Sindicalista contesta artigo de professor sobre greve das universidades estaduais

O vice-presidente do Sindicato dos Professores da Universidade Estadual do Ceará (Sinduece), Eudes Baima, deixou o seguinte comentário a respeito do artigo do também professor da Uece, Cláudio César Magalhães Martins, que critica a greve da categoria e teme por certa conivência do reitor e do vice-reitor nesse processo. Confira:

Infeliz texto do professor. Ele passa totalmente ao largo do gravíssimo fato de que as estaduais padecem a falta de 800 professores, tendo muitos setores das instituições parado, já há tempos, não em função da greve, mas da falta de mão de obra. Esquece, pois deve viver em algum ponto da UECE onde as coisas estão boas, que o segmento dos técnico-administrativos, para além das questões já comentadas acima, está às vésperas da extinção, pois a maioria dos trabalhadores está se aposentando e, como jamais ocorreu concurso para o setor (para o qual nem vagas criadas existem!), até 2017, se prevê que não haverá mais nenhum efetivo na ativa. O professor que vive neste éden (onde será?) esquece que os campi de Tauá e Crateús não existem e que a UECE vive, aí, de favor das escolas estaduais. Esquece o professor, que o Governador preferiu doar o prédio da malograda Fatec de Itapipoca ao IFCE, deixando a FACEDI, faculdade da UECE, literalmente na rua da amargura. O caro mestre não vê que nossas estaduais carecem quase que completamente de assistência estudantil.

Quanto à acusação feita aos atuais gestores, só tenho uma coisa a dizer: o que a comunidade ofendida e humilhada de nossa universidade espera de um Reitor é que, numa situação extrema como essa a que nos relega o Governo, venha de fato para a luta e encabece a indignação da comunidade acadêmica e da sociedade em geral.

Já ao autor do artigo, só desejo que não acorde desiludido do sonho dourado em que está submergido.

Prof. Dr. José EUDES BAIMA Bezerra
Professor do Curso de Pedagogia da FAFIDAM-UECE
Pesquisador do EDUCAS e do CETROS
Vice-presidente da SINDUECE

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

6 comentários sobre “Sindicalista contesta artigo de professor sobre greve das universidades estaduais

  1. Como é ridículo o tratamento que os “doutores”se dão: chamam-se a si mesmos de “Dr”. Ora, isso numa comunidade acadêmica cria uma hierarquia medieval, típica de país com intelectuais que incorporaram o colonizador e se comportam como colonizados. É complexo de inferioridade. Numa universidade, professores, estudantes e funcionários são colegas. É ridículo tratar de doutores os professores com PhD. Todos são professores, exercem a mesma função. Deveriam os doutores como é o caso de Eudes Baima usar uma lapela de co vermelha escrito “Dr”. Ele deve ser uma homem conservador ou então um daqueles que têm discurso revolucionário só dos dentes para fora e não passa de intelectual vaidoso. “Prof. Dr. “, ai meu Deus, morro de vergonha.

  2. por lei o ensino superior é de responsabilidade do governo federal. Uma pergunta, quanto o governo federal repassa a estas universidades a título de ajuda ???

  3. Respeito a sua posição de grevista militante (nas greves de 2007 e 2008 você também mantinha uma posição de vanguarda). Só espero que não dê apoio aos atos de vandalismo e de anti-democracia que seus liderados vêm realizando no campus do Itaperi. Destruir interruptores, pichar paredes, retirar carteiras das salas de aula são atitudes que, no mínimo, podem ser tachadas de fascistas. No mais, uma pergunta: não existem outras formas de protesto além dessas que mencionei ? O diálogo com as autoridades não traria melhores resultados ? Fiz uma pesquisa junto aos meus alunos do Curso de Ciências Contábeis e todos eles foram contrários à greve. Será que estão errados ?
    Atenciosamente,
    Prof. Cláudio Martins

  4. Aluno de Pós-Graduação da UECE e de graduação da UFC, percebo cogitações ignaras por parte de “acadeMICOS” que tentam ser solidários ao Prof. Martins(Será pelo menos especialista ?) desmerecendo o nobre Prof. DR.EUDES BAIMA… O que lasca é que se pretendem pesquisadores de contábeis(ou seria contáveis ?) e de economia, mas desconhecem lições constitucionais elementares de direito e finanças públicas estaduais:

    1º. Não obstante o ensino superior ser competência da União, conforme a CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988, o Estado do Ceará tem o dever constitucional de manter as universidades por ele criadas na forma do Art.222 da Constituição do Estado do Ceará do 1989, vocês a conhecem ?

    2º.O Governador do Estado vergonhosamente descumpre o disposto no Art.224 da Constituição do Estado do Ceará, não repassando 5%(cinco por cento) da receita de impostos a universais estaduais, para efeitos de autonomia financeira, orçamentária e administrativa das universidades estaduais.

    Assim, nada adianta não aderir a greves, mas se meter a palpiteiro de greves sem conhecimento de causa.

    OS ALUNOS, PROFESSORES E SERVIDORES PUGNAM PELA AUTONOMIA ADMINISTRATIVA, ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA, QUE SÓ PODE SER OBTIDA SE A CONSTITUIÇÃO FOR CUMPRIDA E A RECEITA CONSTITUCIONAL REPASSADA ÀS UNIVERSIDADES ESTADUAIS…

  5. Com todo respeito, para mim esse tipo de opinião do Cláudio César (desconhecedor das reais situações que vivem as universidades estaduais) se resume a uma vontade imensa de assumir cargos administrativos dentro ou fora da sua instituição (quem sabe reitor?)! Prof. Cláudio César, o que você escreve é vergonho para as categorias (alunos, funcionários e professores) que estão lutando por um ensino superior de qualidade.
    Você realmente é desconhecedor, ou se faz de desconhecedor, da real situação que se encontra a UECE. Pobre Cláudio César.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 2 =