Blog do Eliomar

Categorias para Política

Ciro diz que São Paulo é “o centro da crise brasileira e o centro para a saída da crise”.

Em passagem por Bauru (SP), nesta quinta-feira, o presidenciável Ciro Gomes (PDT) voltou a destacar a importância do estado de São Paulo para a retomada do crescimento do país. Entrevistado pela TV Preve, dessa cidade, o pré-candidato disse que o estado “é, a um só tempo, o centro da crise brasileira e o centro para a saída da crise”.

“É aqui que está a ciência, a tecnologia do país. É aqui que está o empreendedorismo de várias vocações. Portanto, nós precisamos agitar São Paulo porque o Brasil, mais uma vez, está precisando de São Paulo”, enfatizou o presidenciável.

Ciro, que já foi ministro da Fazenda no governo Itamar Franco, tem defendido que a geração de empregos no Brasil deve ser pensada a partir da realidade de cada estado.“A construção civil, por exemplo, só ela já matou nos últimos anos em São Paulo quase 400 mil empregos”.

De acordo com o presidenciável, “obra parada é o que não falta para todo lado, porque se retirou os mecanismos de financiamento, de infraestrutura do Brasil”. “Enquanto nossa gente está obrigada a viver no biscate, como se chama lá no Nordeste”.

Reforma da selvageria

Ciro Gomes tem criticado a reforma trabalhista aprovada pelo governo Michel Temer em 2017. Segundo ele, a nova lei é uma selvageria com o trabalhador. Ele ressalta, porém, que não é preciso ter medo de modernizar as leis trabalhistas, no entanto é preciso fazer uma reforma justa, moderna, e que leve em consideração as relações saudáveis entre empregado e patrão.

(Com  Rádio Mais)

PSTU vai lançar Gonzaga como pré-candidato ao Governo

204 1

O PSTU vai lançar neste sábado, às 9 horas, em sua sede, em Fortaleza, a pré-candidatura de Francisco Gonzaga ao Governo do Ceará. O ato, como o próprio Gonzaga divulga em vídeo para este Blog, haverá a divulgação das propostas da presidenciável da legenda, Vera Lúcia. Ela, inclusive, é aguardada na Capital cearense nesta sexta-feira.

 

Ministro do Trabalho presta depoimento na sede da PF

Alvo da 3ª fase da Operação Registro Espúrio, deflagrada hoje (5), pela Polícia Federal (PF), o ministro do Trabalho, Helton Yomura, prestou depoimento na superintendência do órgão, em Brasília. Yomura apresentou-se acompanhado por seu advogado por volta das 10h30min. E depôs por cerca de 1 hora. Como as investigações correm em sigilo, a PF não confirmou detalhes da operação.

Em nota, a corporação explicou apenas que a nova fase da operação Registro Espúrio tem o objetivo de combater uma organização criminosa que atuava na concessão fraudulenta de registros sindicais no Ministério do Trabalho.

Dez mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido da Polícia Federal e da Procuradoria-Geral da República estão sendo cumpridos em Brasília e no Rio de Janeiro.

Em nota, o advogado do ministro, César Caputo Guimarães, confirmou que, em função das investigações, Yomura está suspenso de suas funções no ministério e que todas as medidas jurídicas cabíveis estão sendo adotadas para reverter tal medida, determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Sobre as suspeitas que recaem sobre o ministério, a defesa afirma que o ministro “adotou rigorosas providências institucionais para a garantia do interesse público”, entre elas, a exoneração imediata de todos os servidores sob investigação, abertura de sindicância e processos administrativos para averiguação dos fatos e suspensão de todos os atos que pudessem provocar repercussões no âmbito da investigação.

“Tendo a certeza de não ter cometido nenhum ato ilícito e que suas ações correspondem a uma política de valorização dos trabalhadores e das instituições, o ministro Helton Yomura, mesmo não sabendo de que atos está sendo acusado, nega veementemente qualquer imputação de crime ou irregularidade”, acrescenta a nota da defesa.

(Agência Brasil)

Junta Comercial aposta em inovação tecnológica

Com a implementação no país da primeira tecnologia blockchain (sistema que possibilita imutabilidade de dados), a Junta Comercial do Estado do Ceará ganhou destaque no cenário nacional no plano da inovação em gestão pública.

Essa experiência está sendo apresentada nesta quinta feira, em São Paulo, no evento Blockchain Meeting 2018, pela presidente da Jucec, Carolina Monteiro. Ela vai apresentar o painel Inovação na Gestão Pública.

(Foto – Divulgação)

TRE convoca mesários para as Eleições 2018

A Justiça Eleitoral dará início, nesta sexta-feira, às convocações dos mesários que auxiliarão os trabalhos no pleito de outubro próximo. No Ceará, o Tribunal Regional Eleitoral colocará em prática uma nova modalidade de convocação: o sistema Convoca-E. A ferramenta permitirá aos cartórios eleitorais de todo o estado convocarem os colaboradores (mesários e auxiliares de eleição) por meio de mensagem eletrônica enviada ao e-mail informado pelo eleitor à Justiça Eleitoral.

Quem já trabalhou em eleições anteriores e quer aderir ao novo sistema deve entrar no sítio eletrônico do TRE-CE (www.tre-ce.jus.br) e preencher o Formulário de Autorização de Convocação Eletrônica. Já os eleitores que quiserem se voluntariar para trabalhar nas próximas eleições podem procurar o cartório da zona eleitoral a que pertencem ou preencher formulário no portal do TRE-CE, através do banner Mesário Voluntário. As informações são da assessoria de imprensa do TRE.

Validação

Aos colaboradores já cadastrados no Convoca-E, será enviada uma mensagem sem links por correio eletrônico. Para validar a convocação, o eleitor deverá acessar o site do TRE-CE e digitar o código de autenticação constante no e-mail recebido.

O TRE-CE reforça, contudo, que nem todos os auxiliares receberão a convocação pelo e-mail; apenas os que tenham informado o endereço eletrônico e autorizado a Justiça Eleitoral a enviar a mensagem. Aqueles que não se cadastraram receberão a convocação por carta (comunicação escrita), como em eleições anteriores.

Metrofor – Sai dinheiro para a Linha Leste

691 1

 

O presidente da Caixa, Nelson Antonio de Souza, falando no ato. Sob olhares de Eunício e Camilo.

O Governo do Ceará recebeu cerca de R$ 660 milhões do Orçamento Geral da União, por meio da Caixa Econômica Federal. Os recursos serão empregados na construção do primeiro trecho da Linha Leste do Metrô de Fortaleza. O Estado entra com contrapartida de cerca de R$ 12 milhões. O termo foi assinado nesta manhã desta quinta-feira, no gabinete do governador Camilo Santana (PT). Entre testemunhas, o senador Eunício Oliveira. Ele destacou “o empenho e o comprometimento do ministro Alexandre Baldy (Cidades), em assegurar os recursos para o Estado, sem necessidade de ressarcimento.”

Camilo destacou o empenho também de Eunício Oliveira na conquista desses recursos. “O senador Eunício é o grande maestro dessa conquista, que não é nossa, mas sim de todo o povo cearense. Agradeço ainda ao ministro Baldy e à Caixa, que não mediram esforços pela retomada dessa obra tão importante”, disse o governador.

O presidente nacional Caixa, Nelson Antonio de Souza, afirmou que o metrô é uma das intervenções mais importantes que uma grande capital pode realizar. A liberação, do tamanho montante de recursos, foi considerada por ele como “inédita”.

Metrofor

A Linha Leste do Metrofor vai ligar o Centro de Fortaleza ao bairro Papicu, fazendo conexão com as Linhas Sul e Oeste, com o VLT Parangaba-Mucuripe e com o terminal de ônibus no Papicu. O restante dos recursos para conclusão da obra será obtido por meio de empréstimo junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com quantia que supera R$ 1 bilhão, em vias de contratação.

Durante a solenidade, também foi assinada a homologação da licitação para as obras civis e sistemas de alimentação de energia elétrica, telecomunicações, sinalização e controle, bilhetagem, ventilação e equipamentos de oficina da Linha Leste do Metrofor. O consórcio responsável é formado pela Construtora Ferreira Guedes S/A e Sacyr Construcción S/A.

Paz à base de bala?

Com o título “Paz à base de bala?”, eis artigo de Marcelo Uchoa, advogado e professor universitário. Ele comenta, em tom de crítica, o cenário de investimentos na segurança do Estado feitos pelo governo do Estado. Confira:

Sólon, um dos Sete Sábios da Grécia Antiga, dizia: “não dê a um amigo o conselho mais agradável, mas o mais útil”. A máxima não tem sido aplicada no planejamento da segurança pública do Ceará. Para confrontar a bancada oposicionista da bala a opção tem sido franquear o aconselhamento mais agradável ao plano eleitoral, menos útil à construção de uma sociedade fraterna.

Ao assumir o mandato, em 2015, o governador Camilo Santana emprestou duas valiosas lições à prática política: decidiu não afixar seu retrato nas repartições públicas, determinando fossem os mesmos substituídos por imagens de cidadãs e cidadãos cearenses; conclamou todos os poderes e a sociedade civil a se unirem em torno de uma proposta transformadora para a segurança pública estadual, o Ceará Pacífico, integrando à perspectiva da vigilância institucional ações de infraestrutura, saúde, educação, cultura, meio ambiente, geração de renda e oportunidades, acesso à justiça, etc.

Ontem (04/07), durante a inauguração de uma nova sede do Batalhão do Raio, em Fortaleza, o governador pôs abaixo o simbolismo das duas iniciativas, ao deixar-se contaminar pelo agrado de mau gosto de uma escultura de si elaborada à bala calibre .40. A ação, deseducadora, associada à estratégia de militarização, a todo custo, do Ceará, viabilizada com vultosa convocação de policiais e multiplicação de batalhões repressivos, prestes a ser endurecida com a chegada de um “panóptico” federal, que tornará a vida civil 24h por dia vigiada, desprestigia a concepção do Ceará Pacífico.

Paz não se realiza com terror. Insistir na política do medo para aplacar a criminalidade é uma alternativa que foge à razão. É hora dos órgãos e instituições que integram o Ceará Pacífico levarem ao coletivo a discussão sobre as graves implicações de uma equivocada militarização no Estado. Ao PT cearense cabe ponderar junto ao seu mais ilustre filiado acerca das políticas de segurança em uso, inclusive as estratégias de apelo social. Antes houvesse fotos do governador em todas as repartições estaduais do que uma só imagem sua adornada com bala.

*Marcelo Uchôa

Advogado e Professor Doutor de Direito/Unifor.

Chico Lopes questiona decisão da Enel de não aceitar pagamento da conta de luz via lotéricas

O deputado federal Chico Lopes (PCdoB) reagiu, na Comissão de Defesa do Consumidor, da Câmara dos Deputados, em Brasília, contra a decisão da Enel Distribuidora de rescindir contrato com a Caixa Econômica Federal e assim não permitir mais o pagamento da conta de luz via lotéricas. A rescisão do convênio da concessionária de energia com a Caixa Econômica Federal prejudica aproximadamente 5 milhões de pessoas no Estado do Ceará, alerta o parlamentar, citando número estimado pelo Sindicato das Empresas Lotéricas e Similares no Estado do Ceará (Sindiloce). O fim do contrato da Enel coma CEF está previsto para 5 de agosto próximo.

“Como é que se justifica tirar da população, que já paga caro pela energia e convive com um serviço que muitas vezes deixa a desejar em termos de qualidade, o direito de pelo menos pagar a conta de forma mais prática, nas lotéricas, sem precisar pegar fila em banco?”, questiona Chico Lopes.

Segunbo Vhico Lops, essa  medida, que deverá ser ruim para os consumidores que moram em Fortaleza, acabará piorando para os que vivem no Interior do Estado, inclusive em municípios em que as lotéricas, muitas vezes, são o único contato da população com os bancos, diz o parlamentar.

“Estamos questionando essa medida, por entender que ela prejudica diretamente o consumidor. A Enel, assim como as demais concessionárias de energia, precisa lembrar que não é somente uma empresa visando ao lucro, e sim uma empresa beneficiada por uma concessão pública, o que traz responsabilidades com o consumidor e com o cidadão”, ressalta Chico Lopes.

(Foto – Agência Câmara)

Presidenciável do PSTU visita Fortaleza

A sindicalista Verá Lúcia, presidenciável do PSTU, visitará Fortaleza neste sábado. Às 9 horas, na sede da sigla, ela divulgará suas propostas e conferirá o lançamento da pré-candidatura de Francisco Gonzaga ao Governo. Gonzaga é líder entre trabalhadores da construção civil do Estado.

Vera tem origem como operária sapateira e nasceu em Pernambuco. Mudou-se para Aracaju, em Sergipe, ainda pequena, fugindo da seca. Entrou na fábrica de calçados bem jovem, onde organizou o sindicato e liderou lutas da categoria. É formada hoje em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Sergipe

(Foto – Divulgação)

Rodrigo Maia quer gastar até R$ 149 mil com xícaras, açucareiros e canecas

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), está disposto a desembolsar até 149 mil reais na compra de materiais de copa para a Câmara, tais como açucareiros, adoçantes, bandejas, canecas, coadores, colheres, esponjas, xícaras e pires.

Na proposta, segundo informa a Coluna Radar, da Veja, a empresa vencedora da licitação deverá prover 2 364 flanelinhas alaranjadas, 4 248 copos de vidro, 3 072 panos de prato, 1 920 xícaras, entre outros.

(Foto – Agência Brasil)

O pão e a reforma tributária

Com o título “O pão e a reforma tributária”, eis artigo do jornalista Plínio Bortolotti, que pode ser lido também no O POVO desta quinta-feira. Confira:

Estudo do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) mostra que a reforma trabalhista fez o empregado perder, em média, R$ 14 em seu salário. Segundo o analista político do Diap, André Santos, “pode parecer pouco para a classe média, mas é muito significativo para quem ganha o salário mínimo”.

Ele fez a declaração no seminário realizado na Câmara dos Deputados com o tema Impactos da Aplicação da Nova Legislação Trabalhista no Brasil, conforme registrou o jornal Valor Econômico (3/7/2018). De fato, R$ 14 representam muito para um trabalhador com salário de R$ 954, pois com o valor pode-se comprar um quilo de pão, por exemplo.

Se o objetivo era “dinamizar a economia e modernizar as relações de trabalho”, disse Santos, a reforma falhou, pois não houve crescimento do emprego de janeiro a março deste ano, com as mudanças já em vigor. Números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) atestam a afirmativa do técnico, revelando que o índice de desemprego atingiu 13,1% no trimestre encerrado em março, com 13,7 milhões de desempregados no País, o maior índice desde maio do ano passado.

Segundo Santos, o trabalho intermitente não deveria ter sido posto em prática da forma “irracional” como foi legalizado, permitindo a demissão de trabalhadores fixos para voltar contratá-los como intermitentes. Para a pesquisadora Marilane Teixeira, da Universidade de Campinas (Unicamp), os “postos de trabalho estão sendo destruídos”, gerando-se empregos predominantemente informais, precários e de baixa remuneração.

Mas pode ser que ambos estejam sendo precipitados, a exemplo das pessoas que acreditaram que o preço da passagem aérea cairia, a partir da cobrança pelo despacho da bagagem. O caso é que houve aumento no preço. Então, Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) correu para explicar ao distinto público que era necessário esperar pelo menos cinco anos para avaliar o impacto da medida.

Resta agora perguntar ao governo de Michel Temer quanto tempo será necessário para a reforma trabalhista surtir efeito: cinco, 10 anos? Até lá, quantos quilos de pão o trabalhador irá perder?

*Plínio Bortolotti

plinio@opovo.com.br
Jornalista do O POVO.

Governo só firma acordo com Porto de Roterdã em outubro

Da Coluna O POVO Economia, da jornalista Neila Fontenele, no O POVO desta quinta-feira:

O governador Camilo Santana (PT) queria assinar, neste mês, o contrato com o Porto de Roterdã, mas a documentação só deve ficar pronta em outubro.

O presidente do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), Danilo Serpa, informou ontem que a Câmara dos Países Baixos passa por mudanças, depois de ser submetida a processo eleitoral, e a finalização da documentação com o Ceará deve coincidir com o recesso na Assembleia Legislativa.

(Foto – Divulgação)

Trabalhadores do Porto do Pecém ameaçam greve

Trabalhadores do Porto do Pecém, em São Gonçalo do Amarante (Região Metropolitana de Fortaleza), ameaçam greve.

A categoria vive clima de negociações do Acordo Coletivo de Trabalho 2018, mas reclama que a diretoria da Companhia de Desenvolvimento do Complexo Portuário e Industrial do Pecém (CIPP S/A) não quer sentar à mesa para discutir propostas.

A CIPP S/A ofereceu apenas o repasse da inflação anual, sem discutir novas cláusulas, reclamam os trabalhadores. Na ultima terça-feira, houve um protesto, mas, segundo o diretor do Sindicato Mova-se, Hernesto Luz, nada de diálogo.

Sobre o caso, o presidente da CIPP S/A, Danilo Serpa, diz que está aberto à negociação, mas lembra que, como é uma empresa do governo, segue o que o governo define, no caso o repasse da inflação. “Eu desconheço greve. Tenho três anos aqui e negociamos sem ameaça de greve. Continuamos abertos ao diálogo”, adianta Serpa.

(Foto – Divulgação)

Hospital Regional de Morada Nova terá reforma concluída

Uma emenda individual apresentada pelo primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, Audic Mota (PSB), vai garantir a conclusão das obra de reforma do Hospital Regional Francisco Galvão de Oliveira, de Morada nova (Vale do HJaguaribe). O parlamentar celebrou, na tarde dessa quarta-feira, o Termo de Ajuste entre Secretaria de Saúde do Estado e Prefeitura, o que garantiu a transferência dos recursos para o município realizar os serviços.

O termo foi assinado pelo prefeito Vanderley Nogueira e o secretário-adjunto da Saúde, Marcos Antonio Maia, na presença de Audic Mota, e representa um investimento da ordem de R$ 1,997 milhão.

Na oportunidade, Audic Mota ainda enfatizou que o pleito do hospital foi trazido ao seu gabinete pelo prefeito e seus amigos no município, entre os quais o presidente do Sistema Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Morada Nova, Edgar Amaral. Os vereadores Marcos Aurélio Lopes, Hilmar Sérgio e Rose Mary Monteiro e o ex-deputado Franciné Girão também haviam feito o apelo.

(Foto – Divulgação)

INSS vai exigir agendamento para imprimir extrato de contribuições

A partir de 16 de julho, será necessário agendar dia e horário para pedir o extrato do CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) em um posto da Previdência Social. O agendamento deverá ser realizado pelo telefone 135 ou no site Meu INSS. O extrato também pode ser conseguido pela internet. As informações são da Folhapress.

Outros serviços que passarão a ser atendidos mediante agendamento são consulta ao histórico de crédito de benefício, carta de concessão, extrato de empréstimo consignado, extrato de Imposto de Renda e consulta à declaração de benefício consta/nada consta. Todos já acessíveis pela rede.

Caso o cidadão compareça à agência para solicitar um dos serviços, será orientado a fazer o agendamento e receberá a senha para que possa acessar o serviço pela internet, se preferir, ou agendar o atendimento na agência.

Desde esta segunda (2), o site de serviços do INSS passou a permitir a atualização dos dados de contato, tais como endereço, telefone e email. Já era possível fazer essa atualização pelo telefone 135. Agora, o cidadão também poderá fazer essas alterações online.Para usar o sistema é necessário cadastrar senha.

Cid Gomes discorda de marqueteiro de Ciro e monta equipe de campanha para atuar nas redes sociais

773 3

Marqueteiro da campanha de Ciro Gomes (PDT), o publicitário Miguel Canabarro prega que a eleição deste ano será definida bem longe das arenas virtuais e, acredite se quiser, tenta convencer o pedetista a deixar a internet em segundo plano. É o que informa a Veja Online.

Certo, no entanto, de que Canabarro vive no mundo da lua, o irmão e coordenador da campanha de Ciro, o ex-governador Cid Gomes (PDT), está tendo que se desdobrar para montar, de última hora, uma equipe de marketing na internet.

Em 2018, é o básico.

(Foto – Agência Brasil)

Jair Bolsonaro quer que PR rompa aliança com o PT nos Estados para fechar acordo

A jogada que pode mudar as chances de Jair Bolsonaro (PSL) na eleição, só depende agora de ajustes restritos aos planos regionais do PR. A cúpula do partido de Valdemar Costa Neto diz que é real a chance de uma aliança fiada na indicação de Magno Malta (PR-ES) à vice do deputado, mas explica que quer replicar a coligação em estados onde o PSL tem puxadores de voto, como SP e RJ. O presidenciável, por sua vez, exige que antes de fechar com ele o PR se afaste do PT nas disputas locais, informa a Coluna Painel da Folha de S.Paulo desta quinta-feira.

Um integrante do PR diz que a proposta de Bolsonaro obrigaria a sigla a revogar acordos com petistas da BA e de MG, por exemplo.

O apoio ao capitão reformado do Exército ainda não é unanimidade, mas Valdemar Costa Neto, que é quem comanda a legenda, estaria praticamente convencido de que esta seria a melhor aposta.

O PR tem identificação com o PT, mas Valdemar, dizem aliados, só confia em Lula para fechar um acordo.

A adesão do PR ajudaria Bolsonaro especialmente em dois pontos: com tempo de propaganda na TV e com a sinalização de que não seria impossível montar uma base de apoio no Congresso.

(Foto – Pedro Ladeira, da Folhapress)

VAMOS NÓS – No Ceará, o PR, sob comando da deputada federal Gorete Pereira, apoia a reeleição do governador Camilo Santana (PT).

Ministro do Trabalho é suspenso do cargo em operação da PF

O Ministro do Trabalho, Helton Yomura, foi suspenso do cargo em uma nova fase da Operação Registro Espúrio, deflagrada pela Polícia Federal nesta quinta-feira (5). O pedido de suspensão, feito pela PF, foi autorizado pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). A informação é do Portal G1.

Na decisão, Yomura foi impedido de frequentar o Ministério do Trabalho e de manter contato com demais investigados ou servidores da pasta.

Na manhã desta quinta-feira, a PF também cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete do deputado federal Nelson Marquezelli (PTB-SP). Assim como Yomura, ele foi proibido de frequentar o ministério e de manter contato com outros investigados e servidores da pasta, exceto quando for imprescindível ao exercício do mandato de deputado.

A Operação Registro Espúrio investiga uma suposta organização criminosa integrada por políticos e servidores que teria cometido fraudes na concessão de registros de sindicatos pelo Ministério do Trabalho.

O G1 tenta contato com a defesa de Nelson Marquezelli e Helton Yomura. Ao todo, a PF foi às ruas para cumprir 10 mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporária em Brasília e Rio de Janeiro.

Segundo a PF, as investigações e o material coletado nas primeiras fases da Operação Registro Espúrio indicam a participação de novos atores e apontam que cargos da estrutura do Ministério do Trabalho foram preenchidos com pessoas comprometidas com os interesses do grupo criminoso, permitindo a manutenção das ações ilícitas.

(Foto – O POVO)

É preciso preservar as Instituições

Com o título “É preciso preservar as Instituições”, eis o Editorial do O POVO desta quinta-feira. Aborda a crise entre o STF e magistrados da Lava Jato. Confira:

O conflito instalado entre Supremo Tribunal Federal (STF) e procuradores, ativos nas redes sociais, principalmente aqueles ligados à operação Lava Jato, está manchando a imagem das instituições. O ambiente tornou-se tóxico e pode transbordar, chegando a um ponto em que se tornará irreversível, levando o País a um transtorno sem precedentes, se a situação não for contida. A crise parece ter-se transferido do parlamento para as instituições jurídicas, com a diferença que o Congresso é justamente o lugar do embate, e mesmo do confronto político.

Porém, o Judiciário e outras instituições ligadas ao Direito, deveriam ter outra forma de comportamento, mais voltada para a prudência, mantendo o compromisso com discrição e com a aplicação da lei, de modo imparcial. Por isso, juízes, desembargadores e ministros de cortes superiores, deveriam evitar manifestar-se fora dos autos, o que, infelizmente, tornou-se muito frequente entre alguns magistrados.

O mesmo se pode dizer de certos procuradores, que resolveram confrontar abertamente a decisão de ministros que contrariam decisões de juízes de primeira instância, ou os métodos utilizados na operação Lava Jato. Foi o que aconteceu nesta semana com a decisão da Segunda Turma do STF de libertar José Dirceu. Em postagem no Twitter, o procurador Deltan Dallagnol, de Curitiba, acusou Dias Tofolli de “cancelar cautelares de seu ex-chefe”, clara referência ao período em que o ministro – antes de assumir o STF – atuou como advogado do PT. Dallagnol insurgiu-se contra a medida de Tofolli, que cancelou a decisão do juiz Sérgio Moro para que Dirceu usasse tornozeleira eletrônica, mesmo com o alvará de soltura do STF. Logo depois, a procuradora Monique Cheker, do Ministério Público Federal de Petrópolis (RJ) insinuou, via postagem no Twitter, que integrantes do STF (sem citar nomes) estariam ganhando “por fora” para beneficiar “companheiros”, afirmando ainda que “não há limite” para os “caras” do STF.

Em seguida entraram em campo as associações de juízes e procuradores, cada uma defendendo a atuação de seus membros.

Não se discute aqui quem está certo ou quem está errado na pendenga. Os indícios apontam que a responsabilidade pode ser dividida entre os contendores. Entretanto, se o processo continuar nesse ritmo, haverá deslegitimação das instituições jurídicas de forma generalizada. Portanto, passou da hora de cada uma das partes recolher as armas e encontrar uma solução para o conflito, para o bem do País.