Blog do Eliomar

Últimos posts

Orgia de intolerâncias

Em artigo no O POVO deste domingo (15), a Psicóloga, pedagoga e sexóloga Zenilce Vieira Bruno aponta que “na era da informação de massas e da política espetacular, a informação nos satura antes que a reflexão e a dinâmica social encontrem alguma solução”. Confira:

Em nossa cultura, em nosso tempo, tolerância e bom senso tornaram-se valores obsoletos. Parecemos uma sociedade que perdeu o interesse pelo futuro. Essa apatia indica que não existem projetos coletivos que deem sustentação e sentido à vida das pessoas. Modificar esse tipo de atitude, supõe resgatar valores éticos que se coloquem a serviço do bem estar do gênero humano. Narcísicos, perversos e fanáticos empurram a humanidade para uma destruição de valores e da própria vida. “A tragédia em cena já não nos basta” diz Artaud, assistimos ao vivo e em cores as destruições que procedem da orgia de intolerâncias humanas.

Cada época desenvolve suas próprias formas de patologias. O mundo atual sofre de um mal-estar que parece exigir um olhar diagnóstico cuidadoso. A atitude humana perante o estar no mundo tem se degradado espantosamente. A vida vem sendo tratada como algo simples e desprezível, que dela se faz uso para fins “naturalmente” destrutivos. Um tipo de atitude que vem sendo fortalecida num contexto em que crescem os narcisismos e as intolerâncias, promovendo uma depreciação crescente do cordial, do relacional, do amoroso. Desde que a felicidade passou a ser buscada apenas nas coisas, no consumo, na ostentação, no parecer, no poder, e não dentro do sujeito e nas relações que estabelece, o outro foi perdendo seu lugar de parceiro e começou a ser visto como concorrente, como rival.

Na era da informação de massas e da política espetacular, a exaustão é permanente. A informação nos satura antes que a reflexão e a dinâmica social encontrem alguma solução. Somos invadidos por uma multiplicidade de imagens destrutivas que nos deixa sem fôlego. Ansiamos pelo oxigênio da paz. Mas a paz que se quer para si, para o mundo, para os povos, terá de começar por cada um de nós. Teremos que reaprender o gosto pelo ético, pelo relacional, pelo amoroso e processar corajosamente transformações internas que instalem em nós a vontade da paz, o exercício da tolerância, a capacidade do perdão.

Faz-se necessário o exercício cotidiano de desculpar, de tolerar, de cascavilhar menos as faltas do outro, de perdoá-lo nos pequenos deslizes. “Se isto parecer muito difícil, vale à pena lembrar o que Cristo falou aos fariseus, reconhecendo o quanto eles eram hipócritas: “Atire a primeira pedra quem não tiver pecado”. Necessitamos processar sempre passagens na vida. Que ensaiemos, portanto, passar do estado de raiva, de ódio, de intolerância, para um estado de compreensão do humano, em suas falhas e encantamentos. Somos todos maravilhosos e destrutivos. Capazes de amor e ódio. Cabe dar destino ao que somos. Cabe nos apropriarmos do que queremos ser e fazer. Perdoar é abrir mão do ódio e permitir que a vida continue.

Ator Carlos Vereza: “Marielle é um cadáver fabricado!”

2582 1

Afirmando-se médium, o ator Carlos Vereza interrompeu a entrevista a seguir algumas vezes para bradar ao repórter: “Você tem aura petista”. A conversa aconteceu no Cineteatro São Luiz, onde o artista carioca apresenta o espetáculo Iscariotes: A Outra Face neste domingo, às 18 horas. No monólogo, o ator conta outra versão sobre o apóstolo Judas, associado historicamente à traição. Ex-membro do Partido Comunista, Vereza se posiciona à direita e é ferrenho apoiador do presidente Michel Temer (PMDB).

O POVO – Traçando uma analogia com o contexto político do País, o senhor identifica algum Judas?

Carlos Vereza – Não, sabe por quê? Porque o Judas não foi um traidor. Ele errou estrategicamente, ele era um guerrilheiro, quando viu aquela multidão seguindo Jesus, ele imaginou que, se ele entregasse o mestre, o povo se levantaria com aquela lealdade e tiraria o mestre da prisão. Mas não foi isso, porque um povo, em geral, é uma massa amorfa. Sem liderança, sem perspectiva, ele pode ser levado para qualquer lugar. Ele não era traidor e, nesse contexto atual do Brasil, são muitos os traidores. Traidores do destino do povo, a partir de um discurso demagógico, populista. Não tem nada a ver com meu Judas.

OP – O Governo Temer chegou a extinguir o Ministério da cultura (Minc), depois voltando atrás. Como o senhor avalia atual situação do Minc? Ele é importante para os artistas como o senhor?

Vereza – Ele é importante. Esse rapaz que é ministro da Cultura (Sérgio Sá Leitão) é um técnico. Ele não é ligado a nenhum tipo de corrente ideológica. Eu conheço ele pessoalmente, ele é muito honesto. Com todo o respeito, mas é um fato histórico: o Ministério da Cultura esteva ideologicamente aparelhado. Certas correntes alinhadas com essa ideologia mandavam projetos para lá e nem precisava de análise, era aprovado imediatamente. Ao contrário de outros, que não estavam alinhados. Com Sérgio, não. Ele é técnico. Agora há um excesso de ministérios, sempre houve um excesso, nessa política de coalizão que a gente é obrigado a coexistir. Você é obrigado a fazer concessão para aprovar os projetos, com essa infinidade de partidos, eles estão mais interessados no fundo partidário do que fazer uma aliança que seja a favor da história. Infelizmente as instituições do Brasil nos últimos anos foram ficando aparelhadas. Foram ficando desgastadas. “Dando que se recebe” passou a ser a palavra de ordem. Enquanto a gente não mudar esse tipo de forma de governar, você vai ter que cortejar apoio para poder governar. Eu particularmente sou favorável ao parlamentarismo, que o cara errou, você tira o primeiro ministro e troca por outro. Agora você não pode, no meio de uma administração, você a cada quatro anos fazer o impedimento de um presidente. A história do País está sempre começando. Eu, particularmente, sou favorável a um plebiscito para votar o parlamentarismo. Você não ficaria dependendo tanto dessa aliança, que nem sempre são as mais honestas.

OP: O senhor costuma criticar publicamente a permanência dos gritos de “Fora, Temer”, por quê?

Vereza – “Fora, Temer” é de uma pobreza ideológica. Eu não votei nele, por isso eu estou muito tranquilo de falar. O “Fora, Temer” é ausência de um discurso que seja uma alternativa. Eu estudo filosofia e trabalho muito com fatos… Isso é fato como essa cadeira é uma cadeira, você é um homem, ela é uma moça e está tirando fotos de mim. O Temer tirou o Brasil do abismo, ele está recuperando a economia do País, a inflação está lá embaixo, batendo recordes históricos. Isso é o cara que fez. Não é o Vereza que está dizendo. São organismos nacionais e internacionais que comprovam isso. A Petrobrás está se recuperando: de 14 milhões, ele conseguiu recuperar 1 milhão de vagas, isso é o IBGE, a Fundação Getúlio Vargas, o Valor Econômico que diz. “Fora, Temer” é criança zangada que tiraram a chupeta. Qualquer coisa é “Fora, Temer”, vai colocar quem: Rodrigo Maia? O Eunício Oliveira, que está aí com o maior escândalo em cima dele? Ao invés de “Fora, Temer”, diga assim: eu proponho que a reforma agrária seja feita definitivamente, que o Movimento Sem Terra deixe de ser um grupo terrorista e passe a ser um movimento que lute realmente por terra. Eu não sou esquerda nem de direita, mas isso são fatos. Eles não tiveram terra esse tempo todo e não reclamaram com o PT, por quê? Porque é uma organização paramilitar, terrorista… estão aí fechando estrada, queimando pneu. Estão lá em Curitiba fazendo necessidade na calçada das casas dos moradores, que não têm nada a ver. São fatos. Estão radicalizando a tal ponto como se quisessem fabricar mais um cadáver, além da Marielle… Marielle é um cadáver fabricado por eles…

OP: Eles quem?

Vereza – A ideologia radical sectária de esquerda. Eu tenho certeza, não tenho a menor dúvida, porque está havendo no Rio de Janeiro uma investigação (sobre a morte de Marielle) que já chegou a um ponto que, se eles mudarem a narrativa, vai ser uma decepção para muita gente. Por que a Marielle teve quarenta fotos na Maré se ela era uma líder comunitária? (A vereadora recebeu 1.688 votos, na verdade). Acho que a investigação tinha que começar pela Maré, ela teve votos no Leblon, no Jardim Botânico e na Gávea, só a classe média de Iphone 10. Essa menina ou foi assassinada pela milícia ou foi assassinada por pessoas que aparentemente compactuam com a ideologia dela. Eles não acreditam em Deus, eles acham que as pessoas todas não passam de massas de manobras adaptáveis ou não aos seus objetivos. O cara que acredita que a vida continua após a morte, se ele fizer uma besteira, ele sabe que tem a lei de causa e efeito, que, aliás, nem é nem religioso, é matemática. A lei de causa e efeito reordena o universo, se não a gente não estaria conversando aqui, o planeta não estaria dando voltas sob si mesmo. Deus é um matemático emocionado. A grande ciência é a matemática. Eles não acreditam nisso, eles acham que a gente é obra do acaso, que foi uma amebazinha que nasceu da lama e depois ela deu um pulinho pra terra. Aí virou mineral, animal, vegetal até virar ser humano. A gente sabe que há um plano construindo a nossa história, um plano divino. Eles não acreditam nisso. Então ele está do meu lado agora e depois não está mais.

OP – Mas falando de extrema direita, como o senhor avalia a postura do Bolsonaro?

Vereza – Eu avalio matematicamente. É uma lei física, a cada ação, uma reação. Como a esquerda radicalizou demais, surge uma reação que é o Bolsonaro, que eu não considero nem de extrema direita, considero de direita. Extrema direita mesmo é o que está acontecendo na Alemanha, que voltou a ter um antissemitismo, alegando, com alguma razão, que os imigrantes estão deturpando os valores nacionais e culturais. Bolsonaro é um cara da direita, não tem saída, é dialética, se você radicaliza de um lado, do outro ele vai desaparecer. É na política, na vida.

OP – Mas ele fala de pena de morte, ele tem um discurso de ódio…

Vereza – Essa ideologia é dele, é a plataforma dele. Eu não sou a favor. Agora ao mesmo tempo a esquerda também prega matar as pessoas, a esquerda está lá. No primeiro dia que o Lula foi preso, eles quebraram os portões da Polícia Federal. A Polícia Federal teve que reagir com bala de borracha e gás, eles inventaram que foram agredidos primeiro. Você é a favor do que eles fizeram em Curitiba? É a favor que as pessoas não podem sair de casa? Eles chegam com celular e obrigam os moradores a carregar o celular, estão fazendo necessidade na calçada. Isso é uma observação neutra, imparcial. E os moradores que pagam impostos naquela rua de Curitiba?

OP – Na ditadura militar, o senhor integrava o Partido Comunista e chegou a ser preso. Não teme que, caso um nome como Jair Bolsonaro seja eleito, isso volte a acontecer no País?

Vereza – Aí você está radicalizando, comparando o Bolsonaro a um nazista… Você está pressupondo que ele vá sequestrar as pessoas…

OP – Mas ele prega a censura à arte, a pena de morte…

Vereza – Sim, mas a Gleisi Hoffmann e o Lindbergh Farias estão incitando a massa a invadir a Polícia Federal e, obviamente se invadir a Polícia Federal, vai ter gente morta. Qualquer extremo não dá certo.

OP: Recentemente o senhor se envolveu em polêmica ao publicar no Facebook que uma escola supostamente estaria obrigando os alunos homens a usarem batom…

Vereza- Supostamente não. Foi o colégio Pinheiro Guimarães (no Rio). Eu afirmei: o colégio disse que se o aluno vier de saia e de batom, ele vai ter a nota aumentada. Eu reafirmei e estou esperando o processo até agora. Cadê o processo? Eu que não votei no Temer, fui ao Temer pedir para ele tirar a ideologia de gênero do Plano Nacional de Educação e ele tirou. É um absurdo você dizer que sexo é uma construção cultural. Então você começa a atacar biologia, começa a atacar os códigos genéticos, que é XX e XY, agora estão inventando T, W,Z, A, E, I, O, U. Ou você é homem é ou é mulher. As pessoas têm suas opções sexuais respeitáveis, daí a você dizer que nasceu homem porque isso é uma construção cultural, isso é de um ridículo. Isso é um plano cara, um plano sofisticadíssimo, porque quando você traumatiza uma criança, você vai ter lá frente um adulto manipulado politicamente. Até sete anos a criança é mais espírito do que matéria, ela não pode ser traumatizada.

OP – Mas e se uma pessoa adulta não se identifica com o gênero que nasceu?

Vereza – Sabe qual é a estatística de trans? Um em 100 mil. Agora todo mundo é trans, só que eles não estão divulgando as pessoas que estão arrependidas, que estão querendo recuperar e não conseguem, porque não tem mais jeito. Não tem como recuperar. Todo mundo é trans, isso é uma novidade. Na minha época, você tinha um trans a cada 15 anos, agora a cada dia da semana todo mundo virou trans e vai para o Paraguai operar, aí depois se arrepende porque o DNA não muda, o DNA do trans é do gênero que ele nasceu. (Vira-se agressivo para o repórter) Eu sei que eu não estou te agradando, você é petista, porque eu sou médium e eu estou vendo no teu perispírito que você é petista.

OP – Eu não sou petista.

Vereza – Você é de esquerda eu estou vendo na sua aura. Cada coisa que eu falo sua aura fica assim piscando.
(Silêncio).

Vereza – Um em 100 mil é uma coisa, agora de segunda a sexta, todo mundo é trans e outras coisas. O que é isso? Eu era amigo do Clodovil e ele não tinha essa palhaçada. Há, inclusive, uma suspeita de que ele tenha sido assassinado, a cama dele era baixa, como ele fraturou a cabeça caindo da cama, cara? Eu conheci a Rogéria, ela cantava em cinco idiomas, era uma puta de uma cantora, uma puta de uma atriz, mas não faziam essa palhaçada, esse lobby. Eu amo o homossexual e odeio o lobby gay. Eu amo o pecador e odeio o pecado.

OP – O senhor disse em entrevista ao Bial, que toda vez que uma comunidade se acha em crise, ela necessita de um bode expiatório, para muitos brasileiros, o Lula…

Vereza – Você está dizendo que o petismo seria o bode expiatório? Ele ficou 14 anos no poder, meu filho, o Temer está há só dois. Bode expiatório sou eu, que há 12 anos eu avisei o que seria o PT e as portas de trabalho se fecharam para mim. Eu fui ao Jô Soares e disse e cantei tudo o que ia acontecer com o PT…

OP – Inclusive a Rede Globo fechou as portas para o senhor?

Vereza – Sim, 90% dos autores e diretores da Gloso são petistas. Agora eles não me mandam embora, porque provavelmente deve ter algum tipo de respeito por mim. Exatamente porque eu vou ao contrário dos meus colegas e boto minha cara a tapa. Eu sou formado em filosofia. Isso aqui para mim é uma cadeira e não um helicóptero. Eles falam que é um helicóptero. (silêncio). Você deu uma bandeira da sua pergunta agora, porque bode expiatório é o povo. Eu jogo com dados, eu não adjetivo nada, porque eu estudo.

OP – Ok. Obrigado, Carlos.

Vereza – Me desculpa se eu estou dizendo o que o você não quer ouvir…

OP – Desculpo.
(Entrevistado se levanta).

Vereza – Vá se fuder, porra.
(Entrevistado se retira).

(O POVO – Repórter Renato Abê)

Neste domingo, teve município registrando chuva de 100 milímetros

Choveu em apenas 37 municípios cearenses neste domingo, de acordo com boletim divulgado pela Funceme. Mas, mesmo assim, houve localidade que não pode reclamar de São Pedro e que anotou chuva de 100 milímetros. Confira as 10 maiores precipitações pluviométricas:

Lavras Da Mangabeira (Posto: Mangabeira) : 100.0 mm

Baixio (Posto: Baixio) : 82.0 mm

Ipaumirim (Posto: Ipaumirim) : 72.5 mm

Umari (Posto: Umari) : 62.0 mm

Lavras Da Mangabeira (Posto: Lavras Da Mangabeira) : 50.8 mm

Várzea Alegre (Posto: Varzea Alegre) : 50.4 mm

Icó (Posto: Icozinho) : 43.0 mm

Umari (Posto: Cajazerinha) : 41.0 mm

Granjeiro (Posto: Novo Grangeiro) : 40.0 mm

Cedro (Posto: Ematerce) : 39.0 mm

Papa diz estar preocupado com “incapacidade” para se chegar a acordo na Síria

O papa Francisco disse hoje (15) se sentir “profundamente preocupado” com “a incapacidade” de se chegar a uma ação comum destinada à paz na Síria.

Ao término da oração do Regina Coeli na Praça de São Pedro, no Vaticano, Francisco lamentou que “apesar dos instrumentos à disposição da comunidade internacional, custe chegar a uma ação comum a favor da paz na Síria e em outras regiões do mundo”.

O papa afirmou que reza “incessantemente pela paz”, convidou todas as pessoas de boa vontade a fazê-lo e fez um apelo “a todos os responsáveis políticos para que prevaleça a justiça e a paz”.

O pontífice se pronunciou após a ofensiva coordenada por Estados Unidos, França e Reino Unido contra alvos militares na Síria em represália ao suposto ataque com armas químicas em Duma por parte do regime de Bashar al Assad.

(Agência Brasil)

Estratégia de “preso político” não surte efeito e Lula cai 6 pontos em pesquisa

480 1

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) despencou seis pontos percentuais na pesquisa Datafolha, divulgada neste domingo (15) pelo jornal Folha de S.Paulo. Em janeiro último, Lula aparecia com 37% das intenções de voto à Presidência da República. Agora soma 31%.

Segundo especialistas, a queda ocorreu por causa da prisão do ex-presidente, por determinação do juiz federal Sérgio Moro. Lula se encontra recolhido na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

De acordo ainda com especialistas, não funcionou a estratégia do PT em transformar a prisão de Lula, em fator político.

Sem Lula na disputa, Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) são os “herdeiros” da expressiva intenção de voto do ex-presidente, com 20% e 15%, respectivamente. O petista Fernando Haddad herdaria somente 3% das intenções de voto de Lula.

Apesar da polarização da disputa pelos votos de Lula – os demais candidatos oscilam entre 3% a 5% -, Ciro e Marina ainda teriam que correr atrás da preferência dos indecisos, dos que votariam em branco e dos que anulariam o voto, que somam 35%.

No cenário atual, Lula lidera com 31%, seguido por Bolsonaro (15%), Marina (10%), Joaquim Barbosa (8%), Alckmin (6%), Ciro (5%), Álvaro Dias (3%), Manuela D’Ávila (2%), além de Collor, Rodrigo Maia, Henrique Meirelles e Flávio Rocha, com 1%, cada.

A pesquisa entrevistou 4.194 pessoas de 227 municípios, entre quarta-feira (11) e a sexta-feira (13). A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

(Com Agências / Foto: Arquivo)

Termina hoje prazo para pedir isenção na taxa de inscrição do Enem

O prazo para pedir a isenção da taxa de inscrição no Enem termina às 23h59 deste domingo (15), pelo horário de Brasília. O benefício pode ser solicitado na página do Enem. O pedido de isenção, no entanto, não garante a inscrição no exame. Todos os interessados em fazer o Enem 2018, isentos ou não, também deverão fazer a inscrição entre os dias 7 e 18 de maio.

O resultado da solicitação será divulgado no dia 23 de abril, e os candidatos que tiverem o pedido negado terão até o dia 29 de abril para apresentar recurso da decisão. Quem teve isenção concedida no ano passado e faltou aos dois dias de prova terá que justificar a ausência para ter a gratuidade novamente.

Quem tem direito à isenção

Quem está cursando a última série do ensino médio neste ano em escola da rede pública;

Ou quem cursou todo o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral na rede privada e tenha renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio;

Ou quem declarar situação de vulnerabilidade socioeconômica, por ser membro de família de baixa renda, e que esteja inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico);

Ou quem fez o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) do ano passado, que tenha atingido a nota mínima.

(Agência Brasil)

Deputado esclarece postagem replicada por Blog e diz que não assistia a programa da Globo durante sessão

781 1

Sobre postagem da Coluna Radar, da Veja, aqui replicada, o deputado federal Macedão (PP) manda a seguinte nota de esclarecimento. Confira:

Nota de Esclarceimento

Apesar de não dedicar nenhuma crítica à novela MALHAÇÃO, exibida na Rede Globo, não sou telespectador do programa, sobretudo durante sessão plenária, enquanto exerço com seriedade a minha função de parlamentar.

A matéria publicada com a acusação de que estaria assistindo ao programa televisivo no plenário da Câmara dos Deputados me indigna e me entristece. Acredito que o jornalismo ético e responsável tem sido princípio norteador do seu blog. Por isso, acredito que o espaço de resposta e de retratação para tal calúnia será garantido.

Ao contrário do que foi divulgado, na imagem estava assistindo a um breve vídeo de interesse do meu mandato, referente à audiência judicial ocorrida na comarca de Cascavel/CE, onde tenho domicílio eleitoral. A imagem não comprova em nenhum momento que estou assistindo ao programa televisivo.

Lamento que a informação distorcida tenha sido divulgada, sem a devida apuração da veracidade da imagem e nem o direito de resposta da parte envolvida. Inclusive, buscarei na justiça a reparação do erro.

Aguardo pacientemente a retratação.

Atenciosamente,
Deputado Federal Macedo.

VAMOS NÓS – A Coluna replicou a informação e, diante do exposto pelo parlamentar, pede desculpas públicas ao deputado.

Mega-Sena acumula e prêmio na terça-feira é de R$ 6 milhões

Ninguém acertou os seis números do concurso 2.031 da Mega-Sena, sorteados na noite desse sábado (14), em Aimorés/MG. Segundo a Caixa Econômica, o prêmio da terça-feira (17) deverá chegar a R$ 6 milhões.

Os números sorteados foram: 1823373950 e 55.

Ninguém também acertou os cinco números da Quina e o prêmio desta segunda-feira (16) será de R$ 3 milhões, de acordo ainda com a Caixa. Os números sorteados nesse sábado foram: 30 – 56 – 60 – 75 e 76.

Pelo direito de Lula concorrer

465 1

Da Coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (15):

Uma semana depois de consumada a prisão do ex-presidente da República mais popular da história do Brasil (que deixou o governo com 87% de aprovação e que é o preferido absoluto das pesquisas eleitorais para o Planalto), a opinião pública nacional e estrangeira tenta entender o ocorrido. Quanto mais arbítrio, mais se intensifica a resistência democrática em nível interno e externo. Manifestações populares em várias capitais pelo mundo, protestos vindos de políticos e de governo de vários países ganharam o noticiário.

A União Europeia ameaça suspender negociações com o Mercosul, por causa disso. Movimentos sindicais internacionais, organismos de direitos humanos, partidos e lideranças democráticas (até de partidos conservadores) se unem na exigência de liberdade para Lula e da permissão para que ele dispute democraticamente as eleições, a fim de que a democracia brasileira volte ao curso natural.

Dois prêmios Nobel da Paz – o argentino Adolfo Esquivel (1980) e o egípcio Mohamed El-Baradei (2005) encabeçam a campanha para a entrega do Prêmio Nobel da Paz 2018 ao ex-presidente Lula – considerado preso político – que já alcança mais de 200 mil assinaturas.

Impressionaram as cenas de resistência de uma imensa massa que se recusou a permitir a entrada da polícia na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo (berço histórico da resistência operária liderada por Lula durante a ditadura), e se horrorizou com a explosão de ódio que ameaça a vida do ex-presidente. A imprensa internacional já denunciara esse ódio quando foram disparados tiros contra ônibus da caravana petista, no Paraná.

Seu estupor aumentou quando se soube do comentário ouvido durante as transmissões de rádio da polícia, quando uma voz pedia para que atirassem “esse lixo” (Lula) pela janela do avião que o transportava de São Paulo a Curitiba. O horror continuou com os rojões dirigidos contra o helicóptero, no momento da descida deste na capital curitibana, aparentando um propósito de provocar um desastre aéreo.

O arbítrio já é tamanho que uma comitiva de nove governadores (o décimo pediu para ser representado) e três senadores foi impedida, autoritariamente, pela “República de Curitiba” de visitar Lula. Uma demonstração do quanto a exceção já se entranhou no aparelho de Estado. Nem no tempo da ditadura de 1964 comitivas parlamentares foram impedidas de visitar prisioneiros. Basta lembrar as visitas do senador Teotônio Vilela, Arena/AL (aqui no Ceará, de parlamentares do MDB de então, tais como Paes de Andrade, Maria Luíza Fontenele, Iranildo Pereira, dentre outros) aos presídios para ouvir os presos do regime.

Temer diz que decisão sobre foro privilegiado cabe ao Legislativo

O presidente da República, Michel Temer disse nesse sábado (14) que cabe ao Legislativo decidir sobre a restrição o foro privilegiado. O presidente se posicionou sobre o tema em Lima, no Peru, onde participou da 8ª Cúpula das Américas.

“Eu sou a favor que o Legislativo decida”, disse Temer ao ser questionado por jornalistas se era favorável à restrição do foro privilegiado, após uma reunião bilateral com o presidente do Chile, Sebastián Piñera.

O assunto vai ser debatido pelo plenário do Supremo Tribunal Federal no próximo dia 2 de maio. A retomada do julgamento foi pautada na sexta-feira (13) pela presidente da corte, ministra Cármen Lúcia.

O julgamento da ação que restringe o alcance do foro privilegiado foi interrompido em novembro do ano passado, após um pedido da vista do ministro Dias Tofolli para analisar melhor o tema. O ministro devolveu o processo para a presidente do STF no último dia 27 de março. Cármen Lúcia decidiu incluir o processo na pauta de maio, porque a de abril já estava fechada.

A suspensão ocorreu quando já havia maioria favorável à restrição. Na ocasião, sete ministros votaram a favor do parecer do relator ministro Luís Roberto Barroso. Barroso defendeu que o foro privilegiado para políticos só vale se o crime do qual forem acusados tiver sido cometido no exercício do mandato e se for relacionado ao cargo que ocupam.

Assim, as irregularidades praticadas antes do exercício do mandato não teriam foro privilegiado e ficariam com a Justiça de primeira instância. Acompanharam o entendimento de Barroso os ministros Luiz Fux, Rosa Weber, Edson Fachin, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Também favorável à restrição, o ministro Alexandre de Moraes, apresentou um voto parcialmente divergente. Moraes defendeu a limitação do foro apenas para crimes cometidos no mandato, mas propôs que o Supremo analise infrações penais, independentemente de terem relação com o cargo.

A palavra final sobre a restrição do foro privilegiado caberá ao Supremo porque o Congresso Nacional está impedido de apreciar propostas que alterem a Constituição, devido à intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

Aprovada no Senado em maio do ano passado, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 10/13, que acaba com o foro especial por prerrogativa de função para a maioria das autoridades, tramita na Câmara dos Deputados sob o número 333/17. A proposta saiu da pauta uma vez que a Constituição Federal não pode ser emendada, enquanto durar a intervenção.

(Agência Brasil)

Vozão peca na marcação e perde na estreia do Brasileirão

O Ceará foi derrotado pelo Santos, por 2 a 0, na noite desse sábado (14), no Pacaembu, na estreia das duas equipes pela Série A do Brasileirão. Pio (contra) e Rodrygo, livre de qualquer marcação, marcaram os gols.

Com Felipe Azevedo tentando resolver tudo sozinho e Arthur isolado no ataque, o Ceará não conseguiu nenhuma jogada de perigo.

O Vozão volta a campo, no próximo domingo (22), no Castelão, contra o São Paulo. Nos outros jogos da rodada do Brasileirão: Cruzeiro 0x1 Grêmio e Vitória 2×2 Flamengo.

(Foto: Reprodução)

Exército sírio anuncia que todos os “terroristas” deixaram Ghouta Oriental

O Comando Geral das Forças Armadas da Síria anunciou neste sábado (14) que a província de Ghouta Oriental está livre de “terroristas”, após estes abandonarem a cidade de Duma, a última controlada por opositores do governo de Bashar al Assad na região, em razão de um acordo com a Rússia.

“Após intensas operações militares ao longo de várias semanas, as nossas Forças Armadas completaram a limpeza de organizações terroristas armadas nas cidades e povoados de Ghouta Oriental, depois da retirada de todos os terroristas da cidade de Duma, seu último reduto”, disse o Comando em comunicado.

Unidades de engenheiros e peritos do Exército começaram a inspecionar as ruas da cidade para “limpá-la de minas e explosivos colocados por terroristas” a fim de “garantir as áreas liberadas” e fazer com que os “civis retornem a seus lares”.

Mais cedo, a ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos informou que as forças sírias e russas assumiram o controle de Ghouta após a saída do último comboio de dezenas de ônibus com milhares de combatentes islamitas da facção Exército do Islã – que controlava Duma – e suas famílias rumo ao norte da Síria.

Já o Ministério da Defesa da Rússia havia informado na quinta-ffeira que as tropas governamentais sírias tinham tomado completamente o controle de Duma, onde no último dia 6 aconteceu um ataque supostamente com armas químicas e no qual morreram dezenas de pessoas.

(Agência Brasil)

57% consideram Lula culpado, mas país racha sobre prisão, mostra pesquisa Ipsos

A maioria da população brasileira (57%) considera que o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado na Operação Lava Jato, é culpado dos crimes atribuídos a ele. O País, porém, está rachado em relação à prisão do petista: 50% são a favor e 46% são contra. Os dados são de pesquisa do instituto Ipsos.

“Os resultados mostram que a Lava Jato continua com alto suporte da população e que a prisão de Lula não encerra esse anseio”, disse o diretor do Ipsos, Danilo Cersosimo. “Além disso, a polarização do País em torno da figura de Lula segue alta.”

Conforme o levantamento, a quase totalidade da população (95%) acha que as investigações da Lava Jato devem continuar após a prisão do ex-presidente. Mas há dúvidas sobre a abrangência das mesmas.

Para 52% dos entrevistados, não é correto afirmar que “a Lava Jato está investigando todos os políticos”. Outros 41% estão de acordo com essa avaliação.

A percepção de que “a Lava Jato está investigando todos os partidos” atingiu o mínimo histórico da série de pesquisas Ipsos no fim de semana da prisão de Lula. Apenas 43% dos eleitores manifestaram concordância com a frase, e 47% disseram o contrário.

É a primeira vez, em dois anos, que aparece como minoritária a parcela da população que compartilha da avaliação de que todos os partidos são investigados. Em abril de 2016, 66% da população via a Lava Jato como empenhada em investigar todas as legendas – 23 pontos porcentuais a mais do que agora.

Na pesquisa, os entrevistadores do Ipsos leem uma série de frases e perguntam se há ou não concordância em relação a elas. O levantamento começou no sábado em que o ex-presidente foi preso e se estendeu até a segunda-feira passada. Foram ouvidas 1.200 pessoas. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos.

O levantamento mostra que, mesmo com a convicção majoritária da culpa do petista, existe uma forte percepção de que “os poderosos querem tirar Lula da eleição”: 73% concordam com essa afirmação, e 23% discordam.

A maioria (55%) também concorda com a avaliação de que “a Lava Jato faz perseguição política contra Lula”. Outros 41% discordam.

Em relação à afirmação de que “a Lava Jato está mostrando que Lula é mais corrupto que os outros políticos”, aparece uma nova divisão: 51% discordam, e 44% concordam. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Agência Estado)

Após 7 anos, Felipe Azevedo volta a enfrentar o Santos pelo Ceará

O Ceará estreia na Série A do Brasileirão, neste sábado (14), a partir das 21 horas, no Pacaembu, diante do Santos. As duas equipes voltam a se encontrar sete anos depois, desde que o Ceará disputou pela última vez a competição.

Em novembro de 2011, no estádio Presidente Vargas, o Santos venceu o Vozão, por 3 a 2, em uma partida marcada por duas “viradas”. O time paulista abriu o placar, mas o Ceará virou ainda no primeiro tempo. Na segunda etapa, o Santos voltou à frente do marcador.

A reação do Vozão começou com um gol de Felipe Azevedo, que estará novamente em campo logo mais com a camisa do Ceará.

Neste sábado, o Santos completa 106 anos de fundação.

ABERTURA

Na abertura do Brasileirão, nesta tarde, o Grêmio surpreendeu o Cruzeiro, em pleno Mineirão, por 1 a 0. Neste momento, o Flamengo vai derrotando o Vitória, por 1 a 0, em Salvador, com gol a um minuto de partida.

(Foto: Arquivo)

Janela partidária mexe com 15% dos deputados da Câmara, DEM é o mais beneficiado

Nas últimas semanas, mais de 15% dos deputados federais mudaram de partido, de olho nas eleições de outubro. Impulsionada pelo fato de ter um integrante na presidência da Câmara, a bancada do DEM foi a que mais cresceu durante o período conhecido como janela partidária.

Ao todo, 85 deputados aproveitaram o prazo para se filiar a outros partidos sem correr o risco de perder seus mandatos, o que representa 16,5% dos 513 parlamentares da Casa em legendas diferentes das que iniciaram o ano de 2018.

Os democratas receberam a adesão de 14 deputados e apenas duas baixas. Quinta maior bancada da Câmara, o DEM está agora com 44 deputados, após ter iniciado a legislatura com menos da metade desse número: em 2015, eram 21 parlamentares filiados ao partido.

 

Já os arranjos locais para o pleito de outubro foram a principal razão apontada pelo vice-líder do MDB, Hildo Rocha (MA), para a maior perda de integrantes ocorrida durante a janela. Embora tenha recebido oito parlamentares, a legenda perdeu o posto de maior bancada da Casa após ver 15 integrantes se desfiliarem.

Com a promessa de o MDB eleger 70 parlamentares em outubro desse ano, após a filiação de candidatos que são “puxadores de votos” em diversos estados, Hildo Rocha avaliou que a diferença na composição de forças da Câmara é pequena. Segundo ele, inclusive, a influência emedebista na indicação de presidentes e relatores das comissões foi mantida, já que as escolhas foram feitas anteriormente.

Ao lado do PP, o nanico PSL foi o que recebeu o segundo maior número de filiações durante o período: oito parlamentares migraram para a legenda, estimulados pela filiação do pré-candidato à Presidência pelo partido, o deputado Jair Bolsonaro (RJ). A sigla agora tem oito integrantes, após a saída de dois.

O PSDB, quarta maior bancada da Câmara, com 47 deputados, perdeu três e recebeu a filiação de dois. Já o PR, que está em sexto lugar em número de integrantes, com 41 deputados, perdeu sete e ganhou cinco parlamentares.

Do lado da oposição, o PSB deixou de ter dez parlamentares, e dois se filiaram à sigla. Segundo Júlio Delgado (MG), líder da legenda na Casa, apesar do crescimento de alguns partidos aliados ao presidente Michel Temer, os projetos mais complexos de interesse do governo encontrarão mais dificuldades de receber apoio a partir de agora.

“Essas pautas econômicas complicadas, como a autonomia do Banco Central, vão sendo cada vez mais complicadas e não encontrarão respaldo para serem aprovadas com facilidade”, afirmou.

Com a diminuição da quantidade de deputados emedebistas, a maior bancada da Casa agora, com exceção dos blocos partidários, é o PT, com 60 integrantes. O partido teve uma alteração mínima no seu quadro, já que perdeu dois integrantes, mas filiou um novo parlamentar: Celso Pansera, que antes era do PMDB e estava sem partido.

O período que permite a mudança de deputados federais, estaduais e distritais, denominado janela partidária, começou no dia 8 de março e se encerrou no dia 6 de aabril. O prazo não inclui vereadores, porque não haverá eleições este ano na esfera municipal.

Como comunicação sobre o troca-troca é feita diretamente à Justiça Eleitoral, e não há prazo para que essas informações sejam enviadas à Câmara, o número de 90 mudanças feitas por 85 deputados ainda pode aumentar. Já os parlamentares que deixaram ministérios do governo ou cargos nas secretarias estaduais, visando a uma candidatura nas próximas eleições, têm 15 dias para retornar à Casa após serem exonerados.

(Agência Brasil)

Conselho de Segurança da ONU rejeita proposta russa de condenação a ataque

Apenas Rússia, China e Bolívia votaram neste sábado (14), no Conselho de Segurança das Nações Unidas, pela condenação a ataque dos Estados Unidos, com forças do Reino Unido e França, a instalações de produção de armas químicas na Síria.

Para o presidente Vladimir Putin, o ataque foi um “ato de agressão”, deixando claro na ONU que consideraria a iniciativa como uma violação das regras internacionais e com repercussões militares. No Conselho de Segurança, o embaixador russo, Vassili Nebenzia, apresentou um texto para votação no qual falava de uma “condenação à agressão” contra a Síria. O projeto ainda pedia o fim “imediato” de qualquer operação.

Para o Kremlin, o Ocidente comete “hooliganismo diplomático”, promove um “desdém cínico” ao ignorar o Conselho de Segurança e “chorava lágrimas de crocodilo” pelas vítimas sírias.

Oficialmente, o secretário-Geral da ONU, António Guterres, apelou para que os países demonstrem “moderação” e evitem ações que possam elevar as tensões na Síria.

“Eu peço a todos os países membros que demonstrem moderação nessas perigosas circunstâncias e evitem ações que levem à escalada da situação e piore o sofrimento do povo sírio”, disse. “Precisamos evitar que a situação saia de controle”, completou.

(Com Agências)

Combate à corrupção é imperativo para democracia, diz Temer em Lima

Ao discursar hoje (14) na 8ª Cúpula das Américas, realizada em Lima, no Peru, o presidente Michel Temer destacou a importância do tema escolhido para o encontro deste ano: o combate à corrupção. O presidente ressaltou que “não se pode tolerar a corrupção” e que o combate aos desvios de conduta e da função pública é “imperativo da democracia”.

“É na democracia que temos transparência. Uma imprensa livre e uma opinição pública vigilante capazes de fiscalizar sem trégua, como deve ser, as ações do poder público. É na democracia, afinal, que temos estado democrático de direito”, disse.

Ao defender os princípios da democracia, Temer citou o caso da Venezuela, que enfrenta uma crise política e econômica. O presidente brasileiro voltou a defender o espírtio de cooperação entre os países vizinhos e disse que “não há espaço em nossa região para alternativas à democracia”

Temer também prestou solidariedade ao Equador, pelo assassinato de jornalistas equatorianos sequestrados enquanto faziam uma reportagem sobre a insegurança no país. Ele classificou o episódio como “mais um inaceitável ato de violência”.

“Condenamos, nos mais fortes termos, esse atentado contra a vida, contra a liberdade de expressão. Nossa mais sentida solidariedade às familias das vítimas, ao povo equatoriano e ao presidente Lenin Moreno”, disse Temer.

(Agência Brasil)