Blog do Eliomar

Últimos posts

Revalida tem pior índice de aprovação na primeira fase deste ano

Criado em 2011, o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por instituições de Educação Superior Estrangeiras (Revalida) teve este ano o pior percentual de aprovação na primeira fase da avaliação, 9,72%. Dos 1.595 candidatos que fizeram a prova, 155 passaram para a segunda etapa. Em 2011, os aprovados na mesma fase foram 14%, em 2012, foram 12,5%.

A cada prova, surge a discussão sobre os motivos do alto índice de reprovação e as opiniões são divergentes entre professores, médicos formados no exterior e entidades médicas.

O perfil dos inscritos nas três edições do Revalida é principalmente de médicos de nacionalidade brasileira. Eles respondem por mais da metade das inscrições em cada um das edições. Em seguida estão os bolivianos e peruanos. Quanto à origem do diploma, a Bolívia lidera a lista. Em 2013, chegou a 990 o número de inscritos com diploma emitido na Bolívia. Os dados são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, responsável pela aplicação do exame.

O Revalida avalia conteúdos e competências das cinco áreas de exercício profissional: cirurgia, medicina de família e comunidade, pediatria, ginecologia-obstetrícia e clínica médica. Para o presidente do Conselho Federal de Medicina, Roberto D’Avila, o motivo da grande reprovação no Revalida é a má-formação dos profissionais. “O Revalida mostra que esses médicos que vêm pra cá, da América Latina ou brasileiro formado na Bolívia, principalmente, não estão preparados para atender o brasileiro. A prova do Revalida é difícil para quem não estudou medicina devidamente”, opina.

Uma dos questionamentos que surge quando o tema é o Revalida é se os médicos brasileiros teriam bom índice de aprovação caso fossem submetidos à prova. Neste ano, o Ministério da Educação planejou aplicar um pré-teste a estudantes brasileiros do sexto ano de medicina para avaliar se o exame está dentro das diretrizes curriculares do país. Como a participação dos estudantes seria voluntária, a baixa adesão fez com que a prova fosse adiada sem previsão de nova data.

O Revalida não é a única alternativa para os médicos formados no exterior revalidarem o diploma no Brasil. As universidades públicas podem aderir ao exame ou fazer um processo próprio de revalidação, conforme previsto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Este ano, 37 instituições aderiram ao exame.

Procurado pela Agência Brasil, o Inep, responsável pela aplicação do exame, informou que não teria condições de se manifestar sobre o assunto na última semana. A lei que criou o Programa Mais Médicos prevê que os profissionais com diploma estrangeiro não precisam revalidá-lo para trabalhar no programa. Porém, após o fim do contrato, se o médico quiser trabalhar no país, precisará passar pela revalidação. O programa contratou médicos brasileiros e estrangeiros para atuar em regiões com déficit de profissionais, como no interior do país e nas periferias das grandes cidades.

(Agência Brasil)

Temporal causa alagamentos e prejuízos em Sobral

chuva 131103 sobral

Uma forte chuva acompanhada por ventania, na tarde deste domingo (3), causou alagamentos e prejuízos no município de Sobral, a 250,3 km de Fortaleza. O temporal, que começou por volta das 16h30min e durou cerca de 2 horas, derrubou várias árvores, quatro delas na praça São João, no centro da cidade.

No bairro Alto Cristo, a antena de uma emissora de rádio local caiu, atingindo quatro residências e ferindo moradores. Francisco Edmilson Arruda Filho, 40 anos, pedreiro, foi atingido pela antena quando estava na varanda de casa. Ele teve ferimentos no rosto e no ombro. Na CE-179, que liga Sobral a Groaíras, uma placa de sinalização caiu impedindo a passagem de veículos na rodovia até o início da noite.

No recém-inaugurado North Shopping Sobral, parte do teto desabou com as chuvas. Ninguém ficou ferido. Nas redes sociais, internautas sobralenses relataram os danos sofridos durante a tempestade, com portões de residências arrancados pelos ventos fortes, além de imóveis alagados.

Em sua página na rede social Facebook, o governador Cid Gomes comemorou a chuva com o postagem de uma foto enviada pelo prefeito de Sobral, Clodoveu Arruda: “Chovendo forte agora em Sobral. O Veveu me enviou esta foto. Tomara que volte a ver muitas destas no ano que vem! Viva São Pedro!!!”. Ele ainda não sabia dos estragos causados no município.

(O POVO Online)

Avaí é goleado e Icasa se consolida no G4

161 1

O Icasa, de fato, integra o G4 da Série B do Campeonato Brasileiro. O time cearense foi beneficiado pela derrota do Avaí para o Figueirense, na tarde deste domingo (3), por 4 a 0.

Após perseguir por várias rodadas o ingresso no grupo que dá acesso à elite do futebol brasileiro, o Icasa agora só depende de seus resultados para alcançar a histórica participação na Série A de 2014. Faltando cinco rodadas para o término da competição, o Icasa terá pela frente o ABC (Natal), o Bragantino (Bragança Paulista), Paysandu (Romeirão), Chapecoense (Romeirão) e Paraná (Curitiba).

Grupo empresarial cearense ganha prêmio nacional de marketing

publicidade campanha troféu

Com a campanha “Mude seus hábitos, mude sua vida com Minalba”, o grupo empresarial cearense Edson Queiroz venceu o prêmio Waldemar Junqueira, na categoria Melhor Campanha de Marketing de 2013, realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Água Mineral (ABINAM).

Na campanha, consumidores foram convidados a uma rotina mais saudável, com a conquista de qualidade de vida e corpo hidratado.

No próximo dia 20, a empresa passará a veicular uma campanha com o tema Verão. A fonte da Minalba fica nas montanhas de Campos do Jordão, a 1.700 metros de altitude, no interior paulista.

Falta de consenso adia implantação do PIB sustentável, avalia especialista

Embora haja consenso internacional quanto à necessidade de um indicador para medir a sustentabilidade dos países, o chamado PIB Verde, permanecem dúvidas entre os especialistas que examinam a questão. O tema foi discutido nos últimos dias 28 e 29 de outubro, na 2ª Rio Climate Challenge: Rio Clima, conferência promovida pelo Instituto OndAzul.

Há dúvidas sobre se convém trabalhar em cima do Produto Interno Bruto (PIB, que mede o total de bens e serviços produzidos no país) tradicional, agregando uma série de elementos qualitativos de natureza ambiental e social, ou se seria melhor construir outro indicador baseado no consumo que, neste caso, seria a renda disponível das famílias, após o pagamento de suas necessidades básicas.

O deputado Alfredo Sirkis (PSB-RJ), presidente da Subcomissão Especial da Câmara dos Deputados para a 19ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro da Organização das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-19), concorda que o atual PIB já não é suficiente para mensurar o desenvolvimento de um país, considerando as três vertentes (econômica, ambiental e social), como faria o PIB Verde.

A ideia do PIB sustentável foi lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU) durante a Conferência para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), ocorrida no Rio de Janeiro, em 2012. O indicador proposto refletiria a riqueza real dos países, bem como a sua capacidade de crescimento futuro, considerando, entre outros fatores, a disponibilidade de recursos naturais, educação das populações, qualidade de vida.

Como aplicar as três vertentes (econômica, social e ambiental) sobre o PIB é o objeto da grande discussão global em curso. A discussão em torno de um novo indicador de sustentabilidade é complexa, tendo em vista as diferenças ambientais, sociais e econômicas apresentadas pelas nações. “O diabo mora nos detalhes”, ressaltou Sirkis. Acrescentou que o agravante disso é saber quais são os danos compatíveis na contabilidade dos diferentes países. Apesar de a maioria das nações já calcular o seu PIB, há dados que seriam importantes para uma análise mais qualitativa que não são calculados por todos.

(Agência Brasil)

Você ainda vai ao barbeiro? Hoje é o dia da categoria

cabeleireiro façanha

Hoje é comemorado o Dia do Barbeiro ou Dia do Cabeleireiro. A data traz saudades naqueles que usavam as barbearias do Centro de Fortaleza, até os anos 70. Quem não pegou essa época, não sabe do charme que perdeu. Tínhamos que nos arrumar para cortar o cabelo, como quem hoje se arruma para ir ao cinema.

O tempo passou e o barbeiro virou cabeleireiro, principalmente depois que as mulheres se profissionalizaram. Apesar de muitos salões chiques, nada como o tempo das barbearias. Nossa homenagem a todos os cabeleireiros e aos barbeiros que ainda trabalham no Centro e no entorno. Na foto, o cabeleireiro Façanha Júnior, da Parquelândia.

Servidores do IJF cobram lei que regulamenta hora extra

Servidores do Instituto Doutor José Frota (IJF) reclamam para o Blog que a partir dos próximos meses os contracheques trarão alterações na forma de pagamento dos plantões. O grupo cobra que uma lei a ser aprovada na Câmara Municipal regulamente os plantões como horas extras, e não que altere contracheques de um servidor para outro, por meio de decreto. Segundo os servidores, um decreto não poderia resolver essa pauta trabalhista.

Atualmente, de acordo com os servidores, alguns profissionais decidem trocar plantões por razões pessoais. O dinheiro do plantão então é repassado para o colega, após o pagamento do mês. O decreto, segundo ainda os servidores, apenas retiraria a gratificação do plantão de um contracheque para o outro.

Dilma nega aval à fórmula do reajuste de combustíveis

A presidente Dilma Rousseff negou, por meio de nota, ter apoiado a proposta de uma nova fórmula para reajuste periódico dos preços dos combustíveis. Segundo comunicado divulgado pela assessoria da Presidência da República, “são infundadas as informações publicadas na imprensa de que a presidenta tenha emitido opinião a respeito de mecanismos de reajustes de preços”. Reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, nesse sábado (2), informa que a presidente deu aval ao cálculo do reajuste, atribuindo a informação a uma fonte do Palácio do Planalto. Outros veículos de comunicação reproduziram a notícia.

A assessoria afirma que nenhum documento sobre o tema chegou às mãos de Dilma Rousseff e que as reportagens sobre o assunto são “especulação”. Na última quarta-feira (30), a Petrobras publicou fato relevante com a fórmula da nova metodologia, atendendo a um pedido da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). No mesmo dia, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a divulgação não significa que a metodologia esteja aprovada. De acordo com o ministro, o tema ainda está sob estudo e a decisão sobre o assunto não pode ser tomada “de afogadilho”.

(Agência Brasil)

O que matou Andréa Jucá?

142 5

Em artigo enviado ao Blog, o deputado federal Eudes Xavier comenta da culpa da política de segurança pública na morte de mulheres. Confira:

Nos últimos seis anos, quando se dignaram a falar do assunto, foi corriqueiro ouvirmos porta-vozes do governador justificarem a onda de violência e morte que nos aflige, como algo cuja responsabilidade não lhes caberia. Ora falou-se no tráfico de drogas. Ora culpou-se a legislação. Noutras vezes a responsabilidade foi para milícias, cujo irmão do governador prometeu “cortar as cabeças”, embora nunca tenha se provado sua existência e nem ninguém do Governo tenha mais feito questão de tocar no assunto.

Ouvindo-os falar sempre ficou a sensação de problema quase sem jeito. De coisa pra se conviver durante período incerto, infinito.

Mas a matéria publicada pelo jornal O POVO, em sua edição de 25 de outubro último, relatando cronologia do desespero do assassinato de Andréa Jucá, escancara alguns dos reais motivos para termos chegado aonde chegamos. Demonstra claramente que, para além das desculpas oficiais, o que existe mesmo é muito de incompetência na política de segurança pública do Estado.

No caso de Andréa, 10 ligações foram feitas para a CIOPS por seus vizinhos que ouviam a agonia que ela passava. Numa dessas, foi dito que não havia nenhuma daquelas viaturas Hilux, com ar condicionado e tração nas quatro rodas do Ronda  disponíveis para atender a ocorrência imediatamente. O caso teria que esperar. Mas o assassino não esperou e Andréa morreu.

Andréa foi mais uma vítima de uma política de opção pelo luxo em detrimento da eficiência e da resolutividade. Seu caso trouxe luz à precariedade do sistema 190, seus servidores terceirizados, mal pagos e mal treinados.

Inúmeras ocorrências não são atendidas diariamente. A elas se somam as ligações feitas ao Ronda que também não atende por conta de telefones quebrados ou transferidos. É viatura de luxo com telefone que não funciona.

Revela também o desprezo do sistema de segurança do Estado à natureza da violência contra as mulheres ao classificar esses casos como “briga de família” e com baixa prioridade. Ignora-se o fato de que a maioria das mulheres é assassinada por seus ex e atuais companheiros, em situações como essa de “briga de família”.

Depois da morte de Andréa, o Governo Cid está prometendo um sistema digital de rádio para tornar mais eficiente a comunicação das polícias. Ele despertou para a necessidade disso agora e a promessa é pra março de 2014. Mas vejam como são as prioridades: Os 260 milhões de reais do acquário começaram a ser gastos ainda no início do no passado. Lá, no acquário, tá prometido pinguim, simulador de submarino…

Eudes Xavier, deputado federal pelo PT/Ceará

Fotógrafo do O POVO clica eclipse deste domingo

foto 131103 eclipse

O último eclipse do ano de 2013 ocorreu na manhã deste domingo (3). Na janela do apartamento no Centro de Fortaleza, o fotógrafo do O POVO, Francisco Fontenele, registrou o fenômeno entre 9h e 10h.

O eclipse solar ocorre quando Lua, Terra e Sol ficam alinhados, impedindo assim que a luz da estrela atinja o planeta.

Esse fim de semana foi possível observar um eclipse híbrido, um tipo raro que tem sua intensidade variada ao longo do percurso.

(O POVO Online)

Novas garantias a empregados domésticos tendem a fechar de postos de trabalho, avaliam especialistas

A ampliação dos direitos trabalhistas de empregados domésticos, desde a promulgação da emenda à Constituição que concedeu à categoria garantias iguais as dos demais trabalhadores, reforça a tendência de fechamento de postos no setor, na avaliação de especialistas. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na Pesquisa Mensal de Emprego (PME), mostram que os trabalhadores domésticos foram o único grupamento de atividades que tiveram queda nas vagas disponíveis de setembro do ano passado a setembro deste ano.

Segundo a PME, houve redução de 164 mil postos de trabalho no serviço doméstico no período (queda de 10,6%). Para o conjunto das seis regiões metropolitanas brasileiras pesquisadas, considerando todas as categorias, a taxa de desemprego ficou em 5,4% em setembro deste ano, pouco maior do que a de agosto (5,3%) e a mesma de setembro de 2012.

Na avaliação do mestre em direito do trabalho e professor da pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Ricardo Pereira, a forma como as alterações na contratação de empregados domésticos foram apresentadas pela mídia causou pânico entre os empregadores, que acabaram dispensando muitos funcionários.

“Verificamos um movimento de dispensa de empregados domésticos, em boa parte, porque a propaganda não foi positiva e acabou criando pânico”, disse.

Para a presidenta da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas, Creuza Maria Oliveira, os dados do IBGE não surpreendem, já que a categoria esperava aumento nas demissões em razão das alterações na forma de contratação em empregados domésticos. Em sua opinião, a pesquisa reflete que as pessoas preferem abrir mão do serviço feito por esses trabalhadores a incluir os gastos com os novos direitos no orçamento familiar.

“As pessoas não querem cumprir a lei. Querem ter uma trabalhadora na sua casa, mas não querem gastar mais. Querem gastar com qualquer coisa, mas não com as trabalhadoras”, lamentou.

(Agência Brasil)

Leitor reforça caso da viatura da Guarda Municipal estacionada em banco e parada de ônibus

281 17

guarda municipal 131101 questionamento

Após a Prefeitura de Fortaleza questionar a foto enviada ao Blog, por um leitor, de uma viatura da Guarda Municipal estacionada em frente à agência do Banco do Brasil na avenida do Imperador, no Centro, na última sexta-feira (1º), onde também há uma parada de ônibus, o leitor envia duas novas fotos que comprovam a data, o horário da ocorrência, além das placas de um ônibus e da própria viatura.

Em contato com o Blog, a Prefeitura de Fortaleza colocou que a foto seria do mês de julho, por causa da propaganda no ônibus da hospitalidade do fortalezense, que teria sido veiculada somente durante o período da Copa das Confederações. Segundo ainda a Prefeitura, a situação do uso da viatura teria sido tratada na época.

guarda municipal 131101 questionamento 2

VAMOS NÓS – O Blog tem prezado e confiado em seus leitores e por isso mesmo não retirou a matéria. A administração municipal, o comando da Guarda e o prefeito Roberto Cláudio não podem ser responsabilizados por uma ação isolada de um inspetor. Mas pode haver um desgaste nas três esferas, quando há uma ação para desacreditar uma informação legítima, sem ao menos checá-la. Mais cautela nas próximas denúncias de leitores, assim como o Blog também atenta contra denúncias infundadas.

A terceira via do Ceará?

Da coluna Fábio Campos, no O POVO deste domingo (3):

A união Campos/Marina promove repercussões no Ceará. Atentem para a filiação da presidente do Centro Industrial do Ceará (CIC), Nicolle Barbosa, ao PSB. Atentem que ela já chega assumindo a presidência do diretório de Fortaleza. Em política, nada é à toa.

Até um dia desses, o CIC era uma sombra de seus tempos de glória. Tempos em que um jovem grupo de empresários achou que deveria ter posicionamento político, apoiar a campanha pelas diretas e, depois, apoiar Tancredo Neves no Colégio Eleitoral.

Na metade da década de 80, das entranhas do CIC, nasceu um movimento social: o Pró-Mudanças. Desse movimento, em 1986, nasceu a candidatura de Tasso Jereissati ao Governo do Ceará.

Desde então, rigorosamente todos os governadores do Estado foram, de uma forma ou de outra, gerados a partir da hegemonia política que se estabeleceu com o poder exercido por Tasso Jereissati. Sim, Cid Gomes também é parte dessa linhagem.

Porém, o CIC jamais conseguiu reproduzir a importância e a influência que teve naquele momento. A entidade ficou por aí, meio como um apêndice da Fiec. Isso, até a chegada de Nicolle Barbosa ao seu comando. Empresária da indústria gráfica, a nova presidente do CIC se viu à frente de uma entidade com prestígio decadente e financeiramente dependente da Fiec. Havia pouco a se fazer, mas Nicolle teve o talento para antever um caminho virtuoso.

Muniu-se de consultores. Gente experiente e com capacidade de elaboração como o economista Cláudio Ferreira Lima, que já havia sido colaborador teórico da geração dos tempos de glória do CIC.

Daí nasceu o Integra Brasil, um movimento que foi além do Ceará para tratar de um tema fundamental para nós: as desigualdades regionais. Com o projeto nas mãos, a presidente do CIC foi em busca de recursos para viabilizá-lo. Conseguiu apoio da Fiec, do Governo do Ceará, Governo Federal e BNDES, entre outros.

Em cada um dos fóruns realizados em outras capitais (Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro, Recife) articulou o apoio da federação da indústria e do Governo local. Em julho, ocorreu o fórum de Pernambuco. E quem dedicou o dia inteiro ao evento? Eduardo Campos.

O governador de Pernambuco percebeu que havia ali uma parte importante de um projeto para o Brasil. Foi lá que viu um dos cartazes do Integra com a seguinte frase: “O Brasil pode mais”. É essa a frase que Campos tem usado por onde anda Brasil a fora.

Campos buscou se aproximar de Nicolle Barbosa. Na primeira conversa já lhe apresentou a ficha de filiação ao PSB, que não foi assinada. Uma série de outras conversas depois, a presidente do CIC decidiu se filiar.

Mas, o que isso quer dizer? Por enquanto, não muito. Nicolle não trata do assunto. Não fala em candidaturas e nem de possibilidades políticas. Afirma que seu foco continua sendo o CIC e a nova etapa do Integra, que vai tratar do Ceará.

Mas, os bastidores fervilham. Fala-se que Eduardo Campos insiste numa tese: a candidatura de Nicolle ao Governo do Ceará. Para ele, a empresária encarna “o novo”. Seria um contraponto consistente baseado em um projeto com conteúdo que contempla um conjunto de ideias para o País e para o Nordeste.

Seria então Nicolle terceira via cearense? Quanto a isso, há muito mais perguntas que respostas. Para início de conversa, a candidatura pelo PSB cearense só é viável se conseguir articular uma aliança que garanta alguns minutos no palanque eletrônico.

É por isso que se fala muito na possível aliança PSB-PSDB. A sigla tucana tem uma mercadoria preciosa em campanhas eleitorais: tempo no horário gratuito de rádio e televisão. Outra: o PSDB possui diretórios municipais em pelo menos uma centena de municípios.

Imaginem a seguinte foto? Eduardo Campos, Marina Silva e Tasso Jereissati ladeando a jovem Nicolle Barbosa. E com que olhos o pessoal da “Rede” marinista vê essa imagem?

Como foi dito, há muito mais perguntas que respostas.

Presidencialismo de coalizão compromete governabilidade

Da coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (3):

Os brasileiros estão curiosos em conhecer a proposta de governabilidade do consórcio Rede/PSB para se livrar da camisa de força do presidencialismo de coalizão. Neste, como se sabe, a governabilidade é acertada depois da eleição, já que o modelo atual tem impedido, até hoje, que o partido do candidato vencedor (ou a coalizão que o apoiou) nas eleições presidenciais alcance a maioria. Assim, o presidente eleito é obrigado a compor com as forças sobrantes do embate para poder ter maioria no Congresso, sem a qual o governo não pode deslanchar.

Pelo que consta, o bloco marinero-eduardista não pretende apoiar a alternativa da democracia participativa. Esta permitiria que, na falta de apoio parlamentar ao governo, esta pudesse ser compensada com o apoio direto do povo, através de plebiscitos, referendos, recall (cassação do mandato pelo eleitor), veto popular a leis, sempre que estivessem em jogo interesses fundamentais do País.

Pode ser até que Marina Silva tenha essa fórmula, pois no caso de Eduardo Campos, este não fugiu do modelo atual, garantindo a governabilidade em Pernambuco através de 14 partidos lotados em sua base parlamentar. Sem faltar, é claro, a respectiva distribuição proporcional de cargos para cada um na máquina governamental.

Se existir uma alternativa diferente e viável, no atual modelo institucional, isso seria realmente uma grande contribuição. Caso não exista, espera-se que o bloco marinero-eduardista assuma a proposta de regulamentação da democracia participativa (junção de democracia representativa com democracia direta) que seria realmente uma inovação. Sem ela, a proposta de desenvolvimento sustentável de Marina ficaria inviável, pois dificilmente passaria no Congresso.

CPI da Espionagem ouve representantes de empresas de telefonia móvel

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Espionagem promove audiência pública na terça-feira (5) para ouvir representantes das maiores empresas de telefonia móvel que operam no Brasil: Claro, TIM, Oi e Vivo.

Vão participar da audiência o diretor de Operação e Manutenção de Redes da Vivo, Ari Sergio Perri Falarini; o diretor de Segurança de Informação da TIM, Nelson de Sá; o diretor de Redes e Engenharia da Claro, Ivan Campagnolli; e o diretor de Relações Institucionais da Oi, Marcos Augusto Mesquita Coelho.

A audiência foi solicitada pelo relator da comissão, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES). Ele lembra que o jornalista norte-americano Glenn Greenwald já prestou dois depoimentos no Senado: o primeiro depoimento foi na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) e o segundo encontro se deu em audiência na própria CPI.

Ferraço explica que, em ambas as ocasiões, Greenwald disse ser possível que as empresas de telefonia que operam no Brasil tenham acordos de fornecimento de informações para telefônicas estrangeiras, principalmente dos Estados Unidos. Essas informações e dados de clientes brasileiros poderiam, assim, acabar nas mãos da agência de segurança nacional dos Estados Unidos (NSA na sigla em inglês), que vem sendo acusada de promover espionagem em diversos países, inclusive o Brasil.

Greenwald é colunista do jornal britânico The Guardian. Ele é o responsável por publicar as revelações do ex-técnico da NSA Edward Snowden sobre os programas secretos norte-americanos de interceptação de dados eletrônicos e telefônicos em todo o mundo. O jornal O Globo, a revista Época e também o programa Fantástico publicaram reportagens com base nas revelações de Greenwald sobre espionagem dos EUA contra a presidente Dilma Rousseff e assessores próximos e na Petrobras. Também foram divulgadas informações sobre espionagem do Canadá no Ministério de Minas e Energia. Greenwald também revelou que a espionagem norte-americana atingiu cidadãos, empresas e autoridades do México, Alemanha, Espanha e França.

(Agência Senado)

Dilma pede empenho de ministros para entrega de obras e resultado de programas sociais

Em uma reunião com 15 ministros da área social e de infraestrutura, a presidenta Dilma Rousseff pediu empenho para a conclusão de obras e a entrega de resultados nos programas sociais. O encontro, no Palácio da Alvorada, durou mais de seis horas.

De acordo com o porta-voz da Presidência, Thomas Traumman, a presidenta pretende fazer semanalmente reuniões sobre áreas específicas do governo. Os próximos encontros, disse ele, tratarão de eventos esportivos e agricultura. Ela pretende ainda promover uma nova reunião sobre infraestrutura.

Segundo a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, a reunião deste sábado (2) foi proveitosa. De acordo com ela, a presidenta fez um balanço detalhado das ações nas áreas social e de infraestrutura e perguntou sobre o andamento e as condições dos programas. A ministra disse ainda que o encontro serviu como uma prestação de contas.

“Temos agenda de entrega de várias obras que vão ser executadas principalmente neste final de ano. É uma prestação de contas à população. Afinal, a presidenta lançou uma série de programas, fez compromissos e está na hora de o governo fazer as entregas. Um governo é eleito, organiza seus programas, faz um compromisso com a população e tem de prestar contas. Estamos em um momento de prestação de contas e de entrega”, declarou Gleisi.

Entre as ações consideradas prioritárias na área social, a ministra citou a construção de unidades básicas de Saúde, o Programa Mais Médicos, a construção de creches e o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (Pronatec), programa de qualificação profissional. Na área de infraestrutura, Gleisi mencionou a concessão de rodovias e aeroportos e a entrega de unidades habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida.

De acordo com a ministra da Casa Civil, com base nas informações dos ministros, o governo elaborará um cronograma de conclusão de obras e apresentação de resultados de ações sociais. “As agendas vão ser organizadas de acordo com as entregas. Isso [o cronograma] vai ser divulgado em um momento futuro”, explicou.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo negou que a reunião tenha resultado em mudança de estratégia do governo. “A presidenta não mudou nada do que tem de planejado. Ela só quer que as coisas aconteçam e está preocupada com os resultados. Ela perguntou especificamente de determinados programas, como o Mais Médicos. O encontro foi nessa linha”, relatou.

(Agência Brasil)