A política para todos e a política sindical

Em artigo enviado ao Blog, o leitor André Luiz Gomes comenta que a política sindical não pode prevalecer aos interesses da população. O estudante universitário rebate campanha publicitária do Sindicato dos Médicos, que requer os investimentos do Réveillon – incluindo o patrocínio privado – para a área da Saúde. Confira:

O Sindicato dos Médicos do Ceará (Simec), presidido pela doutora Mayra Pinheiro, lançou campanha publicitária demagógica contra o Réveillon de Fortaleza. O material veiculado com linguagem irônica induz ao pensamento de que não deveria ser investido dinheiro público no Réveillon, para que os recursos sejam destinados aos médicos do município.

De acordo com informações da Prefeitura de Fortaleza, a tradicional festa de fim de ano está entre os maiores eventos de todo o País, sendo majoritariamente financiada com recursos de patrocínio privado, e nenhuma atração artística é paga antes de o show ocorrer.

A realização do Réveillon proporciona diversos benefícios socioeconômicos para a cidade, visto que o evento gera emprego e renda, coloca Fortaleza gratuitamente na mídia nacional (tornando a Capital, cada vez mais um dos principais destinos do Brasil) e garante também que a população mais carente tenha acesso a atrações, normalmente acessíveis apenas para aqueles que podem pagar.

Uma gestão pública deve olhar para a cidade como um todo, diferentemente de um sindicato que defende apenas os interesses de um determinado grupo.

É absurdo fazer uso de material publicitário apelativo para defender apenas uma classe, tentando colocar fim em um evento que beneficia tantas outras categorias como funcionários de hotéis e restaurantes, vendedores, taxistas, recicladores e muitos outros.

Acabar com um evento que beneficia inúmeras pessoas e que gera renda para favorecer apenas uma classe de médicos não é uma atitude de gente social e politicamente responsável.

O legítimo seria que o sindicato defendesse a sua categoria e buscasse, de forma séria, soluções viáveis junto ao poder público, em vez de divulgar conteúdo demagógico com uma espécie de luta que, caso viesse a ter êxito, poderia acabar gerando ainda mais desemprego em nossa Capital.

Na verdade, é válido refletir se esta campanha não tem mesmo é interesse político e eleitoreiro, tendo em vista que a presidente é filiada ao PSDB e foi candidata a deputada em 2014. Será que isto já seria plataforma para 2018? Isto é autopromoção ou luta pela categoria?

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Um comentário sobre “A política para todos e a política sindical

  1. Há de se observar os fatos. Qual o real valor investido, pelo poder público, para a realização do evento??? Depois nos posts veiculados, pelo sindicato, em nem um momento fala em usar o dinheiro para benefícios dos médicos e sim para procedimentos médicos e acesso a medicamentos. Não se pode apenas especular. Seria muito fácil alguém dizer que o estudante, responsável pelo comentário, tenha recursos suficientes para não precisar da saúde pública ou que seja ligado a outro grupo político. Comentários, sejam de quem for, sem ter base em dados reais, são meramente especulativos e danosos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − cinco =