Dengue: Fortaleza em estado de alerta

“Estamos no estado de alerta, em um iminente risco de epidemia”, afirma o gerente da Célula de Vigilância Ambiental e Riscos Biológicos da SMS, Nélio de Morais, ao falar sobre casos de dengue em Fortaleza. Segundo ele, o último levantamento rápido do índice de infestação por Aedes aegyp (Liraa) realizado na Capital, divulgado em outubro do ano passado, apontou uma infestação de 1,02%. “Mas em outubro é um cenário maravilhoso, porque eu não tenho chuva nenhuma e não acumulei água em canto nenhum. Esse Liraa é o da chuva. Consequentemente, ele já me deu 2,04. O sinal de alerta está lançado”, acentua.

O bairro Guararapes registrou o maior Índice de Infestação Predial (IFP) de Fortaleza no último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (Liraa) feito pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Foi de 12,5%. A pesquisa, realizada entre os meses de novembro de 2013 e fevereiro deste ano, revelou um índice de infestação de 2,04 para a Fortaleza. Isso significa que entre 100 residências da Capital, duas possuem criadouros do mosquito. O valor é considerado como “de alerta” pela classificação do Ministério da Saúde.

O bairro Guararapes, outros nove bairros registraram um IFP classificado como de risco. A maioria das áreas (80 bairros) permaneceu como “em alerta” na pesquisa. Entre as Secretarias Regionais (SERs), o levantamento apontou a Regional VI como o local de maior concentração de focos do mosquito, com um percentual de 2,47% – superior ao índice geral da cidade.

DETALHE – Fortaleza tem hoje 64 casos confirmados de dengue. Isso até o último dia 22, segundo a Secretaria da Saúde do Estado.

denguee

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

2 comentários sobre “Dengue: Fortaleza em estado de alerta

  1. Caro Eliomar

    Vou contribuir com esse “estado de alerta”: nas confluências das ruas Rui Barbosa, João Brígido e Dr. José Lourenço – bem próximo à funerária Ethernus, há uns edifícios de apartamentos, recém-inaugurados, que jogam DIARIAMENTE uma imensa quantidade de ÁGUAS SERVIDAS, nas coxias das rua Dr. José Lourenço e Rui Barbosa, criando enormes poças de água na rua Padre Valdevino e nas próprias ruas Dr. José Lourenço e Rui Barbosa, sujando as ruas, as pessoas, os veículos, enlameando calçadas, destruindo o asfalto, e, principalmente, propiciando um excelente CRIADOURO para as larvas do mosquito da dengue.
    Por que toda essa água não é canalizada para a rede de esgoto que passa naquelas ruas ?
    Por onde anda a Fiscalização da Prefeitura?

  2. Água servida no meio da rua, com urina, fezes etc., é comum no em torno do Castelão, o que aumenta substancialmente a quantidade de mosquitos na área, além de outros fatores que resultam em risco à Saúde Pública. Seria de bom alvitre que um telefone fosse disponibilizado ou e-mail fosse disponibilizado, para que se oferecesse denúncia nesse sentido. Ficaríamos muito grato com isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 5 =