Blog do Eliomar

Categorias para Política

Assembleia Legislativa vai discutir alterações no projeto de organização judiciária do Ceará

A Assembleia Legislativa, por meio da sua Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), vai promover, a partir das 14 horas desta segunda-feira, uma audiência pública para discutir alterações na organização judiciária do estado do Ceará. O debate ocorrerá no Complexo de Comissões Técnicas da Casa. As mudanças estão previstas no projeto de lei nº 73/2017, oriundo da mensagem nº 6/17 , de autoria do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

A audiência atende a requerimento dos deputados Fernanda Pessoa (PR)
e Bruno Pedrosa (PP) e tem como subscritores Audic Mota (PMDB), Capitão Wagner (PR), Danniel Oliveira (PMDB), Carlos Felipe (PCdoB), Dra. Silvana (PMDB), Evandro Leitão (PDT), Heitor Férrer (PSB), João Jaime (DEM), Julinho (PDT), Manoel Duca (PDT), Mário Hélio (PDT), Robério Monteiro (PDT) e Tin Gomes (PHS).

Os deputados defendem a importância de debater o assunto, com o objetivo de melhorar a qualidade da prestação jurisdicional na área extrajudicial, dando condições necessárias para que os serviços públicos sejam prestados com rapidez, qualidade satisfatória e eficiência.

Além de prefeitos e ex-prefeitos do Ceará, foram convidados para a audiência pública o presidente do TJCE, desembargador Gladyson Pontes; o presidente da Ordem dos Advogados do Ceará (OAB/CE), Marcelo Mota; a defensora pública Geral do Ceará, Mariana Lobo, entre outros.

Fortaleza ganha um novo dicionário da violência

189 1

Com o título “O novo dicionário da violência”, eis o teor da coluna Segurança, do O POVO desta segunda-feira, assinada pelo jornalista Ricardo Moura. Confira:  

O Ceará voltou a sofrer com a escalada dos homicídios. Há, contudo, uma diferença importante em relação a 2014, ano mais violento da história: os grupos criminosos nunca estiveram tão organizados e fortemente armados quanto agora. A capacidade de a Polícia prover segurança aos cidadãos vem sendo desafiada em territórios dominados não mais pelo Estado, mas pelo tráfico. Alguns termos e expressões comprovam que, no campo da Segurança Pública, o cenário é diverso de tudo que vimos até aqui. A coluna faz um apanhado desse novo vocabulário da violência na tentativa de compreender a atual realidade:

O Crime. Sujeito coletivo e indeterminado, “o Crime” não tem face. Suas ordens espalhadas em pichações pelos muros da Cidade têm força de lei. Não se sabe ao certo quem definiu o destino de uma praça ou de uma comunidade, mas é de bom tom não afrontar. “Ao entrar, tire o capacete e baixe o vidro”, as duas instruções interligadas funcionam como uma dica de segurança para quem é de fora das “áreas”. Tais frases funcionam como o código de conduta de um poder paralelo ao do Estado que não teme medir seu potencial de regular as vidas alheias. Não à toa, a resposta da Polícia na Cidade Jardim, área dominada por facções, veio sob a forma de grafite: “Bandido não manda em nada”.

“Tudo 2, tudo 3”. A expressão corrente nas periferias revela o fatiamento do espaço público promovido por grupos rivais. Os números substituem as letras que dão nome às facções. Pronunciá-las no local errado não é seguro. É preciso saber se está “tudo 2” ou “tudo 3”, ou seja, quem manda naquele pedaço. Tal conhecimento tornou-se um requisito para navegar pela Cidade. O mapa dessa ocupação ainda está por ser totalmente elaborado. O que temos hoje são peças de um intricado quebra-cabeça territorial.

Medo. Em um intervalo curto de tempo, a dinâmica da violência no Estado sofreu uma transformação brutal. Se na paralisação dos PMs, em janeiro de 2012, o caos que se instalou devia-se ao espectro sem rosto dos nossos próprios temores, o medo que sentimos hoje tem nome e número. Tão importante quanto sua capilaridade e capacidade de mobilização, o Crime conta hoje com a capacidade de infligir pânico social em dose suficiente para fazer com que uma capital do porte de Fortaleza pare, como ocorreu em 19 de abril deste ano.

Guerra de facções. O termo veio de fora, mas logo se incorporou ao nosso vocabulário político e social. O conflito entre facções é sempre apresentado como justificativa pelos órgãos de segurança para o descalabro em que vivemos, mas dizer que estamos em “guerra” não pode ser a única explicação para tudo o que está acontecendo. É preciso compreender como as dinâmicas criminais operam nos territórios. E isso é um trabalho que envolve muita Inteligência, ou seja, o momento atual exige mais astúcia que força.

Microchacinas. Um terremoto costuma ser sucedido por pequenos tremores que mantêm a terra em movimento, mas nem sempre são capturados pelos sistemas de detecção. Fenômeno semelhante ocorre com as matanças. Há as que chamam atenção, mobilizam e tornam-se marcos históricos, como a Chacina da Grande Messejana. E há os homicídios múltiplos que, por sua grande quantidade e menor visibilidade, restringem-se à escala microssocial, tornando-se quase imperceptíveis. Daí o uso de uma nova expressão para dar conta desse fenômeno: microchacina. A coluna abordou o tema em maio.

Paz, pacificação. Carro-chefe da área de Segurança do Governo Camilo Santana, o Ceará Pacífico contou com pouquíssimo tempo de implementação até ser confrontado por um processo paralelo de “pacificação” promovido pelo Crime. O que se convencionou denominar de “paz”, na verdade, foi uma reconfiguração do mercado de entorpecentes no Ceará, passando de um contexto de microtráfico marcado pela fragmentação e por conflitos pontuais para uma estrutura mais articulada de canais de comercialização, redefinição de territórios e publicidade intensiva. Essa configuração foi abalada, contudo, pela Guerra de facções.

“Justiça ou cemitério”. Como o aceno à Paz não apresentou os resultados desejados pelo Governo do Estado até o presente momento, a opção pelo confronto direto tornou-se política governamental hegemônica respaldada pelo forte apelo ao espírito de corpo que une os policiais. A expressão “Justiça ou cemitério” não é apenas uma particularidade local, mas sintetiza o modo como se compreende a Segurança Pública no Brasil de hoje. E isso é preocupante.

(Foto – Nivaldo Lima -Futurapress)

Conab reabre posto de atendimento em Tauá

A primeira carreta transportando milho para o Armazém da Conab de Tauá chegou nesse domingo (17) e será descarregada nesta segunda-feira (18), conforme explicou o responsável pelo posto, Francisco Carlos. Ao todo, serão 2,3 mil toneladas do produto(pouco mais de 38 mil sacas), a serem comercializadas entre os criadores cadastrados no Programa Venda em Balcão, atendendo a todos os municípios da Região dos Inhamuns e amenizando os efeitos da estiagem na alimentação dos rebanhos.

A unidade de Tauá está sendo reaberta depois de dois anos de articulações travadas pelo deputado federal Domingos Neto (PSD) e o deputado estadual Odilon Aguiar (PMB), que mostraram ao governo federal a necessidade e a importância de socorrer os criadores da região que atravessam o quinto ano consecutivo de seca e não tinham mais pasto para alimentar os rebanhos.

O milho da safra 2012/2013, saiu da cidade de Sorriso, Estado do Mato Grosso no início da semana. Nesse carregamento são 862 sacos e outras duas carretas já estão a caminho de Tauá com previsão de chegada para os próximos dias.

(Foto – Divulgação)

Há indústria de rampas em Fortaleza?

Será que chegou a hora de o procurador-geral de Justiça, Plácido Rios, entrar em campo no que diz respeito às rampas de lixo que, infelizmente, perduram em várias ruas de Fortaleza?

Até que se reconhece um certo esforço da Prefeitura em enfrentar o problema, mas não se vê, na prática, um retorno que, entre vária vantagens, seria reduzir tanta doença transmitida principalmente por mosquitos e ratazanas.

Há sempre a história de que o fortalezense não ajuda, mas, por outro lado, não se vê a lei cumprida, com multa para quem suja a cidade ou se torna omisso.

Por falar nisso: quanto o município vem gastando com o sistema de limpeza e, em especial, com os caçambeiros que viram reis de um pedaço. Pelo visto, a indústria da rampa virou ótimo negócio.

Cid admite retomar aliança com Eunício Oliveira

194 1

Mudança de rota e de discurso.

O ex-governador Cid Gomes (PDT) admitiu a possibilidade de aliança com o adversário Eunício Oliveira (PMDB), presidente do Senado, nas eleições de 2018. Segundo ele, tudo dependerá da “decisão” do governador Camilo Santana (PT). “Quem decide é ele (Camilo), e o que ele decidir estou para ajudar. Eu não sou de ficar criando dificuldades”, disse em encontro regional do PDT em Ipueiras no último sábado, 16.

Cid não confirmou, porém, a reaproximação. De acordo com ele, Camilo e Roberto Cláudio (PDT), prefeito de Fortaleza, teriam procurado Eunício para conversar sobre “viabilizar financiamentos” e que, nesse encontro, “pode ter havido alguma sondagem de parte a parte e isso está em processo”.

O grupo dos Ferreira Gomes já esteve no mesmo palanque de Eunício, mas rompeu em 2014, às vésperas da eleição para o Governo do Estado. De lá para cá, trocas de ataques foram frequentes, sobretudo entre o senador e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT).

Durante este tempo, também foram sucessivas as críticas de Eunício ao governo de Camilo. Já em 2017, o peemedebista se colocou como candidato de oposição ao cargo em 2018 várias vezes, em encontros do partido. No último mês, porém, evitou falar sobre o assunto e não negou negociações com os ex-aliados, afirmando que só falará de eleições no próximo ano. Camilo adotou mesma postura, afirmando que agora é tempo de “governar o Ceará”.

No discurso, Cid minimizou críticas à possível reconciliação. “Apoio a gente sabe que a gente tem que receber de todo o mundo, isso não quer dizer que a gente vai se comprometer ou sair daquilo que é a nossa linha, nosso projeto, nosso pensamento. Mas se uma pessoa quer apoiar a gente, por que faz sentido você recusar apoio?”, disse.

Se for dar carona a um mau elemento, o mau elemento vai querer roubar o seu caminhão e vai jogar todo o seu pessoal do lado de fora”

André contra aliança

No mesmo evento, o presidente estadual do PDT, deputado federal André Figueiredo, rechaça a aliança com o senador Eunício Oliveira. Em discurso, ele diz que o PDT poderá se coligar com o DEM, na figura do vice-prefeito de Fortaleza Moroni Torgan, “mas coligar com o Eunício, meu Deus do céu!”. Resistência de André se deve também à disputa ao Senado, porque seu nome foi indicado pelo partido para concorrer a uma das vagas.

Comparando a aliança com um caminhão, André Figueiredo disse que “na carroceria de um caminhão cabe todo mundo, mas na boleia só vai quem a gente confia”. E continuou a metáfora: “Teve gente que já estava na boleia desse caminhão junto com o Cid e na primeira oportunidade quis tirar o nosso pessoal dessa boleia e tomar o comando do nosso caminhão. (…) Se for dar carona a um mau elemento, o mau elemento vai querer roubar o seu caminhão e vai jogar todo o seu pessoal do lado de fora”.

(O POVO – Repórter Letícia Alves)

Opções militares – Diplomacia se esgotou com Pyongygang, diz embaixadora dos EUA na ONU

A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, declarou neste domingo (17) que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) não tem mais alternativas para conter o programa nuclear da Coreia do Norte e insinuou que, se o rumo da situação não mudar, o governo terá de encaminhar o assunto ao Pentágono.

“Esgotamos quase todas as coisas que podemos fazer no Conselho de Segurança neste momento. Queríamos ser responsáveis e passar por todos os meios diplomáticos para chamar a atenção (da Coreia do Norte) em primeiro lugar. Se não funciona, o general (James) Mattis se encarregará disso”, disse Haley à emissora de TV CNN, em alusão a transferir o assunto para o secretário de Defesa.

Haley insistiu que o governo americano está “tentando qualquer outra possibilidade”, mas reconheceu que “há muitas opções militares na mesa”.

O Conselho de Segurança da ONU impôs uma nova bateria de sanções econômicas contra o governo de Pyongyang em resposta ao último teste nuclear do regime, no dia 3 de setembro. No entanto, os 15 membros do Conselho se negaram a impor mais sanções há dois dias, após Kim Jong-un ordenar o lançamento de um novo míssil de médio alcance que sobrevoou o Japão.

A Rússia, ao lado da China, defende uma proposta segundo a qual a Coreia do Norte interromperia os testes de mísseis, enquanto EUA e Coréia do Sul suspenderiam as manobras militares, tudo com o objetivo de facilitar uma negociação.

No entanto, as partes se negaram a dar esse passo até agora e, no em vez disso, optaram por elevar o tom e utilizar um discurso de confrontação.

(Agência Brasil)

Chico Lopes diz que privatizações não resolverão problema de caixa do governo

Para o deputado federal Chico Lopes (PCdoB-CE), as privatizações de empresas públicas e de instituições responsáveis pelo atendimento da população mais pobre não resolverão o problema de caixa do governo federal, tampouco melhorarão os serviços prestados ao cidadão comum.

A declaração foi feita nesse sábado (16), durante o encontro regional do PCdoB, em Crateús, no Sertão do Ceará, a 350 quilômetros de Fortaleza.

(Foto: Divulgação)

Trump ressaltará necessidade de reforma na ONU durante Assembleia Geral

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insistirá na necessidade de uma reforma nas Nações Unidas quando estiver na Assembleia Geral da organização, que terá início nesta semana em Nova York, segundo informou neste domingo o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, H.R. McMaster.

“Será parte da mensagem [de Trump] que as Nações Unidas precisam ser reformadas. O presidente vai dizer que a ONU não pode ser eficaz se não reformar sua burocracia e a menos que conceda um maior grau de responsabilidade aos Estados-membros”, adiantou McMaster.

Trump, que criticou a organização e a chamou de “um clube para que as pessoas se reúnam, conversem e se divertam”, irá pela primeira vez à Assembleia Geral na próxima terça-feira (19).

O discurso do presidente norte-americano ocorrerá em um momento em que a ONU lida com a ameaça nuclear da Coreia do Norte, o que levou a um raro voto unânime do Conselho de Segurança em agosto para emitir novas sanções contra o país.

Sobre este assunto, McMaster indicou que não se pode brincar com a ameaça norte-coreana, minutos após o próprio presidente se manifestar sobre o assunto pelo Twitter, como de costume.

A embaixadora dos Estados Unidos perante as Nações Unidas, Nikki Haley, assegurou neste domingo (17) que a presença do governante norte-americano na Assembleia Geral significará “um novo dia para a ONU”.

Trump criticou duramente o organismo durante a campanha eleitoral, ao alegar que a ONU havia expressado posições anti-israelenses e que não tinha tomado medidas em muitos assuntos de cunho internacional, assim como o fato de que era muito dependente do financiamento americano.

(Agência Brasil)

Ciro deveria substituir Lula, caso ex-presidente não seja candidato, apontam entrevistados em pesquisa

O ex-governador do Ceará e ex-ministro Ciro Gomes (PDT) detém a preferência entre o eleitorado do ex-presidente Lula, caso o petista não seja candidato ao Palácio do Planalto nas eleições do próximo ano.

É o que aponta a pesquisa do Instituto Paraná, divulgada na edição deste fim de semana da revista IstoÉ, que entrevistou 2.210 pessoas, entre a terça-feira (12) e a quinta-feira (14) da última semana.

Ciro aparece com 15,7% na preferência dos entrevistados, seguido pelo ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (10,7%) e do ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (5%).

A pesquisa ainda apontou que o atual prefeito de São Paulo, o tucano João Dória, detém a simpatia 40,3% dos entrevistados (isso não quer dizer que votariam nele), contra 46,5% dos que preferem vê-lo fora da disputa ao Palácio do Planalto (isso não quer dizer que não votariam nele de forma alguma).

A margem de erro da pesquisa é de 2%.

Presidentes da Coreia do Sul e dos EUA querem sanções à Coreia do Norte

Os presidentes da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e dos Estados Unidos, Donald Trump, concordaram neste domingo (17) em aplicar “a fundo” as sanções impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU) à Coreia do Norte. O intuito é fazer com que o país interrompa as provocações com os testes de armas.

Os presidentes fizeram o acordo durante um telefonema, em que concordaram com a necessidade de “implementar a fundo” as medidas para que o governo norte-coreano veja que, se continuar com sua atitude, “só se isolará mais diplomaticamente e enfrentará mais pressão econômica”, o que levará o país “ao colapso”, segundo o escritório da presidência da Coreia do Sul.

A conversa entre Moon e Trump ocorreu após o lançamento, na última sexta-feira, de um novo míssil por parte da Coreia do Norte. O míssil sobrevoou o território japonês antes de cair nas águas do Pacífico.

O presidente sul-coreano destacou a importância de melhorar a capacidade defensiva do seu país, além de contar com o apoio das tropas norte-americanas.

Trump reiterou o pleno apoio dos EUA à Coreia do Sul e assegurou que vai continuar dando toda a ajuda e apoio necessário para fortalecer ainda mais sua aliança, segundo comunicado da Coreia do Sul.

Moon e Trump combinaram de continuar tratando o assunto em reunião em Nova York, durante a Assembleia Geral da ONU, nesta semana.

(Agência Brasil)

Salmito cai nas graças de lideranças de São Benedito

Após participar do encontro regional do PDT em Ipueiras, nesse sábado (16), o presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, o sociólogo Salmito Filho, passou por São Benedito, no Noroeste do Estado.

Na terra do escritor e filósofo Raimundo Farias Brito, Salmito foi recebido pelo ex-prefeito Júnior Brandão e sua esposa Sâmia Brandão.

Júnior Brandão possui expressiva liderança na região e ressaltou que seu grupo político reconhece no presidente do Legislativo de Fortaleza um exemplo de conduta no exercício de um mandato político.

Salmito tem origens familiares na região, pelo lado paterno.

(Foto: Divulgação)

Cid diz que apóia reeleição de Camilo, mas PDT irá consultar as bases

O ex-governador Cid Gomes disse nesse sábado (16), durante encontro regional do PDT, em Ipueiras, no Noroeste do Ceará, a 298 quilômetros de Fortaleza, que apóia a reeleição do governador Camilo Santana (PT), mas que o partido irá consultar as bases sobre esses apoio, além da condução de Camilo no processo das alianças.

Cid Gomes também comentou a relação do prefeito Roberto Cláudio (PDT) e do governador Camilo Santana com o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), presidente do Congresso Nacional, ao afirmar que os dois gestores têm responsabilidade para com recursos para a população, principalmente Fortaleza, quando R$ 3,4 bilhões se encontram retidos em Brasília.

O encontro abriu espaço para a população tirar dúvidas sobre a reforma política, principalmente as novas regras das eleições e coligações. O deputado federal André Figueiredo, presiedente do partido no Ceará, passou informações dos trâmites das votações na Câmara Federal. O vice-presidente do PDT no Estado, o secretário Josbertini Clementino, titular da STDS, avaliou como positiva a iniciativa do partido em abrir o debate com a população, por dar a chance de todos questionarem problemas comuns a vários municípios.

Mais uma vez, o encontro destacou a pré-candidatura de Ciro Gomes ao Palácio do Planalto. A governadora em exercício Izolda Cela marcou presença no encontro, além do presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Salmito Filho (PDT); os deputados Ferreira Aragão, Jeová Mota e Leônidas Cristino; o secretário de Política sobre Drogas, Claudio Saraiva; prefeitos, vereadores e lideranças de municípios da região.

(Foto: Divulgação)

Escancaramento da farsa denunciada por Janot é oportunidade para anular o impeachment

Da Coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (17):

A semana terminou com a segunda denúncia do procurador-geral Rodrigo Janot, contra o presidente imposto, Michel Temer, considerado por ele “chefe da quadrilha” do “PMDB da Câmara”, integrada, também, por seus sócios: Eduardo Cunha, Henrique Alves, Geddel Vieira Lima, Rodrigo Loures, Eliseu Padilha e Moreira Franco. Todos acusados de praticarem ações ilícitas em troca de propina por meio da utilização de diversos órgãos públicos, como Petrobras, Furnas, Caixa Econômica, Ministério da Integração Nacional e Câmara dos Deputados.

Outra acusação contra Temer foi a de crime de obstrução à justiça, por causa de pagamentos indevidos para evitar que Lúcio Funaro firmasse acordo de colaboração premiada. Bem como de instigar Joesley Batista a pagar, por meio de Ricardo Saud, vantagens a Roberta Funaro, irmã de Lúcio Funaro. Os três são denunciados por embaraçar as investigações de infrações praticadas pela “organização criminosa”. Contudo, as trapalhadas do próprio Janot, na delação da JBS, abriu brechas para eventual invalidação da denúncia contra o presidente biônico.

Abriu-se, agora, depois do escancaramento da farsa, a oportunidade para o Judiciário reconciliar-se com a plenitude do Estado Democrático de Direito, acatando as ponderações da presidente eleita Dilma Rousseff, no sentido de anular o impeachment, reconhecidamente viciado pela compra de grande parte dos congressistas por um esquema corruptor, confessado pelos próprios corruptores, como a JBS.

No entanto, vê-se o procurador-geral insistir num caminho que esfacela a democracia brasileira, ao se manifestar contrário ao pedido justo da presidente deposta: “O processo de impeachment foi autorizado e conduzido com base em motivação idônea e suficiente, não havendo falar em ausência de justa causa” – insiste ele.

São palavras sobre as quais, provavelmente, terá de responder perante a História.

Temer se encontra com Trump nesta segunda-feira

O presidente Michel Temer deverá se encontrar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta segunda-feira (18), em Nova York. O encontro será durante um jantar, do qual deverão participar ainda o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, e o da Colômbia, Juan Manuel Santos.

Na terça-feira (19), Temer participará da 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas, quando será o primeiro a discursar na ONU, seguindo a tradição da instituição de que o Brasil é o primeiro a ter palavra, desde 1947, quando o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Oswaldo Aranha, foi o primeiro a presidir o encontro.

Antes de viajar para os EUA, Temer deverá participar, ainda nesta segunda-feira, pela manhã, da cerimônia de posse de Raquel Dodge como procuradora-geral da República.

(Com a Agência Brasil)

Obama fará palestra em São Paulo no Fórum Cidadão Global

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama estará em São Paulo, dia 5 de outubro, para uma palestra no Fórum Cidadão Global, promovido pelo jornal “Valor Econômico” e pelo banco Santander Brasil.

Obama visitará o Brasil pela primeira vez desde que deixou a presidência dos EUA, no começo deste ano, para participar do encontro, que tem como objetivo “iniciar um diálogo sobre a responsabilidade das pessoas na construção de um futuro melhor”, confirmou o evento.

O tema do encontro será “Mudar o mundo? Sim, você pode”, uma referência ao famoso lema da campanha eleitoral de Obama em 2008: “Yes we can” (“Sim, nós podemos”).

O ex-presidente americano “é um dos principais defensores do papel do cidadão global do século XXI para superar os nossos maiores desafios sociais”, segundo destacou Frederic Kachar, diretor geral de mídia impressa do Grupo Globo, um dos proprietários do “Valor Econômico”, citado em comunicado.

Além de Obama, o evento contará com outros líderes empresariais que promovem o desenvolvimento de cidadão global em suas empresas.

Os ingressos para o fórum, que será realizado no Teatro Santander, no shopping JK Iguatemi, na zona oeste da cidade, estarão disponíveis a partir do dia 20 para clientes do banco. A partir do dia 25, será aberta a venda ao público geral.

Obama esteve no Brasil em 2011, quando ainda era presidente, acompanhado pela esposa, Michelle Obama, e pelas duas filhas, e visitou Rio de Janeiro e Brasília, onde se reuniu com a então presidente Dilma Rousseff.

(Agência Brasil)

Irã diz ter artefato com 10 toneladas, chamado de “pai de todas as bombas”

O Irã tem uma bomba de dez toneladas que é considerada “o pai de todas as bombas”, segundo o comandante da divisão aeroespacial dos Guardiões da Revolução Iraniana, Amir Ali Hajizadeh.

Hayizadeh, em declarações para a emissora estatal PressTV, detalhou que “a nossa indústria defensiva produziu bombas que pesam aproximadamente 10 toneladas e, se lançadas de aviões Ilyushin, têm uma alta capacidade destrutiva”.

Ele chamou o armamento de “pai de todas as bombas” e comparou-o com a bomba norte-americana GBU-43/B Massive Ordnance Air Blast, conhecida como “mãe de todas as bombas”. Esta foi lançada pelos Estados Unidos, em abril deste ano, sobre o Afeganistão.

Nas declarações, o alto comandante iraniano disse que o Corpo dos Guardiões da Revolução havia se infiltrado nos centros de Controle de Comando dos EUA. Hayizadeh, contudo, não forneceu nenhum detalhe que confirmasse essa infiltração.

“Nós, nestes anos, penetramos e estivemos presentes nos centros de Controle de Comando dos americanos e vimos tudo que fizeram, vimos o que eles veem, onde atacam, ao lado do que acontece e como eles sustentam o Estado Islâmico (EI)”, disse o comandante, que afirmou que a força militar do Irã tem “todos os documentos” dos movimentos dos americanos nos últimos anos e registros de tudo que fizeram no Iraque e Síria.

Ele acusou os norte-americanos de terem criado e dirigido o grupo terrorista e argumentou que, no futuro, poderia publicar documentos comprobatórios dessa relação.

(Agênca Brasil)

Camilo Santana e o cálculo político-eleitoral do ex-presidente Lula no Ceará

Em artigo sobre o xadrez político de 2018, o sociólogo e consultor político Luiz Cláudio Ferreira Barbosa acredita na saída de Camilo Santana do PT, como forma de construir um palanque mais forte à reeleição. Confira:

O governador Camilo Santana (PT) demonstra interesse em manter o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no seu palanque de reeleição, no próximo ano. Camilo Santana sabe do peso político-eleitoral do lulismo cearense nas pequenas cidades, onde há enorme sentimento de saudosismo da Era Lula (2003-2010) devido às políticas sociais e aos créditos financeiros. A candidatura presidencial do petista poderá ter entre 17% até 25% dos votos válidos, no pleito de 2018, em nosso Estado.

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) não recebeu a caravana do ex-presidente Lula, em terras cearenses. Ciro Gomes começa a trabalhar com a perspectiva de não receber apoio do Partido dos Trabalhadores à sua postulação política-eleitoral ao Governo Federal. O condomínio político-administrativo que era cirista-cidista-lulista (2003-2016) já não existe mais. Com isso, o governador Camilo Santana (PT) vai ser a ponte entre os antigos aliados nas eleições do Ceará.

Camilo ampliou o seu arco de aliança, após o fim da Era Lula-Dilma (2003-2016) à frente do Palácio do Alvorada, em Brasília. O governador do Ceará mantém um bom relacionamento administrativo com o presidente Michel Temer (PMDB), através do deputado federal Danilo Forte (PSB) e do presidente nacional do PSDB, o senador Tasso Jereissati. O chefe do Executivo estadual também já começa uma reaproximação com o senador Eunício Oliveira (PMDB), para ajudá-lo nas liberações dos recursos financeiros do Governo Federal.

Eu acredito na saída do governador Camilo Santana dos quadros do Partido dos Trabalhadores. Camilo deverá ir para o Podemos ou para o Partido Socialista Brasileiro, no início do próximo ano, com a construção do seu palanque de reeleição, porém terá três palanques a nível presidencial: Ciro Gomes (PDT), Lula (PT) e o candidato nacional do PSDB.

A lógica política do Palácio da Abolição é a garantia antecipada da reeleição do atual chefe do Executivo do Governo Estadual, já o processo eleitoral a nível nacional, sem dúvida é questão secundária.

Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, sociólogo e consultor político

Temer e Aloysio Nunes se reúnem neste sábado no Palácio do Planalto

O presidente da República, Michel Temer, se encontra reunido neste sábado (16), no Palácio do Planalto, com o ministro das Relaçõe Exteriores, Aloysio Nunes. Segundo a assessoria de imprensa da Presidência, a reunião é para discutir a agenda que Temer terá nos Estados Unidos, na semana que vem, onde participará da 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas, na terça-feira (19).

Nos Estados Unidos, Michel Temer será o primeiro a discursar na Organização das Nações Unidas (ONU), seguindo a tradição da instituição de que o Brasil é o primeiro a ter palavra desde 1947, quando o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Oswaldo Aranha, foi o primeiro a presidir o encontro.

Na segunda-feira (18), o presidente brasileiro deve se encontrar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Nova York. O encontro será durante um jantar, do qual devem participar também o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, e o da Colômbia, Juan Manuel Santos.

Antes de viajar para os EUA, Temer deve participar, ainda na segunda-feira pela manhã, da cerimônia de posse de Raquel Dodge como procuradora-geral da República.

(Agência Brasil)