Heitor Férrer e o neotassismo fortalezense – A futura aliança do PSB e PSDB no pleito eleitoral de 2016 – Parte 1

Em artigo enviado ao Blog, o sociólogo e consultor político Luiz Cláudio Ferreira Barbosa avalia a pré-candidatura de Heitor Férrer à Prefeitura de Fortaleza. Confira:

O deputado estadual Heitor Férrer (PSB) poderá ser o pré-candidato a prefeito de Fortaleza, do senador Tasso Jereissati (PSDB), no pleito eleitoral de 2016. O Partido Socialista Brasileiro e o Partido da Social Democracia Brasileiro vão criar uma série de alianças pontuais nas principais cidades brasileiras nas eleições municipais: Fortaleza, Recife, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. A coligação partidária socialista–tucana na capital cearense poderá ser a primeira constituída espontaneamente sem interferência das receptivas direções nacionais, mas somente com um acerto regional.

O prefeiturável socialista, o deputado Heitor Férrer, caminha para reestruturar a mais antiga corrente política fortalezense, que no caso é o grupo político do senador Tasso Jereissati, com sete candidaturas ou postulações nos últimos pleitos municipais de nossa capital cearense: Ciro Gomes (1988), Assis Machado (1992), Socorro França (1996), Patricia Saboya (2000 e 2008), Antônio Cambraia (2004) e Marcos Cals (2012). O PSB e o PSDB tem a percepção do potencial do eleitorado tassista fortalezense que pode ser algo em torno de 15% até 22% das intenções de votos.

O senador Tasso Jereissati (PMDB) somente teve êxito como liderança regional no pleito eleitoral de 1988 na capital cearense, com a candidatura do deputado estadual peemedebista Ciro Gomes, quando Tasso estava no seu primeiro mandato de governador (1987-1990). Tasso Jereissati sempre sofreu um processo eleitoral de rejeição do seu grupo político para administrar a cidade de Fortaleza, mas principalmente dos setores organizados da sociedade civil e da classe média, por isso o anti-tassismo foi sempre forte nos pleitos eleitorais passados, como uma espécie de base social informal para ajuda eleger os seguintes prefeitos: Antônio Cambraia (1992), Juracy Magalhães (1996 e 2000) e Luzianne Lins (2004).

O deputado estadual Heitor Férrer (PSB) deverá ir para a sua terceira candidatura a prefeito de Fortaleza, as duas anteriores foram pelo Partido Democrático Trabalhista: 2004 e 2012. Heitor Férrer no ultimo pleito eleitoral para o comando da maior cidade cearense, já havia criado uma espécie de aliança branca com o senador Tasso Jereissati (PSDB), pois a base social e econômica tassista não apoiou a candidatura tucana, mas se empenharam pela candidatura da coligação PDT-PPS. As boas votações da candidatura de Heitor Férrer nos bairros tradicionais de eleitores tassistas não foram por acaso: Aldeota, Bairro de Fátima, Varjota, Cidade dos Funcionários, Grande Messejana, Grande Antônio Bezerra, Grande Montese e outros.

O presidente estadual do PSB, o deputado federal Danilo Forte, tem compreensão da necessidade dessa aliança estratégica, com o senador Tasso Jereissati (PSDB), no pleito eleitoral de Fortaleza, nesse ano. Danilo Forte procura construir o primeiro núcleo oposicionista cearense baseado numa aproximação política-eleitoral do PSB e do PSDB nível nacional, como também dos posicionamentos oposicionistas dessas agremiações em relação ao condomínio político-administrativo do ex-governador Cid Gomes (PDT) na cidade de Fortaleza e no Governo Estadual. A provável candidatura para prefeito de Fortaleza do deputado estadual Heitor Férrer (PSB) terá o apoio do mais antigo protagonista da política cearense: o senador Tasso Jereissati (PSDB).

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

5 comentários sobre “Heitor Férrer e o neotassismo fortalezense – A futura aliança do PSB e PSDB no pleito eleitoral de 2016 – Parte 1

  1. Caro Luiz Cláudio, o senador tucano não cortou e jamais cortará o cordão que o liga a oligarquia. Se o deputado Heitor Ferrer acreditar nas “boas intenções” do senador tucano, estará enterrando as suas pretensões de ser prefeito em 2016.

  2. Caro Luiz Cláudio, todas as candidaturas tucanas a prefeito de Sobral possuem um único objetivo, atrapalhar a oposição que tenta derrotar a oligarquia que é dona da prefeitura desde 1996. É também assim que vejo o apoio do senador Tasso ao deputado Heitor Férrer.

  3. Meu caro Arnóbio é bem plausível as suas argumentações. O senador Tasso Jereissati (PSDB) é mentor político e intelectual dos irmãos Ferreira Gomes: Ciro e Cid. O PSDB de Sobral terá uma candidatura competitiva nesse pleito eleitoral de 2016, o professor universitário Guimarães, que foi quase eleito na última eleição para prefeito.

  4. Não se iludem. A política é dinâmica. Guimarães em Sobral era opositor nos Fe. Gomes, hoje, aliado. Por quê?. Porque os FE Gomes sentem que estão em declínio politico e se apegam aos adversários para sobreviverem no Poder. Para eles não existem partidos, ética, dignidade, amizade, etc e tal e nem nada. fazem da mentira de serem “onestos”, mas são da espécie dos piores guabirus. Agem na mais escura noite de horrores. Da mesma forma que aqui, como analisam os primeiros comentaristas, em ralação a Tasso, pode se vê, uma declinada em relação aos Fe Gomes.

  5. Meu caro,Manoel Alcides Rocha, o meu texto no original apenas aborda aprovável aliança no município de Fortaleza, entre o PSB e o PSDB. Na sessão de comentários o assunto pleito eleitoral de Sobral foi muito bem questionado por você e o nosso amigo, Arnóbio, na qual concordo, com as opiniões. Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, sociólogo e consultor político.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 13 =