Blog do Eliomar

Últimos posts

Consumidor terá mais cautela nas compras para o Dia dos Pais, prevê varejo

Os números do comércio para o Dia dos Pais revelarão um clima de cautela entre os consumidores quando forem fechados, acreditam representantes do setor varejista. A Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) estima crescimento de 4% nas vendas na semana anterior à data comemorativa ante a igual período de 2012. O percentual é o mais modesto dos últimos  três anos. Para a CNDL, a preferência será por compras a vista ou em poucas prestações. Já a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de São Paulo (FecomércioSP), prevê que haverá estabilidade nas vendas em agosto de 2013 com relação ao mesmo mês do ano passado.

O presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Júnior, destaca que o cenário atual, com juros altos e situação do emprego e da renda menos favorável do que em 2012, não inspira confiança aos consumidores. Além disso, o endividamento das famílias prejudica a margem de crédito que pode ser tomada. “A alta inflação corroeu renda, deixando menos orçamento livre para o consumo. Há um problema sério de confiança do consumidor e de expansão de crédito em função do endividamento. Deve haver uma utilização menor do crediário e parcelamento em prazos menores por causa das dívidas e dos juros mais elevados”, prevê.

Segundo Pellizzaro, o valor médio do presente deve ficar em R$ 110, um pouco inferior ao de 2012, que foi R$ 130. A data é considerada a quarta melhor do ano para o comércio, atrás do Natal, Dia das Mães e Dia dos Namorados. Para este ano, a CNDL reduziu sua projeção de crescimento nas vendas. Inicialmente em 6,5%, no fim do primeiro semestre foi revista para 4,5%.

De acordo com Altamiro Carvalho, assessor econômico da FecomércioSP, os lojistas mostram apreensão com o volume das vendas e tentam diminuir os estoques recorrendo a liquidações. “Pelo que a gente tem observado, [as vendas] no máximo serão idênticas às de agosto do ano passado. As condições estão piores do que em 2012. O crédito está mais caro, o nível de endividamento mais alto e a confiança do consumidor mais baixa”, enumera.

O assessor econômico explica que a FecomércioSP não faz estimativa de venda para o Dia dos Pais, por tratar-se de uma data que tradicionalmente tem menos impacto nas vendas do que outras celebrações. A entidade projeta crescimento de 2% no faturamento real para este ano em relação a 2012. “Deve ser um crescimento próximo ao do PIB [Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país]. O emprego e a renda não estão acelerando. Isso abala o consumidor, que passa a se defender restringindo compras”, ressalta.

Apesar da visão negativa do varejo, o economista Bento de Matos Félix, chefe do Departamento de Economia da Upis – Faculdades Integradas, acredita que o recente recuo da inflação restabelecerá um cenário favorável ao consumo. “Pelos últimos índices divulgados, a economia está dando uma acalmada em termos de inflação. Para o Dia dos Pais deve haver algum pico de consumo já que o brasileiro é um consumidor incondicional nessas datas. Também é acostumado a comprar a crédito. Uma boa parte da população é endividada por natureza, acha que faz parte da rotina”, diz.

(Agência Brasil)

Uma lenda amazônica

129 1

E na onda ecológica, eis o conto enviado ao Blog pelo jornalista Nicolau Araújo. Confira:

Há uma lenda amazônica, trazida por os ventos, talvez, de um pequeno índio que se sentia pouco diante do grande chefe e guerreiro, que era seu pai.

Motivado pelo sentimento, ele resolveu fugir de sua aldeia, se perdendo na imensa floresta. O indiozinho era bastante corajoso, pois não sentia medo dos ferozes bichos que aterrorizavam o lugar.

Logo anoiteceu e o pequeno fora vencido pela fome e pelo cansaço, dormindo próximo ao leito de um rio. Na manhã seguinte, ao despertar, se surpreendeu ao notar quase todas as espécies de bichos da floresta vivendo passivamente debaixo de uma gigantesca árvore, que lhes fornecia abrigo e alimento.

Os anos se passaram e o indiozinho se tornou um homem, e, durante todo esse tempo, passou a desfrutar e a proteger a boa árvore.

Porém, em uma triste manhã, todos despertaram com um grande barulho. Era a chegada do perverso Senhor do Tempo que, por pura crueldade, derrubou a grande árvore.

Amedrontados, alguns bichos se tornaram agressivos, enquanto outros, mais fracos, fugiram. O índio observava aquela triste cena quando fora interrompido pelas palavras do Senhor do Tempo:

– Amigos, por que tanta revolta?! A árvore já estava velha. O que devemos fazer, agora, é plantar uma outra tão grande e forte em seu lugar!

O índio e os bichos concordaram com a idéia, mas uma luz que surgiu de dentro das matas discordou:

– Não! Era a sábia Natureza que chegava para destruir o perverso plano do Senhor do Tempo.

– Este solo ainda contém as raízes da derrubada árvore. Uma outra, por mais forte que pareça, poderá não se adaptar a tais raízes.

Assim, a Natureza colheu uma pequena semente da gigantesca árvore e plantou-a em seu lugar. O índio se revoltou com o ato, pois, ainda com seu falso conceito, não aceitava que uma grande força poderia ser substituída por uma menor, e resolveu procurar o caminho de volta para casa.

Chegando à aldeia só encontrou cinzas, e logo perguntou a um pássaro o que havia acontecido ao lugar. Sem o reconhecer, o pássaro lhe contou que ali fora uma aldeia feliz, até o dia em que o Senhor do Tempo passou e levou o grande chefe e guerreiro. Sem o seu pequeno e então fugitivo filho para assumir, o chefe deixou a tribo com o seu irmão, que era tão forte e grande quanto ele. Mas a aldeia não se acostumou com a maneira de pensar e agir do novo líder, e os poucos que ficaram enfrentaram a miséria e a extinção, restando as cinzas e a história.

Bastante triste, o índio colheu um pouco das cinzas e foi embora. De muito longe, ainda ouviu o pássaro gritar:

– Talvez a aldeia tivesse uma chance com o pequeno fugitivo!

Compreendendo o ato da Natureza e destruindo o seu falso conceito, o índio voltou para as matas para se aliar à Natureza, por toda a eternidade, na prevenção de tudo quanto fosse pequeno e desprotegido.

Dilma volta a defender Programa Mais Médicos

77 1

Os problemas de saúde no Brasil não podem ser atribuídos só à falta de médicos, mas este é um dos problemas mais sérios, disse hoje (10), em Porto Alegre, a presidenta Dilma Rousseff durante a entrega de retroescavadeiras a prefeitos de cidades gaúchas.

Ao defender o Programa Mais Médicos, Dilma fez um balanço da situação da saúde no país. Lembrou que o Brasil tem uma cobertura de 1,8 médico por mil habitantes, bem menor que a da Argentina, de 3,2, e a do Uruguai, de 3,7 médicos por mil habitantes. “Nós temos um problema de acesso ao médico, daí porque o governo federal decidiu fazer o Programa Mais Médicos, em consonância com o pleito dos prefeitos”, justificou a presidenta.

Ela reconheceu  a falta de médicos em várias especialidades como, por exemplo, a pediatria, e a má distribuição de leitos no Sistema Único de Saúde. Segundo Dilma, 700 municípios não têm nenhum médico e 1,9 mil tem menos de um profissional por 3 mil habitantes. “Há uma concentração de médicos nas zonas urbanas das capitais. Não há médicos nas periferias das grandes cidades brasileiras, não há médicos na mesma proporção no interior, no Norte, no Nordeste e em algumas regiões do país, não há médicos”, disse.

Além de aumentar o número de médicos, a presidenta garantiu que o governo vai investir na formação acadêmica e também na expansão e reforma de equipamentos de saúde. “Nós precisamos de ações emergenciais e ações estruturantes. A ação estruturante vai ser nossa disposição de aumentar a formação de médicos brasileiros no país, aumentaremos 11 mil vagas na graduação e 12 mil vagas na residência”, acrescentou.

O governo tem hoje R$ 7,4 bilhões em execução na saúde e por isso, na avaliação de Dilma, “não tem cabimento” municípios arcarem com custos dos médicos. Sobre a polêmica contratação de médicos estrangeiros, a presidenta lembrou que na Inglaterra, 37% dos profissionais são formados em outros países. Ela ressaltou que a prioridade será para profissionais brasileiros. “Não queremos comprometer empregos de médicos formados no Brasil, mas não aparecendo médicos para cumprir esse papel, iremos preencher as vagas com profissionais trazidos do exterior”.

(Agência Brasil)

Estudantes têm até segunda-feira para se inscrever no Sisutec

Terminam na segunda-feira (12) as inscrições do Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec). O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 14, com matrículas nos dias 15 e 16. O sistema vai selecionar candidatos para 239.792 vagas gratuitas em cursos técnicos.

A seleção dos alunos será feita de acordo com a nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Nessa seleção será usada a nota do Enem 2012. Do total de vagas, 85% são destinadas aos candidatos que cursaram o ensino médio na rede pública ou na rede privada na condição de bolsista integral. As vagas são ofertadas em instituições da rede publica, privada e do Sistema S. Os cursos têm de um a dois anos de duração, com carga horária entre 800 e 1.200 horas-aula.

Os cursos com maior oferta de vagas são os ligados à tecnologia da informação, saúde e área industrial. Lideram a lista os de técnico em informática (23 mil), técnico em enfermagem (14 mil), técnico em logística (13 mil), técnico em segurança do trabalho (13 mil) e técnico em redes de computadores (11 mil). Os estados onde há maior oferta são São Paulo (76 mil), Pernambuco (40 mil), Minas Gerais (27 mil), Paraná (17 mil) e o Distrito Federal (8 mil).

A exemplo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a oferta de vagas e a seleção dos inscritos serão feitas pela internet, no endereço http://sisutec.mec.gov.br.

(Agência Brasil)

Ceará registra déficit recorde de US$ 1,3 bilhão

O Ceará continua importando muito e exportando pouco, mas em julho deste ano essa diferença diminuiu. A balança comercial (exportações menos importações) foi 8,9% superior a igual período de 2012, enquanto as importações cresceram 19,3%, ante 41% do de junho.

No acumulado do ano, o déficit da balança ainda é enorme, US$ 1,3 bilhão. Na comparação com o mesmo período do ano passado esse valor representa o dobro.As informações são do estudo Ceará em Comex, realizado pelo Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec).

De janeiro a julho deste ano o valor exportado pelo Ceará sofreu queda de 9,1%, acompanhando a tendência observada na região Nordeste. A balança brasileira teve queda de US$ 1,9 bilhão em julho e um saldo negativo de US$ 4,9 bilhões no acumulado dos sete meses de 2013.

Apesar dos dados negativos, a coordenadora de projetos do Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias do ceará (Fiec), Veridiana Grotti Soárez, acredita que as exportações cearenses estão em fase de recuperação. É o que ela observa analisando mês a mês e especialmente os meses de junho e julho. Avalia que o problema maior é o extraordinário crescimento das importações. Para a economista do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), Marlene Guilherme Mindêllo, a tendência é que haja uma lenta recuperação das exportações.

“Acredito que os resultados vão continuar melhorando”, diz, apostando que no final será melhor que o ano passado. Destaca que em julho deste ano o Ceará exportou US$ 97 milhões contra US$ 89 milhões em julho de 2012. “É um crescimento de 18,61%”, completa, adiantando que em agosto, quando o comércio em geral fica mais aquecido, as vendas para o Exterior continuarão crescendo.

Qualidade

Conhecedor do mercado internacional, o economista e presidente do Grupo SM, Sérgio Melo, diz que não acredita que as exportações apresentem uma recuperação até o final do ano. Concorda até que o quadro vai melhorar mas não apresentar uma mudança significativa.

“O comércio exterior pressupõe um relacionamento duradouro que começa com a conquista dos importadores, passa pela comprovação de qualidade, pela regularidade de entrega e a capacidade de concorrer com os demais players”, afirma, ressaltando que não é a mudança de apenas uma variável, a taxa de câmbio, que modifica o cenário.

Na opinião dele, mesmo com a mudança do câmbio as exportações não voltam a uma situação ótima. Explica que só alguns produtos que já estão regularmente na pauta podem crescer.

O Ceará está importando muito combustíveis e óleos minerais. O que o Estado mais exportou foram calçados, couros e peles e castanha de caju. Quase 80,0% dos produtos cearenses saem dos portos locais (Pecém e Mucuripe), sendo que o valor comercializado através do Porto do Pecém é 32,0% menor que o registrado em 2012.

Números

8,9% foi a diferença a maior na balança comercial do Ceará, em igual período de 2012

US$ 4,9 bilhões é o saldo negativo da balança comercial brasileira nos sete meses de 2013

US$ 97 milhões foi o total exportado pelo Ceará durante o mês passado

(O POVO)

O sentimento de amor à natureza dos encapuzados

170 2

Em artigo no O POVO deste sábado (10), o editor-adjunto do Núcleo de Conjuntura do O POVO, Luiz Henrique Campos, comenta da postura de manifestantes que usam capuzes e agridem trabalhadores. Confira:

Os acontecimentos da última quinta-feira (8), iniciados na madrugada com a retirada dos acampados da área do Cocó, e que culminaram com o embargo da obra de construção de dois viadutos no encontro das avenidas Antônio Sales e Engenheiro Santana Júnior, deveriam servir de profunda reflexão para os gestores da área de segurança do Município e do Estado, mas também por parte das lideranças dos manifestantes.

Não vou tratar da Polícia e da Guarda Municipal, em vista do que já foi amplamente exposto em outros veículos por ocasião de manifestações anteriores.

Não posso me furtar, todavia, de tecer comentários sobre atos cometidos por pessoas ligadas aos protestos, quase sempre tratadas como vítimas nessas ocasiões, sem que se levem em conta atitudes por elas perpetradas. Naquele dia, acompanhei de perto os momentos de tensão quando estive no local durante o período da tarde/noite, e fiquei impressionado com a forma como os manifestantes se preparavam para possível confronto. Das barricadas montadas ao longo da Santana Júnior, utilizando pedras, camburões, placas e fogo, até as agressões e intimidações contra jornalistas, a sensação que ficou é de que, se o sentimento de amor à natureza daquelas pessoas for medido por tais gestos, não sei qual seria o destino do Cocó com eles no poder.

Para além disso, será que, para demonstrar amor ao Cocó, é preciso constranger as pessoas deixando-as presas nos carros sem poder atravessar as barreiras? Em muitos desses veículos vi crianças e idosos, apavorados, diante da possibilidade iminente de um confronto, em que estariam entre os manifestantes e a Polícia, correndo, sim, risco de morte. Que amor à natureza justifica isso? E que lideranças são essas que ligam para professores das escolas públicas mandando liberar os alunos das aulas com a orientação de se dirigir ao Cocó, sob o argumento de ver a “derrocada do capitalismo”?

E o que leva pessoas a defenderem a natureza usando capuzes? Por que não podem ser identificadas e agridem os fotógrafos e cinegrafistas? Não há santos na Polícia, mas também não são só vítimas os manifestantes. Basta tirar o capuz ideológico para ver isso.

Datafolha – Dilma recupera seis pontos de popularidade

76 1

Dilma-cafe-presidenta

“Após uma queda de 35 pontos percentuais na aprovação do governo, a presidente Dilma Rousseff teve uma ligeira recuperação, segundo pesquisa do Instituto Datafolha concluída nesta sexta-feira e divulgada na edição de sábado do jornal Folha de S. Paulo. O índice dos que consideram o governo ótimo ou bom subiu de 30% no final de junho, no auge dos protestos, para 36%. O ápice da aprovação ocorreu em março, quando 65% consideravam a sua gestão ótima ou boa. Na pesquisa deste mês, o índice dos que julgam o mandato ruim/péssimo variou de 25% para 22% e aqueles que o consideram regular oscilou de 43% para 42%.

Ainda segundo o levantamento, a aprovação a Dilma é maior entre os que ganham até dois salários mínimos, dos quais 41% aprovam o governo. Entre os mais ricos, aqueles que ganham acima de dez salários mínimos, a aprovação tem o menor índice (29%).”

(Portal Terra)

Ex-presidente Lula faz exames de rotina no Hospital Sírio-Libanês

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está fazendo neste sábado (10) exames de rotina no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Na última vez em que o ex-presidente Lula esteve no hospital, em 2 de abril, exames mostraram que seu estado de saúde era bom, “sem qualquer evidência de doença”, segundo boletim médico divulgado.

Na ocasião, Lula foi submetido a uma laringoscopia e a um exame chamado PET/CT (sigla em inglês para Tomografia por Emissão de Positrons, em tradução livre), capaz de detectar qualquer anormalidade no corpo do paciente.

O ex-presidente teve um câncer na laringe, detectado em 2011, e encerrou em fevereiro do ano seguinte o tratamento contra a doença.

(Agência Brasil)

A encruzilhada política de Roberto Cláudio

162 3

Da coluna Política, no O POVO deste sábado (10), pelo jornalista Érico Firmo:

A ação da Guarda Municipal na quinta-feira (8) demarca novo momento na imagem do prefeito Roberto Cláudio (PSB) perante a opinião pública. O desgaste é enorme e evidente perante setores significativos da sociedade. Por outro lado, o gesto de tocar a construção dos viadutos também tem apoio de muita gente que enxerga na obra solução para atenuar a crise da mobilidade – coisa que se percebe nas redes sociais e nas reações de muitos que passavam pelas imediações do Parque do Cocó e hostilizavam os acampados.

Sua eleição já expôs o racha na cidade. Teve 53% dos votos válidos e 48% do total de votos. O que significa que menos da metade dos que foram às urnas o apoiaram. Ele já tomou posse longe de ser unanimidade, mas a divisão se aprofundou na madrugada dessa sexta-feira (9).

Cresceu enormemente a separação e a tensão entre a Fortaleza favorável ao viaduto e a cidade que não transige na defesa do Parque do Cocó. A Prefeitura demonstra convicção – embora não haja informação de estatística confiável a respeito – de que a maioria está ao seu lado.

É bem possível que esteja mesmo. Entretanto, desgaste não é desprezível para administração que acaba de atravessar a metade do primeiro de seus quatro anos, mas que já traz embutida – para o bem e para o mal – o peso da aliança inseparável com Governo do Estado que já carrega a fadiga de seis anos e meio. Ao mesmo tempo em que a parceria inegavelmente transfere popularidade – fator preponderante para a própria eleição do prefeito – também envelhece a administração municipal. Ainda mais quando Cid Gomes (PSB) intervém para tentar solucionar a crise alheia. E pior quando nem consegue seu intento. Depois do episódio de quinta, isso se aprofunda dramaticamente.

Cocó: Manifestantes se dizem fortalecidos

Um dia após terem sido retirados durante ação da Guarda Municipal, dezenas de manifestantes refizeram o acampamento no Parque do Cocó na tarde dessa sexta-feira (9). A reocupação ocorreu depois que a Guarda Municipal deixou o local, após a Prefeitura ter sido notificada oficialmente sobre o embargo da obra, determinado pela Justiça. O grupo avalia que o movimento saiu fortalecido após a expulsão e a estratégia agora é intensificar a mobilização para obter mais apoio popular.

“Estamos reocupando com alegria e com festa. (…) O aparato de guerra não nos intimida”, avisa o ativista Francisco Oliveira. Vários manifestantes com quem O POVO conversou reforçaram que a intenção é que o acampamento tenha proporções maiores a partir de agora. Todos dizem que vão resistir em caso de nova investida da Prefeitura. Barracas já foram recolocadas e mantimentos foram trazidos.

Célia Zanetti, integrante do grupo Crítica Radical, diz que os desdobramentos do conflito durante a ação da Guarda podem ser parecidos com o que ocorreu em São Paulo em junho – quando a repressão policial durante um protesto desgastou governos e ajudou a provocar novas manifestações.

“A repressão de ontem (quinta-feira, 8) aumentou o apoio da população e isso foi visível”, diz Zanetti. Elas e outros manifestantes relatam que nessa sexta-feira o movimento recebeu mais apoio nas ruas, mais doações e mais pessoas interessadas em integrar o acampamento.

 Estratégias

Para tentar trazer mais apoio na tentativa de barrar a construção dos viadutos no encontro das avenidas Antônio Sales e Engenheiro Santana Júnior, o grupo acampado diz que várias ações estão previstas para os próximos dias. Um festival com apresentações artísticas ocorre durante todo o fim de semana no local. Hoje pela manhã, está marcada a visita de estudantes e professores da Universidade Federal do Ceará (UFC) para apresentar projetos alternativos aos viadutos. Além disso, visitas a escolas, panfletagem nos locais próximos ao Cocó e intensificação da atuação nas redes sociais estão entre as táticas para os próximos dias.

(O POVO)

Falta de acordo pode levar projeto da Lei da Palmada para votação pelo Plenário

A falta de acordo pode levar o projeto da Lei da Palmada para votação pelo Plenário. A redação final do projeto de lei (PL 7672/10) em discussão na Câmara, que estabelece o direito de crianças e adolescentes serem educados sem o uso de castigos físicos, já esteve na pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) por 14 vezes. Na última semana, mais uma vez teve a votação adiada, desta vez por falta de quórum.

A proposta foi aprovada, no final de 2011, por uma comissão especial e poderia seguir para o Senado depois de passar pela CCJ, mas alguns deputados são contrários à aprovação da matéria sem que ela passe pelo Plenário.

É o caso do deputado Marcos Rogério (PDT-RO), que tem obstruído as votações da proposta. “É um projeto que não poderia ter ganhado tramitação conclusiva. Por quê? Porque o Regimento Interno cita o artigo 68 da Constituição Federal, que proíbe a tramitação conclusiva, porque esse tipo de projeto trata de direitos individuais. Então, o que aconteceu foi um atropelo regimental e uma ofensa à Constituição Federal.”

Incompreensão

Já a deputada Érika Kokay (PT-DF), que presidiu a comissão especial que analisou o projeto, acha que existe muita incompreensão à proposta. “Existe um grupo de parlamentares que acham que educação é bater, que acham que as crianças podem ser submetidas a tratamentos cruéis e degradantes, e esses parlamentares não admitem que nós possamos reformar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA – Lei 8.069/90), assegurando apenas uma coisa: o direito de crianças e adolescentes serem isentos de castigo físico e tratamento cruel e degradante. É somente isso que o projeto diz.”

O texto prevê ainda que pais que maltratarem os filhos sejam encaminhados a programa oficial de proteção à família e a cursos de orientação, tratamento psicológico ou psiquiátrico, além de receberem advertência. A criança que sofrer o castigo físico deverá ser encaminhada a tratamento especializado.

Os casos de suspeita de castigo físico, tratamento cruel ou degradante e os de maus-tratos devem ser comunicados ao conselho tutelar.

(Agência Câmara Notícias)

Obama anuncia mudanças nos programas de espionagem

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nessa sexta-feira (9) mudanças nos programas governamentais de espionagem e admitiu as crescentes preocupações quanto à privacidade dos cidadãos. Obama disse que vai permitir um maior controle externo dos programas e que vai solicitar ao Congresso que reveja uma parte da controversa Patriot Act, lei criada após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 e que ampliou o poder do governo americano para obter documentos privados, promover escutas telefônicas e buscas.

“Vamos tomar medidas para aumentar a supervisão, a transparência e o controle [do Patriot Act]”, disse Obama durante uma conferência de imprensa na Casa Branca. “Não basta que esses programas tenham a minha confiança. O povo norte-americano também deve confiar neles”, insistiu o presidente, garantindo que o objetivo do seu governo não é “espionar os cidadãos comuns”.

Por outro lado, o presidente norte-americano considerou que a chegada de Vladimir Putin à Presidência da Rússia, com quem diz “não ter más relações”, aumentou a retórica antinorte-americana por parte dos russos. Obama, que anulou a sua participação em uma reunião com Putin, previsto para o início de setembro, afastou a ideia de um boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno, que vão ocorrer em Sochi, na Rússia, em 2014.

A decisão de fazer a conferência de imprensa foi tomada depois de Edward Snowden, um ex-consultor de informática que se refugiou na Rússia, ter desencadeado uma crise ao revelar detalhes de um programa norte-americano de espionagem da internet e telefonemas.

Depois de Obama ter começado a conferência de imprensa, o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, rejeitou a existência de uma guerra fria entre russos e norte-americanos, acrescentando que o caso Snowden não afeta a relação entre os dois países.

Em 25 de julho, a Câmara dos Representantes rejeitou uma proposta de corte de financiamento para alguns dos programas da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em Inglês) por uma estreita margem (205-217), sendo que democratas e republicanos demonstraram preocupação com a privacidade dos cidadãos.

A decisão russa de dar asilo a Snowden causou uma reação irritada dos norte-americanos, que querem julgar o ex-consultor. Depois da conferência de imprensa, Obama sai de férias com a família durante uma semana.

(Agência Brasil)

Dólar cai 0,56% e fecha no menor nível em 12 dias após intervenção do BC

A intervenção do Banco Central (BC), que vendeu US$ 993,9 milhões no mercado futuro, ajudou a moeda norte-americana a fechar no menor nível em 12 dias. O dólar comercial encerrou a sexta-feira (9) vendido a R$ 2,2740, com queda de 0,56%. A cotação é a menor desde 29 de julho, quando o dólar fechara em R$ 2,2702.

Na semana, a cotação caiu 1,28%. No ano, o câmbio acumula alta de 11,66%. O dólar operou em queda durante todo o dia. Em alguns momentos, no entanto, a cotação chegou a ficar abaixo de R$ 2,27. Na mínima do dia, por volta das 11h50, a divisa foi vendida a R$ 2,2660.

Desde o fim de maio, o mercado financeiro global enfrenta turbulências por causa da perspectiva de que o Fed, o Banco Central dos Estados Unidos, reduza os estímulos monetários para a maior economia do planeta. O Fed poderá aumentar os juros e diminuir as injeções de dólares na economia global, caso o emprego e a produção nos Estados Unidos mantenham o ritmo de crescimento e afastem os sinais da crise econômica iniciada há cinco anos.

A instabilidade piorou depois de Ben Bernanke, presidente do Fed, ter declarado, em 19 de junho, que a instituição pode diminuir a compra de ativos até o fim do ano, caso a economia americana continue a se recuperar. Se a ajuda diminuir, o volume de dólares em circulação cai, aumentando o preço da moeda em todo o mundo.

Nos últimos meses, o governo tem tomado medidas para conter a valorização do dólar. Além de vender dólares no mercado futuro, o Banco Central retirou parte do compulsório sobre as apostas de que o dólar vai cair e eliminou restrições de prazos para que os exportadores financiem antecipações de pagamentos.

A equipe econômica também retirou barreiras à entrada de capitais estrangeiros no país. O Ministério da Fazenda zerou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para os estrangeiros que aplicam em renda fixa no Brasil. Desde outubro de 2010, a alíquota em vigor era 6%. A venda de moeda estrangeira no mercado futuro também ficou isenta de IOF.

(Agência Brasil)

Compra de caças com transferência de tecnologia para a FAB é tema de debate na CRE

A aquisição, pela Força Aérea Brasileira (FAB), de 36 aeronaves de caça estrangeiras com transferência de tecnologia para o Brasil é o tema da audiência pública que a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) realiza na terça-feira (13). O convidado para o debate é o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro-do-ar Juniti Saito. Logo depois, a segunda parte da reunião será deliberativa, para que sejam sabatinados os embaixadores indicados para Holanda e Japão.

Como lembra o presidente da CRE, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), na justificação de seu requerimento que pediu a realização da audiência, o chamado Projeto FX-2 da FAB arrasta-se desde 2001, tendo esse primeiro processo se encerrado em 2005.

A nova fase do Projeto FX-2, explica o senador, começou em 2008 e consiste na aquisição de 36 aeronaves de caça “de múltiplo emprego”, incluindo itens como os simuladores de voo correspondentes, a logística inicial e a transferência de tecnologia “necessária para a capacitação do parque industrial aeroespacial brasileiro no desenvolvimento de um caça de quinta geração”.

Logo depois da reativação do projeto, diz Ferraço, a Estratégia Nacional de Defesa enfatizou que a compra desses aviões de guerra deveria ter como característica prioritária a transferência de tecnologia para o Brasil por parte do país escolhido como vendedor. O objetivo é que essa transferência tecnológica ajude no desenvolvimento das capacitações tecnológicas nacionais, de modo a eliminar, progressivamente, a compra de serviços e produtos importados, e possibilitar a produção nacional de um caça.

Também em 2008, o Estado-Maior da Aeronáutica emitiu relatório selecionando três aeronaves como possíveis objetivos de compra do Brasil: Boeing F-18E/F Super Hornet (norte-americano), Dassault Rafale F3 (francês) e Saab Gripen NG (sueco).

Os aviões de caça Mirage 2000 que pertencem ao Brasil serão aposentados no último dia de 2013, fato que preocupa o senador em virtude da possibilidade de a compra das novas aeronaves não ser concretizada ainda este ano. Os seis Mirage 2000 ainda em funcionamento estão baseados no 1º Grupo de Defesa Aérea, em Anápolis (GO), e têm como principal tarefa a defesa da capital federal.

(Agência Senado)

Caso Mensalão – STF decidirá na 4ª feira se processo pode ter novo julgamento

89 1

“O Supremo Tribunal Federal (STF) volta a analisar na quarta-feira (14) a Ação Penal 470, o processo do mensalão, e o primeiro item da pauta é a possibilidade de novo julgamento por meio do recurso conhecido como embargo infringente. Três réus abordaram o assunto: o publicitário Cristiano Paz, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-deputado federal Pedro Corrêa.

A Corte terá que decidir se os embargos infringentes são cabíveis, pois há divergências teóricas sobre o assunto. Embora esse tipo de recurso esteja previsto no Regimento Interno do STF, uma lei editada em 1990 sobre o funcionamento de tribunais superiores não faz menção ao uso da ferramenta na área penal. Para alguns ministros, isso significa que os embargos infringentes foram revogados.

Os embargos infringentes previstos no regimento interno permitem novo julgamento quando há pelo menos quatro votos pela absolvição. A situação atende a pelo menos 11 réus: João Paulo Cunha, João Cláudio Genú e Breno Fischberg (lavagem de dinheiro); José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, Marcos Valério, Kátia Rabello, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz e José Salgado (formação de quadrilha). O presidente do STF e relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, negou individualmente a possibilidade de admissão dos embargos infringentes, classificando a tentativa de discutir o assunto de “absurda”. Segundo ele, a Corte já analisou todos os argumentos trazidos pela defesa e os advogados tentam apenas “eternizar”.

(Agência Brasil)