Blog do Eliomar

Últimos posts

Cuidados importantes para que o dinheiro não escoe sem rumo da sua empresa

605 3

Em artigo sobre empreendedorismo e investimentos o Mestre em Gestão Empresarial e consultor financeiro Fabiano Mapurunga explica o motivo da falta de dinheiro para pagar obrigações, apesar do bom faturamento. Confira:

Se você alguma vez já sentiu que, apesar de estar faturando bem, não consegue entender porque continua faltando dinheiro para pagar suas obrigações em dia, saiba que grande parte dos empreendedores tem este mesmo sentimento. Por isso, procurei reunir algumas dicas para lhes ajudar a resolver esta questão:

1 –Procure criar seus controles para ter parâmetros a seguir

Nós temos a necessidade de entender nossa posição atual, para sabermos se estamos perto ou longe de chegar ao nosso destino. Uma das maneiras que podemos fazer para resolver isso é utilizando, por exemplo, um GPS o qual vai nos indicando o caminho e a distância para o ponto de chegada.

Em sua gestão financeira, não é muito diferente do exemplo acima. É necessário que se saiba apurar criteriosamente seus gastos e suas receitas, e assim se criar um controle destes. Não se pode simplesmente acreditar que se precisa excluir despesas e aumentar suas receitas, sem que se conheça quais os efeitos que estas ações vão causar em seu fluxo financeiro e em seu negócio como um todo.

Posso apontar que grande parte dos empreendedores acaba confundindo o seu dinheiro pessoal com o da sua empresa, e isto é como um veneno que se toma aos poucos, pois vai minando seu caixa.

Não é uma tarefa muito prazerosa ficar controlando todas as suas entradas e saídas de caixa, mas é vital que se faça, pois sem isso se torna muito complicado fazer qualquer tipo de análise, para se tomar qualquer decisão com segurança. Por tanto, procure se utilizar da tecnologia para lhe ajudar e se cerque de profissionais capacitados para fazer este acompanhamento.

2 – Procure ter bom senso com seus gastos

Não deixe de medir as consequências dos seus gastos, observando o custo e o resultado que estes vão lhes proporcionar.

Trago aqui um exemplo prático do que quero lhes dizer: Você precisa ter um carro utilitário para transportar suas mercadorias e ao invés de comprar aquele carro econômico e padrão para a atividade, decide comprar um com muitos opcionais que não estão necessariamente ligados a sua necessidade, e por isso, acaba gastando bem mais que o necessário. O valor deste carro de luxo, está agora prejudicando diretamente o seu lucro, tudo porque não se usou o bom senso na escolha.

3 – Crie seu fluxo de caixa e tenha seu horizonte para assumir compromissos

Agora para completar as dicas, um dos pontos mais importantes, é se criar o seu Fluxo de Caixa, ou seja, ter o controle temporal das suas entradas e saídas de dinheiro.

Sua empresa pode ter conquistado uma ótima venda, por exemplo, R$ 1,2 milhão a serem recebidos em parcelas de R$ 120 mil durante 10 meses. Ao avaliar seus custos, você verifica que mensalmente precisa de R$ 200 mil para honrar suas obrigações. Então enxerga, pelo seu fluxo de caixa, que precisa de, pelo menos, mais R$ 80 mil por mês para cobrir esse espaço. Com essa visão, poderá tomar algumas atitudes, como recorrer a algum empréstimo em linha própria para o caso, ou até mesmo conseguir mais prazo com alguns fornecedores. Enfim, terá uma visão de profundidade para conseguir se posicionar e evitar muitos transtornos.

Essas dicas simples demonstram que é preciso sempre saber o que se está fazendo para não causar danos em sua empresa. Aconselho se aprofundarem mais sobre os assuntos de Custos e Fluxo de Caixa, para lhes ajudar mais na sua caminhada empreendedora.

Fabiano Mapurunga
CEO da Go Partners Consultoria em Finanças e Negócios. Mestre em Gestão
Empresarial. MBA em Gestão de Negócios. MBA em Gestão Financeira e Controladoria

STF – Magistrados entregam na segunda-feira abaixo-assinado por prisão em segunda instância

Membros do Ministério Público e da magistratura de todo o País vão entregar um super abaixo assinado pela prisão em 2ª instância aos onze ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira, 2, na antevéspera do julgamento do habeas corpus preventivo do ex-presidente Lula, condenado a 12 anos e um mês no caso tríplex.

Até o início da noite dessa sexta-feira, 30, mais de 500 promotores, procuradores e juízes de todo o País já haviam assinado a nota técnica. Esta é a maior ofensiva dos juristas pela prisão em 2ª instância.

“Nada justifica que o STF revise o que vem decidindo no sentido de que juridicamente adequado à Constituição da República o início do cumprimento da sanção penal a partir da decisão condenatória de 2ª instância. A mudança da jurisprudência, nesse caso, implicará a liberação de inúmeros condenados, seja por crimes de corrupção, seja por delitos violentos, tais como estupro, roubo, homicídio etc”, afirma o abaixo assinado.

Na quarta-feira, 4, os ministros analisam o mérito do pedido do petista para aguardar em liberdade os recursos contra a condenação na Operação Lava Jato.

Em 24 de janeiro, Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Na segunda-feira, 26, a Corte de apelação da Lava Jato rejeitou o embargo de declaração do ex-presidente. Pelo entendimento firmado pelo Supremo em 2016, Lula poderia ser preso após a condenação em 2ª instância.

Contra o petista ainda não foi expedido um mandado de prisão, pois o Supremo concedeu-lhe um salvo-conduto até o julgamento final de seu habeas corpus.

(Agência Estado)

ABIH debate em Salvador temas relacionados ao turismo, lei de inclusão e reforma trabalhista

Na próxima sexta-feira, 6, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH BA, fará mais uma edição de seu Café com Informação, voltado a discutir temas de interesse dos hoteleiros.

Desta vez, estará trazendo como palestrante o presidente da ABIH Nacional, Manoel Linhares, para apresentação do Conotel 2018; Ricardo Cerri (MSA), para esclarecer sobre a nova lei que regulamente a manutenção dos sistemas de ar condicionado; e também um especialista sobre o artigo 45 da chamada Lei Brasileira de Inclusão (LBI) da Pessoa com Deficiência para hotéis e pousadas em todo o país; e Eduardo Dangremon, que falará sobre a reforma trabalhista e suas repercussões na rotina da hotelaria.

Programação

08:00h – Boas vindas – ABIH / Presidente ABIH Nacional – lançamento do CONOTEL.

08:20h – Fun Show Salvador Agentes de Viagem e Fun Show Salvador Operadores e Rodada de Negócios / Fórum Hotelaria e Turismo / Road Show e Planejamento 2018.

08:50h – Reforma Trabalhista e suas repercussões na rotina da hotelaria.

09:20h – Decreto que regulamenta o artigo 45 da Lei da Inclusão (LBI).

09:50h – Lei 13.589/2018 – manutenção no sistema de ar condicionado – Ricardo Cerri (MSA).

10:20h – Encerramento.

(ABIH)

Israel ameaça aumentar resposta se protestos violentos em Gaza continuarem

Israel aumentará a intensidade de sua resposta caso os protestos violentos na Faixa de Gaza, junto à fronteira comum, continuem a acontecer, afirmou neste sábado (31) a jornalistas o porta-voz do exército israelense, brigadeiro-general Ronen Menelis.

“Se o Hamas pretende continuar assim e transformar a cerca (da fronteira com Israel) em um lugar de eventos violentos diários até o dia 15 de maio (quando os organizadores devem terminar as manifestações da chamada Grande Marcha do Retorno), não vamos permitir esse jogo de pingue-pongue, eles cometendo atos terroristas camuflados de protestos e nós reagindo. Iremos além para acabar com a violência”, disse Menelis.

O porta-voz também ressaltou que o exército israelense tinha limitado sua resposta àqueles que ontem tentavam ultrapassar a fronteira. “A infiltração em outro país soberano é algo que nenhum país tolera, e nós também não”, declarou.

Milhares de palestinos foram ontem (30) para a fronteira que separa Gaza de Israel – mais de 30 mil, segundo o exército, e 40 mil, de acordo com fontes palestinas – exigindo o direito ao retorno dos palestinos às terras que tiveram que deixar ou das quais foram expulsos durante a Guerra de Independência israelense de 1948.

O Ministério da Saúde do Hamas disse hoje que 15 pessoas morreram e 1.400 ficaram feridas – cerca de 800 atingidas por tiros -, e Manelis argumentou que todos os que morreram o foram porque estavam cometendo ações violentas durante os protestos.

“Ontem enfrentamos uma manifestação violenta e terrorista em seis pontos ao longo da fronteira”, disse o porta-voz, garantindo que o exército usou “fogo dirigido” onde havia tentativas de violar a cerca de segurança.

Manelis afirmou que “quase todos os mortos eram homens de 18 a 30 anos, muitos deles eram conhecidos e pelo menos dois eram membros de um comando do Hamas”.

Os confrontos de ontem foram os mais letais desde a guerra de Gaza de 2014. O exército israelense usou fogo real, balas de borracha e gás lacrimogêneo (lançados a partir de drones) para evitar que os milhares de cidadãos de Gaza se aproximassem da cerca de fronteira.

O exército disse que os manifestantes lançaram bombas incendiárias e pneus em chamas em direção aos soldados e que houve um episódio no qual foram utilizadas armas de fogo.

Ontem à noite, os líderes do Hamas pediram aos manifestantes para se retirarem da volátil região de fronteira até o dia seguinte.

Durante a noite houve três lançamentos de projéteis realizado em Gaza tendo Israel como alvo, confirmou o porta-voz militar, mas os foguetes não atingiram o território israelense.

(Agência Brasil)

Bastam dois partidos?

419 1

Editorial do O POVO deste sábado (31) aponta resultado de pesquisa, feita em parceria Brasil e Reino Unido, que mostra que os partidos políticos brasileiros são criados para servir os interesses dos políticos, não para representar os diferentes segmentos da sociedade. Confira:

Pesquisa inédita, coordenada pela Universidade de Oxford (Reino Unido) e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-Brasil), revela uma coisa que todos já sabiam: os partidos no Brasil são criados para servir os interesses dos políticos; não para representar os diferentes segmentos da sociedade. Mas o surpreendente é que os pesquisadores chegaram à conclusão que apenas dois partidos seriam suficientes para representar a sociedade brasileira no Congresso Nacional.

Consultando senadores e deputados, por meio de um questionário – com temas que iam da economia e controle fiscal à reforma política e o aborto -, os pesquisadores descobriram que as 25 legendas com representação no Parlamento poderiam ser divididas em dois grandes grupos: um de centro-direita (formado pelo chamado “centrão”, além do PP, PSDB e MDB) e outro de centro-esquerda (composto por partidos como PT, PC do B e PDT). O bloco de centro-direita tem hoje 60% das cadeiras na Câmara dos Deputados, e o de esquerda, 40%.

“No campo das ideias, pelos 20 assuntos que a gente mediu, dois partidos são suficientes e representariam razoavelmente e de forma coerente a sociedade. Um seria estaria mais à esquerda e outro mais à direita”, disse um dos coordenadores da pesquisa, o professor César Zucco (FGV), em entrevista à BBC Brasil, de onde foram compiladas as informações para este texto.

É importante frisar que a pesquisa não defende a instalação de um modelo bipartidário, apenas demonstra o que, empiricamente, sempre pareceu óbvio a um brasileiro medianamente informado. Qual seja, que a proliferação de partidos atende a interesses individuais ou de grupos políticos, em busca que usar as siglas como elemento de barganha política. Como bônus, ainda ganham o acesso ao generoso Fundo Partidário, bancado por recursos públicos. Talvez seja exagero dos pesquisadores resumir o arco ideológico a apenas dois partidos, mas um número não superior a cinco siglas, com certeza, representaria bem as diferentes propostas em debate no País.

Mas o pior é que, mesmo com o sentimento de rejeição generalizada ao comportamento dos políticos, que poderia apontar para uma renovação no parlamento, isso não deve acontecer. Para os pesquisadores o mesmo quadro tende a se repetir na eleição de outubro. Com o fim do financiamento empresarial às campanhas, os candidatos dependerão mais do Fundo Partidário. E quem tem mais acesso ao dinheiro, essencial em uma campanha eleitoral, são justamente os partidos que mais elegeram deputados em 2014.

Assim, infelizmente, na próxima legislatura, talvez tenhamos mais do mesmo.

Centro-Sul do Ceará volta a registrar fortes chuvas

A Região Centro-Sul do Ceará voltou a registrar fortes chuvas, de sexta-feira (30) para este sábado (31), de acordo com registros da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme).

Após a chuva de 121 milímetros em Icó, de quinta-feira (29) para essa sexta-feira, agora são os municípios de Senador Pompeu e Milhã que registraram as maiores chuvas, com 89 milímetros e 86 milímetros, respectivamente.

Outras fortes chuvas foram registradas em Quixeramobim (70 mm), Boa Viagem (57 mm), Jardim (57 mm), Ibiapina (55 mm), Novo Oriente (46 mm), Abaiara (45 mm) e Ererê (43 mm).

Em Fortaleza, choveu somente 2 milímetros, mas este domingo (1º) promete ser de chuva no decorrer do dia, com mínima de 23°C e máxima de 28°C.

(Foto: Arquivo)

Gatos são colocados para adoção neste sábado no RioMar Papicu

Dezenas de gatos, adultos e filhotes, machos e fêmeas, serão colocados para adoção neste sábado (31), a partir das 16 horas, no shopping RioMar Papicu, em evento promovido pela ONG “Deixa Viver”.

Segundo os organizadores, todos os felinos passaram por uma triagem, ficaram abrigados e foram submetidos a tratamento contra vermifugados. Alguns gatos foram castrados, após avaliados pelo médico veterinário.

De acordo com a ONG, muitos dos animais foram abandonados pelas mais diversas situações, como fim de relacionamento de um casal, mudanças de cidade/país, dificuldade financeira, desinteresse pelo animal adulto, nascimento de filhos ou por recomendação médica.

Para adotar um dos animais é necessário que o interessando seja maior de 18 anos, apresente RG ou CNH e comprove o endereço de residência.

O fantasma que ronda Temer

Da Coluna Política, no O POVO deste sábado (31), pelo jornalista Érico Firmo:

As denúncias que levaram à prisão de alguns dos mais chegados aliados de Michel Temer (MDB) rondam o presidente há longa data. Pelo menos desde a década de 1990, há informações, rumores, mesmo denúncias sobre interferências supostamente criminosas no Porto de Santos, o maior, mais rico e mais importante do Brasil.

Em 2011, inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) investigou se Temer, então vice-presidente de Dilma Rousseff (PT), era beneficiário em esquema de cobrança de propinas de empresas que tinham contratos no complexo portuário. O inquérito foi, todavia, arquivado pelo ministro Marco Aurélio Mello.

Antes, em 2006, a Polícia Federal também havia instaurado inquérito no qual Temer aparecia como beneficiário. Ainda mais atrás, em 2001, o então deputado federal e já presidente do à época PMDB apareceu em planilhas como destinatário de propinas. O episódio veio à tona num processo de separação conjugal.

Marcelo de Azeredo havia sido presidente da Companhia Docas de São Paulo (Codesp) entre 1995 e 1998, por indicação do PMDB. Em processo de dissolução de união estável, a mulher de Azeredo apresentou papelada na qual aparecia menção a pagamentos feitos pelas empresas Libra Terminais S/A e Rodrimar S/A – a mesma que teria sido favorecida agora em decreto presidencial. De acordo com a Polícia Federal, um intermediário do pagamento era alguém identificado como “Lima”.

Um beneficiário era identificado como “MT”. Talvez seja menção ao estado do Mato Grosso. Para a Polícia Federal e a Procuradoria Geral da República, era para Michel Temer mesmo. Quanto a Lima, pode se tratar do coronel da Polícia Militar, João Batista Lima Filho, amigo e auxiliar de longa data do presidente para serviços de toda ordem. O coronel foi um dos presos nesta quinta-feira, 29.

O inquérito deu o que falar em 2001, em meio a conflito entre Temer e o então senador Antônio Carlos Magalhães. “As coisas morais nunca foram o forte do senhor Temer. Se abrir um inquérito no porto de Santos, ele ficará péssimo”, disse ACM à época.

Antônio Cláudio Mariz de Oliveira já era advogado de Temer neste caso. Mariz não defendeu o presidente em uma das denúncias porque também foi advogado do doleiro Lúcio Funaro, delator cujo depoimento implica o presidente em crimes.

O conflito com ACM envolvia a disputa pelo comando da Câmara e do Senado. Temer vinha de dois mandatos como presidente da Câmara, ao suceder o filho de ACM, Luís Eduardo Magalhães. Naquele começo de 2001, quem havia assumido o cargo, em costura da qual Temer fazia parte, era Aécio Neves (PSDB).

Em 2002, o inquérito foi arquivado pelo então procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. São 20 anos ao longo dos quais as mesmas denúncias são conhecidas e rondam Temer. Há duas hipóteses para explicar isso:

1) De fato, Temer pode estar sendo perseguido, com denúncias requentadas e sem fundamento, cuja intenção é prejudicá-lo politicamente.

2) Porém, se houver realmente fundamento nas denúncias, na melhor das hipóteses houve negligência dos órgãos investigadores e julgadores, que nunca aprofundaram devidamente fatos tão graves talvez cometidos por alguém há décadas nos mais altos escalões da República. Na pior das hipóteses, sabe-se lá que tipo de cumplicidade pode ter havido.

Que agora os fatos sejam investigados com todo rigor, justiça e profundidade, para não restar dúvida se houve crime ou não.

Barroso: liberdade de presos na Operação Skala será analisada após depoimentos

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso decidiu que os pedidos de revogação de prisão feitos pelos presos na Operação Skala, da Polícia Federal, serão julgados somente após os delegados e procuradores responsáveis pelo caso encerrarem os depoimentos dos acusados, que estão em andamento na superintendência da PF em São Paulo. A análise ainda dependerá do parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Na mesma decisão, Barroso entendeu que o conteúdo do processo vai continuar em segredo de Justiça até que as todas as diligências que foram determinadas por ele sejam cumpridas. Dessa forma, os advogados dos investigados terão acesso aos pedidos de prisão e busca e apreensão feitos pela PGR e pela PF somente após o fim das diligências.

As medidas foram determinadas pelo ministro Barroso, relator da investigação sobre o Decreto dos Portos (Decreto 9.048/2017), assinado pelo presidente Michel Temer em maio do ano passado, e que apura o suposto favorecimento a empresas do ramo portuário.

Foram presas temporariamente 13 pessoas ao todo, lista que inclui o ex-assessor do presidente Michel Temer, José Yunes; o ex-ministro da Agricultura e ex-presidente da estatal Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) Wagner Rossi; o presidente do Grupo Rodrimar, Antônio Celso Grecco; a empresária Celina Torrealba, uma das proprietárias do Grupo Libra, que também atua no ramo portuário; e o coronel João Batista Lima, amigo do presidente Michel Temer.

O presidente Michel Temer, o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures e os donos da Rodrimar também são investigados no processo. Em janeiro, ao responder por escrito aos questionamentos dos delegados responsáveis pelo caso, a defesa do presidente Temer declarou que ele nunca foi procurado por empresários do setor portuário para tratar da edição do decreto. Sobre o ex-deputado Rocha Loures, um dos investigados no inquérito, Temer disse que nunca o autorizou a fazer tratativas em seu nome. “Peço vênia para realçar a impertinência de tal questão, por colocar em dúvida a minha honorabilidade e dignidade pessoal”, escreveu.

(Agência Brasil)

Paracuru mantém tradição na Semana Santa com o espetáculo “Jesus Vive”

Apresentado desde 1996, o espetáculo “Jesus Vive” levou uma multidão à Praça do Farol, na noite dessa sexta-feira (30), em Paracuru, no Litoral Oeste do Ceará, a 87 quilômetros de Fortaleza. Com promoção da Prefeitura Municipal, por meio do prefeito Eliabe Albuquerque, o Eliabe do Tito, a apresentação reuniu 300 atores de teatro, dançarinas, orquestra e figurantes. O acesso ao espetáculo foi gratuito.

O auxiliar de direção do espetáculo, Alex Santiago destacou a interação do público e assegurou que no próximo ano “tem mais”.

Na noite deste sábado (31), as festividades pela Semana Santa seguem com apresentações de bandas, na Praça de Eventos.

Eunício lamenta ameaças a Fachin e ataque à caravana de Lula

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, classificou como ameaças à democracia o recente ataque sofrido pela caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Paraná, e as ameaças ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da operação Lava Jato. Para Eunício, nos dois casos é preciso encontrar e punir os culpados.

— Nós temos responsabilidade com esse país e, por isso, temos que fazer com que a democracia prevaleça, que as divergências aconteçam, mas dentro de um sistema civilizado, não de ameaças. Eu lamento que esse tipo de ameaça ainda aconteça no Brasil — declarou o presidente.

O ataque à caravana do ex-presidente Lula aconteceu esta semana. Dois ônibus que participam da caravana, no Paraná, foram atingidos por três tiros. Ninguém ficou ferido. No momento dos disparos, Lula estava na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), em Laranjeiras do Sul (PR).

A ameaça ao ministro Fachin foi revelada por ele durante entrevista ao canal GloboNews. Na ocasião, ele diz que sua família tem sido ameaçada, mas não relatou o teor das ameaças. Em nota à imprensa, a Presidência do STF disse que já tomou providências para reforçar a segurança do ministro.

(Agência Senado)

Mega-Sena tem prêmio de R$ 35 milhões neste sábado; Dupla Sena paga R$ 20 milhões

O concurso 2.027 da Mega-Sena sorteia neste sábado (31) a quantia de R$ 35 milhões, segundo estimativa da Caixa Econômica Federal. As apostas podem ser feitas até as 19 horas, e qualquer agência lotérica, ao preço mínimo de R$ 3,50.

Já a Dupla Sena de Páscoa tem um prêmio de R$ 20 milhões, de acordo ainda com a estimativa da Caixa Econômica. A aposta mínima, com seis números, custa R$ 2.

Professores de Fortaleza cobram o piso

Da Coluna Eliomar de Lima, no O POVO deste sábado (31):

Um grupo de professores da rede de ensino da Prefeitura de Fortaleza anda doido para dar nota zero para o prefeito Roberto Cláudio (PDT). Ao contrário do que vem fazendo o governador Camilo Santana (PT), o prefeito não só não concedeu o reajuste previsto em lei para a categoria – de 6,81% – como propôs a divisão desse percentual em duas parcelas: uma com desembolso retroativo a janeiro e o restante a ser pago só em dezembro deste ano.

O grupo lamenta ainda que a maioria das escolas municipais esteja com falta de quase tudo: pincel, papel, cópias e fardamento escolar, que chegam a passos lentos. Muitos alunos, após um mês de aula, ainda não receberam os livros. É o caso das conveniadas. Outra queixa: as salas de aula lembram saunas de tão quentes. As bibliotecas estão em estado deplorável.

Eles consideram estranho que um setor, com melhorias dos índices ano após ano, e mesmo com velhos problemas, não receba a devida atenção por parte da gestão.

Uma assembleia da categoria está marcada para o próximo dia 11 e não está descartada uma paralisação.

“Querem tirar Temer da vida pública”, diz Planalto sobre Operação Skala

A Presidência da República divulgou nota oficial para rebater a acusação de que o presidente Michel Temer teria agido para beneficiar amigos empresários na edição do Decreto dos Portos, no ano passado, em investigação conduzida pela Procuradoria Geral da República (PGR).

“Tal decreto nasceu após criação de grupo de trabalho pelo Ministério dos Transportes que realizou amplo e público debate, em reuniões que ocorreram entre setembro de 2016 e maio de 2017”, diz a nota. Segundo o governo federal, “autoridades tentam criar narrativas que gerem novas acusações” e o decreto editado em 2017 não se aplica à empresa Rodrimar S/A, acusada de ter sido beneficiada nas regras de licitação aprovadas para o setor de portos.

“O fato é que a Rodrimar não se encaixa neste parágrafo, neste artigo, no todo do decreto ou na sua interpretação, por mais ampla que se queira, conforme despacho do Ministério dos Transportes: ‘Conclui-se que as disposições do decreto número 9048/17 não se aplicam aos contratos da empresa Rodrimar S/A’. (…) Todas as áreas da Rodrimar serão relicitadas”, diz a nota.

Sem apontar nomes, o Palácio do Planalto afirmou que “tentam mais uma vez destruir a reputação do presidente Michel Temer. Usam métodos totalitários, com cerceamento dos direitos mais básicos para obter, forçadamente, testemunhos que possam ser usados em peças de acusação”.

Ainda de acordo com a nota oficial da Presidência da República, a investigação em curso atropela fatos e a verdade para retirar Michel Temer da vida pública e “impedi-lo de continuar a prestar relevantes serviços ao país”. “Bastou a simples menção a possível candidatura para que forças obscuras surgissem para tecer novas tramas sobre velhos enredos maledicentes. No Brasil do século XXI, alguns querem impedir candidatura. Busca-se impedir ao povo a livre escolha”, acrescenta o governo.

Na quinta-feira (29), a Polícia Federal (PF) prendeu, em caráter temporário (por cinco dias), o advogado José Yunes, ex-assessor da Presidência da República. Foram presos ainda o ex-ministro da Agricultura e ex-presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Wagner Rossi, e o presidente do Grupo Rodrimar, Antônio Celso Grecco. Também foi preso, em São Paulo, o coronel aposentado João Batista Lima, amigo do presidente Temer

A empresária Celina Torrealba, uma das proprietárias do Grupo Libra, que também atua no ramo portuário, foi detida em seu apartamento, no Rio de Janeiro. No mesmo dia, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que a prisão de pessoas ligadas ao presidente não enfraquecem o governo e que o presidente “não tem a ver com isso”. O inquérito apura o suposto favorecimento da empresa Rodrimar S/A por meio da edição do chamado Decreto dos Portos (Decreto 9.048/2017), assinado por Temer em maio do ano passado.

(Agência Brasil)

Barroso cita risco de destruição de prova para determinar prisão de investigados

Em despacho, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso autorizou as prisões e as buscas e apreensões da Operação Skala alegando “risco concreto de destruição de provas” e ainda “indícios que demonstram a possibilidade de se estar diante de um esquema contínuo de concessão de benefícios públicos em troca de recursos privados, para fins pessoais e eleitorais, que persistiria por mais de 20 anos no setor de portos, vindo até os dias de hoje”.

Na quinta-feira (29), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Skala, no âmbito do Inquérito dos Portos, que apura as suspeitas de que agentes públicos favoreceram empresas do setor portuário com a publicação de um decreto assinado pelo presidente Michel Temer em maio do ano passado, o chamado Decreto dos Portos (Decreto 9.048/2017).

Com a publicação, o prazo para as concessões de áreas portuárias subiu de 25 para 35 anos, podendo ser prorrogado por mais 35 anos, “o que resulta impacto financeiro milionário em rendimento para as empresas envolvidas”, diz Barroso no despacho obtido pela reportagem por meio da defesa dos investigados e que está sob sigilo na Justiça. O ministro Barroso é o relator do inquérito no STF.

A PF prendeu, temporariamente, o ex-ministro da Agricultura e ex-presidente da estatal Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Wagner Rossi. A Codesp administra o Porto de Santos. Também foram presos os principais executivos de dois grandes grupos empresariais de logística de transportes: Celina Torrealba, uma das proprietárias do Grupo Libra, e Antônio Celso Grecco, presidente do Grupo Rodrimar. Grecco é investigado como o principal articulador do esquema entre empresários do setor portuário de Santos (SP) e agentes públicos.

Investigado no mesmo inquérito, o advogado José Yunes, ex-assessor do presidente Michel Temer, também foi preso, segundo o despacho do ministro, por ter usado “subterfúgios para não responder claramente aos questionamentos” quando foi intimado, no ano passado.

O coronel João Batista Lima Filho, dono da empresa Argeplan e amigo do presidente Temer, também teve a prisão temporária decretada por não comparecer a intimações para prestar esclarecimentos. Ele alega restrições de saúde que o impediram de comparecer às autoridades.

No despacho, Barroso destaca “o crescimento exponencial da empresa Argeplan nos últimos 20 anos, inclusive no setor nuclear, em parceria com a AF Consult do Brasil, o que se vê de um contrato no valor de R$ 160 milhões com a Eletronuclear para obras da Usina Angra 3”.

Justificando os pedidos de prisão, Barroso alega que “não se pode contar com a voluntariedade dos investigados ou de testemunhas para prestar esclarecimentos no interesse da investigação, inclusive e notadamente considerada a complexidade que o caso adquiriu, uma vez que pode trazer à tona fatos e esquemas possivelmente solidificados há mais de 30 anos”.

O ministro cita ainda nota técnica do Tribunal de Contas da União (TCU), em que se apontam irregularidades no Decreto dos Portos, e “planilha contábil em que aparecem, como recebedores de recursos das empresas Libra, Rodrimar e Multicargo as siglas MT, MA e L, que permitem supor sejam o Excelentíssimo Senhor Presidente da República Michel Temer, Marcelo Azeredo, presidente da Codesp entre 1995 e 1998, indicado por ele, e o amigo pessoal do senhor presidente João Batista Lima Filho”.

Ao todo, Barroso determinou a prisão de 13 pessoas envolvidas na investigação, corroboradas por manifestações da PF e da Procuradoria-Geral da República.

Nessa sexta-feira (30), o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que as prisões não enfraquecem o governo. “A prisão de dois amigos do presidente é uma situação em relação a qual nós ainda não temos um conhecimento específico dos motivos que levaram a ela”, disse. E completou: “Quero antes de mais nada ter conhecimento dos motivos [das prisões] e tenho a certeza de que se isso não for tratado com parcialidade, com sensacionalismo, não enfraquece o governo porque o presidente Temer nada tem a ver com isso”.

Após a operação de ontem, a defesa de Rossi informou que o ex-ministro está aposentado há sete anos, que não atuou mais profissionalmente na vida pública ou privada e que nunca foi chamado a depor no caso mencionado. Em comunicado, a Rodrimar “esclarece que nunca pagou propina a nenhum agente público” e que disse que “todas as empresas que atuam nos portos brasileiros participaram ativamente” da construção do texto do Decreto dos Portos”, mas que ele não beneficiou nenhuma empresa. Em nota, o Grupo Libra informou que já está prestando todos os esclarecimentos à Justiça.

(Agência Brasil)

Inadimplência das empresas acelera pelo quinto mês e cresce 6,76% em fevereiro

O volume de empresas com contas em atraso e registradas em cadastros de inadimplentes cresceu 6,76% em fevereiro na comparação com o mesmo período do ano passado. É a quinta vez consecutiva que o indicador acelera na base anual de comparação. Na comparação mensal, isto é, entre fevereiro e janeiro de 2018, o indicador cresceu 0,90%.

Os dados são do Indicador de Inadimplência da Pessoa Jurídica apurado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

“O momento econômico vivido no biênio 2015-2016 impôs severas dificuldades para empresas e consumidores, afetando a capacidade de honrarem todos os seus compromissos. Ainda há efeitos da crise, mas também há sinais de retomada da economia. Para este ano, espera-se que, à medida que os negócios se recuperem, a capacidade de pagamento das empresas que têm essa dificuldade também melhore”, afirma o presidente da CNDL, José César da Costa.

Segundo a pesquisa, o Sudeste lidera o crescimento da inadimplência entre as empresas. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o número de pessoas jurídicas negativadas na região cresceu 10,49%, a mais elevada entre os locais pesquisados. Em seguida aparecem, na ordem, as regiões Sul, que registrou avanço de 3,72% na mesma base de comparação, Centro-Oeste (3,05%), Norte (1,96%) e Nordeste (1,90%).

Outro indicador também mensurado pela pesquisa é o de dívidas em atraso. Neste caso, o crescimento foi de 5,22% entre fevereiro de 2018 e o mesmo mês do ano passado. É a maior variação na base anual de comparação desde novembro de 2016, quando o índice apresentou uma alta de 6,26%. Na comparação mensal, o índice subiu 0,72%.

Entre os segmentos credores, ou seja, as empresas que deixaram de receber de outras empresas, o destaque ficou por conta da indústria, cuja alta foi de 9,26% na quantidade de atrasos. No setor de serviços, que engloba bancos e financeiras, o crescimento no volume de atrasos recebidos de fornecedores e clientes pessoa jurídica foi de 5,23%. Já no comércio, a alta observada foi de 4,35%. Em termos de participação, 69% das pendências de empresas são devidas ao setor de serviços, 17% empresas comerciais e 13% da indústria.

(Agência Brasil)

Contribuintes podem dar o troco, secretário!

704 1

Há um enorme contingente de eleitores revoltados com o secretário da Fazenda, Mauro Filho, e na expectativa de ir à forra quando ele iniciar sua campanha em busca por um mandato de deputado federal.

É a turma que se diz enganada pela campanha Sua Nota Vale Dinheiro, da Sefaz, que, incentivada pela Sefaz, pediu nota fiscal com objetivo de faturar uma graninha extra, promessa da iniciativa.

O tempo passou e a campanha resolveu priorizar mais entidades filantrópicas e religiosas, mas, mesmo assim, por conta dos atrasos, muitas acabaram saindo da campanha. Vária igrejas desistiram de arrecadar nota fiscal e o contribuinte – pessoa física, nunca mais soube o que é premiação.

A campanha de Mauro Filho (PDT) por vaga de deputado federal pode lhe custar essa dor de cabeça. O contribuinte, claro, é também eleitor .

DETALHE – Até hoje, mesmo cobrada,a Sefaz nunca veio a pública esclarecer o que houve para não mais liberar premiações da pessoa física.

(Foto – Máximo Moura)