Blog do Eliomar

Últimos posts

Senai e CSP inscrevem para processo de seleção

118 1

Estão abertas até o próximo dia 2 as inscrições do processo seletivo para o Programa de Qualificação Profissional dos futuros operadores da Companhia Siderúrgica do Pecém por meio do SENAI/CE. Esse será o maior programa de qualificação já feito pelo SENAI, em 70 anos de atuação no Ceará, para educação profissional em uma única indústria no Estado. As inscrições poderão ser feitas de segunda a sexta-feira, das 8 às 12h, das 13 às 21h, nas unidades do SENAI de Maracanaú, São Gonçalo do Amarante, Jacarecanga e Barra do Ceará. As aulas serão realizadas nas unidades do SENAI já mencionadas.

Para se inscrever nos cursos, os candidatos deverão ter, preferencialmente, entre 18 e 28 anos e residir nos municípios localizados nas proximidades do CIPP; além de ter, no mínimo, o ensino médio, de acordo com o edital do programa. O processo seletivo contará com provas de português, matemática e teste psicológico para todas as funções. Os alunos receberão bolsas auxílio mensais para subsidiar despesas com alimentação e transporte.

O programa conta com 1.400 vagas em cursos específicos para operação da Siderúrgica nas áreas de Sinterização e Pátio; Coqueria; Tratamento de Gás; Alto Forno; Aciaria; Lingotamento Contínuo; Ponte Rolante; Auxiliar de Laboratório; Técnico de Laboratório; Inspetor de Placas; Planejamento e Controle de Produção; Maquinistas; Caldeiraria; Manutenção Elétrica; Manutenção Mecânica; Soldagem; – Tornearia; Fresagem; Retífica e Mandrilhamento. A CSP poderá vir a absorver até 950 profissionais em seu quadro operacional, mediante aprovação no processo seletivo e no curso realizado, de acordo com a disponibilidade de vagas na empresa.

SERVIÇO
* Confira edital: http://goo.gl/anjxU4

* Mais informações pelo telefone 85 4009.6300.

Joaquim Levy – Governo vai taxar grandes fortunas

leiiiiv

“Em conversa com o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, informou que está em estudos e deve ser enviado em breve ao Legislativo um projeto alternativo à proposta de taxação de grande fortunas. O encontro ocorreu esta semana no gabinete de Renan e contou com a participação de um pequeno grupo de senadores da base aliada.

O modelo em estudos pela equipe do ministro é o adotado pelos ingleses, em que há uma tributação sobre as heranças. Conforme antecipou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, o governo estuda a criação de um imposto federal para taxar a renda dos contribuintes obtida por meio de doações e heranças e outros tipos de transferências que não envolvam a venda de ativos.

É uma forma de ampliar a base de tributação no País e atingir contribuintes com renda mais elevada.”

(R7.com)

A engenharia do semiárido e a água

124 1

Em artigo enviado ao Blog, o ex-diretor regional do DNOCS, Cássio Borges, engenheiro civil com especialização em obras hidráulicas pela Escola Nacional de Engenharia e Barragens pela Pontifícia Universidade Católica-PUC, lembra da importância do Dnocs no Dia Mundial da Água. Confira:

Dia 22 de março é comemorado o Dia Mundial da Água, insumo que se torna cada vez o bem mais valioso do Planeta e tem sido motivo de disputas entre os povos. Há mais de 30 anos nós já afirmávamos que se viesse ocorrer uma Terceira Guerra Mundial (que Deus nos livre) seria por água e não por petróleo ou qualquer outro insumo existente na Terra. É lamentável, neste dia, ver-se situações preocupantes de falta de água no nosso País, como em São Paulo, por exemplo, e no próprio Estado do Ceará, tudo ocasionado pela inexistência de uma política consistente, holística, na área de recursos hídricos. Usam-se expressões mercadológicas românticas e alegres (Caminho das Águas, Anéis d’Água, Cinturão das Águas) para projetos caros e pouco produtivos. Isso para justificar ações isoladas sem uma visão de futuro macro estratégica para esse setor primordial em qualquer parte do Mundo. Vejam os exemplos das Ilhas Canárias, onde estivemos a convite do governo espanhol, e de Israel, onde o  “precioso líquido” é mais escasso do que no semiárido brasileiro e conseguem conviver  de forma bem mais eficaz do que no nosso País. E ainda muito pode ser feito para um futuro mais promissor. Isso se houver humildade dos nossos dirigentes para reconhecer e aprender com os erros do passado e com a experiência adquirida, revertê-los em lições para o futuro!

Neste dia tão importante para a humanidade, queremos lembrar o velho e obstinado Departamento Nacional de Obras Contra as Secas-DNOCS, pois graças a ele a realidade do semiárido nordestino foi transformada em função de suas próprias experiências e, também, com a expertise que o órgão foi adquirindo em razão da troca de know how com outros países como a Espanha, Estados Unidos, México, Israel entre outros.  O tempo está demonstrando quanto estavam certos o seu primeiro Diretor Geral, Arrojado Lisboa (nos idos de 1909) e seus sucessores como Vinicius Berredo, Luiz Vieira e tantos outros que emprestaram a força e o brilho de suas inteligências para arquitetar, na região semiárida do Brasil, um órgão de engenharia da forma e semelhança do Bureau of Reclamation dos Estados Unidos, criado apenas sete anos antes.

O planejamento que preconizaram, na primeira década de sua existência, já induzia que o sistema de barramentos tinha dupla função: de combate às secas, que hoje chamam de “convivência com a seca” (pouco importa a denominação), e o da laminação das enchentes. Estudos feitos pelo DNOCS comprovaram, na prática, a exatidão do que aqueles antigos dirigentes da IOCS e IFOCS recomendaram como solução dos problemas da falta e do excesso d’água em nossa Região.

Lamentavelmente é forçoso reconhecer que a Rede Pluviométrica, componente principal da Rede Hidrométrica Básica do Nordeste, implantada pelo DNOCS no ano de 1910, a primeira e mais importante arma da hidrologia, está em estado de semiabandono, se é que ainda existe na sua concepção original, já não atende às necessidades gerais do planejamento, de fundamental importância para a correta implantação de obras hidráulicas visando o desenvolvimento de nossa Região. É necessária a conjunção de esforços para resolver, o mais breve possível, este grave problema de natureza técnica e o órgão mais diretamente atingido é, sem sombra de dúvida, o próprio DNOCS, o principal usuário dessas imprescindíveis informações.

Temos que admitir que nas últimas décadas o Departamento das Secas está perdendo suas forças pelo contínuo esvaziamento que a cúpula dirigente da República, sem nenhum razão convincente vem submetendo este Órgão que sempre foi considerado a Universidade do Nordeste. O mais recente golpe desferido contra aquele Departamento Federal foi o Decreto nº 8207, de 14 de março do ano passado, assinado pela Presidente Dilma Rousseff, transferindo para a CODEVASF-Companhia do Desenvolvimento do Vale do São Francisco a gestão e operação do Projeto de Integração do Rio São Francisco, incluindo 12 açudes dos principais açudes da Região construídos e administrados pelo DNOCS. Uma decisão inconsequente sem tamanho, pois que nos três principais itens, conhecimento do semiárido, infraestrutura administrativa e operacional e infraestrutura hídrica do semiárido, o DNOCS detém uma vantagem competitiva abissal comparativamente com aquela Companhia que foi criada para atuar em rios perenes e não em rios intermitentes, como é o caso do DNOCS com uma experiência, como acima foi dito, de 105 anos de existência.

O DNOCS há algum tempo perdeu o Vale do São Francisco para a CODEVASF, mas deixou marcas indeléveis de sua passagem por aquele Vale, inclusive na própria hidroelétrica de Paulo Afonso, onde existe um registro histórico de sua presença naquele empreendimento. A Hidroelétrica de Boa Esperança, construída no Rio Parnaíba, entre o Piauí e o Maranhão, graças à pertinência dos técnicos do DNOCS que, na época, sobrepujaram as críticas de poderosos segmentos que questionavam a existência de mercado consumidor de energia naqueles estados. A obra, após sua conclusão, foi entregue à CHESF, tendo dela também participado a própria SUDENE em convênio firmado entre as três entidades interessadas. Sentimo-nos honrado em ter tido um importante papel na viabilização desse empreendimento.

Do exposto, é fácil compreender que é dever do Governo Central da República – e dos estados nordestinos – fortalecer técnica e cientificamente o DNOCS, visando o desenvolvimento e a captação dos recursos hídricos escassos, a sua utilização racional e, através de Convênios com entidades públicas e privadas, nacionais, consolidar a sua posição de órgão especializado em Hidrologia Aplicada, Obras Hidráulicas, Irrigação e Drenagem, ainda incluindo como sua atribuição, constante em lei, a questão da desertificação. A este propósito, é importante lembrar o vitorioso Programa da Açudagem em Cooperação em que o DNOCS construiu em todo o Nordeste brasileiro cerca de 630 açudes de pequeno porte em parceria com os estados, municípios e particulares sendo, portanto, pioneiro no Brasil na utilização de recursos públicos para implantação de projetos em parceria, público, privada (PPP).

As ações serão voltadas exclusivamente para a problemática hídrica do semiárido nordestino. Há décadas está previsto nos planos do DNOCS a criação de um núcleo que foi denominado Centro de Pesquisas Hidrológicas e Hidráulicas que, juntamente com o Centro de Pesquisas Ictiológicas, já instalado em Pentecoste (Ceará) comporão a estrutura organizacional na área de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Entidade. Estas medidas deverão resgatar para esse Departamento a sua antiga denominação, tão carinhosamente a ele atribuído pela população nordestina de a Universidade do Nordeste, capaz de desenvolver uma tecnologia própria na Região.

Dentro deste contexto, estará fortalecida a própria engenharia do semiárido nordestino, que o DNOCS, desde há muito tempo, tem contribuído para o seu desenvolvimento e aprimoramento, onde se destacaram nomes de notório saber e projeção nos meios técnico/científicos nacionais, ao longo dos 105 anos de existência desse velho, mas sempre atualizado Departamento. Ainda existe esperança e alternativas para a “escassez do precioso líquido”, mas é preciso visão macro estratégica, competência e vontade política dos gestores públicos e políticos em geral!

Para Lula, quem não se comunica direito, se trumbica

107 1

lula e PT

Buscando horizontes na política e na economia.

“Acuado pela manifestação do dia 15, o alto comando petista reuniu-se na segunda-feira, 16, no Instituto Lula, para discutir a crise em que o PT, o governo e o país estão metidos. Mais uma vez, a culpada de tudo foi a comunicação do governo.

Convocados por Lula, Antonio Palocci, Luiz Marinho, Luiz Dulci, Edinho Silva, Alexandre Padilha, Emidio de Souza e Rui Falcão bradaram contra a “direita” e os “golpistas”, e lamentaram não ter apoiado Eduardo Cunha à presidência da Câmara, o que evitaria um desgaste do governo recém-instalado.

A estratégia de reação que saiu dali é a de sempre: grudar nos movimentos sociais, trabalhar colado aos blogueiros chapas-branca e partir para o ataque aos “conservadores”.”

(Coluna Radar, da Veja Online)

Dia Mundial da Água – Camilo Santana usa Facebook para dizer o que faz contra a seca

camillldodod

Do governador Camilo Santana (PT), em seu Facebook, neste domingo, que é o Dia Mundial da Água:

Neste 22 de março, Dia Mundial da Água, quero ressaltar a importância das ações de convivência com o semiárido que estão sendo realizadas pelo nosso Governo: temos o Eixão e o Cinturão das Águas, as adutoras emergenciais, o Programa Água Doce, a perfuração de poços e a construção de cisternas, entre outros. Tudo para melhorar a qualidade de vida dos cearenses.

Nos últimos dias, fiz questão de agendar meus compromissos de trabalho relacionados ao tema para acompanhar de perto cada obra, cada ação.

Aproveito, ainda, para pedir mais uma vez a todos que usem com responsabilidade esse bem tão precioso.

Um excelente domingo e um grande abraço.

Datafolha – 84% dos brasileiros acham que Dilma sobre sobre a onda de corrupção

Dilma Rousseff: 'Do I look happy, Mr Obama?'

“Pesquisa Datafolha divulgada neste domingo pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que para 84% dos entrevistados, a presidente Dilma Rousseff sabia de corrupção na Petrobras, tema da investigação da Operação Lava Jato. O levantamento nacional, realizado nos dias 16 e 17 deste mês, portanto logo após as manifestações populares contra o governo, diz que desse total, 61% consideram que a presidente sabia da corrupção e “deixou que acontecesse”, enquanto 23% acreditam que “ela não poderia fazer nada para evitá-la”.

À outra pergunta feita sobre se a descoberta de corrupção na Petrobras prejudica a empresa, 88% dos entrevistados responderam que sim, dos quais 51% julgam que será por muito tempo e que coloca o futuro da empresa em risco. Outros 23% consideram que será por pouco tempo, sem riscos futuros.

A pesquisa foi realizada com 2842 pessoas em 172 municípios brasileiros, e a margem de erro é de dois pontos porcentuais. (Luana Pavani – luana.pavani@estadao.com).

(Estadão)

MEC e Ministério da Justiça vão verificar se há mensalidade abusiva sobre quem tem o Fies

“O Ministério da Educação (MEC) e Ministério da Justiça formarão um grupo para analisar as mensalidades cobradas pelos cursos superiores financiados pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O objetivo é evitar cobranças abusivas que comprometam tanto a oferta do financiamento como o pagamento futuro pelos estudantes. O grupo vai também propor melhorias ao programa.

A portaria, que será publicada amanhã (23) no Diário Oficial da União, é assinada conjuntamente pelo MEC e pela Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça. O grupo vai analisar a composição e a evolução dos preços das mensalidades dos cursos superiores e terá 60 dias para concluir o trabalho.

“É mais uma ação estruturante para garantir a tranquilidade dos estudantes e instituições. É preciso ter em mente que se trata de um financiamento, que terá que ser pago pelo estudante no futuro”, diz o ministro interino da Educação, Luiz Cláudio Costa.

(Agência Brasil)

Morre ator Cláudio Marzo

alx_claudio-marzo-02-ale_original (1)

“O ator Cláudio Marzo faleceu às 5h39min deste domingo, na Clínica São Vicente, na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro. O ator estava internado desde o dia 4 de março e foi vítima de um enfisema pulmonar. Segundo a assessoria de imprensa da clínica, o corpo do ator será cremado, respeitando um pedido feito por Marzo a seus filhos. Ainda não há informações sobre o velório e a cerimônia de cremação.

No ano passado, Cláudio Marzo já havia sido internado diversas vezes na Clínica São Vicente. Seu último trabalho na televisão foi em 2008 na série “Guerra e Paz”, da Rede Globo. Em 2007, ele interpretou Ramalho Jr. na minissérie “Amazônia, de Galvez a Chico Mendes”. No mesmo ano, ele trabalhou na novela “Desejo Proibido”.

O ator também integrou o elenco de novelas como Irmãos Coragem (1970), Plumas & Paetês (1980) e Pantanal (1990). Marzo foi casado com a atriz Betty Faria, com quem tem uma filha, Alexandra. Ele também foi casado com a atriz Denise Dumont, com quem teve um filho Diogo. O ator ainda é pai de Bento, fruto de seu casamento com a atriz Xuxa Lopes.”

(Com Estadão Conteúdo)

Chuvas no Ceará – Cinco cidades registraram mais de 100 milímetros

Cinco municípios do Ceará registraram chuva superior a 100 mm, entre às 7 horas de sábado, 21, e às 7 horas deste domingo, informou a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme).

A maior precipitação ocorreu na cidade de Nova Russas, com 137 mm, seguida de perto por Ibiapina (125 mm), Tamboril (114 mm), Quixadá (109.2 mm) e Poranga (101 mm). Ao todo, choveu em 107 municípios cearenses.

A capital cearense registrou 15.6 mm entre sábado e domingo. Na Região Metropolitana, Pacatuba acumulou 72 mm de chuva, Maranguape, 47 mm, Pacajus, 39 mm, Maracanaú, 23.4 mm, Itaitinga, 22 mm, e Eusébio, 11 mm

Disputa entre Cid e Cunha vai muito além das palavras desaforadas

90 3

boa_cunha

Da Coluna Fábio Campos, no O POVO deste domingo (22):

Cid Gomes chegou ao Ministério da Educação, um dos dois maiores orçamentos da União ao lado do Ministério da Saúde, montado em uma agenda que ia além de suas gigantescas obrigações administrativas. Com apoio (ou aval) da presidente Dilma Rousseff, o ex-governador do Ceará trabalhava uma agenda política de alta envergadura.

Antes mesmo de deixar o Governo, Cid Gomes já expressava seus projetos políticos. Foi quando começou a movimentação para criar uma legenda (ou uma fusão de siglas) que fosse capaz de atrair políticos com mandatos de todos os partidos, principalmente os do PMDB. A ideia central: reduzir a força do PMDB no Congresso Nacional. No fim das contas, livrar o Palácio do Planalto da eterna dependência do apoio desse partido.

O plano a ser executado já havia sido testado com relativo sucesso pelo ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que fundou o PSD em 2011 atraindo para a sigla dezenas de deputados ansiosos por apoiar o Governo Dilma. Nesse caso, o alvo do esvaziamento foi o DEM. Formal ou informalmente, Kassab era um sócio de Cid na nova empreitada.

A articulação caminhava célere. Mas, surgiu uma pedra no meio do caminho. Seu nome: Eduardo Cunha, o deputado federal do PMDB carioca que se elegeu presidente da Câmara Federal. No comando da Casa, Cunha verbalizou as intenções de esvaziamento do PMDB, mobilizou o partido e liderou a aprovação de medidas que, na prática, inviabilizam a articulação Cid-Kassab de fundar uma nova legenda, que já tinha nome: Partido Liberal.

Portanto, a disputa entre Cid e Cunha vai muito além das palavras desaforadas. Se Cid Gomes fosse apenas um ministro da Educação preocupado com as políticas públicas para o setor, jamais teria havido uma mobilização tão relevante para lhe cobrar explicações acerca de uma frase proferida para um punhado de estudantes. Haviam outras motivações relacionadas à disputa pelo poder. Sim, o poder, aquele que mexe com os brios da política e não as frases generalistas.

O arranca rabo com Eduardo Cunha acabou criando para Cid as condições adequadas para uma retirada estratégica de um Governo politicamente cambaleante, contestado nas ruas, reprovado do ponto de vista ético e com pauta econômica dominada pelo arrocho. Um lugar inóspito. E Cid era apenas um convidado. Não fazia parte da Casa Grande.

Não custa lembrar o comportamento da bancada petista no plenário da Câmara dos Deputados durante e após a tumultuada fala de Cid Gomes. O petismo não abriu a boca para defender o então ministro de Dilma. Depois de sua demissão, os próceres do PT calados estavam, calados ficaram.

A propósito, alguém (não lembro quem) andou dizendo que a oposição real está obsoleta. Os últimos acontecimentos indicam que a oposição ao PT é interna à base aliada assim como a oposição à política econômica de Dilma é oriunda de parte do PT e de suas franjas no tal de “movimento social”.

Papa pede à comunidade internacional que proteja o acesso de todos à água

O papa Francisco apelou neste domingo (22) à comunidade internacional para que proteja a água e garanta o acesso universal a este bem. “A água é o elemento mais essencial à vida e da nossa capacidade de salvaguardá-la e de partilhá-la depende o futuro da humanidade”, disse, no Dia Mundial da Água.

O bispo de Roma fez essas declarações a partir da janela do Palácio Apostólico do Vaticano, durante a Oração do Angelus. “Exorto, portanto, a comunidade internacional que esteja vigilante para que as águas do planeta estejam adequadamente protegidas e que ninguém seja excluído ou discriminado do uso deste bem, que é um bem comum por excelência”, acrescentou.

(Agência Brasil)

Dilma: odiada pela oposição e mal amada pelos aliados

Da Coluna Menu Político, no O POVO deste domingo (22), pelo jornalista Plínio Bortolotti:

Estive na manifestação do dia 15/3/2015, na Praça Portugal. Não vou entrar na batalha dos números: cada um terá uma contagem para chamar de sua, seja aqui ou alhures. O que vi foi uma Praça Portugal lotada, transbordando para os ruas vizinhas. (Creio que nem precisava dizer, mas compareci – a exemplo das manifestações de 2013 – como observador, jornalista.)

Números são de menor importância, quando se sabe que mobilizações relevantes foram realizadas nas principais cidades do país. Os adversários (talvez o mais adequado fosse “inimigos”) do governo Dilma Rousseff e do PT marcaram um tento importante. Se bem me lembro, desde a redemocratização (que completou trinta anos) o monopólio das ruas era da esquerda; agora não é mais.

Os protestos foram organizados por gente que sempre odiou o PT, mas destilava seu ódio de forma específica: contra as políticas de promoção social, como o bolsa família; criticando as cotas; revoltando-se com a garantia de direitos mínimos para as empregadas domésticas; e horrorizando-se quando obrigada a conviver com gente simples nos saguões de aeroportos.

Mas faziam isso à boca pequena, ou protegidos pelas redes sociais, pois sabiam haver grande número de pessoas que poderia confrontá-los, sendo impossível organizar manifestações populares na base desses preconceitos. A pergunta é: por que, esses setores conseguiram reunir tanta gente se, antes, eram obrigados a ficar vociferando na encolha?

A resposta está nos erros que o próprio Partido dos Trabalhadores cometeu durante o tempo que o eleitor lhe deu para mudar o país. Uma análise superficial mostraria que as políticas do governo Lula já haviam batido no teto quando Dilma assumiu o primeiro mandato. Entanto, a presidente deixou que a força da inércia, resultante da política anterior, comandasse o seu governo. (Sem contar que o PT, de partido “diferente”, ganhou o carimbo da corrupção, o mesmo que carimbava nos outros.)

Para atender ao desejo de mudança, em seu primeiro mandato, a presidente teria de ter iniciado o aprofundamento das políticas de inclusão iniciadas pelos governos Lula. Para isso, seria necessária coragem para bulir com os rentistas e os muito ricos – e seus aliados na política. Mas ela optou por navegar na herança lulista, que já estava com o prazo de validade vencido. No segundo governo, acossada pelos problemas, só lhe restou abraçar um programa parecido com o do PSDB – que o PT sempre classificara de “neoliberal”.

Assim, a presidente abriu mão do papel de estadista – talvez pensando na reeleição – e deixou de investir em políticas que poderiam transformar o Brasil em um país menos desigual. Portanto, o protesto pode ter sido organizado pelas “elites”, porém o descontentamento com o governo Dilma vai além dos endinheirados e de um certo segmento da classe média que sempre amou odiar o PT.

A prova é que nas manifestações de 13/3/2015, militantes sindicais defenderam a presidente contra o impeachment, porém atacaram a sua política econômica. Junte-se a esses ingredientes um amplo setor da esquerda desiludida com o PT, e daqueles beneficiados com políticas sociais, que não veem novas perspectivas. São segmentos que não se animam a sair de casa para defender o governo petista.

Dessa forma, Dilma continuou a ser odiada pela oposição e passou a ser mal amada pelos aliados: o pior dos mundos.

Presidente do PT de Fortaleza confirma “manobras” de adversários dentro do partido

91 2

Elmano1

Em nota enviada ao Blog, o presidente do PT de Fortaleza, deputado Elmano de Freitas, confirma as denúncias da ex-prefeita Luizianne Lins (PT), de que adversários políticos estariam agindo dentro do PT por meio de novas filiações. Confira:

Prezado Eliomar de Lima,

Venho por meio desta nota me referir à publicação no seu Blog sobre o PT Municipal. Tenho conhecimento de lideranças do nosso partido que foram procuradas por nossos adversários para fazer filiações ao PT, sem o mínimo compromisso com o partido, apenas para exercer influência externa aos nossos processos democráticos de decisões internas.

Essas informações já foram repassadas ao presidente Estadual do PT.

O PT de Fortaleza não aceitará influência externa em seus trâmites e, como presidente do PT municipal, eu, Elmano Freitas, presto apoio à companheira Luizianne Lins, assim como a grande maioria do PT Fortaleza.

Sem m ais,

Elmano de Freitas,

Deputado estadual e presidente do PT de Fortaleza.

Para delegado, decisão da Justiça provocará “dilúvio” nas celas superlotadas das delegacias

115 8

foto cesar wagner

Em comentário no Facebook, o delegado César Wagner reagiu à determinação da Vara de Execuções Penais, que o presídio somente poderá receber um preso, depois que dois forem soltos.

“Enquanto isto, a Polícia Civil, que já agonizava com suas celas superlotadas, enfrenta agora um ‘dilúvio’, e sem arca”, comentou o delegado.

Para César Wagner, a Polícia Civil agora terá que apelar ao divino. “Presos em situação que beira os campos de segregação da antiga URSS, amontoados, doentes, sem assistência médica ou jurídica, implodem o sistema de investigações, trazendo consequências gravíssimas para a sociedade cearense, em que a impunidade já festeja mais essa conquista”, desabafou.

“Resta agora apelar ao divino, pois o silêncio ensurdecedor já deu sua devida resposta”, completou.

Presídios só podem receber um preso, após dois serem soltos; determina Justiça

A remoção de presos do sistema carcerário, em caso de intervenção emergencial da Secretaria de Justiça do Ceará (Sejus), deverá ser imediatamente notificada aos magistrados que julgam os respectivos processos envolvendo réus condenados ou provisórios. A determinação é do corregedor de presídios de Fortaleza, juiz Luiz Bessa Neto.

Segundo o magistrado, o objetivo “é preservar a fluidez dos processos executórios penais, como forma de se manter a regularidade e a segurança processual”. O documento ainda sugere que, enquanto a Unidade Prisional V (anteriormente chamada de CPPLV), em Itaitinga, não for inaugurada, “o provimento de vagas na estrutura carcerária se operacionalize na proporção de um por dois”. Ou seja, na medida em que dois internos se retirem do sistema de aprisionamento, apenas uma vaga poderá ser ocupada, buscando-se dessa forma reduzir, em médio prazo, a superlotação prisional.

“Estamos diante de uma grave dificuldade carcerária, com real potencialidade de ocorrer os graves problemas que já aconteceram no Maranhão, Florianópolis e Pernambuco”, avaliou o juiz.

(TJCE)

Declaração de Cid Gomes expressa o que muitos brasileiros têm entalado na garganta

89 6

foto cid gomes opovo

Da Coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (22):

Não há dúvidas de que o rompante do ex-ministro da Educação, Cid Gomes, na Câmara dos Deputados, expressando tudo aquilo que muitos brasileiros têm entalado na garganta, foi um dos raros momentos de verdade, no ambiente de simulacros e manipulações de toda ordem, que tomaram conta do País, nestes dias.

Claro que é inaceitável, normalmente, um entrechoque de poderes nesse nível. Contudo, depois de publicadas palavras ditas em conversa reservada – que presumivelmente foram gravadas com o intuito traiçoeiro de preparar uma armadilha contra o ministro e contra o governo – já não haveria como recuar. O recuou iria apenas contestar uma grande farsa – como a de que o atual Congresso é formado majoritariamente por pessoas compromissadas com o interesse público.

Dia Mundial da Água

95 2

Editorial do O POVO deste domingo (22), alerta que em 15 anos quase a metade da população do mundo terá problemas de abastecimento de água. Confira:

Em um momento em que a falta de água deixou de ser um problema que, aparentemente, só afetava o Nordeste e passa a preocupar regiões do país que pareciam imunes ao problema, torna-se uma boa hora para refletir sobre o assunto, especialmente porque hoje comemora-se o Dia Mundial da Água, data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Se até algum tempo atrás poderia parecer ilógico preocupar-se com a escassez, quando se sabe que 75% do planeta têm a sua superfície coberta de água, atualmente, ninguém parece mais duvidar de que o líquido é um recurso que, ao contrário das aparências, é finito e raro. Ocorre que água doce representa apenas 3% da água que recobre o planeta, e apenas uma parte dela é acessível, pois uma grande porção está concentrada em geleiras e lençóis freáticos muito profundos.

Previsão da ONU indica que até o ano de 2030 quase a metade da população do mundo terá problemas de abastecimento de água. Relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) avalia que a demanda por água no mundo crescerá 55% até 2050.

Segundo a Unesco, o aumento do consumo se dará devido ao crescimento da população mundial, que deverá subir de 7,2 bilhões para 9,1 bilhões em 2050, com 6,3 bilhões de pessoas vivendo em áreas urbanas. Atualmente, segundo o relatório, 748 milhões de pessoas no mundo já não têm acesso à água potável.

O documento adverte que a falta de água pode provocar disputas graves pelo recurso hídrico. Para a Unesco, o “desenvolvimento insustentável e falhas de governança têm afetado a qualidade e disponibilidade dos recursos hídricos”, e alerta, “a não ser que o equilíbrio entre demanda e oferta seja restaurado, o mundo deverá enfrentar um deficit global de água cada vez mais grave”, sendo os mais afetados os pobres, as mulheres e as crianças.

O desafio que se coloca para o mundo é como continuar produzindo alimentos para uma população mundial que cresce cada vez mais, já que é na agricultura que é consumida a maior parte da água do mundo, seguida da indústria.

Esse é um problema que nenhum país poderá resolver de forma isolada, sendo necessária a cooperação mundial para preservar e ampliar as fontes de água potável. Em vez de ser um elemento de disputa, a água poderia ser um instrumento de união entre os povos.