Operação Zelotes confunde nomes e conduz advogado por engano

Cópia de Zelotes

“Um erro durante as investigações da Operação Zelotes resultou na condução coercitiva da um advogado por engano nesta quinta-feira (25/2). O advogado Marco Antonio Biondo Pereira Mattos teve um mandado de condução coercitiva expedida contra ele, além de uma busca e apreensão em sua residência, depois de ter seu nome confundido com o do advogado Marcos Antônio Biondo, que atuou como consultor jurídico tributário da Gerdau até dezembro de 2015.

Mattos chegou a ser levado para prestar depoimento, mas foi liberado em seguida após mostrar, em uma rápida busca no Google, que não seria ele o alvo da investigado. Mattos foi acompanhado pelo advogado Domenico Donnangelo Filho, do Morais Donnangelo Toshiyuki Gonçalves Advogados (MDTG).

Para Domenico, o erro na investigação foi grosseiro. “Apesar de ter uma pequena semelhança nos nomes, não é nada que pudesse levar ao erro”, afirma. Além das diferenças nos nomes, outras questões poderiam ter sido pesquisadas antes da expedição do mandado. Enquanto o advogado que deveria ser investigado é de Porto Alegre e atua na área tributária, Mattos atua em São Paulo, na área trabalhista.

Segundo Domenico, a situação causou um profundo constrangimento para Mattos. “O erro foi tão grosseiro que os policiais desistiram da busca assim que chegaram à sua residência. No entanto, a situação causou um profundo constrangimento já que foi presenciado por vizinhos, funcionários do prédio em que mora e por sua família, inclusive o filho de 10 anos”.

Operação Zelotes

Na manhã desta quinta-feira (25/2), a Polícia Federal cumpriu mais uma série de mandados de condução coercitiva e busca e apreensão relacionada à operação zelotes, que investiga um esquema de compra de decisões no Conselho de Recursos Administrativos (Carf).

O foco desta nova fase da operação é o grupo Gerdau. A suspeita é que o grupo tenha atuado no Carf para evitar o pagamento de multas que chegam a R$ 1,5 bilhão.

Estão sendo cumpridos 22 mandados de condução coercitiva e 18 de busca e apreensão em cinco cidades: Brasília, Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. Também são feitas duas oitivas autorizadas judicialmente no complexo da Papuda, em Brasília.”

(Consultor Jurídico)

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 6 =