Blog do Eliomar

Últimos posts

Brasil registra mais de 62 mil homicídios por ano

No ano de 2016, 62.517 pessoas foram assassinadas no Brasil, o que equivale a uma taxa de 30,3 mortes para cada 100 mil habitantes. Os dados são do Ministério da Saúde e foram divulgados hoje (5) no 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, apresentado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Segundo a análise, a taxa de homicídios no Brasil corresponde a 30 vezes a da Europa, e o país soma 553 mil pessoas assassinadas nos últimos dez anos.

Todos os estados que lideram a taxa de letalidade estão na Região Norte ou no Nordeste: Sergipe (64,7 para cada 100 mil habitantes), Alagoas (54,2), Rio Grande do Norte (53,4), Pará (50,8), Amapá (48,7), Pernambuco (47,3) e Bahia (46,9). As maiores variações na taxa foram observadas em São Paulo, onde houve redução de 56,7%, e no Rio Grande do Norte, que registrou aumento de 256,9%.

Juventude negra

A violência letal contra jovens continua se agravando nos últimos anos e já responde por 56,5% das mortes de homens entre 15 e 19 anos de idade. Na faixa entre 15 e 29 anos, sem distinção de gênero, a taxa de homicídio por 100 mil habitantes é de 142,7, e sobe para 280,6, se considerarmos apenas os homens jovens.

O problema se agrava ao incluir a raça/cor na análise. Nos últimos dez anos, a taxa de homicídios de indivíduos não negros diminuiu 6,8% e a vitimização da população negra aumentou 23,1%, chegando em 2016 a uma taxa de homicídio de 40,2 para indivíduos negros e de 16 para o resto da população. Ou seja, 71,5% das pessoas que são assassinadas a cada ano no país são pretas ou pardas

Feminicídio e estupro

A violência contra a mulher também piora a cada ano. Os dados apontam que 68% dos registro de estupro são de vítimas menores de 18 anos e quase um terço dos agressores das crianças de até 13 anos são amigos e conhecidos da vítima e 30% são familiares mais próximos como país, mães, padrastos e irmãos. Quando o criminoso é conhecido da vítima, 54,9% dos casos são ações recorrentes e 78,5% dos casos ocorreram na própria residência.

Controle de armamento

Os pesquisadores ressaltam a importância de uma política de controle responsável de armas de fogo para aumentar a segurança de todos. Segundo a pesquisa, entre 1980 e 2016, 910 mil pessoas foram mortas por perfuração de armas de fogo no país. No começo da década de 1980, os homicídios com arma de fogo eram 40% do total e chegou a 71,1% em 2003, quando foi implantado o Estatuto do Desarmamento. A proporção se manteve estável até 2016. O levantamento aponta, ainda, que os estados onde houve maior crescimento da violência letal são os mesmos onde cresceu a vitimização por arma de fogo.

(Agência Brasil)

Creci/CE está sob nova direção

O Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci) está sob nova direção. Na última reunião plenária da entidade, Apolo Scherer Albuquerque formalizou a sua saída da presidência dessa autarquia federal, abrindo vez para o vice-presidente Tibério Benevides.

Tibério é bacharel em História pela UECE e corretor de imóveis há mais de 30 anos , hoje atuando como autônomo.

Apolo Scherer deixa o comando do Creci/CE após sete anos de atuação e três décadas em atividades classistas. Nesse período, ajudou a implantar associações atuantes no mercado imobiliário, como a AADIC, foi presidente do Secovi e dirigiu redes de corretores como a RIC, Sindimóveis, Ceará Rede Imóveis e Rede de Corretores Autônomos. Ele vai se dedicar às atividades empresariais como corretor de imóveis no município do Eusébio (Região Metropolitana de Fortaleza).

Ministro da Fazenda defende a Reforma da Previdência

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse hoje (5) que não existe solução consistente para a crise fiscal sem a reforma da Previdência. Ele participou do seminário Diálogo Público – Financiamento de Estados e Municípios: desafios para um novo pacto federativo, organizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

“Essa intensa crise, com retração da economia por dois anos seguidos, tem na sua raiz não um problema externo, mas o grave desequilíbrio fiscal”, afirmou Guardia. Segundo o ministro, é preciso enfrentar o problema fiscal, com crescimento das despesas primárias ao longo dos últimos 15 anos e particularmente os gastos previdenciários.

“Esse problema vai se agravar ao longo do tempo”, disse, sobre as despesas coma Previdência. Guardia acrescentou que, sem a reforma da Previdência, será preciso aumentar a carga tributária, já alta, de forma contínua, no futuro. Para o ministro, será possível pensar na reforma tributária após a reforma da Previdência.

ICMS

O ministro da Fazenda destacou ainda que as 27 legislações diferentes dos estados e do Distrito Federal sobre o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) aumentam os custos e a ineficiência para o setor privado.

“São 27 legislações, às vezes conflitantes e levando a uma situação de guerra fiscal”, disse.

(Agência Brasil)

A tragédia partidária cearense revisitada

Com o título “A tragédia partidária cearense revisitada”, eis artigo do cientista político Filomeno Moras. Ele aborda o que chama de “desinstitucionalização dos partidos” o que ocorre no Ceará. Confira:

O Palhaço Tiririca, quando da sua campanha vitoriosa para deputado federal, há quatro anos, repetia o mantra: “Vote no Tiririca, pior do que tá não fica”. Se se considerar a realidade partidária cearense, é um caso sério do que o que já era ruim ficou pior. O trágico tornou-se mais trágico. Senão, veja-se.

Há quatro anos, escrevi um artigo com o título idêntico – apenas sem o “revisitada” – ao deste (“Segunda Opinião”, 7/5/2014), do qual retiro as seguintes considerações: 1. a observação dos fatos demonstrava que, no Ceará, partidos políticos de fato pouco significavam. A não ser, em obediência à prescrição constitucional, segundo a qual monopolizam a função representativa, ou seja, pertencer a um partido é condição necessária à elegibilidade, aspectos outros das suas existências e potencialidades não eram valorizados; 2. o noticiário da conjuntura escancarava a dimensão trágica da vida partidária estadual; 3. generalizava-se o discurso da lealdade/deslealdade, da gratidão/ingratidão, da atenção/desatenção pessoais, enfim, a regra era a fulanização, em detrimento de estruturas e processos; 4. não se via a apresentação de um programa, de uma diretriz, de uma linha de ação que apontasse para além da racionalidade instrumental, de ocasião.

De fato, a existência de partidos tende a constituir um “sistema partidário”, ou seja, a interação que as agremiações desenvolvem, entre si, diante de leis, instituições e mecanismos que regem o processo eleitoral e o processo parlamentar e que acabam por indicar o amadurecimento político-democrático de uma sociedade. Num Estado federativo, a multiplicidade e a diversidade dos padrões das unidades subnacionais, padrões econômicos e sociais, políticos e culturais, tendem, ademais, a constituir “subsistemas partidários”, com consequências evidentes em relação ao centralismo partidário.

Publicação do final da década de 1990 dá conta de que, concernente à realidade cearense, a análise da série histórica de eleições para mandatos federais e estaduais, após a redemocratização, observava indícios de institucionalização – embora devessem ser vistos com cautela – de um subsistema partidário, decorrentes dos seguintes indicadores: 1. as eleições legislativas encontravam-se razoavelmente associadas, com os votos dados aos mesmos partidos para os planos federal e estadual; 2. as taxas de alienação eleitoral (abstenções, e votos nulos e em branco) diminuíam; 3. a existência de algum tipo de identificação partidária em torno do eixo situação-oposição.

Nos últimos dezoito anos, todavia, a situação vem num crescendo de desinstitucionalização dos partidos e do subsistema partidário estadual. A título de ilustração, observem-se duas situações. O PSDB, praticamente “partido único” durante a década de 1990, agora possui uma bancada parlamentar ínfima e tem que buscar, por conta da anemia de quadros, um oficial-general recém-saído do serviço militar ativo para lançá-lo candidato a governador do Estado. O PT, que tem o chefe do Executivo estadual nos seus quadros e como suposto candidato à reeleição está propenso, a crer na imprensa (“O Povo”, 22/5/2018), pode compor uma coalizão eleitoral com mais 23 partidos, reunindo desde o PDT dos irmãos Ferreira Gomes às pequenas siglas de esquerda, dos ditos “golpistas” do MDB e de outros partidos aos oportunistas de diversas extrações.

Por tudo, não é ocioso lembrar a constatação/profecia formulado por Samuel Huntington, em outro contexto temporal, que, de outro modo e em outras circunstâncias, interpela ainda hoje os que se preocupam com a qualidade do regime democrático.

*Filomeno Moraes,

Professor universitário e cientista político.

MPs dos Caminhoneiros ganharão comissões mistas nesta quarta-feira

O Congresso Nacional começa a se debruçar nesta semana sobre as três primeiras medidas provisórias (MPs) assinadas pelo presidente Michel Temer para atender demandas dos caminhoneiros, que há duas semanas iniciaram uma greve cujos efeitos ainda não foram completamente estimados. Fruto da segunda tentativa de acordo do governo federal com os manifestantes, as propostas começaram a ter efeito na semana passada, quando a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou uma tabela com os preços mínimos dos fretes.

As MPs 831, 832 e 833 foram assinadas por Temer no último dia 27. O prazo para os parlamentares apresentarem emendas aos textos acabou nessa segunda-feira (4). Já a instalação e a eleição dos presidentes das comissões que vão discutir o tema, formadas por 13 deputados e 13 senadores, estão marcadas para o início da tarde de amanhã (6).

Como se tratam de medidas provisórias, as matérias já têm força de lei, mas precisam ser referendadas pela Câmara e Senado nos próximos 60 dias, prorrogáveis uma vez por igual período.

Entenda as MPs

A primeira medida provisória obriga a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a reservar até 30% de sua demanda para a contratação de transportadores autônomos. Para isso, a Conab ficará dispensada de promover licitação e deverá contratar autônomos para transportarem cerca de um terço de sua demanda anual de frete, desde que o valor cobrado pelos motoristas não exceda o preço praticado nas tabelas referenciais da companhia.

A meta é priorizar cooperativas, associações e sindicatos de transportadores autônomos. Mas caso não haja oferta de serviços suficiente à demanda por transportes da Conab, a instituição fica livre da regra. De acordo com nota técnica da consultoria legislativa do Congresso, o texto da MP não causa, a princípio, efeitos às receitas, nem às despesas da Conab.

A MP 832 institui a Política de Preços Mínimos para o Transporte Rodoviário de Cargas. A criação de um preço mínimo que os caminhoneiros poderão cobrar sobre cada quilômetro de frete realizado foi uma das principais demandas da greve.

Na última quarta-feira (30), atendendo ao disposto nesta medida provisória, a ANTT divulgou a tabela com os valores obrigatórios, separando o preço por eixo e de acordo com a especificidade de cada carga: geral, a granel, frigorificada, perigosa e neogranel.

Após a divulgação da primeira tabela, a MP determina que os preços serão reajustados semestralmente: nos dias 20 de janeiro e de julho de cada ano. Se os contratantes não cumprirem o preço mínimo, estarão sujeitos a uma multa equivalente ao dobro do valor estipulado.

Para definir os preços, a ANTT deverá observar os custos do óleo diesel e dos pedágios. O processo de escolha dos valores precisa contar com a participação de representantes das cooperativas de transportes de cargas, das empresas de transportes e transportadoras autônomas, mas há sugestões de alterações no texto para que mais entidades sejam ouvidas.

A MP 833 amplia as normas previstas na chamada Lei dos Caminhoneiros, sancionada em 2015 no governo da ex-presidente Dilma Rousseff, justamente em meio a outra paralisação de caminhoneiros. A isenção do pagamento de pedágio para os caminhões e carretas que transitarem com eixos suspensos já vale há três anos, mas a medida provisória dá maior abrangência à lei, ampliando-a para estradas estaduais que foram concedidas à iniciativa privada.

Pedágio gratuito

De acordo com a MP, o pedágio gratuito sobre veículos de carga que circularem descarregados deve ser observado em todo território nacional, em vias terrestres federais, estaduais, distritais e municipais, “inclusive as concedidas”.

De acordo com a ANTT, no caso das rodovias federais, as empresas que ganharam licitação para fazer a manutenção de estradas pelas próximas décadas já promoveram o reequilíbrio financeiro de seus contratos.

Caso os caminhoneiros suspendam de modo indevido os eixos dos veículos, estarão sujeitos a uma multa por infração grave, conforme prevê o Código de Trânsito Brasileiro.

Tramitação

Além dessas, outras três medidas provisórias foram encaminhadas pelo governo ao Congresso para pôr fim à greve, que causou filas em postos de combustíveis e desabastecimento em algumas cidades brasileiras.

O acordo para reduzir o preço do óleo diesel em R$ 0,46 nas bombas foi fechado na segunda rodada de negociações, após os representantes dos caminhoneiros saírem descontentes das primeiras reuniões feitas com o governo.

(Agência Brasil)

Crea-CE cobra do prefeito a inspeção predial

O presidente da entidade, Emanuel Mota, esteve com o prefeito Roberto Cláudio (PDT) quando cobrou uma ação para intensificar as fiscalizações nesse sentido. RC prometeu enviar o novo projeto de lei, aperfeiçoando a atual legislação, ainda na primeira quinzena deste mês de junho e dar cumprimento imediato às fiscalizações.

Emanuel Mota havia criado uma comissão, com a qual se reúne periodicamente, para tratar do tema, uma vez que “Fortaleza se encontra em processo de envelhecimento necessitando, portanto, que essa legislação se torne ativa em prol da segurança da sociedade”, diz o dirigente do Crea.

(Foto – Divulgação)

Presidente do Sinduscon/CE e os efeitos da greve dos caminhoneiros

Da Coluna O POVO Economia, da jornalista Neila Fontenele, no O POVO desta terça-feira:

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção do Ceará, André Montenegro, vem ressaltando a necessidade de se repensar a carga de impostos e os efeitos da crise provocada pela paralisação dos caminhoneiros.

A queixa do empresário cearense não é isolada. Há um movimento nacional sobre as dificuldades da área.

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) lançou documento que destaca o impacto negativo dos aumentos dos preços do asfalto e da greve caminhoneiros, que deixaram a atividade no limite.

(Foto – Divulgação)

Datafolha faz nova pesquisa sobre presidenciáveis

Os pesquisadores do Datafolha vão às ruas, a partir de quarta-feira, para medir o pulso na corrida presidencial. A informação é do jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo, adiantando que o resultado sairá domingo publicado na Folha de S. Paulo, de acordo com o registro feito junto ao Tribunal Superior Eleitoral.

Há cenários com e sem Lula (quando Lula não aparece, há as opções naturais, Fernando Haddad e Jaques Wagner). Pela primeira vez, o Datafolha inclui Josué Alencar na lista de candidatos.

O custo da pesquisa para o jornal é de R$ 398 mil. Serão 2828 entrevistados em todo o Brasil.

Eunício Oliveira emplaca mais um diretor no BNB

O advogado Aloísio Carvalho é o novo diretor financeiro e de Crédito do Banco do Nordeste. Ocupa a vaga que era do presidente Romildo Rolim. O cargo a ser ocupado por Aloísio estava sendo acumulado pelo diretor de Administração, Cláudio Freire.

Aloísio é um nome ligado ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), também responsável pela indicação de Romildo. Já foi secretário-adjunto da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), com o aval do então do líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira. Também já foi o superintendente federal da Pesca no Ceará.

No currículo, secretário de Finanças da gestão do falecido prefeito Juraci Magalhães e secretário-executivo da SSPDS (Governo Cid Gomes). Chegou a disputar a Prefeitura de Fortaleza pelo PMDB, indicado por Juraci.

(Blog do Jocélio Leal)

Indústria brasileira cresce 0,8% de março para abril

A produção industrial brasileira teve um crescimento de 0,8% de março para abril deste ano, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), divulgada hoje (5), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta veio depois de uma queda de 0,1% em março. Na comparação com abril de 2017, a indústria cresceu 8,9%, sua 12ª alta consecutiva e a mais acentuada desde abril de 2013 (9,8%).

A produção industrial também acumula altas de 4,5% no ano e de 3,9% em 12 meses. No acumulado de 12 meses, a indústria teve o maior desempenho desde maio de 2011 (4,5%).

Na passagem de março para abril, as quatro grandes categorias econômicas tiveram alta, com destaque para os bens de consumo duráveis (2,8%). Os bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos, tiveram crescimento de 1,4%.

Bens de consumo

Os bens intermediários, isto é, os insumos industrializados do setor produtivo, anotaram aumento de 1%. Os bens de consumo semi e não duráveis avançaram 0,5%.

Metade dos 26 ramos industriais pesquisados teve alta na produção, entre eles, os segmentos de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (5,2%), veículos automotores, reboques e carrocerias (4,7%), produtos alimentícios (1,4%) e outros equipamentos de transporte (14%).

Por outro lado, onze ramos reduziram a produção em abril. Os principais responsáveis por frear o crescimento da indústria foram os setores de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-7,3%), máquinas e equipamentos (-3,1%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-4%) e produtos de borracha e de material plástico (-2%).

(Agência Brasil)

Alunos do ensino infantil aprendem a preservar a natureza

O Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado nesta terça-feira (5), está presente em várias escolas de Fortaleza, que aproveitam a data para repensar alternativas de preservação da natureza. Crianças exercem atividades que priorizam a sustentabilidade. A Expansão Educacional Creche-Escola, na Cidade dos Funcionários, desenvolve tarefas simbólicas e cultiva plantas com os alunos do ensino infantil.

A coordenação da escola acredita que o período é ideal, com ajuda da família, para educar e repassar aos alunos a lição de cuidar da natureza. Seja um jardim ou uma horta na varanda do apartamento.

(Foto – Divulgação)

Guiherme Boulos é chamado a depor sobre invasão de tríplex atribuído a Lula

 

A Polícia Federal intimou Guilherme Boulos, pré-candidato à Presidência pelo PSOL e líder do MTST, a prestar depoimento na quinta (7). Ele vai falar sobre o inquérito que investiga a ocupação por integrantes de seu movimento do tríplex no Guarujá (SP), após a prisão do ex-presidente Lula. A informação é da Folha de S.Paulo.

Em abril, um grupo de sem-teto ocupou por horas a cobertura do imóvel atribuído ao petista. Boulos, que não esteve no tríplex naquela manhã mas manifestou apoio ao ato, diz ver tentativa de intimidar o movimento.

(Foto – Alice Vergueiro, da Folhapress)

Camilo cumpre agenda no eixo Canindé-Fortaleza

O governador Camilo Santana (PT) assina, nesta manhã de terça-feira, a ordem de serviço para revitalização do Corredor Religioso de Canindé. No mesmo ato, instala o sistema de videomonitoramento e inaugura a Delegacia 24 horas do município.

No final da tarde, Camilo cumprirá agenda a la prefeito: vai assinar a ordem de serviço do pacote de obras para a Regional V, em Fortaleza , mais precisamente na Praça Apolo XI (Parque Santa Rosa).

Juiz do TRT do Rio suspende processo de privatização das distribuidoras da Eletrobras

A Eletrobras informou aos seus acionistas, na manhã desta segunda-feira (5), que tomou conhecimento de uma decisão de tutela de emergência do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro que a empresa e a Amazonas Distribuidora de Energia S.A., Amazonas Energia, Centrais Elétricas de Rondônia, Companhia de Eletricidade do Acre, Companhia Energética de Alagoas e Companhia Energética do Piauí “se abstenham de dar prosseguimento ao processo de desestatização, afim de que apresentem, individualmente ou de forma coletiva, no prazo de até 90 (noventa) dias, estudo sobre o impacto da privatização nos contratos de trabalho em curso”.

Com isso, está suspenso, portanto, o processo de privatização dessas distribuidoras. A informação é do Portal G1.

OEA vai decidir se abre processo de suspensão da Venezuela

 

A Organização dos Estados Americanos (OEA) decide nesta terça-feira (5) se inicia um processo de suspensão da Venezuela, pedido pelo Brasil e mais seis países: Argentina, Canadá, Chile, Estados Unidos, México e Peru. Para ser aprovada, a proposta de resolução precisa do apoio de pelo menos 18 dos 34 membros da entidade regional. O chanceler brasileiro, Aloysio Nunes Ferreira, acredita que esse número de votos está praticamente garantido – mas disse que o documento apenas permite o início de um processo, que é longo e não resultará necessariamente no afastamento da Venezuela.

“A suspensão da Venezuela exige o cumprimento de algumas etapas. Não é uma coisa que se pode decidir amanhã [terça-feira]”, disse o chanceler, em entrevista nessa segunda-feira (4). O afastamento de um membro da OEA requer o apoio de pelo menos 24 países – dois terços do total. “Espero que não seja preciso suspender a Venezuela. É ruim para a Venezuela, mas é ruim para a OEA também”.

A proposta de resolução não fala em “suspensão” – mas faz referência à “aplicação dos mecanismos para a preservação e a defesa da democracia”, previstos na Carta Democrática Interamericana. Essa carta – cuja função é garantir a democracia na região – determina que a ruptura da ordem democrática em um país pode resultar no seu afastamento da OEA.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, vem sendo acusado – tanto pela oposição venezuelana, quanto pela comunidade internacional – de ter avançado sobre os poderes Legislativo e Judiciário de seu país, para se manter no poder. No último dia 20, ele foi reeleito para um segundo mandato consecutivo, mas menos da metade do eleitorado votou. Os principais lideres opositores estavam na cadeia, no exilio ou estavam inabilitados para se candidatar. E os maiores partidos da oposição decidiram boicotar a votação para não legitimar o que consideram ter sido uma fraude.

O projeto de resolução que será votado hoje afirma que a eleição presidencial venezuelana “carece de legitimidade” porque não contou com “a participação de todos os atores políticos venezuelanos”, nem ofereceu as garantias necessárias para um “processo livre, justo, transparente e democrático”. Em discurso ontem, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse que o pedido de suspensão representa um “recado ao regime de Maduro” de que o país só será aceito pela comunidade internacional depois de realizar novas e “verdadeiras eleições” presidenciais.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, imediatamente respondeu que seu país não aceitaria ingerência externa. “O presidente da Venezuela se chama Nicolás Maduro Moros e ele foi eleito com 68% do apoio popular nas eleições de 20 de maio”, disse. “Não nos importa se os Estados Unidos ou qualquer outro país não reconheça os resultados”.

Na prática, a suspensão da Venezuela seria mais uma condenação política da comunidade internacional. No ano passado, Maduro anunciou que abandonaria a OEA, em protesto contra o que considera ser um complô internacional contra o regime socialista venezuelano, no poder há 18 anos.

Pompeo tambem pediu, além da suspensão, que os países exercam mais pressão sobre Maduro – incluindo sanções econômicas. Mas esse é um tema delicado. A hiperinflação, o desabastecimento e a radicalização politica ja expulsaram milhares de venezuelanos aos países vizinhos – especialmente ao Brasil e à Colombia –, que hoje sentem o impacto da crise humanitária.

(Agência Brasil/Foto – Marco Bello, da Reuters)

Homenageado, Moro ocupou camarote real em Mônaco

 

Homenageado na quarta edição do Brasil Mônaco Project, no último fim de semana, o juiz federal Sergio Moro foi recebido com honrarias no principado. Ele assistiu a um concerto no camarote real da Opera Garnier, no cassino Monte Carlo, ao lado do príncipe Albert 2º. Depois, participou de jantar e prestigiou um leilão beneficente.

O evento tem o apoio da realeza e já reverenciou personalidades como o ex-jogador Ronaldo. Convites para participar do ato foram vendidos por €1.000,00.

A organizadora do evento é Luciana de Montigny, mulher do cônsul de Mônaco. Um vídeo com detalhes da noite de homenagem a Moro foi postado nas redes sociais. Segundo convidados, os recursos arrecadados seriam destinados a uma fundação chamada “Butterfly”.

(Foto – Folhapress)

Ibama e Aprece vão criar brigadistas para combater incêndio florestal

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta terça-feira:

O Ceará registra, anualmente, muitas queimadas, fenômeno que, por conta dos seis anos de estiagem, ampliou-se. Se os casos se registravam mais no Sertão Central, hoje ocorrem em todas as regiões. É

o que revela o superintendente estadual do Ibama, Herbert Lobo, adiantando que, por causa de tal situação, o órgão vai fechar parceria com a Associação das Prefeituras do Ceará (Aprece) e oferecer cursos para a formação de brigadistas no combate a incêndios florestais.

O primeiro curso deve ser oferecido na segunda quinzena deste mês, com a meta de o Estado formar, até agosto próximo, 500 brigadistas. “Esse curso é fundamental. O Ceará vive sob a ameaça da desertificação. Nosso objetivo é preservar o bioma caatinga e nossos recursos hídricos”, explica Lobo. Os detalhes técnicos e burocráticos dessa parceria serão finalizados nesta semana.

Por falar em Ibama, o que de concreto o órgão tem feito com relação a algo que queima a paciência dos ambientalistas por anos: a pesca predatória da lagosta?

TSE põe para andar nova ação que pede cassação do registro do PT

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Admar Gonzaga, recebeu, no início de maio, um novo pedido de cassação do registro do Partido dos Trabalhadores. Está assinado por um cidadão chamado João Antonio Aires da Rocha, que se auto-intitula Pastor João Rocha. A informação é da Veja Online.

Ele aponta os argumentos de sempre para pedir a extinção do partido de Lula: pagamentos de propina, desvio de finalidade da agremiação, lavagem de dinheiro e etc, etc e etc.

A representação não deve dar em coisa alguma, mas Admar Gonzaga não quis nem saber e botou o processo para andar. No último dia 21, ele encaminhou a petição ao Ministério Público e pediu para a turma da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se manifestar na ação.

(Foto – Reprodução de TV)