Renascerá em outros corações

Em artigo no O POVO deste sábado (3), o médico, antropólogo e professor universitário Antonio Mourão Cavalcante afirma que a reação popular deve ser entendida como um clamor da sociedade brasileira contra a corrupção e igualmente “contra estas reformas que sufocam as mínimas conquistas dos trabalhadores, ao longo de décadas”. Confira.

Durante muitos meses, o meu discurso era um só: Lula, Dilma e o PT não são os únicos responsáveis pelo desastre do Brasil. Há mais gente nisso. Aqueles que acusam não têm telhado sólido. Há que investigar a todos. Mas, durante meses, a “República de Curitiba” só aceitou denúncias contra esse triângulo mágico. Uma vez esses personagens afastados da política, o Brasil seria um mar de rosas.

Nesse contexto aconteceu a queda de Dilma e as repetidas capas da Veja: Lula vai ser preso. Lula é bandido etc. Quando foi possível avançar por outros caminhos, o Brasil está escancarado. É Aécio, Temer, Cunha, Serra. Uma lista imensa.

Vamos avançar para águas mais profundas. E, assim como tivemos autoridade para exigir a fatura total, precisamos agora ajustar as contas. O grande dilema do Brasil é saber para quem desejamos construir a nação.

É muito curioso que as elites digam que o Temer pode até cair. Provavelmente ele não é mais útil, como ocorreu com Eduardo Cunha e outros. São automaticamente cuspidos do navio. Entretanto, as reformas precisam ser implantadas para o bem do País! Que mentira, meu Deus! Quanta falácia! Se eles próprios são os principais devedores.

A reação popular deve ser entendida sobre duas vertentes. Primeira, não é um protesto apenas contra a corrupção, mas igualmente contra estas reformas que sufocam as mínimas conquistas dos trabalhadores, ao longo de décadas. Num passe de mágica, os empresários, curtos de compreensão, querem sufocar as massas que consomem o que fabricam. Segunda, não menos importante: as lutas populares, inclusive contra as reformas, não são apanágio do PT, da CUT ou do MST. Devem ser entendidas como um clamor da sociedade brasileira.

Durante muitos anos, o Partido dos Trabalhadores procurou conduzir estas bandeiras sociais. Hoje, não possui o mesmo crédito. Recordo o querido dom Hélder Câmara: “Não é porque bandeiras certas andaram por mãos erradas que devemos abandoná-las”. A luta continua. E, como na canção de Charles Chaplin (Smiles), “se o ideal que sempre nos acalentou, renascerá em outros corações”…

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 13 =