Blog do Eliomar

Categorias para Sem categoria

Projeto da Unilab vai para o Senado

A Câmara dos Deputados aprovou a redação final do projeto que cria a Universidade Internacional de Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), que será instalada, a partir deste ano, no município de Redenção (Região Metropolitana de Fortaleza).

Mauro Benevides (PMDB), que foi relator da matéria, anunciou formalmente que o projeto seguirá, na tarde desta quarta-feira, para apreciação no Senado. A expectativa é de que dentro de 30 dias a Casa que ele presidiu decida a respeito dessa matéria.

Em clima de almoço, Serra e Tasso dão garfadas na Era PT

 

Luciana Dummar ( O POVO) e a mesa central.

O pré-candidato a presidente da República pelo PSDB, José Serra, reiterou, nesta terça-feira, agora em clima de almoço-palestra no Gran Marquise Hotel, em Fortaleza, que nada tem contra o Nordeste. Ele disse que, quando presidente da UNE, fez sua primeira viagem a um Estado brasileiro e que esse Estado era o Ceará. Serra, segundo convidado de evento do Grupo de Comunicaçao O POVO, com presidenciáveis – o primeiro foi Dilma Rousseff (PT), lembrou que, quando ministro do Planejamento do Governo FHC, ajudou o Estado com a liberação de projetos estruturantes com o Porto do Pecém e o Aeroporto Internacional Pinto Martins, bem como o Castanhão.

Sob olhares da presidente do O POVO, Luciana Dummar, e de um auditório lotado de empresários, lideranças de entidades da sociedade civil, políticos e profissionais liberais, o pré-candidato tucano acabou ganhando um aliado na tese de que não tem preconceitos para com o nordestino. A defesa foi feita pelo senador tucano Tasso Jereissati que, tmbém, pediu para desfazer essa idéia e ainda a idéia de que o Serra não gosta dele.

Tasso Jereissati afirmou que iria levar o pré-candidato José Serra, ao Porto do Pecém, em São Gonçalo do Amarante, obra que atribui a um esforço “pessoal” do tucano. O gesto seria uma forma de mostrar que se fosse a pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, ela teria de visitar obras invisíveis do PAC. “Teria que visitar o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e o PAC no Ceará é invisível”, pontuou.

Serra reiterou: não é contra o Nordeste.

O pré-candidato do PSDB, José Serra, afirmou, em sua palestra, prometeu  criar um conselho de desenvolvimento regional. “Será subordinado à Presidência. Vai ter que se reunir comigo. Será concreto. Não é para chorar, ter peninha”. Também dar prioridade à segurança – “que em alguns lugares está melhor e outros está pior”, e ao setor saúde. “Nós começamos a fazer em São Paulo e deu certo. A saúde precisa ganhar o ritmo que teve no passado”, afirmou. Antes desse almoço, ele se encontrou por quase duas horas, com um grupo de médicos que pretende criar um comitê pró-Serra. 

Serra voltou a destacar sua atuação em favor do Ceará: “Aqui no Ceará se fala muito da siderurgia e da refinaria. Não vieram para cá. Ficou só no papel e é uma coisa que nós vamos tirar do papel. Essa ferrovia transnordestina em que também se falou muito, mas só no último se começou, mas é uma coisa muito pequenininha. Nesse ritmo demoraria décadas. Eu calculo como investimentos”. O tucano não lembrou que siderúrgica e refinaria foram promessas também do Governo FHC.

Serra ainda citou a transposição do rio São Francisco. “Começou a ser feita na Bahia, mas no Ceará ainda não aconteceu. Nós vamos tocar tudo que tiver no meio, tudo que tiver no começo. A pior coisa para o nosso país é obra inacabada. Botou dinheiro não tem nenhum retorno econômico ou social”, didatizou o tucano.

Beto Studart  – liderança empresarial.

(Fotos – Paulo Moska)

Princípio de incêndio suspende sessão da Câmara

A sessão da Câmara Municipal de Fortaleza foi suspensa na manhã desta terça-feira (18), por um princípio de incêndio no sistema de refrigeração do plenário. No momento da fumaça, o líder da oposição, vereador Plácido Filho (PDT), criticava o princípio de incêndio no sistema de refrigeração do Instituto Doutor José Frota (IJF), no último sábado. Será que não foi praga de alguém da administração municipal, que mexe com coisas esotéricas?

Presidente do TJ vai à OAB expor projeto de Virtualização da Justiça

“O presidente do Tribunal de Justiça do Ceará, desembargador Ernani Barreira, estará na sede da Ordem dos Advogados do Brasil – secção Ceará, a partir das 14h30min desta terça-feira. Ali, ele vai apresentar, formalmente, a virtualização do Poder Judiciário cearense, que já está em curso, aos conselheiros e membros da OAB/CE. A virtualização da Justiça estadual teve início nesta segunda-feira (17/05) na Vara Única de Execução Penal e Corregedoria de Presídios (VEP) do Fórum Clóvis Beviláqua, que funcionará como vara-piloto. Serão atualizados e informatizados cerca de 15 mil processos que tramitam nessa unidade judiciária.

O Sistema de Automação da Justiça (SAJ) começou a ser alimentado com o histórico das partes, situação atual do processo e concessão de benefícios. Além disso, já foram inseridos no SAJ modelos de sentenças, despachos, decisões e ofícios. O sistema vai permitir, entre outras ações, a produção de documentos para processos diferentes e a realização dos expedientes processuais.

Depois da VEP, será a vez das nove Varas da Fazenda Pública e das seis Varas de Execuções Fiscais terem os trâmites informatizados. No prazo de um ano, toda a Comarca de Fortaleza estará funcionando de forma virtual. Ao longo de 2011, as comarcas do interior implementarão o novo sistema.”

(Site do TJ-CE)

Serra chega, mas coletiva à imprensa atrasa

A coletiva à imprensa do pré-candidato tucano José Serra, à Presidência da República, marcada inicialmente para as 12 horas desta terça-feira (18), no Gran Marquise Hotel, na avenida Beira Mar, ainda não começou. O pré-candidato atrasou um pouco e a entrevista deverá ocorrer por volta das 13 horas. Quem chegou antes do horário foi o senador Tasso Jereissati (PSDB), o que surpreendeu colegas jornalistas. O senador se mostrou bastante confiante para a volta do partido ao Palácio do Planalto. Já o deputado Cirilo Pimenta reclamou da ausência do palanque para José Serra no Ceará. O deputado defende uma candidatura própria do PSDB ao Governo do Estado.

Serra canta "Juazeiro" de Luiz Gonzaga

Bastante simpático e com direito a cantarolar. Eis como amanheceu, nesta terça-feira, em Fortaleza, o pré-candidato a presidente da República, José Serra, em seu primeiro compromisso do dia. Serra deu entrevista ao jornal Alerta Geral, da Rede SomZoom Sat.

Durante a entrevista, Serra fez um balanço das obras implantadas no Ceará na Era do Governo FHC como o Porto do Pecém, que receberá sua visita nesta tarde de terça-feira. 

Serra rechaçou a ideia de que tenha preconceito com a região e chegou a dizer que, logo aos quatro anos de idade, aprendeu a cantar “Juazeiro”, sucesso entoado pelo grande Luiz Gonzaga.

Atrasa agenda de Serra no Cariri

A programação do pré-candidato a presidente da República pelo PSDB, José Serra, vai atrasar em Juazeiro do Note (Região do Cariri). Ele deveria ter desenbarcado às 15h30min, mas, segundo sua assessoria, houve atrasos que o farão pousar no Aeroporto Regional do Cariri por volta das 17h40min.

O roteiro continua o mesmo: Serra visitará o horto do Padre Cícero, a Igreja dõ Socorro, onde estão os restos mortais do religioso, devendo ainda visitar o Hospital São Vicente de Paulo, em Barbalha.

Por último, o pré-candidato terá encontro com lideranças no Crato Tênuis Clube,na cidade do Crato.

Vice de Cid – Pinheiro diz que quer conversar com Luizianne

“Discreto ele é. Paciente também. Entre a discrição e a paciência, o professor Francisco Pinheiro foi acumulando forças dentro do governo Cid Gomes, especialmente junto ao governador, para chegar em 2010, no momento da definição sobre o palanque majoritário da aliança liderada por PSB e PT desde 2006, com chances de permanecer vice-governador. A resistência parece vir de onde menos se esperava: do seu próprio partido, o PT, e da responsável pela indicação dele, quatro anos atrás, a prefeita de Fortaleza, e atual presidente estadual petista, Luizianne Lins.

Todos falam que Luizianne não banca mais o nome de Pinheiro, ela até já fez um gesto concreto nesse sentido ao orientar o ex-assessor direto, jornalista Valdemir Catanho, a se desincompatibilizar, mas Pinheiro diz que ainda precisa ouvir da própria boca dela que não tem mais a sua simpatia para renovar a dobradinha com Cid.

Francisco Pinheiro evita ser uma peça decorativa dentro do governo. Sua agenda é movimentada, o que, inclusive, dificultou a própria entrevista que O POVO publica nesta página, fruto de uma conversa que exigiu três momentos, em três dias, para ser finalizada. Confira os trechos principais

O POVO – Qual a análise que o senhor faz do quadro político do momento, especialmente do ponto de vista do PT?
Francisco Pinheiro – Há um processo de definição do quadro nacional que nos dá uma certa tranquilidade. Esta é, talvez, a eleição em que o PT, internamente, tenha tido mais tranquilidade, não há qualquer grande desentendimento em torno da indicação da Dilma (Rousseff, ex-ministra-chefe da Casa Civil), algo que, inclusive, muda um pouco a nossa característica. O PT sempre foi marcado por um debate muito forte em torno da escolha dos nossos candidatos e, em 2010, tivemos esse processo que, do meu ponto de vista, como militante há quase 25 anos, foi o mais tranquilo da história do partido.

OP – Quando à escolha da ministra Dilma como candidata à sucessão de Lula, o senhor a considera boa?
Pinheiro – Acho que, tecnicamente, é a pessoa que está no coração de tocar o governo (Lula). Ela teve papel importante na elaboração dos principais projetos. Desde quando era ministra das Minas e Energia a Dilma já demonstrou muita dedicação ao esforço de pensar o Brasil participando da discussão de uma das questões mais importantes e complexas do País que, sem dúvida, é o da matriz energética. Ela, hoje, conhece o governo por dentro, em termos da máquina pública, e também conhece o governo na sua exteriorização, por ser quem, dentro do governo, acompanha as obras públicas.

OP – A tranqüilidade interna nacional que o PT experimenta, conforme o senhor mesmo ressalta, não se registra quanto ao esforço de fechar a equação da aliança. Especialmente com o principal aliado, o PMDB, persistem problemas estaduais, inclusive no Ceará. Como será possível um entendimento final que seja feliz para todos os lados?
Pinheiro – O PT já deliberou que a prioridade é a eleição nacional, o que implicará em termos de abrir mão de nossos interesses em alguns estados. É o que tem acontecido e não apenas em favor do PMDB. Por exemplo, no Piauí, que o PT governou durante oito anos, há um acordo quase fechado pelo qual o partido passa à vice e o PSB ocupa a cabeça de chapa. Dentro da visão de que fundamental é o projeto nacional.

OP – O Ceará, como fica dentro dessa equação?
Pinheiro – Acho que as resoluções do partido deixam muito claro que nós, no Ceará, vamos repetir a aliança que construímos em 2006. A eleição de quatro anos atrás significou o início de um novo processo político no Ceará, conforme encara uma parcela significativa do PT. E, claro, esse processo político teve decorrências. Por exemplo, na política agrária tivemos uma mudança qualitativa de grande significado. Vou lançar apenas um dado: nós temos o maior processo de regularização fundiária do Brasil, onde pequenos produtores que detinham a posse da terra passaram a ter, também, a escritura. Na saúde, pra pegar outro exemplo, também nota-se uma mudança significativa. O Ceará é dividido em três macrorregiões de saúde, mas, apenas uma delas dispunha de hospital terciário, de alta complexidade, e era, justamente, Fortaleza. Pois neste governo estamos fechando as duas outras macrorregiões com a construção de hospitais terciários em Sobral, onde as obras começaram agora, e Juazeiro do Norte, que deve ser inaugurado ainda antes de junho. Na educação estamos construindo a maior rede de ensino profissionalizante do Brasil. Hoje já funcionam 60 e vamos terminar o governo com 127. O que eu quero mostrar? Que a continuidade da aliança não se dá apenas por interesses eleitorais, mas, também, em função de mudanças programáticas.

OP – Isso relativiza, até certo ponto, a discussão sobre a chapa majoritária a ser composta para 2010?
Pinheiro – Não caberia a mim fazer.. Bom, há uma coisa que nós, militantes do PT, aprendemos a ter cuidado, adotando-se uma postura de coerência com o que partido definir. O PT está decidido até então, existe uma resolução clara nesse sentido, a manter a candidatura de vice-governador e lançar um nome para disputa do Senado.

OP – O PT tem sido um bom parceiro para o governador Cid Gomes?
Pinheiro – Eu diria que houve alguns momentos de tensionamento, mas, olhando-se as resoluções do partido, todas elas apontaram para o apoio integral ao governo. Agora, claro, uma coisa é o que dizem as resoluções e outra a postura de figuras públicas que, às vezes, podem dizer algo que não corresponde ao que determina uma orientação partidária. É preciso ver isso.

OP – Ou seja, quem defende a ideia de candidatura própria do PT para o governo em 2010…
Pinheiro – Está completamente fora da perspectiva real. A resolução do PT é no sentido claro de manter a aliança.

OP – O senhor vê alguma possibilidade de rompimento entre PSB e PT no Ceará, no horizonte que vislumbra para 2010?
Pinheiro – Nenhum. Tanto pelo que o PSB representa para o projeto nacional como por tudo que disse antes em relação à ação programática do PT em termos estaduais.

OP – A saída recente da disputa presidencial do deputado Ciro Gomes, irmão do governador, facilita em quê os entendimentos políticos no Ceará? Aliás, na avaliação do senhor, facilita?
Pinheiro – Primeiro, sempre deixei muito claro, no nosso ponto de vista, a pretensão do ex-governador Ciro Gomes era legítima. Essa é uma questão que diz respeito muito à vida interna do partido dele, o PSB, e o PT sempre exige dos partidos parceiros que respeitem suas decisões e internas, exatamente porque faz o mesmo nas situações contrárias.

OP – O senhor tem sido um bom vice?
Pinheiro – (risos) Não poderia avaliar isso, seria uma pretensão minha. Se há algo que não faz parte da minha trajetória é ficar auto-avaliando, mas, de qualquer forma, diria que busquei cumprir aquilo que julgo que cabe a um vice fazer. Cumprir aquilo que é determinação, é acordo, a partir da aliança que fizemos, do que foi discutido.

OP – O senhor saberia recordar com detalhes a discussão que aconteceu, quatro anos atrás, que levou à sua indicação como candidato a vice na chapa liderada pelo então candidato Cid Gomes? Como se chegou ao seu nome?
Pinheiro – Até então, eu não tinha qualquer relação, pessoal ou política, com o governador. O que lembro é que houve uma discussão interna e se decidiu que a Luizianne seria a pessoa a influenciar nisso, na escolha do vice. Eu, na época, era secretário da Regional IV e ela conversou comigo e perguntou: você topa? Disse que meu nome estava à disposição, que era militante do PT, se ele achava que eu tinha o perfil, então.. Minha corrente era contra, queria que eu fosse candidato a deputado estadual, e, ainda falando com ela, comuniquei que iria aos companheiros fazer uma consulta. Fizemos a discussão, encaminhei algumas coisas e, depois, para não influenciar nas definições, fui para a Espanha com minha família. Passei lá dez dias enquanto as coisas rolavam aqui. Estava meio cansado, era período de férias, tinha comprado uma passagem à prestação, eu e minha mulher, e fomos para Europa, Espanha e, também, Portugal. Quando voltei a situação estava encaminhada e fui comunicado de que o pessoal decidira pelo meu nome.

OP – Diante desse cenário, com a aliança caminhando para ser reafirmada, hoje com a novidade da aproximação com o Cid, seria de imaginar como tendência natural que o senhor fosse novamente o vice na chapa para o governo. No entanto, há uma disputa aberta no PT. Por que?
Pinheiro – Porque o PT é o PT. É um partido que tem essas coisas que, na verdade, acabam sendo fundamentais para que ele permaneça vivo. O que nos dá vitalidade é isso, é o desejo de debater à exaustão todas as questões e, tomada uma decisão, todos acatarem democraticamente.

OP – O senhor gostaria de permanecer vice? A intenção inicial é essa?
Pinheiro – Hum, hum. Nós estamos trabalhando, como todos os pré-candidatos à vice (Valdemir Catanho, ex-secretário de Governo da gestão Luizianne Lins, e Joaquim Cartaxo, ex-secretário estadual de Cidades), no sentido de permanecer.

OP – Não incomoda ao senhor, de qualquer forma..
Pinheiro – Não, é natural. São legítimas as solicitações dos companheiros de partido, o que digo pra eles é que devemos fazer o debate.

OP – Com relação à postura da prefeita Luizianne Lins, que tinha sido a principal “madrinha“ da sua indicação em 2006, como o senhor analisa? Lembremos que ela, segundo consta, trabalha o nome de Valdemir Catanho, que se desincompatibilizou para uma possível indicação à vice.
Pinheiro – Até agora, não tivemos nenhuma conversa em que a Luizianne tenha sido que não sou o candidato dela. Nós, inclusive, temos algumas conversas marcadas e quero mesmo ouvi-la porque somos, acima de tudo, muito amigos.

OP – Politicamente, houve algum distanciamento?
Pinheiro – Não, a relação entre nós continua muito boa. A gente se telefona, costumo consultá-la sobre algumas coisas e se mais não fazemos é porque temos muitas atribuições. Ela tem muitas responsabilidades e eu, apesar de ter um cargo de vice, tenho muito trabalho.

OP – A aliança política que governa o Ceará, que em 2006 tinha PT, PSB, PCdoB, PMDB e outros partidos menores, mas excluía o PSDB, passou, no governo, a ser integrada também pelos tucanos. Como o senhor vê a possibilidade de para 2010 o palanque ter, também, o PSDB?
Pinheiro – Não creio que haja uma formalização de aliança com o PSDB.

OP – Se isso acontecesse dificultaria a permanência do PT na aliança?
Pinheiro – Nós temos resoluções que têm dito isso muito claramente. Agora, não acredito na possibilidade porque o governador Cid Gomes fez uma opção programática, não tenho nada contra as pessoas que fazem o PSDB, mas acho que temos programas um tanto quanto diversos. É só ver o programa que o PSDB executou no Ceará e este que temos executado aqui.

OP – Recentemente, porém, o senhor fez declarações elogiosas ao senador, e ex-governador, Tasso Jereissati. Houve algum constrangimento, alguma cobrança dentro do PT?
Pinheiro – Não, não foi nem um elogio. A questão é que a forma como saiu na imprensa, faz parte da picardia… O que eu disse foi algo muito simples, que na democracia a oposição é muito importante, não existe democracia sem ela. Foi durante um evento no qual citei o Heitor (Férrer, deputado estadual do PDT e uma das poucas vozes de oposição ao governo Cid na Assembleia), que estava presente, e parabenizei, também, o senador (Tasso Jereissati) que tem feito oposição ao nosso governo. Ai, disse que achava importante, na democracia, ter oposição. No entanto, em alguns blogs, só destacaram a parte em que eu elogiava, como se eu tivesse feito uma homenagem ao senador Tasso Jereissati.

OP – Houve cobranças internas?
Pinheiro – Não, houve alguns emails, de gente que tentou fazer um certo rebuliço, mas como eu não tenho rabo de palha, não tenho medo do que declaro, tenho sempre cuidado ao falar, não repercutiu.

TRAJETÓRIA

O POLÍTICO FAZ A HISTÓRIA
* 1. Professor de História do Ceará, da Universidade Federal do Ceará, Francisco Pinheiro não tirou o pé totalmente da academia, apesar dos afazeres no governo.. Pelo menos uma vez por mês vai ao Departamento para, segundo diz, “ver como os colegas estão“.

* 2. No momento, aproveita as folgas cada vez mais raras para escrever uma tese sobre pistolagem no Vale do Jaguaribe, Região da qual procede, filho que é do município de Jaguaribe.

* 3. Francisco Pinheiro é doutor em História Social pela Universidade Federal de Pernambuco. É especialista em História da Igreja na América Latina na PUC-SP. Foi presidente da Associação dos Docentes da UFC, vereador de Fortaleza e presidente do diretório municipal do Partido dos Trabalhadores por dois mandatos. Foi também Secretário da Regional IV na primeira gestão da prefeita Luizianne Lins.

(Do O POVO deste domingo)

Quadrilha que assaltou dois bancos em Pedra Branca é presa

A quadrilha responsável pelo assalto a duas agências bancárias em Pedra Branca, a 261 quilômetros de Fortaleza, em janeiro deste ano, foi presa no Maranhão pela Polícia Federal nesta sexta-feira, 14.

O grupo, formado por nove assaltantes, foi encontrado em uma fazenda no município de Santa Inês. No local, havia armamentos de uso exclusivo das Forças Armadas, como fuzis, submetralhadoras, escopetas, pistolas e dinamite. Segundo a Polícia Federal, a quadrilha, que é de Cabrobó (PE), estava se preparando para um novo assalto, desta vez a um depósito de uma empresa de transporte de valores.

Na ação realizada em Pedra Branca, os assaltantes roubaram uma agência do Banco do Brasil e outra do Bradesco, localizadas na mesma rua, e levaram cerca de R$ 500 mil.

Participaram da ação mais de 30 agentes da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado, Delegacia de Polícia Federal em Caixas e do Comando de Operações Táticas (COT), grupo de elite da Polícia Federal.

(O POVO Online)

Estiagem – Cid vai assinar decreto atestando situação de emergência no Estado

O governador Cid Gomes (PSB) deverá estar na próxima semana, em Brasília, para entregar, no Ministério do Desenvovimento Agrário, pauta de reivindicações para enfrentar problemas da estiagem. Liberação dos recursos do Programa Garantia Safra a partir do próximo mês de julho, manutenção do programa de carros-pipa e abertura de linhas de crédito para pecuaristas. são algumas das demandas. Cid também adiantou que, nos próximos dias, deverá assinar o decreto que atesta a situação de emergência no Estado.

A previsão é de que o encontro no MDA aconteça já na próxima semana, quando os prefeitos cearenses estarão em Brasília participando de uma marcha por verbas. Essa pauta foi definida durante encontro realizado nesta quinta-feira, no Palácio Iracema, da qual participaram Cid Gomes, prefeitos e técnicos da Secretaria do Desenvolvimento Agrário.

 No Ceará, são 291 mil agricultores inscritos no Programa Garantia Safra, que recebem quatro parcelas de R$ 150,00. De acordo com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (Ematerce), as perdas de safra no Estado este ano, já chega a 57%.

Em clima de Copa, prorrogar pode

O governador Cid Gomes (PSB) afirmou, na noite desta quinta-feira (13), ao chegar à solenidade dos 60 anos da Fiec, no La Maison Dunas, que decide sobre a questão política do Estado até o fim de junho. Cid vai aguardar a decisão do PSB nacional, no dia 21 próximo, sobre o apoio à candidatura Dilma Rousseff, e, depois disso, iniciará consulta às bases.

Antes da decisão estadual, o governador e também presidente regional do PSB irá promover três encontros no Estado para ouvir as bases do partido: um no Crato (Regiao do Cariri e Centro-Sul), dia 29 próximo; um na Serra da Meruoca (Região Norte), dia 12 de junho; e um terceiro em Guaramiranga (Região Metropolitana de Fortaleza e Maciço de Baturité), dia 19 de junho.

Presidente da FIEC abre o voto durante a cerimônia dos 60 anos da entidade

Durante a solenidade em comemoração aos 60 anos da Fiec, na noite desta quinta-feira (13), no La Maison, bairro Dunas, o presidente da entidade, Roberto Macedo, acabou surpreendendo. Em seu discurso, abrindo o evento, ele se referiu ao ex-ministro da Previdência Social, deputado José Pimentel, como seu “amigo e futuro senador da República”. Com relação ao deputado federal Eunício Oliveira, presidente regional do PMDB e também pré-candidato ao Senado, Macedo destacou a presença de Eunício como “um possível senador da República”. Quem estava presente acabou deduzindo que o outro candidato da sua preferência se chama Tasso Jereissati. Eunício Oliveira não perdeu a pose. “Não me preocupo com a citação, mas com a eleição”, disse.

A solenidade da Fiec foi marcada pela entrega da Ordem do Mérito da CNI ao controlador da Grendene, Alexandre Grendene, além do Mérito Industrial para Jorge Parente (ex-presidente da Fiec), Vicente Paiva (in memoriam) e o chancelar Airton Queiroz.

No auditório lotado, as presenças do presidente da CNI, Armando Monteiro, do governador Cid Gomes (PSB), do vice-prefeito Tin Gomes, dos ex-governadores Adauto Bezerra e Gonzaga Mota, do presidente do Tribunal de Justiça, Ernani Barreira, e de parlamentares como o deputado federal tucano Raimundo Gomes de Matos e o deputado estadual Sérgio Aguiar (PSB).

Em busca de votos, Mulher Melão promete corpo a corpo junto ao eleitorado

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=NY0rL1JCug4[/youtube]

Famosa pelos atributos físicos, a catarinense Renata Frisson, a Mulher Melão – apelido conquistado graças aos 500 ml de silicone que carrega em cada seio – decidiu trocar o pomar das celebridades instantâneas pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Por critérios “sentimentais”, filiou-se ao Partido Humanista da Solidariedade (PHS) – que a trata com “muito carinho”! -, para tentar a sorte como candidata a deputada estadual nas próximas eleições.

Disposta a lançar mão de “seu jeito fruta de ser” na hora de legislar, ela pretende provar que a falta de experiência é mero detalhe técnico, quando há “boa vontade para querer”. Na briga pela preferência do eleitorado, a funkeira Renata, que não descarta a possibilidade de contar com o apoio dos produtores de hortifruti, quer mostrar que tem mais a oferecer do que uma “comissão de frente” avantajada. “Estou em um trabalho sério, não estou para brincadeira”, avisa.

Além de prometer “bastante corpo-a-corpo” durante a campanha, ela tem como trunfo um argumento, no mínimo, singular. “Melão faz muito bem à saúde. É isso que importa. Melão não faz mal nenhum”. Mesmo sem saber exatamente quais são as atribuições de um deputado estadual, a Rainha dos taxistas – trono conquistado no ano passado – não se intimida ao falar sobre estratégia política. ”

(Terra Magazine)

Zé Gerardo Arruda é condenado pelo STF

O Pleno do Tribunal Federal (STF) condenou na noite desta quinta-feira (13) o ex-prefeito de Caucaia e atual deputado federal José Gerardo Arruda (PMDB), pela prática de crime de responsabilidade pelo delito tipificado no artigo 1º, inciso IV, do Decreto-lei nº 201/67. De acordo com a denúncia, “o então chefe do executivo municipal teria aplicado, na construção de passagens molhadas, recursos transferidos pelo Ministério do Meio Ambiente ao município para a construção de um açude público”.

A pena de dois anos e dois meses de detenção, em regime inicialmente aberto, foi substituída pela pena pecuniária no valor de 100 salários mínimos a entidades assistenciais, e multa. A ação penal foi motivada pelo Ministério Público Federal (MPF), com base em desvio de finalidade de aplicação de verbas federais.

Com a condenação, o deputado pode ficar inelegível nas eleições de outubro próximo, por causa da proposta Ficha Limpa, que será votada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, na próxima quarta-feira.

Cadê a estatística da violência no Ceará?

Essa informação é do Blog Civitate, do ex-Comandante da Polícia Militar do Ceará, coronel Adail Bessa. Ele lamenta que as estatísticas da violência no Estado não tenham atualização nem transparência. Confira:

Recebi via e-mail uma solicitação de uma senhora identificando-se como professora universitária e querendo saber como conseguir dados Estatísticos a respeito da Segurança Pública do Estado do Ceará nos últimos 10 (dez) anos.

Estranhei, mas acho que ela conseguiu o nosso e-mail em face dele ser dispobilizado na home do blog civitate. Querendo ajudar, todo convicto e orgulhoso, respondi a senhora que consultasse o site da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará. Convicto, porque existia, e orgulhoso, porque foi na nossa gestão a frente do CIOPS, então Centro Integrado de Operações de Segurança, hoje Coordenadoria, quando eram, respectivamente, Secretário da Segurança Pública e Governador do Estado, o General Cândido Vargas e o Dr. Tasso Jereissati, que no ano de 2002, conseguimos universalizar e disponibilizar online, via intranet e internet, as Principais Estatísticas da Segurança Pública (em números totais e por 100 mil habitantes), tudo acessível para a população em geral, emblematizando o nosso processo administrativo de gestão com total transparência.

Fui tomado pela decepção, quando a senhora retornou a mensagem dizendo que era a primeira coisa que havia feito, mas não tinha conseguido praticamente nada.

Ora, como poderia isso ocorrer? Imaginei que a senhora pudesse está com dificuldades, pois as vezes para encontramos algo numa home realmente é difícil, é tudo escondido, dissimulado, foi quanto acessei o site da SSPDS e para tristeza e total descrédito observei que tudo havia desaparecido, o que existe lá são as seguintes innformações:

Estatísticas

I – Metodologia

II – Indicadores criminais:

Crimes contra a pessoa:

– Homicídio doloso

– Lesão Corporal

Crimes contra o patrimônio:

– Roubo de veículo

– Furto de veículo

Crime de legislação especial:

– Porte ilegal de arma

Retornei para a senhora e lamentei, solicitando que fosse pessoalmente até o órgão e procurasse informar o caráter da sua pesquisa e tal, que “talvez” convencesse o pessoal de lá a fornecer-lhe o que pretende, pois até o Tribunal de Contas do Estado do Ceará também está atrás disso, conforme li e postei matéria recentemente a esse respeito.

Luizianne na cidade das maravilhas e a repercussão

Pois não é que deu o maior bafafa o caso da prefeita Luizianne Lins (PT) sendo comparada ao pesonagem infantil Alice? A assessoria do Paço Municipal reagiu, mas, nos batidores, a maioria dos que operam na Prefeitura, concordou que a gestão continua a passos de tartaruga. Por culpa do estilo “Luizianne de ser”: cheio de simpatias, mas centralizador. O coordenador de Imprensa e Comunicação da Prefeitura, Demétrio Andrade, mandou artigo para o POVO criticando matéria sobre investimentos para o Centro. Confira:    

Acredito que O POVO tem um peso singular na cobertura jornalística de Fortaleza, tanto pela tradição de seus 82 anos quanto pela sua linha editorial. Porém, o tratamento dado à matéria sobre os projetos de investimentos coordenados pela Prefeitura para requalificação do Centro e de parte da nossa Orla (o Aldeia da Praia) vai bem além do que deveria ser a preocupação central de um veículo de comunicação: a informação.

A manchete “Luizianne na cidade das maravilhas“ e o uso jocoso & pra não dizer outra coisa & de fotografia da prefeita numa ilustração que remete à obra de Lewis Carroll, calcada na dimensão do irreal, direciona o leitor a duvidar da capacidade de realização do Município. Mais que isso: denigre a imagem pessoal da gestora, põe em questão sua seriedade e conseqüentemente sua administração. Isso não é pouco e, por si só, é lamentável.

Acho que o cidadão e a imprensa têm todo o direito de inquirir o poder público. Mas é necessário fazê-lo de forma respeitosa e também reconhecer os avanços.

Que bom ter uma prefeita que sonha! Antes da gestão Fortaleza Bela, quem imaginaria uma passagem de ônibus com preço congelado por 5 anos e mais barata nos finais de semana? Ou ser possível a redução das áreas de risco de 105 para 99, numa das 4 cidades mais desiguais do mundo, segundo a ONU, consequência do maior projeto de habitação popular desta capital? Antes uma peça de ficção, o Transfor está sendo executado. Dar fardamento completo a 240 mil alunos & 3ª maior rede de ensino municipal do País & ou construir um equipamento da dimensão de um Cuca ou organizar o 2º maior réveillon do País, poderia ser taxado de “loucura“. Mas hoje é realidade.

No Centro, espaço em questão na matéria, poucos apostavam no fim da pendenga do Beco da Poeira e na retirada pacífica dos feirantes da Praça da Sé. E na requalificação de espaços abandonados há anos, tais como o Passeio Público, o Paço Municipal e a Praça José de Alencar. Mas, seguindo a máxima de Lênin, “sonhos, acredite neles“, a Prefeitura continuará remando contra a maré. E concretizando suas ações.

Gualter George, editor de Conjuntura do O POVO assim respondeu ao coordenador de Imprensa e Comunicação da Prefeitura, Demétrio Andrade:

Que bom ter uma prefeita que sonha! Eu e o jornalista Demétrio Andrade, de cujo texto extraio a frase anterior, concordamos num ponto essencial do debate aberto ontem pela matéria que O POVO publicou sobre os grandes planos da atual gestão para a cidade de Fortaleza. Portanto, vincular a prefeita Luizianne Lins a uma personagem marcada pela capacidade de sonhar, e fazê-lo de uma maneira lúdica e leve, anda longe de dar qualquer sentido de desrespeito à pessoa, à política, à figura pública, enfim, à instância em que se queira enxergá-la no contexto.

Lamente-se, apesar de nossas convicções quanto ao acerto, o incômodo pessoal que o material pode ter gerado na prefeita de Fortaleza.

Há um equívoco, de qualquer forma, em dizer que chamamos o leitor a duvidar da capacidade da prefeita e sua equipe de transformar sonhos em realidade, inclusive pelo fato de o jornal ter consciência de que Fortaleza se transformou nos últimos 82 anos também muito em função da capacidade de sonhar de vários dos prefeitos que antecederam Luizianne. Apenas não entendemos que este atributo exime o administrador de uma cobrança sobre prazos, financiamentos e outros aspectos que fazem o mundo real de uma ação administrativa.

A edição, de maneira legítima, lançou mão de instrumentos editoriais próprios aos jornais no esforço de atrair a leitura para o que publica. O todo do material, considerando-se arte, fotografia, texto, legenda, quadros etc,como uma leitura correta exige, deixa claro que a abordagem é justa, é correta e não expõe a prefeita, pessoal ou politicamente, a qualquer constrangimento.

Tasso participa da festa de Fátima em São Benedito

O senador Tasso Jereissati (PSDB) agendou presença, ao meio-dia desta quinta-feira, na festa de Nossa Senhora de Fátima do município de São Benedito (Região da Ibiapaba). São Benedito é uma cidade administrada pelo tucanato que, ali, desde a Era Mudancista, nunca perdeu uma eleição.

De São Benedito, o senador, que postulará reeleição, terá encontro com lideranças políicas do município de Croatá.

Na disputa para o Senado, a ordem é ninguém perder tempo. Esse embate promete, sem dúvida, muitas emoções.

Patrícia Saboya é entrevistada hoje na Globo News sobre Lei da Adoção e proteção à criança

Senadora Patrícia Saboya

A senadora Patrícia Saboya (PDT-CE) é a entrevistada do programa Espaço Aberto, nesta quarta-feira (12), a partir das 21h30min, na Globo News (canal 40). Coordenadora da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente no Senado e autora do projeto que deu origem à nova Lei de Adoção, a parlamentar cearense irá falar sobre o processo de adoção e as políticas para proteger as crianças de maus tratos. O entrevistador é o jornalista Alexandre Garcia.

Morre jornalista Cláudio Pereira

O animador cultural da cidade.

Morreu por volta das 5h30 min desta quarta-feira o jornalista Cláudio Pereira. Ele estava internado há semanas, no Hospital Monte Klinikun, com várias complicações de saúde e necessitava de várias transfusões de sangue. Cadeirante há mais de 35 anos, tinha complicações tambem por conta dessa condição resultante de acidente de carro.

Cláudio Pereira foi presidente da extinta Fundação Cultural de Fortaleza nas gestões do falecido prefeito Juraci Magalhães e do ex-prefeito Antônio Cambraia. A família ainda não divulgou detalhes.

ATUALIZAÇÃO – 7h31 – Cláúdio Pereira morreu vítima de infecção generalizada. O velório ocorre, a partir das 9 horas, na Funerária Ternura (Aldota). O enterro está marcado para as 17 horas, no Cemitério Parque da Paz.