Para articulista, Itamar levou mágoas de FHC

Com o título “As mágoas que Itamar levou consigo”, eis artigo do jornalista e radialista Messias Pontes. Ele comenta a trajetória do ex-presidente falecido e as “decpções” que levou principalmente no que diz respeito ao ex-ministro dele, FHC. Confira:

O senador e ex-presidente da República Itamar Franco, morto no último sábado 2, teve, como todo político, suas contradições. Ele completou o restante do governo Fernando Collor de Mello -cassado por corrupção. Chegou ao final com alto índice de aceitação popular tanto pela estabilidade econômica como pelo combate à corrupção.

Elegeu o Coisa Ruim (FHC) seu sucessor pensando em retornar ao poder quatro anos depois, já que tinha dele a garantia de apoio neste sentido. Itamar acreditou na gratidão daquele a quem tirou do ostracismo político, fez dele ministro das Relações Exteriores e depois da Fazenda para coordenar a equipe que elaborava o Plano Real.

A primeira grande decepção com o seu sucessor foi logo no primeiro mês de governo: no dia 19 de janeiro de 1995, através do Decreto nº 1.376 o Coisa Ruim extingui a Comissão Especial de Investigação (CEI) criada por ele, Itamar, para apurar denúncias de corrupção em todas as esferas do governo federal.  A CEI era um dos orgulhos de Itamar, e ele esperava que o seu sucessor desse continuidade.

A segunda grande decepção, e esta doeu profundamente, foi descobrir que o seu sucessor extinguiu a CEI justamente para cimentar a estrada da corrupção que levaria à aprovação da Proposta de Emenda Constitucional da reeleição, como ficou amplamente demonstrada pela oposição de então e através de depoimentos de parlamentares que declararam ter recebido R$ 200 mil para rever a posição e votar a favor, entre eles João Maia e Ronivon Santiago, ambos do PFL do Acre e que tiveram de renunciar ao mandato para não ser cassados e ficar inelegíveis por oito anos.

A traição a Itamar Franco  – e ao Brasil – foi tamanha que este  declarou que o maior arrependimento de sua vida foi ter indicado e apoiado o Coisa Ruim para sucedê-lo. Se a institucionalização da corrupção, com a extinção da CEI, já era inaceitável, posto que Itamar sempre foi um ferrenho defensor do combate à corrupção, com a quebra unilateral do acordo que certamente o levaria de volta ao Palácio do Planalto fez Itamar a perder todo o respeito que um dia nutriu pelo Coisa Ruim. O ex-senador mineiro também se disse arrependido de ter permitido que o seu sucessor assinasse a cédula do Real mesmo não sendo mais ministro da Fazenda.

O zelo pela coisa pública marcou a passagem do político mineiro pela Presidência da República e pelo governo de Minas Gerais. Ele afastou da chefia da Casa Civil o seu ministro Henrique Hargrives – seu amigo-irmão e o auxiliar de mais confiança – por este ter sido acusado de corrupção. Mandou realizar profunda investigação, ficando constatada a inocência de Hargrives, sendo este reconduzido ao cargo.

O governo neoliberal tucano-pefelista foi o mais corrupto da história republicana. Quem não se lembra dos escândalos da reeleição, do Proer, do DNER, da Sudam, da Sudene, da Pasta Rosa, do Sivam e principalmente das privatizações? E o que dizer do escândalo que ficou conhecido como Pavilhão de Hanouver, onde Paulo Henrique Cardoso, filho do Coisa Ruim gastou R$ 14 milhões liberado pelo governo para montar o pavilhão brasileiro na Expo 2000, na Alemanha?

Modesto Carvalhosa – advogado, doutor e livre-docente em Direito pela Universidade de São Paulo e ex-membro da CEI, afirmou categoricamente que “Infelizmente, verifica-se que no governo FHC a corrupção grassou de forma nunca antes vista”. E o general Felicíssimo Cardoso, tio do Coisa Ruim, afirmou que “Esse meu sobrinho não merece confiança”.  Precisa dizer mais?

Mas as decepções do criador com a sua criatura não param por  aí. Quando assumiu o governo de Minas Gerais, Itamar tentou renegociar a dívida do Estado com a União, mas o Coisa Ruim foi contra, forçando-o a decretar uma moratória, fato que gerou uma retaliação contra o governo mineiro. O uso de tropas do Exército em Minas para desalojar os integrantes do MST da fazenda do Coisa Ruim foi outra afronta que ele, Itamar, não engoliu, pois considerou uma intervenção federal indevida. Por fim, Itamar o chamou de mentiroso por ele ter se apresentado ao País como o pai do Plano Real.

Essas mágoas Itamar Franco levou consigo para o túmulo, ou melhor, para o crematório.

* Messias Pontes,

Jornalista e radialista.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

3 comentários sobre “Para articulista, Itamar levou mágoas de FHC

  1. Em 2002 o então governador de Minas, Itamar Franco embora apoiando Lula tratava o então presidente Fernando Henrique de meu amigo. Em 2006 o presidente Lula retribuiu o apoio de Itamar manobrando o PMDB mineiro para negar-lhe legenda para disputar o senado e preferindo o corrupto assumido Newton Cardoso, um velho companheiro de botequim e um homem que se orgulha de ter amealhado na política um patrimônio de 3 bilhões de dólares .

    O senhor Messias Ponte agora vem dar uma de irmã Jurema ou mãe Dinah, tentando adivinhar o que se passava no íntimo do ex presidente Itamar Franco, talvez seja até bom pois ele precisa mesmo mudar de ramo uma vez que como jornalista é digno não de repulsa mas de caridade cristã.

  2. Caro amigo, não se preocupe que o governo petista jajá estará superando esta ” meta ” de corrupção, mas como disse Pedro Simon, grande politico e um dos unicos éticos do PMDB, FHC foi fichinha comparado com Lula e Companhia. Sugiro que você guarde suas mágoas ideológicas para si mesmo, deixe de manipular as massas com chavões já desgastados e olhe para seu próprio umbigo, pois as benesses e os ” milagres ” da gestão Lula se deram graças aos avanços do ” Coisa Ruim”. Queria que o Lula tivesse sido eleito em lugar de Collor depois de ter sucedido o “ótimo ” Sarney, tenho certeza que a consagração seria mesmo o ostracismo perpétuo de Lula.

  3. O fracasso do jornalista, que não tem qualquer repercussão em seu trabalho, ninguém sabe nem que é,não pode servir de premonições levianas.Eliomar, sei que não vai publicar, mas a expressão popular não é ofensiva na literalidade da palavra, mas, “a inveja ainda mata um corno desse”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − cinco =