Prefeitura veta criação de conselhos escolares, denuncia petista

ronivaldomaia

O vereador Ronivaldo Maia (PT), ex-líder da administração Luizianne Lins, denuncia, ensta quinta-feira, na Câmara Municipal, a chegada a essa Casa de um veto do prefeito Roberto Claudio (PSB) ao Projeto de Lei nº 237/2012. Esse projeto cria oficialmente os Conselhos Escolares das Escolas Públicas Municipais de Fortaleza e o Fórum Municipal dos Conselhos Escolares.

Segundo Ronivaldo, o veto já seguiu para a Comissão de Legislação, Justiça e Cidadania, deve ser apreciado e retornará ao plenário para votação. Para ele, se o veto for aprovado “será uma grande contradição”, já que a maioria desses mesmos vereadores aprovou a criação dos Conselhos e do Fórum.

O vereador lamenta que a atual administração dê a impressão de “não dar valor aos instrumentos que ampliam as instâncias democráticas e de participação popular na cidade. Ou então o prefeito não está nem tomando conhecimento dos conteúdos dos projetos de lei que foram enviados ainda pela gestão passada”.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

2 comentários sobre “Prefeitura veta criação de conselhos escolares, denuncia petista

  1. Caro Eliomar,
    Ainda não tive tempo de responder a esta intervenção do nobre colega Ronivaldo Maia. Mas, tenho que esclarecer alguns pontos: Em primeiro lugar este “Conselho” retira tempo (50%) professores em sala de aula, o que contraria a politica atual do Gov. Municipal de priorizar o ensino básico na cidade. Além do mais , o referido “conselho” retira TODA a autonomia da direção escolar absorvendo açoes puramente administrativas que são da alçada e responsabilidade do Gestor (a) da Unidade escolar. Por, fim, para não me alongar, permite que os professores , mesmo com a carga reduzida em 50% durante os dois anos do mandato, INCORPOREM 100% desse tempo ao final do período, o que não é justo. Logicamente, NÃO É um instrumento que amplia gestão democrática.
    Ver. Elpidio Nogueira.
    Lider PSB CMF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 12 =