Segurança e Democracia

Da coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (26):

Uma das grandes dificuldades de se abordar a questão da Segurança Pública no Ceará, neste momento de tensão, é a possibilidade de qualquer abordagem ser lida como tendenciosa, por um lado ou por outro (governo e movimento reivindicativo da PM). Mas esses são os ossos do ofício. Mais grave, porém, seria se as diversas representações da sociedade civil se omitissem – sobretudo, as instâncias acadêmicas (especialistas da área) e as lideranças políticas e comunitárias, para não serem mal interpretadas. Há, porém, uma premissa que, desde logo, deve ser colocada nesse debate: ninguém é favorável a uma ação inconstitucional (como seria um movimento paredista na PM), nem toleraria uma situação tumultuosa como a que espocou no início de 2012, em Fortaleza. Mas, há o outro lado.

A consciência democrática também não concordaria que houvesse injustiças em nome da disciplina. O fato de a sociedade civil ter interferido, no auge da crise do ano passado, para encontrar uma solução política não significou que apoiasse a forma de luta (paralisação) da Polícia em defesa de seus direitos, embora entendesse a justeza das reivindicações. Os representantes da sociedade buscaram a saída possível e menos traumática para todos, alertando que a truculência não é a resposta mais adequada à democracia. E não há provas de que tenham errado nisso, nem nas recomendações que fizeram para que desdobramentos equivocados da questão não alimentassem um potencial fogo de monturo.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 8 =