Blog do Eliomar

Últimos posts

Odorico Monteiro troca a presidência do PROS pela presidência do PSB do Ceará

O deputado federal Odorico Monteiro vai trocar o comando do Pros pelo PSB. Será nesta tarde de terça-feira, com posse marcada par as 16 horas, na sede da legenda.

Ele informa que foi convidado pelo presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, e que assumirá dentro das diretrizes do partido de ser oposição ao governo Michel Temer. A cúpula anterior, comandada pelo deputado federal Danilo Forte, foi destituída porque teria aproximação, com cargos, com o atual governo.

Odorico não deu detalhes sobre como deixa o Pros, mas informou que a presidência passa para o vice, no caso o advogado Leandro Vasques.

Já o deputado federal Danilo Forte, segundo algumas especulações, estaria trabalhando para assumir o comando do PSC no Estado no lugar da presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará (Adece), Nicolle Barbosa.

Luizianne Lins e as “Diretas Já!”

Com o título “Diretas Já!”, eis artigo da deputada federal Luizianne Lins (PT). Para ela, os que “defendem a eleição indireta, a pretexto de defesa da Constituição, querem na verdade interditar esses debates.” Confira:

Está escrito no parágrafo único do artigo 1º da Constituição: “Todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”. Mas nossas elites parecem se lembrar apenas da parte que fala dos “representantes eleitos” e sempre esquecem o “diretamente”. Isso acontece agora diante da possível queda do Temer.

Se “todo poder emana do povo” e diante da encruzilhada que o País vive, cabe somente a ele a decisão sobre seu destino enquanto nação. E aqui não falo só da escolha de quem vai gerenciar o País num necessário pós-Temer. Falo principalmente da escolha de projetos de sociedade, de nação. É o povo que sofre as consequências do desemprego, com as deficiências da saúde e com a insegurança. Então é ele que deve decidir os rumos de saída para uma crise na qual, de resto, é o único afetado.

Faz parte da discussão de um projeto de nação se no futuro teremos ou não um sistema público de previdência excludente, menos acessível e com aposentadorias menores que as pagas hoje. Se queremos um modelo de pleno emprego com garantia de direitos trabalhistas, como tivemos entre 2006 e 2014, ou se teremos um mercado de trabalho marcado pela rotatividade da mão de obra, pela precarização das condições de trabalho e pela baixa remuneração, como será consequência da reforma trabalhista.

Queremos ter oportunidade de decidir se vamos continuar ou não, pelos próximos 20 anos, com a restrição de gastos com saneamento básico, educação ou moradia e a liberdade infinita para o governo gastar com os juros do mercado financeiro. Queremos discutir se é conveniente para nosso futuro entregar para exploração de empresas estrangeiras nossa principal riqueza mineral, o pré-sal. Se vamos continuar com um sistema tributário em que um assalariado que ganha R$ 5 mil/mês paga 27,5% de imposto na fonte, enquanto quem tem lucros e dividendos de milhões/ano não paga nada.

Os que defendem a eleição indireta, a pretexto de defesa da Constituição, querem na verdade interditar esses debates. Querem que eles continuem sendo feitos apenas nos gabinetes de Brasília, entre técnicos e lobistas, para posterior decisão de um Congresso que hoje tem sua credibilidade ao rés do chão. Ao contrário, queremos um debate público, aberto, democrático, no qual o próprio sistema político seja discutido. E debate com o povo decidindo seu destino só tem um jeito: com Diretas Já!

*Luizianne Lins,

dep.luiziannelins@camara.leg.br
Deputada federal (PT/CE)

Caso JBS – Secretário do Turismo do Ceará é aguardado da Alemanha

O secretário do Turismo do Estado, Arialdo Pinho, é aguardado hoje de Frankfurt, na Alemanha, onde conferiu a Feira Imex 2017, de negócios no setor.

Ele e o secretário Antonio Balhmann (Assuntos Internacionais) são acusados de intermediar propina de R$ 20 milhões para a campanha de Camilo Santana (PT). Balhmann já divulgou vídeo com suas explicações.

Arialdo, na época da campanha, era chefe da Casa Civil do Governo Cid Gomes.

O ex-governador deu, inclusive, coletiva, nessa segunda-feira, na Assembleia Legislativa, rebatendo acusações de Wesley Batista, da JBS, sobre propina. Disse ainda que vai processar o empresário.

 

Prefeitura manda retirar artigo que taxava aposentadorias do IPM

162 2

O vereador Guilherme Sampaio (PT) deu uma boa notícia, nesta manhã de terça-feira, em vídeo que nos mandou para o Blog. A Prefeitura de Fortaleza mandou retirar artigo que, no projeto da reforma administrativa em tramitação na Câmara Municipal, taxava os aposentados do IPM.

Na prática, extinguia o abono concedido na gestão Luizianne Lins (PT) para compensar emenda constitucional que obrigava municípios a adotar tal procedimento.

Guilherme Sampaio disse que agora é continuar vigilante em favor dos servidores.

Ely Aguiar quer CPI para apurar denúncias feitas por dono da JBS

O deputado estadual Ely Aguiar (PSDC) defendeu, nesta manhã de terça-feira, a instalação de uma CPI para apurar as denúncias feitas pelo empresário Wesley Batista, envolvendo o ex-governador Cid Gomes (PDT) e os secretários estaduais Antonio Balhmann (Assuntos Internacionais) e Arialdo Pinho (Turismo).

  • Mais sobre o Caso JBS no Ceará, leia aqui.

Camilo volta a bater papo nesta terça-feira, via Facebook, com o cearense

O governador Camilo Santana (PT) vai bater papo com o cearense, a partir das 13 horas desta terça-feira, via Facebook, como faz semanalmente.

Além de divulgar ações e projetos do Estado, com certeza aproveitará para falar sobre as denúncias do Grupo JBS que envolvem sua campanha em 2014 e uma doação de R$ 20 milhões.

O que Wesley Batista disse, em sua delação, é que o dinheiro numa contrapartida a créditos de R$ 110 milhões que o grupo tinha com o Estado. Camilo, por sinal, negou tais fatos e defendeu o ex-governador Cid Gomes nesse caso.

67,4% dos consumidores de Fortaleza têm algum tipo de dívida

A Federação do Comércio do Estado do Ceará (Fecomércio) anuncia: em maio deste ano 67,4% dos consumidores de Fortaleza possuem algum tipo de dívida. O índice veio +0,7 pontos percentuais acima do indicador do último mês de abril (66,7%), mas levemente inferior ao índice de maio do ano passado (67,9%), indicando estabilidade. O dado, divulgado pela assessoria de imprensa da federação, é da Pesquisa do Endividamento do Consumidor de Fortaleza realizada pela entidade.

A proporção dos consumidores com contas ou dívidas em atraso teve aumento de +0,2 pontos percentuais, passando de 22,1%, em abril, para 22,3% neste mês. Os problemas financeiros afetam mais as mulheres (24,4% dos entrevistados desse grupo afirmaram possuir contas em atraso), os consumidores do grupo com idade entre 25 e 34 anos (25,3%) e do estrato com renda familiar abaixo de cinco salários mínimos (24,4%).

Questão de renda

Em Fortaleza, 67,4% dos consumidores possuem algum tipo de dívida. Os instrumentos de crédito mais utilizados são: cartões de crédito, citados por 79,6% dos entrevistados; financiamento bancário (veículos, imóveis etc.), com 15,8%; empréstimos pessoais, com 7,8%; e carnês e crediários, com 6,0%.

O consumidor utilizou o crédito para: consumo de itens de alimentação (60,5% das respostas); realização de despesas de educação e saúde (34,8%); aquisição de eletroeletrônicos (34,5%); e compra de artigos de vestuário (29,4%).

O valor médio das dívidas é estimado em R$ 1.409, com prazo médio de oito meses, comprometendo 36,2% da renda familiar dos consumidores com o seu pagamento.

Inadimplência

Já a taxa de inadimplência potencial, ou seja, a proporção de consumidores que não terá condições financeiras para honrar seus compromissos, teve crescimento de +0,9 pontos percentuais, passando de 8,7%, em abril, para 9,6% neste mês. Mesmo com a evolução, o resultado ainda é inferior à taxa de maio do ano passado (10,1%) e igual à média dos últimos doze meses (9,6%), sugerindo acomodação do indicador.

O perfil do consumidor inadimplente mostra preponderância do grupo de consumidores do sexo feminino (inadimplência potencial de 11,3%), com idade acima de 35 anos (11,2%) e renda familiar inferior a cinco salários mínimos (11,0%).

Orçamento mensal

A Pesquisa de Endividamento também revela que 77,2% dos consumidores de Fortaleza afirmam fazer orçamento mensal e acompanhamento eficaz dos seus gastos e rendimentos, o que contribui para um melhor controle dos níveis de endividamento. Dos entrevistados, 12,5% relataram que fazem orçamento dos rendimentos, mas sem controle eficaz dos gastos e 10,3% informaram não possuir orçamento e tampouco controle dos gastos.

A falta de planejamento orçamentário é um problema crítico para o controle do endividamento, estando sempre entre um dos principais motivos para o atraso ou inadimplência. Dos fatores que os consumidores consideram que mais contribuem para esse problema, listam-se: falta de orçamento e controle dos gastos, com 44,9%; aumento dos gastos considerados essenciais, com 23,8%; compras por impulso, sem necessidade ou além do necessário, com 22,9%; compras antecipadas, com 21,0%; redução dos rendimentos, com 19,5%; e desemprego, com 13,7%.

Conta de luz pressiona inflação, diz FGV

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) apresentou elevação de 0,35%, na terceira apuração do mês, taxa que é 0,05 ponto percentual maior em relação ao último levantamento (0,30%). Dos oito grupos pesquisados, cinco tiveram acréscimos com destaque para habitação que subiu de 0,44% para 0,93% sob influência da tarifa de eletricidade residencial, que passou de 1,52% para 5,78%.

O levantamento é feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), nas seguintes capitais: Recife, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre. A atual pesquisa ocorreu entre os dias 23 de abril e 22 de maio, comparados aos 30 dias imediatamente anteriores.

Moda inverno

Em vestuário, o índice aumentou de 0,55% para 0,72% e o principal item de alta neste grupo foi a blusa de malha infantil (de 1,85% para 2,26%). Também ocorreu leve aceleração em despesas diversas (de 0,21% para 0,26%) com a correção da tarifa postal (de 1,99% para 3,97%). Em educação, leitura e recreação diminuiu a intensidade de queda (de -0,53% para -0,25%). O mesmo ocorreu em transportes (de -0,17% para -0,15%).

Em alimentação, foi constatada queda de 0,11% ante uma alta de 0,16%, com uma mudança expressiva no comportamento dos preços das hortaliças e legumes que tinham aumentado 4,40%, na pesquisa passada e, nesta apresentou redução de 0,53%.

No grupo saúde e cuidados pessoais, a taxa desacelerou ao passar de 1,08% para 0,90% sob o efeito dos medicamentos em geral (de 2,77% para 1,96%) e, em comunicação, houve decréscimo com o índice atingindo 0,75% ante 1,22%. Neste último caso, o ritmo de alta foi reduzido em consequência da tarifa dos pacotes de telefonia fixa e internet (de 2,53% para 0,64%).

Os itens que mais pressionaram a inflação no período foram: tarifa de eletricidade residencial (5,78%); plano e seguro de saúde (0,98%); condomínio residencial (1,39%); batata-inglesa (13,73%) e refeições em bares e restaurantes (0,25%).

Em sentido contrário, os que ajudaram a equilibrar a inflação foram: o tomate (-10,52%); passagem aérea (-12,50%); laranja-pera (-11,02%); etanol (-2,06%) e gasolina (-0,67%).

(Agência Brasil)

Empresários de loterias fazem lobby em Brasília por regulamentação de ganhos

Cerca de 50 donos de lotéricos do Ceará seguiram, na madrugada desta terça-feira, na rota de Brasília. O grupo vai se junta a outras delegações de vários Estados e participar, na Câmara dos Deputados, de uma audiência pública.

Segundo Custódio Almeida, vice-presidente do Sindicato dos Empresários Lotéricos do ceará, hora de discutir a regulamentação da remuneração desse segmento de comércio pelos serviços prestados à Caixa Econômica.

“Por cada boleto autenticado, recebemos só R$ 0,50”, queixou-se o dirigente sindical Custódio Albano.

(Foto – Paulo MOska)

Que a política economia seja preservada

Com o título ‘Que a política econômica seja preservada”, eis o Editorial do O POVO desta terça-feira. “Com o ambiente político repleto de suspeitas, contaminações e ainda por cima deflagrado, é muito importante que haja uma equipe econômica competente e dotada de credibilidade…” diz o texto. Confira:

O turbilhão político gera mais e mais incertezas. Por isso, quanto mais rápido for o desfecho da crise política, maiores serão as chances de a economia, que, assim como a política, tem suas próprias lógicas, não ser arrastada para o brejo. Para o momento, a tarefa tão difícil quanto primordial é manter viva a agenda das reformas que estavam em andamento.

Com o ambiente político repleto de suspeitas, contaminações e ainda por cima deflagrado, é muito importante que haja uma equipe econômica competente e dotada de credibilidade intocada para dar seguimento à política econômica vigente, mantendo os fundamentos da atual política.

Não será tarefa fácil a execução de tais premissas. É clássico: a volatilidade da política costuma chegar à economia. Já a partir da fatídica noite de quarta-feira, 17 de maio, a resposta da economia aos acontecimentos da política se deu de forma imediata e da pior forma possível com a queda vigorosa do mercado de ações e a forte oscilação do câmbio. Além, é claro do efeito psicológico que se concretiza da seguinte forma: quem ia investir, recuou. Quem ia se endividar consumindo, suspendeu.

Na ponta, está a economia real como a maior prejudicada. A emergência é a retomada do crescimento econômico. Com isso, a retomada das contratações de um exército que está sem emprego. Com o cenário de incertezas se impondo restou a certeza de que o ciclo que estava prestes a se estabelecer também entrou em estado de suspensão. Isso, para dizer o mínimo.

A hora é de exigir a máxima responsabilidade de protagonistas e coadjuvantes. Sejam os políticos e seus partidos. Sejam as instituições da democracia. É preciso ter a clareza de que a virtude de uma democracia se relaciona fortemente com o respeito à Constituição. Independentemente do tamanho da crise, não há saída virtuosa e segura fora dos preceitos constitucionais.constitucionais.

STF depende da Câmara para analisar denúncia contra Temer

O Supremo Tribunal Federal só pode analisar a denúncia criminal contra o presidente Michel Temer se a Câmara dos Deputados autorizar. A informação é da Coluna Radar, da Veja Online desta terça-feira.

“O artigo 51, I, da Constituição, diz que é competência privativa da Câmara dos Deputados autorizar a instauração de processo contra o presidente”, diz a advogada criminalista Conceição Giori, do Oliveira Campos & Giori Advogados.

E a mala de Rodrigo Loures aparece

Da Coluna Painel, da Folha:

O deputado afastado Rodrigo Rocha Loures entregou na sede da Polícia Federal, na noite desta segunda-feira (21), a mala com R$ 500 mil, informa Thais Arbex.

Em delação, Joesley Batista afirmou que Rocha Loures foi indicado pelo presidente Michel Temer para tratar de assuntos de interesse da JBS.

Na última vez que a mala havia sido vista, o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures saiu com ela de um estacionamento em São Paulo, em 28 de abril, e entrou correndo em um táxi.

As consequências e as explicações de Cid Gomes

229 1

Da Coluna Política do jornalista Érico Firmo, no O POVO desta terça-feira:

Cid Gomes (PDT) confirmou tudo que foi delatado contra ele, menos as motivações. Ocorreram reuniões, pedidos de dinheiro, liberação de crédito, doações de campanha. Dois secretários foram designados para pedir dinheiro à JBS. A divergência é sobre o motivo para tudo isso. Segundo o empresário Wesley Batista, houve pressão que condicionou a liberação dos recursos às doações de campanha. Cid diz que foi tudo dentro da lei. Isso considerando que a negociação era com a turma da JBS, cujos métodos agora são conhecidos.

O cronograma de pagamentos pesa contra o ex-governador, mas nem tudo bate 100% com o relato do delator. Não procede que não houve repasse em 2013. Foram liberados R$ 12,3 milhões. Porém, em 2014, o valor foi multiplicado oito vezes.

Não é caso simples e merece investigação. Ao decidir manter os secretários Arialdo Pinho e Antônio Balhmann (PDT), Camilo Santana (PT) leva para dentro de seu governo a confusão que começou no financiamento de sua campanha.

(Foto – Arquivo)

Caravanas de sindicalistas cearenses tomam a rota de Brasília para pressionar saída de Temer

Várias caravanas de sindicalistas estão embarcando para Brasília. Algumas foram de ônibus e outras estão seguindo de avião, como foi o caso, nesta madrugada de terça-feira, de Luís Carlos Paes, presidente do PCdoB do Ceará, mas dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Banco Central (Sinal).

Paes informou que a ordem do ato Ocupação Brasília, que ocorrerá nesta quarta-feira, é pedir a saída do presidente Temer Diretas Já.

Com ele, seguiu a dirigente da CUT nacional e no Ceará, Graça Costa, que considera insustentável a presença de Temer no governo. Ela quer a saída, com seu pacote de reformas que, na sua avaliação, é retrocesso.

 

Em defesa da Vila Vicentina

Moradores da Vila Vicentina (Bairro Dionísio Torres), juntamente com diversos profissionais, pesquisadores e estudantes de várias áreas, se uniram, sob a orientação do professor e arquiteto Romeu Duarte (UFC). Dos encontros saiu uma sugestão de norma de instrução de tombamento municipal para a Vila Vicentina da Estância.

Hoje, às 16 horas, o grupo irá à sede da Secretaria da Cultura de Fortaleza entregar documento que traz dados sobre a relevância arquitetônica, cultural e social da Vila, uma Zona Especial de Interesse Social (Zeis), para que seja preservada como “parte viva do patrimônio histórico da Capital”.

Em outubro do ano passado, houve demolição de algumas casas da Vila Vicentina, quando uma construtora obteve mandado de reintegração de posse. Após mobilização dos moradores, com apoio de entidades e órgãos ligados aos direitos humanos, o despejo e a demolição foram temporariamente suspensos. 

Lava Jato – PF prende ex-governadores Agnelo Queiroz, José Roberto Arruda e operador de Temer

A Polícia Federal está nas ruas do Distrito Federal desde as primeiras horas desta terça-feira (23/5) em mais um desdobramento da Operação Lava Jato.

Dessa vez, os alvos são agentes públicos e ex-governadores, construtoras e operadores das propinas ao longo de três gestões do Governo do Distrito Federal. Há mandados de prisão contra os ex-governadores Agnelo Queiroz (PT) e José Roberto Arruda (PR) e o ex-vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB), um dos principais operadores de Michel Temer.

A operação decorre de um esquema de propinas na construção do estádio Mané Garrincha e é baseada em delação premiada de executivos da Andrade Gutierrez. A PF diz que a reforma do local pode ter sido superfaturada em cerca de R$ 900 milhões, visto que estava orçada em R$ 600 milhões mas custou R$ 1,575 bilhão.

O advogado de Arruda, Paulo Emílio, afirmou ao G1 que ainda está “tomando pé das circunstâncias”, mas que vai tentar revogar o mandado prisão. Segundo Emílio, o mandado é para prisão temporária, com prazo inicial de cinco dias. Ele informou que está indo ao encontro do ex-governador e, em seguida, à Superientendência da PF para “entender as razões de pedido de prisão”.

Segundo Emílio, o mandado é para prisão temporária, com prazo inicial de cinco dias. Ele informou que está indo ao encontro do ex-governador e, em seguida, à Superientendência da PF para “entender as razões de pedido de prisão”.

O G1 tentou contato com o advogado do ex-governador Agnelo Queiroz, mas não obteve respostas até o momento da publicação desta reportagem. A defesa do ex-vice governador Tadeu Filippelli, afirmou que “preferia não se pronunciar por enquanto”.

Na operação desta manhã, cerca de 80 policiais foram divididos em 16 equipes e devem ser cumpridos 10 mandados de prisão temporária, 3 de conduções coercitivas e 15 mandados de busca e apreensão. As medidas judiciais partiram da 10ª Vara da Justiça do DF e as ações ocorrem em Brasília.

(Com G1, Brasil 247 e Agências)

Sindifort vai à Câmara Municipal pressionar contra taxação de aposentados da Prefeitura

Nesta manhã de terça-feira, o Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos de Fortaleza (Sindifort) estará na Câmara Municipal. Levará uma caravana de servidores. Segundo a direção do sindicato, hora de protestar contra mensagem do Paço que quer taxar os aposentados do município.

O alerta foi dado pelo vereador Guilherme Sampaio (PT), lembrando que, na época da administração Luizianne Lins, o governo federal decidiu taxar aposentadoria dos servidores municipais. Para compensar, Luizianne criou abono que, agora, está sob ameaça na reforma administrativa do prefeito, em tramitação na Câmara.

Temer jantou na casa de Rodrigo Maia. No meu, busca de apoio para permanecer no cargo

O presidente Michel Temer esteve em um jantar, nessa noite de segunda-feira, promovido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) com deputados e lideranças do Congresso. O objetivo foi angariar apoio entre os parlamentares para sua permanência no cargo.

Nesta terça-feira, o governo tentará dar uma demonstração de normalidade com a leitura do relatório da reforma trabalhista. Nas palavras de um aliado de Temer, “temos de mostrar que este governo é capaz de continuar o processo de reformas”.

(Com Agências)

Situação de abrigos de animais será tema de audiência pública

Na próxima sexta-feira, às 10 horas, representantes de ONGs, Poder Público, especialistas e protetores de animais discutirão as principais dificuldades encontradas pelos abrigos de animais de Fortaleza. Será durante audiência pública, no auditório da Câmara Municipal.

A iniciativa é do vereador Célio Studart (SD), que também é autor da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos dos Animais de Fortaleza, formada na sessão da última quinta-feira (18), pelo presidente da Casa, Salmito Filho (PDT).

Entre os principais assuntos que serão discutidos no encontro, estão: a superlotação dos abrigos, falta de veterinários e de uma maior atenção do poder público, além de despesas com rações, água e recolhimento de lixo.

“A Audiência é uma oportunidade para nós de abrigos, ONGs e Protetores sermos ouvidos e colocarmos nossas demandas em pauta. A questão agora não é só mais pedir, mas exigir do Executivo políticas públicas relacionadas ao bem-estar animal”, ressaltou Jaqueline Viana, do Abrigo Arca de Noé.