Governo reserva R$ 6 bi para emendas

“O governo vai abrir o cofre para enfrentar votações importantes no Congresso, a partir da próxima semana. Dos R$ 11,9 bilhões que foram liberados ontem pela equipe econômica para gastos do Executivo, cerca de R$ 6 bilhões devem ser reservados ao pagamento de emendas parlamentares, principalmente para senadores. O Palácio do Planalto não quer correr riscos no Congresso às vésperas de votações cruciais, como a que estica a validade da Desvinculação das Receitas da União (DRU) até 2015.

A presidente Dilma Rousseff pediu aos líderes da base aliada todo o empenho para aprovar a prorrogação da DRU, mecanismo que permite ao governo gastar como quiser 20% das receitas orçamentárias. Na tentativa de convencer deputados e senadores, Dilma recorreu até mesmo ao argumento dos efeitos imprevisíveis da crise internacional, que deve ser de longa duração.

A emenda que renova a DRU foi aprovada em primeiro turno na Câmara, mas passará de novo pelo crivo dos deputados, na terça-feira, antes de seguir para o Senado. Na lista das prioridades do governo – que corre contra o tempo para não ser surpreendido no Congresso – estão, ainda, a proposta que institui um fundo de Previdência para os servidores e o Orçamento da União. Todos os projetos precisam receber sinal verde tanto da Câmara como do Senado.

Ajuste. Em fevereiro, um mês após tomar posse, Dilma anunciou corte de R$ 50 bilhões nas despesas para enfrentar um período de “vacas magras”.

O aperto provocado pelo ajuste fiscal só ganhou uma folga ontem, quando o Ministério do Planejamento liberou R$ 12,1 bilhões para os três poderes. Deste total, R$ 11,9 bilhões foram para o Executivo.”

(Agência Estado)

É com essa margem de manobra que as ministras Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil) trabalham para pagar emendas e aumentar investimentos em programas sociais. Diante de uma crise política atrás da outra, Dilma pretende fechar o ano com uma agenda positiva.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Um comentário sobre “Governo reserva R$ 6 bi para emendas

  1. Esperamos que não estejam neste saco de maldades os projetos dos Aposentados,Pensionistas e Trabalhadores.

    Rio – A previsão de aumento nas receitas para a Seguridade Social em 2012, no valor de R$ 47 bilhões, sinaliza que o governo teria condições de conceder reajuste acima da inflação aos 8 milhões de segurados do INSS que ganham acima do mínimo. É com esses dados em mãos que entidades representativas de aposentados entraram na luta pela fixação de uma política de aumento anual aos segurados que ganham acima do mínimo.

    Em reunião ontem com o Ministério da Previdência Social, centrais sindicais e entidades representativas dos aposentados acordaram que vão apresentar uma proposta de reajuste fixo que, assim como a política de valorização do mínimo, poderia ser adotada ano a ano sem a necessidade de extensas negociações com o governo.

    “A Previdência se mostrou aberta ao diálogo. No dia 29 de novembro nós, da Confederação dos Aposentados, junto com Dieese, Associação Nacional dos Auditores Fiscais e técnicos do Senado vamos apresentar uma proposta que vá além do INPC (índice de inflação). Há dinheiro na Seguridade. O que falta é vontade política”, aponta Antônio Graff, diretor da Cobap.

    por Eliane Salgado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 3 =