Blog do Eliomar

Categorias para Sem categoria

Técnico Sérgio Soares chega à Capital e fala do desafio de treinar o Ceará

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=JbPVpjiMf6w&feature=c4-overview&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg[/youtube]

O novo treinador do Ceará, Sérgio Soares, já esta em Fortaleza e vai ser apresentado na tarde de hoje na Arena Castelão. Soares foi recebido por Evandro Leitão, presidente do clube, Robinson de Castro, vice-presidente e Dimas Filgueiras, atual técnico interino.

O novo técnico disse que conhece parte do elenco e já trabalhou com alguns jogadores do grupo, além de falar da expectativa em treinar o clube de Porangabuçu.

“O Anderson Marques trabalhou comigo, o Léo Gamalho, o Richelly, o Diogo Orlando, o Rogério. Alguns jogadores já trabalharam comigo e sei de outros de jogar contra. A gente sabe do potencial. A gente acredita bastante que juntamente com os atletas retomar dentro da competição para que possamos ai dar alegria ao torcedor porque a gente sabe que a torcida do Ceará é uma torcida apaixonada. Mas é sempre bom ter o torcedor do nosso lado para que os adversários sintam a pressão que nós sentimos quando vinhamos jogar aqui. É importante o torcedor ter essa participação incentivano e pressionando o adversário”.

Sérgio Soares preferiu desconversar quando indagado sobre a vinda de mais reforços para o Ceará para a disputa da Série B.

“Ainda é cedo pra falar nisso. Ainda vou ter uma conversa com o presidente Evandro, o Robinson, o Diego e ai a gente vai avaliar a necessidade de trazxer ou não”.

Sérgio Soares vai ser apresentado na tarde de hoje ao elenco alvinegro e pretende começar de imediato seu trabalho no Ceará.

“Vamos trabalhar agora a tarde já. Não dá para em um treino introduzir alguma coisa, mas minha presença é importante perante o grupo.”

Sobre o acordo feito com o Ceará, o novo técnico não revelou valores, mas disse que o contrato foi bom para as duas partes e ressaltou a satisfação em trabalhar no Ceará.

“Foi satisfatória tanto para mim quanto para o Ceará. A gente tem o período até o término da Série B. Para mim, mas para mim foi bastante interessante encarar esse desafio de dirigir um grande clube do Nordeste. “

Três helicópteros reforçam segurança e saúde do Ceará

82 1

helicopteros

“O governo estadual recebeu nesta sexta-feira, 16, três helicópteros para reforçar os sistemas de segurança e saúde do Ceará. De acordo com o governo, um dos helicópteros começa a funcionar ainda nesta sexta-feira, 16, e vai auxiliar no policiamento, resgate, videomonitoramento e transporte de tropas.

Os outros dois devem começar a operar até o final do ano, um deles funcionando como Unidade de Terapia Intensiva (UTI) móvel.

Ainda segundo o governo, os três helicópteros possuem as tecnologias mais avançadas da América do Sul e conseguem cobrir toda a área territorial do Estado.”

(O POVO Online)

Seminário Empreender é lançado com direito a luz, câmera…ação

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=8aQhsllf0EI&feature=c4-overview&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg[/youtube]

Lançado nesta sexta-feira, no Espaço O POVO de Cultura e Artes, o seminário Empreender 2013. O evento, em sua sétima edição, ocorrerá a partir do dia 10 de setembro e se estenderá até dia 25 de outubro, em Fortaleza. Nesse período, percorrerá o interior debatendo sob o mote “Tudo é Gestão e Uma Ideia na Cabeça”. O Empreender 2013 é uma realização da Fundação Demócrito Rocha e Grupo de Comunicação O POVO e tem como coordenador-geral o jornalista e publicitário Nazareno Albuquerque.

Um dos conferencistas do Empreender está, inclusive, fazendo o maior sucesso no momento porque resolveu apostar no seu projeto. Trata-se do cineasta Halder Gomes, que ousou e lançou o filme genuinamente cearense Cine Holliúdy, que bateu recorde de bilheteria nacional em sua estreia. Halder Gomes, em conversa com o Blog, contou um pouco desse seu lado empreendedor.

* Mais sobre o Empreender 2013 aqui.

CAF avalia índices sociais de Fortaleza

71 1

foto eliomar 130814 salmito caf

Durante dois dias, a Corporação Andina de Fomento (CAF) avaliou os índices sociais de Fortaleza, principalmente nas comunidades carentes que residem no entorno da orla marítima.

Ao lado do secretário de Turismo de Fortaleza (Setfor), Salmito Filho, a especialista em segurança cidadã da CAF, a venezuelana Ana María San Juan, conferiu também os dados da violência contra jovens, principalmente nas comunidades da Barra do Ceará, Goiabeiras, Serviluz e Vicente Pinzón. Há cerca de 6 anos, a especialista trabalhou para a redução dos índices de violência em Caracas, quando a capital venezuelana apresentava uma taxa de homicídios contra jovens cinco vezes maior que a cidade de São Paulo. Na época, Ana Maria San Juan era diretora do Centro para a Paz e Direitos Humanos da Universidade Central da Venezuela.

A CAF é um banco que financia obras em cidades latino-americanas, sempre focada no combate aos índices da violência e da miséria. Para o secretário Salmito Filho, o prefeito Roberto Cláudio está cumprindo uma política voltada à cultura da paz e à cidadania.

(Foto: Ciro Saboya)

Fortaleza antiga e os exemplos do Papa Francisco para a Igreja de hoje

183 1

papa francisco 130525

Eis crônica diária do jornalista e radialista Narcélio Limaverde sobre fatos e coisas que marcaram Fortaleza e sua infância, o que se confunde com a história desta cidade de Nossa Senhora da Assunção: 

Outro dia eu estava pensando, assuntando sobre as coisas antigas da Igreja Católica Apostólica Romana, religião dos meus pais e que eu seguia religiosamente. Por sinal fui coroinha, ou acólito, ou ainda, sacristão da Igreja de São Benedito, conhecida também como Santuário da Adoração Perpetua, comandada pelos Padres Sacramentinos, todos holandeses e que chegaram na rua do Imperador, onde estava a Igreja sem saber patavina de português.

Certo dia uma empregada lá de casa, a Mazé,voltou chorando depois de se confessar com o padre Guilherme, um santo homem, diziam todos. “O que houve, Mazé?!” – perguntou dona Ledinha, minha mãe. “Eu disse para o padre que tinha protestado e ele me ameaçou de excomunhão.” O reverendo pensava que protestar era palavrão, ou nome imoral, como se dizia naquele tempo. A Igreja de São Benedito promovia todos os anos a Semana Eucarística.

Começava as sete, ou dezenove horas, com o canto do Tantum Ergum, preparando para a benção do Santíssimo. E tudo terminava com animadas quermesses, com direito a brigas dos seguidores das rainhas dos partidos Azul e Encarnado. Tudo concluía com o leilão cantado por meu pai: “Vou entregar!”. E gritavam lá da casa de dona Sinhá Pordeus: “100 pro Batelão não levar!”. Batelão morava vizinho. E respondia: “200 para o Heitor Marinho não levar a galinha assada com farofa pra casa”…. Era assim o leilão. No domingo acontecia a procissão. Eu torcendo para ser o turiferário, levando o turíbuclo com muito incenso em direção ao brotaral, mesmo depois de reclamação do Padre Pedro, o superior.

O cortejo era comandado por Dom Antonio de Almeida Lustosa. À sua passagem, as beatas gritavam: “É um santo, é um santo!!”. Dom Antonio, a exemplo de seu antecessor, dom Manuel da Silva Gomes, não conversava com ninguém. Mantinha sua posição de arcebispo sem falar, sempre rezando e rezando. E quem quer que tivesse a ousadia de chegar perto, teria de beijar seu vistoso anelzão de pedra preciosa; E se dom Manuel tinha vestes lindíssimas, ele seguia mesma moda. Todos nós respeitávamos e se alguém não seguisse os ensinamentos dos pais, na minha casa, dona Ledinha e seu Limaverde, receberíamos castigos. Depois de Dom Antonio assumiu o arcebispado, dom José de Medeiros Delgado. Ele parecia mais simples e bom comerciante, pois vendeu o Palácio. Após ele, então, conhecemos um religioso sério, porém bem perto de seu rebanho. Dom Aloísio Lorscheider.

Este era popular, atendia telefonemas dos jornalistas e participava de todos os acontecimentos da cidade, mediando inclusive os conflitos, como o dos professores, com greve de fome na Secretaria de Educação, na rua Tibúrcio Cavalcante. Quando houve aquele trágico desastre na serra da Aratanha, em Pacatuba, onde morreram muitos cearenses queridos, incluindo o empresário Edson Queiroz, fui até a serra e encontrei Dom Aloísio dirigindo seu Fusquinha e apaziguando, consolando os familiares desesperados com o acontecido. Foi ele que conseguiu um sepultamento coletivo no Parque da Paz.

Depois de Dom Alosio, dom Cláudio Hummes e, após este, o atual, Dom José Antonio. Retornou então o ritual antigo – a dificuldade de se falar com o antistite – bispo antigamente. E vou pensando tudo isso enquanto via o Papa Francisco segurando uma maletinha e entrando no avião que o conduziu ao Rio de Janeiro, onde aconteceu aquela festa. O Papa Francisco não admitiu distancia do povão, beijava as crianças e dava a mão para os que chegavam mais próximos. Usou até um ditado nosso: “Bota mais água no feijão!”. E um chargista chegou até a escrever que o Papa pediu para abrir a porta do avião em pleno voo”. Brincadeiras à parte, o Papa disse que os bispos não tivessem posição de príncipes, que os padres fossem para as favelas, que ficassem bem perto dos pobres. Aí fico pensando. Será que as cousas realmente vão se modificar e os padres da Igreja Católica cearense, com as honrosas exceções, vão ficar num pedestal, cada vez mais longe dos seus fiéis?

O Papa Francisco não somente disse o que deveria ser feito, mas fez e deu o exemplo. Outro bispo antigo, dom Helder Câmara, o “Santo Dom Helder”, assim como dom Aloísio, dizia, em outras palavras, mas com o mesmo significado: ” O importante não é mandar fazer, o importante é dar o exemplo.

* Narcélio Limaverde,

Jornalista e radialista.

OAB cobra marco legal para o Parque do Cocó

81 1

Ricardo-Bacelar

“A Ordem dos Advogados do Brasil, regional do Ceará, resolveu cobrar do governo estadual celeridade na definição de um marco legal para o Parque do Cocó. A informação é do vice-presidente da entidade, Ricardo Bacelar, observando que a Comissão de Direito Ambiental da OAB estuda o caso polêmico das obras dos viadutos no encontro da avenida Antônio Sales com Engenheiro Santana Júnior e que avançou em trecho do parque.

Ricardo afirma que a entidade não entrará no mérito da peleja política, que levou grupo a ocupar a área e que envolve questões judiciais e Ministério Público.

“A OAB vai cobrar do governador um marco legal, com definição da área do parque”, diz. Ele reconhece que o caso é complexo.

Eis a OAB, que andou meio sumida nessa história, querendo mostrar serviço. O que é bom.”

(Coluna Vertical, do O POVO)

Aeroportuários fazem assembleia nos aeroportos para decidir se continuam em greve

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=xKGmszTiIxk&feature=c4-overview&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg[/youtube]

Até o fim da tarde desta segunda-feira, 12, os aeroportuários estão realizando assembleias gerais em todos os aeroportos do País. Hora de decidir uma posição geral sobre a greve: se encerram ou continuam o movimento. Em Fortaleza, os aeroportuários que operam no Aeroporto Internacional Pinto Martins decidiram  continuar a greve, que chega ao 12º dia. A categoria rejeitou proposta da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) de reajuste de 6,5%, em assembleia realizada nesta manhã.

“Agora vamos aguardar a resposta nacional para saber se vamos dar continuidade ou não da greve. Queremos 16%, mas ele estão oferecendo 6% mais um 1% em setembro, com mais a inflação do ano que vem e mais 1,5% no próximo ano. Eles estão amarrando um acordo de dois anos”, disse o representante do Sindicato Nacional dos Aeroportuários, Jorge Luis.

A paralisação, que ocorre desde o dia 31 de julho, atinge os 63 aeroportos administrados pela estatal.

“Ainda não tivemos informações sobre os outros estados pois as assembleias ocorreram no mesmo horário. Daqui a pouco vou está repassando a informação para eles e também recebendo as informações do outros aeroportos”, afirmou Jorge Luis.

STF envia a Dilma dotação orçamentária de R$ 562 milhões para 2014

stf

“Os ministros do Supremo Tribunal Federal aprovaram, durante sessão administrativa nessa quinta-feira (8/8), a dotação orçamentária do tribunal para o ano de 2014. A proposta a ser enviada para a Presidência da República prevê orçamento de R$ 562 milhões. O valor será dividido entre a área de “Pessoal e Encargos Sociais”, que pela proposta ficará com R$ 322,1 milhões, e “Custeios e Capital”, onde serão investidos R$ 239,9 milhões.

A sessão administrativa foi convocada com apenas este assunto em pauta, e era necessária porque o prazo para o encaminhamento da proposta termina no dia 15 de agosto. Definidos após negociação com a Secretaria de Orçamento, vinculada ao Ministério do Planejamento, os valores permitem a manutenção do nível de serviços atualmente oferecido e o aprimoramento da prestação jurisdicional, segundo o diretor-geral do STF, Miguel Augusto Fonseca de Campos.

Responsável por esclarecer a proposta aos ministros do Supremo, o diretor-geral confirmou que a dotação prevê dinheiro para a ampliação da garagem do Anexo 2 e para demandas da área de Tecnologia da Informação. O objetivo, neste caso, é garantir a celeridade processual e ampliar o acesso dos jurisdicionados.

A dotação orçamentária do STF para 2014 supera em R$ 27,8 milhões o valor definido para 2013 mas, como lembrou o ministro Marco Aurélio, essa diferença é inferior à inflação do período.”

(STF)

Coronel Francisco Bezerra: "Eu não pedirei minha exoneração!"

132 1

cornelbezerra

“Eu não pedirei a minha exoneração, deputado, porque tenho consciência de que todo dia trabalho pela população cearense!”, afirmou, agora há pouco, na Assembleia Legislativa, o  secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Estado, coronel Francisco Bezerra.

Essa resposta foi sua resposta aos deputados Heitor Férrer (PDT) e Fernanda Pessoa (PR) que lamentaram muitos investimentos e poucos resultados na área.

“Os números vomitados aqui representam o fracasso, o insucesso e, diante disso, não posso crer que o treinador deixe o time de pé”, chegou a afirmar o deputado estadual Heitor Férrer (PDT). O pedetista fez um breve histórico sobre a trajetória do coronel Bezerra, lembrando que ele sempre atuou na assessoria do governador Cid Gomes desde a época em que era prefeito de Sobral e indagou ao titular da SSPDS se ele, com o currículo que apresenta, o convocaria para cuidar da área da Segurança.

Programa Mais Médicos – Ministro da Saúde vai apresentar resultado de inscrições

“O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, divulga hoje (6), às 14h30, a lista de profissionais brasileiros que confirmaram participação no Programa Mais Médicos e dos municípios que serão contemplados no primeiro mês de seleção. Será apresentado também, no auditório do Ministério da Saúde, o calendário das próximas etapas do programa.

Os profissionais que se formaram no exterior e finalizaram o cadastro no programa Mais Médicos podem, a partir desta terça-feira (6), selecionar os municípios com vagas não ocupadas por brasileiros. A lista final com profissionais e municípios que participarão da primeira seleção do programa foi publicada ontem (5) no site do Ministério da Saúde.

Nesta fase inicial, o programa vai levar 1.753 médicos para 626 municípios. De acordo com o Ministério da Saúde, 51,3% das vagas ocupadas estão em municípios de maior vulnerabilidade social e 48,6% nas periferias de capitais e regiões metropolitanas. O programa prevê a ampliação de vagas de residência médica e a contratação de milhares de profissionais, inclusive estrangeiros, para melhorar o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS) e a formação dos médicos brasileiros.”

(Agência Brasil)

Agentes da PF fazem corpo a corpo junto a parlamentares federais no aeroporto

agentepp

Um grupo de policiais federais realizou, na madrugada desta terça-feira, no Aeroporto Internacional Pinto Martins, um corpo a corpo junto aos parlamentares federais cearenses que embarcavam para a retomada das atividades em Brasília. O objetivo foi pedir apoio à derrubada de vetos presidenciais ao projeto de lei nº 244/2009 que reconhece o papiloscopista como perito oficial em suas perícias específicas.

Também nessa luta, houve apelo para que os parlamentares acelerem a votação de matérias do interesse dos policiais federais no que diz respeito ao processo de reestruturação da categoria. O vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Ceará, Eugênio Brayner, detalhou as reivindicações.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=9evtP6TBT6o&feature=c4-overview&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg[/youtube]

O ato dos policiais federais reuniu cerca de 20 profissionais. Também não foram muitos os parlamentares federais abordados ainda no aeroporto pela categoria. O deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB) garantiu apoio à luta da categoria e lamentou a forma como o governo da presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores,  trata muitos daqueles que a apoiaram eleitoralmente.

agentdinacio

O senador Inácio Arruda (PCdoB), que chegou em cima do embarque, foi abordado pelo grupo e se comprometeu a acompanhar a situação deles, mas lembrando que a prioridade é aprovar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO 2014) para que haja dinheiro e condições de pagar o funcionalismo federal.

O ato foi pacífico, sem apitaço e com apenas uma faixa que destacou a atuação da PF na luta contra a corrupção. Nesta quarta-feira, haverá nova manifestação. A partir das 9 horas, em frente a sede da Superintendência Estadual do órgão, na avenida Borges de Melo. “Será uma manifestação nacional”, frisou o diretor jurídico do sindicato dos policiais federais, Ulysses Catunda.

agentesaeroporto

MPF ajuíza ação contra empresa responsável por vazamento de óleo na avenida Dioguinho

“O Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE) ajuizou, nesta segunda-feira, 5 de agosto, ação civil pública com pedido de liminar contra a empresa Cascaju Agroindustrial S/A. A ação, proposta pela procuradora da República Nilce Cunha, pede a condenação da empresa, responsável por recente episódio de derramamento de 300 toneladas de óleo de castanha de caju na avenida Dioguinho, em Fortaleza.

De acordo com a procuradora, o vazamento do líquido acarretou danos ao meio ambiente, aos moradores da região afetada e a proprietários de veículos que transitaram pela avenida no dia em que houve o derramamento do óleo. Além disso, a Cascaju opera sem o devido licenciamento ambiental.

Segundo depoimento de testemunhas, a área atingida pelo derramamento do óleo não foi isolada após o vazamento do produto. Por conto disso, proprietários de veículos, sem saber do potencial corrosivo do líquido, continuaram trafegando pelas ruas tomadas pelo óleo. “Como resultado, os veículos sofreram sérios danos em seus componentes, desde a pintura às partes mecânicas. Além disso, os moradores e comerciantes tiveram prejuízos materiais e com a saúde em virtude de contato com o líquido sob enfoque”, detalha trecho da ação. ”

 

(MPF)

André Montenegro é consenso para comandar o Sinduscon do Ceará

andremotmenrgro

O nome do empresário André Montenegro já é consenso para comandar o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará, que terá eleição para renovação de diretoria ainda neste semestre.

Montenegro é o vice do atual presidente, Roberto Sérgio, que endossa seu nome. Antes de entregar o comando do Sinduscon, Roberto Sérgio realizará o 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção Civil (ENIC), no período de 2 a 4 de outubro, no Centro de Eventos.

O evento anual da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), entidade que representa nacionalmente todos os segmentos da construção, é o mais importante do segmento.

(Foto – José Leomar) 

Que o Dia dos Pais não vire madrasta

Os shoppings esperam incremento nas vendas por conta do Dia dos Pais, domingo que vem, de pelo menos 5%, segundo a Alshopping do Ceará. O setor avalia que, apesar do momento de retração do consumo, a ordem é investir em promoções. Há shoppings apostando até no sorteio de automóveis para atrair a clientela.

Já a Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza vai ficar feliz se obtiver pelo menos 3%.

DETALHE – A torcida é para que não tenhamos um Dia dos Pais de muita meia, camisa e cueca?

Reitor da UFC é eleito presidente da Andifes

O professor Jesualdo Farias, reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC), foi eleito, na manhã desta sexta-feira, 2, presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). Jesualdo teve 44 votos de um colegiado de 45 eleitores (reitores). Um voto foi em branco.

Após eleito, o professor tomou posse no cargo e anunciou as primeiras ações do mandato de um ano à frente da entidade. De acordo com a UFC, uma das prioridades do gestor é apoiar o Programa Mais Médicos.

Durante a solenidade, Jesualdo afirmou que falou com o Ministro da Educação, Aloizio Mercadante, marcando audiência – que ocorrerá na próxima semana – para tratar de outro assunto de relevância para as instituições federais: a complementação do orçamento para 2014, que, segundo afirma, não atendeu às expectativas”. Disse ainda que solicitou ao Ministro Mercadante que intermediasse reunião da Andifes com a Presidenta Dilma Rousseff.

(O POVO Online)

Prefeito RC anuncia pacote de R$ 137 milhões na área do saneamento

prefeito-roberto-claudio

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PSB), anunciou, durante sua prestação de contas do primeiro semestre de gestão, nesta quinta-feira, quando da abertura dos trabalhos da Câmara Municipal, mais um pacote de obras.

Dessa vez, na área de saneamento e drenagem, com verbas do Município e do PAC Saneamento, do governo federal, na ordem de R$ 137 milhões.

Roberto Cláudio convidou os vereadores para que nesta sexta-feira, às 10 horas, estejam no Paço Municipal, para conferir a assinatura das primeiras ordens de serviço desse pacote que inclui, como destacou, obras deixadas pela gestão passada e novas ações como a que ocorrerá em trecho problemático da rua Cônego de Castro.

DETALHE – Quando estava encerrando sua fala, o prefeito RC foi interrompido por gritos de uma manifestante contrária às obras dos viadutos no Cocó. Confira aqui.

Prefeito RC vai à Câmara disposto a abrir agenda para discutir obra dos viadutos do Cocó

74 3

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PSB), vai à sessão de abertura dos trabalhos da Câmara Municipal nesta manhã de quinta-feira. Ele vai apresentar balanço das atividades do primeiro semestre, atendendo a um convite do presidente da Casa, Walter Cavalcante.

RC adianta para o Blog que a sua agenda já está aberta, inclusive, para, caso seja procurado, conversar sobre as obras dos dois viadutos no encontro da avenida Antonio Sales com Engenheiro Santana Júnior, alvos de polêmica.

Estará à disposição na própria Câmara Municipal.

O Programa Mais Médicos e uma resposta a Adib Jatene

350 13

adibjatene

Com o título “Uma resposta(ou indagações) ao médico Adib Jatene“, eis artigo de Felipe Bastos Gurgel Silva, engenheiro aeronáutico pelo ITA e doutorando em Finanças pela Cornell University. 

Imaginem aquela relação (namoro) na qual uma das partes está demasiadamente desgastada do não compromisso e falta de consonância da outra. A típica sensação de latência que, embora incomode, não chega a ser crítica o suficiente para levar ao fim. O chamado comodismo com o estado permanente de insatisfação. Pois bem, normalmente nesses casos, basta um fato isolado para atingir a “energia de ativação” e desencadear num processo rápido e culminante que leve ao rompimento.

Na minha modesta percepção, essa anedota descreve perfeitamente a relação entre o Governo Federal e a classe médica brasileira nos últimos meses, desde quando se deu o início das discussões acerca da importação de “escravos” médicos cubanos para atuar no SUS. Se o período de debates envolvendo o “Revalida”, os problemas reais do SUS, a distribuição geográfica dos médicos no país, etc., ilustravam o chamado “namoro empurrado com a barriga”, os eventos pontuais da última semana (Programa “Mais Médicos” e veto ao Ato Médico) não podem sequer serem considerados “a gota d’água”. Se o balde estava “cheio a menos de uma gota”, o que o Governo fez foi colocar o balde debaixo das Cataratas do Iguaçu. Realmente, o totalitarismo chega a ser tão absurdo que Mussolini e Stalin ficariam orgulhosos.

Faço uma pequena pausa para uma breve apresentação. Primeiramente, não, não sou médico. Minha relação com a medicina é, nada mais nada menos, a de mero consumidor final do produto do conhecimento de seus profissionais (médicos). De forma mais direta, sou o que se denomina “paciente” – assim como todos de nossa sociedade, inclusive os médicos, se nunca foram um dia certamente serão. Bom, talvez eu tenha uma conexão levemente mais próxima com a ciência médica do que um puro leigo, por ter nascido e crescido em uma família de médicos – e por ter vários amigos que optaram em seguir essa profissão.

Enfim, desde quando o programa “Mais Médicos” foi lançado, o “resumo dos melhores capítulos” da semana nessa novela poderia ser descrito em poucas palavras. A maioria absoluta dos médicos (e demais profissionais da área de saúde) mostrou-se veementemente contrária ao programa, em especial à extensão do curso de medicina em dois anos de serviços obrigatórios no SUS. Talvez o percentual de rejeição seja levemente mais baixo dentre os não médicos, mas certamente existe uma relação não desprezível do ponto de vista estatístico entre a rejeição da medida e o conhecimento (de fato) de valores democráticos e libertários por parte do indivíduo. Obviamente, opiniões favoráveis também foram expostas – muitas delas por parte de pessoas ligadas ao governo. De fato, opiniões favoráveis ao programa, desde que tecnicamente embasadas e logicamente fundamentadas, devem sim ser ouvidas. Contudo, uma frase me chamou bastante atenção – e é justamente sobre essa frase que gostaria de refletir nesse texto.

O conceituado médico e ex-ministro da Saúde, Sr. Adib Jatene, ao defender a extensão do curso em dois anos de serviços obrigatórios no SUS, afirmou que “médico tem que ser especialista em gente”. Foi justamente depois de ouvir (e ler) tal afirmativa que me motivei a escrever esse simples ensaio, afinal, a frase destoa por duas características indissociáveis: 1) a absurda desconexão do termo em si, “especialista em gente” e 2) o fato de tal frase, com vastas possibilidades semânticas, ter sido declarada por uma pessoa com o currículo do Sr. Jatene. Afinal, sem cairmos em verbosidades desnecessárias, perguntemo-nos: o que vem a ser esse tal “especialista em gente”? Ou melhor, o que o Sr. Jatene quis dizer com essa nova “especialidade médica”? Com toda sinceridade, se a frase me fosse exposta sem apresentar o nome do autor e me fosse perguntado quem a proferiu, acho que meu “best guess” seria, talvez, Dadá Maravilha (“Se der, deu. Se não der, não deu!”).

Trazendo um pouco de razão ao questionamento, eu consigo imaginar duas possibilidades (ou intenções semânticas) para o “especialista em gente” que o Sr. Jatene tanto defende. Abaixo analiso cada uma delas, em separado:
Possibilidade 1: Realmente quando o Sr. Jatene falou “especialista em gente” ele quis se referir ao fato de o médico ser um especialista no ser humano como ente biológico. Ou seja, ser especialista significa dominar, em profundo conhecimento, o organismo humano como um sistema dinâmico complexo e seus subsistemas, tanto anatômica como fisiologicamente. Através desse conhecimento básico, imagino que se construam os alicerces para o domínio dos tratamentos e procedimentos que constituem a medicina propriamente dita. Parafraseando Dráusio Varella, “a função da medicina é aliviar o sofrimento humano”. Simply like that! Tudo isso associado a uma boa carga horária de matérias de ética profissional – afinal, a carreira do médico em si envolve elevado grau de responsabilidade civil.
Como falei anteriormente, não sou médico, mas acho que o bom senso de um mero usuário da medicina me faz crer que essa é a descrição do que espero da formação ACADÊMICA de um médico. Ou seja, se de fato o “especialista em gente” significa um médico com elevado conhecimento teórico, experimental e com responsabilidade social, então concordo em gênero, número e grau com o que o Sr. Jatene falou! Mas, me pergunto: como que, em plena segunda década do século XXI, alguém descobriu, como num passe de mágica, que a formação típica de graduação em seis anos não era suficiente para fornecer isso aos médicos? Ao longo desses meus 30 anos de vida, já precisei de serviços médicos inúmeras vezes – seja para tratar de simples viroses a um acidente de carro em 2008. E, sendo bem sincero, tirando pouquíssimas exceções, via de regra, tive meus problemas resolvidos pelos profissionais que me atenderam.

Agora querem me dizer que seis anos não são suficientes como graduação? Ou melhor, que todos os médicos que me atenderam tinham formações deficitárias? É isso mesmo? Tirando um pouco o meu egocentrismo, o Governo Federal quer dizer então que temos 400 mil médicos no Brasil que fizeram graduação em seis anos (dos quais boa parte continuou seus estudos em residências médicas) mas não são “especialistas em gente”, como disse o Sr. Jatene. São, portanto, incapazes de exercer a profissão! Entendi corretamente, Sra. Presidente (com “E” no final)?
Apesar de suas bizarrices, ainda acho difícil que a Possibilidade 1 seja a real. Apresento, portanto, a segunda possibilidade – cuja raiz chega a ser bem mais negativa que a primeira. Possibilidade 2: Quando o Sr. Jatene falou em “especialista em gente”, a carga semântica da expressão atravessou o lado técnico e abraçou uma causa ideológica “esquerdopata”. Ele quis dizer que “o médico não completa sua formação na faculdade, mas sim na prática”. Ou melhor, que “mais importante que dominar a anatomia é entender de fato os problemas de nossa gente”.

Quando argumentos beiram o ridículo, a resposta deve ser estruturada, justamente para expor suas falácias. Sendo assim, vamos por partes. Quanto à ideia de que “o médico não completa sua formação na faculdade”, Sr. Jatene, lamento informar-lhe, mas isso não é uma característica exclusiva da medicina (ou mesmo da área de saúde). Pegue, por exemplo, o caso da formação acadêmica de um engenheiro (minha graduação). Os primeiros anos são focados em matérias de ciências básicas (matemática, física etc.) e os períodos disponíveis para estágios são normalmente restritos às férias escolares. À medida que o curso se aproxima do final, as matérias começam a focar mais na aplicação dos fundamentos teóricos em problemas experimentais, assim como a disponibilidade para estágios (muitas vezes curriculares) passa a ser maior. Assim, ao se formar, a transição entre a vida acadêmica e a carreira profissional não precisa ser mais abrupta do que já é. Mesmo assim, no seu primeiro dia de trabalho, você acha que um engenheiro recém-formado é colocado numa situação de total domínio de sua profissão? Claro que não! O aprendizado, mesmo que na vida pós-acadêmica, é um processo contínuo e constante. Mais ainda, esse modelo não é exclusivo da engenharia, mas cursos como economia, administração de empresas, etc., também seguem essa lógica.
Esse framework é de certa forma padrão para qualquer carreira que envolva elevado nível de capital intelectual.

Existe uma formação acadêmica, com forte base teórica e experimental, que pouco a pouco dá espaço a estágios a medida do momento que se transaciona do ambiente universitário para a vida profissional. E quando se começa a carreira propriamente dita, nem mesmo os mais brilhantes está, obviamente, 100% preparado para lidar com todos desafios do mundo real. A vivência, a experiência de problemas passados e as relações interpessoais continuamente calibram a escala do bom profissional. E isso vale, inclusive, para os grandes outliers. Ou você acha que Armínio Fraga quando era recém-concludente do Ph.D. em economia de Princeton sabia macroeconomia no mesmo nível que hoje, após uma carreira brilhante como hedge fund manager, passando pela presidência do Banco Central do Brasil?
O segundo sub-argumento chega a ser ainda mais nefasto, pois nele está escondido o total desprezo por parte da filosofia esquerdista ao conhecimento científico e acadêmico. Quem argumenta que “é mais importante pra um médico entender os problemas pessoais do paciente do que dominar anatomia e fisiologia humanas”, também pode transladar o mesmo absurdo para demais áreas do conhecimento humano. Ora “bom engenheiro aeronáutico é aquele que tem fotos de avião no quarto, não o que estudou aerodinâmica”. Ou “bom economista é o partidário do Bolsa Família, não o que domina o modelo IS-LM ou consegue distinguir Milton Friedman de Keynes”.

Não me levem a mal. Não tenho desprezo por entender problemas práticos ou mesmo agir com ética e responsabilidade social. O que repudio, sim, é essa cultura de menosprezar o conhecimento técnico, como se o conhecimento do mesmo (e de suas limitações) não fosse essencial para a aplicação às situações reais. E por que a esquerda sempre levantou esse argumento de “diminuir o conhecimento técnico”? Simplesmente porque a técnica, aliada ao bom funcionamento do livre mercado, é a forma mais democrática de permitir a sociedade (pacientes, nesse caso!) que se escolha os melhores profissionais. Que se separe o joio do trigo. Da onde veio o sucesso (inclusive financeiro) de Ivo Pitanguy, senão de seu reconhecido domínio fora de série, teórico e experimental, dentro de sua área de atuação?

A esquerda teme, acima de tudo, o conceito de meritocracia. Afinal, para eles é sempre melhor rotular os 400 mil médicos com ataduras em suas faces e transformá-los num produto de linha de produção, independente de suas diferentes individualidades, capacidades e interesses. Bom, o cometa da meritocracia passou distante das terras tupiniquins – afinal, quem é mesmo o Ministro da Educação? Aloísio Mercadante? Por curiosidade, me respondam, qual critério técnico (além de “prêmio de consolação por ter perdido as eleições do governo de São Paulo em 2010”) foi utilizado para sua nomeação para a pasta? Já sei! Deve ter sido o mesmo que o nomeou para sua pasta anterior (Ciência e Tecnologia).

Concluindo, Sr. Jatene, por favor, não faça pouco caso da massa crítica intelectual brasileira. Apesar de cada vez menos representativa, ela ainda existe – e incluo muitos de meus amigos médicos nesse grupo. Respondendo, por fim, ao seu pedido para formarmos “especialistas em gente”, como paciente, garanto-lhe uma coisa: se o que eu procuro é apenas um bom par de orelhas para ouvir-me reclamar do meu cisto sinovial que tenho no pulso (e não retirá-lo), sinceramente, não preciso de um médico para tal. Um grupo de amigos numa mesa de bar é mais que suficiente – e certamente mais agradável que um consultório médico. Agora, no dia que eu tiver uma doença grave (espero que isso não ocorra), não quero seu “especialista em gente”. Quero um com o padrão do “Dr. House”, da série televisiva, quero o melhor. Ele pode até ser rude comigo, se prometer ser duplamente rude com a doença. E, diferente do que prega Mercadante, que a medicina deve ser exercida sem intenção de ganhos financeiros, acredito que qualquer atividade profissional, desde que exercida com ética, deva sim visar o lucro e a remuneração por seu capital intelectual – e estou disposto a pagar caro por um serviço de qualidade.

P.S.: Existe, ainda, uma curiosidade final. Se o conceito de “especialista em gente”, de fato, se refere à prática médica (não acadêmica) em si, segue então a dúvida: por que para se tornar “especialista” o médico necessariamente teria que trabalhar para o SUS? Que fator técnico desmereceria o médico do setor privado no objetivo de alcançar tal especialidade? Até onde eu saiba, o coração de Joseph Safra e o do paciente do SUS têm, igualmente, dois átrios e dois ventrículos. Pelo menos foi o que aprendi nas aulas de biologia 15 anos atrás. Se o único caminho para o título de especialista em gente for o trabalho forçado no SUS, então tanto Lula como Dilma não se trataram por tais especialistas no Sírio-Libanês.

Felipe Bastos Gurgel Silva, engenheiro aeronáutico pelo ITA e doutorando em Finanças pela Cornell University.