Em defesa do prefeito RC e contra a Lôra do PT

Com o título “Quem Sabe Faz a Hora”, o professor João Arruda (UFC) e também assessor especial do Paço Municipal, manda artigo. Ele avalia a peleja entre o prefeito Roberto Cláudio (Pros) e a ex-prefeita Luizianne Lins (PT) sobre gestão. RC disse que Luizainne só fala besteira, enquanto a petista afirmou que ele só aumenta IPTU e derruba árvores. Confira:

Meu caro Eliomar de Lima,

Como cidadão e como munícipe que acompanhou os 8 anos de inoperância e de esmando político-administrativo da gestão Luizianne Lins, não posso me omitir diante de repetições de inverdades e de manipulações de fatos.

Luizianne Lins, ao tentar responder as críticas feitas pelo prefeito Roberto Cláudio à sua postura político-administrativa durante os seus dois mandatos como prefeita de Fortaleza, deixa transparecer alguns traços invariantes da sua personalidade sociopolítica: a sua notória incapacidade de autocrítica, o seu inconfundível autismo político, a sua vocação
por criar factoides políticos e, principalmente, a sua compulsividade em fraudar a realidade dos fatos.

Nesses traços, Luizianne lembra, com perfeição, as conhecidas técnicas do Joseph Goebbels, ministro da propaganda nazista, que repetia, até a exaustão, mentiras e difamações contra os adversários políticos, na expectativa de que fossem transformadas em verdades.

Se analisarmos a postura dos 6 últimos gestores de Fortaleza, nenhum demonstrou um desprezo ao meio ambiente, uma postura tão arboricida quanto Luizianne Lins. A sua gestão foi caracterizada pelo descarado desrespeito à natureza. Emblemático dessa situação de desrespeito à natureza foi o imoral e lesivo Termo de Ajustamento de Conduta –TAC – assinado pelo seu Procurador Geral, abrindo as dunas do Cocó para a especulação empresarial desmedida.

Nesse TAC, que foi revogado pelo prefeito Roberto Cláudio, ficava acordado que o município de Fortaleza não ajuizaria qualquer medida judicial contra os associados de uma determinada associação que congrega empresas construtoras. O mais grave é que esse TAC foi assinado em outubro de 2012, em pleno segundo turno e no apagar das luzes da sua administração.

Em sua gestão, sob protesto dos ambientalistas, o município concedeu licença ambiental para a construção de um centro comercial no Parque do Cocó, com o sacrifício de centenas de árvores. Ainda na sua administração, a Polícia Federal levou a cabo a Operação Marambaia, tendo condenado a titular da SEMAM, por concessão de licenciamentos ambientais fraudulentas em áreas de preservação permanente. Foi ainda a sua gestão que acabou com o Projeto Parque Vivo, criado na administração Juraci Magalhães, em convênio com a UFC, considerado um dos melhores programas de educação ambiental do Brasil e que funcionava no Parque Adail Barreto.

Estes são só pequenos exemplos das suas estripulias ambientais. Ao contrário da sua gestão, o prefeito Roberto Cláudio já plantou mais de 5 mil árvores nativas e multiplicará por 6 este número até o final da sua gestão.

Sobre as creches, Luizianne Lins mais uma vez distorce os fatos e mente descaradamente. A cidade inteira conhece a sua omissão criminosa quando recusou, sob o pretexto de que o município não dispunha de terrenos, 80 creches oferecidas pelo Governo Dilma, omissão criminosa que prejudicou quase 20 mil crianças carentes de Fortaleza. O prefeito Roberto Cláudio, com sensibilidade, logo reverteu o quadro e já entregou quase uma dezena e
Centros de Educação Infantil (CEI). Até 2016, ainda serão construídos 124 novos CEI em toda a cidade, mais do dobro do número histórico de creches de Fortaleza. Na área de Saúde, Luizianne também omite e mente.

O prefeito Roberto Cláudio, ao assumir a prefeitura, pegou um sistema de saúde desorganizado e sucateado, considerada a 5ª pior saúde pública entre as capitais do Brasil. Hoje, Fortaleza está experimentando uma nova gestão dos serviços da saúde. Os dois primeiros anos da atual gestão foram dedicados à atenção primária. Para isso, 57 dos 92 postos de saúde de Fortaleza passaram por reforma, ampliação e modernização, 25 novos estão sendo construídos, com dois postos já entregues. De toda a rede de atenção primária, 87 já estão operando com o novo sistema de gestão, funcionando de 7 da manhã às 7 da noite, com laboratório, farmácia e com consultórios odontológicos em cada unidade. E não fica por ai. Além das três UPA já entregues em 2014, até meados de julho, os fortalezenses receberão mais três UPA.

Para resolver a caótica situação urbana legada da administração Luizianne Lins, Fortaleza assistiu à conclusão das Avenidas Alberto Craveiro, Paulino Rocha e a rotatória e Túnel Demócrito Dummar, no entorno do Castelão. Roberto Cláudio entregou também o túnel Barros Pinho, na Avenida Santos Dumont sob a Via Expressa; as novas Avenidas Catolé
(Conjunto Palmeiras), Walter Bezerra de Sá (Luciano Cavalcante), e a Cônego de Castro, o novo Terminal de Ônibus do Antônio Bezerra, o binário das Avenidas Dom Luís e Santos Dumont e os dois viadutos das Avenidas Engenheiro Santana Junior e Antônio Sales.

Para garantir maior agilidade, conforto térmico e estimular o uso dos transportes coletivos, a administração Roberto Cláudio instituiu a obrigatoriedade dos ônibus novos virem dotados de ar condicionado, já construiu mais de 45 km de faixas exclusivas de ônibus e instituiu o Bilhete Único (que integra ônibus e vans por até duas horas),
beneficiando, com essa última medida, mais de 820 mil usuários do transporte coletivo da Capital, principalmente as pessoas de baixa renda.

A cidade também ganhou novas feições com a decisão do prefeito Roberto Cláudio de garantir a democratização e o respeito aos diversos modais de transporte. Como fatos inéditos, Fortaleza também ganhou o Plano Diretor Cicloviário Integrado (PDCI), que vai implantar 523 km de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas a curto (5 anos), médio (10 anos) e longo prazos (15 anos), ou seja, a partir de 2015 até o ano de 2030. Dos 523 km da rede
inicialmente prevista, 59,5km já estão inseridos nos corredores de transporte em implantação e implantou o vitorioso sistema de bicicletas compartilhadas.

Para garantir a efetiva participação da população no planejamento da cidade, o prefeito Roberto Cláudio acaba de criar o Conselho Municipal de Planejamento Participativo, garantindo, nesse fórum, uma efetiva e livre participação dos nossos munícipes nos destinos da nossa fortaleza, longe das cooptações e da politicagem rasteira.

Finalmente, meu caro Eliomar, como não posso alongar indefinidamente o texto, concluo a minha participação expressando uma certeza: não tenho dúvida de que a percepção de Luizianne Lins e dos fortalezenses de que a nossa cidade avança rumo à retomada de um desenvolvimento urbano includente, socialmente mais justa e com uma irreversível melhoria dos serviços públicos ofertados aos fortalezenses, agride fortemente a autoestima e turva ainda mais a lucidez da ex-gestora que, com suas declarações, parece confirmar o disse o prefeito: ruim de serviço e pródiga em falar besteira.

Sem mais,

João Arruda.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

7 comentários sobre “Em defesa do prefeito RC e contra a Lôra do PT

  1. Caro Eliomar,
    Onde mora esse pseudo-cidadão, pois com toda certeza não é em Fortaleza, fico muito preocupado, pois se diz professor e a única coisa ele sabe realmente fazer é bajular (ferramenta usual das pessoas que não tem competência). São tantas coisas boas que esse prefeito fez, colocando administradores corruptos em vários órgãos das prefeitura.

  2. Mais uma vez o professor João Arruda tenta esconder o sol com a peneira. Na questão do descaso ambiental, da má gestão na saúde, na educação,no transporte coletivo e segurança, Luizianne e RC se equivalem.
    Grande parte das críticas que um faz ao outro são pertinentes.
    Lastimável é este maniqueísmo subserviente do professor que compara a ex-gestora a Goebbels, esquecendo de si mesmo e de seu chefe, o prefeito.

  3. Perfeito, lúcido e realista. Quem critica no mínimo não leu o texto, e se leu não aceita a mais cristalina das verdades. Muito tem a se fazer na nossa querida Fortaleza, mas não tem como comparar um com o outro, enquanto o Roberto Cláudio é ativo e inovador, a outra era e é louca e sem noção.
    Parabéns!

  4. Como cidadão e como munícipe, João Arruda?? ainda bem que você esclareceu, pois eu, maldoso como sou, poderia jurar que você estava escrevendo como bajulador de quem lhe paga um cargo em comissão. Será que agora, também como cidadão e munícipe, o nobre bajulador poderia discorrer sobre as 68 ações “emergenciais” prometidas pelo prefeito e mais de 70% ainda não executadas? ou será que, para o prefeito, emergencial tem outro significado que permite esperar mais de 2 anos? ou quem sabe o nobre bajulador pudesse nos esclarecer sobre o último lugar da capital nos testes das escolas públicas? afinal não foi o nobre bajulador quem alardeou uma “revolução” no ensino público municipal? e que tal algumas considerações sobre a nova beira-mar, com seu portentoso mercado dos peixes e espigão? ou o novo acesso ao porto do Mucuripe? Como o nobre cidadão e munícipe pode ver, o que não falta é assunto para discorrer.
    PS: Para não dizer que só critico, uma dica: aproveite o tempo porventura livre na prefeitura e dê uma olhada nas regras do uso da crase.

  5. Esse joão arruda vende até a alma ao satanás só pra manter um carguinho público. Gente incompetente é assim mesmo, tem que puxar o saco demasiadamente pra garantir um carguinho comissionado.

  6. Esse é o problema maior de quem não tem competência para estar no cargo, pois usa de suas ferramentas, a sua opinião, que se diga, opinião pessoal, e não coletiva, que ficam cegos, só ver aquilo que o prefeito quer. Nas reformas dos prédios, onde ficam instalados os postos de saúdes, a parte física está excelente, mas falta o insumo, falta medicamentos, falta parte humana, aquele medicamento básico, o mais conhecido, o OMEPRAZOL, está faltando, portanto, sr. João Arruda, deixe de babar, abra o olho, e fale a verdade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 5 =