Quando criar caso é o menor problema

Da coluna Política, no O POVO desta quarta-fera (23), pelo jornalista Érico Firmo:

A despeito das críticas políticas que fiz ao show de Ivete Sangalo, é possível que o Governo do Estado tenha agido dentro do que exige a lei para contratar a artista para se apresentar na inauguração do hospital regional da Zona Norte, em Sobral. Não entrarei nesse mérito. Foi o que consideraram, no primeiro momento, os técnicos do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Mas não precisava o governador Cid Gomes (PSB) se referir ao procurador-geral do TCE de forma tão pouco respeitosa. Chamar Gleydson Alexandre de “garoto que deseja aparecer e fica assim criando caso” é desrespeitoso com ele e com a instituição. Cid disse que “para ficar aparecendo na imprensa, fica fazendo recurso”.

Ora, Gleydson, de fato, teve a primeira representação negada e fez nova investida, com novos elementos. Está no seu papel, se achar que assim deve agir. Claro que o governador não precisa gostar. Mas o Estado não está em posição de reclamar de quem recorre contra decisões desfavoráveis. Um exemplo: desde a década de 90, a administração estadual foi condenada a implantar o piso salarial para professores da Universidade Estadual do Ceará (Uece).

Mesmo com sentença transitada em julgado, houve recursos protelatórios de toda ordem, postura que rendeu ao governo até a pecha de litigante de má-fé atribuída pelos julgadores. Vários dos interessados morreram sem receber o que lhes era devido.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

2 comentários sobre “Quando criar caso é o menor problema

  1. COMO DIRIA ELIOMAR DE LIMA – VAMOS NÓS, ÉRICO – Não bastasse a mediocridade da crítica, ele ainda se utilizou de um argumento que só fez piorar a sua defesa. Alegou que neste periodo o show é mais caro por ser tratar de alta estação. Ora, ora, que insensatez. Se o hospital só vai funcionar em fevereiro, o que eu não acredito, então que deixasse para inaugurar justamente no periodo que ele fosse funcionar. Apesar de que acho que a melhor forma de inaugurar seria com atendimento de primeira. No mais, Caro Érico, gostaria que, se fosse possível, você fizesse uma analise sobre os absurdos que a justiça vem julgando os casos que envolvem os Ferreiras Gomes e seus caprichos de cunho politiqueiros. Materias públicas no Jornal O Povo dão conta de tais absurdo. Primeiro, o caso dos consignados ainda não resolvido. Tem os escandalos do kits sanitários que até agora o TCE não deu um veredicto sequer. Isso sem falar que eles arquivaram o caso do show de Ivete. Além de também não terem investigado o superfaturamento do Centro de Eventos sem passarela a qual constava no Projeto. Teve o caso da nomeação no Tribunal de Contas do Municipio, Sr. Hélio, que não poderia assumir e continua irregularmente. Agora, a justiça manda arquivar o processo contra as calúnias de Ciro feita aos policiais. Além de permitir abusividades nas nomeações de predios públicos, em Sobral, de pessoas vivas ligadas a familia. Já não bastassem os mortos. Façam o levantamento de quantos instituições aderiram o nome da família neste periodo de governo e nos anterior, como o caso de Sobral. Agora me digam: Que Estado é esse? Casa Grande? Por que a Senzala, para segurar a revolta do povo, alimentam os mesmos com pão e circo.

  2. Então, diante de tudo acima dito, é de se concluir que a Justiça do Ceará tá dando cada vexame jurídico. Mas isso não é inovar o Direito, e sim, inverter/reverter o mesmo!?. Com a palavra o CNJ.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =