Por trás dos ataques

Da Coluna Vertical, no O POVO desta sexta-feira (21):

Há registro de pelo menos seis facções no estado do Ceará: PCC, Comando Vermelho (CV), GDE (dissidência local do CV), Família do Norte (FDN), Amigos dos Amigos (ADA) e Equipes Mentes Criminosas (local). Houve rompimento, em termos nacionais, do PCC com o Comando Vermelho, o que gerou as rebeliões e mortes nos sistemas prisionais do Amazonas e Roraima, nos primeiros dias de 2017.

No Ceará, os presos do PCC, no fim de dezembro, foram isolados na CPPL 3 para evitar confronto de facções. Ao que tudo indica, agora houve rompimento, no Ceará, do GDE com as demais.

Os membros da GDE foram transferidos para a CPPL 2, o que teria gerado a reação a que estamos assistindo. Há quem atribua também a intensidade dos ataques a uma resposta às bravatas do secretário André Costa (SSPDS), adepto do marketing policial e afeito a aceitar desafios pelo Facebook.

Não se conhece o plano do Estado para enfrentar a situação, que é grave, mas tem-se uma certeza: foi o maior ataque a ônibus já registrado, em todos os tempos, no Ceará.

Enquanto isso, a lei estadual sobre bloqueio de celulares nos presídios continua questionada, no STF, em Brasília.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × quatro =