Blog do Eliomar

Últimos posts

Camilo e Roberto Cláudio entregam brinquedopraça sob olhares de Socorro França

Eis uma cena que vai se repetir ao longo deste ano: o governador Camilo Santana (PT) entregando ou assinando ordem de serviços de obras em Fortaleza, tendo ao lado o prefeito Roberto Cláudio (PDT).

Os dois já reforçam suas imagens, pois querem influenciar no processo sucessório da Capital em 2020.

Nessa noite de segunda-feira, Camilo e o Roberto Cláudio entregaram uma nova brinquedopraça, desta vez, no Conjunto Ceará, com a presença da primeira-dama do Estado Onélia Santana, e de uma autoridade que não costumava aparecer nesse tipo de evento: a titular da Secretaria da Proteção Social, Justiça, Mulheres e Direitos Humanos (SPS), Socorro França.

Na Era Tasso Jereissati, bom lembrar, Socorro França chegou a disputar a Prefeitura de Fortaleza.

(Foto – Divulgação)

Rodrigo Maia diz agora que CCJ só deve votar Previdência após governo mandar proposta dos militares

Nesta segunda-feira, 25, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou ao Blog de Valdo Cruz que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) só deve votar a constitucionalidade da reforma da Previdência após o governo Jair Bolsonaro enviar a proposta sobre as novas regras para aposentadoria dos militares.

“Não adianta instalar a CCJ porque alguns partidos da base de apoio já disseram que, sem o projeto dos militares aqui na Casa, eles não votam a admissibilidade da reforma da Previdência na comissão”, afirmou Rodrigo Maia.

A CCJ é a primeira etapa de tramitação da proposta de reforma da Previdência, enviada pelo governo na última semana. Na comissão, os deputados definem se a emenda constitucional fere ou não a Constituição. Superada esta etapa, a seguinte é a comissão especial, na qual se discute o mérito das medidas elaboradas pela equipe econômica.

Inicialmente, Maia planejava instalar a CCJ ainda nesta semana, para ganhar tempo na tramitação da proposta de reforma da Previdência Social.

“Agora, fica, no mínimo, para depois do Carnaval. O governo precisa resolver a questão dos militares, os partidos aliados estão deixando claro que não aceitam a exclusão de nenhuma categoria na reforma previdenciária”, acrescentou o presidente da Câmara dos Deputados.

Nesta terça-feira (26), o presidente Jair Bolsonaro deve se reunir com líderes de sua futura base de apoio para iniciar as negociações para aprovação da sua principal medida no Congresso Nacional.

Leônidas Cristino aponta HUB da Tecnologia como diferencial para gerar riqueza no Ceará

Em pronunciamento nesta segunda-feira, 25, na Câmara, o deputado federal Leônidas Cristino (PDT) saudou o projeto do HUB de Dados e Telecomunicações do Ceará como um diferencial para fazer com que a passagem dos cabos submarinos pela costa cearense gere riqueza internamente. Fortaleza recebe a segunda maior concentração de cabos submarinos de fibra óptica no mundo que conectam o Brasil às Américas, sobretudo aos Estados Unidos, à Europa e África, por onde alcançam o continente asiático.

“De forma consistente e planejada, Fortaleza consolida-se como polo atrativo de grandes empresas globais da tecnologia”, disse Leônidas Cristino. Segundo ele, essa realidade deve-se à privilegiada localização geográfica da cidade e aos incentivos que oferece em uma política ativa de prospecção, vocacionada para conquistar novos negócios de tecnologia e comunicação.

Leônidas Cristino atribui a criação do projeto a “uma ação conjunta do governador Camilo Santana e do prefeito Roberto Cláudio para consolidar em Fortaleza um HUB de Dados e Telecomunicações. O passo inicial definitivo foi dado pelo ex-governador Cid Gomes quando lançou no Ceará o Cinturão Digital, a maior rede de conexão pública do País”, ele afirmou.

Conexão ampliada

O Cinturão Digital conta com mais de 3,5 mil km de fibra óptica, e conecta 116 dos 184 municípios do Ceará com cobertura de 90% da população urbana do estado. “Essa infraestrutura atende a mais de 1.500 unidades administrativas do estado ― escolas, postos de saúde, delegacias, postos da Secretaria da Fazenda e outros”, disse ele.

O deputado avalia que, com essa conexão digital, o Ceará terá a possibilidade de se transformar em importante centro de oportunidades, inclusive com a presença de grandes players internacionais. Para tanto, disse Leônidas, criou-se em Fortaleza o Programa de Apoio a Parques Tecnológicos e Criativos (ParqFor), voltado para atrair negócios a partir da vocação natural da cidade. A iniciativa oferece incentivos fiscais para empresas da área de tecnologia que se instalarem em áreas predeterminadas.

Com essas ações estratégicas – acrescenta Leônidas Cristino – o Ceará favorece a concentração de novos negócios no campo da inovação, estimula a abertura de espaço para a criatividade nos institutos de pesquisa e universidades, amplia a perspectiva de absorção de cérebros locais, expande a geração de emprego e renda e dinamiza o seu desenvolvimento econômico e social.

(Foto – Agência  Câmara)

Moro diz que é preciso endurecer leis contra crimes graves

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, defendeu hoje (25) o Projeto de Lei Anticrime durante um seminário promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ao discursar no evento, Moro disse que é preciso endurecer a legislação para punir crimes violentos, como homicídios e outros cometidos por organizações criminosas.

De acordo com o ministro, o projeto não é uma “resposta mágica” para os problemas da segurança pública, mas é um passo importante para o enfrentamento do crime organizado.

“É necessário endurecer a legislação em relação à criminalidade mais grave. Não há dúvida de que não há condições de endurecimento geral em relação à criminalidade. Os nossos presídios não comportam aumento acentuado da população carcerária, nem que assim quiséssemos. Não obstante, é possível, sim, defender o endurecimento do sistema em relação à criminalidade mais grave”, afirmou.

Sergio Moro participou da abertura do “Seminário Políticas Judiciárias e Segurança Pública”, no auditório do Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde também estavam presentes o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Na semana passada, o presidente da República, Jair Bolsonaro, assinou o Projeto de Lei Anticrime, que foi enviado para o Congresso, dando início à tramitação do projeto. As medidas incluem alterações em 14 leis, como o Código Penal, o Código de Processo Penal, a Lei de Execução Penal, a Lei de Crimes Hediondos.

(Agência Brasil)

Vereador apela a senador para que apoie emenda que anistia policiais grevistas

O vereador Julierme Sena (PROS) estará em Brasília, nesta terça-feira, não somente para acompanhar interesses dos profissionais da segurança pública no que diz respeito à proposta de reforma da Previdência.

Em vídeo que divulga em suas redes sociais, o parlamenta informa que vai solicitar ao senador Eduardo Girão (Podemos) apoio a uma emenda que anistia os policiais civis cearenses que participaram de greve.

Essa anistia está contida no projeto de lei nº 395/2019.

Centro Industrial do Ceará vai comemorar seu centenário

O Centro Industrial do Ceará vive o ano do seu centenário.

Para comemorar, o presidente da entidade, André Siqueira, conseguiu cerca de R$ 400 mil, via Lei Rouanet, para promover ao londo deste exercício seminários, lançamento de livro com a história do CIC e uma exposição no Museu da Indústria.

Ele deve começar essa programação a partir do próximo mês, com um evento discutindo sobre desburocratização.

(Foto – Fiec)

Mourão afasta a possibilidade de intervenção, mas defende sanções econômicas contra a Venezuela

Em discurso de dez minutos na reunião do Grupo de Lima, em Bogotá (Colômbia), o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afastou hoje (25) a possibilidade de intervenção na Venezuela. Segundo ele, o país deve buscar uma solução pacífica para alcançar o “convívio democrático nas Américas” e “sem qualquer medida extrema”. Porém, defendeu a imposição de sanções econômicas e financeiras ao governo de Nicolás Maduro.

“O Brasil acredita firmemente que é possível devolver à Venezuela ao convívio democrático das Américas, sem qualquer medida extrema que nos confunda, nações democráticas, com aquelas que serão julgadas pela história como invasoras e violadoras das soberanias nacionais”, ressaltou.

Para Mourão, o que se vive na Venezuela vive sob o regime de Maduro contraria os princípios democráticos e de liberdade.

“Em Caracas [capital venezuelana] instalou-se um regime de privilégios, discriminação e violência que não respeita as condições mais elementares do Estado de Direito democrático: a liberdade de expressão, eleições livres, alternância de partidos no poder, independência dos Poderes constituídos e legítima representação nacional”, destacou.

Sanções

Antes de Mourão discursar, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, defendeu a imposição de mais sanções ao governo da Venezuela enquanto Maduro se mantiver no poder. Ele não detalhou, mas pediu apoio aos presentes.

O vice-presidente brasileiro afirmou que é necessário “buscar sanções nos foros internacionais” para que “prevaleça o direito internacional”. Mourão não detalhou que medidas poderão ser adotadas.

Ameaças

Mourão mencionou os riscos do regime Maduro à região. “[Há uma] ameaça à democracia, à defesa e à segurança dos países da região”, disse o vice-presidente, citando a ausência de respeito aos poderes instituídos e a alternância de governo.

O vice-presidente reiterou a urgência de convocar eleições organizadas pela “Assembleia Nacional soberana e fiscalizada pela Organização dos Estados Americanos”.

Solidariedade

O vice-presidente apelou para a “solidariedade interamericana” no esforço de restaurar a democracia na Venezuela e encerrar o regime chavista em alusão ao ex-presidente Hugo Chávez, que antecedeu Maduro.

Mourão reafirmou o “compromisso com a paz, legalidade e legitimidade”, e avaliando que “a luz dos acontecimentos de uma década” a Venezuela não vai conseguir livra-se sozinha da opressão do regime chavista, Mourão negou possibilidade de intervenção militar no país vizinho.

Atores estranhos

Mourão demonstrou preocupação com a militarização da Venezuela. “A Venezuela, sem ter recebido nenhuma ameaça direta de sua soberania e de sua representação territorial, militarizou parte de sua população através de milícias ideologizadas”, alertou.

Segundo o vice-presidente, desde 2009, a Venezuela compra “equipamentos militares sofisticados com considerável capacidade de força: carro de combate, helicópteros, caças”. “Mais graves que essas aquisições é a disposição do regime de Caracas de atrair atores estranhos à região, que podem aproveitar eventual conflito interno no país para mover peças do tabuleiro de sua confrontação mundial com o ocidente”.

Mourão não citou nominalmente quais são esses “atores estranhos”, mas ressaltou que têm um comportamento comum. “Os grandes patrocinadores e apoiadores do regime venezuelano são países totalitários, ou autoritários, também violadores do direito internacional”, destacou.

Suspeitas

O vice-presidente levantou suspeitas sobre o envolvimento da cúpula do governo Maduro com crimes transnacionais.

“A Venezuela tem na sua cúpula dirigentes envolvidos com crimes transnacionais, a razão pela qual se explica a resiliência financeira em um quadro anterior à quebra do orçamento nacional e à truculência com qual investe contra a oposição política e a maioria da população que resiste e protesta contra as suas arbitrariedades”, disse.

(Agência Brasil/Foto -Chancelaria da Colômbia)

À espera do rio São Francisco

Com o título “À espera do rio São Francisco”, eis artigo de Guilherme Landim, deputado estadual pelo PDT. “Ver essa água chegar é ver amenizada a sede do povo cearense e o aumento da nossa produção agrícola”, diz o parlamentar em seu texto. Confira:

A transposição do rio São Francisco é fundamental para o desenvolvimento do Ceará. A obra do governo federal, que já dura quase seis anos, tinha prazo inicial de 24 meses para ser finalizada, mas até então não recebemos suas águas. Como representante do povo, é meu dever buscar respostas, e por isso protocolei na Assembleia um requerimento para a criação da comissão de acompanhamento das obras.

Essa também foi uma luta de muitos anos do deputado Wellington Landim, meu falecido pai, que foi o primeiro a empunhar essa bandeira no Ceará, e um dos primeiros no Nordeste. O trecho pendente para que possamos, enfim, dar início à distribuição da água, se estende de Salgueiro até chegar em Jati, e está em fase de conclusão, mas sua entrega já foi adiada por cinco vezes.

Devemos cobrar da empresa licitada e dos órgãos responsáveis, o que está no planejamento, e o que o novo governo idealiza para o Nordeste. Quero, como parlamentar e como cidadão cearense, que o sonho se torne realidade.

Ver essa água chegar é ver amenizada a sede do povo cearense e o aumento da nossa produção agrícola. Além dessas questões, existem ainda várias obras menores que vêm junto, mas que são de igual importância, tais como as obras de abastecimento de todas as comunidades que margeiam o canal da transposição.

Tamanha construção impactou municípios do Ceará com danos que até agora não foram reparados, como barragens sem a estrutura adequada para receber as águas, situação que pode ser agravada com o período de chuvas, e até a necessidade de obras complementares, como a contenção do leito do riacho dos Porcos. Dessa forma, tornamos público para o povo e garantimos que nós parlamentares vamos estar lutando pela finalização desse trecho.

Afinal, como cearense, a pergunta que não me sai da cabeça é: quando finalmente poderemos usufruir das águas do Velho Chico? O sofrimento da seca é uma constante para o nosso povo, e ver chegar tanta água para um estado que há seis anos padece com as consequências da estiagem é reacender a esperança do sertanejo de um futuro melhor, mais farto e promissor.

*Guilherme Landim

Deputado estadual do PDT.

Ciro Gomes diz que Bolsonaro não chega ao fim do mandato; quando sentir desgaste no rabo, renuncia

Em entrevista à Tribuna Band News FM, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) afirmou, nesta segunda-feira, 25, não acredita que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) termine seu mandato. Ciro, que disputou a presidência da República, disse que os desgastes com os filhos e a perspectiva de perda de popularidade podem fazê-lo deixar o cargo .

“Acho que ele não bota no fim, não”.

Ciro, dentro do seu estilo de criticar disse que quando Bolsonaro sentir o desgaste “no rabo”, a tendência dele será “renunciar”.

Sobre a proposta de reforma da Previdência do governo, avaliou como um “bode” que colocaram na sala para depois haver negociação, no que considera complicado. Se essa reforma não for aprovada, e ele diz não acreditar nisso, Bolsonaro acabará perdendo força política e apoio do mercado.

(Foto – Facebook)

Instalação da CCJ na Câmara é adiada para depois do carnaval

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), informou hoje (25) que a instalação das comissões permanentes da Casa será realizada na semana após o carnaval, a partir do dia 12 de março. Com isso, a contagem de prazo para a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Reforma da Previdência, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), deve atrasar.

A expectativa inicial, do próprio Maia, era que o colegiado, composto por 66 integrantes, fosse instalado esta semana. A CCJ é a primeira etapa de tramitação da reforma. Cabe à comissão analisar se a proposta está ou não em desacordo com a Constituição Federal, o chamado exame de admissibilidade.

Maia disse que a tramitação da reforma no Parlamento será mais lenta, mas minimizou o adiamento da instalação das CCJ e das demais comissões para a segunda semana de março. Ele explicou também que o governo ainda está formando sua base de apoio no Congresso Nacional e o prazo maior para a instalação das comissões dará mais fôlego à articulação política.

“O prazo para contar sessões vai ser quase o mesmo, vai ser uma diferença de uma sessão, e acho que vai dar tempo de o governo também organizar melhor qual é a base que tem para aprovar a admissibilidade na CCJ. Não dá pra botar de qualquer jeito, porque hoje tem um risco de não ter um resultado favorável para a emenda constitucional”, disse.

(Agência Brasil)

Parlamentares da área da segurança vão a Brasília em busca de informações sobre Previdência

Um grupo de parlamentares ligados à causa da segurança embarcará nesta terça-feira na rota de Brasília. Nele, os vereadores Sargento Reginauro, Márcio Martins e Julierme Sena, todos do Pros.

Segundo Reginauro, hora de se inteirar dos impactos previdenciários para os profissionais da segurança. Grupos de vários Estados devem se encontrar na Capital Federal com autoridades e parlamentares no Congresso.

(Foto – CMFor)

O inferno são os outros…

394 1

Com o título “O inferno são os outros…” eis um belo artigo de Cláudia Leitão, ex-secretária da Cultura do Ceará e hoje diretora do Observatório da Governança Municipal do Instituto de Planejamento de Fortaleza (Iplanfor). Ela aborda o respeito às diferenças de pensar. Confira:

Segundo o filósofo Jean-Paul Sartre, somos responsáveis pelas consequências de nossas ações, ou seja, vamos moldando nossas vidas por meio da nossa consciência, em função das escolhas que fazemos. O problema é que para justificar nossas escolhas, muitas vezes construímos mentiras, seja para fugir de conflitos, seja para justificar nossas atitudes, buscando culpados para grande parte do que nos aflige no mundo. Nossa má-fé afasta para longe nossas responsabilidades sobre essas aflições. Por isso mesmo, precisamos do olhar do outro sobre nós. Necessitamos da alteridade para saber quem somos ou, pelo menos, o que não queremos ser.

A alteridade compreende julgamentos de valor, aproximação e conhecimento do outro. Rimbaud dizia uma frase sugestiva a esse respeito: “Eu sou um outro”. Na afirmação do poeta, podemos depreender o quanto o outro é necessário para a existência do eu. O eu e o outro não se confrontam como duas entidades isoladas uma da outra. A complexidade de sua relação vem do fato de que o outro intervém de muitas maneiras na gênese do eu.

O conhecimento ocidental buscou ao longo dos séculos compreender o outro a partir de uma lógica da dominação, sem reconhecer sua qualidade. Reconhecer para subjugar, assimilar para aniquilar, neutralizar para tornar toleráveis as diferenças. Mas, a necessidade de conservar o estrangeiro no interior do “eu” torna-se cada vez mais urgente em tempos de homofobia, misoginia, racismo, ódio a imigrantes, e demais intolerâncias políticas, sociais, culturais, econômicas e religiosas.

“O inferno são os outros” é um alerta fundamental, especialmente para os dias em que vivemos. Não podemos controlar no outro o que pensa, o que diz ou o que faz. E a cada estranhamento ou mal estar diante do outro, devemos lembrar da advertência de Sartre: precisamos da alteridade. Afinal, é a liberdade do outro que garante a minha própria liberdade. E estamos todos condenados a sermos livres, pois é essa a condição primordial da nossa humanidade.

*Cláudia Leitão,

Ex-secretária da Cultura do Ceará e diretora do Observatório de Governança Municipal do Iplanfor.

(Foto – Sara Maia)

Aeroporto de Canoa Quebrada receberá primeiro voo comercial nesta terça-feira

O Aeroporto de Canoa Quebrada, situado em Aracati (Litoral Leste do Ceará), vai recebe, nesta terça-feira, 26, seu primeiro voo comercial. Operado pela Azul Linhas Aéreas, o voo terá como origem Recife (PE).

O ato contará com a presença do governador Camilo Santana (PT) que pegará o voo a partir da Capital pernambucana, devendo desembarcar às 14h15min em Aracati.

Frequências

Ao todo, serão três frequências semanais, com escala em Mossoró. A expectativa é de que esses voos comerciais sirvam para aquecer o turismo no Litoral Leste do Estado, dando apoio aos empreendimentos turísticos que se instalam na região, especialmente nos municípios de Aracati, Beberibe, Icapuí e Fortim.

(Foto – Divulgação)

Presidente da Federação da Agricultura do Ceará espera boa safra

Um largo sorriso é o que expõe o presidente da Federação da Agricultura do Ceará (Faec), Flávio Saboya, quando indagado sobre o período chuvoso.

Ele diz que o otimismo é grande e que as perspectivas de safra estão favoráveis. Milho, feijão, arroz e pasto entre prioridades. Fala não só como dirigente de entidade, mas, também, como produtor rural.

(Foto -FAEC)

Vereador quer vagas para veículos do transporte por aplicativo no aeroporto, rodoviária e terminal marítimo

O vereador Guilherme Sampaio (PT) quer vagas para veículos de transporte por aplicativo, como uber e similares, em aeroportos, rodoviárias e no terminal marítimo de passageiros. Ele deu entrada numa emenda nesse sentido, na Câmara Municipal. O petyista quer também que a Prefeitura possa estender estas vagas para outros locais de grande movimento de público onde julgar necessário.

Guilherme afirma que muitas cidades do País já possuem espaços de embarque e desembarque voltados para este tipo de condução e para os passageiros que optarem pelos mesmos.

“Ao ser regulamentada em nossa cidade, esta atividade necessita de algumas adequações para o maior conforto do usuário, uma vez que já faz parte do cotidiano o uso deste serviço por muitas pessoas”, explica o vereador, que apresentará os detalhes da proposta durante a sessão plenária desta quarta-feira, na Câmara.

A iniciativa de destinação das vagas em terminais de grande fluxo integra o mesmo projeto que busca combater a exploração de passageiros por meio da chamada “tarifa dinâmica” em momentos de calamidade pública ou de paralisação dos serviços de transporte público. Esta medida surgiu após moradores da cidade se sentirem lesados durante os ataques ocorridos durante o mês de janeiro.

 

Funceme deve liberar prognóstico sobre quadra chuvosa até fim deste mês

Nesta última semana de fevereiro, a Funceme fecha mais um prognóstico sobre a quadra invernosa.

Os dados devem ser divulgados em coletiva, com a presença do presidente do órgão, Eduardo Sávio, e do governador Camilo Santana (PT). O clima no Abolição é de que a estiagem arrefeça. Os dias deste mês foram bastante encharcados.

(Foto – Divulgação)

Venezuela – Destruição da economia nacional

243 1

Com o título “Venezuela: Destruição da economia nacional”, eis artigo de Igor Macedo de Lucena, economista, empresário e professor do Curso de Ciências Econômicas da UniFanor Wyden. Ele aborda o aspecto econômico desse conflito entre Venezuela e EUA. Confira:

A Venezuela vive hoje seu momento mais conflituoso dos últimos anos, mas ao mesmo tempo também passa por um momento de libertação. Ela, que outrora fora o mais rico país latino-americano, não passa hoje de uma conturbada nação sentada em milhões de barris de petróleo e ironicamente sem recurso algum para extraí-los.

Tornou-se independente da Espanha em 1811 e de parte da República da Grã-Colômbia em 1831, a Venezuela chegou a ser a mais rica nação da América do Sul no século XX, quando a crise do petróleo disparou os preços do barril no mundo. O país não vivia um modelo de desenvolvimento social em todas as classes, entretanto naquela época quase nenhum país latino-americano tinha políticas dessa natureza, que buscavam igualdades sociais e condições mínimas para toda a população.

A “grande virada” ocorreu com a eleição de Hugo Cháves em 1998 de maneira democrática e baseada em uma forte rejeição das classes mais baixas à elite local. Com forte apelo popular se iniciou a então chamada Revolução Bolivariana, que usou como elemento de manobra a distorção histórica do herói americano Simon Bolívar. Ele que lutou na América Espanhola pela independência dos povos e nações livres da coroa espanhola, teve sua imagem erroneamente associada ao Socialismo.

Após a eleição de Cháves e seguido por Nicolás Maduro, o governo estatizou a imprensa, expropriou empresas nacionais e internacionais, prendeu dissidentes políticos, aparelhou as instituições públicas, corrompeu o judiciário e deu aos militares comando sobre o tráfico de drogas, tornando o país em uma ditadura completa a moda do século XXI. Hoje a população vota em eleições fraudulentas, praticamente com uma oposição oprimida e sem capacidade de ação, para dar uma aparência de liberdade e afirmar que democracia consiste apenas no ato de votar.

O resultado prático da Revolução Bolivariana Socialista foi o mais devastador cenário econômico já visto nas Américas. A crise de confiança em um país não democrático que expropria empresas internacionais afugentou todo tipo de investimento, consequentemente os dólares ficaram escassos e a inflação disparou, de modo que o país chegou em 2018 a uma inflação de mais de 1.000.000% ao ano. (Isso mesmo, hum milhão porcento).

Culpando os empresários locais pela crise econômica e consequentemente social, o governo instituiu tabelamento de preços de todos os insumos e produtos nacionais, desse modo não há nenhum incentivo a produção. Como consequência, gerou-se um desabastecimento nacional e produtos como arroz, milho e até papel higiênico são distribuídos por militares ou contrabandeados.

Todos os itens de consumo básicos das famílias se tornaram luxo, de tal sorte 70% de toda a população da Venezuela emagreceu 11 quilos em um ano. O retrato é tão contrastante com membros do governo que basta olhar quão gordo é o tirano Nicolás Maduro para ver como é a real cara do socialismo, tudo ao governo e nada para o povo.

A maior lição que a população brasileira deve aprender dessa aventura louca que a Venezuela se jogou em busca de um salvador revolucionário é que o Socialismo não existe. Seria como o conto da sereia, seu “canto” é bonito e atrai marinheiros, mas os mata no final. Assim seguimos a analogia, o discurso atrai muitos, principalmente os jovens idealistas, pois fala de paz, de justiça social e de igualdade. Na prática, constatou-se pobreza e violência para a maioria, dentro de regimes totalitários.

É vergonhoso que alguns partidos políticos de esquerda façam manifestos a favor de Maduro, Fidel Castro e Kim Jong-Un meramente por se dizerem de “esquerda” e revolucionários. A mensagem óbvia que esses partidos passam é que o poder e a riqueza nas mãos deles é muito mais importante que as vidas das pessoas ou os princípios democráticos.

A esquerda brasileira hoje quase não existe como esquerda de verdade, ela é em sua maioria socialista e repudia princípios como liberdade, democracia e Estado de direito. Ao escrever esse texto não pensem que não acredito em esquerda e no contraditório, muito pelo contrário, sou partidário da existência de três alas políticas clássicas e respeito a esquerda que se baseia em Liberté, Egalité e Fraternité, que infelizmente está em falta no Brasil.

Há esperança no futuro da Venezuela com o apoio conjunto do Brasil, dos Estados Unidos e da Colômbia. Acredito que em breve o país terá a democracia restaurada e com ela a volta do capitalismo. Não será fácil, mas esse movimento já é esperado e diversos investidores internacionais de todas as áreas esperam para retornar a um país com um futuro promissor, baseado nas reservas de petróleo e no turismo caribenho. E o que o povo venezuelano ganha com isso? Emprego, renda, impostos, remédios, alimentos e tudo que lhes foi negado nos últimos anos.

Para o Brasil e as empresas brasileiras uma reestruturação da Venezuela apoiada pelo FMI e pelo Banco Mundial será uma oportunidade única de negócios e consequentemente para o país avançar em matéria geoeconómica. Do ponto de vista regional, uma nova Venezuela ajudará para a integração de um novo Mercosul baseado no comércio como é o caso da Aliança do Pacífico formada por Chile, Colômbia, México e Peru.

*Igor Macedo de Lucena
Economista e Empresário
Professor do curso de Ciências Econômicas da UniFanor Wyden

(Foto – Tapis Rouge)