Blog do Eliomar

Últimos posts

Abstenção na eleição presidencial é a maior desde 1998

O segundo turno das eleições teve a maior abstenção desde 1998: 31.370.372 de brasileiros não foram às urnas neste domingo. Esse total representa 21,3% do eleitorado brasileiro. Além disso, foram 2.486.571 (2,14%) de votos em branco e 8.607.999 (7,43%) de votos nulos.

Para o analista político Creomar de Souza, professor da Universidade Católica de Brasília, o alto índice de abstenção se deve à polarização do processo eleitoral. “Uma eleição muito polarizada expulsa os moderados”, afirmou o professor.

Em 1994, quando o tucano Fernando Henrique Cardoso foi eleito no primeiro turno, a abstenção chegou a 29,3% do eleitorado. Na eleição seguinte, o índice caiu para 21,5% do total de eleitores aptos a votar.

A partir das eleições de 2002, a taxa de abstenção ficou abaixo de 20%. Em 2002, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva derrotou o tucano José Serra, no segundo turno, os não votantes foram 17,7% dos eleitores.

Na reeleição de Lula, em 2006, foi registrado o menor índice do período: 16,8% do eleitorado. Na primeira eleição da petista Dilma Rousseff, a taxa de abstenção ficou em 18,1%. Na reeleição da petista, chegou a 19,4% do eleitorado.

(Agência Brasil)

Por um Brasil sem ódio e fora do WhatsApp

197 1

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta segunda-feira:

O Brasil não pode esperar. Não adianta mais chorar o leite derramado. Pelo tamanho da crise e do saldo político a ser deixado pelo governo Temer, o novo locatário do Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro (PSL), terá que começar a arregaçar mangas, em clima de transição, e assumir, fundamentalmente, a postura da conciliação. Do contrário, o País não sairá do canto e continuará atolado em suas contradições.

O Pacto Federativo na prática deve ser a cartilha de um novo que se aguarda, a partir de 2019. E o novo governo também precisa entender que divergências recentes não caberão mais dentro do Planalto e seria bom deixá-las mesmo no campo do Congresso, a arena apropriada para uma repactuação, quem sabe.

O novo locatário também deve estar convicto de que acaba aquele jogo maniqueísta entre o bem e o mal e planejar uma gestão muito, muito além do que ditou, até agora, o mundo virtual das redes sociais, como o WhatsApp. Agora é cair na realidade e, até janeiro, tentar recompor o País. Para ter direito a uma oposição sem ódio. Pelo menos.

(Foto – Reprodução de TV)

Mulher do juiz Sergio Moro comemora eleição de Bolsonaro

Mulher do juiz Sergio Moro, a advogada Rosangela Moro comemorou a vitória de Jair Bolsonaro na noite desse domingo (28). Pouco depois do anúncio do resultado das eleições, ela postou, em sua página no Facebook, que o país está “sob nova direção”.

Moro é o magistrado que está à frente dos processos da Lava Jato que resultaram, inclusive, na prisão do ex-presidente Luís Inácio Lula d Silva (PT),

Confira:

(Fotos – Reproduções)

Creci-CE promove debate sobre Economia Cearense Pós-Eleições

O Conselho Regional dos Corretores de Imóveis promove nesta segunda-feira, em sua sede, a partir das 8h30min, um encontro para discutir sobre o tema “Economia Cearense Pós-Eleições”.

São convidados o presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon), Lauro Chaves Neto, e do Sindicato da Indústria da Construção (Sinduscon), André Montenegro.

O objetivo é definir uma pauta econômica a ser entregue ao governador eleito Camilo Santana (PT).

(Foto – Divulgação)

 

A vitória de Bolsonaro

Com o título “A vitória de Bolsonaro”, eis o Editorial do O POVO desta segunda-feira:

Os eleitores deram o seu veredicto, e Jair Bolsonaro (PSL) é o novo presidente do Brasil, assumindo o cargo no dia 1º de janeiro de 2019. Foram 57,7 milhões de votos contra 47 milhões de seu adversário, Fernando Haddad (PT). É uma vitória que expressa o desejo da população brasileira por uma mudança nos rumos do País.

O resultado da eleição reflete a polarização à qual o País está submetido, que se aprofundou durante a campanha, provocando conflitos nunca antes vistos desde a redemocratização. É esta nação conflagrada que aguarda o presidente eleito Jair Bolsonaro.

Nunca é demais repetir: ele precisará ser o presidente de todos os brasileiros. Essa questão, de aparente obviedade, precisa ser ressaltada quando, por exemplo, se analisa o desempenho dos candidatos e se percebe que o Nordeste votou majoritariamente a favor de seu concorrente. Estabelecer uma relação republicana, portanto, é uma tarefa urgente para o novo governo.

Além disso, o presidente eleito terá a missão de começar a atender, a partir de agora, as expectativas que despertou. Não será fácil tanto pela grande quantidade de mudanças aguardadas por seus eleitores quanto pelo momento fiscal delicado que o País atravessa.

Bolsonaro encontrará uma Câmara de Deputados fragmentada, com 30 partidos políticos, e um Senado com 21 siglas. É de se imaginar, com inúmeros interesses conflitantes – somando-se o corporativismo, sempre presente -, a dificuldade para se chegar a um denominador comum a respeito das propostas a serem aprovadas.

Por fim, o novo presidente também será cobrado para que contenha o discurso beligerante contra a oposição. No seu pronunciamento de vitória, Bolsonaro destacou o respeito à Constituição e às liberdades. A fala, correta nesses pontos, agora precisa se refletir na prática.

O momento é de serenar ânimos e não de aguçá-los. Somente assim será possível pacificar a sociedade, de modo que o interesse de todos os brasileiros esteja acima das contendas partidárias, por mais agudas que elas sejam.

Um primeiro passo seria que o presidente eleito repudiasse agressões contra profissionais de imprensa, a exemplo do que se viu durante a cobertura da festa de sua vitória, inclusive contra equipes do O POVO. Atos como esses vão na contramão do que se espera para a Nação.

(Editorial do O POVO)

Confira a lista dos governadores eleitos em segundo turno

Em São Paulo, o tucano João Doria derrota Márcio França (PSB).

Confira a lista dos governadores de 13 estados e no Distrito Federal, que foram eleitos nesse domingo em pleito de segundo turno.

Rio de Janeiro

O ex-juiz federal Wilson Witzel (PSC) foi escolhido governador do Rio de Janeiro, derrotando o ex-prefeito da capital Eduardo Paes (DEM).

São Paulo

O ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) foi eleito governador de São Paulo. Ele disputou oo segundo turno das eleições de 2018 com Marcio França (PSB).

Minas Gerais

O candidato do partido Novo, Romeu Zema, foi eleito neste domingo, 28, o novo governador de Minas Gerais. O segundo colocado foi Antônio Anastasia, do PSDB.

Santa Catarina

Comandante Moisés (PSL) é o novo governador eleito de Santa Catarina. Ele obteve a vitória em disputa contra Gelson Merísio (PSD).

Distrito Federal

O advogado Ibaneis Rocha (MDB) é o novo governador eleito do Distrito Federal. O emedebista confirmou a eleição em vitória folgada sobre o atual governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB).

Pará

Filho de Jader Barbalho é eleito governador do Pará, ao derrotar Márcio Miranda (DEM).

Rio Grande do Sul

Eduardo Leite (PSDB) é eleito como governador do Rio Grande do Sul. Natural de Pelotas, ele foi prefeito do município de 2013 a 2017. Ele disputava a eleição em 2018 contra o atual governador do RS, José Ivo Sartori (MDB).

Rio Grande do Norte

A senadora petista Fátima Bezerra foi matematicamente eleita governadora no Rio Grande do Norte, com 87% das urnas apuradas no segundo turno do Estado. Seu adversário, Carlos Eduardo (PDT), ex-prefeito de Natal, tinha 42,5%.

Mato Grosso do Sul

O candidato à reeleição em Mato Grosso do Sul pelo PSDB, Reinaldo Azambuja, foi reeleito neste domingo, 28. O segundo colocado, Odilon de Oliveira (PDT), teve 47,65% dos votos.

Amazonas

O candidato do PSC, Wilson Lima, venceu no Amazonas. O segundo colocado foi Amazonino Mendes, do PDT.

Amapá

Com 100% das urnas apuradas, o candidato do PDT, Waldez Góes, foi reeleito governador do Amapá no segundo turno. Seu adversário foi Capi (PSB).

Roraíma

O candidato do PSL, Antonio Denarium, está eleito para comandar o governo de Roraima. Ele disputou o segundo turno com José Anchieta (PSDB).

Rondônia

O candidato Coronel Marcos Rocha (PSL) foi eleito neste domingo, 28, governador de Rondônia. O segundo colocado foi Expedito Júnior (PSDB).

Sergipe

O candidato pelo PSD ao governo do Estado de Sergipe, Belivaldo Chagas, atual governador do Estado, está eleito para um novo mandato. O outro candidato que disputava o segundo turno em Sergipe foi o deputado federal Valadares Filho (PSB).

(Com Agências)

General Heleno, futuro ministro da Defesa: Generais não vão mandar no governo de Bolsonaro

O general Augusto Heleno, futuro ministro da Defesa do Governo Bolsonaro, afirmou para o Portal Uol, que é uma “loucura” e uma “palhaçada” achar que generais vão mandar no próximo governo. ele disse que a suposta ameaça à democracia não existe e é fruto
de preconceito contra o presidente eleito.

“Isso é loucura. Isso só cabe na cabeça de quem não conhece. Nem nas Forças Armadas, nem o Bolsonaro, isso é uma palhaçada. É uma bobagem sem tamanho”, afirmou o general, enquanto apoiadores do novo presidente eleito gritavam ao fundo
contra a corrupção.

“A verdade é a seguinte. Ameaça à democracia só estava vendo que quem tinha preconceito contra o Bolsonaro. Não tem nenhuma ameaça à democracia. Esse carimbo de fascismo no Bolsonaro não tem o menor sentido”; completou.

Sobre os planos do novo governo, Heleno afirmou que a preservação da Amazônia é uma prioridade e que a intenção é respeitar legislações em vigor e reforçar o Ibama, evitando ao máximo desmatamentos. Para ele, a selva vale mais preservada
do que destruída.

Em relação à sua área da Defesa, Augusto Heleno afirmou que a tendência é não haver uma renovação da intervenção federal da segurança pública no estado do Rio de Janeiro, cuja segurança está sob controle das Forças Armadas.

(Foto  Agência Brasil)

100% de apuração – Bolsonaro obteve 57,7 milhões de votos

Com 100% da apuração das urnas, Jair Bolsonaro (PSL) obteve 55,13% dos votos válidos, conquistando 57.796.986 votos. Fernando Haddad (PT) teve 44,87% dos votos, o equivalente a 47.038.963 votos.

A diferença entre os dois candidatos foi superior a 10,7 milhões de votos. As abstenções somaram 21,3% (31,3 milhões de votos). Votos brancos foram 2,14% (2,4 milhões de votos) e nulos, 7,43% (8,6 milhões de votos).

O Nordeste foi a única região que deu vitória ao petista no pleito. Quatro estados possuem governadores do próprio partido de Haddad: Fátima Bezerra, eleita no Rio Grande do Norte; Camilo Santana, reeleito no Ceará; Wellington Dias, reeleito no Piaui; e Rui Costa, reeleito na Bahia.

(Agência Brasil)

Jornalistas do O POVO e do Sistema Verdes Mares sofrem agressão em comitê de Bolsonaro no Ceará

1205 6

Jornalistas do O POVO e do Sistema Verdes Mares sofreram agressões físicas e verbais enquanto trabalhavam na cobertura da festa de militantes do novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL). Elas estavam no comitê do militar no Ceará, na avenida Antônio Sales. O POVO Online não divulga os nomes das repórteres para preservar a segurança das vítimas.

A repórter do O POVO foi derrubada de cima de um equipamento de som da organização do evento. Na queda, ela feriu dedos e machucou os braços. Ela ainda foi agarrada pelo rosto e agredida verbalmente, assim como um repórter que a acompanhava, agarrado pelos braços. A mulher ainda foi assediada por militantes. Também mulher, jornalista da Verdes Mares ouviu ataques verbais enquanto tentava trabalhar. Carro da emissora foi apedrejado.

Ataques à imprensa

Nesta semana, O POVO publicou série de reportagens sobre ataques à imprensa. Durante a campanha, 141 casos de agressão contra jornalistas foram registrados, segundo lista da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

(O POVO Online)

Donald Trump parabeniza Bolsonaro

Em sua página no Facebook, o presidente eleito Jair Bolsonaro informa ter recebido mensagem do presidente dos EUA. Confira:

Recebemos há pouco ligação do Presidente dos EUA, Donald J. Trump nos parabenizando por esta eleição histórica! Manifestamos o desejo de aproximar ainda mais estas duas grande nações e avançarmos no caminho da liberdade e da prosperidade!

(Foto – Reprodução de TV)

Haddad não cumprimenta Bolsonaro e diz que lutará pela defesa da democracia

361 1

Durante discurso em Porto Alegre, na noite deste domingo (28), o petista Fernando Haddad lamentou que o PT teria sido “atropelado” nestas eleições, diante da prisão do ex-presidente Lula e a cassação da pré-candidatura do próprio Lula. Haddad também lamentou o impeachment de Dilma Rousseff.

Sem cumprimentar o presidente eleito, Haddad revelou que fará oposição em defesa da democracia.

(Foto: Reprodução)

Bolsonaro promete um Brasil unificado, oportunidades aos jovens e juros baixos

Em seu primeiro discurso como presidente eleito, Jair Bolsonaro prometeu trabalhar por um Brasil próspero, livre e democrático.

Bolsonaro garantiu que irá reduzir a estrutura da máquina pública e quebrar paradigmas, como a unificação do Brasil, sem norte ou sul. “Somos todos brasileiros”, destacou.

O presidente eleito assegurou ainda que irá trabalhar pelo emprego, pela renda e pelo equilíbrio fiscal, diante de dívidas decrescentes e juros mais baixos.

“Governaremos para as futuras gerações e não para as próximas eleições”, comentou, ao falar que irá trabalhar pela juventude.

(Foto: Reprodução)

Com 88% das urnas apuradas, Bolsonaro tem mais de 10 milhões de votos de diferença

Com 88,8% dos votos apurados, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, é praticamente o presidente do Brasil, com uma vantagem de mais de 10 milhões de votos de diferença para o petista Fernando Haddad. Bolsonaro está com 55,7% dos votos, contra 44,3% de Haddad.

O novo presidente venceu em todas as regiões do país, à exceção do Nordeste, que vai dando vitória a Haddad, com cerca de 60% dos votos válidos.

Ibaneis Rocha é eleito no DF, enquanto Doria e Witzel também devem confirmar vitória em SP e no RJ

O advogado Ibaneis Rocha (MDB) já está eleito governador do Distrito Federal, com mais de 70% dos votos válidos. A derrota do atual governador Rodrigo Rollemberg (PSB) aponta uma tradição no Distrito Federal, que não reelege o chefe do Executivo.

No Rio de Janeiro, está praticamente eleito o ex-juiz federal e ex-fuzileiro naval Wilson Witzel (PSC), com mais de 60% dos votos válidos. Ele superou o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM), que iniciou a disputa como favorito, ainda no primeiro turno.

Em São Paulo, apesar da disputa acirrada, o empresário João Doria (PSDB) vai confirmando as pesquisas de boca de urna e deverá ser confirmado governador do Estado, com pouco mais de 52% dos votos válidos. Ele superou neste segundo turno o advogado e atual governador paulista Márcio França (PSB).

(Foto: Arquivo)