território

O primeiro-ministro iraquiano, Haider al Abadi, anunciou neste sábado (9) que o Exército do Iraque deu por finalizada a guerra que fez o país sangrar durante três anos e meio, ao confirmar a retomada do controle dos últimos redutos que o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) mantinha no país.

“As nossas forças conseguiram o controle total das fronteiras com a Síria”, afirmou Abdadi em um pronunciamento aos meios de comunicação em Bagdá.

O primeiro-ministro acrescentou que “a vitória foi conquistada graças à unidade de todos os iraquianos na luta contra um inimigo que não pensava que veríamos neste dia”.

“As forças iraquianas libertaram todo o território iraquiano dos terroristas e controla todas as fronteiras e suas passagens. Os últimos terroristas no Iraque foram eliminados hoje”, declarou o Ministério da Defesa em um comunicado.

O subcomandante das forças iraquianas conjuntas, Abdelamir Yarala, confirmou o final da guerra contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) após a recuperação dos últimos territórios que os jihadistas controlavam junto à fronteira com a Síria, nas províncias de Ninawa e Al Anbar.

“Foi consumada a libertação de todos os territórios do Iraque dos grupos do Daesh (acrônimo em árabe do EI) e nossas forças controlam as fronteiras entre o Iraque e a Síria desde a passagem fronteiriça de Al Walid até a de Rabia”, detalhou Yarala em nota.

(Agência Brasil)

PPS fecha questão a favor da reforma da Previdência

O diretório nacional do PPS decidiu neste sábado (9), em Brasília, fechar questão a favor da reforma da Previdência, que tem como relator o deputado Arthur Maia, filiado ao partido. Quando isso ocorre, os parlamentares da legenda ficam obrigados a seguir a orientação do partido sob pena de punição. No entanto, como há divergências dentro do partido, especialmente na bancada na Câmara dos Deputados, é improvável que a sigla puna os desobedientes.

As divergências entre a direção do partido e parte da bancada na Câmara ficaram claras hoje, durante a reunião do diretório nacional, quando apenas dois deputados se colocaram a favor da mudança nas regras da aposentadoria e seis não compareceram ao encontro.

O presidente do partido, deputado Roberto Freire, ex-ministro da Cultura do governo Temer, disse que não pedirá aos deputados para seguirem a determinação da direção do partido e lamentou as divergências.

(Agência Brasil)

Combate à corrupção

Em artigo no O POVO deste sábado (9), o presidente do Centro Industrial do Ceará (CIC), Aluísio Ramalho Filho, aponta que é “absolutamente oportuno resgatar o combate a corrupção”, diante de uma Lava Jato que fez o cidadão acreditar que o Brasil estaria no caminho certo. Confira:

O Brasil tem chamado atenção do mundo por estar vivenciando um intenso movimento de combate a esse grande mal que tem sido responsável pela destruição silenciosa de valores éticos que deveriam nortear a conduta da nossa sociedade e instituições.

A partir da deflagração da Operação Lava Jato, houve um despertar do cidadão: políticos e pessoas de influência têm sido denunciadas, investigadas, julgadas e presas pela prática da corrupção.

Esse ambiente serviu para que voltássemos a acreditar que estávamos encontrando um caminho certo.

Avançamos a ponto de uma intensa mobilização cidadão propor ao Congresso votar um projeto adotando medidas de combate à impunidade e à corrupção. O projeto original foi mutilado na Câmara.

Esse mesmo Congresso vem mantendo a prática de negociar cargos e liberações de emendas no balcão do parlamento em troca da salvaguarda de integrantes do Poder Executivo, e em duas ocasiões distintas, denúncias da Procuradoria Geral da República contra o presidente Michel Temer.

Lamentavelmente, por outro lado, nossa Corte Suprema tem sinalizado positivamente à impunidade, com a concessão quase sistemática de liberdade a implicados em crimes de corrupção. Citar exemplos seria listar um rol interminável de beneficiados.

E como se não bastasse, um ex-deputado foi flagrado com uma mala contendo R$ 500 mil em dinheiro (supostamente propina), e o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, afirmou que uma única mala talvez não fosse suficiente para comprovar.

São essas movimentações que nos levam à descrença. Precisamos nos mobilizar para evitar um retrocesso.

Os prejuízos causados à sociedade são de toda ordem, principalmente o descrédito das instituições, sem falar nos males econômicos e sociais. Portanto, é absolutamente oportuno resgatar o combate a corrupção.

A continuidade envolve desde o compromisso de denúncia de abusos e desvios de recursos públicos ao compromisso do voto de cada cidadão, especialmente nas eleições de 2018.

Coreia do Norte critica Trump por decisão sobre Jerusalém

A Coreia do Norte criticou neste sábado (9) o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por sua decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, e qualificou a medida como “desafio aberto e insulto à legitimidade internacional”.

Pyongyang avaliou assim a medida anunciada nesta semana pelo presidente americano e uniu-se às críticas da maior parte da comunidade internacional, por meio de uma declaração do porta-voz do Ministério de Relações Exteriores norte-coreano.

O reconhecimento de Jerusalém como capital israelense e a transferência a esta cidade da embaixada americana nesse país “merecem a condenação e a rejeição global, já que representam um desafio aberto e um insulto à legitimidade internacional e à vontade unânime da sociedade internacional”, declarou o porta-voz.

A declaração, divulgada pela agência estatal norte-coreana KCNA, se refere a Jerusalém como Quds, o nome em árabe da cidade.

A decisão de Trump sobre Jerusalém “permitirá ao mundo discernir melhor quem é o destruidor da paz e a segurança global, e qual é o verdadeiro lado dos ‘hooligans’ da sociedade internacional”, conclui a declaração do porta-voz norte-coreano.

Após Trump anunciar que seu país reconhecia Jerusalém como capital de Israel, os Estados Unidos convocaram uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU que aconteceu ontem para analisar a decisão, que foi apoiada apenas por Washington neste órgão internacional.

(Agência Brasil)

PSDB confirma Alckmin como presidente do partido e Aécio deixa convenção sob vaias

O ex-presidente do PSDB e senador Aécio Neves deixou sob vaias a convenção nacional do partido, que elegeu no início da tarde deste sábado (9) o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, como novo presidente nacional da legenda. Alckmin foi eleito por 470 votos a favor, três contra e uma abstenção.

Em seu discurso, o senador Tasso Jereissati ressaltou a democracia dentro do partido. Defendeu a postulação de prévias para a candidatura tucana à Presidência da República e que o partido deixe a base de apoio ao governo Temer.

(Foto: Divulgação)

Meirelles mira eleitorado de Alckmin, mas de olho também no Nordeste

Henrique Meirelles (PSD) não está disposto a fazer um voo cego. Embora repita que só definirá a candidatura ao Planalto em 2018, o ministro da Fazenda tem consultado especialistas para construir desde já sua estratégia eleitoral. Trabalha com os seguintes dados: para crescer, precisará buscar votos no chamado “campo azul” e disputar o público de Geraldo Alckmin (PSDB-SP). Em outra frente, deve montar plataforma para o Nordeste, região para a qual vai falar com mais intensidade.

Os analistas consultados por Meirelles dizem que, se o ex-presidente Lula (PT) for impedido pela Justiça de concorrer, o Nordeste ficará “viúvo”.

O ministro foi convencido de que há espaço para crescer entre os que já votaram no PSDB. Ouviu que, diante do patamar de conhecimento do governador Geraldo Alckmin (85%, segundo o Datafolha), o ponto de partida do tucano está baixo –entre 6% e 12%.

O ministro da Fazenda esteve na quinta (7) em um culto da Assembleia de Deus, em Manaus. Falou como candidato e até testou um possível slogan de campanha: “Vamos gerar um Brasil de oportunidades”.

(Painel da Folha/Foto – Folhapress)

Ciro prossegue agenda de palestras pelo País

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) participará, nesta noite de segunda-feira, na Universidade Santa Cecília, em Santos, interior paulista, de um ciclo de debates promovido pela Associação José Marti.

Ciro vai ser o primeiro convidado de um ciclo de debates com os presidenciáveis que discutirá, segundo os organizadores, nacionalismo e privatizações.

“Nosso país está sendo entregue e, daqui a pouco, não seremos mais independentes na questão financeira, porque nossas empresas serão todas americanas, chinesas”, alerta a secretária-geral da associação, Gabriela Ortega.

Com saída de Imbassay, aliados tentam convencer Maia e Temer a votar Previdência na semana que vem

A saída de Antonio Imbassahy (PSDB-BA) da Secretaria de Governo fez com que deputados da base de Michel Temer estimulassem o peemedebista e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a tentar colocar a reforma da Previdência em votação já na próxima semana. A informação é da Coluna Painel, da Folha de S.Paulo deste sábado.

Aliados de Temer argumentaram que, se o tema ficar para a semana do dia 18, é grande o risco de não haver quorum. Eles avaliam que o fim da novela Imbassahy no Planalto pode ajudar a virar votos, especialmente na bancada da Bahia.

Maia e Temer vão debater as condições de aprovação da reforma neste fim de semana.

 

E de Eunício e L de Lula

Da Coluna Política, no O POVO deste sábado (9), pelo jornalista Érico Firmo:

Na capa do O POVO de sábado passado, uma das mais significativas imagens políticas do Ceará neste ano — e do Brasil nos últimos tempos. Foi feita pela repórter fotográfica Tatiana Fortes, em Limoeiro do Norte. Em evento com o governador Camilo Santana (PT), o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) fez o L, de Lula, sobre o palanque. “Eu sou Lula”, confirmou ele.

Eunício é presidente do Congresso Nacional. Está entre as personalidades mais poderosas da política brasileira. No PMDB, está em função que só perde em importância para a de Michel Temer.

Pois, o segundo peemedebista mais poderoso do País, cacique no regime que ascendeu com a queda de Dilma Rousseff (PT), diz que apoia o pré-candidato petista.

Isso é muita coisa. Como entender o gesto? O primeiro passo é observar as pesquisas de opinião pública sobre o Nordeste. No Datafolha da semana passada, Lula lidera a pesquisa, com 37% em todo o País. No Nordeste, ele tem 58%. São 21 pontos percentuais a mais. Segundo colocado, Jair Bolsonaro (PSC) tem 11%. Com carreira política na região, Ciro Gomes (PDT) tem 7% entre os nordestinos. Na pesquisa espontânea, Lula tem 29% no Nordeste. Ele lideraria com folga a pesquisa estimulada só com as intenções de voto da espontânea. É impressionante.

Então, Eunício sabe que um candidato majoritário terá dificuldades extras para ser bem-sucedido na região sem estar ao lado de Lula. O presidente do Senado pode ser muita coisa, mas não é kamikaze. Tem instinto de sobrevivência dos mais aguçados.

Mas, há outro passo para entender o gesto de Eunício em relação a Lula. É preciso olhar para a eleição em que o peemedebista virou senador, em 2010. Então presidente da República, o petista teve absoluto protagonismo nas definições.

Intersindical-CE avalia neste sábado a atual situação política e econômica do País

A Intersindical-Ce realiza neste sábado (9), na sede do Sindfort, no Centro, o encontro da direção estadual da central, por meio de debates sobre o atual momento da conjuntura nacional, da necessidade da atuação dos movimentos sociais diante dos ataques aos direitos dos trabalhadores e a saída da crise. O debate tem público-alvo delegados de base, diretores, funcionários e integrantes dos núcleos de base do Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort), além dos integrantes da Intersindical.

Dentre os debatedores convidados, destaca-se o professor José Menezes, da Universidade Federal de Alagoas. Menezes é integrante da Auditoria Cidadã da Dívida Pública e um dos maiores especialistas do país sobre a questão da dívida, tendo mestrado em Economia Rural, doutorado em História Econômica e pós-doutorado em Ciência Política.

Na primeira mesa de debates, que tem como tema “A dívida pública, as reformas do governo Temer e os impactos sociais”, Menezes dialoga com Aécio Oliveira, professor do curso Economia Ecológica da UFC. Oliveira é Mestre em Economia e Doutor em Sociologia.

Em uma segunda mesa de debates, com o tema “A atuação dos movimentos sociais diante dos ataques aos direitos da classe trabalhadora e as saídas da crise”, participam Rosa Fonseca, socióloga, mestra em Educação e integrante do Crítica Radical, Nascelia Silva, coordenadora geral da Intersindical Ceará, presidente do Sindifort e integrante da direção estadual do Psol e Adelita Monteiro artesã e integrante do Setorial Nacional de Mulheres do Psol.

Com o encontro, a Intersindical-Ce espera avançar na compreensão do atual momento vivido no país e qualificar-se para uma intervenção cada vez mais efetiva na atual conjuntura.

(Foto: Divulgação)