Blog do Eliomar

Últimos posts

Chacina de Cajazeiras – Capturado na Bahia o 12º acusado

Trazido escoltado do interior da Bahia por policiais cearenses, chegou na tarde de quinta-feira, 5, a Fortaleza o baiano Fernando Alves de Santana, 26 anos. Ele seria o 12º acusado preso por autoria da Chacina das Cajazeiras, a maior já registrada no Ceará.

O POVO apurou que Fernando teve “participação ativa” — palavras de uma fonte envolvida diretamente na investigação — na execução de 14 pessoas, todas mortas a tiros dentro um forró no bairro Cajazeiras, na madrugada de 27 de janeiro deste ano. Teria sido um dos autores dos disparos contra parte das vítimas. Hoje completam-se 70 dias desde a data do massacre.

Fernando foi preso quarta-feira da semana passada, 28 de março. Logo após a chacina, teria fugido para Lençóis (BA), sua cidade natal, na região da Chapada Diamantina. Foi preso lá porque havia um mandado de prisão temporária contra ele, expedido durante a investigação do crime. Em Fortaleza, Fernando morava no bairro Itaperi.

Duas tatuagens grandes, um dragão espalhado nas costelas e uma árvore sob um luar no braço esquerdo, ajudaram no reconhecimento de Fernando. Desde a prisão, ele foi mantido no xadrez da Delegacia Regional de Seabra (BA), cidade vizinha a Lençóis. A polícia baiana teria avisado da captura às autoridades cearenses no dia seguinte.

A transferência do acusado para o Ceará foi feita sob sigilo. Três inspetores da Polícia cearense mais o delegado Ciro Lacerda, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), estiveram em Seabra na manhã da última quarta-feira, 4. Ontem, O POVO tentou apurar detalhes da prisão de Fernando, mas não conseguiu falar com os delegados Marcelo Matos Aguiar, titular em Seabra, e Ciro Lacerda, da DHPP cearense. O nome de Fernando consta como investigado no inquérito número 214/2018, conduzido pela DHPP, que corre em segredo de justiça e apura as circunstâncias, a motivação e os autores da chacina. Ele é membro da facção Guardiões do Estado (GDE), apontada como mentora das execuções. O Forró do Gago, onde aconteceram as mortes, era local frequentado por integrantes do Comando Vermelho, facção rival. Apesar disso, a maioria dos 14 mortos não tinha antecedentes criminais.

Além do inquérito sobre a chacina, Fernando responde a processo na 14ª Vara Criminal. Em setembro de 2017, ele foi preso em flagrante no bairro Montese, ao lado de Francisco Kelson do Nascimento. Cada um portava um revólver. Fernando foi solto em dezembro de 2017, para aguardar o andamento do processo em liberdade. Participou da Chacina das Cajazeiras menos de um mês depois. (Colaborou Demitri Túlio)

Um dos mandantes da chacina teria sido Deijair de Sousa Silva, 29, o Bedeca. Em 2015, ele comprou, por R$ 150 mil, um alvará de soltura concedido pelo Tribunal de Justiça. O caso é citado na operação Expresso 150, da Polícia Federal. Deijair foi preso em fevereiro.

Quatro chacinas

Além das 14 mortes nas Cajazeiras, houve registro de mais três chacinas em 2018 no Ceará: quatro mortes em Maranguape, dez na Cadeia Pública de Itapajé e sete no bairro Benfica, na Capital. PERFIS

Nove dos 14 executados na chacina das Cajazeiras eram mulheres – duas delas adolescentes. O mais velho, um ambulante, tinha 55 anos.

Três em fuga

Com a prisão e transferência para o Ceará do baiano Fernando Alves de Santana, agora ainda estariam foragidos pelo menos três acusados pela Chacina das Cajazeiras.

Sem crime

Até ser preso em flagrante pelo porte de um revólver calibre 38, em setembro do no ano passado, Fernando Alves não tinha nenhum antecedente criminal registrado.

(O POVO – Rep´rter Cláudio Ribeiro/Foto – Evilázio Bezerra)

Advogados negociam para que Lula seja preso neste sábado

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negociam com a Polícia Federal e a Justiça Federal como deve ocorrer a prisão do ex-presidente. Neste sábado (7), haverá missa em memória da esposa de Lula, Marisa Letícia, que comemoraria 68 anos na data. Somente após a missa é que a prisão deverá ocorrer.

Diversos apoiadores de Lula que circulam pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), disseram que já houve o ato político pelo fato de o ex-presidente não ter se apresentado à Polícia Federal dentro do prazo estipulado por Moro. Na ordem de prisão, Moro informou que o ex-presidente poderia ter se apresentado voluntariamente até as 17h de ontem (6) à Polícia Federal em Curitiba.

Mais cedo, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, disse que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “permanecerá junto com a militância” na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP) e que “exerceu a opção” de não se apresentar à Polícia Federal em Curitiba.

“Eu queria deixar claro que não há por parte do presidente Lula nenhum descumprimento da sentença do mandado de prisão expedido pelo juiz Sérgio Moro. Ele tinha a opção dada pelo juiz de ir até Curitiba. Não exerceu essa opção”, disse Gleisi.

Os militantes seguem do lado de fora do sindicato em vigília.

(Agência Brasil)

PF descarta prisão de Lula durante a madrugada

Policiais federais em Curitiba já garantem que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não será preso nesta noite ou na madrugada deste sábado. Segundo os agentes, ainda não há definição sobre quando a ordem será executada e as negociações continuam.

A Justiça Federal também acompanha as conversas, segundo os policiais. Eles reforçam que nada é decidido sem a ciência da Justiça. Uma mudança no local onde Lula cumpriria a pena para São Paulo, como o ex-presidente chegou a pedir, só seria efetivada com a anuência do juiz Sérgio Moro após pedido formal da defesa.

No prédio da Superintendência da PF em Curitiba, um helicóptero do órgão de Brasília está no local para se dirigir ao Aeroporto Afonso Penna, em São José dos Pinhais, e conduzir Lula até o local de sua cela. Para o deslocamento até Curitiba, um avião da PF está preparado no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

O efetivo da PF na Superintendência foi reforçado com policiais de outras delegacias da capital e do interior do Estado. A PF não revela a quantidade, mas diz que o efetivo ampliado será mantido enquanto Lula cumprir a pena no local.

O ex-presidente não deve se submeter a exame de corpo de delito ao chegar a Curitiba, acrescenta a equipe da PF. Uma ida dele ao Instituto Médico Legal (IML) só seria feita em caso de transferência para uma unidade prisional, como o Complexo Médico de Pinhais.

(Agência Estado)

Tasso diz que filiação de Danilo Forte é “força moral”

614 1

O senador cearense Tasso Jereissati participou nesta sexta-feira (6) da filiação do deputado Danilo Forte ao PSDB.

“Participamos da filiação do deputado federal Danilo Forte ao PSDB cearense. Trata-se de uma força jovem, de um dinamismo muito grande, e um quadro que dá ao nosso partido força não só eleitoral, mas força moral”, comentou Tasso, por meio do Facebook.

(Foto: Divulgação)

Fachin pede que Cármen Lúcia decida relator de novo recurso de Lula no STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu hoje (6) que cabe à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, decidir qual integrante da Corte deve relatar o novo recurso no qual a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenta suspender a decisão do juiz federal Sérgio Moro, que determinou a execução provisória da pena de 12 anos de prisão na ação penal do tríplex do Guarujá (SP).

A defesa havia pedido que o recurso fosse encaminhado para o ministro Marco Aurélio, que é contra a prisão em segunda instância, no entanto, a seção responsável pela distribuição das ações entendeu que o caso deveria ser relatado por Fachin, que também atuou em outros casos envolvendo o ex-presidente.

Na reclamação, a defesa de Lula sustenta que Moro não poderia ter executado a pena de prisão porque não houve esgotamento dos recursos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), segunda instância da Justiça Federal. Para os advogados, a decisão do STF que autorizou, em 2016, as prisões após segunda instância, deve ser aplicada somente após o trânsito em julgado no TRF4.

Ontem (5), ao determinar a prisão, Moro explicou que, embora caiba mais um recurso contra a condenação de Lula, os chamados embargos dos embargos, a medida não poderá rever os 12 anos de pena. “Não cabem mais recursos com efeitos suspensivos junto ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Não houve divergência a ensejar infringentes. Hipotéticos embargos de declaração de embargos de declaração constituem apenas uma patologia protelatória e que deveria ser eliminada do mundo jurídico. De qualquer modo, embargos de declaração não alteram julgados, com o que as condenações não são passíveis de alteração na segunda instância”, explicou.

(Agência Brasil)

Walter Cavalcante volta ao aconchego do MDB

Dois anos e um mês após deixar o MDB (então PMDB), o deputado estadual Walter Cavalcante retorna ao “aconchego” do partido liderado pelo presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira. Foi o próprio senador cearense que abonou a ficha de refiliação de Cavalcante, nesta sexta-feira (6).

O deputado estadual havia ingressado no Partido Progressista (PP), como forma de receber apoio para a eleição do irmão Frota Cavalcante à Câmara Municipal de Fortaleza, eleito pelo PTN.

(Foto: Divulgação)

Novo ministro da Fazenda terá apoio total do presidente, diz Meirelles

O novo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, terá o apoio total do presidente Michel Temer para continuar a reestruturar a economia brasileira, disse hoje (6) o titular da pasta, Henrique Meirelles, ao anunciar que deixará o cargo. Segundo Meirelles, ainda persistem desafios para a equipe econômica que deverão ficar a cargo do futuro ministro.

“A crise está superada, mas ainda há coisas a serem enfrentadas. Esse legado não pode ser perdido, nem esquecido. Precisamos persistir neste caminho que levou o país à rota do crescimento. É preciso perseverança e coragem. O novo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, vai garantir que essa política continue”, declarou Meirelles.

Em entrevista após o pronunciamento de despedida, Meirelles disse ter conversado com o presidente Temer duas vezes hoje. Na primeira, durante a manhã, comunicou ao presidente a decisão de deixar o cargo, que, segundo Meirelles, ainda não tinha sido formalizada. Na segunda vez, por volta das 14h, foi ao Palácio do Jaburu acompanhado de Guardia para oficializar a substituição.

Segundo o ministro, apesar de a reforma da Previdência não ter sido votada e de várias medidas provisórias de ajuste fiscal estarem perdendo a validade, a equipe econômica continuará trabalhando para que o Congresso aprove dois projetos importantes para o governo nos próximos meses: a privatização da Eletrobras e a simplificação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

O principal desafio de Guardia, destacou Meirelles, consistirá em manter a recuperação do emprego e cumprir a previsão de o país fechar o ano com a criação de 2,5 milhões de postos de trabalho. “O fato concreto é que o trabalho continua. O importante é que mudamos a direção. Estávamos indo para um caminho que levava à recessão”, comentou o ministro.

Meirelles confirmou hoje que deixará o Ministério da Fazenda para disputar as eleições deste ano. Filiado ao MDB, o ministro não disse a qual cargo pretende concorrer. Ao se despedir da função, Meirelles ressaltou que ajudou a tirar o país de duas crises econômicas em governos diferentes. Ele destacou a aprovação do teto federal de gastos como “fundamental” para recuperar a confiança dos agentes econômicos.

“A crise econômica prejudica o dia a dia das pessoas. Tira comida do prato dos mais pobres, diminui a capacidade de compra das famílias e cria desemprego. Tira esperança das pessoas. Minha função no Banco Central [governo Lula], assim como na Fazenda, foi ajudar o Brasil. Encontramos desemprego, inflação, perda de renda e falta de respeito com os pagadores de imposto”, comentou.

(Agência Brasil)

Vem aí concurso público para promotor de justiça do Ceará

Aprovada, nesta sexta-feira, pelo Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça do Ministério Público do Estado do Ceará, a proposta de abertura de concurso público para promotor de Justiça. São 52 vagas para membros de entrância inicial. O concurso suprirá esta carência e as que surgirem dentro do prazo de validade do certame. A informação é da assessoria de imprensa do MPCE.

O processo seguiu para a Assessoria de Desenvolvimento Institucional (ASDIN), que prevê a execução do concurso ainda em 2018. Segundo o procurador-geral de Justiça, Plácido Rios, existem, atualmente, 74 cargos vagos na instituição, nas entrâncias inicial, intermediária e final.

“Isto representa um prejuízo considerável aos trabalhos do MP no Estado do Ceará. Muitos colegas respondem pelo trabalho de vários municípios ocasionando um desequilíbrio no atendimento às demandas sociais afetas ao MP, o que será corrigido com o concurso em pauta”, disse.

O MPCE contratará uma empresa terceirizada por meio de licitação para realizar o concurso. O Conselho Superior do Ministério Público elaborará o edital e formará uma Comissão interna para acompanhar os procedimentos. O último concurso público do MP cearense aconteceu em 2011.

MPF denuncia 12 pessoas por fraudes na licitação das obras do estádio de Brasília

O Ministério Público Federal no Distrito Federal (MPF/DF) apresentou nesta sexta-feira (6/03) três denúncias contra 12 pessoas investigadas no âmbito da Operação Panatenaico. Deflagrada em maio de 2017, a operação apura irregularidades na reforma do Estádio Nacional de Brasília, tendo como alvo um cartel de empreiteiras que burlaram e fraudaram a licitação da obra.

De acordo com o MPF, o cartel beneficiou as empreiteiras Andrade Gutierrez e Via Engenharia, que formaram o consórcio vencedor da licitação. Na época, a Polícia Federal enviou à Justiça Federal um relatório no qual pedia o indiciamento dos ex-governadores do Distrito Federal Agnelo Queiroz e José Roberto Arruda, bem como do ex-deputado federal e ex-vice-governador do Distrito Federal, Tadeu Fillipelli.

As 12 pessoas denunciadas, caso a Justiça autorize a abertura de processo, deverão responder por crimes como os de organização criminosa, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e fraude à licitação. Os nomes dos investigados não foram divulgados devido a impedimentos jurídicos decorrente do sigilo dos termos de colaboração de executivos da Andrade Gutierrez.

Em agosto do ano passado, a Polícia Federal indicou um sobrepreço de R$ 559 milhões nas obras, que teria sido criado para compensar os pagamentos das vantagens financeiras indevidas aos agentes públicos, além de majorar o lucro impróprio das empreiteiras.

(Agência Brasil)

Ciro Gomes: “Não sou puxadinho do PT e não serei jamais!”

O pré-candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes, rebateu críticas de não ter participado de um ato político em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última segunda-feira no Rio de Janeiro. “Não sou puxadinho do PT e não serei jamais. Nos últimos 16 anos eu apoiei o Lula sem faltar um dia. Eles que façam dessa história o que eles quiserem fazer”, disse. Perguntado por jornalistas se poderia ser o candidato apoiado pelo PT nas eleições presidenciais deste ano, Ciro avaliou que não é provável, porque a natureza do Partido dos Trabalhadores é de ter sempre um representante da legenda para o pleito.

Para Ciro, é preciso resgatar a serenidade na política e o diálogo a fim de acabar com a polarização nacional nesta área. “As instituições brasileiras já estão em frangalhos. Há um quadro generalizado de anarquia no País, que se caracteriza por votações exóticas do Judiciário, por opiniões absolutamente ilegais e arbitrárias de comandantes das Forças Armadas e a desobediência de parte dos políticos da lei e das regras”, apontou. Ele defendeu sua candidatura a presidente da República e apontou que é preciso “desratizar” o País, numa referência ao fim da impunidade de atos de corrupção no setor público.

Ciro criticou os comentários do comandante do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, que na terça-feira fez um comentário de “repúdio à impunidade” antes da votação do STF sobre habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Imagino que o general comandante do exército quis expressar por sua própria boca, o que é impertinente, a tentativa que a cadeia de comando permaneça íntegra sob sua liderança, ele falando subordina todos os outros pelo seu comando”, disse. “É ruim que uma República a essa altura como a nossa ainda tenha que ouvir pito público de militar. Isso é coisa que ficou para republica de banana nos anos 1960.”

Injustiça política

Na avaliação de Ciro Gomes, os cidadãos no Brasil, em geral, não se consideram protegidos pela Justiça. “Há um notório desequilíbrio entre aquilo que amargamente se imputa ao Lula nos prazos tão ágeis quanto se estão impondo, e aquilo que se faz à corrupção notória de certos figurões do PSDB. O País inteiro sente e eu sinto a mesma coisa.”

Ele afirmou que os brasileiros devem acompanhar o debate político no País e expressar suas opiniões de forma pacífica pelas redes sociais. “Vá às manifestações que forem corretas de ir, mas não se precipite porque o mundo político não merece que ninguém morra por si”, destacou. “O mundo político é assim mesmo. É feito de contradições e no fundo a gente acaba achando uma saída”, ressaltou.

Ciro Gomes avaliou com ironia a participação do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa nas eleições presidenciais deste ano. “Quando a gente começa a ver juiz dando entrevista demais, se exibindo demais, a gente já sabe que o que ele quer é entrar para a política. Isso é uma impertinência, mas seja bem-vindo.”

O pré-candidato à presidência do PDT apontou que a insistência do PT em manter a candidatura ao Palácio do Planalto de Lula pode trazer incertezas políticas ao País. “Gera uma instabilidade grave na sociedade brasileira, e, portanto, também em um dos seus aspectos que é a vida econômica.” Ele fez os comentários depois de participar da Brazil Conference 2018 realizada em Harvard e MIIT.

(Agência Estado)

MPF encaminhou documento pedindo prisão de Lula para evitar “sensação de onipotência”

O Ministério Público Federal (MPF) havia encaminhado nesta quinta-feira (5) ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, um documento no qual pedia que a ordem de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fosse publicada “com urgência”. No texto, o procurador Mauricio Gotardo Gerum justifica que o político tem uma “sensação de onipotência” e que semeia “o descrédito no Poder Judiciário” e cita uma nota do PT que contesta as decisões judiciais referentes ao caso do triplex. A informação é do Portal G1.

A petição foi publicada inicialmente em sigilo, no início da tarde. Horas depois, o TRF-4 encaminhava a autorização para a execução da pena à Justiça Federal em Curitiba, que determinou prisão. Embora tenha havido um pedido do MPF, isso não significa, necessariamente, que ao encaminhar a autorização à primeira instância o TRF-4 tenha atendido esse pedido. No documento do TRF-4, não há menção ao MP – o texto apenas cita que foram exauridas as possibilidades de recurso em segunda instância e que o Supremo Tribunal Federal (STF) negou o habeas corpus preventivo.

A petição cita uma nota divulgada pelo site oficial do PT, segundo a qual a “Constituição foi rasgada”. “Embora a pessoa do réu não se confunda com a do partido, e não se discuta a liberdade de expressão, é evidente que se trata de uma ação orquestrada, da qual Luiz Inácio participa ativamente, com dois objetivos básicos; evitar a prisão do prócer do partido, e o cumprimento de sua pena, e viabilizar sua candidatura à Presidência da República”, diz Gerum.

O procurador, no texto, afirma que o ex-presidente “tem invariavelmente utilizado sua grande capacidade de articulação política para enfrentar, de forma ostensiva e acintosa, a ação penal e as condenações que sofreu”. Gerum considera o caso de Lula “singular”, por ele ter uma “exitosa trajetória de vida”, além do “carisma pessoal incomparável” e o histórico de ter sido presidente por dois mandatos.

“Não se critica o inconformismo natural a qualquer réu que não aceita a pena que lhe é imposta, mas sim a utilização de uma estrutura partidária para dar vazão, com ampla repercussão na imprensa, a palavras de efeito que nada mais fazem do que semear o descrédito no Poder Judiciário, com o único propósito de garantir a impunidade dos crimes pelos quais foi condenado”, diz um trecho da petição.

A pena definida pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) é de 12 anos e 1 mês de prisão, com início em regime fechado, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Lula tem até as 17h desta sexta-feira (6) para se apresentar voluntariamente à sede da Polícia Federal em Curitiba, determinou Moro. O juiz vetou o uso de algemas “em qualquer hipótese”.

(Foto – Werter Santana – Estadão)

Prefeito em exercício Salmito Filho tem conversa com presidente da CDL

Reinaldo Salmito, Salmito Filho, Assis Cavalcante e Ferruccio Feitosa. 

O prefeito em exercício Salmito Filho (PDT) esteve, nesta sexta-feira, conversando com o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Assis Cavalcante.

Durante o encontro, a CDL discutiu uma pauta do interesse do comércio e aproveitou para fazer queixas sobre a nova legislação acerca do aumento das taxas de alvarás.

Salmito Filho esteve no encontro acompanhado dos secretários Ferruccio Feitosa (Regional II) e Reinaldo Salmito (Coordenadoria Especial de Programas Integrados).

Os gestores participavam do Seminário “Governança e Gestão Territorial em Fortaleza”, promovido pela Prefeitura e que aconteceu no auditório da CDL.

(Foto – CDL)

Lula não é considerado foragido, diz Justiça Federal

Após o fim do prazo determinado pelo juiz federal Sérgio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é considerado foragido. A assessoria de imprensa da Justiça Federal no Paraná esclareceu que Moro concedeu a oportunidade de ele se entregar à Polícia Federal e, por isso, mesmo após as 17 horas, ele não é tratado como foragido da Justiça.

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Luís Antônio Boudens, que se reuniu hoje (6) com o superintendente da Polícia Federal no Paraná, delegado Maurício Valeixo, explicou que Lula não é considerado foragido porque não há componentes de fuga. “A condição de foragido é específica. Tem que haver componentes de fuga, de rejeição de apresentação. Terminou o prazo para que ele se apresente voluntariamente. Como não aconteceu, o mandado será cumprido.”

Boudens se reuniu com o superintendente para pedir reforço na segurança dos agentes que devem cumprir o mandado de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo ele, a ordem de prisão do juiz Moro foi muito rápida e não houve tempo hábil para que os policiais planejassem a execução do mandado.

“Para a nossa avaliação, foi uma surpresa esse mandado. Apesar de avaliarmos que os ritos legais foram seguidos, nós vimos uma celeridade no procedimento padrão que o TRF4 vem adotando. Essa celeridade tem aspectos positivos e negativos. Não sob o ponto de vista processual, mas sob o ponto de vista do cumprimento e da execução. Nós temos que estar preparados para que tudo transcorra da melhor forma possível”, disse.

Segundo Boudens, outro assunto discutido na reunião com o superintendente foi a manutenção dos serviços à população na sede em Curitiba, como a expedição de passaportes. “Nossa preocupação apresentada aqui para o superintendente foi de manter todos os serviços para não prejudicar nem os policiais nem os cidadãos que buscam o serviço da Polícia Federal”, acrescentou.

(Agência Brasil)

Lula não se entrega e quer participar de missa em memória de sua mulher, dona Marisa

O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) quer participar de uma missa em memória de sua mulher, dona Marisa Letícia, neste sábado, dai não ter se entregue à Polícia Federal.

Segundo a cúpula petista, ela estaria fazendo 68 anos de idade na data e Lula quer homenageá-la. O ato deve ocorrer em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, em São Paulo.

PF negocia com defesa para que Lula se entregue

O delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula informou, há pouco, que a instituição negocia com a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele se apresente. De acordo com o delegado, não está descartada o prosseguimento da negociação mesmo após o fim do prazo estabelecido pela Justiça, às 17 horas. A informação é do Estado de Minas.

O delegado disse que a intenção é evitar confrontos, já que o ex-presidente está no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC cercado por apoiadores. Igor de Paula acrescentou que é remota a chance de a Polícia Federal entrar no sindicato para prender o ex-presidente.

A declaração do delegado foi feita após uma reunião entre a Polícia Federal e representantes da Secretaria de Segurança Pública do Paraná.

Enquanto Lula não se entrega, manifestantes fazem passeata em Fortaleza em favor do petista

Enquanto o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) não se entrega à Polícia Federal, em Fortaleza aumenta número de manifestantes a favor do petista. Há uma passeata que saiu da Praça da Gentilândia e se destina a cumprir o roteiro avenida da Universidade-Domingos Olímpio.

Há expectativa de que Lula faça um pronunciamento ainda nesta sexta-feira.

(Repórter Wanderson Trindade)

Lula não se entrega à PF

O ex-presidente Lula não se entregou. O prazo para o início do cumprimento do mandado de prisão terminou as 17 horas. O petista continua na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do campo (SP).

Em vários pontos do País, há manifestações a favor de Lula. Em Fortaleza, o ato acontece na Praça da Gentilândia, no bairro Benfica.

(Fotos – Reprodução de TV e D. Moura)

Ministro do STJ nega habeas corpus para Lula

O ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou na tarde desta sexta-feira (6) um novo habeas corpus apresentado de manhã pela defesa de Luiz Inácio Lula da Silva que tinha o objetivo de evitar a prisão do ex-presidente. A informação é do Portal G1.

Na decisão, o ministro pediu ao Ministério Público para se manifestar sobre o pedido, que ainda será analisado no mérito – análise mais profunda – pela Quinta Turma do STJ, formada também pelos ministros Jorge Mussi, Reynaldo Soares da Fonseca, Ribeiro Dantas e Joel Ilan Paciornik. Ainda não há data para essa decisão.

A defesa de Lula também poderá agora apresentar um novo habeas corpus junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) contestando a decisão de Fischer.