Blog do Eliomar

Categorias para Política

Fala de secretário da Segurança Pública sobre massacre em Cajazeiras rende memes nas redes sociais

O secretário da Segurança Pública e Defesa Social, André Costa, afirmou que a chacina no bairro Cajazeiras, em Fortaleza, foi ação planejada e organizada. Ele comparou com os massacres que ocorrem em outros países, que não são ligados a grupos criminosos.

Apesar da chacina ser a maior da história do Ceará, o secretário afirma que “não há perda de controle”. Ele qualificou o massacre como “caso isolado”.

“Estamos trabalhando, não há motivo para pânico ou temor, estamos acompanhando, engajados”, garantiu Costa.

A frase rendeu memes nas redes sociais.

Confira alguns:

 

Refinaria do Ceará – Secretário em ritmo de contatos no Irã

O secretário de Assuntos Internacionais do Ceará, Antonio Balhmann, inicia, nesta segunda-feira, no Irã uma série de encontros com empresas do ramo petrolífero desse país.

Com ele, estarão os investidores chineses interessados em implantar a refinaria cearense. O objetivo é negociar a compra de óleo iraniano para o empreendimento.

Os chineses consideram o óleo da Petrobras muito caro.

 

Apesar de fim do recesso parlamentar, Congresso só iniciará trabalhos dia 5

Apesar de o fim do recesso parlamentar ser na próxima sexta-feira (2), os deputados e senadores devem retornar a Brasília apenas na segunda-feira da próxima semana, 5 de fevereiro, quando haverá a sessão solene de início dos trabalhos.

O motivo é a impossibilidade regimental de haver, no mesmo dia da abertura, votações na Câmara e no Senado. Como 2 de fevereiro deste ano, data constitucional para fim do recesso de deputados e senadores, cairá numa sexta-feira, a Secretaria-Geral da Mesa do Senado decidiu prorrogar o início oficial do ano parlamentar para o início da semana seguinte.

“Na prática, nós teríamos que custear as passagens dos parlamentares para Brasília exclusivamente para uma solenidade de abertura, sem votar nada [na sexta-feira]. Então, achamos mais eficiente e econômico abrir na segunda-feira. E mantemos, assim, a sessão deliberativa ordinária para a terça-feira à tarde”, disse o secretário-geral, Fernando Bandeira de Mello Filho.

O início do ano legislativo de 2018 será menos solene, já que, diferentemente dos anos ímpares, não haverá eleição dos presidentes da Câmara nem do Senado. Os chefes das duas Casas Legislativas são eleitos a cada dois anos, não podendo ser reeleitos exceto quando há mudança de uma legislatura para outra, a cada quatro anos.

Atualmente, o presidente do Senado é Eunício Oliveira (PMDB-CE), eleito em 2017 para substituir o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). A Câmara é comandada pelo deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que assumiu em julho de 2016 após a queda de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Operação Lava Jato.

Durante a sessão, como ocorre todos os anos, será lida uma mensagem encaminhada pelo Poder Executivo aos parlamentares, com os projetos e as expectativas consideradas prioritárias pelo governo federal em 2018. Caso o presidente Michel Temer não compareça ao evento, que começa às 17h, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha ou algum outro membro do governo poderá representá-lo.

Os parlamentares devem ficar mais uma semana de folga sete dias depois do início dos trabalhos, já que o feriado de carnaval cai em 13 de fevereiro este ano.

(Agência Brasil)

Sem manifestação de rua – Temer diz que população nota a diferença entre governos

“Todo mundo percebe que eu tenho sofrido uma oposição radical, mas uma oposição curiosa: não tem gente na rua”. A declaração é do presidente Michel Temer, ao apresentador Amaury Jr. na Band.

Temer afirmou que quer ser lembrado como “o sujeito que fez as reformas indispensáveis ao País”. Uma dessas tarefas é a aprovação da reforma da Previdência, que, segundo ele, já está sendo absorvida pela população. “E absorvido pela população isso repercutirá no Congresso Nacional. Tenho certeza que em fevereiro vamos conseguir aprovar a reforma da Previdência”, acredita.

Neste domingo (28), o presidente será entrevistado pelo apresentador e dono do SBT, Silvio Santos. Nesta segunda-feira (29), estará no programa do Ratinho, também no SBT.

A entrevista faz parte de uma ação do Planalto para divulgar e tentar popularizar a reforma da Previdência.

(Com a Agência Estado)

Chacina expõe Estados paralelos e mostra Fortaleza na iminência de guerra urbana

Em artigo no O POVO o jornalista Érico Firmo alerta que “Há pequenos Estados paralelos instaurados. E eles estão se fortalecendo”. Confira:

Esse sábado sombrio foi a mais evidente demonstração de força até hoje do terror representado pelos Estados paralelos que tomaram as periferias de Fortaleza. E, também, da ineficácia da resposta do poder público. A chacina no bairro Cajazeiras é o ponto máximo de situação que se arrasta há mais de um ano. Há pequenos Estados paralelos instaurados. E eles estão se fortalecendo.

Essa foi a maior, mas não a única chacina dos últimos anos. O recorde de maior já registrada no Estado havia sido batido há dois anos e três meses e foi novamente superado agora. Nos últimos 12 meses, foram oito crimes do tipo com pelo menos quatro mortos, todos na Região Metropolitana de Fortaleza. A média é de uma chacina a cada um mês e meio. No total, morreram 46 pessoas.

Fortaleza, e o Ceará, acostumaram-se a ser violentas nas últimas décadas. Triste hábito. Porém, essa expressão da criminalidade é diferente da que se tornou usual. O fortalezense, infelizmente, está familiarizado com a abordagem para roubar celular ou a bolsa, com o roubo de carro, a saidinha bancária. Também se tornaram rotineiros os homicídios relacionados a disputas envolvendo drogas. Porém, subiu-se um degrau. O que passou a ocorrer é bem diferente.

Ao logo do ano passado, houve notícias de corpos decapitados, membros decepados, cadáveres incinerados jogados em ruas e terrenos baldios. Lembra coisa do Estado Islâmico. A brutalidade é usada para demonstrar poder.

Os organismos criminosos se apropriaram do controle de territórios na Capital já há alguns anos. Não que a Polícia não entre nesses locais. Faz suas incursões, sim. Mas, uma hora se retira. Quando sai, as facções ditam as regras. Ao tentarem ocupação mais permanente, os criminosos migram de território e o problema recomeça em outro lugar.

Tão assustador quanto as 14 mortes confirmadas pelo secretário da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) é a certeza de que o grupo atacado tentará reagir. A entrevista coletiva do delegado André Costa não deu a confiança de que o aparelho de segurança terá condições, no médio prazo, de antecipar evitar a revanche. O risco de uma guerra se instaurar é considerável.

Instaurar é modo de dizer. Já há uma guerra nas periferias. O que ocorre já choca, ou deveria chocar, há bastante tempo. A guerra está em curso. O que houve na madrugada deste sábado foi apenas seu ponto máximo até agora, numa dimensão que não pode ser ignorada pelo conjunto da cidade. Do País, até.

O secretário André Costa acerta ao dizer não haver motivo para pânico. Menos como diagnóstico e mais como conselho. O medo não costuma ser bom conselheiro. Todavia, a situação realmente preocupa, e muito.

As facções existem já há algum tempo, mas se fortaleceram enormemente ao longo do ano de 2016, quando foram firmadas “tréguas” entre elas. O tempo sem conflitos ajudou a reduzir de forma considerável o número de homicídios em Fortaleza (queda de 39%). Nesse intervalo, grupos criminosos se armaram, organizaram e arregimentaram membros. Em 2017, o pacto foi rompido. A violência bateu recorde, com 5.134 homicídios. Em 2018, foi dado passo além.

A reposta é emergencial e não parece estar encaminhada. O Governo do Estado cobra o Governo Federal. Não há resposta de Brasília, nem no Ceará parece se saber o que fazer. Enquanto isso, o problema aumenta.

A solução não será dada isoladamente pelo Governo do Ceará. As facções são, muitas delas, interestaduais, com braços fora do País. São organizações transnacionais, multinacionais do crime. São Paulo e Rio de Janeiro não conseguiram enfrentá-las sozinhos. O Ceará é que não será capaz mesmo. A articulação precisa ser nacional, mas tem de ir além do discurso de cobrança.

O governador Camilo Santana (PT) tem recorrido à boa relação recém-reconstruída com Eunício Oliveira (MDB) no encaminhamento de demandas com o Palácio do Planalto. Nenhuma tão urgente quanto o enfrentamento aos crimes organizados. O governo cearense precisa pedir socorro. Não dá para continuar como está e a tendência é piorar, se não for feito nada diferente do que foi até agora.

Massacre de Cajazeiras – Cinco suspeitos são identificados pela Polícia

O governador Camilo Santana anunciou no início da tarde deste domingo, 28, em coletiva de imprensa na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), que cinco suspeitos foram identificados pela Polícia por envolvimento no caso da chacina no bairro Cajazeiras, em Fortaleza, que deixou 14 pessoas mortas.

Segundo Camilo, dois dos suspeitos não atuaram na ação, mas planejaram o crime. Os nomes são mantidos em sigilo para não atrapalhar as investigações.

O petista convocou nesta manhã a reunião na qual anunciou a criação de uma força-tarefa em resposta à Chacina de Cajazeiras, a maior da história do Ceará, ocorrida na madrugada de sábado, 27.

(O POVO Online)

Chacina das Cajazeiras: não foi um caso isolado

Em artigo no O POVO, o jornalista Henrique Araújo critica a declaração de “caso isolado” do secretário André Costa sobre a chacina de Cajazeiras. Confira:

De todas as respostas possíveis que um agente público poderia dar para a chacina das Cajazeiras, na madrugada deste sábado, a pior é certamente a de que o massacre foi um evento isolado e similar a atentados terroristas, como os praticados pelo Estado Islâmico.

Mas foi exatamente o que o titular da SSPDS, André Costa, fez. Em coletiva, o delegado afirmou: “No mundo todo há eventos que matam pessoas em boates”. É uma declaração infeliz pela banalidade com que pretende fazer passar o assassinato de que quase duas dezenas de pessoas. Mas não apenas.

O discurso de Costa é a extrapolação de um argumento, corriqueiro e já sem crédito, segundo o qual o crescimento vertiginoso no número de homicídios no Estado deve-se unicamente a um fenômeno nacional. Não é exclusividade do Ceará. Agora, o secretário foi além, ampliando nossas fronteiras. Não se trata mais do Brasil, mas do mundo. Estamos em par com EUA ou França, que não nos fazem mais inveja com os seus “lobos solitários” que explodem casas de shows ou invadem sedes de jornais, matando dezenas de pessoas e ferindo centenas. Temos um terrorismo para chamar de nosso. Um radicalismo made in Ceará.

Claro que tudo isso é falacioso, e a ação que resultou nas 16 mortes pode ser qualquer coisa, menos pontual. Tampouco foi planejada e executada a pretexto único de espalhar o terror entre os cearenses. Às facções interessa menos o medo em si do que a manutenção do controle sobre largas faixas do território local, de modo a garantir o funcionamento das engrenagens do tráfico. A fala de Costa é mais desculpa política a dar num momento grave do que uma resposta que se possa levar a sério.

É, por essa razão, muito parecida com a que o próprio Estado deu não faz tanto tempo, quando os índices de homicídio haviam despencado e os gestores negavam que essa queda pudesse ter relação com suposto acordo entre os bandidos. Hoje se sabe que era precisamente isso, e não a eficiência das políticas de segurança.

Se há algo de internacional na chacina das Cajazeiras, não é o fato de os atiradores terem disparado a esmo, mas a sua repercussão. Hoje, todos os grandes jornais do planeta se referiram ao massacre no Ceará. Está nas manchetes dos portais de “La Nación”, “Post”, “New York Times”, “Independent” e “El País”. Somos notícia, mas pelas razões erradas.

Ironia que tudo isso tenha se dado no exato instante em que o Governo se empenha na melhora da imagem do Estado no exterior, sobretudo depois do anúncio do hub e de outros investimentos no setor de aviação civil. Quanto mais desejamos projetar a fama de lugar de praias bonitas e gente hospitaleira, acentuando nossos predicados como destino turístico, mais uma outra falência (a da segurança) bate
à nossa porta.

Partidos rejeitam proposta do PT de aliança de esquerda

O PCdoB, o PDT e o PSOL, que manifestaram apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula no julgamento do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), afirmam que não vão aderir à proposta do PT de uma “ampla” aliança de esquerda na eleição presidencial deste ano. Apesar de defender o direito de Lula se candidatar novamente ao Planalto, os dirigentes partidários ouvidos pelo Estado disseram que não vão desistir das candidaturas próprias, o que deve pulverizar o campo ideológico na disputa.

Ao insistir na candidatura de Lula, a Executiva Nacional do PT aprovou resolução que defende “uma ampla e sólida aliança” da esquerda em torno do líder petista. O documento foi divulgado na quinta-feira passada, um dia depois de a 8.ª Turma do TRF-4 confirmar a condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro e ampliar a pena imposta a Lula para 12 anos e 1 mês de prisão. Com a condenação pelo colegiado, a tendência é de que Lula – líder nas pesquisas de intenção de voto – seja enquadrado na Lei da Ficha Limpa e fique inelegível.

O PT promete levar a candidatura do ex-presidente até às últimas consequências, mas os antigos aliados PCdoB e PDT não aceitam abrir mão das pré-candidaturas presidenciais da deputada gaúcha Manuela D’Ávila e do ex-ministro Ciro Gomes, respectivamente.

(Estadão)

Elite brasileira e (des)construção nacional

Em artigo no O POVO deste domingo (28), o economista Cláudio Ferreira Lima aponta que “as classes subalternas, que não têm o poder, perderam o governo, ao tempo em que a elite confirma, mais uma vez, o seu histórico alheamento ao projeto de nação”, Confira:

A elite é a classe dominante, dos donos do poder, que comanda todo o processo. Não ocupa, necessariamente, de forma direta, o topo do aparelho de Estado, ou seja, o governo, pois este, normalmente, é delegado como concessão às classes subalternas, que elegem seus representantes, em geral egressos da classe média. Nesses termos, o chefe do Executivo ocupará a função até quando não desagradar os donos do poder. Se o fizer, haverá um meio de alijá-lo.

No Brasil, a elite associa-se a interesses externos, e o País lê na cartilha da potência hegemônica. Portanto, conforme a natureza das articulações do governo nesse complexo xadrez político, o País pode ser levado à condição de periférico, de economia meramente reflexa, ou de nação desenvolvida, com assento nos centros de decisão internacionais.

Qual tem sido o comportamento da elite brasileira? Um balanço do seu papel nos destinos do País não é nada animador. Apenas em raros momentos da vida nacional uma fração dela acreditou na nação.

Assim, Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek articularam um pacto de poder com parcela da elite e de interesses externos e cercaram-se de quadros competentes e respeitados. Então, o Brasil ocupou seu território, industrializou-se, e o brasileiro ganhou autoestima. Mas ambos pagaram caro por isso. A Jango, enquanto o ambiente de exacerbação da Guerra Fria lhe era desfavorável, faltou a habilidade dos seus dois antecessores, e ele também pagou caro.

Lula procurou seguir o caminho dos construtores da nação, mas não conseguiu avançar. As circunstâncias são bem outras. É que se firma o insubmisso e insaciável capital financeiro. A classe média imita a elite no desinteresse pela nação.

Inteligências fundamentais, como economistas e cientistas sociais, preparados em universidades estadunidenses, assumem o credo da potência hegemônica. Não bastasse isso, a fragmentação partidária impossibilita compor governo com quadros sérios e competentes, devotados à nação.

Dessa forma, desde 31.8.2016, passamos a viver situação inusitada. Feito o impeachment de Dilma, assumiu Temer, o vice, e, embora pese sobre ele e seu governo contundentes acusações com provas provadas, mancomunado com o Congresso, tem sido fiel e de grande utilidade à elite, seus aliados externos e à potência dominante, e por isso é mantido.

Em resumo, as classes subalternas, que não têm o poder, perderam o governo, ao tempo em que a elite confirma, mais uma vez, o seu histórico alheamento ao projeto de nação. Como já comentei em artigo anterior, o gigante segue à deriva.

É difícil ser otimista. Mas a situação, de tão imprevisível e desfavorável à maioria da população, será capaz de alimentar as forças pela retomada da nação e breve poderemos dizer como Belchior: “vejo vir vindo no vento/ o cheiro da nova estação”.

REDE Sustentabilidade Ceará diz que bairros pobres de Fortaleza viram reféns das facções

FORTALEZA, CE, BRASIL, 27-01-2018: Maior chacina da história do Ceará deixa vários mortos no bairro Cajazeiras. (Foto: Evilázio Bezerra/O POVO)

A REDE Sustentabilidade Ceará mandou nota para o  Blog. Mostra sua preocupação com relação a tantas chacinas que se registram no Estado. A última delas, a Chacina de Cajazeiras. Confira:

É com uma intensa preocupação que a REDE Sustentabilidade Ceará publica esta nota em relação a Segurança Pública em nosso Estado. Nas primeiras horas desse sábado, dia 27 de janeiro de 2018, o Ceará viveu sua maior chacina da História, 14 pessoas foram assassinadas e diversas outras ficaram feridas no bairro Cajazeiras em Fortaleza.

Esta chacina só expõe a gravidade da situação da Segurança Pública no Ceará, um reflexo da completa ausência do Estado nesta área. Os fatores da insegurança no Ceará são diversos desde a intensa desigualdade social relacionada com a concentração da renda na mão de poucos até a falta de investimentos em Inteligência.

Em Fortaleza, há bairros com elevado e ao mesmo tempo com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), e são justamente nos bairros com baixo IDH, que diversas facções estão se instalando e dominando o dia a dia de várias famílias, deixando-as reféns da brutalidade e do autoritarismo destes criminosos.

Enquanto isso, o Governo do Estado investe mais em festas do que na Polícia Civil e setores de Inteligência, a consequência desta falta de prioridade é termos baixo número de crimes investigados e solucionados, gerando na sociedade a sensação da impunidade.

Esta chacina também mostra a ascensão do índice de criminalidade envolvendo mulheres, dos 14 mortos 10 eram mulheres. É tão lamentável vermos esta realidade, talvez uma amostra da falta de políticas públicas voltadas ao combate da violência contra as mulheres.

Os números da violência no Ceará impressionam. Fortaleza, por exemplo, hoje está entre as capitais mais violentas do país. Só em 2017, foi 5.134 homicídios em todo o Ceará, um aumento de 50,7% em relação a 2016. E em 2018, a média diária já supera a de 2017.

A REDE Ceará se solidariza com as famílias das vítimas desta chacina e dos diversos homicídios que ocorrem diariamente de norte a sul do nosso Estado. A Terra da Luz hoje está escura e chora, e o pior é que o choro ainda vai continuar por algum tempo, quando vemos as atuais autoridades apenas lamentando e sem apresentar nenhuma ação efetiva para evitar novas chacinas.

Seguimos chorando!

*Executiva REDE Sustentabilidade – Ceará

Eleições 2018 – Consultoria de Macron pode atuar na campanha do Partido Novo

A consultoria francesa Liegey Muller Pons, responsável pela estratégia de campanha de Emmanuel Macron, está desembarcando no Brasil. De acordo com o colunista Lauro Jardim, do O Globo, fará uma parceria com a brasileira Ideia Big Data.

Na quinta-feira próxima, o dono da consultoria, Guillaume Liegey, terá uma conversa com João Amoêdo, candidato à Presidência pelo Novo.

Possível fuga de Lula não tem lógica

Da Coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (28):

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), como previsto, não decepcionou o establishment em relação ao desfecho esperado para o recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ninguém esperava outro resultado.

Aliás, o site Justificando descobriu que quando o revisor do recurso de Lula no TRF-4 – desembargador Leandro Paulsen – estipulou a data do julgamento, existia uma fila de 237 processos para serem julgados antes daquele que incriminava Lula. Teria ficado, então, explicitado pelo próprio sistema informativo do TRF-4, que o revisor teve participação direta no processo de aceleramento do julgamento da apelação de Lula.

A última demonstração de abuso de poder (que vem escandalizando os meios jurídicos e políticos internacionais) foi o gesto gratuito de um juiz e dois procuradores da República do Distrito Federal de apreenderem o passaporte de Lula e proibi-lo de sair do País. O ex-chefe de Estado ainda é a figura política brasileira mais prestigiada no Exterior e ia embarcar, na madrugada da última sexta-feira, para a Etiópia, na África, onde participaria de um encontro de líderes para debater a fome no mundo, a convite da União Africana, entidade que reúne 54 países. Alegar possível fuga de Lula não tem lógica.

Chacina de Cajazeiras – Camilo comandará reunião e vai montar força-tarefa para apurar e acompanhar caso

O governador Camilo Santana (PT) vai comandar reunião, às 11 horas deste domingo, na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, com vários organismos para fechar um conjunto de medidas em consequência da Chacina de Cajazeiras, a maior da historia do Ceará e que resultou no assassinato de 14 pessoas. O caso envolve briga entre facções criminosas.

Camilo convocou para essa reunião membros da alta cúpula da Segurança do Estado, além de representantes do Ministério Público Estadual, Polícia Federal, Defensoria Pública Estadual, Poder Legislativo e Tribunal de Justiça do Estado.

Ele vai montar uma força-tarefa, segundo sua assessoria de imprensa, para acompanhar a apuração do caso, prestar assistência às famílias e fechar um pacote de medidas com objetivo de enfrentar a onda de ataques provocada por facções no Estado.

Em sua página no Facebook, o governador disse que não aceitará, em hipótese alguma, que “esse tipo de barbárie fique impune”. Várias entidades como a Associação dos Delegados de Polícia Civil do Estado e a OAB estadual repudiam o fato e cobraram medidas da parte do Governo.

A Defensoria Pública já se colocou à disposição das famílias dos mortos na chacina, enquanto parlamentares da oposição já repercutiram o caso, como os deputados estaduais Heitor Férrer (PSB) e Capitão Wagner (PROS). Ambos lamentaram a postura do Governo. Heitor chegou a dizer: “Chegamos ao fundo do poço!”

O Massacre

A Chacina de Cajazeiras ocorreu na rua Madre Teresa de Calcutá, no bairro Cajazeiras, em Fortaleza. Um grupo armado chegou em três veículos, invadiu a festa chamada popularmente por “Forró do Gago” e começou a disparar contra as vítimas.

O fato ganhou repercussão não apenas nacional, mas, também, internacional, com grandes veículos destacando o caso na cidade que em 2014 foi uma das sedes da Copa do Mundo.

Chacina expõe Estados paralelos e mostra Fortaleza na iminência de guerra urbana

Com o título “Chacina expõe Estados paralelos e mostra Fortaleza na iminência de guerra urbana”, eis artigo do jornalista Érico Firmo, também colunista de Política do O POVO. Ele comenta o caso da Chacina de Cajazeiras. Confira:

Este sábado sombrio é a mais evidente demonstração de força até hoje do terror representado pelos Estados paralelos que tomaram as periferias de Fortaleza. E, também, da ineficácia da resposta do poder público. A chacina no bairro Cajazeiras é o ponto máximo de situação que se arrasta há mais de um ano. Há pequenos Estados paralelos instaurados. E eles estão se fortalecendo.

Essa foi a maior, mas não a única chacina dos últimos anos. O recorde de maior já registrada no Estado havia sido batido há dois anos e três meses e foi novamente superado agora. Nos últimos 12 meses, foram oito crimes do tipo com pelo menos quatro mortos, todos na Região Metropolitana de Fortaleza. A média é de uma chacina a cada um mês e meio. No total, morreram 46 pessoas.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 27-01-2018: Maior chacina da história do Ceará deixa vários mortos no bairro Cajazeiras. (Foto: Evilázio Bezerra/O POVO)

Fortaleza, e o Ceará, acostumaram-se a ser violentas nas últimas décadas. Triste hábito. Porém, essa expressão da criminalidade é diferente da que se tornou usual. O fortalezense, infelizmente, está familiarizado com a abordagem para roubar celular ou a bolsa, com o roubo de carro, a saidinha bancária. Também se tornaram rotineiros os homicídios relacionados a disputas envolvendo drogas. Porém, subiu-se um degrau. O que passou a ocorrer é bem diferente.

Ao logo do ano passado, houve notícias de corpos decapitados, membros decepados, cadáveres incinerados jogados em ruas e terrenos baldios. Lembra coisa do Estado Islâmico. A brutalidade é usada para demonstrar poder.

Os organismos criminosos se apropriaram do controle de territórios na Capital já há alguns anos. Não que a Polícia não entre nesses locais. Faz suas incursões, sim. Mas, uma hora se retira. Quando sai, as facções ditam as regras. Ao tentarem ocupação mais permanente, os criminosos migram de território e o problema recomeça em outro lugar.

Tão assustador quanto as 14 mortes confirmadas pelo secretário da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) é a certeza de que o grupo atacado tentará reagir. A entrevista coletiva do delegado André Costa não deu a confiança de que o aparelho de segurança terá condições, no médio prazo, de antecipar evitar a revanche. O risco de uma guerra se instaurar é considerável.

Instaurar é modo de dizer. Já há uma guerra nas periferias. O que ocorre já choca, ou deveria chocar, há bastante tempo. A guerra está em curso. O que houve na madrugada deste sábado foi apenas seu ponto máximo até agora, numa dimensão que não pode ser ignorada pelo conjunto da cidade. Do País, até.

O secretário André Costa acerta ao dizer não haver motivo para pânico. Menos como diagnóstico e mais como conselho. O medo não costuma ser bom conselheiro. Todavia, a situação realmente preocupa, e muito.

As facções existem já há algum tempo, mas se fortaleceram enormemente ao longo do ano de 2016, quando foram firmadas “tréguas” entre elas. O tempo sem conflitos ajudou a reduzir de forma considerável o número de homicídios em Fortaleza (queda de 39%). Nesse intervalo, grupos criminosos se armaram, organizaram e arregimentaram membros. Em 2017, o pacto foi rompido. A violência bateu recorde, com 5.134 homicídios. Em 2018, foi dado passo além.

A reposta é emergencial e não parece estar encaminhada. O Governo do Estado cobra o Governo Federal. Não há resposta de Brasília, nem no Ceará parece se saber o que fazer. Enquanto isso, o problema aumenta.

A solução não será dada isoladamente pelo Governo do Ceará. As facções são, muitas delas, interestaduais, com braços fora do País. São organizações transnacionais, multinacionais do crime. São Paulo e Rio de Janeiro não conseguiram enfrentá-las sozinhos. O Ceará é que não será capaz mesmo. A articulação precisa ser nacional, mas tem de ir além do discurso de cobrança.

O governador Camilo Santana (PT) tem recorrido à boa relação recém-reconstruída com Eunício Oliveira (MDB) no encaminhamento de demandas com o Palácio do Planalto. Nenhuma tão urgente quanto o enfrentamento aos crimes organizados. O governo cearense precisa pedir socorro. Não dá para continuar como está e a tendência é piorar, se não for feito nada diferente do que foi até agora.

*Érico Firmo,

Colunista Político do O POVO.

Chacina de Cajazeiras – Adepol/CE se solidariza com famílias das vítimas e cobra mais reação

Calçados deixados no lugar onde ocorria festa de forró, onde houve o massacre. (Foto: Evilázio Bezerra)

A Associação dos Delegados da Polícia Civil do Ceará manda nota para o Blog se solidarizando com as famílias das vítimas da Chacina de Cajazeiras. Confira:

A Associação dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Ceará (Adepol-CE) vem a público, através da presente nota, se solidarizar com as famílias dos trabalhadores que, no consagrado exercício do seu labor para prover o sustento de suas respectivas famílias, foram vitimas da chacina que ceifou a vida de 14 pessoas, fato ocorrido na madrugada deste sábado (27), no bairro de Cajazeiras, em Fortaleza.

O fato é que, não obstante a SSPDS tentar justificar a barbárie como sendo fruto de uma briga de facções, impossível obscurecer que cidadãos trabalhadores tais como o motorista de uber, o vendedor de cachorro quente e seu filho de apenas 12 anos, dentre outros, também foram alcançados pelos patrocinadores do trágico e insidioso acontecimento, não se podendo afastar, ademais, a possibilidade de que qualquer cidadão, independente da classe social a que venha pertencer, pudesse também ser vítima de tal desdita, bastando para tanto, a infelicidade de transitar por aquele local no instante do excídio coletivo.

Assim, a sociedade toda está em risco.

O momento de insegurança por que passa o cidadão cearense é por demais preocupante e exige algo além da transferência de responsabilidade para essa ou aquela esfera de poder.

Federal ou estadual seja o governo a quem compete tomar as devidas providências, isso é o que menos importa. Importa sim as vidas que estão sendo subtraídas por falta de uma política eficaz de segurança pública que conforme expressa a Constituição Federal é direito e responsabilidade de todos, mas acima de tudo DEVER DO ESTADO.

O Estado do Ceará já acumula de 2017 até a presente data, mais de 5.000 homicídios. Não cremos que todas essas vítimas viviam à margem da lei. Já passa da hora de organizar a segurança pública do Estado, colocando pra investigar quem tem, constitucionalmente, a função de investigar e pra executar o trabalho de prevenção quem tem a função de prevenir, pois a definição de atribuições é premissa básica na administração de qualquer órgão, quer seja ele público ou privado.

Assim sendo, é chegado o momento de conclamar a todos, para que, afastadas as vaidades pessoais, dissenções políticas e sentimentos corporativistas, se unam em torno de uma política de segurança capaz de debelar essse clima de insegurança que tem ferido de morte a toda a sociedade cearense.

Nessa perspectiva, a Adepol, através de seus associados, se coloca à disposição do governo e da sociedade cearense para emprestar o melhor de sua inteligência e da sua força de trabalho em prol da segurança do povo do Ceará, posto que, além da obrigação, a indignação nos impõe essa atitude.

*Adepol

A Diretoria.

Chacina de Cajazeiras – Capitão Wagner com a “pulga atrás da orelha” com a imprensa

Em vídeo postado no Facebook, o deputado estadual Capitão Wagner responsabiliza a imprensa que, na opinião do parlamentar, estaria omitindo o número de mortos na chacina ocorrida no bairro Cajazeiras, na madrugada deste sábado (27).

Segundo Wagner, a imprensa estaria rduzindo o número de vítimas, diante dos recursos recebidos do Estado em verbas publicitárias. O deputado acredita, ainda, que o fato teria maior repercussão se houvesse envolvimento de policiais como agressores.

O parlamentar afirma ainda que a chacina deste sábado deverá ser esquecida pela imprensa em uma semana, enquanto a chacina do Curió, com envolvimento de policiais, é tema de pautas há dois anos. “Eu posso apostar com vocês como, nesse caso específico (Cajazeiras), não vai durar mais que uma semana, porque não temos como acusar policiais militares de envolvimento com essa chacina”, concluiu Wagner.

Apesar de reconhecer o investimento do governo Camilo Santana, em segurança pública, Capitão Wagner diz que falta planejamento.

(Foto – Reprodução Facebook)

Chacina de Cajazeiras – O medo do revide

O vereador Julierme Sena(PR) manda artigo para este Blog intitulado “Esse é o modelo de segurança pública para o País?”. Ele comenta a Chacina de Cajazeiras. Confira:

Estamos assistindo diariamente a um filme de terror no Ceará. Uma matança tem ocorrido diariamente diante de nosso olhos. Mas, ninguém sabe qual é o real Plano de Segurança de Pública para termos resultados em curto, médio e longo prazo.

A chacina ocorrida nesta madrugada  de sábado (27), em Cajazeiras, pode chegar a 24 mortes. A maior de toda a história do Ceará.

As facções estão em guerra. E certamente, não vão parar por aí, porque a facção rival deve preparar um contra-ataque semelhante ou até mesmo pior do que este. E pergunto: como fica o Estado? O que a população deve esperar? Qual é o plano?

Um bom começo para se combater o crime organizado é organizar nossas polícias. Em nosso Estado, falta uma polícia investigava forte e valorizada.

Um efetivo insuficiente, baixo salário, pouca estrutura de trabalho e desvios de função deixam nossos profissionais desmotivados. Portanto, ouçam o que digo: INVISTAM NA POLÍCIA CIVIL!

Judiciário, Executivo e Legislativo devem se unir e buscar soluções nas mais diversas frentes, pois vivemos um caos muito maior do que um “simples problema de polícia”.

Chega de tentar amenizar o problema apenas com discursos. Quem tem a caneta na mão, está na hora de usar.

*Julierme Sena,

Policial Civil e Vereador de Fortaleza.

Sindiônibus propõe passagem para R$ 3,84

O Sindicato das Empresas de Ônibus de Fortaleza (Sindiônibus) cobra da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) um reajuste de 20% na passagem dos coletivos, passando de R$ 3,20 para R$ 3,84. A proposta é bem acima da inflação, que no ano passado ficou em 2,95%. Também em 2017, a passagem subiu 16,4%, passando de R$ 2,75 para os atuais R$ 3,20.

O sindicato alega que o reajuste está previsto no contrato de concessão, assindo em 2011, na então gestão Luizianne Lins, que possui uma planilha de custos que serve de referência para a revisão da tarifa.

O Sindiônibus alega ainda que o reajuste contemplaria a planilha do salário de motoristas e trocadores, o aumento no preço do
óleo diesel e a queda na demanda no número de passageiros.

A Etufor já sinalizou que não aceitará o índice, enqanto o sindicato avalia cobrar judicialmente o cumprimento do contrato.

O resultado desse debate promete chegar à mesa do gabinete do prefeito Roberto Cláudio, que terá que usar de toda a diplomacia para resolver a situação.

(Foto: Arquivo)

Chacina de Cajazeiras – Heitor Férrer diz que fato expôs a epidemia da violência no Estado

O deputado estadual Heitor Férrer (PSB), que faz oposição ao governador Camilo Santana (PT) na Assembleia Legislativa, mandou a seguinte nota para o Blog e que diz respeito ao caso da Chacina de Cajazeiras, em Fortaleza. Confira:

O estado do Ceará amanheceu, neste sábado (27), estarrecido pela violência ocorrida durante a madrugada, no bairro das Cajazeiras. A rivalidade entre facções do crime organizado levou ao assassinato de 18 pessoas, muitas das quais não tinham qualquer envolvimento com a criminalidade. A maior chacina ocorrida na história do Ceará.

Chegamos ao fundo do poço. O governador Camilo não pode continuar calado diante desse barbárie. Essa chacina tem que ser coberta por toda a imprensa nacional para que o País tome conhecimento da epidêmica violência que domina nosso estado e a sua falência na proteção ao cidadão.

O governador mantém o mesmo projeto fracassado iniciado há 12 anos pelo governador Cid Gomes, que, basicamente, reside na compra de viaturas e concurso para polícia sem qualquer planejamento, sem investir na inteligência e sem quebrar os mecanismos geradores da violência, que estão lá atrás.

O governador entra no seu último ano de governo com um certificado de total fracasso no combate à violência e se descredencia para emitir qualquer promessa aos cearenses. Nós queremos ação, atitude, solução, governador.

*Deputado Heitor Férrer (PSB).