Série B – Ceará tem “Terça-feira, 13” e perde em casa para o lanterna

foto-ceara-serie-b-160913-sampaio-correa

Em uma noite em que nada deu certo para o “Vozão”, o clube cearense foi derrotada, em pleno Castelão, pelo lanterna Sampaio Corrêa, por 1 a 0, nessa terça-feira (13), pela 25ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o Ceará chegou ao oitavo jogo sem vitória e se distanciou do G4. A equipe agora é a sexta colocada. Gustavo Marmentini, nos acréscimos do primeiro tempo, marcou o único gol da partida.

Na próxima rodada, no sábado (17), o Ceará enfrenta o Londrina, a partir das 16h30min, no interior do Paraná. A equipe paranaense ocupa a quinta colocação na tabela de classificação.

Embarque

O time do Sampaio Correa já deixou Fortaleza na madrugada desta quarta-feira, com destino a São Luís. Vai enfrenta o CRB. O técnico Flávio Araújo, está otimista e diz que o trabalho para salvar o clube do rebaixamento, prossegue.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Um comentário sobre “Série B – Ceará tem “Terça-feira, 13” e perde em casa para o lanterna

  1. Time de futebol presidido por político dá nisso. Época da campanha o presidente vai cuidar do seu cabide e deixa o time à própria sorte. Já vimos isso.
    O Fortaleza passou vários anos sob a administração Baquit, era peia sempre.
    Quando o Fortaleza dispensou o político, o “nosso” presidente, Leitão, estava no auge da política. Resultado, entramos em decadência e o leão em melhorias.
    Leitão fez que saiu, deixando seu chapa Robinson de Castro como presidente, que também trabalha na política.
    Na situação atual, só há duas saídas: o “político” entrega o cargo para um presidente, ou os torcedores votam contra o candidato do “presidente político”, de modo que ele volte ao trabalho no clube ao fim do 1º turno, porque se esperarmos até o fim do 2º turno teremos dificuldades para ficar na série B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 5 =