FHC DIZ QUE LULA DEFENDE O POVO EM CAMPANHA, MAS NO GOVERNO AGRADA A ELITE

E lá vem ele de novo com sua verve de dor de cotovelo ou, quem sabe, de um crítico isento. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deu entrevista aos repórteres Laura Greenhalgh e Fred Melo Paiva, que pode ser conferida na edição deste domingo do jornal Estado de S. Paulo. Confira alguns trechos:

1) O governo está… Não posso falar em francês porque vão dizer que sou pedante… Está cheio de si. No termo antigo, gabola. (…) Houve uma época em que o Lula disse: “Agora vamos fazer um entendimento com a oposição”. Daí discutiram se iriam, ou não, me chamar para uma conversa. Eles se pegam sempre na coisa menor. Me chamar pra quê? Pra tomar café?

2) O Brasil perde oportunidades! Vou dar um exemplo: o governo não gostava do sistema de agências reguladoras. O presidente disse mais de uma vez que eu tinha terceirizado o governo, o que mostra que ele não entendeu do que se tratava. Na prática, não pôde mudar porque viu que isso era necessário no mundo de hoje. Em lugar de aperfeiçoar, fez o pior: começou a nomear politicamente.

3) Vou dizer uma coisa: em termos ideológicos, Lula sempre esteve mais próximo de mim. Ele não vai admitir, mas é verdade.

4) Quem é o fiel do governo? Quem impede o travamento do processo de modernização do País? É o Lula. Há quem diga que o Palocci entendeu o processo logo, mas quem foi o fiador do Palocci? O Lula. E não o contrário. Ele mantém o Henrique Meirelles no Banco Central, ao mesmo tempo em que lida com ministros que dão sinais contrários, como Guido Mantega. Coloca o Paulo Bernardo no Planejamento, porque sabe que a cabeça dele é afinada com o BC. Tem noção de equilíbrio. Em campanha defende o povo, no governo agrada à elite.

5) Na verdade, Lula nunca foi um quadro ideológico, o que lhe dá vantagens. Ele diz que é uma metamorfose ambulante. Isso não é negativo. A minha crítica é que Lula governa sem saber bem o rumo. (…) É um grande tático. Mas estrategista nunca foi.

6) Lula pode ter desalojado o coronelismo no Nordeste, mas pode vir aí com o coronelismo dele. Se houver uma apropriação pelo governo de uma política que é do Estado, isso acontecerá. Não se esqueçam de que o cadastramento no programa Bolsa-Família é feito pelos prefeitos. Isso aumenta a influência dos políticos locais e pode criar uma linha direta com o presidente, esvaziando o papel dos Estados. (…) Sempre tive horror à idéia de ser o pai dos pobres.

7) Não sou candidato, não quero nada. Se eu quisesse voltar, deveria ter sido candidato na primeira sucessão do Lula, quando saiu o Geraldo. Todos vieram falar comigo: o Serra, o Aécio, todos. E eu não quis. (…) Não tenho dúvida de que Lula vai voltar em 2014. Porque é político profissional. E ótimo, tomara faça. (…) Não ocupo mais posição política. O que tenho, hoje, é posição pública. Penso, digo o que penso e procuro explicar o que penso.

Do Estadão, confira mais aqui

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

4 comentários sobre “FHC DIZ QUE LULA DEFENDE O POVO EM CAMPANHA, MAS NO GOVERNO AGRADA A ELITE

  1. Esse vendilhão da pátria morre de inveja do lula. Nessa matéria mais parece um bebê chorão implorando para tomar um café com o presidente do povo, Lula.

  2. Eu detesto FHC e toda a patota. Mas que é verdade, isso é. Lula nunca saiu, não sai e não vai sair da mesma linha que ele sempre criticou pra chegar onde chegou. Aliás…não só o lula, né? rsrs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + 18 =