Secretária e o pepino das cooperativas de terceirizados da Capital

Da Coluna Vertical, no O POVO desta quinta-feira (10):

“Um pepino misturado com abacaxi!”, eis a definição que a secretária municipal da Saúde, Socorro Martins, faz do Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Apoio à Gestão em Saúde (IDGS), que responde pela contratação dos terceirizados em atuação na rede de saúde de Fortaleza. Ela afirma que iniciou uma “completa avaliação” nos dados sobre essa organização social e que, diante de tal quadro, vai contar com apoio direto da Procuradoria Geral do Município para “descascar esse abacaxi”.

Socorro Martins não entra em detalhes. Deixa claro, no entanto: virá uma seleção pública para diretores de hospitais e centros de saúde.

“Dentro de uma semana, a gente terá radiografia completa do IDGS. Nosso objetivo é preservar quem trabalha”, acentua.

Ela estima mais de 4.400 contratados pelo IDGS, o que envolve quase R$ 9 milhões mensais.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

3 comentários sobre “Secretária e o pepino das cooperativas de terceirizados da Capital

  1. São sete caixas pretas, sendo o IDGS a mais preta das caixas. Precisamos saber quem efetivamente estava por trás dessas agências de terceirização de mão de obra, quantos servidores foram contratados por cada uma delas e a relação de quanto ganhava cada um dos terceirizados. Há fortes suspeitas de que todas as terceirizadoras eram controladas por integrantes da estrutura de poder da Luizianne. Uma outra acusação corrente é a de que existiam contratações fantasmas, isto é, a prefeitura pagava por trabalhadores que nunca compareceram às secretarias. Outra acusação se refere à contratação com salários altíssimos de conhecidos apaniguados da Luizianne.
    Talvez, uma auditoria rigorosa responda a todos os questionamentos feitos pelos contribuintes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − 8 =