Festa só para adolescentes passa despercebida por órgãos de proteção à juventude

foto tthe choice

Em artigo enviado ao Blog, o jornalista Nicolau Araújo sugere mais fiscalização em festa para adolescentes que chegou a Fortaleza e foi proibida em São Paulo. Confira:

Uma das festas de maior sucesso da THE CHOICE invade FORTALEZA, a grande Festa do Hawai e para ficar ainda melhor MULHERES TEM DESCONTO no CAMAROTE GOLD!!

O anúncio da festa que nesta hora está rolando em uma boate no bairro Dionísio Torres circulou nas redes sociais na última semana, assim também por meio de “agenciadores” nas portas de escolas em Fortaleza. Apesar do destaque no convite que “mulheres têm desconto” (têm no plural, mas esse é apenas um dos inúmeros erros de gramática dos organizadores que possuem como público alvo os estudantes), a festa é totalmente voltada para adolescentes. Sim! Pais ou responsáveis não podem acompanhar os “convidados”, reféns por mais de cinco horas em ambiente fechado.

A festa também é realizada nas cidades de São Paulo, Campinas, Santo André, São José dos Campos, Rio de Janeiro, Campo Grande, Cuiabá e Salvador, sendo que em São Paulo sofreu intervenção da Justiça.

O que deveria ser um “inocente” evento voltado para adolescentes que não podem frequentar ambientes festivos de adultos – foi a desculpa que ouvi da filha adolescente – na verdade há registro de casos de furtos, tumultos e constrangimentos, de acordo com relatos de matérias sobre festas que já ocorreram em outras cidades.

Apesar dos organizadores assegurarem que não haverá consumo de bebidas alcoólicas, os energéticos estão liberados para os adolescentes que pagarem 20 reais a mais pelo ingresso.

Enquanto isso, nada foi pronunciado por parte da Vara da Infância e da Juventude, assim como por parte da Delegacia de Combate à Exploração da Criança e Adolescente (Dceca) e do Centro de Defesa da Criança e Adolescente do Ceará (Cedeca).

Mas não há como culpar os vigilantes dos direitos da criança e do adolescente, pois os organizadores da festa atentaram para uma divulgação silenciosa e de curto espaço.

O tema em Fortaleza – Hawaii – é leve e de fácil apelo, mesmo tendo o funk (tudo a ver com o Hawaii) como atração principal. Mas em Santo André, na terceira edição do The Choice, a festa possui como tema “Três horas de escuridão total”. Assim como o indomável espírito adolescente, os organizadores também parecem não ter limites.

Ah, para não dizer que estou cortado o barato dos adolescentes e os ganhos dos organizadores, há um ponto positivo na festa. O próprio nome: The Choice, A Escolha. E escolhi em não deixar minha filha adolescente refém não sei de quem.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

4 comentários sobre “Festa só para adolescentes passa despercebida por órgãos de proteção à juventude

  1. A frase “mulheres têm desconto” não tem qualquer erro de português. O acento circunflexo abolido na dobra da letra “e”. “Eles veem o mar”. “Eles têm sede” está correto, por exemplo.

  2. Caro Vitor, o acento de “têm” (plural) não foi abolido. Mas o erro maior é tratar as adolescentes como “mulheres”. Juridicamente, o termo apropriado seria “jovens” ou “adolescentes”. Se o amigo não consegue perceber a gravidade do artigo, não vou desviar o foco para debater a gramática. Os erros ortográficos dos organizadores, no entanto, contradizem o público alvo, no caso os estudantes, além de mostrar fragilidade e despreocupação com aquilo que divulgam, inclusive no site oficial. Chega a dar dó.

  3. Caro Vitor, somente agora, três meses depois, passei sem querer pela matéria e entendi o que o amigo colocou em relação à acentuação. Na verdade, a confusão surgiu porque no meu texto eu corrigi a frase do anúncio, que colocou “mulheres tem (singular)”. Enquanto o amigo se referiu ao meu texto, eu me referi ao texto original. Creio que a confusão foi essa. Abraço.

  4. Andei procurando alguma base para decidir se autorizava ou não, minha filha a ir nesse evento, esse artigo me ajudou em minha decisão, mas também pude observar o nível dos frequentadores do evento baseado nos comentários vulgares em diversas postagens, principalmente no facebook,não sei qual será o funk que será o ritmo, bem provável que seja o proibidão, a minha filha não irá, mas cada pai é responsável pela liberação de seus filhos, independente da ação ou omissão dos órgão de proteção da infância e da juventude.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + sete =