Blog do Eliomar

Últimos posts

Debate sobre impeachment não pode desviar foco de medidas econômicas, diz Levy

As discussões em torno do impeachment da presidente Dilma Rousseff não podem desviar o foco de medidas econômicas, disse, nessa segunda-feira (7), o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Em entrevista à imprensa na Embaixada do Brasil em Washington, nos Estados Unidos, ele voltou a defender a necessidade de que o processo ande o mais rápido possível.

“Se havia aquele ímpeto de se instaurar um processo de impeachment, que se faça e se permita que o processo até ande rápido. Todo mundo quer ver a incerteza diminuir. Até hoje, a maior parte da avaliação é de que o governo continuará”, disse o ministro, que está na capital norte-americana para reunião com empresários e com representantes do Fundo Monetário Internacional (FMI). A entrevista do ministro foi transmitida ao vivo pela internet.

De acordo com o ministro, apesar da tensão política, a abertura do processo de impeachment reduziu incertezas que afetavam o país. Segundo ele, o debate traz a oportunidade para o governo deixar claras as prioridades na área econômica. Ele ressaltou que discussões do tipo fazem parte da democracia e ocorreram em vários países, mas advertiu de que as medidas em tramitação no Congresso não podem ficar paradas. “Não se deve desviar o foco daquilo que é preciso fazer para [o país] voltar a crescer e criar empregos”, afirmou.

(Agência Brasil)

Comércio de carne homenageia personalidades em Fortaleza

foto sindcarnes 151207 homenagens

Enquanto investidores receiam pela recessão no país, o comércio de carne aposta em uma recuperação da economia e afirma que os setores não podem se render ao atual momento do mercado brasileiro.

Esse foi o discurso que prevaleceu, na noite dessa segunda-feira (7), durante a tradicional festa do Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Carnes de Fortaleza (SindCarnes), que homenageou personalidades com o Jantar do Boi, no Ilmar Gourmet, no bairro Luciano Cavalcante.

Entre os homenageados, estavam o jornalista José Rangel e o ex-governador Cid Gomes – este representado pela controladora-geral de Disciplina do Estado, Socorro França. A festa foi encerrada com show do humorista Zé Modesto.

(Fotos – Paulo MOska)

Em carta a Dilma, Temer aponta desconfiança do governo no PMDB

74 1

temerr

O vice-presidente da República, Michel Temer, enviou carta à presidenta Dilma Rousseff em que aponta “fatos reveladores” da desconfiança que o governo possui em relação a ele e ao PMDB.

De acordo com a assessoria de imprensa da Vice-Presidência, a decisão de Temer de escrever a carta foi tomada após a presidenta informar, durante entrevista coletiva à imprensa, na manhã desta segunda-feira, que o procuraria para conversar ainda nesta segunda-feira, 7.

Por meio do Twitter, a assessoria de Temer informou que a carta foi enviada em “caráter pessoal” a Dilma, e que o vice-presidente se surpreendeu com a divulgação do texto, “em face da confidencialidade”. Ainda segundo os assessores, o vice exortou à reunificação do país, “como já o tem feito em pronunciamentos anteriores”.

Pela manhã, Dilma disse não ver motivos para desconfiar de Temer, “um milímetro”. O encontro entre os dois, previsto por ela, não deve mais ocorrer hoje. Temer desembarcou em Brasília pouco antes das 21 horas, após passar o fim de semana em São Paulo, e está reunido no Palácio do Jaburu com lideranças do PMDB como o presidente da Fundação Ulysses Guimarães (FUG), Moreira Franco, entidade acadêmica ligada ao partido.

Até o momento, a secretaria de imprensa da Presidência não confirma o recebimento da carta pelo gabinete de Dilma. Ainda de acordo com a assessoria da Vice-Presidência, Temer manterá “a discussão pessoal privada no campo privado”.

Confira a carta na íntegra

Senhora Presidente,
“Verba volant, scripta manent”.
Por isso lhe escrevo. Muito a propósito do intenso noticiário destes
últimos dias e de tudo que me chega aos ouvidos das conversas no Palácio.
Esta é uma carta pessoal. É um desabafo que já deveria ter feito há
muito tempo.

Desde logo lhe digo que não é preciso alardear publicamente a
necessidade da minha lealdade. Tenho-a revelado ao longo destes cinco anos.
Lealdade institucional pautada pelo art. 79 da Constituição Federal. Sei quais
são as funções do Vice. À minha natural discrição conectei aquela derivada
daquele dispositivo constitucional.

Entretanto, sempre tive ciência da absoluta desconfiança da senhora
e do seu entorno em relação a mim e ao PMDB. Desconfiança incompatível
com o que fizemos para manter o apoio pessoal e partidário ao seu governo.
Basta ressaltar que na última convenção apenas 59,9% votaram pela aliança.
E só o fizeram, ouso registrar, por que era eu o candidato à reeleição à Vice.

Tenho mantido a unidade do PMDB apoiando seu governo usando o prestígio
político que tenho advindo da credibilidade e do respeito que granjeei no
partido.

Isso tudo não gerou confiança em mim, Gera desconfiança e
menosprezo do governo.
Vamos aos fatos. Exemplifico alguns deles.
1. Passei os quatro primeiros anos de governo como vice
decorativo. A Senhora sabe disso. Perdi todo protagonismo político que
tivera no passado e que poderia ter sido usado pelo governo. Só era
chamado para resolver as votações do PMDB e as crises políticas.
2. Jamais eu ou o PMDB fomos chamados para discutir
formulações econômicas ou políticas do país; éramos meros acessórios,
secundários, subsidiários.
3. A senhora, no segundo mandato, à última hora, não
renovou o Ministério da Aviação Civil onde o Moreira Franco fez
belíssimo trabalho elogiado durante a Copa do Mundo. Sabia que ele
era uma indicação minha. Quis, portanto, desvalorizar-me. Cheguei a
registrar este fato no dia seguinte, ao telefone.
4. No episódio Eliseu Padilha, mais recente, ele deixou o
Ministério em razão de muitas “desfeitas”, culminando com o que o
governo fez a ele, Ministro, retirando sem nenhum aviso prévio, nome
com perfil técnico que ele, Ministro da área, indicara para a ANAC.
Alardeou-se a) que fora retaliação a mim; b) que ele saiu porque faz
parte de uma suposta “conspiração”.
5. Quando a senhora fez um apelo para que eu assumisse a
coordenação política, no momento em que o governo estava muito
desprestigiado, atendi e fizemos, eu e o Padilha, aprovar o ajuste fiscal.
Tema difícil porque dizia respeito aos trabalhadores e aos empresários.
Não titubeamos. Estava em jogo o país. Quando se aprovou o ajuste,
nada mais do que fazíamos tinha sequencia no governo. Os acordos
assumidos no Parlamento não foram cumpridos. Realizamos mais de
60 reuniões de lideres e bancadas ao longo do tempo solicitando apoio
com a nossa credibilidade. Fomos obrigados a deixar aquela
coordenação.
6. De qualquer forma, sou Presidente do PMDB e a senhora
resolveu ignorar-me chamando o líder Picciani e seu pai para fazer um
acordo sem nenhuma comunicação ao seu Vice e Presidente do Partido.
Os dois ministros, sabe a senhora, foram nomeados por ele. E a
senhora não teve a menor preocupação em eliminar do governo o
Deputado Edinho Araújo, deputado de São Paulo e a mim ligado.
7. Democrata que sou, converso, sim, senhora Presidente,
com a oposição. Sempre o fiz, pelos 24 anos que passei no Parlamento.
Aliás, a primeira medida provisória do ajuste foi aprovada graças aos 8
(oito) votos do DEM, 6 (seis) do PSB e 3 do PV, recordando que foi
aprovado por apenas 22 votos. Sou criticado por isso, numa visão
equivocada do nosso sistema. E não foi sem razão que em duas
oportunidades ressaltei que deveríamos reunificar o país. O Palácio
resolveu difundir e criticar.
8. Recordo, ainda, que a senhora, na posse, manteve reunião
de duas horas com o Vice Presidente Joe Biden – com quem construí
boa amizade – sem convidar-me o que gerou em seus assessores a
pergunta: o que é que houve que numa reunião com o Vice Presidente
dos Estados Unidos, o do Brasil não se faz presente? Antes, no episódio
da “espionagem” americana, quando as conversar começaram a ser
retomadas, a senhora mandava o Ministro da Justiça, para conversar
com o Vice Presidente dos Estados Unidos. Tudo isso tem significado
absoluta falta de confiança;
9. Mais recentemente, conversa nossa (das duas maiores
autoridades do país) foi divulgada e de maneira inverídica sem nenhuma
conexão com o teor da conversa.
10. Até o programa “Uma Ponte para o Futuro”,
aplaudido pela sociedade, cujas propostas poderiam ser utilizadas para
recuperar a economia e resgatar a confiança foi tido como manobra
desleal.
11. PMDB tem ciência de que o governo busca
promover a sua divisão, o que já tentou no passado, sem sucesso.
A senhora sabe que, como Presidente do PMDB, devo manter
cauteloso silencio com o objetivo de procurar o que sempre fiz: a unidade
partidária.

Passados estes momentos críticos, tenho certeza de que o País terá
tranquilidade para crescer e consolidar as conquistas sociais.
Finalmente, sei que a senhora não tem confiança em mim e no
PMDB, hoje, e não terá amanhã.

Lamento, mas esta é a minha convicção.

Respeitosamente, \ L TEMER
A Sua Excelência a Senhora
Doutora DILMA ROUSSEFF
DO. Presidente da República do Brasil
Palácio do Planalto
Brasília, D.F.

PMDB indica representantes na comissão do impeachment; Valim é suplente

foto valim deputado federal

O líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ), indicou, na noite dessa segunda-feira (7), os oito deputados titulares e os oito suplentes para a formação da chapa oficial que vai disputar nesta terça-feira (8) os votos do plenário para a comissão especial da Câmara que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“A maioria dos indicados não tem posição manifesta, nem a favor nem contraria ao processo”, disse o peemedebista, após encaminhar a lista de indicados ao presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Os nomes indicados pelo líder como titulares são Celso Maldaner (SC), Daniel Vilela (GO), Hildo Rocha (MA), João Arruda (PR), José Priante (PA), Leonardo Picciani (RJ), Rodrigo Pacheco (MG) e Washington Reis (RJ). Como suplentes para a comissão, Picciani indicou os deputados Alberto filho (MA), Edio Lopes (RR), Elcione Barbalho (PA), João Marcelo Souza (MA), Marx Beltrão (AL), Newton Cardoso JR (MG), Sergio Souza (PR) e Vitor Valim (CE).

(Agência Brasil)

Especialistas discutem novo sistema IP para computadores

O Conselho de Comunicação Social discutiu nesta segunda-feira (7) a atualização do sistema IP na Internet brasileira. Em junho do ano passado, o sistema usado para designar endereços IP (Ipv4) no Brasil esgotou-se devido ao uso mais intenso da Internet, principalmente na telefonia móvel. Desde então, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Comitê Gestor da Internet e as operadoras de telecomunicações discutem como fazer a transição para um novo sistema (Ipv6) com número quase ilimitado, porque cada aparelho conectado com a Internet deve ter um número de endereço IP.

Até que a transição para o sistema novo ocorra, a Anatel autorizou o compartilhamento dos números IP, ou seja, um grupo de usuários usando simultaneamente o mesmo endereço do sistema. Esse compartilhamento foi duramente criticado pelo Ministério Público na CPI da Câmara que investiga os crimes cibernéticos por dificultar a identificação de computadores e usuários investigados.

O representante da Anatel, Rodrigo Zerbone, destacou que o compartilhamento de IP é temporário, somente durante a transição para o novo sistema, e que é possível a identificação pelas autoridades dos investigados em crimes cibernéticos.

“Ainda que haja cem pessoas compartilhando esse endereço IP, existem outros elementos técnicos que conseguem identificar aquela pessoa, aquele dispositivo, aquele terminal específico. Isso está sendo utilizado pelos órgãos de segurança pública para conseguir identificar autores de crimes e outros ilícitos. Existem elementos para identificação, isso torna obviamente um pouco mais complexo, mas a gente tem que lidar com isso, porque o número de endereços IPv4, que é a antiga versão, já se esgotou; então a gente tem que trabalhar com compartilhamento inexoravelmente”.

(Agência Câmara Notícias)

PGR pede mais prazo para concluir investigação contra Renan e Aníbal Gomes

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu nesta segunda-feira (7) a prorrogação do inquérito que investiga o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) na Operação Lava Jato. Os parlamentares são investigados pela suposta prática de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

O pedido para apurar a conduta dos congressistas tramita na Corte desde março e foi prorrogado por três vezes.

Renan foi citado no depoimento de delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Em julho, Costa declarou ao juiz federal Sérgio Moro que Calheiros tinha um “representante” que negociou propina com ele.

Após a divulgação do depoimento, o presidente do Senado refutou as acusações do ex-diretor e declarou que suas relações com diretores de instituições públicas nunca ultrapassaram os limites institucionais.

Na sexta-feira (4), o ministro Teori Zavascki, relator dos inquéritos decorrentes da Lava Jato no Supremo, aceitou pedido da PGR para prorrogar as investigações contra a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney, do senador Edison Lobão (PMDB-MA) e do deputado federal Simão Sessim (PP-RJ).

(Agência Brasil)

Secretaria de Finanças fará a entrega do Prêmio Sefin 2015

A Secretaria Municipal das Finanças realizará, nesta quarta-feira, a cerimônia de entrega das premiações da 8ª Edição do Prêmio Sefin. Foram selecionados 27 alunos de escolas públicas e privadas de Fortaleza. Cada ano (1º ao 9º) teve o seu primeiro, segundo e terceiro colocados. A entrega dos prêmios será às 14 horas, no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL).

De acordo com o edital do Prêmio, os primeiros colocados receberão um notebook, enquanto os segundos lugares ganharão um tablet. Os terceiros classificados levarão um smarthphone. Os professores dos alunos vencedores em qualquer das três categorias terão como prêmio R$ 1 mil, cada. Os estudantes desenvolveram redações, desenhos e poemas com o tema “De onde vem o dinheiro que sustenta uma nação?”. Os trabalhos foram divididos em Categoria I – desenho à mão livre por alunos do 1º ao 4º ano, Categoria II – poemas escritos por estudantes do 5º e 6º anos e Categoria III – redações feitas por alunos do 7º ao 9º ano.

Nessa edição do Prêmio Sefin, foram inscritos 505 trabalhos, sendo 121 desenhos, 79 poemas e 305 redações. Uma comissão julgadora, composta por 20 profissionais que atuam na área da educação fiscal e educação fundamental no Ceará, analisou os trabalhos e selecionou os 27 vencedores. O prêmio objetiva levar conhecimentos básicos sobre educação fiscal e cidadania aos estudantes das escolas públicas e privadas da capital.

Senado deve votar nesta quarta-feira proposta que legaliza jogos de azar

“Um projeto de lei quer estabelecer um marco regulatório para legalizar os chamados jogos de azar no País, em espaços físicos e online. O relatório sobre o texto já foi apresentado pelo senador Blairo Maggi (PR-MT) e pode ser votado na próxima quarta-feira (9/12) na reunião da Comissão Especial de Desenvolvimento Nacional do Senado.

Como tramita em caráter terminativo, caso seja aprovada pela comissão, a proposta seguirá direto para análise da Câmara dos Deputados.

Para o senador Ciro Nogueira (PP-PI), autor da proposta, a liberação de bingos, caça-níqueis e cassinos poderia arrecadar até R$ 15 bilhões por ano em impostos, geraria novos empregos e estimularia o turismo.

O texto busca definir quais jogos poderiam ser explorados, os critérios para autorização e as regras para distribuição de prêmios e arrecadação de tributos. Há ainda previsão de credenciamento máximo de dez casas de bingo por município e que os cassinos funcionem ligados a complexos integrados de lazer, construídos especificamente para esse fim, com hotéis e restaurantes. No relatório de Blairo Maggi, não há nenhum impedimento para que políticos possam explorar casas de jogos.

Uma das preocupações dos críticos do texto é que, como a proposta prevê que caso sejam legalizadas, caberá aos estados e ao Distrito Federal a prerrogativa de dar “autorização outorgada” para a abertura e funcionamento desses estabelecimentos, políticos possam usar influência para se beneficiar. No caso dos cassinos, as pessoas jurídicas interessadas na exploração seriam previamente credenciadas pelo governo federal.

Na Câmara

A legalização do jogos de azar também está sendo debatida pela Câmara dos Deputados. A Comissão Especial do Marco Regulatório dos Jogos no Brasil vem fazendo audiências públicas para chegar a um consenso em torno das dezenas de propostas que tramitam na casa sobre o tema.

O Decreto-Lei 9.215, de 30 de abril de 1946, proibiu os jogos por considerar, entre outros pontos, “que a tradição moral jurídica e religiosa do povo brasileiro é contrária à prática e à exploração e jogos de azar”. No caso dos bingos, a proibição veio em 2004.

(Site Consultor Jurídico)

Deodato Ramalho participará de evento internacional sobre poluição visual das metrópoles

deodatoramalho_thiagogaspar

O vereador Deodato Ramalho (PT) dará palestrar no I Congresso Internacional de Paisagem Urbana, em São Paulo. O evento acontece até quinta-feira. na agenda dele, debate sobre os desafios e perspectivas do tema para as grandes cidades.

Deodato vai falar sobre a sua experiência na política de combate à poluição visual, desenvolvida no tempo em que foi Secretário Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo de Fortaleza (2010-2012).

Bom lembrar que, como vereador, Deodato propôs um projeto de lei sobre o assunto em 2013, visando ordenar o uso de propagandas no mobiliário urbano, conhecido como “Cidade Limpa”. A proposta, no entanto, foi vetada pelo prefeito Roberto Claudio (PDT) alegando que seria feito um novo projeto e até agora nada.

Partido da Mulher ainda não sabe se ficará do lado da mulher do Palácio do Planalto

domingosneto

O líder do Partido da Mulher Brasileira na Câmara, Domingos Neto, anuncia: o partido ainda não definiu o rumo que adotará com relação ao processo de impeachment acatado pelo presidente da Casas, Eduardo Cunha (PMDB/RJ).

O PMB indicará o seu representante, mas ainda fará reunião para avaliar o cenário político do País.

Sobre o partido, Domingos Neto informou que no Ceará a legenda já conta com  dois deputados federais – ele e Macedão, e mais cinco parlamentares estaduais. Também anunciou que virá uma campanha de filiações, dentro do objetivo de reforçar a sigla para 2016.

Garantido na Série B, Ceará precisa agora pensar grande

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=xx7f7YR9Jys[/youtube]

Evaristo Nogueira, comentarista e narrador esportivo da Rádio O POVO/CBN e do programa “Trem Bala”, da TV OM POVO, avisa: o time do Ceará, que se manteve na Série B, do Brasileirão, precisa agora pensar grande e investir  num bom elenco.

Nada de querer formar time ao longo dos certame, até porque o Ceará, com a queda do Vasco, do Goiás e do Avaí para a Série B, não terá vida fácil.

Comissão do Impeachement deve ser definida só nesta terça-feira

“Com partidos de oposição formando uma chapa alternativa para a comissão do impeachment, a votação que oficializará os nomes do colegiado não deve ser encerrada nesta segunda-feira.

Além de questões regimentais, discussões sobre voto aberto ou fechado, caso o governo consiga eleger a chapa oficial o mais provável é que vagas destinadas à oposição não sejam preenchidas, o que levará à necessidade de uma eleição suplementar, arrastando o caso para terça-feira.”

(Coluna Radar, da Veja Online)

Eduardo Cunha fora! Para o bem do Brasil

Com o título “Pelo bem do Brasil”, eis artigo do deputado federal Leônidas Cristino (Pros). Ele defende o imediato afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), para o bem do Pais. Confira:

A Câmara dos Deputados passa por um processo de desgaste da imagem por conta da permanência do presidente Eduardo Cunha na direção da Instituição. Denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por suspeita de lavagem de dinheiro e corrupção passiva, está sendo investigada a sua implicação nos desvios de conduta apurados na Operação Lava Jato.

Assinei a representação no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara contra este parlamentar, em consequência das graves denúncias do Ministério Público Federal. O deputado perdeu, há muito tempo, o benefício da dúvida.

Por essas razões, defendo que ele deve afastar-se da Presidência, para o bem do Parlamento e da Nação, até que tudo seja esclarecido, evitando a suspeição de uso do cargo em sua defesa. A presidência da Câmara Federal representa a instituição, um colegiado de 513 deputados. O seu titular, por ser o terceiro na linha sucessória da República, deve ter conduta ilibada.

É inadmissível que pese suspeita de que o cargo de presidente da Câmara foi instrumentalizado para a defesa de interesses questionáveis do ponto de vista moral. 

Esperamos que Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados não falte com o Brasil.

Com a cobrança da opinião pública e o surgimento de novos fatos e denúncias, quase metade da Câmara já quer o afastamento. Pesquisa Datafolha com 324 deputados (63% da Casa), realizada entre 19 e 28 de outubro, revelou que 45% pediram a renúncia do deputado Eduardo Cunha e 35% apoiam a sua cassação. Estou no primeiro grupo. 

Enquanto ele não sair, segue a triste cena que o País acompanha pelo noticiário. A ele cabe todo o direto de defesa no processo democrático. Mas até agora não vimos argumento convincente capaz de legitimar a sua continuidade no cargo.

Leônidas Cristino

dep.leonidascristino@camara.leg.br

Deputado federal (Pros)

Ministério Público do Ceará tem novo corregedor-geral

josé-wilson

“O Colégio de Procuradores de Justiça do Ministério Público do Estado do Ceará elegeu, nesta segunda-feira, durante a 5ª Sessão Extraordinária, o corregedor-geral da instituição para o biênio 2016-2017. Foi eleito com 24 votos o procurador de justiça José Wilson Sales Júnior.

Ele concorria para o cargo com o procurador de justiça Francisco Marques Lima, que obteve 14 votos. José Wilson Sales Júnior é titular da 18ª Procuradoria de Justiça e coordenador do Núcleo do Desporto e Defesa do Torcedor do MPCE. Ele sucederá o atual corregedor-geral, procurador de Justiça Marcos Tibério Castelo Aires.

Durante a sessão foram eleitos também os componentes do Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça para o biênio 2016-2017. São eles: os procuradores de Justiça Manuel Lima Soares Filho, Vanja Fontenele Pontes, Suzanne Pompeu Sampaio Saraiva, Fernanda Maria Castelo Branco Monteiro, Carmelita Maria Bruno Sales, Maria Elaine Lima Maciel, João Eduardo Cortez, Mônica Maria Aguiar Câmara de Lavôr e Leo Charles Henri Bossard II.”

(Site do MP/CE)

Dilma diz que não desconfia um milímetro de Temer

DILMA PARTICIPA DE COMEMORAÇÃO DO DIA DO EXÉRCITO

“A presidenta Dilma Rousseff disse não ver motivos para desconfiar “um milímetro” do vice-presidente Michel Temer. Ela disse que não percebe movimentos dúbios por parte de Temer, que não só confia como sempre confiou nele e que o vice-presidente sempre teve um comportamento “bastante correto”.

Dilma Rousseff afirmou, durante entrevista a jornalistas, que tem conversado “bastante” com Temer nos últimos dias e os diálogos têm sido muito bons. “O silêncio depende de quem está escutando. Eu não tenho escutado silêncio nenhum”, disse. Desde a última quarta-feira (2), quando foi aceito o pedido de abertura de impeachment, o vice-presidente ainda não se manifestou publicamente sobre o assunto. Após se encontrar rapidamente com Dilma na quinta-feira (3), ele viajou para São Paulo por causa de compromissos pessoais, e não participou da reunião de coordenação política promovida por Dilma Rousseff com 23 ministros.

A presidenta disse que pretende se encontrar ainda hoje com o vice, que retorna a Brasília no final da tarde após participar de um evento em São Paulo.Perguntada se esperava algum comportamento do vice sobre o tema, Dilma disse que não espera “nada de diferente” do que ele tem feito até hoje. “Ele tem sempre tido um comportamento bastante correto. Ele sempre foi extremamente correto comigo, e tem sido assim. Não tem porque eu desconfiar dele um milímetro”, afirmou.”

(Agência Brasil)

Tudo pronto para a VI Caminhada da Fé e Gratidão

Farias Júnior (Brejo Santo) – Tudo pronto para a VI Caminhada da Fé e Gratidão, que deverá reunir centenas de fieis dos municípios de Porteiras, Brejo Santo e Jardim.

Os peregrinos partirão às 2 horas da madrugada desta terça-feira, com saída da Igreja Matriz de Brejo Santo, em caminhada com destino a Igreja Matriz de Nossa Senha da Conceição em Porteiras.

Com três paradas programas para descanso e reidratação dos participantes, a caminhada chegará na cidade de Porteiras por volta das 9 horas. Esse município comemora a festa de sua padroeira.

Lula afirma: Motivações de impeachment são ódio e preconceito

alx_luis-inacio-lula-da-silva-20150330-0002-ale_original

“O ex-presidente Luiz Inácio da Silva disse, nesta segunda-feira, 7, que a motivação por trás do pedido de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff é ódio. “O impeachment faz parte um processo democrático, mas o impeachment tem que ter uma razão, uma motivação. No caso da Dilma, não tem nenhuma motivação, nem razão a não ser ódio, a não ser preconceito”, ressaltou em discurso, ao participar de um encontro de articulação de movimentos sociais e centrais sindicais contra o impedimento.

As lideranças sindicais e da sociedade civil devem passar o dia reunidas e anunciar à noite uma agenda de manifestações contra a destituição da presidenta. O processo começou a tramitar na semana passada, quando o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB) acolheu o pedido elaborado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal. Os nomes dos deputados que vão compor a Comissão Especial que vai analisar o pedido devem ser anunciados no início da noite de hoje.

Lula disse que a continuidade de Dilma no poder é fundamental para evitar retrocessos sociais no Brasil. “Para a gente reconstruir o direito de brigar outra vez, a gente não pode permitir que haja um golpe de Estado, via impeachment no Congresso Nacional. Porque não tem base jurídica, como não tem base política”, enfatizou.

O ex-presidente acusou os partidos de oposição, derrotados naeleição de 2014, de boicotarem o governo federal no Congresso, impedindo a adoção de medidas necessárias para a recuperação econômica. “A oposição é que não desmontou o palanque, não desmontou o carro de som. Faz todo o esforço para evitar que a companheira Dilma governe este país. Faz todo o esforço para evitar que as coisas aconteçam nesse país”, disse.

Para Lula, o movimento pelo impeachment é, na verdade, uma luta contra o projeto político implementado pelo PT nos últimos anos: “Eles querem tirar a Dilma, porque sabem que enquanto ela estiver lá, os pobres vão continuar tendo direito a universidade, as cotas vão ser defendidas e o Minha Casa, Minha Vida vai continuar”.

Na opinião do ex-presidente, o governo deve monitorar de perto as movimentações dos parlamentares. “É importante que a gente não abra mão de fiscalizar e saber construir a maioria absoluta que nós precisamos ter dentro do Congresso Nacional, para evitarmos ser pegos de surpresa em uma votação qualquer”, disse.

Os meios de comunicação também precisam, na opinião de Lula, serem monitorados pela sociedade civil. “Porque a imprensa pode ter um papel extraordinário de ajudar a informar corretamente a sociedade brasileira. O que seria muito bom. Ou ela pode fazer uma opção de ter uma pendência para esse ou aquele lado. Se ela tiver que fazer essa opção, que ela faça para o lado decente da política brasileira, o lado justo e do respeito à democracia e ao Estado de Direito”.

União

Lula também defendeu a união entre os diversos movimentos e partidos, deixando as diferenças temporariamente de lado. “É como se nós estivéssemos andando em um trem que tivesse descarrilado. Nós agora não temos que ficar brigando qual é o vagão que a gente vai. A gente tem que colocar o trem outra vez nos trilhos. Quando ele estiver no trilho, a gente vai brigar”, recomendou.

Nesse sentido, o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, João Paulo Rodrigues, disse que há unidade em torno da defesa do mandato, apesar das divergências com o governo. “Ela tem que terminar o seu mandato. Então, os movimentos tem que continuar pressionando, pedindo mudanças no governo, para que possa atender ao conjunto das pautas. Mas o que deu unidade aqui é a manutenção e garantia do mandato. Nesse sentido, nós vamos fazer uma grande jornada de lutas”, ressaltou ao defender avanços na reforma agrária e mudanças na política econômica.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores, Vagner Freitas, destacou que os sindicatos também esperam mudanças nos rumos da economia. No entanto, a central sindical não acredita que a destituição de Dilma seja o caminho para isso. “Nós sabemos que tem que ter transformação. Mas a transformação não se dá pelo impeachment. O impeachment é apenas um subterfúgio do Cunha e aqueles que perderam a eleição para tomar o poder. Não é para melhorar o povo brasileiro”, enfatizou.”

(Agência Brasil)