Quais são os limites da ação dos prefeitos?

Com o título “Os limites da ação dos prefeitos”, eis o Editorial do O POVO desta quarta-feira. Uma leitura para boas reflexões. Confira:

Fortaleza está na reta final de mais uma campanha para a Prefeitura da cidade. No próximo domingo, mais de um milhão de eleitores vão se deslocar até as urnas de votação para realizarem suas escolhas. Foi uma campanha diferente, com tempo mais curto e atividades menos ostensivas. Porém, os candidatos não têm do que reclamar quanto aos espaços disponíveis para que suas mensagens chegassem até os eleitores.

É extensa a lista de temas abordados na atual campanha. Porém, os candidatos priorizaram as questões que mais dizem respeito às atividades fins do setor público municipal: saúde, educação e transporte com todas as extensões que cercam cada tema. O espaço público também mereceu atenção especial dos concorrentes. Tema questionável para uma campanha de prefeito, a segurança pública acabou por ocupar espaço por demais generoso.

A nossa cultura política tem como uma de suas marcas o excesso de valorização acerca do papel do setor público na vida social. Muitas vezes, grandes questões cuja solução dos problemas depende de fatores externos são apresentados aos eleitores como uma responsabilidade municipal que depende apenas da “vontade política” do gestor plantonista. Por sua vez, a política não atua para se livrar desse peso.

Sem dúvidas, uma distorção que acaba levando os candidatos a assumir um discurso falso e ilusório. Afinal, problemas relacionados, por exemplo, ao desenvolvimento econômico do País jamais terão soluções de âmbito local. É o caso também da área da saúde, cujas raízes dos problemas se encontram em um modelo nacional que se mostra incapaz de dar os esperados resultados. Tanto que todas as grandes cidades brasileiras sofrem com fracassos similares no setor.

Com a educação pública e o transporte, a leitura é diferente. Muitas cidades do País já mostraram que os saltos de qualidade nessas duas áreas são bastante plausíveis. O sucesso, portanto, depende demais da qualidade da gestão do poder municipal.

O ideal é que alcancemos a maturidade de compreender os limites da ação estatal e as responsabilidades que muitas vezes são mais da sociedade que dos governos.

A relação da cidade com o lixo é um exemplo chocante.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 1 =