Fortaleza e o trânsito nosso de cada dia

O trânsito de Fortaleza não está mesmo pra brincadeira. Só nesta manhã de quarta-feira, dois acidentes, com danos materiais, já foram captados por leitor deste Blog:

carrrood

Na Avenida Dedé Brasil, três carros num imprensado que ninguém sabe como aconteceu…

mototot

Na avenida Luciano Carneiro, um acidente com motociclista, o que já virou rotina nesta cidade.

(Foto – Leitor Alysson Oliveira)

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Um comentário sobre “Fortaleza e o trânsito nosso de cada dia

  1. Caro Eliomar

    Com relação aos chamados “motoqueiros”, o quadro é desanimador: a sua quase totalidade é de gente sem instrução, andava de bicicleta até ontem e “amanheceu” em cima de uma moto, sem noções de trânsito, nunca dirigiu um carro.
    Além do que, todos parecem que vão “tirar o pai da fôrca”, sempre apressados, não admitem parar atrás de um carro num sinal fechado, querem ficar sempre lá na frente, e, para isso, raspam nos carros, sobem calçadas, sem um mínimo de civilidade e cidadania.
    Já reparou ? Motoqueiro não freia, ele BUZINA – achando sempre que está com a razão.
    A Fiscalização é praticamente inexistente: se houver uma fiscalização em qualquer grande Avenida, de cada 10 motoqueiros parados, uns 8 estarão irregulares, de uma forma ou de outra – no interior, então, nem se fala.
    Outra coisa: a tal prova para obtenção da habilitação deveria ser toda modificada, com um curso de formação de no mínimo, uns 3 meses de duração, testes psicotécnicos e de práticas bem mais rigorosos. Do jeito que está, é uma piada: faz-se o chamado “oito” e está aprovado.
    Enquanto o trafego de motocicletas for “entre o trânsito” e não, “no trânsito”, nada mudará: a moto pode vir pela esquerda, pela direita, pela coxia, pela calçada !!!!!!
    Bom que pessoas das classes menos favorecidas possuam seu transporte próprio, com o é o caso das motocicletas, mas em condições que precisam ser repensadas. URGENTEMENTE.
    O Poder Público está devendo isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + dezessete =