Blog do Eliomar

Últimos posts

BNB fecha 2018 com mais de R$ 43 bilhões aplicados

O Banco do Nordeste fechou 2018 com R$ 43,3 bilhões aplicados em sua área de atuação (regiões Nordeste e norte dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo). Em todo o ano, foram investidos R$ 32,6 bilhões com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), principal fonte de recursos da instituição. Também foram contratados R$ 10,7 bilhões com crédito de curto prazo, das quais R$ 8,9 bilhões por meio do programa de microcrédito urbano orientado do BNB, o Crediamigo. A informação é da assessoria de comunicação do banco.

Em comparação com 2017, o BNB aplicou mais que o dobro com recursos do FNE, ou seja, um crescimento de 104%. Do total, R$ 16,4 bilhões foram destinados a projetos do setor de infraestrutura, com foco em iniciativas em áreas estruturantes para o desenvolvimento regional, a exemplo de geração de energia, principalmente eólica e fotovoltaica, distribuição e transmissão de energia, saneamento básico e infraestrutura aeroportuária.

Ao todo, foram 4,9 milhões de operações de crédito realizadas no período, grande parte com o segmento de microcrédito urbano – 4,2 milhões de contratações pelo Crediamigo -, o que beneficiou mais de 2,1 milhões de microempreendedores em toda a área de atuação do Banco. Por sua vez, o programa de microcrédito rural orientado, o Agroamigo, que utiliza recursos do FNE, investiu R$ 2,5 bilhões, perfazendo 506,7 mil contratações.

Ceará

No Ceará, o Banco do Nordeste fechou 2018 com a contratação de 74,6 mil operações de crédito com recursos do FNE, o que totaliza o montante de R$ 3,9 bilhões aplicados no Estado. Desses, R$ 1,7 bilhão foi direcionado para projetos de infraestrutura. Já as empresas de grande porte fizeram jus a R$ 713 milhões do total aplicado com o funding. A segunda maior parcela foi concedida às micro e pequenas empresas, que contrataram o equivalente a R$ 486,1 milhões. Já com os agricultores familiares atendidos pelo Agroamigo foram contratados R$ 309,9 milhões em crédito. Afora os recursos do FNE, também foram aplicados no Estado R$ 2,8 bilhões pelo Crediamigo.

Dólar fecha em queda e Bolsa bate recorde pelo segundo dia consecutivo

O dólar fechou em queda nesta quinta-feira (3), segundo dia funcionamento da B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, neste ano. A moeda norte-americana ficou em R$ 3,7542, uma variação negativa de 1,43%.

No segundo dia de operação da Bolsa de São Paulo neste ano, o dólar fechou a R$ 3,7542 – Arquivo/Agência Brasil
O Ibovespa, indicador de desempenho das ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo, fechou o dia com alta de 0,61%, totalizando 91.564 pontos, batendo novo recorde nominal do ano. O recorde anterior, de 91.012 pontos, foi registrado ontem (2).

Os papéis com melhor desempenho no pregão de hoje foram: Sabesp (alta de 7,71%), Eletrobras PNB (alta de 6,01%) e Eletrobras (alta de 5,98%).

(Agência Brasil)

“Não vamos negociar com criminosos, vamos partir para o confronto”, diz general Theophilo

495 2

Recém-empossado secretário nacional da Segurança Pública, o general Guilherme Theophilo disse que tem tropas à disposição para enfrentar a onda de ataques a bancos, ônibus e equipamentos públicos no Ceará. Nesta quinta-feira, 3, o governador Camilo Santana (PT) informou que já conversou com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, em busca de apoio no combate aos atentados no Estado. Ele solicitou ajuda da Força Nacional de Segurança, do Exército e da Força de Intervenção Integrada (FIPI).

Em entrevista ao O POVO Online, o general informou que o Governo Federal já esperava ações de facções criminosas em represália à posse de Jair Bolsonaro (PSL). Segundo ele, tropas federais foram previamente preparadas. “Havia realmente o indicativo de que os presídios e as facções vão querer tumultuar o governo do presidente, que nunca escondeu que vai combater severamente as facções criminosas”, disse.

Ele ainda minimizou a relação entre os atentados e a declaração do secretário da Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, na última quarta-feira, 2. O chefe da nova pasta do governo de Camilo Santana disse, ao tomar posse, que não reconhece facções e que os detentos do Estado não serão mais divididos por vínculo com organizações criminosas. “O secretário é um homem disciplinador e tenho consciência de que vai, junto com nosso secretário da Segurança (André Costa), atuar com muita correção de atitudes, dentro do que prescreve a lei”, ressaltou.

Instigados ou não pela fala do novo secretário, desde a noite de quarta-feira, 2, criminosos estão colocando em prática as ações contra o Estado. No caso mais ousado, eles tentaram derrubar o viaduto do Metrópole, em Caucaia, na BR-020. Pelo menos outros 20 ataques foram registrados em menos de 24 horas. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), doze pessoas já foram autuadas pelos crimes, sendo quatro adolescentes.

Enfrentamento

O secretário nacional da Segurança Pública revelou ainda que a orientação é de enfrentamento. “Não vamos abaixar a cabeça, nem negociar com criminoso, vamos partir para o confronto que eles realmente nos impuserem”, afirmou. Ainda de acordo com ele, a situação nas unidades prisionais em outros estados é monitorada pelo Governo Federal.

Camilo Santana e Guilherme Theophilo se enfrentaram na disputa ao Palácio da Aboliação nas últimas eleições. O petista saiu vitorioso, com 79,95% dos votos. Já o general foi normeado para o cargo nacional com a vitória de Bolsonaro. Durante a campanha, o militar foi ferrenho crítico da gestão do governador. Ele chegou a afirmar que “falta autoridade” no Estado. “Nós temos que impor ao crime organizado a aplicação severa da lei. O que está acontecendo é que a população está acuada dentro de sua residência e o crime organizado transitando em liberdade pelo nosso estado”, criticou à época.

Apoio nacional

Quando Camilo Santana oficializar o pedido de apoio e enviar ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, o Gabinete de Segurança Institucional também deve avaliar a solicitação. São considerados, por exemplo, a quantidade de agentes e o número de viaturas requeridos. “Mas vamos apoiar, não tenha dúvida, e vamos ver a maneira mais rápida de fazer isso”, disse Theophilo.

O general ainda ressaltou que a ação da Força Nacional no Ceará deve ser facilitada com a posse, na tarde da próxima sexta-feira, 4, do novo comandante da tropa, o coronel da PM Antônio Aginaldo de Oliveira. Ele será o primeiro nordestino a comandar a Força Nacional. Até então, ele atuava como comandante do Batalhão de Policiamento Especializado (BPE) da Polícia Militar do Estado do Ceará.

Ataques orquestrados

Conforme O POVO Online revelou, a ordem para os ataques teria partido de dentro da Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL) I, em Itaitinga. A teoria é a principal linha de investigação trabalhada pelas coordenadorias de Inteligência das Secretarias da Segurança Pública e Defesa Social (Coin-SSPDS) e da Secretaria da Administração Penintenciária (Coint-SAP).

Pouco depois das primeiras confirmações de incêndios a ônibus e detonação da coluna do viaduto, líderes da facção Comando Vermelho (CV), na CPPL I, foram retirados de celas conjuntas e postos em isolamento. A reportagem apurou que as autoridades penitenciárias e de segurança estariam atribuindo o comando das investidas a um traficante preso naquela unidade. Ele seria o chefe da distribuição e venda de drogas em cidades do Litoral Leste (Pindoretama, Cascavel, Beberibe), no lado Sul da Capital e em parte de Caucaia – onde fica o viaduto atacado.

(O POVO Online / Repórter Igor Cavalcante)

Governador diz que caso Marielle pode ser encerrado em breve

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse hoje (3) que não vê sentido em mudar os responsáveis pela investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 14 de março do ano passado. Segundo Witzel, o caso deve ser encerrado em breve.

“Pelo que o delegado me falou, em termos de colheita de prova, ele já está avançado. Então, não tem sentido mudar. Acredito que ele vai dar, sim, um encerramento a esse caso em breve”, disse o governador, que inaugurou os programas Tijuca Presente e Ipanema Presente, para reforçar a segurança nos dois bairros.

Mais uma vez, Witzel defendeu a reestruturação da Polícia Civil, afirmando que é preciso deslocar delegados para forças-tarefa concentradas em investigar homicídios e também para delegacias de locais como São Gonçalo e Baixada Fluminense.

Para o governador, essa reorganização vai aumentar a capacidade de investigação e reduzir a impunidade dos assassinos. “Matou, tem que ser preso logo em seguida. Não pode demorar muito para prender. Quem está matando tem que saber que não vai ter mais como se esconder. Com isso, vamos reduzir sensivelmente os homicídios aqui no Rio de Janeiro.”

(Agência Brasil)

Primeiros atos de Bolsonaro

Da Coluna Política, no O POVO desta quinta-feira (3), pelo jornalista Érico Firmo:

1) Sinais positivos na economia: o primeiro dia de governo Jair Bolsonaro (PSL) deixou o mercado eufórico. A Bolsa de Valores bateu recorde histórico e o dólar caiu. Era previsível a animação dos setores econômicos com o novo governo. Os sinais foram de continuidade de medidas do governo Michel Temer (MDB) e indicativos de reforma. O discurso de Paulo Guedes e outros gestores que assumiram os cargos foram na linha exata do que os investidores queriam ouvir.r

Se Bolsonaro for bem-sucedido na economia, terá aprovação. A pauta conservadora tem apoio da população. A questão é a capacidade de gerar emprego e fazer o País crescer. Para isso a aposta é alta. Guedes falou em abandonar a “legislação fascista da CLT”. A lei trabalhista mudou há pouco mais de um ano e a promessa dourada de geração de empregos até agora não aconteceu. Outra ideia do governo é ter critérios mais rígidos para aposentadorias. São duas questões muito delicadas. Se não trouxerem, e rápido, os resultados de crescimento e emprego, haverá custo político alto.

O primeiro passo de Bolsonaro na economia foi muito positivo para ele. Porém, tudo que houve foram acenos. Reflexo da confiança injetada. Porém, o efeito é efêmero se não tiver consistência – vide o que aconteceu com Michel Temer (MDB), que entregou a economia bem aquém do que se anunciava à época do impeachment.

2) População LGBT e diversidade: medida provisória publicada ontem retirou a população LGBT das diretrizes de direitos humanos. Pelos dados mais recentes, relativos a 2017, o Brasil teve uma pessoa assassinada por homofobia a cada 19 horas. O desmonte de políticas públicas para o combate ao preconceito envolve a vida e a morte das pessoas. Não se trata de futrica de rede social. É seríssimo o que está sendo feito.

3) Educação e inclusão: com fim anunciado a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão era responsável pela inclusão escolar levando em conta questões de raça, cor, etnia, origem, posição econômica e social, gênero, orientação sexual, deficiências, condição geracional e outras que possam ser identificadas como sendo potenciais fatores de exclusão. Do bullying à violência, passando pela miséria, são muitos os fatores que afetam o desempenho escolar e a própria frequência à sala de aula. O governo trata questões sérias com a ótica de que isso é mimimi e age como quem escreve textão no Facebook.

4) Indígenas, quilombolas e agronegócio: simples entender o que significa entregar a demarcação de terras indígenas e quilombolas ao Ministério da Agricultura. Com o assunto na Funai, a prioridade eram os indígenas. No Incra, os quilombolas. Na Agricultura, as demarcações obedecerão à lógica não dos segmentos sociais, mas dos produtores rurais.

Bom, mas Bolsonaro disse antes da eleição e repetiu depois de eleito: “No que depender de mim, não tem mais demarcação de terra indígena”. Bom, então pouco importa mesmo quem ficará responsável pelo assunto, não é?

5) PT erra feio: é errada na imagem que transmite e na estratégia que adota a recusa do PT ao diálogo com o governo. Tem razão o líder do partido, deputado Paulo Pimenta, quando afirma que o convite ao diálogo não condiz com o comportamento do presidente. O aceno partiu do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Ocorre o seguinte: por um lado, fica antipático perante a opinião pública dizer que não vai dialogar. Independentemente de todo o contexto, houve um chamamento a conversar. A oposição é minoritária. Ao dizer que não quer conversa, puxa para si ao menos parte da imagem de intransigência. Reforça a imagem de que são semelhantes, apenas com sinais trocados. A recusa a conversar é um favor do PT a Bolsonaro.

Acho que a oposição já errou ao boicotar a cerimônia de posse. Goste-se ou não de tudo que Bolsonaro representa, desde terça-feira, ele passou a representar mais do que o próprio pensamento. Expressa, também, a posição que a maioria dos eleitores escolheu. Cabe respeitar. Em 2014, a então oposição também boicotou, embora não em bloco, a posse de Dilma Rousseff (PT). Aécio Neves, Aloysio Nunes Ferreira (ambos PSDB) e Agripino Maia (DEM) puxaram as ausências. Errados estavam também.

O erro vai além da imagem que transmite. Estrategicamente, a oposição tem mais chances de conseguir interferir e mudar algo nos projetos do governo se sentar à mesa para negociar do que na disputa voto a voto. Se o PT quiser ter alguma voz nas decisões, seria melhor sentar e conversar. Caso queira apenas jogar para a plateia, também foi mal, pois saiu antipático.

Governo vai revisar contratações e demissões de comissionados

O governo federal vai revisar as contratações e demissões de funcionários públicos comissionados, bem como a movimentação financeira dos ministérios nos últimos 30 dias. O anúncio foi feito pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, após a reunião do presidente Jair Bolsonaro com sua equipe ministerial hoje (3) pela manhã.

Segundo Onyx, os ministros terão de apresentar um relatório com o fluxo das contratações, demissões e transferências, assim como da movimentação financeira.

“Verificamos que houve uma movimentação incomum de exonerações e de nomeações, nos últimos 30 dias, assim como houve uma movimentação incomum de recursos destinados a ministérios, também nos últimos 30 dias”, afirmou o ministro.

Diante desse cenário, a orientação de Bolsonaro foi que os ministros façam uma revisão “pasta por pasta” da movimentação no mês passado.

“Particularmente dos últimos 15 dias, porque o alto volume da movimentação financeira causou estranheza. O presidente quer um relatório de cada um, para ver para onde foi o dinheiro, por que foi feito e se tem suporte para ter sido feito”, disse.

Antes da posse de Bolsonaro, a equipe de transição havia anunciado a revisão dos atos normativos e das medidas editadas nos últimos 60 dias do governo anterior. A orientação estava na Agenda de Governo e Governança Pública, apresentada no dia 27 de dezembro. A intenção era avaliar a “aderência” das iniciativas aos compromissos do governo Bolsonaro.

(Agência Brasil)

Camilo recorre a Sergio Moro e pede apoio da Força Nacional

242 1

Imagem relacionada

Após onda de ataques a coletivos no Ceará, o governador Camilo Santana (PT) anunciou agora há pouco, em sua página no Facebook, que pediu apoio do Governo Federal, através do reforço de homens da Força Nacional de Segurança, Exército e Força de Intervenção Integrada (FIPI), para trabalhar em conjunto com os profissionais cearenses na resolução da crise.

“Conversei por telefone, hoje pela manhã, com o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, que se colocou à inteira disposição para o apoio necessário, e a quem agradeço”, disse o governador, em mensagem divulgada nas redes sociais.

“Sobre as ações criminosas registradas no Ceará nas últimas horas, informo que todas as medidas estão sendo adotadas pelo Governo do Estado, através das nossas Forças de Segurança, para proteger a população e coibir a ação dos criminosos”.

(O POVO Online)

O Réveillon da terra do Padim Ciço

Com o título “Na virada, um mar…”, eis artigo de Cristina Holanda, historiadora e presidente da Fundação Memorial Padre Cícero. Ela aborda o Réveillon de Juazeiro do Norte e suas contradições e peculiaridades. Confira:

No Juazeiro do Norte, o ritual da “virada” de um ano inclui reunir a parentada e amigos, seja na pequena área rural ou na cidade. Cada esquina um estilo de música, com as cadeiras e mesas nas calçadas. Ou debandar para os passeios nas praças, restaurantes e bares, abertos em profusão, por todos os cantos.

Quem quer ambientes mais sofisticados e restritos, vai para a Lagoa Seca, essa “Aldeota” que em nada consegue dialogar com outros bairros, muito menos os periféricos que, aliás, interrompem as Festas de Reis, iniciadas perto do Natal, nesse último dia do ano, e até as tradicionais Renovações, para dar passagem ao ano vindouro. Aqui também investem no réveillon, sob os mesmos argumentos da capital: marketing cultural, promoção turística, geração de ocupação e renda. Fazem a queima de fogos e organizam os shows de forró e sertanejo que tocam em todo País, na principal praça da cidade, com decoração natalina, de presépio a trenó de Papai Noel.

O logradouro que leva o nome do patriarca local é o deleite de inúmeros romeiros que são, há tempos, seu principal público, a despeito do grande número de pessoas que ainda fixa residência no perímetro central, onde está o intenso comércio popular. Tem quem queira ficar mais perto do Padim e vai aguardar a passagem de ano no Horto, abandonando o sacrifício pela contemplação festiva. Alguns optam pelo grande restaurante, quase ao lado da estátua, com vista panorâmica, criado há algum tempo.

Mas há os que buscam lugares ermos como a Pedra do Vento, de clima ameno e paisagem bucólica, que atrai pessoas de todas as tribos e cultos, inclusive os que afirmam ser o Juazeiro “de Jesus” e não somente do Padre Cícero.

Seja de onde for, a visão noturna, do alto do Horto, é impressionante. Outro oceano, feito de luzes cintilantes, nos banha por todos os lados. Nessa data, esse “mar” ganha um colorido especial e saltitante, em razão dos fogos de artifício em diversos pontos do território juazeirense e das cidades vizinhas, como outro ritual de “passagem”, sem que a gente saiba com exatidão onde começa e termina o espetáculo de cores e sons.

*Cristina Holanda

crisrholanda@gmail.com

Historiadora e presidente da Fundação Memorial Padre Cícero.

Guedes deve apresentar proposta de reforma da Previdência até a próxima semana

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vai apresentar até a próxima segunda-feira (7) a proposta de reforma da Previdência que deverá ser sugerida pelo governo do presidente Jair Bolsonaro e submetida ao Congresso Nacional. A disposição é que os parlamentares analisem a proposta assim que retornarem do recesso em fevereiro.

A informação foi confirmada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, logo depois da primeira reunião ministerial da gestão Bolsonaro com a presença de todo primeiro escalão. “[Paulo] Guedes vai apresentar a proposta até o início da próxima semana. Nós vamos fazer a reforma.”

A equipe do governo tem admitido diversas possibilidades sobre o tema, inclusive o aproveitamento de itens do texto que havia sido submetido ao Legislativo pelo ex-presidente Michel Temer. O esforço, segundo ministros de Bolsonaro, é para que as mudanças na legislação avancem.

Nova reunião

Na próxima terça-feira (8) há uma nova reunião do presidente da República com os ministros. Nela, será feita a apresentação do texto da reforma da Previdência e cada ministro vai expor as medidas que pretendem adotar este mês.

O encontro, que ocorrerá no mesmo horário da reunião realizada hoje (9h), vai se repetir semanalmente ao longo dos 100 primeiros dias de governo.

Cautela

A relação do Executivo com o Legislativo é tratada com cautela pelo governo. Onyx reiterou que Bolsonaro não vai interferir na campanha pela presidência da Câmara e do Senado. A decisão é justamente para suavizar as negociações entre os dois Poderes.

“Todo o governo com alto grau de intervenção [nas questões do comando do Congresso] erraram. O presidente Bolsonaro é um homem de muito diálogo”, afirmou.

(Agência Brasil)

Presos fazem princípio de rebelião na CPPL 3

Presos realizaram um princípio de rebelião na Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) 3, no Complexo Penitenciário de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza. O movimento foi registrado por agentes penitenciários.

No local, há 1,2 mil internos. A capacidade é para 950. O motim foi controlado horas depois. A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) ainda está averiguando a ocorrência.

A unidade é dominada por presos ligados ao Primeiro Comando da Capital, o PCC. O tumulto na prisão seria uma resposta às declarações do titular da SAP, Luís Mauro Albuquerque. Durante posse como secretário na última terça-feira, 1º, Mauro disse não reconhecer facções criminosas no Ceará. Ele também afirmou que não irá manter a divisão de presos por filiação a organizações criminosas e estabeleceu como meta um rigoroso pente-fino na entrada de celulares nas prisões.

Ao todo, o Ceará tem cerca de 28 mil presos. Desde o fim de 2016, quando o Estado enfrentou uma série de ataques a ônibus semelhantes aos que acontecem agora, os internos passaram a ser distribuídos nas unidades segundo seus laços com as facções.

Desde a madrugada desta quinta-feira, 3, pelo menos 15 ataques foram realizados contra ônibus, carros da Prefeitura de Horizonte e um viaduto na BR-020, em Caucaia.

Pelo menos, dez pessoas foram detidas sob suspeita de participarem da série de atentados.

(O POVO Online / Repórter Henrique Araújo)

Clube Náutico já definiu data do 52º Baile da Saudade

798 5

O advogado Jardson Cruz, presidente do Clube Náutico, já definiu praticamente tudo sobre o 52ª Carnaval da Saudade.

A data, por exemplo, foi acertada para o dia 23 de fevereiro, sob animação da banda Caribean King, com homenagem especial ao Cordão da Bola Preta, do Rio, por seu centenário.

SERVIÇO

*Vendas a partir do dia 7 próximo no próprio clube.

PSL diz que Major Olímpio vai disputar a presidência do Senado

O presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), anunciou nesta quinta-feira (3) a pré-candidatura do senador eleito Major Olímpio (SP) à presidência do Senado. A decisão foi sacramentada depois de uma reunião da bancada eleita na Câmara, em Brasília.

Olímpio, que atualmente é deputado federal e se elegeu senador, disse que o convite do presidente da legenda foi feito durante a posse do presidente da República, Jair Bolsonaro, na última terça-feira (1º).

O parlamentar disse que, até então, tentava articular nos bastidores a união de partidos em torno de um candidato de outro partido. “Até então, todos sabem que a minha articulação pelo PSL, junto aos senadores, era justamente na busca da união de candidaturas pré-colocadas, principalmente as candidaturas do Davi Alcolumbre, do Tasso Jereissati, do Alvaro Dias, do Esperidião Amin. E agora, com essa missão do partido, eu me coloco como mais uma dessas opções, prosseguindo nesse processo de agregação e de fortalecimento para termos uma candidatura sólida com chance de vitória para a Presidência do Senado”, disse.

Olimpio disse que a 28 dias da eleição, acredita que pode haver uma candidatura de consenso contra Renan Calheiros, segundo ele o candidato mais forte hoje ao comando ao Senado. “Nenhum de nós está pensando em si. Nós estamos pensando primeiramente no Brasil e, depois, na garantia dos números mágicos 49 [votos] aqui no Senado e 308 [votos] aqui para [aprovar] as reformas Constitucionais necessárias”, ressaltou.

(Agência Brasil)

Secult ainda deve entrega completa da Biblioteca Pública Menezes Pimentel

Reconduzido na nova gestão do governador Camilo Santana (PT), Fabiano Piúba, titular da Secretaria da Cultura do Estado, tem uma tarefa bem surrada a cumprir: entregar a reforma completa da Biblioteca Pública Menezes Pimentel.

O projeto se arrasta feito tartaruga grávida desde abril de 2015.

Está empacado na ligação da biblioteca com o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

(Foto – Divulgação)

Governo fará pente fino nos conselhos e avisa: vai fazer a reforma da Previdência

A primeira reunião do presidente Jair Bolsonaro com a equipe ministerial, realizada hoje (3) no Palácio do Planalto, durou cerca de três horas. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que foi uma conversa de “alinhamento” com cada ministro. Segundo ele, será feito um “pente fino” em todos os conselhos que atuam na administração direta. Onyx reiterou que o governo vai “fazer a reforma da Previdência”, não entrou em detalhes.

A reunião, que ocorreu dois dias depois da posse, foi concentrada em temas prioritários de cada área. Uma próxima reunião com os ministros foi agendada para o dia 8.

Desburocratização e enxugamento da máquina pública e melhoria da qualidade de serviços prestados à população brasileira foram alguns dos temas abordados Hoje, mais de 300 funcionários comissionados que integravam a Casa Civil da Presidência da República na última gestão foram exonerados. A medida foi adotada para uma nova composição de equipe, mais alinhada com o novo governo.

Temas mais específicos, como o avanço da reforma da Previdência também fizeram parte parte das conversas.

(Agência Brasil)

Confira a nova cúpula da segurança que atuará com André Costa

376 1

Coronel PM Alexandre, Coronel BM, Luis Eduardo, e o delegado Marcus Vinícius Rattacaso.

Os novos titulares da Polícia Militar do Ceará (PMCE), do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE) e da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) foram definidos pelo governador Camilo Santana, em conjunto com o secretário da Segurança Pública e Defesa Social, André Costa.

Assumem as instituições, respectivamente, o Cel PM Alexandre Ávila de Vasconcelos; o Cel BM Luís Eduardo Soares de Holanda; e o delegado Marcus Vinícius Sabóia Rattacaso.

(Foto – Divulgação)

Venda de carros novos no País cresceu 14,6% em 2018

A venda de automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões no país cresceu 14,60% no ano passado em relação a 2017, com 2.566.235 unidades emplacadas. É o segundo ano seguido de crescimento. No ano passado, estes segmentos apresentaram crescimento de 9,23%. O dado foi divulgado hoje (3) pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

No mês, estes segmentos cresceram 1,70% e, na comparação com o mesmo mês de 2017, o aumento foi de 10,33%.

Considerando apenas automóveis e comerciais leves (picapes e furgões), houve alta de 13,74% no ano passado na comparação com 2017, com o emplacamento de 2.470.654 unidades. A expectativa para este ano é de aumento de 11% nestes dois segmentos.

Em relação ao emplacamento de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos), o aumento foi de 13,58% em 2018, com a venda de 3.653.500 unidades. Para 2019, a expectativa é de que todos os segmentos automotivos apresentem crescimento de 10,1%.

“Iniciamos 2018 com uma expectativa de alta mais moderada, porém, em função da melhora, mais acentuada, da economia e da confiança do consumidor e investidores, ao longo do ano, o desempenho do setor automotivo foi maior do que o esperado. Mesmo com acontecimentos negativos, como a greve dos caminhoneiros, em maio, e a indefinição política – no período pré-eleitoral, o mercado continuou em ritmo de alta”, disse Alarico Assumpção Júnior, presidente da entidade.

Dezembro

No mês de dezembro, a venda de todos os segmentos registrou alta de 3,36% na comparação com novembro, totalizando 331.153 emplacamentos. Com relação a dezembro de 2017, o crescimento foi de 9,93%.

Já os emplacamentos de carros e comerciais leves somou 225.001 unidades licenciadas em dezembro, com crescimento de 1,67%, se comparada ao mês de novembro, e de 9,85% na comparação a dezembro do ano passado. “A queda da taxa de juros e a melhora da inadimplência geraram uma maior oferta de crédito, impulsionando, assim, a venda de automóveis e comerciais leves”, disse Assumpção Júnior.

(Agência Brasil)

O que esperar de 2019?

Com o título “O que esperar de 2019?”, eis artigo de Rodrigo Saraiva Marinho, advogado, professor de Direito, mestre em Direito Constitucional e membro do conselho administrativo do Instituto Mises Brasil. Ele exalta a chega dos liberais ao comando da economia do País. Confira:

O ano de 2018 terminou, e para quem acompanha meus artigos, aqui, neste espaço, sabe o quanto foi difícil este ano. Que bom que alguém pensou em medir a vida em anos: um ciclo se encerra, outro se inicia, novas possibilidades se abrem e, sem dúvida, teremos boas emoções para quem acredita nas ideias de liberdade.

Parafraseando um senhor que está preso, nunca na história deste País houve tantas possibilidades para as ideias de liberdade. Paulo Guedes tomou posse como ministro da Economia e, pela primeira vez, um liberal com conhecimento dessas ideias, ainda que da Escola de Chicago (seria ainda melhor alguém ligado à Escola Austríaca), assumiu a pasta. E muito há de ser feito para melhorar o País.

Precisamos voltar um pouco para entender o quão importante é isso. Os liberais, há alguns séculos, fundaram os Direitos Humanos: vida, liberdade e propriedade. Direitos esses que permitiram a maior evolução na história do planeta Terra. Nunca o mundo foi tão rico, tão próspero e tão seguro. A pobreza vem caindo em todos os lugares onde as ideias de liberdade são implantadas. Liberdades de escolha, inclusive com quem vai se compartilhar a vida, são muito mais respeitadas em países que defendem a liberdade. Por sua vez, em todos, repito, todos os regimes socialistas, homossexuais foram dizimados.

Além disso, nos países que acreditam nas ideias de liberdade há maior oferta de água potável e de esgoto, a mortalidade infantil é menor e há muito mais liberdade de escolha para as pessoas. Só para se ter uma dimensão de como tudo mudou, em 1800, ano em que a Revolução Industrial ainda estava em seus primórdios, o homem vivia em média quarenta anos. Estamos no início do século XXI e caminhando para uma expectativa média de vida de oitenta anos. A população era de cerca de setecentos milhões de pessoas, hoje já passamos de sete bilhões de pessoas e que continua crescendo.

Tudo isso é para demonstrar o benefício da aplicação das ideias liberais no mundo e o quanto elas podem ser impactantes no Brasil e, em especial, no Nordeste. Hoje, o nosso País está entre os últimos colocados no ranking de liberdade econômica da Fundação Heritage, uma posição na frente do Afeganistão. O Brasil está entre os piores países para se fazer negócios no mundo, segundo o relatório Doing Business, é o segundo país mais fechado do mundo com relação às importações/PIB, perdendo somente para Sudão do Sul.

A partir desse ano serão desfeitas várias medidas protecionistas e burocráticas que emperram o desenvolvimento do Brasil, buscando uma valorização da autodeclaração, revogando uma série de legislações esdrúxulas e trazendo muito mais responsabilidade individual.

Passaremos, finalmente, a ter uma bancada liberal que acredita que são os empreendedores o motor do desenvolvimento e não o Estado. Que entendem que é possível fazer muito mais, com muito menos recursos. Que entendem que o dinheiro não deve ficar no governo, e sim nos bolsos das pessoas. Que entendem que a liberdade é um valor fundamental e virá com tudo nesse ano!

*Rodrigo Saraiva Marinho

rodrigo@marinhoeassociados.com.br

Advogado, professor de Direito, mestre em Direito Constitucional e membro do conselho administrativo do Instituto Mises Brasil.

Abih nacional prestigia posse do novo ministro do Turismo

O novo ministro Turismo entre Manuel Cardoso, que estava com sua esposa, Morgana

O presidente nacional da Associação Brasileira da Indústria e Hotéis (Abih), o cearense Manuel Cardoso Linhares, conferiu a posse do novo ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Na ocasião, entregou a pauta de reivindicações do segmento que quer investimentos em maior capacitação e promoção do setor turístico.

(Foto – Divulgação)

Presidente da China diz estar disposto a trabalhar com Bolsonaro

O presidente da China, Xi Jinping, enviou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro afirmando que está disposto a trabalhar com o novo governo brasileiro para desenvolver a economia dos dois países, salvaguardar a paz mundial e realizar uma cooperação bilateral “pragmática”. Também desejou felicidades no governo.

Na carta, o presidente chinês disse que desde o estabelecimento das relações entre China e Brasil, há 44 anos, os “laços entre os dois países resistiram dos cenários internacionais e se desenvolveram de maneira integral e profunda’.

Segundo o presidente chinês, a base dessas boas relações do princípio de respeito mútuo. Xi Jinping disse ter apreciado a declaração feita por Jair Bolsonaro, logo após ganhar as eleições, que a China é um grande sócio de cooperação com o Brasil.

O presidente chinês afirmou ainda que está disposto a realizar esforços conjuntos com o presidente Bolsonaro para respeitar os interesses centrais de cada país e desenvolver uma perspectiva estratégica a longo prazo.

A carta foi entregue ontem (2) em mãos a Bolsonaro pelo enviado especial do presidente chinês Ji Bingxuan, segundo informou a Embaixada da China, em Brasília, nesta quinta-feira (3). Ji Bingxuan é vice-presidente do Comitê da Assembleia Popular Nacional e participou da cerimônia de posse do presidente da República há dois dias.

(Agência Brasil)

Dois secretários de Camilo Santana ainda enfrentam burocracia para assumir funções

Dr. Cabeto, da Saúde, ainda precisa se licenciar da UFC, onde é professor.

O advogado Aloísio Carvalho, indicação do senador Eunício Oliveira (MDB) para a Controladoria e Ouvidoria do Estado, pedirá exoneração do cargo de diretor do Banco do Nordeste na próxima semana. Aproveitará a primeira reunião do ano do Conselho de Administração do banco, em Brasília.

Depois, ele estará livre para assumir a pasta.

Já o Dr. Cabeto, que responderá pela Secretaria da Saúde do Estado, montou equipe de transição para levantar toda a situação da pasta. Isso enquanto trata de sua licença da Universidade Federal do Ceará, onde é professor do curso de Medicina.

Deve estar livre para a secretaria em fevereiro.