Blog do Eliomar

Últimos posts

Inácio comenta debate da TV O POVO e prevê que Cid ganhará no 1º turno

182 3

O senador Inácio Arruda (PCdoB) deu um tempo na campanha eleitoral cearense e, nesta segunda-feira, participará de atos em favor da candidata ao Senado pelo PCdoB do Amazonas, deputada federal Vanessa Graziotin. Inácio participará de caminhada e comícios dessa candidata que faz dobradinha com o ex-governador do Amazonas, Eduardo Braga (PMDB).

Inácio dissse par ao Blog ter gostado do debate da TV O POVO com os candidatos a governador, ralizado nesse domigo. Para ele, Cid Gomes (PSB) se saiu bem, apesar de ser acossado pela oposição e mostrou frieza e números que “mostram a eficiência do seu governo no campo do emprego e na realização de obras estruturantes para o Ceara´”.

Por conta disso, o senador comunista disse não ter dúvidas de que Cid vai ganhar as eleições logo no primeiro turno.

Articulista diz que com Dilma o MST vai fazer invasões à vontade

90 3

Com o título “Com ela, mais invasões”, eis artigo do jornalista Themístocles de Castro e Silva publicado no O POVO desta segunda-feira. Dilma é o alvo de questionamentos. Confira:

“Os próprios correligionários de Dilma se incubem de alertar a Nação sobre o que vai acontecer na hipótese de sua eleição para a Presidência da República. Em entrevista aos jornais, João Stédile, dirigente máximo do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), informou que, com a vitória de Dilma, o número de invasões de propriedades será maior. Em qualquer país verdadeiramente democrático e responsável, a invasão da propriedade alheia é punida como crime. Não se tem notícia, em lugar nenhum, de reforma agrária tomando o que é dos outros. É notório o fracasso de tal projeto nos países socialistas. O último foi em Portugal, com a famosa “revolução dos cravos”. O governo seguinte teve que devolver as terras aos legítimos proprietários.

Desde o governo FHC que os comunistas invadem propriedades no Brasil. O primeiro chefe era José Rainha. Estão lembrados da invasão de uma do próprio presidente da República onde realizaram verdadeiro festival em saques e bebidas? Com Lula, porém, a crise foi mais grave porque além do apoio que deu aos invasores recebendo-os e usando seu boné deu-lhes alguns milhões para custeio das invasões. E a invasão e destruição de uma imensa plantação de laranja?

Não sei como o TSE, em sentença, dá direito de resposta ao PT para dizer “que defende a Constituição”, “cumpre rigorosamente a lei” e também que “repudia a violência, pratica e defende a via democrática para a solução de conflitos”. (Veja 11/8).

Se condena a violência, por que o governo apoia e financia invasão de propriedades e de órgãos públicos pelo MST? Só o financiamento e o apoio de Lula e do PT ao MST desmentem tudo o que foi afirmado no direito de resposta ao PSDB.

Tem quem acredite que o PT “defende a Constituição e cumpre rigorosamente a Lei? Como, se o próprio presidente e sua candidata já foram multados várias vezes, exatamente por descumprimento da lei”? Das duas, uma: ou a maioria do TSE não leu a nota do PT ou lamentavelmente demonstra desconhecimento da realidade nacional.

Themístocles de Castro e Silva – Jornalista e advogado.

PMDB já fala em dividir o poder meio a meio com o PT

“Poder dividido “meio a meio”. Assento no Planalto, entre os “ministros da casa”, e no Conselho Político que assessora o presidente da República. Henrique Meirelles na equipe econômica. Ministérios de “porteira fechada”, os cargos de sempre nas estatais e postos de comando nas vedetes do petróleo, a Petrobrás e a Petro-Sal. Senado e Câmara sob seu comando.

Com a campanha eleitoral em curso e ainda a 42 dias da abertura das urnas, é com essa precisão cirúrgica, alimentada pela liderança nas pesquisas da candidata aliada, Dilma Rousseff (PT), que o PMDB já define as regras de ocupação do poder. Como presidente do partido, deputado Michel Temer (SP), no posto de vice da chapa presidencial, o PMDB estima o tamanho da cota futura de poder baseado no argumento de que agora, se Dilma ganhar, o partido não é mais “um convidado”, mas na verdade um dos “donos da casa”, o Palácio do Planalto.

A diferença entre “convidado” e “dono da casa” deriva do fato, como explicam os peemedebistas, de que, um governo Dilma seria fruto da coalizão do PT com o PMDB, e não de simples aliança construída depois da vitória – o que aconteceu, por exemplo, nos governos Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010).

Núcleo. Por isso é que o partido, na condição de sócio-proprietário, já dá como certa a presença de um representante no núcleo político do Palácio do Planalto. “Fomos o primeiro partido a assinar com o presidente Lula um compromisso de união política pela democracia, liberdade de imprensa e de opinião, respeito aos direitos humanos e aos movimentos sociais. Com Lula e com Dilma voltamos a ser o velho MDB, que combateu a ditadura”, diz Moreira Franco, escalado para coordenar o programa de governo da candidata petista pelo lado do PMDB.

Depois de passar por uma das vice-presidências da Caixa Econômica Federal e assumir um lugar na coordenação da campanha presidencial, Moreira Franco sonha com um ministério: o das Cidades, que tentou criar na gestão Fernando Henrique Cardoso e só viu a proposta se concretizar no governo de Lula.

Como o partido conseguiu seis ministérios após aderir formalmente ao segundo governo Lula (2007-2010), passando a comandar orçamento superior a R$ 100 bilhões, o cenário pretendido na hipótese de vitoriosa a chapa PT-PMDB supera, em muito, as cifras e o atual espaço de poder.

A legenda, agora, quer assento no Palácio do Planalto, com participação garantida no núcleo da tradicional reunião das 9 horas com o presidente da República, e quer também ministérios em que os postos-chave não sejam divididos com outros aliados – a tal “porteira fechada”. Além das estatais e da Petrobrás e da futura Petro-Sal, o partido lembra que é candidato a também ratear poder nas agências reguladoras.

Pré-acerto. Em matéria de cargos, o PMDB já tem até pré-acerto para fincar um pé na área econômica do futuro governo. O passaporte para o Ministério da Fazenda ou do Planejamento é o atual presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que se filiou ao partido em setembro passado, a pedido do presidente Lula. Também foi Lula quem deu a Meirelles a carta de garantia de que, se vitoriosa a chapa de Dilma, seu lugar na equipe ministerial está garantido.

No fim de março, quando Meirelles já não tinha expectativas de se tornar o vice de Dilma, Lula o chamou ao Centro Cultural Banco do Brasil, sede provisória do governo. “O PMDB não abre mão de Michel Temer. Então, peço que fique no Banco Central”, disse Lula ao presidente do BC. Meirelles concordou em ficar, mas, em troca, o PMDB goiano arrancou de Lula e Dilma a promessa de que o atual responsável pela política de juros terá lugar no primeiro escalão do eventual governo da petista.

Além de Meirelles, outro nome que o PMDB dá como certo numa pasta específica é o do senador Edison Lobão (MA) à frente de Minas e Energia. Lobão conseguiu a proeza de conquistar Dilma, depois de chegar desacreditado a uma área com a qual tinha pouca intimidade, na condição de afilhado do presidente do Senado, José Sarney (AP).

A dupla Sarney e o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), deve manter na administração Dilma a influência que teve na gestão Lula. O atual presidente não se esquece de que no Maranhão tem 97% de aprovação dos eleitores, maior até do que no Amazonas – onde, em 2006, saiu das urnas com 1 milhão de votos de vantagem sobre o tucano Geraldo Alckmin, com voto de apenas 176 mil eleitores.

Bancada. O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), quer resolver seu futuro dentro do próprio Congresso. A cúpula do partido já negocia com o PT do líder Cândido Vaccarezza (SP) sua indicação para substituir Temer na presidência da Casa.

“Se formos vitoriosos na eleição, vamos pleitear a presidência da Câmara no primeiro biênio do próximo governo, tendo ou não a maior bancada”, antecipa o deputado Eduardo Cunha (RJ).

O partido considera “justo e razoável” que o PMDB mantenha a cadeira de Temer em sistema de rodízio com o PT, pelo qual caberá a Vaccarezza o comando da Câmara no segundo biênio da futura administração. Como em fim de governo é sempre mais difícil manter a coesão da base, ter a presidência da Câmara nas mãos de um petista nos últimos dois anos daria mais segurança ao eventual governo Dilma. No Senado, a regra que vale é a da maior bancada indicar o presidente.

O PMDB conta com o sucesso nas urnas como condição única para fazer o sucessor de Sarney, independentemente da presidência da Câmara. O argumento é que o senador peemedebista teria direito a uma reeleição.

Dirigentes do partido também lembram que, tal como diria Lula, “nunca antes neste país” o PMDB foi aliado de primeira hora em uma campanha. No novo cenário, a legenda se recusa a apadrinhar indicações como a de José Gomes Temporão, que Lula nomeou ministro da Saúde na cota do PMDB. Um peemedebista da cúpula diz que, nesse caso, seu partido nem padrinho foi: “Servimos de barriga de aluguel para o PT, e isso não admitiremos mais.”

?(Portal Terra)

CEF do Ceará bate recorde na liberação de crédito imobiliário

“A Caixa Econômica Federal no Ceará vai fechar o ano superando o total de R$ 1 bilhão em crédito imobiliário. Segundo o superintendente estadual da instituição, Gotardo Gurgel, esse número já pode ser comemorado porque, até fim de junho, a CEF já somava a marca de R$ 630 milhões em operações, número que superou os R$ 630 milhões contabilizados durante todo o exercício de 2009. Gotardo incluiu, entre fatores que contribuem para esse êxito, a estabilidade da economia, o aquecimento da construção civil e a desburocratização nas liberações de financiamentos. Ele não contabilizou nesse montante o “Programa Minha Casa, Minha Vida”.
(Coluna Vertical, do O POVO)

Mesmo perdendo espaços, Serra diz que não vai mudar estratégia de campanha

“O tucano José Serra disse ontem que não vai mudar os rumos de sua campanha à Presidência, apesar de críticas e pressão de aliados. “Não [vamos mudar a estratégia da campanha]. Nós vamos seguir nosso trabalho com muita seriedade, com muito empenho, otimismo e propostas para mostrar para a população. E vamos chegar lá”, afirmou o tucano.

A pressão de aliados por mudanças nos rumos da campanha se intensificou no fim de semana com a divulgação da pesquisa Datafolha que apontou Dilma Rousseff (PT) 17 pontos percentuais à frente de Serra -47% a 30%. Com esse resultado ela venceria já no primeiro turno.
Serra também negou que houvesse desânimo dos aliados. “Não vou comentar isso. E aí é sempre um fala uma coisa, outro fala outra, outro deixa de falar”, disse.

O tucano visitou ontem à tarde o Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso, na Vila Nova Cachoeirinha, uma obra que ele fez quando era prefeito de São Paulo. Conhecido por se atrasar para os compromissos, Serra chegou cinco minutos antes do horário informado à imprensa. Geraldo Alckmin, candidato do PSDB ao governo do Estado, normalmente pontual, chegou com 15 minutos de atraso.

Na chegada de Serra, quatro cabos eleitorais de um candidato a deputado da zona norte de São Paulo começaram a gritar “Serra, Serra” na tentativa de animar as cerca de 50 pessoas -sem contar os jornalistas- que participavam do evento. Ninguém acompanhou o coro.

Quando Alckmin chegou, os mesmos quatro cabos eleitorais começaram a gritar “Geraldo, Geraldo”. Imediatamente todos os presentes acompanharam. Apesar disso, Alckmin afirmou que não há desânimo na campanha de Serra. “Essa questão de pesquisa, ela oscila. Tem hora que sobe, desce, isso é normal. O processo eleitoral está em pleno curso. Não tem nenhuma decisão ainda definitiva.”

(Folha)

PT lança cartilha com críticas a FHC

“O PT editou uma cartilha com elogios ao governo Lula e ataques à administração de Fernando Henrique Cardoso, aliado de José Serra (PSDB) na corrida presidencial.
O objetivo é incentivar a militância petista a comparar as gestões para atingir a candidatura tucana e pedir votos em Dilma Rousseff (PT).

A estratégia repete a campanha de 2006, quando Lula usou um livreto semelhante no confronto com Geraldo Alckmin. A nova cartilha traz foto de Dilma e Lula na capa e começou a ser distribuída na sexta-feira, pela internet. Embora o título seja “O Brasil no rumo certo: realizações do governo Lula”, o foco é a comparação com FHC, ressaltando números negativos para os tucanos. O ex-presidente é citado 52 vezes em 40 páginas -uma média de 1,3 citação por página.

O material omite passagens polêmicas da gestão petista, como o mensalão, e afirma que FHC teria editado lei para proibir a criação de escolas técnicas federais, o que o PSDB nega. A acusação levou Serra a chamar Dilma de mentirosa no debate Folha/ UOL, semana passada.
Na introdução, o presidente do PT, José Eduardo Dutra, e o líder na Câmara, Fernando Ferro (PE), dizem que o ex-presidente aumentou o desemprego e teria levado o país “à UTI” se estivesse no poder durante a crise mundial de 2008.

O material segue com comparações entre os governos em diversas áreas, como a política externa. “Graças a essa política externa consistente e autônoma, radicalmente distinta da política externa periférica do governo FHC, o Brasil é hoje a nação do momento”, diz o texto. Em outro trecho, o alvo é a política cultural dos tucanos: “No governo FHC, a cultura foi relegada a segundo plano, com poucos recursos financeiros e ações, o que deixou o setor sob o jugo da economia de mercado”.

DESMONTE
A cartilha afirma ainda que o governo FHC “promoveu o desmonte do serviço público” e “reduziu a função do Estado à mera regulação do mercado”, além de criticar os acordos dos tucanos com o FMI (Fundo Monetário Internacional). O texto exibe um tom triunfalista ao contrapor os dois governos. “Ao assumir em 2003, Lula resolveu pôr um fim à precariedade generalizada das rodovias federais, totalmente abandonadas no governo FHC”, diz uma passagem.

Segundo a última pesquisa rodoviária da CNT (Confederação Nacional do Transporte), o quadro não é bem assim: 66,9% da extensão das rodovias federais foi avaliada como “regular”, “ruim” ou “péssima” em 2009, sétimo ano da gestão petista.

A foto usada na capa é a mesma da campanha de Dilma. No entanto, o material não segue os padrões fixados pela lei eleitoral, como a divulgação de número de urna, nome da coligação e CNPJ da gráfica responsável. O PT alega que a cartilha foi produzida para consumo interno e será distribuída inicialmente apenas na internet. Segundo o secretário de Comunicação, André Vargas, candidatos da sigla podem imprimi-la livremente.

Além de defender a tese de que o governo petista foi melhor, o partido pretende constranger a campanha de Serra, que tem escondido FHC em discursos e na propaganda de rádio e TV. Até aqui, o ex-presidente só apareceu no programa de Aloysio Nunes Ferreira, que disputa vaga no Senado pelo PSDB de São Paulo.

Para Vargas, a tática de ressuscitar o governo passado pode minar o discurso tucano contra Dilma. “Serra diz que tem mais experiência que a nossa candidata. Então vamos mostrar de onde ele vem”, provocou. “Estamos defendendo a continuidade. Isso exige a comparação com o governo anterior, que foi o de FHC.” A cartilha do PT afirma que todos os dados usados nas comparações foram extraídos de “fontes oficiais” e podem ser reproduzidos sem autorização prévia.

(Folha Online)

Temer confere festa pró Eunício e Tasso em Iguatu

257 1

“Na propaganda eleitoral, nos materiais de campanha e em eventos Ceará afora, os deputados Eunício Oliveira (PMDB) e José Pimentel (PT) – candidatos ao Senado – estão sempre juntos, esbanjando unidade. Ontem em Iguatu, no entanto, durante visita do vice da presidenciável Dilma Rousseff (PT), deputado federal Michel Temer (PMDB), a realidade foi diferente: nada de pedidos de voto para Pimentel.

Ao invés disso, houve a formação de uma nova “dobradinha”: Eunício e Tasso Jereissati (PSDB) – senador que concorre à reeleição. No telão, os nomes e os números dos dois candidatos. No discurso do prefeito da cidade, Agenor Neto (PMDB), campanha escancarada para o tucano. “Com a mesma determinação que vocês têm para votar em Tasso, vamos votar em Eunício também”, bradou o peemedebista, amigo pessoal do ex-governador.

Ao O POVO, Agenor explicou por qual motivo vota em Tasso e não em Pimentel, e ainda por que a sua decisão não é uma traição à aliança que reúne, entre outros partidos, PMDB, PT e PSB.

“É uma demonstração de gratidão e reconhecimento pelo trabalho que o senador Tasso fez pelo Ceará e pelo Iguatu. Antes de eu definir meu apoio ao Eunício, já estava definido ao senador Tasso. Eu sou movido aqui ao reconhecimento. Nós não trocamos apoio por dinheiro, trocamos por eficiência e por trabalho”.

Agenor garantiu ainda que a dobradinha Tasso-Eunício se repete por vários municípios do Estado. “Eu tenho ouvido de muitos prefeitos do Ceará que estão apoiando o senador Tasso e apoiando o Eunício”.

Logo na chegada de Michel Temer a Iguatu, no aeroporto da cidade, ficou claro que a maior prioridade do PMDB é eleger Eunício, nem que para isso tenham de ser firmadas alianças informais.

Questionado, por exemplo, se a dupla Pimentel-Eunício teria condição de ser vitoriosa e, assim, derrotar Tasso Jereissati, o presidente da Câmara dos Deputados respondeu: “Olha, eu só sei que o Eunício vai ser eleito, sem dúvida nenhuma”.

No palanque montado na Praça das Mulheres, nas proximidades do aeroporto, houve pedido de voto para Dilma, Eunício, Cid Gomes (PSB) e vários deputados da coligação. Menos para o petista.

Em nova entrevista, Temer tentou se explicar: “Pimentel é chapa com Eunício, né? Pimentel-Eunício, Eunício Pimentel”. Questionado por qual motivo não pediu voto para ele, alegou esquecimento. “Olha, foi mesmo esquecimento, porque, na verdade, o Pimentel é meu querido amigo e tenho certeza que ele será eleito senador para o bem do Ceará”.

BASTIDORES DA VISITA

Recepcionando Michel Temer estavam a presidente do diretório municipal do PMDB de Iguatu, Rossana Costa, e a secretária de Desenvolvimento Econômico da mesma cidade, Patrícia Diniz. Ambas afirmaram que votarão em Tasso Jereissati (PSDB) para o Senador por influência do prefeito Agenor Neto (PMDB).

Apesar da tentativa dos peemedebistas do Rio Grande do Sul de boicotar a viagem de Michel Temer ao Estado – lá eles se dizem neutros em relação à disputa presidencial – o presidente da Câmara dos Deputados confirmou que irá à região na próxima quarta-feira.

Temer também explicou qual será seu papel como vice caso seja eleito, confirmando que não irá atuar para compensar a falta de experiência política de Dilma Rousseff (PT). “Vou cumprir o papel constitucional, ou seja, só substituir a presidente quando ela viajar”.

O evento que foi batizado de “Euníciofolia” teve direito a trio-elétrico. Atrás dele, além de Eunício, o deputado Michel Temer, o prefeito Agenor Neto, e uma multidão de pessoas que foram recepcioná-los no aeroporto de Iguatu. Todos cantaram e pularam ao som de agitados jingles eleitorais.

Entre os compromissos firmados por Temer durante comício em Iguatu, o mais comemorado foi o de trazer um campus da Universidade Federal do Ceará (UFC) para o município.

Lula e Dilma farão nesta 2ª feira campanha na porta da fábrica da Mercedez Benz

O presidente Lula estará nesta segunda-feira, a partir das 5h40min, na porta da fábrica da Mercedez Benz, em São Bernardo do Campo (SP). Vai distribuir planfletos pedindo que os operários votem em sua candidata a president da República, a petista Dilma Rousseff.

A candidata estará com Lula, que também fará um no local pequeno comício. Bom lebrafr que era dessa forma que o hoje presidente fazia sua campanha e atuava quando presidia o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo nos anos 80.

Irã já conta com primeiro avião não tripulado

94 1

“Autoridades do Irã apresentaram neste domingo o primeiro avião militar não tripulado fabricado no país, segundo informações oficiais do governo iraniano. O veículo é capaz de bombardear alvos e voar longas distâncias em alta velocidade. O presidente Mahmoud Ahmadinejad (na foto acima) apresentou o novo avião, chamado de Karrar, o ‘embaixador da morte’, em cerimônia de comemoração ao Dia da Indústria da Defesa iraniana.

Na apresentação, o ministro da defesa do país, o general Ahmad Vahidi, afirmou que, em breve, o Irã deve anunciar um novo projeto de ‘grande importância’.

– Nossa capacidade de defesa chegou a um ponto em que não precisamos mais da ajuda de outros países – afirmou ao Vahidi Iranian Students News Agency, completando que estão preparados a reagir a qualquer ataque externo. Em fevereiro, o Irã inaugurou a produção de dois tipos de avião com capacidade de reconhecimento e bombardeamento, noticiou a agência Fars.

O país já produz tanques, mísseis, e aviões de combate desde 1992, de acordo com a Press TV. Em março de 2009, oficiais americanos afirmaram que derrubaram no Iraque um avião iraniano sem tripulação. Os veículos sem pilotos são o símbolo da guerra moderna. Para oficiais americanos, aviões e tanques com controle remoto diminuem riscos e permitem que as tropas espionem os inimigos.”

(Globo.com)

Lúcio e Cid voltam a citar Dilma, enquanto Marcos não falou em Serra

64 9

O debate dos candidatos a governador na TV O POVO foi encerrado nesta noite de domingo com as considerações finais. Lúcio Alcântara (PR/PPS) voltou a afirmar que entrou na disputa não por sua vontade, mas pela necessidade de dar opção ao cearense num cenário que apontava para uma candidatura única. Ele reiterou apoio à candidata Dilma Rousseff para presidente e disse que Lula chegou a dizer que ele chegou a ser mais fiel ao presidente do que muitos dos seus companheiros. Marcelo Silva (PV) pediu votos para Marina Silva e repetiu chavões como “não podemos matar a galinha dos ovos de ouro”.

Cid Gomes (PSB), em sua vez, reiterou projetos de infraestrutra que vem tocando, com apoio de Lula, e citou preparativos da Copa 2014 e até Itataia. Disse que o ensino médio do Ceará é o melhor do Nordeste, aproveitando para dizer que quer fazer mais com apoio de Lula e “da nossa candidata a presidente, Dilma Rousseff”.

Marcos Cals (PSDB/DEM) falou de seus projetos, afirmou que apoia a PEC 300 dos policiais, o piso salarial nacional dos docentes e prometeu gerar mais empregos, priorizando a juventude. Garantiu que não é subserviente a ninguém, numa resposta a quem o aponta como postulante da vontade do senador Tasso Jereissati, que postula reeleição. Ele não citou o candidato a presidente do seu partido, José Serra.

Já Soraya Tupinambá (PSOL), em seu tempo, reiterou que está ali para apresentar uma plataforma ousada de ver o Ceará e que virá por um olhar socioambiental. Prometeu a reestruturação “de um tecido produtivo e sustentável” para gerar um Ceará justo. Disse ainda que sua candidatura não aceita doação de empresas, só de pessoas físicas e que tudo pode ser conferido via internet.

DETALHE – Soraya Tupinambá continua com discurso acadêmico e que não chega ao povão. A voz trêmula parece ter virado sua marca. O nervosismo também. Boas intenções, mas só isso não basta para entrar no céu do Poder estadual.

DETALHE 2  – Lúcio Alcântara foi bem mais incisivo nesse debate. Duro vez quando, fugindo ao seu estilo paz e amor. O que nos surpreendeu foi o anúncio de um tal “Vale Sonho” para estudante da rede pública ingressar na universidade. Repetiu críticas à segurança, o principal mote da primeira campanha de Cid Gomes.

DETALHE 3 – Marcelo Silva continua com pose de candidato a prefeito de Maranguape. Discurso frágil e cheio de chavões. Mas cumpre o papel de ajudar a divulgar a candidata Marina Silva.

DETALHE 4 – Marcos Cals, dessa vez, não falou sobre José Serra com percebemos no debate. Tentou ser duro contra Cid Gomes no plano da segurança, mas acabou levando uma cutucada de Soraya Tupinambá ao lembrar que ele não tinha condições de fazer crítica a Cid Gomes por ter estado do lado dele como secretário da Justiça e Cidadania. Cals prometeu tudo: do piso para professor a apoio à PEC 300 dos policiais, que tramita no Congresso.

DETALHE 5 – Cid Gomes foi prático e adotou seu estilo frio. Aproveitou, em alguns momentos, indgações de candidatos para levantar a bola e chutar, divulgando, por exemplo, projetos como o “Cinturão Digital”. Dessa vez, não fugiu ao debate como fez quando da TV Jangadeiro. Foi incisivo, em alguns momentos, nas comparações de seu governo com a Era Tassista. Passou a imagem de que quem deve mesmo algo a Tasso é o irmão, Ciro Gomes.

DETALHE 6 – Pelo menos, no aspecto ligado à segurança e gastos, tivemos um debate acirrado envolven do Cid, Lúcio e Marcos Cals.

Enfim, tivemos um debate com altos e baixos em matéria de emoções, até porque isso fica meio complicado com cinco personalidades tendo que cumprir cronômetro. Reitero que faltou maior agilidade de câmeras na cobertura da emissora. O mediador Rui Lima esteve no ponto. Ou seja, não qus aparecer mais do que convidado. Mas ainda há muito o que se avaliar desse confronto. Que isso fique para o eleitorado.

Marcos e Lúcio unem discurso e batem duro nos gastos de Cid com Segurança

83 2

No quarto bloco, candidato pergunta para candidato no debate da TV O POVO, neste domingo. Soraya Tupinambá iniciou a nova bateria de perguntas. Indagou sobre turismo para Cid Gomes, que disse: a primeira vez que se falou em zoneamento ecológico e econômico foi neste governo. Sobre o empreendimento do Cumbuco – resort, disse que não se limita a estradas e hoteis, mas também saneamento. Cid aproveitou para balanço de obras: informou fazer o maior centro de convenções (Parque de Feiras) do Brasil. Isso, para gerar cadeia de empregos e serviços em várias atividades econômicas. Defendeu a construção do Acquário, que vai gerar turismo internacional e de famílias com aeroportos no Interior (Aracati e Jericoacoara).

Soraya lembrou que em Parajuru, há empresa austríaca investindo ali num clima de turismo desigual, que não chega para as populações e populações costeiras do Estado. Cid, no entanto, rebateu e disse estar investindo em projetos que beneficiam ao turismo e à populaçao. Falou de novas estradas, iluminação, etc. Revelou que tem lutaso obstinado por empregos. No último governo foram 71 mil empregos e nós geramos mais de 240 mil.”

Cid indagou a Marcos Cals e disse que em quatro anos foram gerados 71 mil empregos, aproveitando para revelar que gerou 20 mil empregos com atração de novas empresas. Indagou: onde está essa mágica de mais empregos  no passado, no que Cals revelou que o Ministério do Trabalho informa em seu site e que houve mais desemprego. “Vejo o Governo comemorando  a geração de 31 mil empregos, ora então o setor privado não gerou nada”, afirmou. Marcos disse que o PSDB tem moral para falar sobre empregos. No passado era um na Capital e um gerado no Interior, enquanto hoje é só no Interior. “Esse negócio de só construir e o resultado dessas construção…os serviços de qualidade não chegam às pessoas. Saboeiro tem delegacia, mas não tem delegado”. Cid Gomes reiterou que há geração de empregos. “Esse governo, em quatro anos, vai gerar 240 mil novos empregos de carteira assinada. O governo que o senhor defendeu fez 71 mil empregos.” Cals disse que por mais que você (Cid ) explique, não vai tirar essa marca: Tasso interiorizou o emprego no Ceará”, completou.

Marcos Cals perguntou para Lúcio Alcântara sobre segurança, dizendo que Cid Gomes fala de investimentos em novas delegacias e equipamentos, enquanto há oito homicídios por dia no Ceará. Indagou o que Lúcio faria no setor se eleito. Lúcio disse que falou, falou e que ele (Casl) não ouviu: “O erro é que o governador se elegeu prometendo que ia acabar com a violência, que ira ter policial em cinco minutos…Eu torço para que dê certo, mas, infelizmente, fracassou. Carro é de maior valor que o salário de policial… Eu fiz cinco concursos no meu governo e nem todos foram concluídos. Deu exemplo da delegacia de Saboeiro sem delegado, bem como a de Guaraciaba. Por que não valorizar o policial…os gastos são astronômicos e não dão resultado. Vou dar dado sobre gasto: conserto de uma viatura dessas custou R$ 132 mil. Isso dava pra duas Parati blindadas.” Já Marcos adiantou que apoia a PEC 300, que dá melhores condições salariais para os policiais.

Lúcio indagou para Marcelo Silva sobre o que fará com o Fecop (Fundo de Combate à Pobreza) e até acusou Marcos Cals de aproveitar-se de um ideia sua, criando um cartão que já existia em sua gestão e que compleentava o Bolsa Família. Também criticou o governador por ter mudado o foco do uso do dinheiro do Fecop. Marcelo ilva afirmou que, quando prefeito de Maranguape, desenvolveu projeto com apoio internacional contra a pobreza. Falou de pobre que dorme sobre caixa de papelão e outros absurdos, prometendo investir em segurança alimentar. Lúcio informu que foi autor do fundo nacional de combate à pobreza que, no Estado, serve até para pagar pessoal. Em sua tréplica, Marcelo apelou para o chavão do ensinar a pesca e não dar o peixe.

Soraya respondeu a indagação feita por Marcelo sobre ICMS Ecológico. Elçe disse prefeituras têm que apresentar investimento em lixões, o que não ocorre na prática. Soraya informou que há um marco regulatório no País sobre resíduos sólidos. Lamentou que o aterro que atende a Capital está em Caucaia e em saturação, enquanto Fortaleza não esboça política de reciclagem do lixo. A candidata do PSOL afirmou ser necessário a criação de um plano estadual de resíduos sólidos. Ela aproveitou para fazer uma crítica a setores, inclusive da mídia, que ironziou contato do candidato a presidente Plínio de Arruda com catadores e moradores de rua. Ela explicou que o gesto era para dar visibilidade a uma população que vive de forma invísivel na sociedade.

DETALHE – A TV O POVO poderia ter investido em mais planos dos candidatos no debate. Poucos foram os planos gerais do mediador com os candidatos que vimos na tela.

DETALHE 2 (ATUALIZAÇÃO às 20h22min) – O candidato Lúcio Alcântara nos telefonou para esclarecer que se enganou ao falar no debate que a Delegacia de Guaraciaba do Norte não tem dlegado. “Tem sim, eu me enganei. Mas não tem escrivão nem inspetor que poderiam ser chamados. Fizemos concursos nessa área”, diz ele.

Falta de delegado pode livrar estelionatários no 2º DP

56 2

Dois homens foram presos no início da noite deste domingo (22), no bairro Varjota, com um aparelho “chupa-cabra” em um dos caixas-eletrônicos da praia do Náutico. O aparelho é utilizado por quadrilhas de estelionatários para a leitura de dados de cartões bancários. A ocorrência foi encaminhada para o 2º Distrito (Aldeota), mas a ausência de delegado poderá livrar o flagrante. A mesma delegacia já foi responsável pela soltura de dois assaltantes, que abordavam suas vítimas na Praia do Futuro, pela falta de escrivão. Outros dois procedimentos de flagrante aguardam a presença de um delegado, de acordo com as vítimas de bandidos.

Cid promete construir mais três hospitais e Lúcio dar laptop e internet para professor

No terceiro bloco, os candidatos respondem sobre temas ecolhidos pela produção do debate da TV O POVO. O primeiro sorteado foi Soraya Tupinambá, que escolheu responder sobre Meio Ambiente. Indagada sobre demora na concessão de licenças ambientais, o que dificultaria a atração de grandes investimentos, Soraya observou: o licenciamento é fundamental para compatibilizar a sustentabilidade com o desenvolvimento. Órgão ambiental não pode ser cartorial. Daí, ser fundamental o Ceará ter políticas estratégias no setor. Citou a questão da água que avançou, mas disse ser preciso revitalizar bacias como a do rio Jaguaribe e criar mais unidades de conservação. As que existem, conforme ela, não tem plano de gestão. Também citou necessário enfrentar a questão da matriz energética, com a política ambiental sendo necessária para orientar toda a política. “A gente diz que o Eike Batista é o que criado mais unidade de preservação no País. Assim não pode ser”, afirmou.

Lúcio Alcântara foi indagado sobre “Educação” e que há 11 mil contratos temporários no Estado  qual seu compromisso. Lúcio disse que seu foco será o professor, pois nada vale escola bonita e equipamentos se o docente não estiver motivado. “Eu, no meu governo, promovi o maior concurso para professor”, lembrou. Prometeu o piso nacional da categoria, além de um lep top e acesso à internet, citando ainda que tratará das questões de saúde que atingem esse profissional, com assistência principalmente psicológica, bem como questões da voz, promoção por mérito e bolsas.

Marcelo Silva foi indagado sobre “Segurança” . Prometeu focar represão e na prevenção, esta útima a partir de investimento na educação e na cultura, esportes, etc. Citou a juventude, que precisa ter mais esporte, ocupada e não no ócio. Também, caso seja eleito, investir na questão do preparo do setor, qualificando mais profissionais da segurança, dando a ele também  melhor condição de vida e unificar as polícias civil e militar. Disse que gostaria de ter apoio das universidades nessas ações.

Cid Gomes respondeu indagação sobre Saúde e a falta de leitos no Estado. Ele aproveitou para informar que, como está no Governo, já está trabalhando. Informou sobre os dois hospitais regionas em construção, com o do Cariri quase pronto. “Serão 800 leitos para duas regiões distantes da Capital”, disse, destacando ainda a construção de policlínicas para consultas e exames especializados, atendendo a todas as microrregiões com esse serviço. Cid revelou que com o governo federal está implantando 22 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e que virão mais 10, no que ajudarão a desobstruir emergêncas. Cid prometeu construir no Sertão Central, Inhamuns e Sertão de Canindé um grande hospital, um outro em Fortaleza para desafogar o IJF e outro na Região Metropolitana para leitos de acomodação para desobstruir leitos de emergência.

Marcos Cals foi indagado sobre como vai combater a desigualdade. Ele falou que o Interior já não vem recebendo mais tantas empresas como na época do governo Tasso Jereissati. “Eu não me recordo qual a grande empresa, acima de 500 empregos, que se instalou recentemente no Interior do Estado”, cutucou o postulante.  Disse que estava até com inveja de Pernambuco,que vem conquistando grandes empreendimentos. Ironizou que Lula aqui veio lançar siderurgica e refinaria e passa governo e entra governo e nada de refinaria. “Promte-se agora pra daqui a quatro, cinco ou seis anos…” Marcos afirmou que até lhe perguntaram sobre coo está funcionando a Unilab, em Redenção, no momento ainda em implantação.

Soraya critica Segurança de Cid e cutuca Marcos Cals, enquanto Lúcio anuncia que vai criar o "Vale Sonho" e "Vida Melhor"

56 1

Sob a mediação do jornalista Rui Lima, no segundo bloco candidato pergunta a candidato. Com sorteio de quem começa. O sorteado foi Soraya Tupinambá. Ela indagou para Cid Gomes sobre violência no Estado e a atuação da polícia, sem farda, que agrediu o jornalista Melquíades em Limoeiro do Norte por denuncia uso indiscriminado de agrotóxico.  Cid aproveitou para fazer um balanço dos investimentos que vem fazendo na área da Segurança como a construção da melhor academia de polícia do Pais, em equipamentos, em polícias especializadas em tráfico de drogas e outras. Excessos policiais tem, conforme Cid, de ser combatidos de forma permanente. Disse que a Corregedoria das PMs está ganhando sede reformada e começa a atuar, pois havia encalhe de processos. Há investimento de pessoal e “eu pessoalmente, tenho compromisso de cuidar dessa área e acompanhar cada um dos indicadores…”

Soraya, em sua réplica, considerou as ações de Cid na área “insuficientes”, pois se banalizou a ação dos policiais contra a pobreza. Lembrou que o corregedor das Polícias foi denunciado como envolvido em tortura na época do regime militar. O governador reabteu e disse que não ficou comprovada denúncia contra o corregedor e que foi escolha do secretário a permanência dele no cargo.

Cid escolheu o candidato Marcelo Silva (PV) para a pergunta. Ele expôs que sua gestão investe em rede de fibra óptica (Cinturão Figital), levando banda larga em municípios que concentram 80% da população. Perguntou como Marcelo vai usar essa seu projeto, no que o postulante “verde” destacou a importância da internet. Lembrou que em Maranguape, quando prefeito, inaugurou a primeira ilha digital no Estado, que funcionou muito bem. Disse ser importante a bandar larga, mas levar o acesso da população pobre ao computador, no que prometeu, se eleito, adotar tal medida, principalmente atendendo a crianças e jovens.

Essa indagação deu chance a Cid de aprofundar o Cinturão Digital para o eleitorado. Informou que o governo gasta milhões com esse serviço pagando a terceiros, mas permitirá também acesso à telemedicina (cirurgia no Interior com médico acompanhando na Capital), ensino à distância com cursos para a população e capacitação de pessoal.

Marcelo Silva fez pergunta para Lúcio Alcântara. Perguntou qual a visão que ele tem do potencial da orla marítima, do zoneamento ecológico e econômico do Estado. Lúcio preferiu lembrar que que promoveu urbanização de lagoas, criou o parque Adahil Barreto, o primeiro conselho do meio ambiente, isso quando foi prefeito de Fortaleza. Lembrou ainda que, como governador, criou o Geopark do Cariri, o primeiro da América do Sul. “Agora, é preciso que as ações não sejam predatórias e é esse equilíbrio que deve ser buscado através dos órgãos do meio ambiente com MP, ativistas do meio ambiente. Darei toda ênfase e empenho a esse zoneamento econômico e ecológico para que as atividades que dão emprego se dêem em consonância com o meio ambiente”.

Lúcio Alcântara indagou para Marcos Cals sobre o que ele fará no plano da juventude, segmento que no “meu governo foi distinguido com a Secretaria de Esporte e o atual governo tirou a palavra juventude”. Marcos prometeu criar a pasta da Juventude. Também criar centros públicos de tratamento de dependentes químicos, entregando esses equipamentos a entidades religiosas. Ele aproveitou para pautar o confronto e bateu no projeto Acquario do Ceará, do governo atual: “No meu governo não vamos consttruir o aquário com dinheiro público. Posso dar as condições, mas R$ 250 milhões vamos construir 100 escolas tempo integral”. Prometeu ainda reforço escolar na rede pública.

Lúcio não pegou o mote do acquario e preferiu dizer que vai financiar  estudo par jovem da rede pública no ensino superior, também o “Vale Sonho”, mil reais na conta do jovem que, ao concluir ensino médio, terá renda para iniciar atividades, ganhando ainda financiamento em universidade pública se não tiver condição. Cals reabteu e disse que o Fundo de Combate à Pobreza já faz isso e reiterou a criação do Cartão Vida Melhor para a pobreza.

Soraya Tupinambá falou de educação e lamentou que educadores continuam desvalorizados. Ela lembou que Cid questiona a lei do piso salarial nacional, observando ser um erro da sua gestão. Disse ser fundamental questionar o ensino profissionalizante, que não deve ser só para o mercado, mas para atender ao Estado como um todo. Cals pegou o mote e disse que sempre teve o servidor do seu lado, nos cargos que ocupou, porque sempre valorizou essa categoria. “O professor tem que ser bem remunerado”, acentuou, prometendo qualificar o docente e todos os que fazem a escola pública no Ceará. Soraya lamentou que Marcos faz a crítica do lugar de onde saiu – ele era secretário estadual da Justiça e Cidadania. “Temos concordância, mas se não tivessemos tres candidatos disputando o Senado, sua candidatura não se concretizaria”.

Cid fala em Dilma pela 1ª vez em debate e Lúcio reitera apoio dilmista

105 2

Começou, neste domingo, o debate da TV O POVO com cinco candidatos a governador do Ceará. Ali estão Cid Gomes (PSB), Lúcio Alcântara (PR/PPS), Marcos Cals (PSDB/DEM), Marcelo Silva (PV) e Soraya Tupinambá (PSOL). Eles são de partidos que têm representação na Câmara dos Deputados.

Os postulantes respondem, no primeiro bloco, por que querem ser governador do Estado. No sorteio, Marcos Cals foi o primeiro a responder e disse que quer ser governador par ajudar as pessoas, investir na segurança e enfrentar filas na área da saúde. Cid Gomes foi o segundo e disse que quer a reeleição porque o Ceará é o 10º estado em população e 20ª em renda. Disse que tem dado avanços importantes na educação, na geração de 87 mil novos empregos nos últimos 12 meses e que quer concretizar sonhos como a refinaria, siderúrgica e Copa 2014 que vão exigir investimentos e capacitando pessoal. Falou que quer com Lula e com Duilma Rousseff enfrentar e superar desafios. Foi a primeira vez que ele citou Dilma em debates televisivos.

Soraya Tupinambá lamentou as ausências de Maria da Natividade (PCB) e Francisco Gonzaga (PSTU) no debate. Ela disse que quer enfrentar o Ceará de desiguladade, sendo 11º lugar em desigualdade, com empregabilidade como citou Ciro, mas de um Ceará onde a maioria recebe menos de dois salários mínimos. “Só a voz das esquerdas poderiam trazer isso para o cenário eleitoral”, chegou a acentuar a candidata nos dois minutos definidos para cada um dos popostulantes.

Marcelo Silva afirmou que o debate é espaço democrático, onde todos podem falar de suas propostas com relação ao futuro do Estado. Lamentou ausências de Nati e Gonzaga e lembrou que o planeta Terra passa por gravde problema que é o aquecimento gllobal. Ele quer desenvolvimento respeitando a natureza e não desenvolvimento só por desenvolvimento. Afirmou quer quer qualidade de vida e equilíbrio social e um novo Ceará agora e para o futuro.

Lúcio Alcântara afirmou que é homem público por vocação. Lembrou que seu primeiro governo foi de dificuldades e que teve apoio de Lula e elogios de Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda e que cumpriu promessas. Reiterou apoio a Dilma Rousseff e reiterou que entrou como opção contra um cenário onde se poderia ter uma só opção. Ele reiterou que colocou desde o início seu nome para a disputa como forma de opção democrática.

Nesta campanha eleitoral, até soldado da PM faz a "Dança da Periquita"

“Em tempos de eleição, vale tudo para angariar votos. Até fazer a “Dança da Periquita” ao som de um rebolation pra lá de depravado. A fórmula inusitada virou slogan de campanha do soldado Queiroz, do 9º Batalhão de Polícia Militar Metropolitana de São Paulo. Na verdade, o soldado Queiroz tenta fazer do limão uma limonada. No início do ano, um vídeo em que ele aparece rebolando e dançando a periquita com a farda de policial, em horário de serviço, vazou e conquistou a internet. O soldado Queiroz foi punido, mas não se fez de rogado. Com o sucesso alcançado pelas imagens, lançou sua candidatura, pelo PSDC.

O vídeo do PM da Periquita já teve mais um milhão de visualizações. Dançarino habilidoso, Queiroz passou da condição de policial camarada para aspirante da política. O corpo-a-corpo com o eleitorado foge da fórmula enfadonha defendida pelos marqueteiros. Sempre que solicitado, Queiroz faz vai além e faz a performance que entretém o eleitor e lhe rendeu a fama de “candidato da periquita”. Sucesso absoluto!

Embora haja a intenção de não ficar apenas no discurso da periquita, Queiroz abusa da fórmula. Na propaganda eleitoral, o candidato usa como jingle das promessas de campanha resgatar a dignidade dos praças. “Se eu for eleitos os praças não vão dançar”. Mais adiante se identifica: “Olá, eu sou o soldado Queiroz, aquele que ficou famoso com a dança da periquita”, destaca no programa gravado que vem sendo veiculado no horário eleitoral. Com informações do Congresso em Foco.

Veja aqui a “Dança da Periquita” do Soldado Queiroz:

 
(Congresso em Foco)

Serra visitará o Ceará um dia antes de Lula

43 3

O candidato a presidente da República pelo PSDB/DEM, José Serra, virá novamente ao Ceará. Dessa vez, segundo a assessoria da campanha de Marcso Cals e Tasso Jereissati, dia 26 próximo. Serra deverá cumprir programação em Fortaleza. Nesta segunda-feira pela manhã a coordenação da campanha tucana deverá oficializar toda a programação.

A visita de Serra ocorrerá às vésperas da chegada de Lula e a candidata petista a presidente da República, Dilma Rousseff, ao Ceará, o que ocorre no dia 27 próximo. Lula, além de cumprir agenda oficial em Fortaleza, deve ir a Crateús para inaugurar uma unidade do Instituto Federal de Ensino Tecnológico do Ceará (IFCE), antigo Cefet.

No mesmo dia, em local da Capital a ser definido, Lula participará de comício ao lado de Cid Gomes, que deu a informação nessa noite, durante evento de campanha em Trairi.

Lúcio Alcântara entra com representação contra pesquisa do Ibope

58 1

O candidato a governador pela coligação “Para fazer brilhar o Ceará”, Lúcio Alcãntara, por meio dos seus advogados, entrou com representação para impugnar o resultado da pesquisa do Ibope, divulgada no dia 2 de agosto pelo Sistema Verdes Mares. O ponto de contestação se concentra na amostragem da faixa etária. Dos 1.204 questionários, foram aplicados 305 entre jovens de 16 a 24 anos de idade, o que representa 25,33% do total. O número, no entanto, sugere que foram entrevistadas mais pessoas do que a quota proporcional estabelece. Conforme o TSE, a faixa etária mencionada corresponde a 21,4% dos eleitores aptos no Estado – diferença de até 4% entre os participantes e a projeção fornecida pela Justiça. Nesse segmento, de acordo com Lúcio, o governador Cid Gomes atingiu 59% e Lúcio Alcântara chegou aos 23%.

A ação quer que a pesquisa seja anulada pois, de acordo com um dos advogados da coligação (PR/PPS), Francisco Monteiro da Silva Viana, “a divulgação irregular leva à conclusão de que a referida do Ibope ora questionada apresenta dados incorretos, posto que os dados apresentados pela mesma pequisa não estão em conformidade com o TSE, relativamente ao perfil do eleitorado do Ceará, comprometendo a validade amostral da pesquisa, ou pelo menos divulgada tal informação quando da pesquisa”. A Justiça Eleitoral já recebeu a representação e analisa o caso.

Prefeito de Granja troca Marcos Cals por Cid Gomes

94 9

O prefeito de Granja, Esmerino Arruda, aderiu à reeleição do governador Cid Gomes (PSB). O fato ficou constatado quando da visita do candidato a overnador pelo PSDB, Marcos Cals, e do senador tucano Tasso Jereissati. Enquanto Cals e Tasso dircursavam em praça pública, Esmerino era ausência mais notada no palanque. O deputado estadual tucano Gony Arruda apareceu nessa ocasião. Num jantar realizado no sábado em sua casa em Granja, conhecida por “Oiteiro”, o prefeito confirmou o que todos na cidade já comentavam: estava deixando o ninho tucano para aderir de vez à candidatura de Cid Gomes (PSB).

A situação em Granja, diante dessa adesão, fica em climaico samba do crioulo doido. Esmerino subirá no palanque de Cid, que também receberá Sérgio Aguiar (PSB), candidato a reeleição e maior adversário político de Gony Arruda (PSDB) na região, que, por sua vez, não sobe no mesmo palanque, pois já fez isso quando Marcos Cals esteve na cidade. Ao que tudo indica, Granja vai presenciar uma cena inusitada, daquelas que só a política é capaz de proporcionar. Sérgio Aguiar e Esmerino Arruda juntos, em prol da candidatura de Cid Gomes. Resta saber se Esmerino vai querer que seu discípulo, o prefeito de Camocim, Chico Vaulino (PP), repita seu gesto, deixando a candidatura de Lúcio Alcântara (PR) de lado, passando a apoiar a reeleição de Cid.

(Ete Blog e Blog Camocim Online)

Sistema de comunicação da SSPDS volta a entrar em colapso

90 2

O sistema de comunicação da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) voltou a entrar em pane, nas primeiras horas deste domingo (22), dois meses após a última falha, que durou cerca de 12 horas. Os sete distritos de plantão e duas delegacias metropolitanas estão sem realizar flagrantes ou boletins de ocorrência (B.O.s). As ocorrências da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops), 190, são realizadas manualmente, mas não há como checar a ficha criminal dos suspeitos, tampouco placas de veículos. De acordo com a Polícia, a previsão é que tudo volte à normalidade até o meio-dia.