Blog do Eliomar

Últimos posts

SiSu 2018 – UFC é a segunda universidade mais procurada no País

A Universidade Federal do Ceará recebeu 145.638 inscrições de 92.423 candidatos na edição 1º/2018 do Sistema de Seleção Unificada (SISU). O resultado coloca a Instituição como a segunda mais procurada do País, atrás somente da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com 155.386 inscrições, e à frente da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com 122.175 inscrições. Os dados foram liberados nesta quinta-feira (8) pelo Ministério da Educação (MEC). A informação é da assessoria de imprensa da UFC

Neste execício a UFC ofertou 6.288 vagas em 110 cursos de graduação. Deste modo, a concorrência média foi de 23,1 candidatos por vaga. No SISU, cada candidato pode selecionar até dois cursos para concorrer, em ordem de preferência, não necessariamente na mesma instituição. No entanto, a maioria dos inscritos na UFC (57,5%) colocou a Universidade nas duas opções. Ainda de acordo com os dados do MEC, a maior parte das inscrições (91,9%) é de candidatos com residência no Ceará.

Cursos

O curso mais procurado na UFC foi Administração-Noturno, com 6.176 inscrições, seguido por Medicina-Fortaleza, com 5.848 inscrições. Em seguida, aparecem os cursos de Enfermagem (5.375), Pedagogia-Noturno (4.238) e Psicologia-Fortaleza (4.195). No Interior, os cursos com maior número de inscrições estão no Campus de Sobral: Medicina (2.383), Psicologia (2.314) e Finanças (1.666).

Horto Municipal será reinaugurado nesta sexta-feira

O prefeito Roberto Cláudio (PDT) e a primeira-dama de Fortaleza, Carol Bezerra, vão entregar, a partir das 8h30min desta sexta-feira, obras de requalificação do Horto Florestal Municipal Falconete Fialho, que fica no Parque Ecológico do Passaré.

O Horto Municipal recebeu um parque infantil completo, uma área de convivência, ideal para piqueniques, uma sala de aula para práticas ambientais, uma área destinada exclusivamente para abrigar mudas para doação à comunidade e novos jardins.

Com a reabertura, o público visitante vai poder aproveitar as trilhas e o espaço verde que vem recebendo melhorias desde o ano passado. O local passou por ajustes de gestão que resultaram num aumento recorde de produção. Passou de 67 mil para mais de 132 mil mudas.

(Foto – Divulgação)

 

Safra 2017/2018 será a segunda maior dos últimos anos

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) informou hoje (8) que a safra de grãos 2017/2018 deverá alcançar 225,6 milhões de toneladas, sendo a segunda maior da série histórica, que é liderada pela safra anterior. Na comparação com o volume produzido em 2016/2017, de 237,7 milhões de toneladas, espera-se um recuo de 5,1%, embora a área total de plantio prevista seja 0,2% maior, de 61,01 milhões de hectares.

O levantamento que analisou os principais centros produtores de grãos, de 21 a 27 de janeiro, identificou que sofrerão queda culturas como a soja, o milho e o arroz, que passam de 12,327 milhões de toneladas para 11,639 milhões, com uma colheita 5,6% inferior à de 2016/2017. A produção de arroz, estimada em 11,6 milhões de toneladas, não sofreu alterações significativas, visto que as condições climáticas permanecem favoráveis à cultura, segundo o levantamento.

“O pessoal do arroz está com dificuldade de preço. Nós tivemos uma safra excepcional no ano passado, vamos ter uma safra muito boa este ano. O governo não tem nada de estoque de arroz. Por um lado, é positivo, porque temos a garantia do abastecimento privado. Isso fez com que os preços do arroz estejam no limite do preço mínimo. Tem regiões com o preço de mercado abaixo do preço mínimo”, disse o diretor-presidente da Conab, Marcelo Bezerra.

(Agência Brasil)

O caso de cinco clássicos Ceará X Fortaleza sem registro na história e outras coisas…

Com o título “Nem tudo é futebol”, eis uma bela crônica de Sérgio Redes, que pode ser conferida no O POVO desta quinta-feira. Ele aborda o caso de cinco clássicos Ceará-Fortaleza sem registro de resultado na história , em clima dos mais nostálgicos. Confira:

Ninguém sabe o número exato de vitórias de um clube sobre o outro. No levantamento feito por Eugênio Fernandes da Fonseca, que pesquisou o Clássico-Rei na Biblioteca Pública e arquivos dos jornais cearenses, cinco jogos estão sem resultados.

O primeiro deles aconteceu no dia 27 de janeiro de 1924, o segundo em 17 de fevereiro de 1924, o terceiro em 12 de abril de 1925, o quarto em 18 de julho de 1926 e o quinto em 18 de dezembro. Matéria para estatísticos e historiadores interessados em corrigir essa falha.

Um bom lugar para se começar é ali na banca de jornal do Paixão, na Praça do Ferreira, onde bate o coração da cidade. Todas as manhãs se agrupa em volta da banca uma turma que já dobrou o Cabo da Boa Esperança. Ali mora a memória e o bate-papo sobre futebol corre solto.

A praça tem sua história. Durante a ditadura, quase a destruíram, substituindo o Abrigo Central e a Coluna da Hora por uns morros gramados dentro duns canteiros de concreto. Ninguém via ninguém. Em 1991, o Fausto Nilo remodelou os espaços e hoje em dia todo mundo se vê.

A praça me traz recordações do tempo em que o Ceará concentrava no Excelsior. Qualquer bobeira da comissão técnica, eu, Erandir e Zé Eduardo dávamos uma fugida do hotel para ouvir os discos da Vox e comer um pastel com caldo de cana no Leão do Sul.

Desta vez não pude ir, mas dei uma ligada para o Babau. O Babau vive na praça, sabe das apostas e me diz que apostam em tudo. A primeira bola que sai pela linha de meta, quem primeiro acerta a trave, o primeiro gol, o primeiro jogador expulso e por aí vai.

Segundo ele, muita gente perdeu dinheiro no Fortaleza. Como? Se o Ceará era considerado favorito, pergunto. Tem isso não!, responde. “Um Clássico-Rei não tem favorito, mas a mídia nacional e local o tempo inteiro falando no Rogério Ceni sugestiona.”

Despeço-me do Babau e fico pensando na praça, no Ceará, no Fortaleza, na imprensa esportiva e nesse vazio histórico de não sabermos o resultado de cinco edições do Clássico-Rei. E lembro de Elton Medeiros: “Povo sem memória vira fantasma de si mesmo.”

*Sérgio Redes,

Cronista e desportista do O POVO

Explosivos e drogas foram apreendidos durante plantão do Clássico-Rei

Explosivos e drogas foram apreendidos pela polícia durante o clássico Ceará-Fortaleza no último domingo (4/2), na Arena Castelão. Foi o que revelou, nesta quinta-feira, o promotor de justiça e coordenador do Núcleo do Desporto e Defesa do torcedor, do Ministério Público Estadual, Antonio Elias de França.

Dentre as principais ocorrências, o representante do MPCE destacou três flagrantes de torcedores em posse de explosivos, caracterizando prática delituosa prevista no artigo 251 do Código Penal combinado com o artigo 16, §1º, III, do Estatuto do Desarmamento e crime de tumulto. Os explosivos encontram-se recolhidos.

Houve também flagrante de crime de tumulto, desacato e resistência. O réu está posto em liberdade, mas com a aplicação de medidas cautelares. Outro réu, que usava tornozeleira eletrônica desligada, foi flagrado usando droga. Outros torcedores foram flagrados praticando estelionato. Eles tentarem adentrar o estádio com ingressos falsos e portando entorpecentes.

Outros torcedores foram retirados da praça desportiva por usarem nomes de torcidas organizadas extintas. A juíza plantonista concedeu dois pedidos de conversão de prisão em flagrante em prisão preventiva e dois réus presos foram postos em liberdade provisória mediante aplicação de medidas cautelares.

Presidido pela juíza plantonista Maria José Bentes, o Juizado do Torcedor contou com a participação dos promotores de Justiça plantonistas José Aurélio da Silva e Antônio Edvando Elias de França, bem como dos delegados plantonistas Pedro Viana, Dionísio Amaral da Paz e Domingos Sávio.

Defesa de Palocci pede novo depoimento

A defesa de Antonio Palocci pediu que ele seja interrogado novamente pelo juiz do TRF-4 sobre o suposto uso de propina para pagar a campanha eleitoral de Dilma Rousseff. A informação é da Coluna Radar, da Veja Online.

O dinheiro da campanha da petista seria originário da construção de sondas de exploração do pré-sal.

Segundo disse Palocci em depoimento anterior, esse pedido teria sido feito pelo então presidente Lula em reunião na biblioteca do Palácio do Alvorada, em 2010.

Emprego novo na construção civil cearense, só no segundo semestre, diz Sinduscon

Com 60 mil empregos no momento e um estoque de empreendimentos batendo nos 9 mil, o presidente do Sindicato das Construtoras do Ceará (Sinduscon), André Montenegro, avisa: “Novas vagas de trabalho nesse mercado, só no segundo semestre”.

Ele se diz otimista neste começo de 2018, mas espera que o governo federal reforce a liberação de recursos para gerar empregos. A construção civil, no cenário do País, é um segmento de peso direto na abertura de novas vagas no mercado.

André Montenegro diz também torcer para que a reforma da Previdência seja aprovada. Considera questão prioritária na busca por equilíbrio financeiro da União.

 

Presidente do Conselho Penitenciário do Ceará terá audiência com ministro da Justiça

O presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará, advogado Cláudio Justa, será recebido em audiência, dia 20 próximo, em Brasília, pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim.

Ele informa que, nesse encontro, vai apresentará uma radiografia sobre a situação dos presídios do Estado e, principalmente, como anda o índice de infestação das chamadas facções criminosas na área.

Cláudio Justa tem sido um crítico constante da política do sistema prisional do Estado e, também, da segurança pública. Para ele, falta plano de ação nesses setores, o que deixa o Ceará fragilizado.

Conta de luz do cearense pode sofrer reajuste em abril

O reajuste da conta de luz do cearense será divulgado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em meados de abril próximo. A informação é do diretor institucional da Enel Distribuição, José Nunes.

O percentual já começou, inclusive, a ser discutido em Brasília. Nunes nada adiantou a esse respeito.

O mês de abril, bom destacar, foi o período definido contratualmente entre o governo federal e a distribuidora de energia elétrica no Ceará.

Mega-Sena – Prêmio principal é estimado em R$ 59 milhões

O prêmio principal da Mega-Sena poderá pagar R$ 59 milhões a quem acertar as seis dezenas do concurso 2012, que correrá hoje (8), no segundo sorteio da chamada Mega Semana do Carnaval, conforme a Caixa Econômica Federal.

No primeiro sorteio, realizado na terça-feira (6), no Espaço Loterias da Caixa, em São Paulo, nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2011.

Segundo a Caixa, aplicado na poupança o prêmio acumulado, de R$ 59 milhões, renderia cerca de R$ 236 mil por mês.

A aposta mínima na Mega-Sena custa R$ 3,50 e pode ser feita até as 19h (horário de Brasília) desta quinta-feira em qualquer uma das mais de 13 mil casas lotéricas do país.

(Agência Brasil)

Eunício Oliveira – Reforma da Previdência foi “mal vendida” pela equipe econômica

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, disse hoje (8) que a reforma da Previdência foi mal vendida pela equipe econômica do governo quando enviada ao Congresso Nacional no ano passado. “A reforma [da Previdência] foi colocada com 200 penduricalhos, e as informações são tantas que ficaram contraditórias”.

Ao dar as declarações em café da manhã com jornalistas, o presidente do Senado disse ainda que se a reforma tivesse sido enviada mais enxuta, poderia ter sido aprovada junto com a reforma trabalhista.

“Se a reforma da Previdência não for aprovada, não é uma catástrofe”, disse, considerando um cenário para os próximos três anos. Mesmo assim, disse que é um problema que terá que ser resolvido e que os candidatos à Presidência da República vão ter que enfrentar.

Eunício Oliveira avaliou ainda que a reforma como está sairá “micro ou defeituosa”. E acrescentou que, se chegar ao Senado ainda este ano, o texto terá que ser debatido e passar pela Comissão de Assuntos Econômicos da Casa antes de ir a plenário.

Sobre as prioridades do Senado este ano, Eunício reafirmou a pauta de microeconomia e segurança pública. O senador adiantou que já acertou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que a comissão de juristas, criada pela Câmara no ano passado, para elaborar um anteprojeto de lei sobre o combate ao tráfico de drogas e armas no país, será transformada em uma comissão do Congresso. O grupo, presidido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, que já foi secretário de Segurança do estado de São Paulo e ministro da Justiça, vai elaborar um anteprojeto com medidas investigativas, processuais e de regime de cumprimento de pena.

(Agência Brasil)

Reserva indígena anacé: acordo cumprido

Com o título “Reserva indígena anacé: acordo cumprido”, eis o Editorial do O POVO desta quinta-feira. Destaca importante avanço na luta dos povos indígenas do Ceará. Confira:

O povo indígena anacé, que habitava terras ancestrais localizadas precisamente na área destinada ao Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), em São Gonçalo do Amarante, recebeu uma nova área, no município de Caucaia, para situar oficialmente sua reserva indígena. Cumpre-se, assim, o acordo obtido, em 2013, entre Governo do Estado, Petrobras, Secretaria do Patrimônio da União (SPU), Fundação Nacional do Índio (Funai) e o povo anacé. Na última terça-feira, 6, o governador Camilo Santana (PT), entregou a posse da área à tribo, consagrando assim a primeira demarcação de terras indígenas, no Ceará, realmente efetuada.

Os anacés foram citados pela primeira vez, ainda no século XVII, pelo padre Antônio Vieira, em seu relato da missão na Serra da Ibiapaba. Suas aldeias se erguiam nas proximidades do litoral. No período em que foi capitão-mor interino do Ceará, o sertanista Fernão Carrilho conseguiu confinar parte dos anacés a oito léguas ao Norte de Fortaleza, onde permaneceram até a mudança ocorrida esta semana. Desde 1863, quando o Governo Provincial decretou não haver mais índios no Ceará, eles passaram a esconder a própria identidade por medo de represálias, enquanto viam a quase totalidade de suas terras serem apossadas pelos latifundiários. Com medo, deixaram de falar sua língua, para não serem identificados, mas mantiveram alguns traços de sua cultura, que só foram recuperados quando suas origens foram redescobertas, na década de 1980, e eles puderam pôr a cara de fora para reivindicar seus direitos, a partir da Constituição de 1988. Processo cada vez mais dificultado pelas mutilações sofridas pela Carta, desde então.

Embora tenham perdido suas terras ancestrais, a alternativa de receber outra área em troca foi menos injusta do que outras opções aventadas (havia quem não quisesse reconhecer-lhes qualquer direito).

Na nova área de 543 hectares serão agrupadas as quatro comunidades da mesma ramificação étnica, que terão à disposição 163 residências, uma escola e um posto de saúde. Cerca de 90 famílias das comunidades Baixa das Caraúbas, Corrupião, Matões e Bolso já estão instaladas. A expectativa é que as outras 73 famílias estejam na reserva até o fim deste mês.

Seu grande desafio é manter, em primeiro lugar, sua identidade étnica e cultural, e levar a bom termo, com o suporte necessário, seus projetos produtivos, sem perder o espírito comunitário. Resta esperar agora que outras demarcações sejam levadas avante, no Ceará, pelo governo federal. Há outros povos indígenas cearenses vivendo essa expectativa há décadas. Já é hora de quitar totalmente essa dívida histórica para com eles, que são os povos originários desta terra.

 povo indígena anacé, que habitava terras ancestrais localizadas precisamente na área destinada ao Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), em São Gonçalo do Amarante, recebeu uma nova área, no município de Caucaia, para situar oficialmente sua reserva indígena. Cumpre-se, assim, o acordo obtido, em 2013, entre Governo do Estado, Petrobras, Secretaria do Patrimônio da União (SPU), Fundação Nacional do Índio (Funai) e o povo anacé. Na última terça-feira, 6, o governador Camilo Santana (PT), entregou a posse da área à tribo, consagrando assim a primeira demarcação de terras indígenas, no Ceará, realmente efetuada.

Os anacés foram citados pela primeira vez, ainda no século XVII, pelo padre Antônio Vieira, em seu relato da missão na Serra da Ibiapaba. Suas aldeias se erguiam nas proximidades do litoral. No período em que foi capitão-mor interino do Ceará, o sertanista Fernão Carrilho conseguiu confinar parte dos anacés a oito léguas ao Norte de Fortaleza, onde permaneceram até a mudança ocorrida esta semana. Desde 1863, quando o Governo Provincial decretou não haver mais índios no Ceará, eles passaram a esconder a própria identidade por medo de represálias, enquanto viam a quase totalidade de suas terras serem apossadas pelos latifundiários. Com medo, deixaram de falar sua língua, para não serem identificados, mas mantiveram alguns traços de sua cultura, que só foram recuperados quando suas origens foram redescobertas, na década de 1980, e eles puderam pôr a cara de fora para reivindicar seus direitos, a partir da Constituição de 1988. Processo cada vez mais dificultado pelas mutilações sofridas pela Carta, desde então.

Embora tenham perdido suas terras ancestrais, a alternativa de receber outra área em troca foi menos injusta do que outras opções aventadas (havia quem não quisesse reconhecer-lhes qualquer direito).

Na nova área de 543 hectares serão agrupadas as quatro comunidades da mesma ramificação étnica, que terão à disposição 163 residências, uma escola e um posto de saúde. Cerca de 90 famílias das comunidades Baixa das Caraúbas, Corrupião, Matões e Bolso já estão instaladas. A expectativa é que as outras 73 famílias estejam na reserva até o fim deste mês.

Seu grande desafio é manter, em primeiro lugar, sua identidade étnica e cultural, e levar a bom termo, com o suporte necessário, seus projetos produtivos, sem perder o espírito comunitário. Resta esperar agora que outras demarcações sejam levadas avante, no Ceará, pelo governo federal. Há outros povos indígenas cearenses vivendo essa expectativa há décadas. Já é hora de quitar totalmente essa dívida histórica para com eles, que são os povos originários desta terra.

VAMOS NÓS – Bom destacar que, em meio a esse clima de festa da tribo anacé, um personagem que muito lutou por essa conquista não foi esquecido: O falecido Francisco Macedo, o procurador da República que trabalhou para que os anacés fossem reconhecidos.

Os magistrados, a Lava Jato e o auxilio-moradia

Com o título “Sobre heróis e violões”, eis artigo do jornalista Plínio Bortolli, que pode ser conferido no O POVO desta quinta-feira. Ele destaca magistrados, que ganharam destaque na Lava Jato e, de repente, entram numa onda de desgaste por conta do auxílio-moradia. Confira:

Sempre combati a ideia, disseminada por alguns pesquisadores de jornalismo, afirmando não existir a verdade, pois tudo seria “subjetivo”. A verdade é complexa e difícil de encontrar, mas existe. Creio mesmo que essa teoria – durante muito tempo desposada quase exclusivamente pela esquerda – está na origem das “fake news”. Se a verdade não existe, posso criar uma para o meu desfrute.

Mas não sou ingênuo para acreditar que uma coisa é verdade unicamente por estar impressa em letra de fôrma. Menos ainda supor que jornalistas tenham o dom da objetividade ou da imparcialidade absolutas. Porém, um profissional, aplicando conscienciosamente o método jornalístico, conseguirá aprender um bom recorte da realidade.

Porém, uma boa pergunta é: por que determinadas notícias ganham destaque enquanto outras somem ou se tornam irrelevantes. Por que, em certas ocasiões, há uma espécie de “frente” de colunistas de “grife”, todos concordando com a mesma coisa, seja em relação à reforma trabalhista ou da Previdência?

Desde há muito é conhecida a esculhambação do pagamento de auxílio-moradia a juízes (e também ao Ministério Público). Fora outras prebendas da casta, como duas férias por ano, carro oficial com motoristas, etcéteras. Mesmo assim, o tema era abordado apenas lateralmente, sem que houvesse grande exposição, como está havendo agora.

E, diga-se, mostrando coisas feias: juízes como Sergio Moro e Marcelo Bretas, ambos com apartamento dignos de revistas chiques de arquitetura, recebendo alegremente o auxílio-moradia. Bretas, a propósito, “pedindo” que a Justiça lhe conceda dupla bolsa-aluguel, a ele e à mulher, também juíza. O imaculado procurador Deltan Dallagnol, dono de imóvel em Curitiba, também recebe seu auxílio.

A Lava Jato surgiu como importante processo de combate à corrupção. Porém, no processo, foram tolerados pecadilhos, abusos e ilegalidades por parte de magistrados e procuradores. Em nome do combate ao “mal maior” juízes foram elevados à categoria de ídolos nacionais.

No artigo da semana passada, perguntei se abatido o principal inimigo, Lula, continuaria a sanha justiceira. Pelo jeito continua, mas quem está na berlinda hoje são os heróis de ontem.

*Plínio Bortolotti

plinio@opovo.com.br

Jornalista do O POVO.

Mais na Web
Veja a criptomoeda que pode valorizar mais que o Bitcoin em 2018
Veja a criptomoeda que pode valorizar mais que o Bitcoin em 2018
Empiricus Research
Estes fatos sobre a Rússia são inacreditáveis
Estes fatos sobre a Rússia são inacreditáveis
Direct Expose
Invenção que alivia as dores de coluna e lombar é lançado
Invenção que alivia as dores de coluna e lombar é lançado
Iniciativa Digital
10 Jogadores de futebol que ficaram pobres!
10 Jogadores de futebol que ficaram pobres!
desafiomundial
Organize suas contas a pagar com planilhas gratuitas!
Organize suas contas a pagar com planilhas gratuitas!
ContaAzul
Bitcoin continua a crescer. Veja como as pessoas no Brasil podem fazer parte da história
Bitcoin continua a crescer. Veja como as pessoas no Brasil podem fazer parte da história
24 Business News
Recomendado por
Recomendadas para você
Previdência: A reforma é matemática
01:30 | 08/02/2018
O POVO é história de 08/02/2018
01:30 | 08/02/2018
Editorial. Reserva indígena anacé: acordo cumprido
01:30 | 08/02/2018
Confronto das Ideias \ Comportamento
01:30 | 08/02/2018
PUBLICIDADE

Comentários

Fórum Trabalhista Autran Nunes registra “laçadores” no entorno

Na calçada do Fórum Trabalhista Autran Nunes, em Fortaleza, é constante a presença de ‘laçadores’.

São pessoas recrutadas por escritórios de advocacia com o objetivo de atrair trabalhadores que vão ao fórum fazer denúncias e queixas contra empresas. Abrir processos é o apelo.

Essa prática, que já foi, inclusive, pauta do O POVO, persiste.

 

Sobral cria Comitê para o Enfrentamento da Violência

240 1

O Comitê Deliberativo da Segurança Pública de Sobral (Zona Norte) fez reunião, na noite desta quarta-feira, no gabinete do prefeito Ivo Gomes (PDT). Na ocasião, avaliou estudos sobre a violência no município e discutiu alternativas para o enfrentamento do problema.

O objetivo dessas reuniões, que ocorrerão mensalmente, é discutir e planejar ações compartilhadas entre todas as instituições que compõem o comitê. “Nesses encontros, onde estão reunidos vários órgãos, a gente se afina e integra as forças. Tenho certeza que teremos um excelente resultado com esse esforço”, ressaltou o juiz Cavalcante Neto.

No primeiro momento da reunião, os membros do comitê discutiram e analisaram os homicídios ocorridos no primeiro mês de 2018, caso a caso. “Ao fazer essa análise, a gente consegue entender o que motivou o crime, e podemos trabalhar de forma muito mais efetiva na prevenção dessa violência, que é o que compete ao município”, explicou Júlio César Alexandre, secretário dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social de Sobral.

De acordo com o delegado regional Norte, Marcos França, “ainda é muito cedo para comemorarmos, mas é importante que se registre a queda considerável no número de homicídios no último bimestre”. Para ele, os principais fatores que contribuíram pra isso foram a integração das ações dessas instituições, que resultaram nas melhores condições de resoluções dos casos pela Polícia Civil e no poder de ostensividade e repressão ao crime da Polícia Militar.

Estiveram presentes na reunião o prefeito Ivo Gomes, secretários municipais de Sobral, delegados, policiais civis, comando da Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, Perícia Forense, membros do Ceará Pacífico e sistema prisional.

(Foto – Divulgação)

MEC libera R$ 376,3 milhões para universidades e institutos federais

O Ministério da Educação liberou R$ 376,3 milhões para as instituições federais de ensino. Os recursos serão aplicados na manutenção, custeio e pagamento de assistência estudantil, entre outros. “Estamos assegurando, com esses recursos, a garantia do bom funcionamento das universidades e institutos federais do país”, destacou o ministro da Educação, Mendonça Filho, no site do MEC.

A liberação financeira permitirá às universidades e institutos federais cumprir com os pagamentos das despesas discricionárias, que são as que efetivamente concorrem para produção de bens e serviços públicos. “Os recursos permitirão o pagamento de contratos de terceirização, água, luz, investimento em obras de ampliação, construção ou reforma, entre outros”, detalha o ministro.

A maior parte dos valores – R$ 281,66 milhões – foi repassada às universidades federais, incluindo hospitais universitários. Já a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica recebeu R$ 93,85 milhões. O restante, R$ 780 mil, foi repassado ao Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), ao Instituto Benjamin Constant (IBC) e à Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj).

Este ano, o MEC repassou R$ 579,26 milhões para as instituições federais vinculadas à pasta, incluindo o que foi destinado ao pagamento de despesas das universidades e institutos federais, do Instituto Nacional de Surdos, do Instituto Benjamin Constant e da Fundação Joaquim Nabuco.

Carnaval 2018 – Rede hoteleiro cearense espera taxa de ocupação superior a 93%

Da Coluna O POVO Economia, da jornalista Neila Fontenele, no O POVO desta quinta-feira:

As projeções da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-CE) para o Carnaval continuam melhorando. Ontem, a estimativa era de uma ocupação de 93,36% – a anterior era de 87,95%.

VAMOS NÓS – O presidente da ABIH nacional, cearense Manuel Cardoso Linhares, endossa essa projeção e garante que a onda de violência acabou não afastando quem comprou os pacotes.

Ufa!!

Chove em mais de 120 municípios do Ceará

A Funceme registrou chuvas em 124 municípios cearenses nas últimas horas. Três cidades receberam chuvas superiores a 100 milímetros. Confira as 10 maiores precipitações:

Viçosa Do Ceará (Posto: Vicosa Do Ceara) : 127.8 mm

Lavras Da Mangabeira (Posto: Quitaius) : 102.0 mm

Tianguá (Posto: Pindoguaba) : 101.0 mm

Tamboril (Posto: Sao Monte Alegre) : 90.0 mm

Ibiapina (Posto: Santo Antonio Da Pindoba) : 89.2 mm

Aurora (Posto: Sitio Tipi) : 87.2 mm

Barro (Posto: Monte Alegre) : 81.2 mm

Granja (Posto: Pessoa Anta) : 80.0 mm

Aurora (Posto: Aurora) : 80.0 mm

*Em São Benedito (Região da Ibiapaba), um leitor do Blog registrou chuva – 57,6 milímetros e comemorou à vontade.

Inflação oficial de 0,29% é a mais baixa para janeiro desde o início do Plano Real

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, ficou em 0,29% em janeiro deste ano. Em dezembro de 2017, a taxa havia sido de 0,44%. Já em janeiro de 2017, foi de 0,38%. Essa é a inflação mais baixa para os meses de janeiro desde o início do Plano Real, em 1994.

Os dados foram divulgados hoje (8), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 12 meses, a inflação acumulada é de  2,86%.

Em janeiro, as principais altas vieram dos grupos de transportes (1,10%) e alimentos (0,74%). Também tiveram alta de preços os grupos de saúde e cuidados pessoais (0,42%), despesas pessoais (0,22%), educação (0,22%), artigos de residência (0,14%) e comunicação (0,11%).

Ao mesmo tempo, os gastos com habitação (com deflação, ou seja, queda de preços de 0,85%) e com vestuário (-0,98%), contribuíram para segurar a inflação de janeiro e torná-la a menor taxa para meses de janeiro dentro da série histórica iniciada com o Plano Real.

(Agência Brasil)