PSDB pode recuar da decisão de fazer CPI do Castelão

“Já não é tão garantido assim o apoio da bancada do PSDB que viabilizaria a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigaria possíveis irregularidades no processo licitatório para a reforma do estádio Castelão. Ontem, o candidato tucano ao Governo do Estado, deputado Marcos Cals (PSDB), afirmou que o PSDB ainda não possuiu posicionamento sobre o caso. “Eu entendo que a gente tem de discutir democraticamente. Se nós sempre pregamos o diálogo e a decisão democrática, então vamos ouvir toda a bancada”, defendeu.

O posicionamento de Cals vai de encontro à opinião do deputado João Jaime (PSDB), que, na terça-feira, afirmou que a bancada tucana iria assinar o requerimento para a criação da CPI, de autoria do deputado Heitor Férrer (PDT). “É uma questão grave, tem de ser investigada. Não podemos colocar tudo para debaixo do tapete”, argumentou.

Para Cals, entretanto, o que há é uma “tendência” para que os tucanos assinem o documento. Mas o candidato não perdeu a oportunidade de alfinetar o Governo. Na linha do “quem não deve, não teme”, sugeriu que a atual gestão processe a revista Veja, autora da matéria que denuncia possível favorecimento para um dos consórcios que disputam o contrato para reforma do Castelão.

“Entendo que os representantes do Estado do Ceará, nesse momento, precisam dar satisfação. Eu, se estivesse na gestão, chamaria a minha procuradoria, entrava logo com um processo de danos morais à imagem do Estado e do povo do Ceará, para mostrar a minha indignação”.

O deputado Luiz Pontes (PSDB) segue a mesma linha. “Entendemos que a CPI é uma responsabilidade muito grande, e é um instrumento muito importante para o Parlamento. Então, precisamos analisar todas essas questões e tomar uma posição”, afirma, ressaltando que a bancada “fechará questão” até amanhã.

Sem recuo

Apesar da postura reticente dos neo-opositores, Heitor Férrer garante que o líder da bancada tucana, João Jaime, continua firme. E voltou a defender a necessidade de abertura da CPI. “Eu não considero uma comissão parlamentar de inquérito uma coisa de outro mundo”, afirma.

O requerimento que pede a abertura da CPI ficou pronto ontem e possui quatro assinaturas: a do próprio Heitor Férrer e de outros três parlamentares. São eles: Adahil Barreto e Vasques Landim – ambos do PR – e Cirilo Pimenta (PSDB), que nem esperou a deliberação da bancada de seu partidos. São necessárias ainda outras oito assinaturas.

Entre os argumentos do documento, a ausência, no processo licitatório, “de análises técnicas sobre pesquisas de preços máximos e mínimos, projeção de fluxo de caixa e da contraprestação pública a ser desembolsada, e o resultado econômico-contábil suportado, ao final, pelo Estado do Ceará”.

( O POVO)

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 3 =