Blog do Eliomar

Últimos posts

Homens aproveitam pouca movimentação do Carnaval e jogam entulho na Bezerra de Menezes

211 5

Uma cena chocou motoristas e pedestres que passavam pela avenida Bezerra de Menezes, nesta terça-feira (8), nas proximidades da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Dois homens jogavam entulho no canteiro central da avenida, sem a menor preocupação com fiscais da Prefeitura ou com a Polícia Militar.

A reclamação de motoristas fez com que uma caçamba estacionasse em plena faixa de velocidade da avenida e recolhesse o entulho, cerca de uma hora depois do flagrante do Blog.

Ufa! Vem aí o terceiro CUCA de Fortaleza

188 1

” A prefeita Luizianne Lins (PT) voltou da temporada de 10 dias de férias disposta a mostrar serviço e obras. Com o coordenador de Projetos Especiais do Município, Geraldo Acioly, ela já acertou, para dia 25 próximo, a abertura das propostas da licitação do terceiro Centro Urbano de Cultura, Arte, Ciência e Esporte (Cuca), que será construído no Conjunto São Cristóvão, na jurisdição da Regional VI. O projeto está orçado em R$ 14 milhões.

Nestes mais de seis anos de gestão, Luizianne entregou, de seis equipamentos do gênero prometidos, o Cuca da Barra, enquanto o Cuca da Regional V, no Mondubim, está com 54% de obra em execução.

A propósito: vai aparecer alguma cartomante para adivinhar quem vencerá essa concorrência?”

 (Coluna Vertical, do O POVO)

Forças Armadas resistem à Comissão da Verdade

“Apesar da decisão da presidente Dilma Rousseff de bancar como prioridade a criação da Comissão Nacional da Verdade, as Forças Armadas resistem ao projeto e elaboraram um documento com pesadas críticas à proposta.

No texto, enviado mês passado ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, os militares afirmam que a instalação da comissão “provocará tensões e sérias desavenças ao trazer fatos superados à nova discussão”.

Segundo reportagem de Evandro Éboli na edição desta quarta-feira do jornal O GLOBO, para eles, vai se abrir uma “ferida na amálgama nacional” e o que se está querendo é “promover retaliações políticas”. 

Elaborado pelo Comando do Exército, o documento tem a adesão da Aeronáutica e da Marinha. No texto, os militares apontam sete razões para se opor à Comissão da Verdade, prevista para ser criada num projeto de lei enviado pelo Executivo ao Congresso Nacional em 2010.

Os militares contrários à comissão argumentam que o Brasil vive hoje outro momento histórico e que comissões como essas costumam ser criadas em um contexto de transição política, que não seria o caso.

“O argumento da reconstrução da História parece tão somente pretender abrir ferida na amálgama nacional, o que não trará benefício, ou, pelo contrário, poderá provocar tensões e sérias desavenças ao trazer fatos superados à nova discussão”.

As Forças Armadas defendem que não há mais como apurar fatos ocorridos no período da ditadura militar e que todos os envolvidos já estariam mortos.

“Passaram-se quase 30 anos do fim do governo chamado militar e muitas pessoas que viveram aquele período já faleceram: testemunhas, documentos e provas praticamente perderam-se no tempo. É improvável chegar-se realmente à verdade dos fatos”.

(O Globo, com Blog do Noblat)

Hora do pobre – Agricultores cearenses podem renegociar dívidas rurais com Banco do Brasil

O Banco do Brasil (BB) oferece condições especiais para renegociação de dívidas de beneficiários do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf) dos municípios cearenses que tiveram suas perdas superiores a 30% da receita esperada em razão da estiagem, ocorrida no primeiro semestre de 2010. As facilidades para negociação de operações de custeio incluem a prorrogação do prazo de pagamento do valor em atraso de 1 para até 3 anos, ou seja, o agricultor poderá regularizar sua dívida efetuando o pagamento do valor inadimplido em até três parcelas anuais nas mesmas condições do contrato.

Para os agricultores com operações de investimento com vencimento em 2010, o BB oferece a possibilidade de alongamento do prazo de pagamento do valor da dívida para até 1 ano após o término do contrato. Os agricultores que desejarem regularizar suas dívidas devem procurar sua agência de relacionamento do Banco do Brasil ainda neste mês de março.

De acordo com Paulo Sucupira, gerente de Agronegócio do Banco do Brasil, essa medida deve beneficiar até 90% dos agricultores familiares cearenses com operações de custeio ou investimento em atraso com vencimento para 2010. “Quanto mais rápido regularizarmos as pendências da safra passada, mais oportunidades os agricultores terão com a atual Safra (2010/2011), que se encerra em junho deste ano.

(Com Assessoria do BB)

Carnaval termina com dois mortos em Itapipoca

Um fim de Carnaval triste na cidade de Itapipoca (Zona Norte). Nesta madrugada de quarta-feira, em meio à folia no parque de exposições da cidade, segundo as primeiras informações liberadas pelo Comando de Policiamento do Interior (CPI), foram registradas duas mortes.

Em meio a uma confusão, Francisco H0enrique Costa Teixeira (19) foi assassinado a tiros e facadas pelo menor de iniciais J. R. L. S (17), que se encontra apreendido na delegacia local. Outro jovem, Celso Júnioir de Sousa Patrício (24), foi lesionado a tiros e faca e se encontra internado no hospital de Itapipoca.

Também no parque de exposições desse município, nesta madrugada de quarta-feira, mais um crime resultante de briga. A vítima foi Adriano Pinto da Silva (21). Ele levou três tiros. A Polícia não soube precisar o autor ou autores do crime.

Inãcio diz que aumento da taxa de juros é herança neoliberal

228 6

O senador Inácio Arruda, líder do PCdoB, manda artigo para o Blog sobre a economia brasileira. Ele bate duro na política de juros do governo federal, avaliando como resquício do Neoliberalismo. Confira: 

A nova majoração, de 0,5% da taxa Selic, decidida dia 2 de março pelo Comitê de Política Monetária (Copom), corrói a economia brasileira. Os cortes no orçamento para o ano de 2011 R$ 50 bilhões e, logo em seguida, o aumento da taxa básica de juros para 11,75%, dão indicações de favorecimento ao capital financeiro, em detrimento do desenvolvimento do país. Essas medidas levam ao esfriamento da economia, como denunciam as entidades de trabalhadores e também as entidades dos empresários vinculados à produção. Fazem parte do receituário neoliberal, que tanto jogou para trás a economia de vários países do mundo – inclusive do Brasil, em governos anteriores que o adotavam por completo. Prejudicam os setores produtivos, os trabalhadores e o povo, e beneficiam os grandes investidores do mercado.

A nova majoração, de 0,5% da taxa Selic, decidida dia 2 de março pelo Comitê de Política Monetária (Copom), corrói a economia brasileira. Os cortes no orçamento para o ano de 2011de 50 bilhões de reais e, logo em seguida, o aumento da taxa básica de juros para 11,75%, dão indicações de favorecimento ao capital financeiro, em detrimento do desenvolvimento do país. Essas medidas levam ao esfriamento da economia, como denunciam as entidades de trabalhadores e também as entidades dos empresários vinculados à produção. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a economia brasileira cresceu 7,5% em 2010 na comparação com o ano anterior – o maior desde 1986 – e foi o consumo das famílias brasileiras que sustentou esse crescimento.

Esse índice foi alcançado graças ao aumento dos investimentos públicos, ao crescimento na geração de empregos e aos aumentos reais do salário mínimo e das conquistas salariais das categorias. Mas as altas taxas de juros, que o Copom insiste em perpetrar, abatem o consumo e freiam a produção. Segundo o economista Márcio Pochmann, apenas 20 mil famílias de super-ricos são beneficiadas por 70% dos juros da dívida pagos pelo governo. No ano passado, estes juros chegaram a R$ 200,5 bilhões, dos quais R$ 140 bilhões foram embolsados por esta minoria, que certamente está festejando a nova resolução do Copom.

Ao tempo em que realizam cortes orçamentários na área social, previdenciária, na manutenção da máquina pública e em investimentos para alavancar a economia, os que comandam a política econômica não incluem em suas metas de corte a parte dos juros pagos aos rentistas. Na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, foi revelado que cada 1% na taxa básica de juros representa um gasto governamental de 0,28% do Produto Interno Bruto do Brasil (cada 0,5% representam cerca de R$ 5 bilhões), e essa taxa tem crescido a cada reunião do Copom, quando todos anseiam, e o Brasil necessita, a sua diminuição! O Banco Central tem colocado como questão primordial o problema da inflação, a necessidade de controlá-la, e com isso tenta justificar a taxa de juros mais alta do mundo.

Ora, ainda em fevereiro último, o Banco da Inglaterra, como é conhecido o Banco Central britânico, anunciou a manutenção da taxa de juros do país em 0,5% ao ano, embora a taxa de inflação do país (3,7%) tenha sido quase o dobro da meta (2%) fixada pelo governo. E o presidente do Banco da Inglaterra, Mervyn King, justificou a decisão alegando que, mesmo que a inflação aumente nos próximos meses, o índice pode cair no ano que vem e a prioridade é recuperar a produção, pois a economia inglesa sofreu uma retração de 0,5% em 2010. O mesmo problema – a ameaça inflacionária –, com soluções opostas: lá, a busca do crescimento; aqui, a desaceleração. É importante notar: enquanto os juros brasileiros vão para 11,75%, os da Rússia estão em 7,75%, os da Índia em 6,5% e os da China em 6,06% – isso para citar apenas os países que formam o chamado Bric. Descontada a inflação, as taxas desses países vão mais para baixo ainda.

O enfoque da política macroeconômica brasileira tem que mudar. É preciso focar na produção, na geração de empregos, na distribuição de renda, na manutenção do desenvolvimento. É necessária uma nova orientação para a política macroeconômica. A atual está esgotada, ainda é herança que veio de alguns tempos atrás. O Brasil – governo e sociedade civil – precisa debater e estabelecer novos rumos para a nossa economia, que contemplem desenvolvimento, crescimento com distribuição de renda e reafirmação da soberania do país.

* Inácio Arruda é senador e líder do PCdoB no Senado Federal.

Prefeita demora 6 anos para descobrir que Fortaleza precisa de órgão de planejamento

147 9

Com o título “Enfim, o óbvio”, eis artigo do publicitário e poeta Ricardo Alcântara para boas reflexões neste clima de Carnaval. Ele lamenta tanto tempo perdido pela prefeita Luizianne Lins (PT) em reconhecer a necessidade de se recriar um organismo de planejamento da cidade. Confira:

Coisas acontecem na administração de Luizianne Lins cujas razões meus limitados recursos cognitivos não conseguem alcançar. A última: passados seis anos, a prefeita descobriu, enfim, que a cidade precisa de um órgão de planejamento e enviou à câmara dos vereadores uma mensagem propondo a recriação do Iplam, extinto durante a gestão do finado (e por ela nunca suficientemente amaldiçoado) Juraci Magalhães.
 
A prefeita precisou de todo esse tempo para descobrir o básico: cabe ao poder público, orientado por estudos técnicos e consultas à sociedade, angular suas decisões mais abrangentes por uma visão sistêmica do modelo de desenvolvimento pretendido e definir uma abordagem integrada dos instrumentos de ação, dentro de uma correta escala de prioridades, com parâmetros que resguardem o interesse comum.
 
Não significa que a prefeita não tenha tentado por outros meios. Duro é constatar que somente após tanto tempo, ¾ de sua gestão, tenha ela desistido de inventar a roda, cedendo àquilo que, mesmo lhe parecendo mais convencional, resulta agora como a solução mais simples e eficaz: instituir um órgão com as competências necessárias à boa execução da tarefa.
 
O que torna maior nossa perplexidade, e a consequente dúvida sobre nossa capacidade de compreender os fatos, é que tanta displicência é patrocinada por uma gestão sob comando de um grupo político que emergiu com um discurso movido pelo anseio de mudanças estruturais, impossíveis de serem empreendidas sem vocação planejadora. Mas Luizianne não gosta de explicar. Talvez tenha vindo mesmo somente para confundir. Sei lá.
 
* Ricardo Alcântara,

Publicitário e poeta.  

Câmara dos Deputados estende benesses para os sem-mandato

“Na Câmara, os deputados aposentados têm direito a um plano de saúde familiar ao preço de R$ 280,00 por mês. No Senado, a mordomia é maior: ex-senadores usufruem pelo resto de suas vidas de um sistema de saúde bancado pelos cofres públicos. Os senadores no exercício do mandato não têm limite de gastos com saúde.

Ato da Mesa Diretora da Câmara de 27 de janeiro último permitiu que deputados não reeleitos e ainda não aposentados, mas que já estavam filiados ao plano de saúde, continuem com o benefício. Até agora, 18 ex-deputados optaram por permanecer no Pró-Saúde. A contribuição deles, no entanto, será em torno dos R$ 900 mensais.

Isso ocorre porque o deputado não reeleito tem de arcar com a parte patronal da Câmara para o plano de saúde.”

 (Globo)

IJF-Centro: Mais de 800 atendimentos já registrados neste Carnaval

O Instituto Doutor Jose Frota  (Centro) divulgou, nesta manhã de terça-feira, mais um boletim sobre número de atendimentos. Mais uma vez acidentes com motocicletas predominam, neste período do Carnaval, em termos de pacientes. São mais de 800 atendimentos já registrados, número que assusta profissionais do hospital.

A Chefia da Emergência do IJF, no entanto, ainda não deu os dados, que só serão divulgados na manhã desta quarta-feira de cinzas.

Conar rejeita ação contra comercial de Havaianas

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=KHyC0wPUsJc[/youtube]

“O Conar rejeitou uma ação de dois consumidores contra a campanha Havaianas – Patrulheiro. No anúncio de TV, o ator Henri Castelli é flagrado por um guarda dirigindo de chinelo.

Segundo a denúncia, a propaganda pregava o desrespeito à legislação de trânsito. O bom senso prevaleceu e o Conar arquivou o processo.”

(Radar Online)

Sob Lula, Brasil abriu 79 representações no Exterior. Até na Micronésia

“A herança que Lula deixou para Dilma Rousseff incluiu uma tarefa entre prosaica e insólita: incrementar as relações diplomáticas do Brasil com a Micronésia. Você talvez não saiba, mas o país existe. Acredite. É um arquipélago assentado na Oceania. Tem cerca de 700 km2.

Trata-se de um paraíso. Banhado pelo pacífico. Em 22 de dezembro, dez dias antes de deixar o governo, Lula baixou o decreto 7401, criando a embaixada brasileira em Palikir, capital da Micronésia. Funciona cumulativamente com a de Manila (Filipinas).

Pela lógica, dois fatores determinam a instalação de representações no exterior: 1) o interesse econômico; 2) a presença de grande comunidade de brasileiros no país. A novíssima representação da Micronésia, por ilógica, foge aos padrões. Difícil achar brasileiros entre seus cerca de 110 mil habitantes.

Dono de um PIB miúdo –pouco mais de US$ 200 milhões— o país tampouco oferece grandes perspectias de parceria comercial. A força de trabalho da Micronésia soma 20 mil pessoas. Dedicam-se ao atendimento de turistas, à pesca e à agricultura (coco, banana, mandioca, batata doce e castanha).

Essa foi a 79ª representação criada por Lula no estrangeiro –57 embaixadas e 22 consulados. Média de 10 por ano. Quase uma por mês.

Sob FHC, o Itamaraty fora mais comedido. Nos oito anos da Era tucana, inauguraram-se 16 novas representações –12 embaixadas e quatro consulados. O expansionismo diplomático do Brasil de Lula pautou-se pela flexibilização ideológica e pelo desejo de obter um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU.

A maleabilidade política resultou em vexame. Abriram-se embaixadas em países notáveis pelo desrespeito aos direitos humanos e pelo desapreço aos valores democráticos. Entre eles, por exemplo, Guiné Equatorial, Sudão, Mianmar e, veja você, até a Coréia do Norte do companheiro-ditador Kim Jong-Il.

Quanto ao sonho da cadeira permanente no principal conselho da ONU, resultou irrealizado a despeito da proliferação de novos parceiros diplomáticos. Restou o legado das quase oito dezenas de novas representações. Coisa para Dilma Rousseff administrar. A fúria inauguratória de Lula levou o Brasil a países pequenos e de relevância diplomática duvidosa.

O grosso das novas embaixadas e consulados foi instalado em nações ex-comunistas, países africanos pobres e ilhas do Pacífico e do Caribe. Além dos neoparceiros já mencionados, a lista inclui: Albânia, Croácia, Azerbaijão, Casaquistão, Zâmbia, Tanzânia, Benin, Togo, Sri Lanka…Guiné, Botsuana, Congo, Dominica, Bahamas, Santa Lúcia, São Cristóvão e Névis, Dominica e um interminável etc..

Antes de despertar para a abrir a Micronésia, Lula editou o decreto 7376. Datado de 1º de dezembro de 2010, criou a embaixada brasileira em Tarawa, capital do Kiribati. Neste caso, funciona cumulativamente com a de Wellington, na Nova Zelândia.

Vinte dias antes, em 11 de novembro, o Kiribati havia sido pendurado nas manchetes em posição algo desesperadora. Pequeno arquipélago do Pacífico, o país anunciou ao mundo que pode ter de deslocar toda sua população –cerca de 100 mil pessoas— para outra localidade.

Por quê? O aquecimento global faz com que o mar avance sobre o território de Kiribati, encobrindo-o aos poucos. “Para algumas comunidades, já é tarde demais. Não há como protegê-las”, disse o presidente de Kiribati, Andote Tong. Gestor de uma ilha vulcânica condenada ao desaparecimento, Tong guindou ao topo de suas prioridades a obtenção de terras onde possa acomodar seu povo.

A representação de Kiribati foi ao bololô da política externa de Lula como uma espécie de cereja. Chama-se Samuel Pinheiro Guimarães o ideólogo da estratégia. Coisa implementada com o apoio do ex-chanceler Celso Amorim e sob aplausos do assessor internacional da Presidência, Marco Aurélio Garcia.

Samuel ocupou a secretaria-geral do Itamaraty até 2009. Na fase final do governo Lula, chefiou a Secretaria de Assuntos Estratégicos. Os dados que recheiam essa notícia foram recolhidos nos arquivos do Senado. Cabe aos senadores aprovar a criação de novas embaixadas e consulados. Aprovou-se tudo o que Lula propôs.”

(Blog do Josias de Souza)

PRF já contabiliza 129 mortes nas estradas federais

“Cento e vinte e nove pessoas morreram em acidentes nas estradas federais do país entre sexta-feira e domingo, segundo balanço parcial da divulgado pela Polícia Rodoviária Federal. Foram 2.619 acidentes no período, que deixaram também 1.473 feridos.

O maior número de acidentes foi registrado no sábado, com 1.046 ocorrências.

Os policiais rodoviários realizaram 16.423 testes de alcoolemia nas estradas e 584 motoristas foram flagrados dirigindo embriagados. Destes, 262 foram presos em flagrante por embriaguez ao volante, por ultrapassar o limite de tolerância.

[Ontem], último dia do balanço parcial, foram registrados 611 acidentes, com 524 feridos e 34 mortos. Os policiais prenderam 152 pessoas que dirigiam embriagadas.

A contagem começou na sexta-feira e o balanço parcial foi até 23h59m de [ontem].”

(Globo)

Siga o Blog do Noblat no twitter

Tribunal egípcio confirma: Mubarak não pode deixar o País

“O Tribunal egípcio confirmou nesta terça-feira que o ex-presidente Hosni Mubarak não tem permissão para deixar o país.O ex-líder também teve os seus bens congelados.

Segundo a edição digital do diário governamental “Al-Ahram”, a decisão foi anunciada durante a primeira audiência judicial relativa ao caso, que aconteceu nesta terça-feira no Tribunal de Apelações do Cairo.

Na audiência, o juiz rejeitou um pedido do advogado de Mubarak, Sair Sheshtaui, para que a decisão do tribunal fosse adiada em 24 horas.

(Portal Terra)

Roberto Cláudio corta gastos e pessoal. Protestos virão depois do Carnaval

168 1

Advogados e estagiários exonerados do Escritório Frei Tito, da Assembleia Legislativa, vão se reunir nesta quinta-feira, a partir das 14h30min, no Complexo das Comissões da Casa. O objetivo é cobrar do presidente Roberto Cláudio (PSB) explicações sobre o porquê da extinção desse organismo que trabalhava em favor das populações pobres e na defesa dos seus direitos.

Os profissionais do Escritório Frei Tito reclamam que não tiveram informação prévia sobre a extinção do organismos. Eles também não receberam o mês passado.

Essa decisão faz parte de um conjunto de medidas tomadas pelo presidente da Assembleia Legislativa que já reduziu 30% de despesas e pessoal, atendendo apelos do governador Cid Gomes (PSB), que impõs corte de R$ 500 milhões na máquina estadual.

CNJ – Servidores do TJ do Ceará devem cumprir jornada de 40 horas semanais

“Em sua 112ª sessão ordinária, o plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) acolheu a Reclamação nº 0001561-40.2010.2.00.000, do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Estado do Ceará, contrária à jornada de trabalho de 30 horas semanais cumprida pelos servidores do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Por unanimidade, o plenário decidiu que o tribunal terá de cumprir a Resolução nº 88, de 8 de setembro de 2009, do CNJ, que fixa para os servidores do Poder Judiciário uma jornada de oito horas diárias de trabalho – 40 horas semanais. Segundo ainda a resolução, o servidor pode optar por cumprir uma jornada diária de sete horas ininterruptas.

A Resolução nº 88, quando de sua edição, determinou que os tribunais de Justiça enviassem aos legislativos estaduais projeto de lei fixando a jornada de trabalho em 40 horas semanais. No entanto, em 2010, lei estadual aprovada a partir de projeto de lei enviado pelo TJCE admitiu a opção por um regime de 30 horas. Na sessão desta terça-feira, o CNJ mandou o tribunal cumprir a resolução e afastou a opção pelo regime de 30 horas. O relator da matéria foi o conselheiro ministro Ives Gandra.”

(Com CNJ)

No Dia Internacional da Mulher, que tal olharmos ao nosso redor?

180 9

Essa foi a melhor forma de homenagear a mulher neste seu dia: expondo, ao meu lado, a minha mulher querida, amada, companheira, parceira e, acima de tudo, paciente e compreensiva com o trabalho de quem optou pelo jornalismo.

A minha Socorro França, mãe do Vinícius (13) e do Vitor(8), é tudo isso e muito mais. Pronto. Expus o que meu coração queria e pedia.

(Foto – Paulo MOska)

Grupo Folha lança site em três idiomas

“Entrou no ar, desde quinta-feira, o novo site do Grupo Folha. Informações sobre todas as empresas do grupo podem ser acessadas em grupo.folha.com.br. O site é trilíngue e pode ser visualizado em inglês (group.folha.com.br) e em espanhol (grupo.folha.com.br/es).

Há notícias de interesse geral e informações para o mercado em relação às cinco empresas e 11 unidades de negócios do Grupo Folha. Além da Folha, o grupo publica o jornal “Agora” e tem participação de 50% no “Valor”, em parceria com as Organizações Globo.

O portal é dividido nas áreas de atuação do grupo: revistas, livros e guias, distribuição e impressão, internet e TI e serviços.

Entre as publicações, é possível obter informações sobre revistas (como sãopaulo e Serafina), guias e livros (editados pela Publifolha). Entre os jornais, a Folha tem no site um espaço próprio, que também pode ser acessado em www.folha.com.br/sobre. Nele, há informações sobre a história da Folha, sua linha editorial e dados de circulação, além de resumos sobre as seções diárias e suplementos do jornal. Assim como ocorre em todo o site, as informações sobre a Folha estão acessíveis em inglês (www.folha.com.br/english) e espanhol (www.folha.com.br/espanol).

No espaço reservado à área de internet e TI do grupo há informações sobre o UOL, maior empresa brasileira de conteúdo e serviços da internet, e sobre a Folha.com, primeiro jornal em tempo real do país. Nesta seção, entre os 20 itens, o internauta pode conferir desde a Livraria da Folha (on-line) até os diversos sites e unidades do UOL, que incluem um shopping virtual. Com a compra da Díveo Broadband Networks, em dezembro, o UOL se tornou a terceira maior empresa de serviços de infraestrutura de tecnologia da informação da América Latina.

Na área específica de serviços do grupo, o internauta encontra informações sobre o Datafolha, um dos maiores institutos de pesquisa do país, sobre a Folhapress, agência de notícias, e sobre o Banco de Dados Folha.

Entre as unidades de distribuição e impressão, o internauta poderá conferir informações sobre a Plural, indústria gráfica com maior capacidade produtiva do Brasil (na qual o grupo detém 51% de participação), e sobre as distribuidoras Transfolha e SPDL, que é uma parceria entre a Folha e o Grupo Estado.”

(Folha.com)

Vem aí o "Mácula 2011"

O Centro Avançado de Retina e Catarata, com o apoio da Sociedade Cearense de Oftalmologia, promoverá a nona edição do “Mácula 2011”. O evento, gratuito, ocorrerá no próximo dia 24, a partir das 17 horas, no Seara Praia Hotel.

O Mácula é um congresso que se divide em dois momentos: a prestação de serviço à população e o debate clínico.

SERVIÇO

* As inscrições para o público em geral podem ser feitas pelos fones (85) 3264 9404.

Patrícia Saboya e o Dia Internacional da Mulher

Há exatamente 101 anos, foi instituído o Dia Internacional da Mulher em 08 de março como mais uma aquisição em busca da igualdade social digna entre os gêneros. São inegáveis os avanços obtidos pelas mulheres brasileiras ao longo dos últimos anos – desde a conquista pelo direito de votar e ser votada até a emancipação no campo dos costumes e na vida profissional. Somos mais da metade da população brasileira e 45% da força de trabalho.

Hoje, 37% das famílias do nosso País são chefiadas por mulheres. Ocupamos postos de destaque no comércio, na indústria, na agricultura, no serviço público e, é claro, também na política.

Existe, porém, um espaço enorme para avanços. Apesar das conquistas no mundo do trabalho, é ainda elevado o número de mulheres que trabalham em condições precárias. Somos maioria nos subempregos e no setor informal da economia, especialmente na categoria de empregadas domésticas.

As taxas de desemprego são maiores no universo feminino e a distância salarial entre homens e mulheres permanece, embora venha diminuindo nos últimos anos. Além disso, ainda recai sobre as mulheres a maior parte das tarefas domésticas e familiares. Precisamos mudar esse cenário. Uma das maiores dificuldades das mulheres contemporâneas é justamente a conciliação entre as múltiplas tarefas que desempenham na sociedade. É encontrar o equilíbrio entre a vida profissional e a vida pessoal.

Outro desafio é o de criar filhos no mundo de hoje, cada vez mais complicado, violento e mergulhado numa profunda crise de valores. Uma das nossas mais importantes missões é formar cidadãos e cidadãs preparados para construir uma sociedade melhor, mais justa, mais humana e mais solidária.

Porém essa luta ainda não chegou ao fim, apesar desse “tempo moderno” em que vivemos a igualdade entre os gêneros ainda é destoante. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) divulgada neste mês, na região metropolitana de Fortaleza as mulheres com curso superior completo ainda ganham 57% do salário do homem, e mesmo com o crescimento feminino em áreas “intituladas” masculinas, como a construção civil, a participação delas no mercado de trabalho estagnou.

Outro dado alarmante é a violência doméstica, mesmo com o crescimento de denúncias e a Lei Maria da Penha em vigor, os números ainda preocupam. A pesquisa Mulheres Brasileiras e gêneros nos espaços públicos e privados, revela que a cada dois minutos, cinco mulheres são espancadas no Brasil, chegando a conclusão que 7,2 milhões de mulheres com mais de 15 anos já sofreram agressão. Esses estudos dão apenas uma ideia de quanto às mulheres ainda são desamparadas e desprotegidas no nosso país, principalmente nas camadas mais pobres da população, alavancando outros problemas como a exploração sexual, muitas vezes iniciada na infância.

Deixando um pouco o pessimismo de lado, porém sem esquecer a latente realidade, considero a busca feminina pela cidadania umas das lutas mais belas que a história há de contar, acreditando que os avanços da sociedade durante todos esses anos contribuíram para isso, e o importante papel das políticas públicas no Brasil que se consolidam cada dia mais no que se refere às mulheres, exaltando sua participação em diversos setores e enaltecendo seus direitos. Em uma humilde reflexão, posso até falar da minha contribuição nessa luta: batalhando por creches, pré-escola; combatendo com veemência a violência doméstica; assegurando os direitos dos seus filhos; aumentando a  licença-maternidade para seis meses, são alguns exemplos. Mas sabemos que há muito a fazer.

Entretanto, é importante destacar o momento das mulheres no nosso país: maior  presença na vida pública. Isso foi uma conquista para a democracia que ajuda a fortalecer as instituições e toda a sociedade. E acreditamos que o caminho aberto com a posse de uma presidente mulher proporcionará, em breve tempo, maior participação de mulheres em todos os setores da sociedade.

Queremos, pois, festejar com todas as mulheres os avanços conquistados pelas mulheres e muitas lutas que ainda estão em curso, na defesa dos interesses das mulheres- mães; das mulheres-filhas; das mulheres-vovós; das mulheres-jovens e adultas; das mulheres que trabalham e das que buscam trabalham; das mulheres que são em todo seio familiar, o coração, a alma, o sentimento, a ternura, o amor e a fortaleza do lar.

Patrícia Saboya, deputada estadual